Potencialidades didáticas

Top PDF Potencialidades didáticas:

REFLEXÕES ACERCA DAS POTENCIALIDADES DIDÁTICAS DA LITERATURA DE CORDEL PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

REFLEXÕES ACERCA DAS POTENCIALIDADES DIDÁTICAS DA LITERATURA DE CORDEL PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

Esse ensaio problematizou os limites e as potencialidades didáticas da literatura de cordel para o ensino de Ciências. Teve por objetivos explorar as potencialidades dos formatos de mídia impressa para o ensino de Ciências; e apontar as origens, as características, a classificação, bem como as potencialidades didáticas da literatura de cordel. A partir de uma revisão sistemática da literatura evidenciou que: o cordel pode ser explorado em aulas de Ciências para disparar debates e problematizar suas relações com a sociedade a tecnologia e o meio ambiente; desafiar os alunos a serem autores de seus próprios cordéis sobre temas científicos; favorecer a transposição do sistema panóptico do controle curricular e abrir caminhos para a inter/transdisciplinaridade; favorecer experiências metacognitivas que possibilitem aos sujeitos aprofundarem e resignificarem os conceitos que construíram acerca da Ciência e de como é produzida, bem como questionar suas concepções espontâneas acerca de conceitos e fenômenos naturais.
Mostrar mais

16 Ler mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO DOS ANOS INICIAIS: POTENCIALIDADES DIDÁTICAS DA HISTÓRIA INFANTIL ‘UM AMOR DE CONFUSÃO’

CIÊNCIAS DA NATUREZA NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO DOS ANOS INICIAIS: POTENCIALIDADES DIDÁTICAS DA HISTÓRIA INFANTIL ‘UM AMOR DE CONFUSÃO’

RESUMO: As crianças, muitas vezes, ao entrarem na escola já trazem consigo o apreço por obras literárias, como as histórias infantis. Essas, além de contribuírem para o desenvolvimento da leitura, da escrita e da oralidade dos estudantes, podem sensibilizar e instigar a curiosidade acerca de outros saberes que envolvem as temáticas e os personagens. A escola, diante desses recursos, pode agregar aos processos de ensino e aprendizagem conhecimentos oriundos das diferentes áreas do saber como as Ciências da Natureza (CN). Este artigo objetiva destacar as potencialidades didáticas da história infantil ‘Um amor de confusão’ (RANGEL, 2008) para acessar conhecimentos das CN no ciclo de alfabetização do Ensino Fundamental. A pesquisa é de abordagem qualitativa, de cunho bibliográfico e amparado pelo método descritivo exploratório. A história infantil ‘Um amor de confusão’, em virtude de seus personagens, imagens e texto, possui um enredo com potencial para ser utilizado na mediação de conhecimentos da área das CN, especialmente acerca da diversidade e classes dos vertebrados, habitat e modo vida nos ambientes, dietas alimentares e alimentação saudável.
Mostrar mais

17 Ler mais

Experimentos mentais e suas potencialidades didáticas

Experimentos mentais e suas potencialidades didáticas

Helm e Gilbert concluem seu trabalho lembrando que muitos experimentos mentais que tiveram enorme relevˆ ancia hist´orica, tais como o microsc´opio de raios gama de Heisenberg e o experi[r]

10 Ler mais

Potencialidades didáticas do recurso a canções “literárias” para o ensino-aprendizagem de Português Língua Não Materna

Potencialidades didáticas do recurso a canções “literárias” para o ensino-aprendizagem de Português Língua Não Materna

A escolha do tema do projeto a desenvolver no estágio que daria mais tarde o nome ao relatório de estágio, não foi muito difícil. Desde a licenciatura em Estudos Portugueses que desenvolvi o gosto e o hábito de ler literatura lusófona. Assim, quando tive que propor um tema para o relatório de estágio, não sabia muito bem o que queria fazer, mas sabia que queria fazer algo em prol da literatura lusófona pois, para além de produzir deleite e bem-estar, acreditava na sua riqueza para o desenvolvimento de competências no ensino e aprendizagem de PLE. Contudo, quando cheguei a Santiago de Compostela, rapidamente concluí que levar textos literários para as aulas não ia resultar. Em primeiro lugar, percebi que o CLM promove um ensino centrado na comunicação, privilegiando a compreensão e produção oral; em segundo lugar, deparei-me com um grupo de alunos de todas as idades, provenientes das mais diversas áreas de formação, com pouco conhecimento da sua própria literatura; e, em terceiro lugar, não sabia até que ponto os textos literários poderiam trazer a inovação ao ensino de PLE que eu ambicionava. Depois de uma conversa com o professor Xurxo Fernández Carballido, o meu orientador e conselheiro no CLM, ele referiu que usava muito a música nas suas aulas, tanto como impulso para a realização de actividades, como até como som de fundo de modo a propiciar um ambiente agradável. Foi nesse momento que tive a ideia de trabalhar canções que de alguma maneira se relacionassem com textos literários. Deste modo, desenvolveria potencialidades com o recurso que eu acreditava que seria uma mais valia e ao mesmo tempo trazia para a aula de PLE a inovação que pretendia.
Mostrar mais

161 Ler mais

Visualização de PARÓDIA E LITERATURA PORTUGUESA: DA REVISÃO TEÓRICA ÀS POTENCIALIDADES DIDÁTICAS

Visualização de PARÓDIA E LITERATURA PORTUGUESA: DA REVISÃO TEÓRICA ÀS POTENCIALIDADES DIDÁTICAS

presente e modesta proposta situa-se justamente no domínio destas louváveis e produtivas articulações interdisciplinares. Fazendo parte integrante da história literária, ao longo dos séculos, não se entende que a paródia esteja arredada completamente do ensino da literatura. Mais concretamente, no âmbito de um renovado ensino da literatura portuguesa, uma das sugestões que aqui se apresenta é a das virtua- lidades didáticas da paródia – como recorrer à paródia na dinamiza- ção didática no espaço da aula de Português/Literatura Portuguesa? Para melhor enquadrar a presente proposta, convém assinalar desde já que a utilização da paródia em contexto pedagógico – do ensino secundário ao universitário – justifi ca-se por várias e arti- culadas razões, com destaque para as seguintes: i) ao nível de uma cultura literária básica, é necessário superar uma conceção corrente, pejorativa e muito redutora de paródia, que a confi na a mera brinca- deira ou, quando muito, a uma imitação ridicularizadora; ii) a paró- dia constitui uma prática discursiva de toda a história literária, trans- versal a todos os géneros, pelo que não deve ser ignorada ao nível do ensino da literatura; 2 iii) como demonstram vários estudiosos, a
Mostrar mais

35 Ler mais

A imagem nas aulas de língua: potencialidades didáticas e possibilidades de aplicação

A imagem nas aulas de língua: potencialidades didáticas e possibilidades de aplicação

Ainda que fundamental, a descrição não é suficiente para uma leitura completa da imagem. À fase objetiva, segue-se um processo de elaboração de sentido mais subjetivo, baseado nas conotações da imagem e nas suas potencialidades interpretativas. A subjetividade desta fase de leitura advém do facto de esta consistir em interpretar a imagem de acordo com as vivências, conhecimentos, expectativas, motivações, crenças ou valores de cada um 13 . Compreender a mensagem conotativa que cada imagem veicula, implica olhar criticamente as imagens, construindo os seus significados a partir da relação que estabelecemos entre os diversos tipos de signos (plásticos, icónicos, ou linguísticos, por exemplo) que as compõem. As associações mentais destes diferentes tipos de signos, que podem variar de indivíduo para indivíduo, permitem o surgimento de leituras muito próprias da imagem. Martine Joly afirma que a descodificação da mensagem visual, para além do seu aspeto denotativo, corresponde a encontrar o seu «discurso secreto» (Joly, 2005: 181). Os signos que a compõem, «gestos, atitudes, expressões, cores ou efeitos dotados de certos sentidos em virtude do uso de determinada sociedade» (Barthes, 2015: 23), criam um código de conotação que, segundo Roland Barthes (2015), é histórico e cultural.
Mostrar mais

102 Ler mais

←
				
											Voltar aos Detalhes do Artigo
									
									ÁCIDOS E BASES NO COTIDIANO: UMA PROPOSTA DE EXPERIMENTO INVESTIGATIVO PARA O ENSINO MÉDIO

← Voltar aos Detalhes do Artigo ÁCIDOS E BASES NO COTIDIANO: UMA PROPOSTA DE EXPERIMENTO INVESTIGATIVO PARA O ENSINO MÉDIO

Resumo: O presente trabalho teve como objetivo investigar as potencialidades didáticas de uma atividade experimental investigativa sobre ácidos e bases. A atividade foi desenvolvida em uma turma do segundo ano do Ensino Médio. A intervenção pedagógica envolveu reflexão sobre como reconhecer produtos ácidos e alcalinos presentes no dia a dia, a leitura e discussão de um texto sobre origem e características físicas e químicas de substâncias ácidas e alcalinas, realização do experimento utilizando várias substâncias cotidianas de caráter ácido e básico, bem como uma escala de pH preparada com extrato de repolho roxo e soluções aquosas de ácido clorídrico e hidróxido de sódio. Após o experimento, mediante discussão, os alunos, em grupos, responderam questões com vistas à análise dos dados observados. Na sequência responderam individualmente a uma questão que tinha o intuito de verificar a aplicação do conhecimento. Os resultados evidenciam que os alunos tiveram boa compreensão acerca dos conhecimentos desenvolvidos, o que nos leva a concluir que experimentos investigativos, como o discutido aqui, favorecem a aprendizagem de conhecimentos científicos.
Mostrar mais

15 Ler mais

O INFOGRÁFICO E AS SUAS POTENCIALIDADES EDUCACIONAIS

O INFOGRÁFICO E AS SUAS POTENCIALIDADES EDUCACIONAIS

Resumo: A informação sempre assumiu um papel importantíssimo em nossas vidas porque aumenta nossas possibilidades de conhecimentos acerca de um determinado assunto, nos tornando mais preparados e experientes no mundo em que vivemos. No presente artigo, iremos centrar a nossa atenção nos infográficos como meios alternativos de apresentar uma mensagem, enfatizando suas principais características, bem como perspectivar suas potencialidades educacionais. Serão ainda apresentadas algumas fontes da Web onde poderão ser encontrados recursos para utilização em contexto educativo.
Mostrar mais

21 Ler mais

Probióticos, potencialidades e desafios

Probióticos, potencialidades e desafios

A microbiota intestinal humana é definida como a totalidade dos microrganismos presentes na superfície epitelial do trato gastrointestinal humano. As suas principais funções incluem a síntese de aminoácidos e vitaminas, e a produção de energia a partir de polissacarídeos. Para além disso, contribui para a integridade da parede intestinal, protege contra microrganismos patógenicos e estimula a ação do sistema imunológico. A relação entre a flora intestinal e a saúde global do organismo tem suscitado um interesse crescente na compreensão dos benefícios da manutenção e/ou modulação da microbiota através do uso de probióticos. Os probióticos são microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades apropriadas, conferem benefícios ao organismo. Nos últimos anos, a sua utilização na prevenção e/ou tratamento de doenças de etiologia diversa tem suscitado um grande interesse. A presente revisão bibliográfica explora estes aspetos, procurando compreender as limitações e potencialidades da utilização de probióticos na melhoria da qualidade da saúde, na atualidade e num futuro próximo.
Mostrar mais

57 Ler mais

Engenharia didática como instrumento metodológico no estudo e no ensino da Sequência de Jacobsthal

Engenharia didática como instrumento metodológico no estudo e no ensino da Sequência de Jacobsthal

Os artigos apresentados anteriormente são voltados para um tratamento no âmbito da matemática pura. Assim, o caráter metodológico não é evidenciado. Porém, Alves (2017), apresenta em sua produção uma abordagem envolvendo uma preocupação metodológica. Dessa maneira, seu trabalho propõe uma Engenharia Didática para a s-sequência de Jacobsthal e para a s,t- Sequência de Jacobsthal, buscando realizar uma transposição didática do saberes científicos para o saber escolar . Destacamos nesse texto uma proximidade com o que tencionamos desenvolver, tendo em vista que propomos a utilização da Engenharia Didática em completude com a Teoria das Situações Didáticas.
Mostrar mais

19 Ler mais

Aplicações didáticas do estudo das configurações do herói ficcional

Aplicações didáticas do estudo das configurações do herói ficcional

Todavia, houve um processo de avaliação que ficou inteiramente da minha responsabilidade: a correção dos testes do 12.º ano, no 2.º período (cf. Em relação à minha colaboração[r]

66 Ler mais

Glória Edini dos Santos Galli

Glória Edini dos Santos Galli

Não se trata de estabelecer uma progressão linear entre essas categorias didáticas, privilegiando inicialmente a transcrição, depois a reprodução, o decalque e, finalmente, o[r]

120 Ler mais

SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS INVESTIGATIVAS E ARGUMENTAÇÃO NO ENSINO DE ECOLOGIA.

SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS INVESTIGATIVAS E ARGUMENTAÇÃO NO ENSINO DE ECOLOGIA.

Assim, concordamos com Sasseron e Carvalho (2011) quando descre- vem quais seriam os eixos estruturantes da alfabetização científica na educação básica. Tais eixos, quando utilizados no ensino de ecologia, são importantes para garantir um ensino mais contextualizado e menos “mecânico”, quais sejam: 1) compreensão básica de termos, conhecimentos e conceitos científicos fundamen- tais; 2) compreensão da natureza das ciências e dos fatores éticos e políticos que circundam sua prática; e 3) entendimento das relações existentes entre ciência, tec- nologia, sociedade e meio ambiente. Portanto, temos como terceira ideia a estru- turar nosso trabalho de construção de Sequências Didáticas Investigativas (SDIs) a importância de alinhá-las com as propostas de uma alfabetização científica que promova a educação libertadora, de modo a auxiliar a formação de cidadão crítico, capaz de compreender a ecologia e utilizar seus conhecimentos na sua vida.
Mostrar mais

23 Ler mais

Materiais e estratégias didáticas em ambiente virtual de Aprendizagem.

Materiais e estratégias didáticas em ambiente virtual de Aprendizagem.

Discute as bases teóricas e metodológicas da elaboração de material didático para uma disciplina presencial de Física Básica, no âmbito da graduação, em um ambiente virtual de aprendizagem (AVA), assim como a integração deste enquanto ferramenta de apoio ao ensino presencial. A área da Física possui variados recursos digitais, disponíveis em rede, para serem utilizados no processo de ensino-aprendizagem. Tais possibilidades estão baseadas em pesquisas e relatos de experiências que têm resultado em melhorias na aprendizagem e em potencialidades de abordagem de conceitos e temas dessa área do conhecimento. Assim, propõe-se integrar nossos olhares àqueles já lançados para esses recursos disponíveis em rede, a fim de pensá-los na perspectiva do design instrucional (DI), que vem auxiliar na estruturação de conteúdos, na sugestão da maneira mais adequada para sua apresentação e na união com atividades de aprendizagem elaboradas e implementadas por meio das ferramentas do AVA. Os resultados mostram que, do ponto de vista dos alunos, o AVA desenvolvido atende aos objetivos pretendidos porque complementa as discussões em sala, diversifica o conteúdo e atende a diferentes estilos de aprendizagem.
Mostrar mais

22 Ler mais

AÇÕES DIDÁTICAS PEDAGÓGICAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

AÇÕES DIDÁTICAS PEDAGÓGICAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Traremos estudos documentais com base na Lei de Diretrizes Bases 9394/96 e de estudos bibliográficos em autores como: FREIRE (1988), SOARES (1968), ZABALA (1998) dentre outros que abor[r]

9 Ler mais

Conteúdos de interpretar em sequências didáticas: uma proposta de ensino

Conteúdos de interpretar em sequências didáticas: uma proposta de ensino

O trabalho proposto é dividido em quatro sequências didáticas, de acordo com um modo de organização do discurso. Em cada sequência, constam diferentes tipos de textos, tendo em vista que são explorados diversos gêneros textuais. As sequências são divididas em módulos, nos quais serão explorados os gêneros. O modo enunciativo não encabeça uma sequência, já que perpassa todos os outros. Esse modo tem por objetivo “organizar as categorias da língua, ordenando-as de forma a que deem conta da posição que o sujeito falante ocupa em relação ao interlocutor, em relação ao que ele diz e em relação ao que o outro diz.” (Cf. Charaudeau, 2008: 82).
Mostrar mais

16 Ler mais

Propostas didáticas para o ensino do carste na Educação Básica

Propostas didáticas para o ensino do carste na Educação Básica

Considerando a relevância que o conhecimento do ambiente cárstico possui para a população que vive nessas áreas e as ações que visam o ensino-aprendizagem do carste em escolas do ensino básico, o objetivo principal deste trabalho foi de propor atividades didáticas que possibilitem uma aprendizagem significativa da temática cárstica. As atividades propostas consideram a realidade do aluno, valorizando os conhecimentos prévios, conforme a Teoria da Aprendizagem Significativa (TAS) seguem as orientações presentes nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) e partem da relação entre os conteúdos abordados na disciplina escolar de geografia relacionadas aos conteúdos da temática cárstica. Para contextualizar o estudo foi escolhido um município que está inserido na região cárstica do Alto São Francisco: Pains-MG. Entretanto, ressalta-se que a atividade proposta pode ser aplicada em qualquer escola localizada em áreas cársticas ou não, basta que os interessados sigam as orientações apresentadas. Para viabilizar a pesquisa em questão foi adotado o seguinte percurso metodológico: I) revisão bibliográfica para a construção de um arcabouço teórico dando subsídio a elaboração desta pesquisa; II) trabalho de campo realizado no município de Pains-MG, com a realização de entrevistas e questionários para a caracterização, contextualização e compreensão da área escolhida; e III) elaboração de propostas didáticas para utilização no ambiente escolar. Apesar do ensino da temática cárstica possibilitar o desenvolvimento de um raciocínio crítico ambiental por parte dos alunos e poder ser abordado em qualquer etapa que o aluno se encontra na rede de ensino, constatou-se à partir da revisão bibliográfica e do trabalho prático, que as ações existentes nessa direção ainda são realizadas de forma tímida e pontual, sem apoio de material didático o que justifica a necessidade de elaboração de propostas didático-pedagógicas que pudessem auxiliar o trabalho dos professores em sala de aula. As duas propostas apresentadas foram dividas em etapas que podem ser realizadas de forma interligada ou não. As etapas são: i) introdução/contextualização e localização; ii) trabalho prático; iii) discussão; e, iv) verificação da aprendizagem. A primeira proposta é voltada para o ensino fundamental e a segunda proposta para o ensino médio.
Mostrar mais

118 Ler mais

Evolução biológica : concepções de alunos e reflexões didáticas

Evolução biológica : concepções de alunos e reflexões didáticas

Fonte: “E de extinção”, edição especial de Novos X-Men (out/2007).. Apesar das incertezas e da complexidade que envolve o ensino da evolução biológica, é importante prop[r]

116 Ler mais

Significados scripto-visuais nos jornais e implicações didáticas

Significados scripto-visuais nos jornais e implicações didáticas

Após a constituição do corpus de dados procedeu-se à análise de conteúdo e interpretação dos elementos presentes no design da primeira página, com recurso ao software de análise qualitativa WebQDA, pelas potencialidades oferecidas por este programa no âmbito do trabalho em ambiente colaborativo online (Neri de Souza, Costa, & Moreira, 2011). A análise de conteúdo insere- se num estudo estrutural, cujo objetivo é analisar ocorrências, identificar características e atributos através da análise taxionómica, sem operacionalização de variáveis, e comparar fontes diferentes (Amado, 2009). Os conteúdos foram organizados em categorias em função dos objetivos e questões de investigação e com base nos fundamentos teóricos explicitados. No entanto, o processo de categorização assumiu-se como aberto, na medida que as categorias foram reformuladas após “leitura flutuante” (Bardin, 2004). Quanto a classificações incluiu-se i) estrutura gráfica: número de colunas; ii) tipo de orientação (vertical, horizontal, misto); iii) formato da mancha (reto-quadrado, circular-curvo); iv) cor da mancha (multicolor, monocromático); v) número de cores (uma cor, duas cores, três ou mais); vi) público-alvo (nível de literacia associado: alto, médio, baixo); vii) periodicidade (diário ou semanário); viii) didático (não tem; tem: pouco, algum, muito); como descritores o tipo de fontes: no título, na manchete, nos destaques; e temas nos destaques (política, economia, saúde, cultura, sociedade, criminalidade e publicidade).
Mostrar mais

18 Ler mais

Show all 1160 documents...

temas relacionados