Serra Catarinense

Top PDF Serra Catarinense:

PROJETO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA A IMPLANTAÇÃO DE UMA VINÍCOLA NA SERRA CATARINENSE

PROJETO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA A IMPLANTAÇÃO DE UMA VINÍCOLA NA SERRA CATARINENSE

PROJETO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA A IMPLANTAÇÃO DE UMA VINÍCOLA NA SERRA CATARINENSE.. FLORIANÓPOLIS 2004..[r]

128 Ler mais

Mapeamento de campos hidromórficos na serra Catarinense por meio de modelagem hidrológica.

Mapeamento de campos hidromórficos na serra Catarinense por meio de modelagem hidrológica.

Os ecossistemas campestres entremeados aos fragmentos de Floresta com Araucária são comuns na serra catarinense. Existem fortes indicativos de que parte dos campos da região, os não hidromórficos, sobre solos minerais, seja resultante da exploração da floresta ou do impedimento de seu avanço, cuja cobertura, hoje, é inferior a 10%. Porém, os hidromórficos, exclusivamente em Organossolos, ocupando feições específicas na região, dão evidências de serem, embora impactados, naturais. O presente estudo teve como objetivo mapear a localização dos campos hidromórficos, partindo de dados de campo comparados aos mapas de fatores hidrológicos produzidos principalmente a partir do modelo digital de elevação (MDE) e rede de drenagem. Os resultados mostram que o comprimento de fluxo superior a 400 m está positivamente correlacionado à profundidade das zonas hidromórficas. Os relevos patamarizados e planos relacionam-se às zonas hidromórficas, porém a escala do estudo não leva à caracterização final das mesmas. Ainda que os resultados sejam em caráter preliminar, nota-se que pesquisas complementares abordando análise espacial do relevo são necessárias. Palavras-chave: Serra Catarinense, campos naturais, Floresta Ombrófila Mista.
Mostrar mais

11 Ler mais

ANÁLISE DA CO-GASEIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DE BIOMASSA NA SERRA CATARINENSE E AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA AMBIENTAL DESTA TECNOLOGIA

ANÁLISE DA CO-GASEIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DE BIOMASSA NA SERRA CATARINENSE E AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA AMBIENTAL DESTA TECNOLOGIA

A Serra Catarinense apresenta grande concentração de resíduos de biomassa na região, tendo um alto potencial energético para geração de energia elétrica. Há 70 milhões de árvores de pinus na região de Lages / SC ocupando o terceiro lugar no mundo em área reflorestada com specie pinus, atrás apenas da Suécia e da Finlândia (OLIVEIRA, 2014). Friedrichs et al., (2011) estimou que a Serra Catarinense produziu 1.009.273 toneladas de resíduos florestais, sendo 24% destes provenientes das indústrias de polpa e de celulose e 76% das outras finalidades (processamento mecânico). Cerca de 43% destes resíduos foram encontrados nos campos e 57% nas indústrias de processamento de madeira.
Mostrar mais

9 Ler mais

EFEITO DO RALEIO DE CACHOS NA QUALIDADE DOS FRUTOS DA VIDEIRA CABERNET SAUVIGNON PRODUZIDA NA SERRA CATARINENSE

EFEITO DO RALEIO DE CACHOS NA QUALIDADE DOS FRUTOS DA VIDEIRA CABERNET SAUVIGNON PRODUZIDA NA SERRA CATARINENSE

Devido à importância social e econômica do Cabernet Sauvignon no processo da expansão da área cultivada na região da Serra Catarinense, hoje com mais de 150 hectares implantados, e à pouca disponibilidade da informação com relação à evolução do maturação e da caracterização da uva realizou-se este trabalho. O experimento foi realizado na Vinícola Villa Francioni, na safra de 2005 com 800 plantas marcadas previamente de um vinhedo de cabernet - sauvignon formado em 2001 sobre um porta enxerto Paulsen 1103. O vinhedo foi conduzido no sistema no tipo trellis de Y e o espaçamento entre as plantas estavam de 1.2 m e entre fileiras de 3.0 m. O acompanhamento da maturação foi feito com cinco coletas realizadas nas datas de 28/02/05, de 07/03/05, de 14/03/05, de 21/03/05 e de 28/03/05. O experimento consiste no raleio de cachos ao nível de 6, 9, 12, 15 cachos por planta e mais a testemunha sem raleio com os grupos ±18 cachos por planta, dando uma produção aproximadamente de 2360, 3530, 4700, 5880, e 7060 kg ha -1 respectivamente. Para SST, os tratamentos 6, 9, 12, e 15 cachos /planta tiveram uns valores maiores o tratamento testemunha, e para Fenóis totais e Acidez total não teve a diferença entre os tratamentos. Para o pH do mosto, os valores observados acima de 3.7 para todos os tratamentos, o que não é desejável, indicou a possibilidade para antecipar a colheita em uma semana. Para o peso das bagas, o tratamento com 15 cachos/planta teve uma correlação linear crescente; nos outros tratamentos uma diminuição do peso das bagas é observada a partir da data da 4°coleta, indicada pela equação polinomial do grau 2°. Um comportamento similar foi observado para os índices da antocianina, onde apenas o tratamento com 9 grupos propiciou um aumento nos índices da antocianinas que a partir da 4° coleta. Os resultados indicam que o raleio de cachos não apresentou diferença significativa no teor de antocianina, solúveis totais, acidez total e taninos nos cachos remanescentes.
Mostrar mais

74 Ler mais

LEPTOSPIROSE EM BOCAINA DO SUL – SC, PARTICULARIDADES DA SERRA CATARINENSE: ANÁLISE DE TRÊS CASOS

LEPTOSPIROSE EM BOCAINA DO SUL – SC, PARTICULARIDADES DA SERRA CATARINENSE: ANÁLISE DE TRÊS CASOS

Em plantações em áreas alagadas o risco de contágio da leptospirose como doença ocupacional é muito, visto que o contato com água contaminada pode levar ao adoecimento do trabalhador, em Bocaina do Sul assim como em outras cidades da Serra Catarinense é comum o cultivo de Vime, planta usada na fabricação de cestos e que se desenvolve em área de “banhados”.

7 Ler mais

RENDIMENTO E QUALIDADE DE UVA E TEORES DE NUTRIENTES EM SOLO E TECIDO VEGETAL EM VINHEDO CULTIVADO NA SERRA CATARINENSE SOB ADUBAÇÃO COM N, K, CAMA DE SUÍNO E SERRAGEM

RENDIMENTO E QUALIDADE DE UVA E TEORES DE NUTRIENTES EM SOLO E TECIDO VEGETAL EM VINHEDO CULTIVADO NA SERRA CATARINENSE SOB ADUBAÇÃO COM N, K, CAMA DE SUÍNO E SERRAGEM

Os locais de clima mais propícios ao cultivo de videiras destinadas à produção de vinhos finos no Brasil estão concentrados na região sul do país, integrada pelos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul (Rosier, 2003). Principalmente na Serra Catarinense, existem locais com altitude entre 900 e 1400 metros acima do nível do mar, e, devido às condições climáticas particulares, recentemente têm sido cultivadas variedades de uvas Vitis vinifera. Em Santa Catarina a implantação destes vinhedos tem ocorrido nos municípios de Água Doce, Bom Retiro, Campos Novos, Tangará e, principalmente, São Joaquim, sendo que a variedade que tem apresentado melhor potencial e se encontra em maior quantidade é a Cabernet Sauvignon (Rosier, 2003).
Mostrar mais

76 Ler mais

PROJETO KAYUVÁ: VALORIZAÇÃO DO PINHÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR DA SERRA CATARINENSE

PROJETO KAYUVÁ: VALORIZAÇÃO DO PINHÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR DA SERRA CATARINENSE

Por ser considerada uma espécie ameaçada de extinção, o manejo e a utilização da madeira dessa espécie sofreram várias restrições, com o propósito de proteger e preservar os últimos remanescentes, especialmente das matas nativas. Atualmente a Araucária é utilizada principalmente para a coleta de pinhões, segundo Mantovani et al. (2004) a produção de pinhão pode chegar a 160 kg/ha, sendo que o pinhão é um importante recurso alimentício e econômico na região da Serra Catarinense, onde até uma festa com o seu nome acontece em Lages.
Mostrar mais

10 Ler mais

Ação coletiva e coprodução para o desenvolvimento rural: um estudo de caso do Colegiado de Desenvolvimento Territorial da Serra Catarinense.

Ação coletiva e coprodução para o desenvolvimento rural: um estudo de caso do Colegiado de Desenvolvimento Territorial da Serra Catarinense.

Este artigo tem como pano de fundo o Programa Nacional de Apoio aos Territórios Rurais (Pronat), cujas ações são voltadas ao fortalecimento do meio rural nas regiões menos desenvolvidas do país. Criados a partir de 2003, pela Secretaria de Desenvolvimento Territo- rial (SDT) do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), os territórios rurais do Pronat abrigam os Codeteres, que são órgãos de deliberação colegiada de caráter permanente, repre- sentativos e participativos de planejamento e articulação de iniciativas para o DTS. Sua prin- cipal atribuição é oferecer suporte político, organizacional e técnico para um território rural, buscando promover o debate e a articulação de políticas públicas rurais entre os municípios (PTDRS Serra Catarinense, 2011). Embora em termos operacionais atue de maneira vincu- lada à SDT/MDA, o Codeter se constitui num espaço de interação e expressão de diferentes formas de poder: o poder político-administrativo dos agentes públicos, o poder representativo dos sindicatos rurais, o poder técnico das instituições de pesquisa e extensão rural, e, por fim, o poder participativo das Organizações da Sociedade Civil (OSCs) ligadas ao setor da agricul- tura familiar.
Mostrar mais

22 Ler mais

Compromisso social fortalecendo a prática do curso de Fisioterapia na Serra Catarinense

Compromisso social fortalecendo a prática do curso de Fisioterapia na Serra Catarinense

Resumo: Os programas de extensão universitária apresentam uma relação estabelecida entre instituição e sociedade através da aproximação e troca de conhecimentos e experiências entre professores, alunos e população, proporcionando um confronto da teoria com o mundo real. De acordo com a legislação, o tripé formado pelo ensino, pela pesquisa e pela extensão constitui o eixo fundamental da Universidade brasileira e não pode ser compartimentado. O projeto Fisioterapia para a Comunidade da Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC) é desenvolvido com atendimentos de fisioterapia ambulatoriais realizados no laboratório de Fisioterapia da UNIPLAC que conta com um amplo espaço físico e diversos equipamentos, permitindo receber pacientes das mais diversas áreas de atuação da fisioterapia. Todos os atendimentos são realizados com a supervisão de um professor fisioterapeuta e acompanhado por estagiários, que podem auxiliar nos atendimentos dependendo da fase do curso em que estiverem matriculados conforme resolução do CREFITTO. Em 2012 o projeto Fisioterapia para a Comunidade – UNIPLAC foi aprovado no Edital de Projetos de Extensão Permanente da Universidade do Planalto Catarinense. Desde a abertura do projeto em 2012, já passaram pela clínica escola 500 pacientes, sendo realizado mais de 3989 atendimentos. Diante da grande variedade de atendimentos observados, os acadêmicos despertaram interesse em usar esses casos para realizarem pesquisas e publicarem artigos. Pelo histórico apresentado, conclui-se que a partir de um projeto de extensão, o curso de Fisioterapia da UNIPLAC consolida o tripé ensino-pesquisa-extensão.
Mostrar mais

9 Ler mais

ANDRESSA STEFFEN BARBOSA VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA INTENSIVO DE PRODUÇÃO DE TRUTAS NA SERRA CATARINENSE

ANDRESSA STEFFEN BARBOSA VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA INTENSIVO DE PRODUÇÃO DE TRUTAS NA SERRA CATARINENSE

Para a obtenção dos dados econômicos, foram tomados como base três produtores localizados nos município de Bocaina do Sul, Painel e Urubici, sendo caracterizados como pequ[r]

90 Ler mais

PERDAS DE SOLO, ÁGUA E NUTRIENTES POR EROSÃO HÍDRICA EM UMA ESTRADA FLORESTAL NA SERRA CATARINENSE.

PERDAS DE SOLO, ÁGUA E NUTRIENTES POR EROSÃO HÍDRICA EM UMA ESTRADA FLORESTAL NA SERRA CATARINENSE.

Uma estrada florestal de boa qualidade, do ponto de vista de trafegabilidade e de controle da erosão, sob condição de tráfego pesado, deve apresentar várias característ[r]

11 Ler mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - ESAG EDUARDO RIVELINO DA LUZ

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - ESAG EDUARDO RIVELINO DA LUZ

Esta dissertação investigou e analisou os hábitos de consumo de televisão das pessoas da Serra Catarinense nos anos de 2003 e 2004 e teve como objetivo principal verificar em que posição se encontra a Rede TV Sul frente aos seus concorrentes para então propor estratégias que pudessem alavancar o crescimento da emissora. Este trabalho também teve a finalidade de munir as áreas comercial e marketing da emissora de uma ferramenta consistente de pesquisa de opinião que pudesse auxiliar na defesa e argumentação de vendas perante o público anunciante. No referencial teórico, contemplaram-se aspectos relativos ao processo de desenvolvimento da comunicação e seus efeitos; uma breve abordagem sobre metodologias de pesquisas utilizadas pelo IBOPE; e algumas considerações sobre o tema estratégia. A pesquisa desenvolvida neste estudo aferiu apenas a questão da preferência pelas emissoras de televisão abertas do Estado de Santa Catarina, o nível de conhecimento dos entrevistados acerca da programação da Rede TV Sul e o grau de envolvimento percebido entre a emissora e a comunidade catarinense. Os resultados apresentam-se em forma de gráficos para facilitar a visualização e permitir a sinalização dos pontos que necessitam de aprimoramento e/ou de desenvolvimento a fim de garantir bons índices de preferência e audiência em pesquisas futuras. Concluiu-se, com este estudo, que a Rede TV Sul tem necessidade de evidenciar e fixar sua marca na mente das pessoas e promover ações de envolvimento relevantes com as comunidades das diversas regiões do Estado com a finalidade de atrair e qualificar ainda mais o seu público telespectador e anunciante.
Mostrar mais

167 Ler mais

Produção e produtividade de leite do Oeste catarinense

Produção e produtividade de leite do Oeste catarinense

Das atividades econômicas presentes no Estado de Santa Catarina, a cadeia produtiva do leite está posicionada entre os setores empresariais que mais cresce- ram nos últimos anos, especialmente na região do grande oeste de Santa Catarina. Relatos recentes de autoridades e estudiosos do setor produtivo do leite apontam que a Mesorregião Grande Fronteira do Mercosul, encaminha-se para se tornar uma das maiores bacias de leite do país. Particularmente, o oeste catarinense vem se destacando com acentuado crescimento na produção de leite, elevando o Estado de Santa Catarina à quinta posição na produção nacional de leite (HEIDEN, 2008). 4.1 A BASE ESTRUTURAL DE PRODUÇÃO DE LEITE
Mostrar mais

26 Ler mais

O desenvolvimentismo conservador catarinense de 2007 a 2015

O desenvolvimentismo conservador catarinense de 2007 a 2015

No decorrer do estudo com base no desenvolvimento, papel do Estado e o planejamento e após analisar o contexto dos planos nacionais, ficou claro como se deu o movimento pendular, que, assim como um pêndulo, oscilou para governos de caráter nacionalista, militar- ditatorial, neoliberal, social-desenvolvimentista. Assim como no âmbito nacional, o estado de Santa Catarina também teve seu pêndulo oscilando. A intenção foi buscar entender os planos nacionais e catarinenses para compreender o recorte que se dá do ano 2007 até 2015. Com essa fundamentação, entende-se essa linha conservadora do estado catarinense e, conforme o recorte, como esses últimos dois planos, Plano 15 a Mudança Continua e o Pacto por Santa Catarina, se comportaram perante o PAC. Nesse sentido, o que se pôde notar foi que, em Santa Catarina, após a recomposição política em 2010, o aparato estatal inaugurou um novo padrão de crescimento e um alargamento do processo produtivo, diferente do período anterior, que foi caracterizado por ser desarticulado politicamente e o Estado pouco influenciar no comando da acumulação.
Mostrar mais

14 Ler mais

O teatro historiando as ruas: “Serra-Serra Serrador”

O teatro historiando as ruas: “Serra-Serra Serrador”

Aqui, também o espaço cênico intervém no trabalho do ator. Por ser um espetáculo itinerante, Serra-Serra Serrador apresenta para os atores a necessidade de um personagem bem construído para responder às exigências do espaço. Na rua, os espectadores, muitas das vezes, participam do espetáculo, mesmo quando não convidados a isto, o que requer um ator disponível para que se estabeleça um jogo entre ele e os espectadores, de forma que o espetáculo possa prosseguir tranquilamente. No caso de Serra-Serra, como as cenas eram realizadas em pontos definidos, os atores tinham a possibilidade de organizar seu espaço de atuação de forma a definir o local da cena e o do público.
Mostrar mais

18 Ler mais

Distribution pattern of anurans from three mountain complexes in southeastern Brazil and their conservation implications

Distribution pattern of anurans from three mountain complexes in southeastern Brazil and their conservation implications

The connection of endemism areas is fundamental for those who search for the conservation of biodiversity (Brown et al. 1996, Goldani and Carvalho 2003), because these locations are key for investments in protection and environmental studies. Although slow in comparison to the declining amphibian populations (Verdade et al. 2010), studies have been done in the Serra da Mantiqueira complex and South of Serra do Espinhaço. Cruz and Feio (2007) indicated a total of 63 endemic species in the Serra da Mantiqueira complex, with 36 restricted to only one biogeographic unit. However, due to the taxonomic dynamic, the magnification of species distribution areas, and the description of new species, this number is already outdated. Furthermore, reports of the decrease in local populations were already recorded for Cycloramphus granulosus and Hylodes glaber in the Serra do Itatiaia (Heyer et al. 1988), mainly due to anthropic actions, such as pollution, introduction of exotic species, deforestation, and consequently habitat fragmentation (Pimenta et al. 2014a).
Mostrar mais

13 Ler mais

Ausência da Lutzomyia longipalpis em algumas áreas de ocorrência de leishmaniose visceral no Município do Rio de Janeiro.

Ausência da Lutzomyia longipalpis em algumas áreas de ocorrência de leishmaniose visceral no Município do Rio de Janeiro.

Serra do Vieg as Serra do Barata Carapiá Grumari Co lô nia Camo rim Ilha de Guaratib a Barra de. Guaratib a.[r]

5 Ler mais

A História no Currículo Base do Território Catarinense

A História no Currículo Base do Território Catarinense

Muitas outras questões poderiam ser abordadas de modo a caracterizar o Currículo do Território Catarinense em suas aproximações e especificidades frente à BNCC, proposta do presente estudo. Esse processo, porém, poderia alongar muito nossa discussão. Para finalizar o item, cabe esclarecer entender-se ser possível caracterizar o texto curricular como um documento datado e influenciado pelo contexto político em que vivemos neste ano de 2019, e sua relação com o de anos anteriores, quando a própria BNCC foi escrita, alinhando-se às políticas demandadas pelos organismos internacionais aqui já mencionados. Assim, o ordenamento curricular, de acordo com os conceitos de competência e habilidade, impõe-se como algo sobre o qual precisaremos estar atentos/as nos próximos tempos, considerando a necessidade de revisão que já aparece indicada na lei.
Mostrar mais

18 Ler mais

Ottillie Hammes: pioneira da enfermagem catarinense.

Ottillie Hammes: pioneira da enfermagem catarinense.

Ao retornar do Rio de Janeiro, em março de 1956, a Irmã Cacilda passou a trabalhar na Maternidade Carmela Dutra. Tratava-se de uma instituição modelar em termos estruturais e administrativos para a capital do Estado catarinense. Construída pelo então governador Irineu Bornhausen (foi prefeito de Itajaí, governador de Santa Catarina de 31 de janeiro de 1951 a 31 de janeiro de 1956 e senador de 1959 a 1967), a Maternidade possuía 64 leitos. Irmã Cacilda era a única enfermeira, onde até então só havia atendentes de enfermagem e parteiras. Estas últimas faziam o Curso de Parteiras na Maternidade Carlos Corrêa, durante dois anos (13) .
Mostrar mais

6 Ler mais

Show all 2322 documents...