Qualidade acústica

Top PDF Qualidade acústica:

Avaliação da qualidade acústica em edifícios

Avaliação da qualidade acústica em edifícios

O presente trabalho teve como objetivo principal a classificação da qualidade acústica em edifícios habitacionais para garantir uma qualidade acústica tanto no bem-estar como na saúde dos habitantes. No capítulo 2 introduziu-se a evolução da regulamentação acústica, algumas considerações teóricas e o equipamento de medição. No capítulo 3 apresentam-se os procedimentos gerais adotados nos ensaios, exemplos dos modelos de apresentação dos resultados das medições realizada “in situ”, e também as exigências do regulamento dos requisitos acústicos dos edifícios. Foram também apresentadas propostas de avaliação da qualidade acústica já publicadas e uma nova proposta elaborada pelo autor. Esta proposta tem uma aplicação com base em medições “in situ”, o que torna o método bastante realista. No capítulo 4 foram analisados vários conjuntos de materiais utilizados em fachadas. Para as medições a isolamentos de sons de fachada, as soluções que obtiveram os valores mais elevados foram: as paredes constituída por alvenaria de pedra, caixilharia em alumínio com vidros duplos e sem proteção dos vãos envidraçados (com um valor de 38 dB) e as paredes constituídas por alvenaria de tijolo, caixilharia em alumínio com vidros duplos e com proteção exterior dos vão envidraçados (38 dB). Como hoje em dia praticamente já não se constroem habitações em alvenaria de pedra, podemos concluir que a melhor solução para existir conforto acústico é a parede em alvenaria de tijolo, com caixilharias em alumínio com vidros duplos e portadas exteriores. Relativamente às medições a isolamentos a sons aéreos entre compartimentos e às medições a isolamentos a sons de percussão, as medições não foram muito conclusivas uma vez que os valores medidos são semelhantes para as diferentes constituições. Neste capítulo foi ainda aplicada a proposta do autor para a classificação da qualidade acústica de edifícios habitacionais. Os resultados obtidos foram analisados para ambas as classificações de zonas (sensíveis e mistas). Na classificação de zonas como sensíveis foram obtidos 38 ensaios com classificação de excelente e 14 com classificação de fraco. Na classificação de zonas como mistas foram obtidos 11 ensaios com a classificação de excelente e 43 com classificação de fraco. Deste dados podemos afirmar que a construção no nosso país ainda se encontra muito fraca qualidade a nível de conforto acústico, pois as habitações quando solicitadas a cumprir requisitos de uma situação mais desfavorável (zonas mistas), poucos são os edifícios a obter uma classe de excelente.
Mostrar mais

100 Ler mais

Contributo para a caraterização da qualidade acústica de casas de Fado

Contributo para a caraterização da qualidade acústica de casas de Fado

Desde então tem ocorrido uma significativa evolução dos conhecimentos científicos sobre a acústica de espaços fechados (salas), que fez com que existam atualmente não só métodos de previsão do Tempo de Reverberação relativamente complexos, em função das características geométricas e acústicas dos elementos constituintes da sala (principalmente absorção e dispersão sonora [3]), como também valores considerados aconselháveis [4-7] para o Tempo de Reverberação, em função da tipologia de uso do espaço (teatro, ópera, música sinfónica, etc.), tendo por base estudos comparativos entre a sensação subjetiva da qualidade acústica e os resultados objetivos de medições.
Mostrar mais

126 Ler mais

Caracterização da qualidade acústica de salas de aula para prática e ensino musical.

Caracterização da qualidade acústica de salas de aula para prática e ensino musical.

Considerando o procedimento experimental aplicado para a obtenção dos parâmetros acústicos objetivos, a maioria das salas aqui estudadas apresentou deficiências em relação ao condicionamento acústico para o desenvolvimento de atividades musicais em ambientes com apropriada qualidade acústica. Além disso, somente duas das seis salas foram consideradas pela grande maioria dos músicos como adequadas, sem receber críticas negativas consideráveis, para a prática e ensino musical. Uma dessas salas preferidas pelos músicos foi uma sala de estudo individual com volume em torno de 80 m³ e com tempo de reverberação de 0,4 s, e foi descrita como seca pelos músicos. A outra sala preferida foi uma sala de estudo de aula coletiva com volume em torno de 330 m³, tempo de reverberação de 1,4 s e caracterizada como reverberante pelos músicos. Os resultados deste estudo permitiram relacionar os parâmetros acústicos objetivos (tempo de reverberação, EDT, clareza e definição), determinados experimentalmente nas salas de aula de estudo e de aula coletiva, com os resultados da avaliação qualitativa feita pelos músicos usuários dessas salas.
Mostrar mais

15 Ler mais

Estudo da qualidade acústica dos anfiteatros da Universidade do Minho – Campus de Azurém

Estudo da qualidade acústica dos anfiteatros da Universidade do Minho – Campus de Azurém

Como foi referido ao longo deste trabalho, o ruido é prejudicial ao Homem e pode causar vários efeitos negativos na sua saúde. O mesmo sucede com uma má qualidade acústica de salas. Quando uma sala não é boa acusticamente, apresentando tempos de reverberação desadequados por exemplo, podem existir diversos problemas para quem permanece no seu interior tais como dores de cabeça, dores de garganta (para os oradores), o que pode provocar mal-estar, entre outros, comprometendo assim o processo de ensino-aprendizagem entre alunos e professores.
Mostrar mais

120 Ler mais

Parâmetros acústicos subjetivos: critérios para avaliação da qualidade acústica de...

Parâmetros acústicos subjetivos: critérios para avaliação da qualidade acústica de...

Em sua época havia carência 6 de uma comunicação bem articulada entre engenheiros, músicos, ouvintes, enfim, todas as pessoas que direta ou indiretamente pertenciam ao universo da audição musical. Percebendo essa lacuna, Beranek empenhou grande parte de seu tempo em questionar e ouvir o que maestros, instrumentistas e arquitetos tinham a dizer. Até então, para o projeto arquitetônico de uma sala de concertos, os acústicos não dispunham de elementos quantitativos suficientes para avaliar a qualidade acústica ou predizer os efeitos da constituição arquitetônica de uma sala. A fórmula para o cálculo do tempo de reverberação, desenvolvida por Sabine, permanecia praticamente como o único auxílio numérico utilizado.
Mostrar mais

259 Ler mais

Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil - Perfil Construção Orientador: Professor Doutor Daniel Aelenei Co-Orientador: Professora Doutora Stelamaris Rolla Bertoli

Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil - Perfil Construção Orientador: Professor Doutor Daniel Aelenei Co-Orientador: Professora Doutora Stelamaris Rolla Bertoli

Foi Sabine quem apresentou os primeiros critérios de projectos acústicos de ambientes fechados, pois conseguiu fazer a relação entre o parâmetro tempo de reverberação e as características físicas e geométricas dos ambientes, fixando algumas condições como requisitos necessários para obter uma boa qualidade acústica. A primeira delas é que o som tem que ser suficientemente forte. A segunda, que os componentes simultâneos de um som complexo (som composto por mais do que uma frequência) mantenham uma relação apropriada entre a sua intensidade. A terceira e última condição, é que os sons sucessivos na sua rápida articulação sejam claros e distintos, livre da sobreposição mútua e de ruído de fundo. Ainda hoje os requisitos formulados por Sabine são válidos. Também foi possível interpretar melhor suas palavras, tendo sido permitido evidenciar a importância de um quarto requisito, relacionado com direccionalidade do campo acústico. Para uma boa audição é preciso ser envolvido pelo som, e isso só pode ocorrer em ambientes que apresentam suficientes reflexões laterais (Farina, 1986).
Mostrar mais

116 Ler mais

Estudo do conforto acústico das instalações da Unoesc Campus de Capinzal, SC

Estudo do conforto acústico das instalações da Unoesc Campus de Capinzal, SC

Os resultados obtidos neste trabalho constatam uma insuficiência na qualidade acústica das salas de aula e evidenciam a necessidade de intervenções. Tal renovação se faz necessária devido ao ruído gerado principalmente pelas aulas práticas do curso de música, visto que não dispõem de um espaço adequado. O conforto acústico não é o fator exclusivo, sequer o mais importante na formação acadêmica, contudo, assim como os demais agentes relacionados ao ensino, é um dos pilares que sustenta esse processo e, portanto, não pode ser ignorado.

18 Ler mais

Acústica de salas projeto e modelagem

Acústica de salas projeto e modelagem

A equação de um bom projeto acústico para um ambiente se com- plica ainda mais devido à variável ŞespaçoŤ. Isso acontece porque a res- posta temporal de uma sala (e portanto também a espectral) é função da variável independente espacial. Mais especiĄcamente, é função das inú- meras possibilidades de arranjos: fonte-receptor. Note na Figura 1.18 que se fonte e/ou receptor se movem na sala, as distâncias entre eles e as di- versas superfícies da sala mudam, o que altera a distribuição temporal da pressão sonora. A Figura 1.19 mostra como o nível de pressão sonora (NPS) varia em uma sala para uma determinada frequência. Assim como a pressão sonora varia com a posição do arranjo fonte-receptor, outros pa- râmetros acústicos, como o tempo de reverberação, também podem variar (Capítulo 6). O que se deseja em um bom projeto acústico, na maior parte dos casos, é que, além de se terem parâmetros acústicos dentro de deter- minados limites aceitáveis, que eles sejam o mais uniformes possível den- tro do ambiente. Do contrário, um ouvinte localizado no centro da sala poderia ser muito privilegiado em relação a um ouvinte sentado próximo às paredes. Deseja-se então tanta uniformidade quanto possível, já que uma distribuição sonora (e da qualidade acústica) uniforme é desejada.
Mostrar mais

77 Ler mais

TESORERO: Julio González Suárez

TESORERO: Julio González Suárez

En 1892, debido a las dudas surgidas acerca de la continuidad de la construcción del Teatro Cólón, Víctor Meano publica un trabajo -a pedido de la Sociedad Científica Argentina- en donde enuncia los principios básicos del proyecto y describe sus características generales. En la publicación incluye un capítulo dedicado a las “Condiciones Acústicas”, en el que sostiene: “Todos los autores que han tratado la acústica aplicada a la construcción de salas de espectáculos, están de acuerdo en declarar, que la resolución de tal problema, carece de bases sólidas y seguras.” Meano fundamenta la forma de la sala esferoide, apoyándose en que la propagación de las ondas sonoras se da en forma esférica, poniendo como ejemplo la distribución semicircular de los teatros griegos y romanos, defiende la elección de la forma de herradura porque: “consigue una buena ubicación visual y auditiva para los espectadores y por los excelentes resultados que dio la forma de herradura italiana a los teatros europeos”. Además sostiene que el sonido debe morir
Mostrar mais

92 Ler mais

Arquitetura barroca: cenografia e acústica

Arquitetura barroca: cenografia e acústica

Com os seus 75,6 metros, a torre, divide-se em seis zonas repartidas por quatro andares ( Pereira 1992 : 114 - 115 ) .Refere Smith que "A Casa dos Clérigos tem duas fachadas, norte e[r]

14 Ler mais

Em produtos, projetos e processos

Em produtos, projetos e processos

A segunda razão pela qual escrevo esta apresentação com muita satisfa- ção se deve a que passaremos a ter um livro voltado às questões da Qualidade, no qual com certeza se transmite aos leitores a essência dos conhecimentos ad- quiridos pelo Prof. Gregório em muitos anos de convivência com o assunto, seus problemas e suas soluções. Assim, temas que vão dos conceitos fundamentais, da apresentação dos principais pensadores da Qualidade, das ferramentas práticas e gerenciais para se aprimorar a Qualidade, passando pelos sistemas de geren- ciamento que levam às melhores práticas e seus indicadores, até chegar aos casos reais de aplicação, são apresentados com o aval do conhecimento teórico e da experiência vivida do autor. O resultado desta iniciativa para oferecer ao seu público-alvo tantas valiosas informações será, tenho certeza, uma contribuição inestimável para estudantes, professores, profissionais e instituições deste país, em última análise o principal beneficiado pela existência da obra.
Mostrar mais

37 Ler mais

Qualidade de vida em voz, avaliação perceptivoauditiva e análise acústica da voz de professoras com queixas vocais.

Qualidade de vida em voz, avaliação perceptivoauditiva e análise acústica da voz de professoras com queixas vocais.

Na entrevista foram excluídos 16 professores por relato de distúrbios endócrinos; 14 por não passarem na triagem auditiva; sete por terem realizado tratamento fonoaudiológico e/ou otor- rinolaringológico para a voz; quatro por tabagismo e três por relato de patologias neurológicas. Foram perdidos 47 sujeitos por dados incompletos; 40 por não apresentarem queixas vo- cais e três por serem do gênero masculino. Ao final, a amostra constituiu-se de 74 docentes do gênero feminino, com idades entre 20 e 62 anos (média de idade: 38 anos e 9 meses), que passaram pela coleta de dados composta pela autoavaliação da qualidade de vida em voz, avaliação vocal perceptivoauditiva, análise acústica de fonte glótica e espectrográfica da voz.
Mostrar mais

11 Ler mais

ACÚSTICA APLICADA AO CONTROLE DO RUÍDO

ACÚSTICA APLICADA AO CONTROLE DO RUÍDO

Os problemas relacionados com o ruído incluem perda da audição, stress, hipertensão, perda do sono, falta de concentração, baixa produtividade, deteriora- ção da qualidade de vida e redução de oportunidades de repouso. O ruído afeta as pessoas de várias formas. Em certas circunstâncias, somos agentes ativos, como quando operamos aparelhos e equipamentos ruidosos. Há também inúmeras situações em que somos agentes passivos, sujei- tos ao ruído que outros produzem, tal como no caso dos fumantes passivos. Embora, em ambos os casos, o ruído possa ser igualmente perturbador e prejudicial à saúde, a situação de agentes passivos é mais problemática, pois somos impactados negativamente por uma coisa que foi colocada no meio ambiente sem o nosso consentimento. O ar, o meio em que o ruído é emitido e se propaga até
Mostrar mais

16 Ler mais

Acústica Ambiental e de Edifícios

Acústica Ambiental e de Edifícios

10 - COMPLEMENTOS 10.1 - EDIFÍCIOS NÃO HABITACIONAIS 10.2 - BASES DE ACÚSTICA MUSICAL 10.3 - O FUTURO NA ACÚSTICA 10.4 - CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS EXERCÍCIOS ANEXOS Normalizaç[r]

6 Ler mais

Comparação entre as análises auditiva e acústica nas disartrias

Comparação entre as análises auditiva e acústica nas disartrias

os harmônicos) nos oferece indicação simples e direta sobre a ressonância e a projeção vocal do paciente. Quanto maior a série de harmônicos identificada, mais rica é a qualidade vocal. Além disso, quanto mais individualizados estão os harmôni- cos unitários, e quanto mais linear é o traçado (definição dos harmônicos e estabilidade), maior é o componente harmônico e a estabilidade na sustentação. A presença de um traçado irregular, retorcido, interrompido e uma imagem de enovela- mento semelhante a um borrão, são indicativos de aumento do componente ruído na emissão. Além disso, na análise acústica quantitativa os seguintes parâmetros: F 0 (freqüência fundamen- tal) e seus índices de perturbação (Jitter e Shimmer) oferecem dados sobre a similaridade dos ciclos glóticos sucessivos e sobre a estabilidade da fonte glótica. A F 0 correspondente ao número de ciclos vibratórios nas pregas vocais a cada segun- do; o Jitter indica a variabilidade da freqüência fundamental a curto prazo; o Shimmer indica a variabilidade da amplitude da onda sonora a curto prazo e é uma medida de estabilidade fonatória; o GNE – Glottal to Noise Excitation ratio é uma medida acústica para calcular o ruído em uma série de pulsos produzidos pela oscilação das pregas vocais. Esse parâmetro é baseado na hipótese de que pulsos resultantes da colisão das pregas vocais geram uma excitação síncrona de diferentes faixas de freqüência. Por outro lado, o ruído produzido pelas pregas vocais comprimidas gera excitações não correlacio- nadas. Um valor próximo a um significa uma excitação do tipo “pulso” (ex: uma excitação normal da glote), enquanto valores próximos a zero resultam de uma excitação do tipo ruído (ex: voz sussurrada). O diagrama de desvio fonatório é um gráfico que demonstra o comportamento vocal, sendo que a posição no eixo horizontal indica as medidas de Jitter e Shimmer e a posição no eixo vertical, medidas da quantidade de ruído – GNE (7) .
Mostrar mais

7 Ler mais

Análise acústica em brinquedos ruidosos.

Análise acústica em brinquedos ruidosos.

Objetivo: analisar os níveis de ruídos emitidos por brinquedos nacionalmente comercializados, uti- lizados por crianças de 1 a 5 anos; comparar os valores entre os brinquedos com e sem selo do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) e analisar o espectro acústico dos brinquedos, com o intuito de identiicar a área da cóclea que pode ser mais afetada por esses ruídos. Método: as medições foram realizadas em 20 brinquedos sonoros (10 com o selo do Inmetro e 10 sem o selo) com o uso do decibelímetro digital em sala acusticamente tratada, e a análise dos sons emitidos pelos brinquedos foi realizada por meio do programa Praat. Resultados: a intensidade do ruído dos brinquedos com o selo do Inmetro posicionados a 2,5 cm do equipamento variou de 61,50 a 91,55 dB(A) e 69,75 a 95,05 dB(C) e a referente à distância de 25 cm variou entre 58,30 a 79,85 dB(A) e 62,50 a 83,65 dB(C). A intensidade do ruído dos brinquedos sem o selo do Inmetro a 2,5 cm variou entre 67,45 a 94,30 dB(A) e 65,4 a 99,50 dB(C) e na distância de 25 cm registrou desde 61,30 a 87,45 dB(A) e 63,75 a 97,60 dB(C), portanto os achados demonstraram que existem brinquedos ruidosos que ultrapassam os valores recomendados pela legislação vigente em ambos os grupos, com e sem selo do Inmetro. Conclusão: os brinquedos sem o selo do Inmetro apresentaram valores de intensidade signiicantemente maior em relação ao outro grupo, oferecendo maior risco à saúde auditiva das crianças.
Mostrar mais

10 Ler mais

Fig. 1: Trabalho em linha de montagem: Ford Modelo T, 1920

Fig. 1: Trabalho em linha de montagem: Ford Modelo T, 1920

O know-how estatístico necessário estava dispo - nível desde o início do século XX, mas na indús - tria só foi introduzido a partir de 1930. Em 1924 foram desenvolvidos métodos de acompanha- mento de processos e avaliação com base estatís - tica (cartas de controle, cartas para controle de processos). A partir das décadas de 1960 e 1970, a cres cente complexidade dos produtos e proces- sos de fabricação levou à maior integração da gestão da qualidade 1 nos processos de desenvol-

6 Ler mais

Uso da rinometria acústica como método diagnóstico .

Uso da rinometria acústica como método diagnóstico .

O valor clínico da rinometria acústica é sua habilidade de medir as dimensões da cavidade nasal em termos de curva, correlacionando a área seccional com a distância. Esta curva descreve a patência da via aérea nasal, dando a im- pressão do grau de obstrução. O método permite avaliar medidas antes e depois do uso de descongestionantes, ava- liando se a causa da obstrução nasal é principalmente esquelética ou mucosa. Isto permite que a Rinometria Acús- tica seja utilizada com ferramenta diagnóstica e de segui- mento, tanto em rinologia como em rinocirurgia 9 .

4 Ler mais

Análise vocal (auditiva e acústica) nas disartrias.

Análise vocal (auditiva e acústica) nas disartrias.

Todos os pacientes foram submetidos à gravação da voz, diretamente no computador por ser o melhor meio de captação da voz para se realizar a análise acústica. Foi utilizado microfone Plantronix - modelo A-20. A gravação foi realizada em ambiente silencioso com um distanciamento boca-microfone de 10 cm, durante a emissão da vogal / é / sustentada em condição habitual, contagem de números (de 1 a 10), repetição da frase "Um homem e uma mulher viram um anjo", depoimento sobre a própria voz e o canto da música "parabéns a você".

6 Ler mais

Administração com Qualidade - Editora Blucher

Administração com Qualidade - Editora Blucher

encontraram seu mais importante concorrente, que acabaria por ultrapassá-los no mercado, na General Motors Corporation capitaneada por Alfred P. Sloan Jr., que presidiu a empresa de 1923 a 1937, quando passou a presidente do Conselho de Administração. Na GM, em oposição ao conservadorismo da Ford, estabeleceu a divisão da produção em unidades autônomas com marcas e preços diversifi cados – Chevrolet, Pontiac, Oldsmobile, Buick e Cadillac – de modo a melhor seduzir e satisfazer o mercado quanto a suas diferentes capacidades aquisitivas, além de incentivar uma salutar competição entre as empresas do grupo, levando a ganhos de qualidade e produtividade. Com essa determinação, Sloan se tornou um precursor da Administração por Objetivos, discutida em 1.4. Promovia também mudanças anuais no estilo dos seus automóveis, introduzindo o conceito de obsolescência planejada. Com suas inovações e proatividade administrativa, levou nos anos 1930 a General Motors ao posto de maior e mais lucrativo grupo empresarial do planeta e líder de vendas no seu setor por cerca de 70 anos.
Mostrar mais

44 Ler mais

Show all 10000 documents...