Quadros Superiores

Top PDF Quadros Superiores:

A formação dos quadros superiores nas instituições públicas e empresas do Algarve

A formação dos quadros superiores nas instituições públicas e empresas do Algarve

Ainda em relação à caracterização dos quadros superiores, actualmente a desempenharem funções de liderança na região algarvia, tendo em conta a sua participação em acções formativas, verifica-se após esta análise, que os que maior participação efectuaram foram os quadros superiores que anteriormente estavam a desempenhar funções noutra categoria profissional. Contudo, independentemente da sua participação em acções de formação, os quadros superiores desempenham na sua grande maioria funções noutra categoria profissional. Isto poderá eventualmente traduzir a importância cada vez mais considerável dada pelos recursos humanos, ao factor conhecimento, enquadrado na formação profissional.
Mostrar mais

25 Ler mais

As sociedades contemporâneas como sociedades de conhecimento: o papel estratégico dos quadros superiores nas empresas

As sociedades contemporâneas como sociedades de conhecimento: o papel estratégico dos quadros superiores nas empresas

44 - Convém todavia salientar, neste passo, que a formação superior, não deixando de ser um elemento fundamental, não é só por si suficiente para a determinação da camada social dos quadros, e mais especificamente dos quadros superiores. É interessante notar o facto de existir contratação colectiva que reconhece os técnicos industriais como técnicos que não possuindo uma formação superior são equiparados a engenheiros, tendo uma carreira profissional idêntica, devido às funções desempenhadas. Veja-se por exemplo, o contrato colectivo de trabalho (CCT) da metalurgia, segundo o qual o técnico industrial é o trabalhador proveniente do grau máximo da sua especialidade que, possuindo conhecimentos teóricos e práticos adquiridos ao longo de uma experiência profissional de metalurgia ou metalomecânica, executa funções que normalmente são atribuídas a um profissional de engenharia, sendo equiparado para efeitos salariais, ao nível correspondente do respectivo profissional de engenharia. Cf. Confederação Portuguesa dos Quadros Superiores e Científicos, Anuário Estatístico dos Quadros, Lisboa, 1991, p. 54.
Mostrar mais

19 Ler mais

Profissionalização dos quadros superiores da Administração Pública – o caso dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental

Profissionalização dos quadros superiores da Administração Pública – o caso dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental

procederam a exame comparado d e seus m odelos d e formação de quadros superiores da burocracia. A escolha recaiu, como no caso de R o u a n e t, n o m o d e lo da ENA fran cesa, s e n d o c e le b ra d o um a c o rd o d e c o o p e ra ç ã o técnica entre as duas Escolas. O modelo fra n c ê s in flu e n c ia ria , assim , profundam ente a ENAP, tanto no q u e se re fe re à c o n c e p ç ã o pedagógica e curricular dos cursos d e fo rm a ç ã o , c o m o a sua o rg a n iz a ç ã o a d m in is tra tiv a . Influenciaria também a concepção d a c a rre ira q u e a b so rv e ria os e g re s s o s da Escola. A ENAP receberia regularm ente, ao longo d o s p rim e iro s a n o s d e sua e x istê n cia , a visita d e um dos Diretores da ENA, a qual acolhia, em contrapartida, dirigentes da ENAP p a ra o b se rv a r in loco o m o d e lo a s e r s e g u id o . Vale observar que a ENA velava, p o r assim d iz e r, p a ra q u e sua congênere brasileira se afastasse o mínimo possível do seu m o d elo 5. A aplicação p o u c o flexível do m o d e lo francês em am b iên cia cultural, social e política tão distinta e sua superposição a um sistema e d u c a c io n a l e a d m in istra tiv o diveigente e, no caso do último, mal estru tu rad o , p o de ser apontada com o outra das dificuldades de origem que marcariam a evolução do projeto ENAP.
Mostrar mais

56 Ler mais

Os Quadros Superiores, os Empresários e as suas Famílias: análise de processos de mudança social e cultural em Moçambique

Os Quadros Superiores, os Empresários e as suas Famílias: análise de processos de mudança social e cultural em Moçambique

Neste texto são analisadas estratégias de reprodução social de famílias moçambicanas que possuem um ou mais membros a desenvolver actividades empresariais e simultaneamente um ou mais membros com formação superior. Através de uma abordagem das articulações e inter ‑relações que se processam entre estas diferentes variáveis e unidades de análise (empresários, quadros superiores, indivíduos, famílias) pretende ‑se reflectir sobre os processos dinâmicos através dos quais as famílias desenvolvem as suas estratégias de reprodução social. Salientam ‑se, na análise, os factores que a nível familiar condicionaram as formações e opções profissionais individuais e a forma como estas originaram transformações ao nível das estruturas e relações familiares. Conclui ‑se reflectindo sobre o carácter complexo e não linear dessas mesmas transformações e da forma como estas mesmas características, inerentes aos processos de mudança cultural e social em curso nas famílias moçambicanas, condicionam as actividades empresariais e profissionais dos indivíduos.
Mostrar mais

17 Ler mais

Formação de Quadros Superiores Moçambicanos em Portugal: Trajetórias, identidades e redes sociais

Formação de Quadros Superiores Moçambicanos em Portugal: Trajetórias, identidades e redes sociais

Tal obriga a ter cuidado com generalizações excessivas acerca do lugar hie- rárquico ocupado por este grupo nas diferentes fases que se seguem ao período pós-independência. No entanto, não impede que se constate que a descendência de famílias de assimilados constitui ainda um fator gerador de distinção social indissociável do facto de este grupo ter tido acesso a uma certa formação escolar durante o período colonial e de tal ter tido repercussões em termos da estratifi- cação social observável após a independência, devido, entre outros fatores, ao êxodo dos quadros superiores de origem portuguesa e à sua substituição por quadros nacionais de nível médio. Como refere Sumich (2008, p. 337), após a independência assiste-se em Moçambique, e especialmente em Maputo, a um enorme aumento da mobilidade social, pois “o êxodo dos portugueses deixara vagos praticamente todos os cargos profissionais e administrativos do país e, pela primeira vez, os moçambicanos viam-se promovidos às posições anteriormente ocupadas pelos colonialistas”.
Mostrar mais

28 Ler mais

O nível de formação dos quadros superiores nas instituições públicas e empresas do Algarve

O nível de formação dos quadros superiores nas instituições públicas e empresas do Algarve

Para Senge (1998) o contexto da economia actual exige o desafio de se formarem organizações que privilegiam o conhecimento e a aprendizagem conjunta, de todos os indivíduos que a compõ[r]

253 Ler mais

Relevância das receitas próprias no financiamento das autarquias: estudo de caso, o município de Vieira do Minho

Relevância das receitas próprias no financiamento das autarquias: estudo de caso, o município de Vieira do Minho

A abordagem principal será a observação junto da divisão de administração e finanças, por interação com os seus quadros superiores e demais colaboradores em ambiente empresari[r]

145 Ler mais

Processo Integrado de Place Branding: O caso da cidade de Lisboa

Processo Integrado de Place Branding: O caso da cidade de Lisboa

da Câmara”. Num ambiente onde os quadros superiores, desde vereadores a chefes de departamento querem deixar a sua marca, torna-se difícil que o Departamento de Marca e Comun[r]

62 Ler mais

Contributos para uma reflexão sociológica sobre os quadros: o caso português

Contributos para uma reflexão sociológica sobre os quadros: o caso português

Enquanto grupo profissional, em Portugal, os quadros reportam-se essencialmente às definições e aos dados da OIT e da CNP (1994). Os quadros constituem um grupo profissional muito heterogéneo. A OIT define como quadro (o qual reporta primordialmente ao traba- lhador intelectual), os profissionais que possuem um diploma supe- rior, uma formação profissional de nível superior ou que possuem experiência reconhecida como equivalente a um domínio científico, técnico ou administrativo. Para além disso, para se ser quadro é necessário exercer, na qualidade de assalariado, funções predomi- nantemente intelectuais que implicam a aplicação da capacidade de julgamento e da iniciativa e que têm subjacente um elevado nível de responsabilidades, nomeadamente as de previsão, direcção, controlo e coordenação das actividades duma organização, para o que exer- cem poder de comando correspondente. Desta definição excluem-se os quadros dirigentes (CPQSC, 1991). Esta definição, proposta pela OIT, não impõe como condição para se ser quadro a detenção de funções de enquadramento (de controlo e de comando hierárquico). Já a CNP distingue fundamentalmente dois grupos principais de quadros: o dos Quadros Superiores da Administração Pública, Diri- gentes e Quadros Superiores da Empresa (grupo 0-1), e o dos Espe-
Mostrar mais

20 Ler mais

Trabalho decente e precarização.

Trabalho decente e precarização.

Bouffartigue e Pochic (2001) afirmam que tal nomadismo voluntário é um mito, pois reverte, de maneira frequente, na passagem do trabalhador para a condição de autônomo ou independente, no desemprego, em formas atípicas de emprego, formas essas a que só se resignam os trabalhadores mais fragilizados no contexto do mercado de trabalho. O paradoxo é que se, de um lado, esses elementos levam à relativização da noção de trabalha- dor nômade, de outro, indicadores de natureza subjetiva atestam de fato uma atitude positiva por parte dos trabalhadores que integram os quadros superiores diante da mobilidade e de seus potenciais de empregabilidade. É possível identificar em populações de jovens quadros superiores de empresas de TI uma ambição sempre renovável, um desejo de instabilidade e muta- bilidade em busca de um percurso ascendente. Os autores sustentam que só os cadres mais fragilizados são levados a renunciar à norma do emprego assalariado estável. Nesse sentido, o mito serviria a ocultar uma realidade de dificuldades e temores.
Mostrar mais

22 Ler mais

Desigualdades ocupacionais na dimensão relacional do trabalho

Desigualdades ocupacionais na dimensão relacional do trabalho

De um modo geral, as duas variáveis apresentam valores aproximados, sendo excepções os quadros superiores e os trabalhadores da agricultura e pesca, para quem as dinâmic[r]

16 Ler mais

Artigo Revista Dinâmia 2009 8 João Pedro Cordeiro

Artigo Revista Dinâmia 2009 8 João Pedro Cordeiro

Numa abordagem sobre os quadros nas empresas, Bourgault (2000) teoriza acerca das relações de poder, nomeadamente da tomada de decisões. Segundo este autor, as decisões dos quadros podem ser classificadas tendo por base os níveis hierárquicos existentes nas organizações. O autor postula a existência de três tipos de decisões: as «decisões estratégicas», as «decisões funcionais» e as «decisões operacionais». As decisões estratégicas, também designadas por «decisões institucionais», são tradicionalmente reconhecidas como decisões tomadas pelos quadros superiores e inscrevem-se num contexto de incerteza, visto que dependem da envolvente externa à organização. As decisões estratégicas têm impacto no conjunto da organização, pois são decisões que têm consequências sobre os objectivos gerais da mesma. As decisões funcionais, também designadas por «decisões tácticas», estão associadas aos quadros intermédios, encarregues de alcançar os objectivos organizacionais pela optimização dos recursos ao seu dispor. Estas decisões traduzem, de forma concreta, as decisões estratégicas tomadas pelos altos dirigentes e, também, por cada uma das funções administrativas da organização. Finalmente, as decisões operacionais estão geralmente associadas aos quadros operacionais encarregues da produção e são direccionadas para actividades que têm de ser realizadas, inserindo-se, pois, nas tarefas de execução.
Mostrar mais

23 Ler mais

Artigo Revista Portuguesa Management João Pedro Cordeiro

Artigo Revista Portuguesa Management João Pedro Cordeiro

Uma das limitações do presente estudo remete para os instrumentos metodológicos utilizados. Ao pretender identificar e analisar as inter-relações (articulação) entre as estratégias empresariais e as práticas de gestão das remunerações dos quadros superiores, utilizaram-se os dados dos inquéritos por questionário. Todavia aqui houve limitações, as quais se prendem com a caracterização das estratégias empresariais e com as variáveis utilizadas. Por um lado, ao nível das estratégias, as empresas possuem maioritariamente uma visão multifacetada, caracterizada pela utilização de várias estratégias em simultâneo. Ao nível dos inquéritos por questionário optou-se por identificar apenas a estratégia principal da empresa, descurando as estratégias complementares, o que representa um óbvio constrangimento à análise efectuada. Por outro lado, a natureza dos dados do inquérito, com variáveis sobretudo de carácter nominal e ordinal, condicionou a análise a efectuar.
Mostrar mais

23 Ler mais

Inter-relação entre o perfil dos lábios superiores e a posição da maxila e dos incisivos superiores em pacientes adultos.

Inter-relação entre o perfil dos lábios superiores e a posição da maxila e dos incisivos superiores em pacientes adultos.

Este estudo avaliou a contribuição de carac- terísticas ósseas e dentárias maxilares para o per- fil do lábio superior, sem filtrar ou controlar a amostra para as variáveis raça ou gênero. Especi- ficamente, o projeto avaliou retrospectivamente a inter-relação entre o perfil do lábio superior e o posicionamento da maxila e dos incisivos superio- res em pacientes adultos. A hipótese nula de não haver relação significativa entre o perfil do lábio superior e o perfil duro maxilar foi testada. Além disso, o estudo selecionou as variáveis cefalométri- cas de perfil duro maxilar que, matematicamente, melhor explicam as características anatômicas dos lábios superiores, e mensurou a correlação entre tais variáveis cefalométricas de perfil duro.
Mostrar mais

7 Ler mais

Empregabilidade e a dinâmica de uma formação de quadros docentes para Angola

Empregabilidade e a dinâmica de uma formação de quadros docentes para Angola

Os resultados alcançados neste estudo mostram a existência de um grau alto de empregabilidade dos quadros docentes formados pelo ISCED-Cabinda, mas revelam também que a qualidade de ensino oferecida pelos mesmos nas áreas de ciências exactas e da natureza e mesmo nas línguas nas escolas secundárias onde trabalham ainda não é a melhor, porque aqueles docentes, na sua maioria, estão habilitados apenas para ensinar a Pedagogia e a Pscicologia e não estão habilitados para ensinarem qualquer outra disciplina. Esta constatação exige da entidade formadora e da entidade empregadora uma prudência redobrada que deve ser consubstanciada com uma estratégia comum de formação de quadros que garantisse a empregabilidade dos mesmos sem, contudo, comprometer as grandes metas definidas pelo Governo Angolano que ambicionam um desenvolvimento sustentável do País e um bem-estar social das suas populações, partindo de um princípio de uma educação forte e coerente desde o ensino de geral.
Mostrar mais

15 Ler mais

e engajamento em redações dissertativas

e engajamento em redações dissertativas

Para estabelecer uma relação entre o esquema da sequência argumentativa e os marcadores metadiscursivos, propusemos os seguin- tes quadros analíticos (ver quadros 1, 2, 3[r]

18 Ler mais

Gravidez na adolescência: prevalência de depressão, ansiedade e ideação suicida.

Gravidez na adolescência: prevalência de depressão, ansiedade e ideação suicida.

No entanto, diante da freqüência com que se observam quadros de depressão, ansiedade e ideação suicida em adolescen- quadros de depressão, ansiedade e ideação suicida em adolescen- quadr[r]

5 Ler mais

Diagramas de crescimento e combinatória de quadros de Young

Diagramas de crescimento e combinatória de quadros de Young

Em seguida, apresentamos as versões clássicas de alguns algoritmos com- binatórios envolvendo quadros de Young: a correspondência de Robinson- Schensted, a correspondência RSK, o jeu de taquin de Schützenberger e a evacuação. Estes algoritmos são posteriormente reformulados recorrendo a di- agramas de crescimento, tirando partido das ferramentas desenvolvidas com o auxílio do teorema da dualidade de Greene. As propriedades fundamen- tais destes algoritmos são demonstradas no último capítulo, particularmente as suas propriedades de simetria e o efeito de transformações de uma permuta- ção nos quadros de Young que lhe correspondem pelo algoritmo de Robinson- Schensted.
Mostrar mais

140 Ler mais

DM Maria Josefa Juviniano Quadros

DM Maria Josefa Juviniano Quadros

Atente-se a que o Ministério da Educação (MEC) por meio da Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior( SERES) é responsável pela regulação e supervisão dos Institutos de Educação Superior (IES), públicas e privadas pertencentes ao Sistema Federal de Educação e cursos superiores de graduação lato senso, todos da modalidade presencial ou a distância. A SERES é responsável também pela certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social na área da educação, zelando para que a legislação educacional seja cumprida de modo que as ações induzam a elevação da qualidade do ensino por meio do estabelecimento de diretrizes para a expansão de cursos e instituições, em corformidade às diretrizes curriculares nacional e da parâmetros de qualidade de cursos e instituições - Decreto n. 7.690/12. Assim, nos dizeres de Ventura (2017, p.26)
Mostrar mais

136 Ler mais

Qual a finalidade e o conteúdo dos "bilhetinhos" de Jânio quadros?

Qual a finalidade e o conteúdo dos "bilhetinhos" de Jânio quadros?

Jânio Quadros ocupa um lugar muito especial no universo de políticos brasileiros. Prefeito de São Paulo (1953-55 e 1986-89), governador do estado (1955-59) e presidente da República (1961), caracterizava-se por se expressar em linguagem, ao mesmo tempo, direta e rebuscada, por um visual desalinhado e, sobretudo, por um estilo personalista de governar. Principal promessa na campanha vitoriosa que o levou à prefeitura paulistana em 1953, a moralização administrativa tinha como pressuposto básico a suspeição sobre o trabalho da burocracia, vista como corrupta e ineficiente, incapaz, portanto, de compreender as “verdadeiras” demandas populares. Desprezando a rotina burocrática ao despachar “bilhetinhos” para todas as instâncias administrativas, supervisionando pessoalmente os órgãos públicos, não delegando poderes, Jânio apostava na idéia de que o indivíduo deveria pairar acima das instituições democráticas. A finalidade era firmar a imagem do político competente e capaz, cuja onipresença vigilante garantia o cumprimento rápido e fiel de suas decisões. Por isso mesmo o conteúdo das “papeletas” – como Jânio chamava – era muito variado, como mostra o livro de J. Pereira, Bilhetinhos de Jânio (Editora Musa, 1959). Ia desde o puxão de orelhas no secretário de Educação pela demora na tramitação burocrática, até o alerta irônico para a Casa Militar sobre a sindicância que envolvia um policial apelidado de “Elefante”: “Rigor com o bicho”. Nem mesmo a proposta de compra de uma onça para o Jardim Zoológico de São Paulo escapou de sua observação ferina: “Não compro a onça (...) não faltam onças neste país, como não faltam amigos desse bicho”. Como a história demonstrou, quem se ocupa com a compra de onças não consegue governar o país.
Mostrar mais

1 Ler mais

Show all 2340 documents...