Programa de prevenção

Top PDF Programa de prevenção:

Análise dos riscos e o programa de prevenção de riscos ambientais em um restaurante universitário da região nordeste

Análise dos riscos e o programa de prevenção de riscos ambientais em um restaurante universitário da região nordeste

Existem diversos elementos que compõem um programa de gestão de segurança no trabalho. De acordo com Oliveira (2003), três elementos sustentam esta gestão. Os aspectos culturais, que levam em consideração as partes interessadas que são os trabalhadores e gestores, por exemplo. Os conteúdos técnicos, que são as ferramentas utilizadas para a identificação e controle dos riscos no trabalho. E os aspectos ligados aos resultados que são os objetivos a serem alcançados. Dito isso, para um bom desenvolvimento de um Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), todos esses elementos devem estar alinhados ao programa.
Mostrar mais

25 Ler mais

Experiência de um ano de modelo de programa de prevenção contínua do melanoma na cidade de Jaú-SP, Brasil.

Experiência de um ano de modelo de programa de prevenção contínua do melanoma na cidade de Jaú-SP, Brasil.

As lesões suspeitas dos pacientes encaminhados ao Ambulatório de Prevenção de Melanoma foram foto- grafadas pelos profissionais de enfermagem, qualificados e treinados pelo Departamento de Tumores da Pele do HAC. Foram realizadas fotos macroscópicas e dermatos- cópicas da lesão. Estas, devidamente identificadas, foram avaliadas pelo médico responsável do Departamento de Tumores da Pele do HAC e arquivadas em um programa de computador desenvolvido especificamente para o Programa de Prevenção Contínua do Melanoma. Após a identificação de lesões suspeitas ou duvidosas por meio da imagem fotografada, o paciente foi agendado para consulta médica no Departamento de Pele do HAC com o médico responsável. A seguir, foi realizado o exame clí- nico e, posteriormente, na relevância do caso, realizou-se o exame dermatoscópico. Mediante a identificação de melanoma ou lesão suspeita, o paciente foi automatica- mente submetido à exérese da mesma no Centro Cirúrgico Ambulatorial do Hospital Amaral Carvalho. Frente ao diagnóstico de melanoma, o paciente foi trata- do e seguido pelo grupo multidisciplinar do Departamento de Tumores da Pele do Hospital Amaral Carvalho, de acordo com as recomendações do Grupo Brasileiro de Melanoma (GBM). 23,24
Mostrar mais

6 Ler mais

Efeitos de um Programa de Prevenção à Violência no Namoro.

Efeitos de um Programa de Prevenção à Violência no Namoro.

Este estudo avaliou os efeitos de uma intervenção para prevenção à violência no namoro sobre intenções de enfrentamento a esse tipo de violência, diiculdades em regulação das emoções e endosso a normas tradicionais de papéis de gênero masculino. Participaram 45 adolescentes, alocados não randomicamente em um grupo experimental (N = 21) e um grupo controle (N = 24). A intervenção compreendeu nove sessões focadas em informações sobre violência no namoro, habilidades sociais, tomada de decisão, papéis de gênero, direitos sexuais e reprodutivos e empoderamento. Análises intra e entre grupos revelaram redução signiicativa em crenças que apoiam a restrição emocional como característica masculina no grupo experimental, ao passo que intenções de enfrentamento à violência no namoro e regulação emocional não sofreram mudanças signiicativas em nenhum dos grupos. Contudo, avaliações qualitativas evidenciaram a prática extrassessão de habilidades de autocontrole e expressão emo- cional, assertividade e empatia. Novos estudos, principalmente longitudinais, são recomendados para elucidar esses resultados. Palavras-chave: prevenção primária, programa de intervenção, habilidades sociais, namoro, violência interpessoal
Mostrar mais

13 Ler mais

Avaliação longitudinal de programa de prevenção do tabagismo para adolescentes.

Avaliação longitudinal de programa de prevenção do tabagismo para adolescentes.

O estudo tem algumas limitações. A primeira refere-se aos cerca de 60% dos adolescentes que participaram em T1 e não responderam a um dos três questionários seguintes, o que implicou sua exclusão. A compa- ração dos participantes incluídos e excluídos mostra diferenças que, em geral, protegem a amostra deste estudo relativamente à aquisição do comportamento, o que poderá reduzir a validade externa dos resultados e das conclusões. No entanto, considerando que este programa é aplicado com base na escola, a amostra do estudo tenderá a representar o subgrupo dos adoles- centes com carreira escolar regular, que assistem às aulas e não perdem anos. Para os restantes, será neces- sário encontrar pontos de acesso alternativos à escola e, eventualmente, ajustar as atividades a grupos alvo e a realidades diferentes.
Mostrar mais

12 Ler mais

Avaliação da atuação do enfermeiro na prevenção de DSTAIDS no programa saúde na escola

Avaliação da atuação do enfermeiro na prevenção de DSTAIDS no programa saúde na escola

Assim, vários são os estudos que demonstram a importância e o êxito da realização de ações de promoção da saúde e prevenção de doenças e agravos no âmbito escolar. Diante do grande consumo de álcool nos países da União Europeia e das graves consequências que este traz para saúde pública nesses países, Barroso, Mendes e Barbosa (2009) realizaram estudo sobre a avaliação do fenômeno do consumo de álcool em adolescentes de 12 a 18 anos de escolas públicas da cidade de Coimbra. Os resultados apontaram que a maioria dos adolescentes já consumiu bebidas alcoólicas, reforçando a necessidade de desenvolver precocemente programas de prevenção, sobretudo, no próprio ambiente escolar. Para as autoras, a prevenção pode se desenvolver em diversos contextos e com grupos específicos. Entretanto, no contexto escolar, é possível aceder de forma organizada a um grande número de crianças e adolescentes, nas idades de máximo risco para o início do consumo dessas substâncias, o que favoreceu a implementação de um programa de prevenção de uso/abuso de álcool, que posteriormente foi integrado no currículo escolar.
Mostrar mais

108 Ler mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE HIGIENE BUCAL E HÁBITOS EM PACIENTES COM FISSURA DE LÁBIO E PALATO - ESTUDO RETROSPECTIVO

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE HIGIENE BUCAL E HÁBITOS EM PACIENTES COM FISSURA DE LÁBIO E PALATO - ESTUDO RETROSPECTIVO

O Setor de Prevenção Odontológica do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo (HRAC / USP) desenvolve um programa de prevenção para pacientes com fissuras incluindo: controle de placa dentária com o auxílio de evidenciação de placa, instrução de higiene bucal, escovação supervisionada, aplicação tópica de flúor e motivação. O presente estudo avaliou as condições de higiene bucal e hábitos de pacientes com fissura de lábio e / ou palato atendidos no HRAC / USP.
Mostrar mais

11 Ler mais

Atividades educativas na prevenção da aids na rede básica municipal de saúde: participação do enfermeiro

Atividades educativas na prevenção da aids na rede básica municipal de saúde: participação do enfermeiro

uma avaliação quanto aos seus objetivos, metas, estratégias e atuações dos profissionais. A ausência de literatura científica que se reflete na situação do programa com relação ao trabalho desenvolvido pelos profissionais na educação em saúde para a prevenção da AIDS conduziram-nos a investigar o seguinte problema de pesquisa: Qual a percepção que possuem os enfermeiros que atuam no programa de prevenção da AIDS nas UBSs sobre as ações educativas desenvolvidas na prevenção dessa enfermidade?

7 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA AVALIAÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO PARA PREVENÇÃO DA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA AVALIAÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO PARA PREVENÇÃO DA

A violência no namoro entre adolescentes é um tema de interesse da sociedade brasileira por estar ligada a diversas consequências negativas na vida das pessoas envolvidas. Essa pesquisa buscou avaliar um programa de prevenção com 94 adolescentes, divididos em grupo controle (35) e experimental (59) de uma cidade do interior do Estado de São Paulo. Os participantes responderam aos seguintes instrumentos: Critério Brasil, Alcohol Use Identification Test (AUDIT), Escala de Tática de Conflitos Revisada (CTS-2) e Questionário de Crenças sobre a Violência em coletas de pré e pós-teste para ambos os grupos. A intervenção consistiu em dez sessões de 50 minutos realizadas na escola durante o horário de aulas, sendo que nas sessões sobre sexualidade temas específicos foram trabalhados com cada gênero. Os resultados indicaram uma diminuição da frequência total de episódios de violência sexual sofrida e praticada para o grupo experimental e do número de adolescentes que praticavam esse tipo de violência. O número de adolescentes que consumiu álcool também apresentou diminuição significativa para o grupo experimental comparado ao controle. Podemos apontar que a estratégia de separação para as sessões de sexualidade se mostrou acertada e deve ser considerada para programas futuros de prevenção, sobretudo considerando a dificuldade de modificação de comportamentos apontados por pesquisas anteriores. A pesquisa sugere a possibilidade de prevenção de comportamentos sexualmente violentos em relacionamentos amorosos de adolescentes brasileiros. A identificação de variáveis associadas a esse fenômeno na cultura brasileira são necessárias para que o programa consiga obter resultados mais amplos, prevenindo outras formas de violência.
Mostrar mais

124 Ler mais

Efeitos da Metformina a nível vascular

Efeitos da Metformina a nível vascular

A Comissão de Controlo de Infeção desenvolve atividades no âmbito da prevenção, deteção e controlo da propagação de infeções a nível hospitalar. Em 2013, esta comissão fundiu-se com a comissão de antibióticos e começou a ser denominada de Coordenação Local do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos, no âmbito da criação do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos (PPCIRA) [6]. É o Despacho n.º 15423/2013, de 26 de novembro que determina a composição multidisciplinar desta coordenação: médicos, enfermeiros, farmacêuticos e outros técnicos de saúde ligados à área de intervenção, que funcionam como elos de ligação com os serviços hospitalares. Tendo em conta as condições do CHUCB, também faz parte da coordenação um microbiologista e o coordenador do grupo é também membro da Comissão da área da Qualidade e Segurança e na Comissão de Farmácia e Terapêutica. O Dr. João Ribeiro dos SFH é membro da CCI. As principais funções da CCI passam pela “vigilância epidemiológica, a elaboração e a monitorização do cumprimento de normas e recomendações de boa prática e a formação dos profissionais na área das infeções hospitalares e do uso de antimicrobianos” [12].
Mostrar mais

126 Ler mais

Aloimunização RhD em gestantes no Estado do Rio de Janeiro, Brasil: perspectivas e desafios.

Aloimunização RhD em gestantes no Estado do Rio de Janeiro, Brasil: perspectivas e desafios.

O estudo mostra resultados da pesquisa sobre a persistência da aloimu- nização RhD nas gestantes atendidas na rede pública do Rio de Janeiro, Brasil, por meio de análises de prontuários e de entrevistas com gesto- res, profissionais de saúde e gestantes. Analisaram-se 289 prontuários de gestantes RhD negativas atendidas entre 2004 a 2012 no Centro de Refe- rência Estadual. Realizaram-se entrevistas com 15 atores sociais, indivi- dualmente. As entrevistas apresentaram fatores que contribuíram para a persistência do problema como: perda de reestruturação do Programa de Prevenção da Aloimunização RhD (PPARhD); ausência de um sistema de monitoramento e avaliação do PPARhD; a baixa articulação da rede de referência e contrarreferência de atendimento pré-natal; a capacitação in- suficiente dos profissionais de saúde que atendem a população em risco e a insuficiente divulgação do programa de prevenção da aloimunização. Esses nós críticos apontam a necessidade da Secretaria Estadual de Saúde voltar a priorizar o programa de prevenção de aloimunização e investir na articulação da rede de assistência. O estudo mostrou que o problema é multicausal e que enfrentá-lo exige ações interdisciplinares e complexas relacionadas ao atendimento integral no pré-natal e à atenção à saúde da mulher.
Mostrar mais

6 Ler mais

O ALCOOLISMO NAS ORGANIZAÇÕES NA PERSPECTIVA  DOS ASSISTENTES SOCIAIS

O ALCOOLISMO NAS ORGANIZAÇÕES NA PERSPECTIVA DOS ASSISTENTES SOCIAIS

Na empresa estudada, o Programa de Prevenção e Tratamento ao Alcoolismo e outras Dependências Químicas (PPTAD) é formado por uma equipe de trabalho, que é coordenado pelas assistentes sociais em cada agência regional e são supervisionadas pela coordenação estadual, com sede na administração central em Florianópolis (SC). O programa foi solicitado pelos empregados, enquanto cláusula de Acordo Coletivo de Trabalho de 1993/1994 em razão dos indícios de dependência química. Esta necessidade também surgiu com o número crescente de afastamentos pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) para tratamento das consequências dessa dependência, em decorrência da queda de produtividade e qualidade dos serviços, além do comprometimento da imagem da organização na comunidade. Assim, após anos de ações e práticas isoladas junto aos empregados alcoolistas, o programa foi implantado com a Resolução D.A. n.o 39, de 17 de março de 1994, a qual assegurou orçamento financeiro para treinamento e tratamentos (Empresa, 2003). Desde então, a organização conta com o PPTAD, que objetiva prevenir a dependência química, recuperar e tratar os empregados que fazem uso nocivo de substâncias químicas, reinserindo-os no contexto social do trabalho e da família, melhorando suas condições de saúde, bem-estar, segurança e produtividade.
Mostrar mais

15 Ler mais

A COMUNICAÇÃO NO PROGRAMA FAMÍLIA ESCOLA DE BELO HORIZONTE – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

A COMUNICAÇÃO NO PROGRAMA FAMÍLIA ESCOLA DE BELO HORIZONTE – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

A investigação junto aos gestores do Programa incluiu a gerente geral, a gerente regional e um técnico também da regional. Como são pessoas com as quais me relaciono no dia a dia do trabalho, o acesso a esses entrevistados foi muito tranquilo, com várias conversas informais sobre o Programa e minha pesquisa. Entretanto, marcar a entrevista com elas não foi tão fácil, devido a incompatibilidade de agendas, demandas imprevistas de trabalho tanto por parte desses gestores como também por consequência da função que ocupo como gerente de Imprensa, o que me exige estar disponível para acompanhar a Secretária de Educação sempre que solicitada, bem como todos os eventos e mediações de entrevistas de servidores da Rede Municipal de Educação. Outro fator que prejudicou foi a greve dos professores municipais, iniciada em 6 de maio e interrompida no dia 11 de junho, o que me exigiu dedicação quase que exclusiva para atendimento das demandas de imprensa e acompanhamento da greve. Apesar de todas as dificuldades, a entrevista semiestruturada ainda me pareceu o método mais viável para este público, no intuito de conseguir informações mais minuciosas sobre o Programa Família-Escola, o comprometimento desses gestores com o Programa, suas percepções e perspectivas.
Mostrar mais

122 Ler mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA AVALIAÇÃO EM PERSPECTIVA – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA AVALIAÇÃO EM PERSPECTIVA – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

O CE Geraldino Silva realiza muitos projetos que envolvem professores, alunos, equipe pedagógica e direção. Um deles, o “Literarte”, foi desenvolvido com todas as turmas que representaram peças teatrais com os conteúdos do Currículo Mínimo. As apresentações foram filmadas e, após as férias, exibidas em um filme para os alunos. A professora responsável fala sobre o Literarte: “na verdade, eles foram os atores. Muitos nunca foram ao cinema, então nós fizemos o cinema aqui, com direito a pipoca e guaraná. Convidamos a comunidade e os pais gostaram muito! ”. Os professores acreditam que o envolvimento dos alunos, professores e direção foi fundamental para o maior desempenho e que as medidas implementadas pelo Programa de Educação nortearam as ações da escola. Os alunos concordam com os professores: “todos começaram a caminhar juntos. Quem falaria que essa escola do interior teria um dos índices mais altos do estado? Ninguém dava nada por ela. Foi essa mudança que melhorou nossos resultados ” concluiu o aluno do segundo ano do Ensino Médio.
Mostrar mais

92 Ler mais

O PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA EM DUAS ESCOLAS ESTADUAIS DE JUIZ DE FORA: SUCESSOS E ENTRAVES

O PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA EM DUAS ESCOLAS ESTADUAIS DE JUIZ DE FORA: SUCESSOS E ENTRAVES

O Programa de Intervenção Pedagógica/Alfabetização no Tempo Certo, enquanto programa estruturador da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, também prevê capacitações em serviço, ou seja, formação continuada para professores, especialistas em educação básica e diretores escolares, com foco na apropriação dos conhecimentos necessários para a melhoria do desempenho dos alunos dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Essas capacitações são desenvolvidas pela SEE/MG e pelas Superintendências Regionais de Ensino, que atualmente são quarenta e sete em todo o estado de Minas Gerais, atendendo não somente a rede estadual, mas também as escolas da rede municipal de ensino através de um trabalho de parceria 8 . A seguir, descrevo a Escola Estadual Paulo Freire e a Escola Estadual Anísio Teixeira, apresentando seus resultados no PROALFA desde o ano de 2006, bem como as metas pactuadas. Além disso, analiso o Plano de Intervenção Pedagógica elaborado pelas escolas no Dia “D” no ano de 2012 e o Projeto Político Pedagógico reformulado pelas instituições de ensino também em 2012.
Mostrar mais

105 Ler mais

A política de controlo de doenças transmissíveis em Portugal

A política de controlo de doenças transmissíveis em Portugal

estas são as patologias de cariz infeciosa a que o Governo pretende dar prioridade. De notar que, enquanto o Programa VIH/Sida e Tuberculose já tinha sido criado anteriormente, o Programa de Hepatite Viral foi criado este ano. O novo programa pretende incentivar a prevenção da hepatite e desenvolver estratégias de controlo para esta doença, melhorar práticas de gestão da hepatite C (nomeadamente em reclusos), e promover a monitorização e a vigilância da hepatite (Augusto e Fronteira, 2016).

10 Ler mais

Prevenção da violência escolar: avaliação de um programa de intervenção.

Prevenção da violência escolar: avaliação de um programa de intervenção.

A determinação da prevalência e caracterização dos comportamentos violentos da população do nosso estu- do, cujos resultados apresentaremos no ponto seguinte, sugeriram-nos a necessidade de criar um programa de in- tervenção assente não apenas numa estratégia de envol- vimento global da comunidade escolar, mas também, numa intervenção dirigida ao grupo turma e numa intervenção individual direccionada para as vítimas e agressores, ten- do como base o treino das suas competências sociais. A coordenação deste programa esteve a cargo da enfermei- ra da equipa de saúde escolar local que exerceu as funções de dinamização e articulação com a Direcção da Escola, formação dos professores, dinamização das reuniões com pais/familiares dos estudantes e avaliação pré e pós pro- grama. O planeamento do programa contou com a colabo- ração dos médicos e psicóloga de saúde escolar e a imple- mentação do mesmo foi realizada por 8 professores dos 5º e 6ºanos, responsáveis pela disciplina de Formação Cívica na escola onde foi realizado o estudo. Estes últimos tam- bém colaboraram na fase de avaliação com a aplicação dos questionários. Assim e considerando também os principais resultados da investigação sobre programas de interven- ção implementados em diversos países da Europa (10) pro-
Mostrar mais

8 Ler mais

I NTERVENÇÃO BREVE NO

I NTERVENÇÃO BREVE NO

Por outro lado, apesar de alguns terem formação, muitos médicos referem não ter conhecimentos sobre as técnicas e tratamentos em cessação tabágica (Stead et al, 2009). Urge assim a necessidade de implementação de programas de formação dirigidos tanto a médicos dos cuidados de saúde primários, como dos médicos hospitalares e outros profissionais de saúde, bem como a inserção de módulos de prevenção e controlo do tabagismo nos currículos dos cursos médicos. O fato de possuir formação em cessação tabágica contribui para aumentar o grau de importância atribuído ao consumo de tabaco (Nunes, 2011) O outro fator é a prática, os médicos que intervém mais em intervenção breve têm mais confiança nas suas práticas em tabagismo (Gunes et al, 2005). Cerca de 81% dos médicos portugueses refere não ter prática em atividades de cessação tabágica (Nunes, 2011).
Mostrar mais

111 Ler mais

Diagnóstico e Conduta na Diabetes Gestacional – Normas de Orientação Clínica

Diagnóstico e Conduta na Diabetes Gestacional – Normas de Orientação Clínica

Alguns estudos observacionais têm evidenciado uma forte relação entre obesidade e hiperglicemia durante a gravidez e a possibilidade dos filhos virem a desenvolver obesidade e diabetes tipo 2 em fases tardias da vida. Não está provado que o tratamento da hiperglicemia materna reduza o aparecimento de alterações da tolerância à glicose nos descendentes. No entanto, trata-se de uma área de grande empenhamento científico sendo os conhecimentos actuais suficientes para o desenvolvimento de programas de vigilância e prevenção nesta população.

7 Ler mais

Show all 10000 documents...