Propriedades de argamassas

Top PDF Propriedades de argamassas:

Influência do procedimento de mistura em laboratório nas propriedades de argamassas.

Influência do procedimento de mistura em laboratório nas propriedades de argamassas.

O perfil da curva carga vs. deslocamento (Figura 4) obtida no ensaio squeeze-flow compreende três estágios. No primeiro estágio, o material apresenta deformação elástica linear, comportando-se como um sólido, o que, para argamassas, acontece em deformações muito pequenas, na grande maioria das vezes, sendo difícil sua identificação na escala em que são demonstradas as curvas. No segundo estágio (intermediário), o sistema flui por deformação plástica ou fluxo viscoso, sendo caracterizado pelo aumento discreto da força em função da deformação. A ocorrência desse estágio está relacionada ao comportamento de argamassas de fácil aplicação e espalhamento, geralmente obtidas com a presença de aditivos incorporadores de ar e retentor de água. E, por fim, no terceiro estágio, denominado enrijecimento por deformação (strain hardening), há um aumento expressivo da carga necessária à deformação do material, o qual está relacionado com a ocorrência de segregação de fases e com o aumento da concentração de sólidos na região central da amostra (CARDOSO, 2009).
Mostrar mais

13 Ler mais

Influência da adição de filer de areia de britagem nas propriedades de argamassas de revestimento.

Influência da adição de filer de areia de britagem nas propriedades de argamassas de revestimento.

A distribuição granulométrica dos agregados miúdos e do filer utilizados pode ser visualizada na Figura 1. A areia de britagem basáltica foi lavada, foram removidas as frações maior que 2,4mm e inferior a 0,075mm e seus grãos foram redistribuídos de modo a apresentar a mesma distribuição granulométrica de uma areia natural de rio, considerada como referência. A Figura 1 também apresenta a distribuição granulométrica do filer utilizado, em sua granulometria original (com grãos até a peneira com abertura 0,150mm), obtida pelo método de difração de raios Laser, segundo o método especificado na Norma ISO 13320 (INTERNATIONAL..., 2009). O método empregado foi via úmida, com solvente água, num fluxo de 80%, empregando ultrassom como meio dispersante, em 40w, por 30 segundos. Apresenta- se também a curva obtida considerando apenas os grãos menores que 0,075mm. Também pode ser visualizada a distribuição granulométrica do cimento utilizado, como referência dimensional. O filer de britagem foi adicionado ao agregado miúdo de britagem nos teores especificados previamente (variando de 1,5 a 30%). Como 14,81% do filer tem dimensão superior a 0,075mm (sendo 12,67% ≤ # 0,150mm), considerou-se que para fins de análise do comportamento das argamassas esta parcela deve ser somada ao agregado miúdo, o que resulta em uma pequena alteração na distribuição granulométrica dos agregados miúdos, que na adição de 30% de filer aumenta 3,7% a sua quantidade de finos. Os resultados desta adição na distribuição granulométrica do agregado miúdo podem ser visualizados na Tabela 3.
Mostrar mais

13 Ler mais

Influência da adição do resíduo proveniente do corte de mármore e granito (RCMG) nas propriedades de argamassas de cimento Portland

Influência da adição do resíduo proveniente do corte de mármore e granito (RCMG) nas propriedades de argamassas de cimento Portland

A trabalhabilidade está associada aos conceitos de consistência, plasticidade e tixotropia, sendo esses avaliados pela reologia. Assim, a trabalhabilidade é a propriedade relacionada com a facilidade de transporte e manuseio pelo operário, garantindo as condições de execução e o adequado desempenho do revestimento em serviço (CINCOTTO,1995). Podendo ser influenciada pela forma, dimensões e distribuição granulométrica dos agregados, pois partículas com texturas ásperas, angulosas e alongadas necessitam de mais pasta de cimento para produzir misturas trabalháveis, aumentando, assim, o custo de argamassas e concretos (METHA e MONTEIRO, 1994). Os cimentos que possuem maior finura podem resultar em argamassas com maior trabalhabilidade e maior retenção de água (CINCOTTO,1995). Da mesma forma, com a incorporação de partículas finamente divididas, geralmente há a melhora da trabalhabilidade por reduzir o tamanho e o volume de vazios (METHA e MONTEIRO, 1994). Cincotto (1995) considera a argamassa trabalhável quando esta pode ser espalhada com facilidade sobre o substrato e aderida à superfície, de forma a proporcionar boa produtividade durante a execução do serviço e atingir o acabamento final desejado.
Mostrar mais

193 Ler mais

Influência da utilização de resíduo de cerâmica vermelha nas propriedades de argamassas mistas

Influência da utilização de resíduo de cerâmica vermelha nas propriedades de argamassas mistas

de impermeabilização (VEJMELKOVÁ et al., 2012). As argamassas feitas com argilas tratadas termicamente obtidas a partir de subprodutos moídos também eram conhecidas por serem bastante duradouras e confiáveis. Seu número considerável de vantagens levou à sua utilização por muitos séculos. Este tipo de argamassa pode ser facilmente encontrado em edifícios históricos e sítios arqueológicos até os tempos atuais, o que é um bom indicador de sua longevidade (MATIAS; FARIA; TORRES, 2014). A atividade pozolânica dos resíduos cerâmicos conforme Mehta e Monteiro (2014) abordam, se deve à estrutura amorfa ou desordenada do aluminossilicato da argila resultante de tratamento térmico (temperaturas na ordem de 600° a 900°C).
Mostrar mais

97 Ler mais

Influência da substituição do agregado miúdo natural por agregado reciclado fino em propriedades de argamassas e concretos

Influência da substituição do agregado miúdo natural por agregado reciclado fino em propriedades de argamassas e concretos

A avaliação dos agregados miúdos reciclados, como material substituinte ao agregado miúdo natural na produção de concretos e argamassas utilizada na pesquisa, possibilitou o estudo de vários parâmetros no estado fresco e endurecido, além de verificar a influência da presença de agregados inferiores a 4,8mm nos agregados graúdos reciclados na produção de concretos. As partículas de agregado miúdo, quando caracterizadas fisicamente, se apresentam semelhantes aos grãos do agregado natural, porém as diferenças na massa específica, absorção, quantidade de finos, influenciaram as propriedades das misturas, principalmente a dosagem onde a substituição foi feita em volume. A substituição em volume foi um procedimento adotado bastante adequado para a dosagem, devido a que se conseguiu uma melhor distribuição das partículas nas misturas, avaliando melhor a influência dos próprios materiais.
Mostrar mais

178 Ler mais

Propriedades de argamassas de assentamento produzidas com areia artificial para alvenaria estrutural

Propriedades de argamassas de assentamento produzidas com areia artificial para alvenaria estrutural

Neste sentido, para avaliar o uso deste material, este trabalho apresenta o desempenho da agregado miudo de areia artificial de granito, na produ9iio de argamassa, especificam[r]

180 Ler mais

Efeito do tempo de exposição/armazenamento nas propriedades de argamassas intermediárias nos estados fresco e endurecido

Efeito do tempo de exposição/armazenamento nas propriedades de argamassas intermediárias nos estados fresco e endurecido

Com os resultados obtidos, é possível afirmar que quanto mais tempo a argamassa fica na obra, maior é a quantidade de água requerida para a mesma trabalhabilidade. A exposição da argamassa em ambiente externo provoca a carbonatação da cal, induzindo o operário a adicionar mais água para alcançar uma consistência adequada para a aplicação do material. Com o intuito de identificar a causa desta situação, foram realizados ensaios para determinar o pH e o teor de cal por calcinação. Em consequência da carbonatação da cal, ocorre um aumento na quantidade de material inerte, resultando em uma maior relação água/aglomerante para a mistura. Assim, reduzindo o potencial das propriedades das argamassas produzidas.
Mostrar mais

56 Ler mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO COM ADIÇÃO DE FIBRAS DE POLIPROPILENO

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO COM ADIÇÃO DE FIBRAS DE POLIPROPILENO

O fato de estas fibras não aumentarem consideravelmente a resistência à tração na flexão das argamassas foi explicado por Silva (2006, p. 14) quando afirmou que a adição das fibras de polipropileno, as quais têm baixa resistência mecânica e elevada deformação final, forma uma compósito que apresentará tanto o trecho elástico (ruptura da matriz) quanto o trecho “plástico”, a partir do qual haverá a atuação da fibra, auxiliando mais no controle de fissuração do que no aumento da resistência.

10 Ler mais

Estudo das propriedades de argamassas colantes submetidas à saturação e secagem

Estudo das propriedades de argamassas colantes submetidas à saturação e secagem

O objetivo desta pesquisa foi contribuir para o entendimento do comportamento de argamassas aditivadas com polímeros HEC e EVA frente à saturação em água, tendo em vista as pesquisas existentes na literatura consultada que reportam a sensibilidade das resistências mecânicas de argamassas modificadas com polímeros submetidas a variações de umidade. A metodologia estabelecida permitiu, também, a avaliação dos efeitos isolados e conjuntos do HEC e EVA sobre as propriedades e características das argamassas nos estados fresco e endurecido. A análise das argamassas no estado fresco demonstrou que os polímeros exercem efeitos significativos sobre as mesmas, em função do tipo e teores empregados. O HEC causou redução do índice de consistência em até 39% e, para um teor de 1% do polímero, um aumento expressivo do teor de ar incorporado (565%), além de apresentar excelente retenção de água (100%). O efeito do EVA é menos expressivo, entretanto, modificações nos resultados na presença do HEC sugerem que ocorre interação entre os mesmos. Constatou-se, também, que os métodos de ensaio empregados para caracterização das argamassas no estado fresco não são os mais adequados para argamassas colantes.
Mostrar mais

180 Ler mais

Propriedades microestruturais de argamassas de cimento Portland com adições minerais e poliméricas utilizadas na fixação de porcelanato.

Propriedades microestruturais de argamassas de cimento Portland com adições minerais e poliméricas utilizadas na fixação de porcelanato.

Apesar de suas excelentes características técnicas e estéticas, a aplicação do porcelanato requer especial atenção quanto aos procedimentos de execução, devido ser um material diferente das cerâmicas convencionais, principalmente quando aplicados às fachadas as quais estão sujeitas a diversos agentes capazes de danificar os revestimentos cerâmicos. Podem ser encontrados na literatura trabalhos científicos que estudam as propriedades das argamassas colantes para assentamento de materiais cerâmicos com absorção de água superior a 3%, o que não é observado para os porcelanatos que apresentam absorção de água próxima de zero. Essa é a principal causa da perda ou falta de aderência entre o tardoz da placa de porcelanato e a argamassa, pois não permite o mecanismo de aderência mecânica existente nas cerâmicas porosas. O presente trabalho apresenta algumas propriedades de argamassas com adições de polímero e sílica ativa para a fixação de porcelanato, contribuindo para solucionar os problemas encontrados quanto a falta de aderência. A adição combinada de polímero e sílica ativa às argamassas resulta em excelentes propriedades, ideais para reparos e revestimentos que exigem elevado desempenho, o que viabiliza seu estudo visando a fixação de porcelanato. Os procedimentos experimentais para a determinação da aderência seguiram as prescrições constantes na NBR 14084 – Argamassa colante industrializada para assentamento de cerâmica - Determinação da resistência de aderência. Os resultados obtidos evidenciaram a importância da continuidade do estudo, além da aplicabilidade das argamassas especiais quanto a fixação do revestimento cerâmico em estudo. São apresentadas micrografias das amostras fraturadas das argamassas obtidas por microscopia eletrônica de varredura, assim como o diâmetro médio dos poros das argamassas obtido por porosimetria por intrusão de mercúrio.
Mostrar mais

6 Ler mais

Análise microestrutural e das propriedades mecânicas e de durabilidade de argamassas e concretos com isoladores elétricos de porcelana

Análise microestrutural e das propriedades mecânicas e de durabilidade de argamassas e concretos com isoladores elétricos de porcelana

Nos ensaios de análise térmica, estes autores, constataram que a perda de massa é menor nas argamassas com porcelana moída. Nas observações microscópicas verificaram que não existem diferenças básicas na ancoragem dos produtos de hidratação e carbonatação sobre os agregados, independentemente do agregado ser a areia comum ou louça sanitária moída. Mesmo com a porcelana moída podendo apresentar face esmaltada, esta não causou nenhum efeito negativo ao desenvolvimento da resistência mecânica e nenhum eventual produto desta reação se tornou visível.
Mostrar mais

216 Ler mais

Argamassas

Argamassas

prolongada. A homogeneização da mistura deve ser realizada juntando apenas a água necessária para a argamassa obter a devida consistência (seja a amassadura de forma manual ou mecânica). É muito importante a forma cuidada de aplicar a argamassa em obra (de preferência aplicada em mais do que uma camada de pequena espessura esperando, pelo menos, dois a três dias entre cada aplicação), sendo favorável se este tempo puder ser alargado para melhorar o processo da carbonatação. As argamassas devem ser apertadas com a costa da colher, este procedimento faz com que alguma fissuração que ocorra seja colmatada e torne a argamassa menos porosa. Por outro lado, as condições atmosféricas devem ser favoráveis à libertação da água da pasta, mas é essencial a existência de humidade na atmosfera. Diz-se que “argamassa de Inverno, argamassa de ferro”, sendo favorável a sua aplicação sem chuva e com temperaturas entre os 10ºC a 15ºC. A Primavera e o Outono são as estações mais favoráveis para a aplicação destas argamassas.
Mostrar mais

32 Ler mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TEOR DE FINOS DOS AGREGADOS
RECICLADOS MISTOS NAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS DE
REVESTIMENTO

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TEOR DE FINOS DOS AGREGADOS RECICLADOS MISTOS NAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO

De acordo com Mehta e Monteiro (2008), na argamassa endurecida, após a saída da água livre presente nos vazios capilares, a retração é provocada pela perda da água adsorvida, isto é, perda da água que está fisicamente aderida à parede dos vazios capilares da pasta. A restrição da retração provoca, já nas primeiras horas, o aparecimento de esforços de tração e, consequentemente, um estado de tensões interno. Na retração livre, ou seja, em corpos de prova não aplicados a nenhum tipo de base, o agregado é responsável por essa restrição. Nas argamassas aplicadas em substratos como os tijolos e o concreto, a restrição da retração ocorre também por causa da própria aderência da argamassa à base. Os mesmos autores apontam que a retração por secagem é reversível, enquanto que a argamassa endurecida pode movimentar-se no sentido contrário ao da retração quando sujeita, por exemplo, à molhagem.
Mostrar mais

179 Ler mais

ESTUDO COMPORTAMENTAL DA FORMULAÇÃO, DOS REQUISITOS, E DAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS ESTABILIZADAS DE REVESTIMENTO VALÉRIA COSTA DE OLIVEIRA

ESTUDO COMPORTAMENTAL DA FORMULAÇÃO, DOS REQUISITOS, E DAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS ESTABILIZADAS DE REVESTIMENTO VALÉRIA COSTA DE OLIVEIRA

A etapa 03 teve como objetivo avaliar o processo de estabilização. Desta forma, a penetração de cone e a tensão limite de escoamento passaram de condição fixa para variável dependente tanto na condição sem a proteção da lâmina de água, quanto na condição de emprego da película de água. No caso das argamassas estabilizadas a manutenção da trabalhabilidade é melhorada com a utilização de uma película de água sobre a argamassa enquanto a mesma está armazenada, fator recomendado pelos fabricantes, porém Casali et al (2011) comentaram que essa prática não é realizada em obra, pois segundo os usuários, no dia seguinte a camada de água fica como uma “nata” e após remove-la a argamassa apresenta uma fluidez elevada. Tal fato foi observado para as séries 40/10 e 40/20, porém no dia seguinte as mesmas se encontraram-se endurecidas.
Mostrar mais

267 Ler mais

Argamassas de revestimento para alvenaria contendo vermiculita expandida e agregados de borracha reciclada de pneus - Propriedades relevantes.

Argamassas de revestimento para alvenaria contendo vermiculita expandida e agregados de borracha reciclada de pneus - Propriedades relevantes.

Outro aspecto interessante diz respeito aos resultados de ar incorporado (Figs. 4 e 5), vis a vis com os de resistência mecânica e densidade aparente. Eles poderiam indicar uma contradição, uma vez que seria esperada uma menor resistência mecânica para quem tivesse menor densidade de massa e maior teor de ar incorporado. Essa contradição é apenas aparente, pois se analisarmos a Tabela I das composições, pode-se perceber que as argamassas foram formuladas com quantidades de agentes ligantes (cimento + cal) em teores propositalmente diferenciados, para compensar perda de resistência mecânica, quando os teores de vermiculita ou de borracha reciclada fossem aumentados e este objetivo foi alcançado. Como a argamassa de revestimento não tem função estrutural, a resistência mecânica em si, poderia ser um parâmetro secundário no comportamento do revestimento. Porém a resistência de aderência sob tração da argamassa é um componente muito significativo [19].
Mostrar mais

8 Ler mais

Avaliação de propriedades hidrodinâmicas em materiais granulares e argamassas com cinza pesada e agregado reciclado

Avaliação de propriedades hidrodinâmicas em materiais granulares e argamassas com cinza pesada e agregado reciclado

Era esperado que todos os pontos de medida (hastes a quatro, sete, onze, quinze e dezenove centímetros) na amostra respondessem, no estado seco, com uma mesma resistência inicial, para uma mesma mistura. Entretanto este comportamento não foi verificado. As argamassas apresentaram resistências elétricas maiores nas extremidades, sendo que na extremidade superior, esses valores foram mais elevados. As figuras 88 e 89 mostram os dois tipos de perfis encontrados nas misturas. A figura 88 corresponde à argamassa 50CzP e a figura 89 à argamassa 100AGR.

158 Ler mais

Estudo das argamassas de revestimento com agregados reciclados de RCD: características físicas e propriedades da microestrutura

Estudo das argamassas de revestimento com agregados reciclados de RCD: características físicas e propriedades da microestrutura

A utilização dos RCD como agregado reciclado está sendo pesquisado para as mais variadas aplicações, entre elas, para argamassas de revestimento e assentamento de edifícios. Porém, um dos desafios é a ausência de parâmetros que controlem a produção e a aplicação dessas argamassas. Outro problema seria reduzir a variabilidade das propriedades dessas argamassas, causada, devido a sua heterogeneidade, por serem compostos de materiais de naturezas diferentes, em teores variados e diferentes distribuições granulométricas; e garantir um bom desempenho dos revestimentos de paredes e tetos com RCD, quanto ao aparecimento de patologias, como fissuras e descolamento (MIRANDA; SELMO, 2004).
Mostrar mais

221 Ler mais

Argamassas de reparação

Argamassas de reparação

Como seria de esperar e, de acordo com a revisão bibliográfica, apresentada em 2.2.3.3. as argamassas com cinzas volantes apresentaram menores valores de porosidade livre do que a argamassa padrão. Por um lado, a menor quantidade de água que estas contêm contribui para uma estrutura mais densa, logo menos porosa. Por outro lado, a utilização de cinzas volantes conduz a uma reestruturação da rede porosa levando à diminuição do tamanho dos poros devido à simultaneidade da sua reacção pozolânica com a hidratação do cimento. Concomitantemente, verifica-se uma diminuição no volume dos poros, fruto do efeito físico e pozolânico das cinzas volantes. Através deste processo, a permeabilidade da pasta de cimento hidratada, bem como a porosidade da zona de transição entre a pasta de cimento e o agregado são reduzidas.
Mostrar mais

191 Ler mais

Influência do uso de resíduos industriais nas propriedades mecânicas e reológicas de argamassas utilizadas na indústria da construção civil

Influência do uso de resíduos industriais nas propriedades mecânicas e reológicas de argamassas utilizadas na indústria da construção civil

Nos trabalhos de SAKAI e SUGITA (1995), um outro tipo de modelo é sugerido na formação de compósitos cimentícios com ênfase na microestrutura da pasta e nos ensaios mecânicos na qual os autores aproveitam para comparar os efeitos da adição do polímero na forma de pó redispersível e na forma de emulsão. Logo após a mistura das partículas poliméricas envolverem as partículas de cimento de forma independente da adição de polímero. Aos 3 dias da aplicação as partículas que haviam sido depositadas na superfície do cimento pareciam intocadas com o efeito de hidratação do cimento, sendo que foi observado partículas dispersas nos produtos de hidratação formados. Observando as argamassas modificadas com polímeros na forma de emulsão, verificou- se a presença de partículas de polímero circundada por produtos de hidratação próximos a superfície dos agregados. Entre as partículas de cimento foi observada uma mistura de produtos de hidratação em conjunto com partículas poliméricas. No caso dos compósitos formados com polímero na forma de pó, não se observou a camada de polímero circundando os produtos de hidratação, a conclusão feita pelos autores é que essa metodologia reduz as resistências à tração e flexão obtidas com essas adições.
Mostrar mais

181 Ler mais

Efeito da adição de micro e nanossílica no comportamento reológico e propriedades no estado endurecido de argamassas e pastas de cimento

Efeito da adição de micro e nanossílica no comportamento reológico e propriedades no estado endurecido de argamassas e pastas de cimento

A presença do Ca(OH) 2 pode ser atribuída as reações de hidratação dos silicatos e a cal livre. Na forma cristalizada tem a tendência de formar cristais sob a forma de prismas hexagonais. O tamanho dos cristais aumenta à medida que a relação a/c é mais elevada. Esta fase contribui pouco para a resistência da pasta de cimento endurecida, que lhe confere um baixo poder de adesão. E, por ser solúvel em água, o CH pode aumentar a permeabilidade da pasta, comprometendo a durabilidade em meios sujeitos ao contato constante com a água. Para LI (2004), a alcalinidade da água dos poros é geralmente considerada como um parâmetro que interfere na longevidade das estruturas de concretos. Embora a elevada alcalinidade seja essencial para a preservação da armadura, como no caso do concreto armado, pode comprometer o desempenho de concreto e argamassa reforçada com fibras de celulose (JERGA, 2004). Como consequência, há uma rápida perda da resistência mecânica, através do chamado envelhecimento ou degradação das fibras (OLIVEIRA, 2002). Para SHA & PEREIRA (2001) quando pozolanas contendo sílica amorfa são adicionadas à mistura, ocorrem reações com o CH, produzindo silicatos de cálcio estáveis que possuem propriedades cimentícias. Isto se traduz em benefícios, tais como: maior resistência mecânica, baixa difusão iônica dos cloretos, redução da absorção de água, aumento da resistência à abrasão e aumento da resistência química (DAVRAZ & GUNDUZT, 2005).
Mostrar mais

194 Ler mais

Show all 7483 documents...