riscos físicos

Top PDF riscos físicos:

Concepções da equipe de enfermagem sobre a exposição a riscos físicos e químicos no ambiente hospitalar.

Concepções da equipe de enfermagem sobre a exposição a riscos físicos e químicos no ambiente hospitalar.

Os dados foram coletados, por meio de um questionário autoaplicável, elaborado pelos pesquisadores, composto por dez questões. As perguntas versaram sobre a identificação e reconhecimento dos riscos físicos e químicos pelos trabalha- dores, o uso de Equipamento de Proteção Individual (EPI) e o adoecimento decorrente da exposição a estes agentes. O formulário foi entregue aos sujeitos nas dependências do hospital e agendado, junto a eles, um horário e um dia, de melhor conveniência, para o recolhimento do instrumento. A análise dos dados teve como suporte a estatística descritiva, utilizando-se a distribuição da frequência.
Mostrar mais

6 Ler mais

Estudo de riscos físicos na saúde e segurança do trabalho em serrarias no município de Itapeva-SP

Estudo de riscos físicos na saúde e segurança do trabalho em serrarias no município de Itapeva-SP

Este trabalho foi feito com o propósito de analisar os riscos físicos nas serrarias da cidade de Itapeva – SP e região. Sabe-se que os acidentes no setor madeireiro ocupam a terceira posição na frequência de acidentes fatais no Brasil, perdendo somente para extração mineral e construção civil. Por isso, justifica-se a importância desse trabalho, em que foram estudados tais riscos ocorrentes, a fim de minimizar possíveis acidentes. Foi levado em consideração o uso de equipamentos de proteção individual, além das medições por aparelhos próprios para cada tipo de risco, sendo a metodologia criada a partir das normas regentes. Os resultados obtidos foram analisados e comparados com tais normas, onde foi percebido que os riscos de vibração estão presentes em poucas serrarias, apenas aquelas que fazem serviços além do desdobro propriamente dito, como o aplainamento das peças, por exemplo. Além da vibração, foram estudados o teor de iluminância, de ruído e de radiação não ionizante (da qual é proveniente dos raios da luz solar). Como resultado final, obteve-se grande semelhança nos dados aferidos, o que se deve a vários fatores, tais quais: porte e capacidade de processamento, maquinário semelhante e método de desdobro padronizado. Deste modo a pesquisa permite concluir que as serrarias operam em sua maioria, de acordo com o esperado pelas normas.
Mostrar mais

57 Ler mais

UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL: RISCOS FÍSICOS COMO FATORES POTENCIAIS DE AGRAVOS À SAÚDE DO TRABALHADOR

UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL: RISCOS FÍSICOS COMO FATORES POTENCIAIS DE AGRAVOS À SAÚDE DO TRABALHADOR

Resumo: As UTIN constituem-se em setores onde são internados recém-nascidos em estado grave, em situações de risco, que necessitam de recursos técnicos e humanos especializados para sua recuperação, exigindo uma abordagem integral da saúde por uma equipe multidisciplinar, cujos membros estão expostos a riscos ambientais e ocupacionais diariamente. No Brasil, há inúmeros convênios e recomendações da Organização Internacional do Trabalho (OIT), aprovados pelas Normas Regulamentadoras (NR32), por intermédio do Ministério do Trabalho que têm como objetivo eliminar ou controlar os riscos ocupacionais. Este artigo teve por objetivo geral identificar as fontes potenciais dos riscos físicos presentes em uma UTIN localizada no interior do estado do Maranhão, capazes de gerar acidentes de trabalho e doenças ocupacionais. O método utilizado foi descritivo e exploratório, de campo, transversal com abordagem quantitativa. Os resultados apontaram como principais agravantes para os riscos a acidentes de trabalho: o teto com rachaduras, pisos de cor escura e sem proteção antiderrapante, armários e outros mobiliários em má conservação e instalações elétricas inadequadas. Quanto aos riscos físicos foram identificados o excesso de ruídos, o calor e a radiação. Concluiu-se ser necessário o desenvolvimento de estudos que discutam os riscos a que os profissionais da saúde da UTIN estão expostos e suas implicações, de modo a oferecer segurança a esses profissionais durante suas atividades laborais, possibilitando, consequentemente, a prestação de uma assistência de qualidade.
Mostrar mais

9 Ler mais

ANÁLISE DOS RISCOS FÍSICOS DA OPERAÇÃO DE CHECKOUT:  UMA PROPOSTA CONCEITUAL DE POSTO DE TRABALHO

ANÁLISE DOS RISCOS FÍSICOS DA OPERAÇÃO DE CHECKOUT: UMA PROPOSTA CONCEITUAL DE POSTO DE TRABALHO

O setor supermercadista apresenta mais de duzentos mil postos de traba- lho no Brasil e, as condições físicas dos operadores de checkout denotam um relevante objeto de estudo ergonômico. Neste sentido, este estudo realizado em um supermercado localizado na cidade de Florianópolis/SC, teve como objetivo identificar os riscos físicos da operação de checkout para o desenvolvimento de um projeto conceitual de um novo posto de trabalho. Para tanto, foi utilizada a Análise Ergonômica do Trabalho (AET) para anali- sar a demanda, a tarefa e as atividades da operação de checkout, complementada por uma análise cinemática. Os resulta- dos demonstram posições estáticas com protrusão da cabeça e flexão anterior do tronco, somados ao aumento progressi- vo da abdução dos ombros, em função da passagem das compras, e movimentos re- petitivos de rotação cervical para direita. Dentre os atributos do novo projeto pro- posto destacam-se o posicionamento do monitor à frente do operador (para reduzir rotações cervicais), a balança posicionada sob a esteira (para diminuir levantamento de cargas e esforço repetitivo) e o aumen- to da área de trabalho (para permitir maior variação de posturas). Contudo, a partir da AET, foi possível a identificação dos riscos físicos da operação de checkout, o que determinou requisitos para o desen- volvimento de um projeto conceitual de um novo posto de trabalho.
Mostrar mais

19 Ler mais

MAPEAMENTO DOS RISCOS FÍSICOS AOS COLABORADORES NA ATIVIDADE DO CULTIVO DE MANGA EM IPANGUAÇU-RN

MAPEAMENTO DOS RISCOS FÍSICOS AOS COLABORADORES NA ATIVIDADE DO CULTIVO DE MANGA EM IPANGUAÇU-RN

HOLOS, Ano 28, Vol 6 105 O processo é iniciado pela atividade de preparação do solo. Essas operações são feitas três a quatro meses antes do plantio e consiste na roçagem, destocamento da área. Em seguida procede-se a coleta de amostras do solo para posterior análise, visando avaliar a necessidade de calagem e fertilização. Caracterizam-se pelas operações de aração, gradagem leve e/ou pesada, ou qualquer outra visando o preparo do solo, deverá ser definida em função das condições da área a ser preparada. Nessa atividade foram mapeados como os principais riscos físicos o calor, as radiações não ionizantes (exposição ao sol) e o ruído (em função da operação de motores e implementos agrícolas).
Mostrar mais

15 Ler mais

Homes for Elderly People: Professionals’ Exposure to Physical Hazards          /          Institutos de Longa Permanência de Idosos: Exposição dos Profissionais aos Riscos Físicos

Homes for Elderly People: Professionals’ Exposure to Physical Hazards / Institutos de Longa Permanência de Idosos: Exposição dos Profissionais aos Riscos Físicos

Objetivo: Averiguar a exposição dos profissionais de saúde aos riscos físicos presentes em um Instituto de Longa Permanecia de Idosos. Métodos: estudo descritivo-exploratório, de campo, com abordagem quantitativa e delineamento transversal utilizando-se um checklist elaborado conforme os requisitos das Resoluções da Diretoria Colegiada da ANVISA Nº 283/2005 e 50/2002. Resultados: O campo de estudo apresenta inconformidades frente aos padrões estabelecidos pelas resoluções específicas expondo os profissionais de saúde a riscos físicos, como: distribuição inadequada de mobiliários, choques elétricos, umidade, níveis elevados de pressão sonora, inadequação de espaço e temperatura elevada, entre outros. Conclusão: a Instituição avaliada não está em conformidade com a Legislação pertinente, sendo patente a presença de risco físicos que podem afetar a saúde dos trabalhadores e comprometer sua qualidade do trabalho.
Mostrar mais

7 Ler mais

Riscos físicos em uma unidade de alimentação e nutrição : implicações na saúde do trabalhador

Riscos físicos em uma unidade de alimentação e nutrição : implicações na saúde do trabalhador

Objetivou-se avaliar os riscos físicos em uma Unidade de Alimenta- ção e Nutrição (UAN) em Natal-RN. Foram avaliados a temperatura, a iluminação, o ruído, assim como algumas condições ergonômicas, utilizando-se, respectivamente, um termômetro de globo digital, um luxímetro, um decibelímetro e uma trena. Verificaram-se níveis de ruído elevados em todos os setores, com exceção da área de distribuição e recebimento de contêineres, e níveis de iluminação inadequados na maioria dos ambientes. Foi observado desconforto térmico na copa de lavagem de panelas e bandejas, na área de distri- buição e recebimento de contêineres e na área de cocção. Os resulta- dos mostraram a presença de riscos físicos na UAN estudada, sendo assim fundamental a promoção de mudanças para proporcionar um ambiente de trabalho com maior conforto e menor desgaste para o profissional, o que é indispensável para a produção de uma refeição quantitativa e qualitativamente adequada para a clientela.
Mostrar mais

8 Ler mais

Análise dos riscos físicos e ergonômicos em roçadora transversal motorizada

Análise dos riscos físicos e ergonômicos em roçadora transversal motorizada

Para Pereira (2005), nas atividades laborais pode não estar presente a relação entre trabalho e saúde, isto porque na maioria delas estão presentes os esforços repetitivos, trabalho estático, esforço físico intenso, ritmo intenso de trabalho, posturas inadequadas, riscos físicos como calor, ruído, vibração, sendo, portanto, geradoras de doenças ocupacionais. Esta diversidade de riscos é acentuada quando se trata do trabalho agrícola, em que as tarefas são pouco estruturadas, exigindo grande esforço físico, posturas inadequadas, exposição a produtos químicos de grande toxicidade e executadas sob condições ambientais desfavoráveis. Além destes fatores encontra-se ainda, de acordo com Pereira et al. (2010), a intensa utilização de máquinas agrícolas, ampliando consideravelmente os riscos a que estão sujeitos os trabalhadores rurais, já que mais de 60% das mortes ocorridas em acidentes no trabalho no setor agrário são consequências da mecanização agrícola.
Mostrar mais

12 Ler mais

Análise dos riscos físicos: Ruído e vibração em motocoveador manual / Analysis of physical risks: Noise and vibration in manual ground driller

Análise dos riscos físicos: Ruído e vibração em motocoveador manual / Analysis of physical risks: Noise and vibration in manual ground driller

Considerando agora que a expansão da fronteira agrícola nacional foi acompanhada do aumento da mecanização no campo, forçada principalmente pela exigência de produtividade, neste sentido vários equipamentos tornaram-se presentes neste ambiente de trabalho, aumentando desta forma a preocupação com os operadores destas máquinas agrícolas, sujeitos aos riscos inerentes da operação destes equipamentos (EUCLIDES, et al, 2012). Entre estes riscos tem-se o ruído e a vibração, foco deste trabalho.

13 Ler mais

Análise dos riscos físicos e ergonômicos em roçadora transversal motorizada

Análise dos riscos físicos e ergonômicos em roçadora transversal motorizada

No sistema mão e braço as consequências das vibrações são mais severas. Nas ferramentas motorizadas atingem-se altas acelerações oscilatórias nas mãos e articulações dos pulsos. A utilização destas ferramentas submete o trabalhador a vibrações localizadas que podem acarretar diversas patologias nas mãos e braços. A exposição a vibrações excessivas pode originar danos físicos permanentes denominados “Síndrome dos dedos brancos ”, uma degeneração gradativa do tecido muscular e nervoso. Com isto, alguns dedos - normalmente o dedo médio - ficam brancos, até azulados, frios e "sem sentidos". Após algum tempo, os dedos voltam a ficar vermelhos e doloridos. É caracterizada por uma contração espasmódica dos vasos sanguíneos, e conhecida também como doença de Reynaud. Pode surgir no máximo após seis meses de trabalho com uma ferramenta vibratória (XIMENES, 2006).
Mostrar mais

165 Ler mais

Levantamento de riscos ocupacionais na atividade de cravação de estacas pré-moldadas utilizadas na construção civil/  Survey of occupational risks in the activity of pile driving of precast piles used in civil construction

Levantamento de riscos ocupacionais na atividade de cravação de estacas pré-moldadas utilizadas na construção civil/ Survey of occupational risks in the activity of pile driving of precast piles used in civil construction

A partir do levantamento dos perigos existentes na operação de cravação de estacas pré- moldadas através da observação das fases desta atividade, foram diagnosticados os riscos ocupacionais relativos aos perigos. Com os resultados dessa análise, foi possível identificar quais são os riscos predominantes na atividade de cravação de estacas. Segundo os dados levantados, observou-se que em todas as fases da operação há uma predominância da ocorrência dos riscos de acidentes, seguidos pelos riscos físicos, ergonômicos e por fim pelos riscos químicos. Ressalta-se ainda, que em nenhuma das fases analisadas houve percebeu-se a existência dos riscos biológicos.
Mostrar mais

11 Ler mais

Análise das condições de trabalho dos tripulantes de convés e de máquinas em navios-tanque

Análise das condições de trabalho dos tripulantes de convés e de máquinas em navios-tanque

Os danos possíveis causados pelo trabalho marítimo envolvem fatores físicos, biológicos, químicos e psicossociais. Sobre os fatores físicos do ambiente de trabalho, os mais referidos são a exposição a poeiras ou gases (91%), ruídos nocivos ou incómodos e as vibrações, ambos referidos por 89% dos inquiridos, e variações térmicas (85%). 57,7% dos inquiridos refere também muitos outros riscos que não estão incluídos no INSAT, mas que traduzem características singulares da sua atividade, como o risco de queda, de queimaduras, de ansiedade, entre outros. Os riscos físicos referidos pelos trabalhadores são esforço físico intenso, ter que trabalhar em posturas penosas, elevada carga horária de trabalho, demanda constante de atenção ao serviço e baixa qualidade de sono. Quanto aos fatores toxicológicos, os agentes químicos são referidos por quase todos os trabalhadores (95%). No que se refere aos contragimentos sentidos no local de trabalho, a grande maioria (91,9%) refere o ritmo intenso de trabalho, a dependência da ajuda de colegas para realizar o seu trabalho (91,9%), e o cumprimento de normas e/ou prazos rígidos (86,9%). O assédio sexual no ambiente de trabalho é referido por 28% dos inquiridos e o assédio moral por quase metade dos trabalhadores (49%).
Mostrar mais

67 Ler mais

Análise ergonómica do trabalho realizado por operadores florestais

Análise ergonómica do trabalho realizado por operadores florestais

A Direção geral das relações laborais da Catalunha, em 2006, criou um método para avaliar os riscos relacionados com a Ergonomia do Posto de trabalho a que designam “Riscos Ergonómicos”. Apesar de não concordarmos com esta designação iremos mantê-la para facilitar a sua comparação com a fonte utilizada. Este método permite avaliar os riscos físicos e os desconfortos ambientais que estão em qualquer trabalho. O seu objetivo é então “avaliar os riscos ergonómicos derivados da exposição à carga de trabalho física, entendida como o conjunto de requisitos físicos a que a pessoa está exposta ao longo do seu dia útil e que, independente ou combinados, podem atingir um nível de intensidade, duração ou frequência suficiente para causar danos à saúde das pessoas expostas.” (Direção geral das relações laborais da Catalunha, 2006).
Mostrar mais

114 Ler mais

Ergonomia física: as exigências presentes na atuação de modelista do vestuário

Ergonomia física: as exigências presentes na atuação de modelista do vestuário

A atividade de modelista, assim como a de costureira, caracteriza-se pela manutenção de postura estática por períodos prolongados e alto grau de concentração e detalhamento. Estes aspectos podem comprometer a saúde do trabalhador, sendo que, as queixas normalmente estão relacionadas às dores corporais, ao cansaço físico e mental (SENA et al., 2008 apud MAZINI FILHO et al., 2014). Assim, identificar os riscos físicos resultantes da atividade faz-se necessário para reduzir suas consequências e evitar que maiores prejuízos possam ser causados aos trabalhadores e à empresa (ORSELLI, 2010 apud MAZINI FILHO et al., 2014).
Mostrar mais

25 Ler mais

7. Riscos ocupacionais envolvendo auxiliares e técnicos de enfermagem na ESF

7. Riscos ocupacionais envolvendo auxiliares e técnicos de enfermagem na ESF

Resumo: O trabalho em Estratégia Saúde da Família (ESF) expõe os profissionais a riscos ocupacionais, com consequências para saúde física e mental dos indivíduos, que podem comprometer a vida pessoal e o desempenho profissional. O objetivo proposto para este estudo foi o de identificar os riscos físicos, ergonômicos e psicossociais aos quais os profissionais estão expostos; as consequências já presentes na vida desses, bem como o que eles têm realizado para minimizar ou anular essas condições. O estudo foi realizado por meio da aplicação de questionário a auxiliares e técnicos de enfermagem que atuam em ESF. Evidenciou-se que, dentre os principais riscos encontrados, a punção venosa destacou-se como o procedimento mais citado, pois relaciona-se ao risco ergonômico. Além disso, a consequência mais mencionada foi a tendinite. A intervenção mais procurada foi a atividade física como forma de reduzir os impactos. Conclui-se que os riscos fazem parte da rotina profissional e precisam ser atenuados, tendo em vista a redução dos danos causados.
Mostrar mais

14 Ler mais

Atividade do mototaxista: riscos e fragilidades autorreferidos.

Atividade do mototaxista: riscos e fragilidades autorreferidos.

Em se tratando de segurança à saúde, outro fator que mere- ce atenção é a exposição destes condutores aos riscos físicos, característicos do calor e frio intenso. O estado do Rio Gran- de do Sul possuiu as quatro estações do ano bem definidas, sendo o inverno muito rigoroso. Trabalhar como mototaxista implica em expor-se a variações climáticas intensas durante o dia e à noite, agravantes às boas condições saúde. Assim sendo, podem surgir doenças como gripe, dor de garganta, resfriado, bronquite, conforme relato de 83,3% dos sujeitos respondentes da pesquisa.
Mostrar mais

8 Ler mais

João Pedro Gaio Fonseca Alves da Silva

João Pedro Gaio Fonseca Alves da Silva

Numa fase inicial, possivelmente incorporada na identificação da falha que se pretende analisar e elemento comum a qualquer método de análise de riscos, existe a necessidade de definir o sistema em análise, compreendendo o seu funcionamento, as suas interações e interligações entre os subsistemas e componentes integrados. No entanto, ao contrário do que acontece na aplicação da FMEA, não existe a necessidade de se realizar uma descrição do sistema tão detalhada, apesar de a sua execução beneficiar a análise de riscos. Outro ponto importante, normalmente abordado também nesta fase inicial, é a necessidade de definição das condições de operacionalidade do sistema, ou seja, definir as condições específicas a que o sistema está sujeito – condições externas como temperaturas, forças, nível de água na albufeira, entre outros, e se necessário definir fronteiras analíticas, definidas como limites impostos para demarcar o nível de resolução da análise, ou exclusão de certos eventos de modo a diminuir a complexidade da árvore.
Mostrar mais

120 Ler mais

Otimização de riscos x minimização de riscos: o papel da regulação

Otimização de riscos x minimização de riscos: o papel da regulação

Enquanto no Brasil os fundos mútuos devem apenas reportar o VaR à CVM, que costuma pedir esclarecimentos aos fundos mútuos que possuem maiores riscos, a UCITS IV determina limites de risco pré fixados. Fundos que controlam o risco relativo devem manter uma proporção de no máximo 200% do VaR do Portfolio com o VaR do portfólio de referência. Fundos que controlam o risco absoluto devem utilizar o VaR de um mês com intervalo de confiança de 99% considerando dados históricos de pelo menos um ano e o VaR deve estar limitado a 20% do patrimônio líquido. A UCITS IV exige complementarmente o stress test e também o back testing.
Mostrar mais

10 Ler mais

Herbicidas e danos físicos em tocos de teca para controle de brotos após o desbaste.

Herbicidas e danos físicos em tocos de teca para controle de brotos após o desbaste.

O primeiro ensaio foi conduzido em maio de 2005 no povoamento com quatro anos de idade e foram utilizados tocos de 100 árvores desbastadas por tratamento, divididos em quatro repetições, em blocos casualizados. Após o desbaste, os tratamentos consistiram da aplicação de um tipo de dano físico seguido da pulverização de diferentes dosagens em porcentagem dos herbicidas picloram (%P) e triclopyr (%T), isolados ou combinados. Os danos físicos de quatro rachas (4R) ou de cerca de 20 rachas (20R) foram efetuados com um machado, além de três furos com cerca de 10cm de profundidade (3F) foram efetuados com o uso de broca de ½ polegada e furadora motorizada (Tabela 1). O segundo ensaio foi conduzido em setembro de 2005 no povoamento com seis anos de idade, desbastado no ano anterior. Os tratamentos foram aplicados da forma descrita anteriormente e o dano físico foi a roçada manual com foice das brotações (RB) e a aplicação isolada ou combinada dos mesmos herbicidas (Tabela 2).
Mostrar mais

7 Ler mais

Ateliê de projetos físicos: estratégia para aprendizagem de administração de recursos físicos em enfermagem

Ateliê de projetos físicos: estratégia para aprendizagem de administração de recursos físicos em enfermagem

5 Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigi- lância Sanitária. Resolução RDC50, de 21 de feverei- ro de 2002: dispõe sobre regulamento técnico para planejamento, programação, avaliação, elaboração de projetos físicos de EAS [ Inter net] . Brasília (DF); 2002 [ citado 2010 nov 23] . Disponível: http:/ / www.anvisa. gov.br/ legis/ resol/ 2002/ 50_02rdc.pdf.

5 Ler mais

Show all 3458 documents...

temas relacionados