Relacionamento consumidor e marca

Top PDF Relacionamento consumidor e marca:

Todo tipo de relacionamento consumidor-marca é eficiente?.

Todo tipo de relacionamento consumidor-marca é eficiente?.

O objetivo neste estudo foi investigar a existência de diferentes peris de relacionamento consumidor-marca e sua respectiva ei- ciência na relação comercial. Três construtos da teoria de relacio- namento com marcas foram avaliados: autoconexão, intimidade e interdependência com a marca. Foi realizado um survey com 441 casos. Os dados foram analisados por técnicas de cluster, fatorial e ANOVA. Três diferentes peris foram encontrados: o relacio- namento por inércia (RI), o qual sugere uma relação supericial e com menor poder de diferenciação sobre a marca; o relaciona- mento moderado (RM), o qual registrou avaliações intermediárias em todas as variáveis; o relacionamento verdadeiro (RV), o qual demonstra maior proximidade e conexão com a marca. Para veriicar a eiciência desses tipos, foram avaliados os índices de satisfação, coniança, comprometimento e lealdade. Consumidores do tipo RI tendem a trocar de marca tão logo percebam vantagens maiores em outros concorrentes. Já os RM demonstram certa tendência de ati- tudes positivas em relação à marca, dependendo de seu contexto e oferta. O grupo RV demonstra maior tendência à continuidade do relacionamento. Do ponto de vista gerencial, perceber diferentes intensidades de relacionamento permite reconhecer que nem todo relacionamento é eiciente.
Show more

14 Read more

Influência do uso de cupões de desconto no relacionamento consumidor/marca

Influência do uso de cupões de desconto no relacionamento consumidor/marca

Todas as empresas em especial os retalhistas querem saber quais as variáveis que mais impacto têm nas suas vendas. Alvarez e Casielles (2005) revelam que o preço tem bastante importância, sendo o preço de referência que permite ao consumidor fazer uma primeira comparação dos produtos. Devido à comparação entre o preço e o preço de referência existem ganhos e perdas, isto é, o consumidor está perante um ganho se o preço de referência for superior ao preço actual e verifica uma perda caso o preço de referência for inferior ao preço em vigor. Esta última situação faz com que no pensamento do consumidor a utilidade do produto ou marca diminua. Por outro lado, caso o consumidor percepcione um ganho a sua intenção de compra aumentará (Mazumdar e Raj (1992)).
Show more

37 Read more

Realidade aumentada e o desenvolvimento do relacionamento consumidor-marca

Realidade aumentada e o desenvolvimento do relacionamento consumidor-marca

O conceito de amor à marca começa atualmente a ganhar importância entre académicos e profissionais de marketing (Batra et al., 2017). Contudo, e apesar da ampla literatura realizada ao longo dos últimos anos (Ahuvia, 2005; Carroll & Ahuvia, 2006; Batra et al, 2012, 2017), não existe ainda um consenso sobre a sua definição (Batra et al., 2012). De acordo com Ahuvia (2005), algumas marcas conseguem despertar sentimentos e emoções nos seus consumidores através de objetos e atividades de consumo. Contudo, e apesar do apego emocional e sentimento de amor revelado por alguns consumidores relativamente a objetos ou atividades, este não é totalmente análogo ao amor humano interpessoal (Ahuvia, 2005). Carroll e Ahuvia (2006), de forma consistente com a pesquisa realizada por Ahuvia (2005), definem amor à marca como o grau de apego emocional, paixão, avaliação positiva, emoções positivas e declarações de amor, que um consumidor satisfeito nutre por uma marca, após a sua experiência de consumo. Identificam como consequências do mesmo, a lealdade e o word-of-mouth positivo (WOM positivo). Adicionalmente, verificam ainda que a categoria de produto hedónico e capacidade de integração da marca na identidade do consumidor têm um efeito positivo no desenvolvimento de amor à marca.
Show more

58 Read more

O patrocínio desportivo: ativação de marca e papel do consumidor

O patrocínio desportivo: ativação de marca e papel do consumidor

Para se conhecer um exemplo mais antigo da identificação de oportunidades no marketing desportivo, a Nike, conhecida marca de roupa e utensílios desportivos, tomou noção do impacto que os principais atletas das mais variadas modalidades poderiam ter na sua venda de produtos. Assim, associou-se a grandes nomes conotados com o sucesso e vistos como modelos a seguir pelo seus fãs, a multinacional norte-americana descobriu que poderia incutir nos seus produtos o mesmo selo dos seus associados. O primeiro a ligar-se à Nike foi o corredor Steve Prefontaine, em 1973, que tinha uma imagem de sucesso mas também de irreverência, que encaixou bem na empresa. Já na década de 80, a inclusão do basquetebolista Michael Jordan nas suas fileiras veio a revelar-se uma escolha acertada e que contribuiria para crescimento da empresa à escala mundial. O sucesso do agora, antigo jogador da NBA e os seus saltos portentosos, aliados a uma determinação e competitividade fora do comum, deram a render milhares de milhões de dólares à Nike através da linha de sapatilhas “Air Jordan”, ainda hoje um ícone quando o tema é calçado desportivo (Kotler, 2006; cit. in. Viegas, 2012). Para Proni (1998) o marketing desportivo pode tanto servir de instrumento de propaganda para empresas dos mais variados setores económicos (como roupas e calçados, bebidas, alimentos, cigarros, automóveis, bancos entre outros) como se referir a uma conceção mais ampla de administração e comercialização de competições como as adotadas na F1 e na NBA. (cit. in. Lopes e Costa, 2012).
Show more

97 Read more

Valores associados ao luxo na relação entre a marca e o consumidor

Valores associados ao luxo na relação entre a marca e o consumidor

A principal forma de o fazer, é através do conhecimento perfeito dos consumidores, investindo em investigação psicológica, demográfica e etnográfica, tendo como meta perceber o que os leva a comprar. Isto porque segundo a autora, os consumidores querem sentir que a marca se preocupa com eles. A segunda etapa, baseia-se no estreitamento de relações entre o consumidor e a marca, sabendo de antemão que este tipo de clientes valoriza acima de tudo as experiências associadas a valores identificados anteriormente na literatura, como qualidade ou exclusividade. Segue-se a etapa do fornecimento de total liberdade ao staff que contata diretamente com o consumidor, sem reportarem ao gestor. Isto porque a criação de relações pessoais fortes, permite uma maior identificação do consumidor com o funcionário, automaticamente direcionando o seu contentamento emocional para a marca. Posteriormente, o desenvolvimento de programas para captar consumidores inativos ou ex consumidores, através da realização de eventos que permitam uma experiência única ao consumidor, levando-o a voltar a interessar-se pela marca, já que no mercado de luxo, a personalização do serviço deve estar assegurada. Por fim, as marcas de luxo devem decididamente abraçar o comércio online, uma vez que é atualmente o mais lucrativo e visualizado método de compra de marcas de luxo, como a Rolex ou a Gucci.
Show more

124 Read more

AS FUNÇÕES DA MARCA E A TUTELA JURÍDICA DA EXPECTATIVA DO CONSUMIDOR

AS FUNÇÕES DA MARCA E A TUTELA JURÍDICA DA EXPECTATIVA DO CONSUMIDOR

Esta tutela provém só e apenas da função distintiva que o sistema atribui à marca. Não é no âmbito do Direito de Marcas que deve ser protegido a titulo principal o consumidor ou prosseguida a eficiência económica através da tutela da qualidade. De acordo com esta posição, a tutela direta e autónoma da função de garantia de qualidade transformaria todo o direito de marca, deixando de ser livre e exclusivo. De facto, se as empresas fossem obrigadas a manter um nível específico de qualidade, não se poderiam adaptar às necessidades e exigências do mercado a cada momento, o que poderia até resultar num prejuízo para o consumidor, em vez de uma vantagem. Também MARIA MIGUEL CARVALHO 76 entende que para contemplar a proteção da função de garantia de qualidade, o sistema teria de funcionar de modo completamente diferente, seria necessária uma entidade que avaliasse a qualidade dos produtos marcados e fazer parte do registo a menção de características específicas do produto 77 .
Show more

86 Read more

A Influência do Poder no Relacionamento entre Consumidor e Marca.

A Influência do Poder no Relacionamento entre Consumidor e Marca.

Algumas variáveis do modelo foram experimentalmente manipuladas (poder da marca e confiança), conforme descrito adiante. Outras variáveis (dependência e poder pessoal), inclusive a checagem do poder da marca e da confiança, classificam-se, segundo Hair, Anderson, Tatham e Black (2005) e Lattin, Carroll e Green (2011), como latentes, que não podem ser diretamente medidas, mas podem ser representadas por um ou mais indicadores. Ainda segundo os autores, esse procedimento tem justificativa tanto prática quanto teórica, devido à melhoria da estimação estatística, melhor representando conceitos teóricos, bem como devido à explicação do erro de mensuração. O modelo de pesquisa é composto por indicadores reflexivos, ou seja, os indicadores são manifestações dos construtos (Jarvis, Mackenzie, & Podsakoff, 2003). Esta característica permite que se utilize modelos de agregação parcial pela média dos indicadores (Hair, Anderson, Tatham, & Black, 2005; J. C. Anderson & Gerbing, 1988). A principal vantagem deste procedimento é a de se reduzir o número de parâmetros a serem estimados e, ao mesmo tempo, diminuir os erros de mensuração. Para esta agregação parcial, os indicadores a serem combinados devem ser unidimensionais e estarem ligados de forma consistente ao construto ao qual são representativos (Bagozzi & Edwards, 1998).
Show more

23 Read more

A perceção do consumidor na construção do valor e imagem da marca - Estudo de caso: a marca “SAGRES”

A perceção do consumidor na construção do valor e imagem da marca - Estudo de caso: a marca “SAGRES”

A identidade das marcas é um conceito recente. A este respeito Kapferer sustenta que: “no meio da comunicação, muito sensível às correntes, às modas, este conceito não passa de uma transformação devida à renovação da linguagem ou diz respeito na realidade a um aspeto essencial da marca?” Esta questão tem assolado o meio, e torna-se pertinente ao ponto de levar a questões como: Qual a diferença entre imagem e identidade? Em termos da comunicação a identidade gera-se a partir da multiplicidade “dos sinais, das mensagens, dos produtos, surge como oriundo de um único emissor”. A necessidade da identidade surge com a complexidade dos problemas que existem hoje, assim é necessário conceitos mais evoluídos para dar uma resposta adequada à realidade atual. O autor define identidade de uma empresa da seguinte forma: “é o que permite à organização ou uma parte da organização ter o sentimento de existir enquanto ser coerente e específico, que assume a sua história e tendo o seu lugar em relação aos outros” (Kapferer, 2000: 30-31).
Show more

174 Read more

Impacto da fidelidade à marca e da compra por impulso online na atitude do consumidor em relação à marca

Impacto da fidelidade à marca e da compra por impulso online na atitude do consumidor em relação à marca

Para atingir esse objetivo, desenvolveu-se um estudo transversal, quantitativo, analítico e transversal baseado numa amostra não probabilística de 890 jovens residentes em Portugal. Os dados, foram recolhidos através de um questionário online durante um período de quatro meses. A análise estatística dos dados envolveu, para além da estatística online são preditores da atitude do consumidor face Este trabalho encontra-se organizado em cinco secções. Na primeira secção, a introdução, metodologia para o atingir e estrutura-se o trabalho. Na segunda seção organiza-se a online utilizada nesta investigação. Na quarta seção apresentam-se os resultados. Na quinta e última seção são expostas as conclusões e limitações deste estudo e são sugeridas linhas de investigação futuras.
Show more

15 Read more

O impacto da personalidade da marca no comportamento do consumidor: uma análise ao papel do amor pela marca

O impacto da personalidade da marca no comportamento do consumidor: uma análise ao papel do amor pela marca

No capítulo I será esboçado o enquadramento desta investigação, introduzindo para tal o tema a ser tratado ao longo deste trabalho e a sua relevância, explicitando ainda os objetivos que se pretendem alcançar. Para além disso, é referida toda a estrutura deste trabalho de investigação. No capítulo II, para além de ser apresentada uma breve introdução relativa à revisão de literatura, em primeiro lugar é definido o conceito de marca, explicitando a sua importância na ótica dos consumidores e das empresas. Também são feitas neste ponto algumas considerações gerais relativas ao relacionamento entre o consumidor e as marcas. Em segundo lugar, o objetivo é explicar e clarificar o conceito de personalidade da marca de forma exaustiva, seguindo-se a apresentação de duas perspetivas relacionadas com a medição deste construto. Em terceiro lugar, pretende-se expor algumas contribuições de cariz teórico e empírico de diversos autores relacionadas com as consequências originadas por este construto. Em quarto lugar, o foco da revisão de literatura incide no conceito de amor pela marca, outro construto chave desta investigação, apresentando-se para tal a definição do mesmo. Posteriormente, serão apresentados os antecedentes que levam à formação deste sentimento. Para além dos antecedentes, um dos objetivos deste capítulo passa também por explicar as consequências resultantes do amor pela marca. Finaliza-se este capítulo tecendo algumas considerações finais.
Show more

212 Read more

Engagement consumidor-marca nas redes sociais : quais os determinantes da eficácia de um endorser na criação de engagement consumidor-marca no Instagram

Engagement consumidor-marca nas redes sociais : quais os determinantes da eficácia de um endorser na criação de engagement consumidor-marca no Instagram

Num cenário competitivo caracterizado pelo ceticismo dos consumidores em relação às marcas e à publicidade, criar uma relação forte entre a marca e o consumidor é considerado vital para o sucesso a longo prazo. O envolvimento do consumidor com a marca está direta e positivamente relacionado com a satisfação, confiança, comprometimento afetivo e lealdade em relação à marca (Hollebeek et al, 2013; Brodie et al, 2013). Os social media oferecem às marcas a possibilidade de estabelecer essa ligação mais pessoal com os consumidores (Sashi, 2012). Isto é, a sua natureza interativa possibilita a criação de experiências que permitem construir ligações mais profundas, significativas e sustentáveis (Economist Intelligence Unit, 2007). No entanto, esta tarefa não é tão simples quanto parece, é preciso conhecer os consumidores e perceber qual a melhor forma de usar estas ferramentas para construir uma relação.
Show more

92 Read more

A qualidade do relacionamento com marca e as implicações sobre a lealdade .

A qualidade do relacionamento com marca e as implicações sobre a lealdade .

A preocupação em manter relações saudáveis e fortalecidas entre empresa e consumidor está alinhada com a evolução da concepção de marketing (Barnes, 2002). Esta tem por base a fonte de diferenciação e vantagem competitiva conforme a oferta de relacionamentos únicos sustentados por pilares como a confiança no parceiro e o comprometimento das partes na relação (Morgan & Hunt, 1994), além da possibilidade de criação conjunta de valor (Grönroos, 1997). Somado a isto, para estratégias defensivas sobre bases de receita de uma empresa, A. Fornell (1992) ressalta dois caminhos: (a) aumentar o nível de satisfação e (b) criar barreiras de troca. Neste caso, a busca por excelência de produtos e serviços e satisfação do consumidor data de meados da década de 60 (Oliver, 1981). Já no que tange à criação de barreiras de troca, inúmeras situações podem oferecer subsídios para esta situação, como a exclusividade ou a compatibilidade de produtos e serviços (Grönroos, 1997), a força e poder da marca (Kapferer, 2003), o atendimento ou demais pontos de contato da empresa com o consumidor (Zeithaml, 1988), entre outros. Neste contexto, é possível perceber o valor conceitual e prático da qualidade do relacionamento em uma relação comercial.
Show more

22 Read more

PERSONALIZAÇÃO DA MARCA E SEU RELACIONAMENTO COM AS DECISÕES DE MARKETING EM UMA SORVETERIA

PERSONALIZAÇÃO DA MARCA E SEU RELACIONAMENTO COM AS DECISÕES DE MARKETING EM UMA SORVETERIA

O sorvete é um produto que já foi considerado um símbolo da juventude e é visto pelos consumidores brasileiros como parte de um evento social relacionado às sensações de diversão e alegria. Atualmente esse setor enfrenta desafios envolvendo a sazonalidade e a baixa profissionalização. Assim, é possível destacar a importância da personalidade de marca como elemento diferenciador para que as organizações obtenham vantagem competitiva e das estratégias de marketing, que também geram diferenciação. Este trabalho discute as decisões de marketing de uma sorveteria, assim como a análise das dimensões de personalidade de sua marca, por meio da análise fatorial dos dados obtidos com a aplicação de questionário online com 254 pessoas, que considerou os traços de personalidade de marca encontrados por Muniz e Marchetti (2005) no contexto brasileiro. A pesquisa foi desenvolvida em duas etapas: uma qualitativa, em que foram analisadas as decisões de marketing a partir dos dados obtidos em entrevista com um dos gestores da organização; e outra quantitativa, visando mapear a personalidade da marca, considerando as respostas ao questionário aplicado. A empresa estudada tem destaque por sua tradição e pela diferenciação dos sorvetes oferecidos. Os resultados indicam que as estratégias adotadas pela empresa estão alinhadas com a maneira como ela é vista pelos consumidores que responderam ao questionário, indicando que a organização está atingindo seus objetivos. Ademais, foi percebido que as dimensões de personalidade de marca mais evidenciadas coincidem com a visão que os gestores possuem da empresa, considerando a marca principalmente “Competente” e “Estável”.
Show more

23 Read more

Serviço de atendimento ao consumidor - SAC como estratégia de marketing de relacionamento

Serviço de atendimento ao consumidor - SAC como estratégia de marketing de relacionamento

O CRM é capaz de analisar dados e gerar conhecimento, buscando identificar oportunidades focadas na satisfação e atendimento às necessidades dos clientes. Vale ressaltar que, mais do que uma tecnologia, o CRM consiste em uma filosofia organizacional, sendo necessária uma reavaliação dos objetivos, valores e missão da empresa (BAMBRILLA et al, 2007, p. 7). Esta forma de gestão do conhecimento das relações com clientes vem sendo amplamente utilizada em alguns segmentos, tais como o bancário, o de telecomunicações e o varejo. Nota-se que os pilares do processo de CRM são a orientação para os relacionamentos, proveniente da filosofia do marketing de relacionamento e a gestão do conhecimento dos clientes, proporcionada pela captura e consolidação de dados, análise das informações e a distribuição do conhecimento gerado para tomada de decisão (MIAKE et al 2014).
Show more

25 Read more

A experiência de marca na fidelização do consumidor: o caso Starbucks Portugal

A experiência de marca na fidelização do consumidor: o caso Starbucks Portugal

consumidores fiéis tornou-se numa vantagem crítica num mercado caraterizado pela imprevisibilidade, indiferenciação entre produtos e com altas pressões competitivas (Paavola, 2006). Além disso, torna-se mais dispendioso atrair novos consumidores do que reter os já existentes, uma vez que o custo de criar um novo consumidor é cinco vezes superior ao de reter um já existente (Boora e Singh, 2011). Relativamente aos consumidores fidelizados, a empresa já detém informações sobre eles, sabe como contactá-los e as transações de marketing são rotinizadas. São ainda menos sensíveis ao preço e falam dos produtos da empresa a terceiros. Um consumidor fidelizado compra mais do que um novo consumidor enquanto a empresa vai introduzindo no mercado novos produtos ou novas versões de produtos existentes (Boora e Singh, 2011), “os consumidores fiéis compram mais, estão dispostos a gastar mais, são simples de contactar e agem como advogados entusiásticos da marca” (Harris e Goode, 2004, p.139). A fidelização aporta altos níveis de rentabilidade e um elevado grau de perdão/tolerância por parte dos consumidores. Os consumidores fiéis são menos dispendiosos também porque conhecem previamente os produtos da marca, necessitando assim de menos informação (Zakaria et al., 2014).
Show more

139 Read more

Dimensões e Resultados do Envolvimento do Consumidor: uma aplicação à Marca "Porto.".

Dimensões e Resultados do Envolvimento do Consumidor: uma aplicação à Marca "Porto.".

Nesta investigação, a satisfação foi alvo de um especial foco porque é apontada por alguns investigadores como sendo consequência do Envolvimento e por outros é vista como uma pré-disposição para ocorrer a Lealdade e a Recomendação da marca. Visto que, não existe ainda coerência nesta matéria, o estudo tinha como intuito avaliar se efetivamente a satisfação é a pré-disposição para ocorrerem os resultados aqui estudados. Esta questão é determinada pela quarta e última hipótese deste estudo. De forma a desenvolver esta problemática, realizaram-se duas Análises de Regressão Linear múltipla: a) sob o resultado Lealdade e b) sob o resultado Recomendação. Em ambas as análises observou-se que a satisfação pode levar efetivamente a estes resultados, mas que o Envolvimento é o maior fator explicativo. Esta conclusão vai ao encontro do que foi determinado por Sashi (2012) que indicou que a satisfação só dá origem à lealdade se houver uma relação e interação contínuas entre a organização e o consumidor que leve a estados mais avançados de envolvimento. Segundo o mesmo autor, embora a lealdade possa ser em parte explicada pela satisfação (como comprovado por este estudo), apenas o envolvimento do consumidor com a marca leva a maiores níveis de lealdade, recomendação e dedicação.
Show more

81 Read more

Análise do valor da marca Uber com base na perspectiva do consumidor

Análise do valor da marca Uber com base na perspectiva do consumidor

Potencialmente importante, essa dimensão, pode também influenciar o aumento da satisfação do consumidor com a experiência de uso, assim como proporcionar razão de compra e satisfação ao utilização do serviço. Como citado anteriormente, a qualidade percebida pode ser influenciada por uma boa exposição da consciência da marca. A marca terá atrelada a ela uma percepção geral de qualidade, por se tratar do conhecimento dos consumidores e envolver o que pra eles é importante, em decorrência disso o maior destaque nesse construto foi quanto a afirmação de que os serviço de transporte oferecido pela Uber é adequado a necessidades dos usuários, ficando acima de 89% na escala de concordância, seguido da primeira afirmação posta aos consumidores de que o Uber fornece um serviço de transporte de boa qualidade com mais de 85% de concordância em todos os níveis.
Show more

71 Read more

Influência da comunicação de uma marca em inglês na perceção do consumidor português

Influência da comunicação de uma marca em inglês na perceção do consumidor português

A par disto, será uma ilusão da parte das empresas acreditar que, ao publicitarem as suas marcas em inglês estarão a criar no cliente uma perceção de um produto mais moderno e mais valioso. Na realidade, ambos os estudos (o presente e o original) provam que a língua inglesa não vai exercer influência na perceção dos consumidores acerca da “modernidade” do produto nem do seu preço. Ao contrário das afirmações de Martin (2002) e de Micu e Coulter (2010), pode concluir- se que, neste caso, a comunicação das marcas em inglês não resultou num benefício para a sua imagem. Além disso, autores como Hoeken et al. (2003) e Nederstigt e Hilberink-Schulpen (2017) afirmaram que a compreensão da língua utilizada para anunciar uma dada marca tem menos importância do que a imagem que essa língua faz transparecer para a mente do consumidor, no entanto, verifica-se que, além do efeito da língua na imagem da marca anunciada não ser verificado neste caso, ainda é elevado o nível de incompreensão das mensagens em língua estrangeira. Desta forma, a incompreensão da mensagem parece poder ter um peso maior no ato de compra de dado produto, enquanto a língua não exercerá influência significativa na imagem que este terá na mente do comprador.
Show more

147 Read more

VALOR DA MARCA PARA O CONSUMIDOR: Um Estudo Empírico No Setor Automotivo

VALOR DA MARCA PARA O CONSUMIDOR: Um Estudo Empírico No Setor Automotivo

A importância das marcas tem sido cada vez mais referenciada, como advento do aumento da competitividade e necessidade das organizações de mostrar diferenças e agregar valor aos produtos e serviços, objetivando diferenciar e maximizar os resultados no mercado. Por outro lado, o conceito de Valor da Marca para o consumidor tem sido fortemente citado na literatura pelos mais abalizados autores do campo (AAKER, 2000, KAPFERER, 2004), mas são poucos os estudos empíricos que buscam mensurar o Valor da Marca (ou Brand Equity) para o consumidor, e verificar seu impacto nas intenções de compra dos consumidores. Este trabalho, através de uma fase qualitativa exploratória e uma pesquisa quantitativa com duas amostras (cerca de 760 questionários) de validação de escalas e uma, busca validar uma escala de valor da marca para o setor automotivo. Os resultados demonstram bons indicadores de validade, e significativos impactos do valor das marcas nas intenções de compra. Também cria o BEI (Brand Equity Index), comparando as diversas marcas brasileiras. As altíssimas correlações do índice com intenções de compras e vendas de automóveis corroboram para indicar a validade nomológica. Por outro lado, a mensuração do valor da marca em suas dimensões indica fortes implicações gerenciais para os gestores dos fabricantes de veículos, indicando o uso dos indicadores na indústria e sugerindo utilização desta metodologia para desenvolver escalas de valor da marca para outros segmentos e ramos de negócios.
Show more

113 Read more

Desenvolvimento do relacionamento entre consumidor final e o comércio eletrônico moveleiro

Desenvolvimento do relacionamento entre consumidor final e o comércio eletrônico moveleiro

A gestão do relacionamento com o cliente, no mundo corporativo atual, é pedra fundamental para o sucesso das organizações. O surgimento do e-commerce no Brasil, nos anos 2000, trouxe uma nova dinâmica para o mercado entre empresas consumidor final, Business to Customer (B2C) nacional. Entender as reais necessidades dos clientes e explorar novos nichos de mercado são oportunidades e necessidades para sobrevivência das organizações no mundo atual. Da literatura tem-se que o termo cliente refere-se a pessoas que assumem diferentes papéis no processo de compra, como especificador, o influenciador, o comprador, o pagante, o usuário ou aquele que consome o produto. Avaliar como o cliente relaciona-se com a organização e qual o nível de satisfação, insatisfação e fidelidade do cliente são alguns aspectos de extrema importante para um modelo de excelência em gestão.
Show more

21 Read more

Show all 4215 documents...