Percurso de investigação

Top PDF Percurso de investigação:

Desigualdades de género em profissões qualificadas e resistências à mudança: um percurso de investigação

Desigualdades de género em profissões qualificadas e resistências à mudança: um percurso de investigação

Embora estas medidas tenham sido criadas com o objetivo de diminuir a discriminação baseada nas pertenças sociais e ate- nuar os efeitos da discriminação do passado (Kravitz & Platania, 1993), geraram fortes controvérsias sociais desde a sua origem (Crosby & Cordova, 1996). A perplexidade gerada por estas con- trovérsias conduziu à formulação de perguntas condutoras do percurso de investigação. Por que será que medidas que procu- ram promover uma maior igualdade e, sobretudo, repor uma justiça de tratamento, sistematicamente violada no caso de certos grupos sociais, causam tanta controvérsia? Analisamos este fenómeno no âmbito da tese de mestrado (Santos, 2004), centrada na política, até porque Portugal era o país ideal para o fazer neste contexto, como veremos em seguida.
Mostrar mais

20 Ler mais

Coisas Velhas: um percurso de investigação sobre cultura escolar (1928-1958)

Coisas Velhas: um percurso de investigação sobre cultura escolar (1928-1958)

sobre cultura escolar (1928-1958).S.P.: Editora da UNESP, 2000; de Marilena A. Jorge Guedes de Camargo; é um percurso de uma profissional que enfrentou, como tese de outorado, o desafio de mergulhar em um passado que se cruzava afetivamente com sua própria história de vida, história de profissional da educação e história de pesquisadora.

2 Ler mais

Condições de treino e sistemas de categorização de balizações de terapeutas

Condições de treino e sistemas de categorização de balizações de terapeutas

A difusão da terapia verbal de base analítico-comportamental deu origem a uma agenda de investigações em análise do comportamento, com o objetivo de especiicação de algumas de suas dimensões. O presente artigo apresenta um percurso de investigação, com vistas ao desenvolvimento de uma metodologia para a análise de verbalizações (respostas verbais vocais) de terapeutas em terapia analítico- comportamental. São descritos cinco estudos que avaliaram condições de treino e um sistema para a categorização de verbalizações de terapeutas, baseado em possíveis funções básicas dessas verbalizações. A qualidade do sistema foi avaliada aferindo-se o índice de concordância entre categorizadores. Nos estudos, foram manipuladas variáveis como características do sistema de categorização, experiência do categorizador com a tarefa, familiaridade do categorizador com a categorização por outros, tipo e quantidade de treino e complexidade das sessões. Os resultados mostram que: a) o treino favorece índices de concordância muitas vezes superiores a 70%, sugerindo certa consistência do sistema de categorização; b) os índices de concordância são mais elevados para as categorias Investigar e Confrontar e uma maior proporção destas no conjunto das verbalizações categorizadas explica os melhores índices de concordância alcançados; c) o processo de aferição da concordância por comparação das categorizações de categorizadores pode resultar em índices que não reletem a qualidade do sistema de categorização. Características do material categorizado e do processo de categorização são apontadas como obstáculos para que sejam alcançados índices de concordância superiores a 70% e como indicação de que aspectos metodológicos podem explicar índices elevados alcançados em alguns estudos.
Mostrar mais

20 Ler mais

Antropofagia e identidade na representação do indígena na literatura brasileira

Antropofagia e identidade na representação do indígena na literatura brasileira

Nosso percurso de investigação entende a formação da cultura brasileira como um intrincado jogo de influências culturais e, portanto, a figura indí- gena como um dos exemplos desse processo, tomando como ponto de partida a presença de elementos antropófagos, conforme Oswald de Andrade (1922) na tradição literária brasileira. Nosso corpus é formado pelas obras: A carta de Pero Vaz de Caminha, de Pero Vaz de Caminha; O guarani, de José de Alencar; Simá: romance histórico do Alto Amazonas, de Lourenço Amazonas; Macunaíma: o herói sem nenhum caráter, de Mário de Andrade e Maíra, de Darcy Ribeiro. Adotamos como recorte metodológico a análise e discussão de nosso corpus de forma a evidenciar os temas diretivos da pesquisa.
Mostrar mais

11 Ler mais

Horiz. antropol.  vol.20 número41

Horiz. antropol. vol.20 número41

Antropologia da e na cidade: interpretações sobre as formas da vida ur- bana , das autoras Ana Luiza Rocha e Cornelia Eckert, expressa um percurso de investigação e uma linhagem que[r]

4 Ler mais

A afetividade na prática de professores de escolas públicas bem-sucedidas em avaliações de larga escala

A afetividade na prática de professores de escolas públicas bem-sucedidas em avaliações de larga escala

Além da sempre necessária discussão da presença do componente afetivo na prática pedagógica, o percurso de investigação deste estudo também chamou atenção para outra questão que, de início, não se mostrava tão relevante, mas que foi ganhando corpo à medida que o processo foi tomando fôlego: o perigo do ranqueamento das escolas, numa clássica influência neoliberal no processo de constituição das escolas (LIBÂNEO et al, 2009). A necessidade de avaliação da Educação Básica é uma condição prevista em lei; no entanto, tem-se assisitido, nos últimos anos, à transformação dessas avaliações em instrumentos para a legitimação de rankings escolares, a apontarem as melhores e as piores escolas de cada município. Os dados, em lugar de serem usados para o redirecionamento do planejmanto e da reorganização de currículos e práticas de ensino, nas escolas, e de orientação de políticas públicas, estão sendo sistematicamente utilizados para se classificar escolas como eficazes ou como ineficazes. Não se pode esquecer de que esse uso nefasto dos dados tem influência negativa e de consequências desastrosas para o trabalho de professores e para o aprendizado dos alunos.
Mostrar mais

186 Ler mais

A feminilidade originária nas psicoses

A feminilidade originária nas psicoses

É espantoso o número de trabalhos dedicados aos estudos das temáticas da feminilidade e da psicose dentro e fora do campo psicanalítico. Em função disso, neste percurso de investigação, a definição do interesse de pesquisa sobre a relação da feminilidade originária com a manifestação dos fenômenos de automatismo mental nas psicoses serviu como norte para restrição do eixo argumentativo adotado. Tomando como parâmetro as psicoses que se associam a situações de sofrimento físico e psíquico intensos e o favorecimento provocado por essas situações em relação à manifestação das psicoses, foram selecionados, da experiência clínica da pesquisadora, casos de pacientes portadores de afecções orgânicas graves em situação de internação hospitalar. Para tanto, a metodologia psicanalítica de construção do caso clínico na instituição foi privilegiada. Com intuito de estabelecer as associações entre a feminilidade originária e as psicoses, fez-se necessária a realização de um o estudo cuidadoso da obra de Jacques André sobre As origens femininas da sexualidade, além de um percurso breve pela teoria da sedução generalizada de Jean Laplanche. Fez-se também uma investigação seletiva sobre a temática da feminilidade e das psicoses na obra freudiana, na obra lacaniana e nos estudos de Clérambault. Finalmente, como forma de evidenciar a relação existente entre a feminilidade e as psicoses, foram traçadas algumas questões problemáticas da teoria psicanalítica sobre as psicoses com o estabelecimento de algumas conjecturas que têm como objeto responder às interrogações levantadas.
Mostrar mais

12 Ler mais

Condições de produção da tuberculose multirresistente: percepções do doente

Condições de produção da tuberculose multirresistente: percepções do doente

A trajetória do doente pelos serviços a procura do diagnóstico é permeada também pelos desencontros e pelas incertezas que se relacionam tanto a vida do doente e as decisões que são tomadas para a definição diagnóstica, quanto pelas dificuldades que os SS apresentam para o desfecho do caso. O sentimento do doente expresso pela frase “estava sentindo ainda a mesma coisa” se contradiz ao verbalizado pelo profissional da saúde “o senhor está novo”. Parece-nos que nesses desencontros entre o que sente o doente e o que pensa o profissional, alguém passa a ser interditado discursivamente, o “mandar embora” expressa, em nossa opinião a interdição que o profissional passa a exercitar sobre o doente. Esse deixa de pertencer aquele serviço e a decisão familiar na busca por outro profissional é a marca da desistência ou da inoperância da atenção esperada. O que nos inquieta é saber que são esses desencontros entre saberes instituídos, consolidados e permeados pelo discurso hegemônico que rompem processos, que culpabilizam sujeitos e que criam as brechas para que as condições de produção para o adoecimento por TBMR se ampliem. Mais uma vez, podemos notar a miscelânea de histórias impossibilitando-nos de afirmar com certeza que esse doente foi curado, nem que este é seu primeiro tratamento e que já obteve falha. Como soubemos posteriormente, D2 esteve em seu primeiro diagnóstico de TB em 2009, foi tratado por 6 meses com o esquema tradicional de quatro drogas e recebeu alta por cura, em 2010 foi diagnosticado novamente com a doença e mais uma vez recebeu alta cura, como dois meses depois manteve os sintomas foi encaminhado ao Hospital Jardim para investigação, sendo internado para elucidação da resistência, que fora confirmada e a terapêutica instituída.
Mostrar mais

105 Ler mais

Rev. Bras. Hist.  vol.37 número75

Rev. Bras. Hist. vol.37 número75

teórico-metodológica na tessitura entre as histórias dos índios, as histórias regionais e a história do Brasil. Recorrendo a um amplo conjunto documental, apresenta um percurso sobre temas de investigação, com o estabelecimento de acordos e negociações entre o domínio português e indígenas, assegurado no sentido da vassalagem ao rei, dentro da lógica da economia do dom do Antigo Regime, que foi apropriado pelos indígenas no Rio de Janeiro para alcançarem seus próprios objetivos.

4 Ler mais

Experiências sociais no processo de formação docente em Educação Física

Experiências sociais no processo de formação docente em Educação Física

Buscamos analisar e compreender essa e outras questões com ela relacionadas no percurso da investigação. As considerações “finais” apresentadas podem ser vistas como temporárias, repre[r]

210 Ler mais

BRINCADEIRA DE RUA: uma abordagem lúdica do breaking na escola

BRINCADEIRA DE RUA: uma abordagem lúdica do breaking na escola

Com isso, o percurso desta investigação perpassou o estudo de referenciais teóricos tais como, Yoshinaga (2014), Garcia (2007), Silva (2011) e Almeida (2016), desenvolvendo-se nas seguintes ações: a) organização dos componentes que estruturam o breaking e identificação das possibilidades de abordagem com a infância; b) compreensão do brincar e a sistematização de sequências didáticas em dança; c) construção de um curso e sua disponibilização às crianças matriculadas em uma escola estadual de Goiás; d) relato e reflexão acerca da experiência e apontamentos de contribuições para a área.
Mostrar mais

16 Ler mais

A relação educativa: "o outro lado do Espelho": vozes de alunos/as sobre o trabalho docente

A relação educativa: "o outro lado do Espelho": vozes de alunos/as sobre o trabalho docente

O projeto tem como objetivo identificar os efeitos da escolaridade na vida dos alunos. Por compreender o aluno como importante ator do sistema educativo, valorizamos a sua voz numa metodologia que recorre às narrativas biográficas como possibilidade de compreensão da realidade e construção de conhecimento. Sendo o trabalho docente uma profissão que envolve, necessariamente, interação humana, a recolha de narrativas dos alunos possibilita compreender a relação educativa a partir da voz de quem está do outro lado, na sala de aula. A entrevista de tipo biográfico respeita a subjetividade e procura não quantificar relações que envolvem vontades e emoções. É um espaço que permite conjugar perceções do passado e do presente com expectativas do futuro, considerando o contexto, a temporalidade e o local de onde se fala. Assim, realizaram-se trinta e quatro entrevistas de tipo biográfico a alunos/as de oito agrupamentos de escolas do Observatório da vida das escolas (OBVIE) do Centro de Investigação e Intervenção Educativas da FPCEUP. Pretendeu-se com esse procedimento, aprofundar e dar maior consistência às questões identificadas como relevantes no estudo.
Mostrar mais

11 Ler mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC – SP Heloisa Paes de Barros Arruda

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC – SP Heloisa Paes de Barros Arruda

Esse percurso que a investigação desta tese segue está descrito a seguir em oito nós, sendo cada um interligado no outro e marcando o algoritmo em que se inscreve seu contexto. O primei[r]

256 Ler mais

Os novos desafios de segurança do Norte de África   são Final

Os novos desafios de segurança do Norte de África são Final

Tendo presente o OG desta investigação, consideramos que o percurso metodológi- co seguido proporcionou a sua concretização, permitindo-nos, agora, a resposta à nossa QC : Quais a[r]

101 Ler mais

Pensamento e linguagem: percurso piagetiano de investigação.

Pensamento e linguagem: percurso piagetiano de investigação.

RESUMO. O objetivo deste trabalho é mostrar o percurso da investigação de Piaget sobre as origens e as relações existentes entre a linguagem e o pensamento. Para isso, analisaremos, num primeiro momento, os trabalhos iniciais desse autor sobre a evolução e socialização do pensamento e da linguagem na criança, destacando a explicação exógena dos seus progressos. Num segundo momento, analisaremos as pesquisas realizadas por ele nas décadas de trinta e quarenta do século XX sobre as origens sensório-motoras do pensamento e da linguagem, destacando a explicação endógena dos seus progressos. Num terceiro momento, analisaremos estudos psicolingüísticos junto a crianças normais e crianças portadoras de deficiências, os quais confirmarão a pertinência da tese de Piaget sobre as origens do pensamento e da linguagem. Finalmente, salientaremos algumas teses conclusivas desse autor, a propósito das críticas às teorias empiristas e positivistas contemporâneas, com vistas a diferenciar a singularidade da sua formulação teórica.
Mostrar mais

9 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

Sobre um movimento de construção desta nova clínica versará o 2º Capítulo desta dissertação e para traçar tal percurso, que é a investigação de uma nova clínica [r]

171 Ler mais

Pessoal do Ceará: A identidade de um percurso e o percurso de uma identidade

Pessoal do Ceará: A identidade de um percurso e o percurso de uma identidade

Comparado com o sujeito de Carneiro, o de Desembarque não é mais o sujeito da espera relaxada, pois o quadro da conjunção futura sai do eixo da verdade e se desloca para o eixo da mentira. O sujeito, então, sanciona-se como iludido quanto às suas expectativas e ingressa no estado de insatisfação e de decepção. Em outros termos, de sujeito satisfeito e confiante, em espera relaxada, dotado de um querer-ser, um crer-ser e um saber-poder-ser, na letra de Carneiro, o sujeito de Desembarque torna-se um sujeito que quer-ser, não-crê-ser e sabe-não-poder-ser. Mas o estado passional do sujeito de Desembarque não pára por aí. Tendo seu estado conjuntivo futuro com o objeto-valor se revelado mentiroso e ilusório, o sujeito desta letra se vê afetado pela aflição e pela insegurança da falta, por conta da constatação de que está em disjunção com o objeto- valor e que a transformação que o poderia colocar em relação conjuntiva com ele não constitui tarefa fácil, como julgava a princípio. Na realidade, neste momento, a crise de confiança instaura-se no sujeito de estado, que passa a desacreditar não só de sua competência modal, mas também da competência do sujeito do fazer e da instância doadora dos valores. O quadro abaixo, composto a partir de Barros (1988, p. 64-65), mostra o percurso passional do sujeito que queremos fazer transitar de Carneiro para Desembarque.
Mostrar mais

358 Ler mais

O percurso do CIE

O percurso do CIE

Antes de mais uma palavra especial de reconhecimento ao Professor Doutor António Veloso Bento por ter tido a ideia e levado a cabo esta iniciativa de organização de um evento académico especialmente dedicado à divulgação de estudos e investigações realizados por alunos ou ex-alunos no âmbito dos nossos mestrados e doutoramentos, o que marca uma nova etapa no percurso do Centro de Investigação em Educação da Universidade da Madeira (CIE-UMa).

6 Ler mais

Percurso e quiasmas

Percurso e quiasmas

Este texto apresenta o conceito de quiasma como suporte para o desenvolvimento de um processo criativo que culmina numa exposição de artes visuais. O trabalho consiste em uma complexa interrelação de visualidades criadas a partir do entrelaçamento de interesses artísticos com experiências existenciais pessoais. Tem por objetivo seguir os passos deste percurso artístico na construção da referida obra plástica visual de forma reflexiva, contribuindo para melhor compreensão do funcionamento de um pensamento artístico e de um processo criativo, de seus encaminhamentos e entrecruzamentos de mídias e sentidos. São abordados três aspectos que fundamentam seu desenvolvimento, o conceitual, a pesquisa matérica e as implicações de ordem psicológica.
Mostrar mais

22 Ler mais

O percurso da Literatura Brasileira ou Literatura Brasileira: percurso e identidades

O percurso da Literatura Brasileira ou Literatura Brasileira: percurso e identidades

Literatura Brasileira estabeleceu-se como uma das Áreas de Concentração, com apenas três professores especificamente titulados na matéria, únicos doutores: Wilton, Maria Luíza Ramos (Mar[r]

6 Ler mais

Show all 10000 documents...