serviço-escola

Top PDF serviço-escola:

Características Sociodemográficas e Aspectos Clínicos da População Atendida em Serviço-Escola de Psicologia

Características Sociodemográficas e Aspectos Clínicos da População Atendida em Serviço-Escola de Psicologia

Os dados obtidos foram transcritos para o programa Excel 2013, onde foi possível perceber prevalências e categorizar cada variável de acordo com estas. Após a coleta e categorização de dados, utilizou-se como recurso o programa SPSS. As associações de dados ocorreram de modo a relacionar as diferentes variáveis que se pretendia averiguar e que incluíam os aspectos sociodemográficos e clínicos da população atendida no serviço-escola.

16 Ler mais

A MEDICALIZAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO DE UM SERVIÇO ESCOLA DE PSICOLOGIA DE UMA UNIVERSIDADE DE SANTA CATARINA

A MEDICALIZAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO DE UM SERVIÇO ESCOLA DE PSICOLOGIA DE UMA UNIVERSIDADE DE SANTA CATARINA

Fabíola Langaro 3 Resumo: Muitas crianças, desde a tenra idade, em nome da proteção e do cuidado, estão sendo consideradas doentes por profissionais de saúde quando, na realidade, queixas de “problemas de aprendizagem escolar” e sintomas decorrem de processos da vida, das necessidades vinculadas ao seu desenvolvimento e de suas relações. Neste sentido, chamou a atenção o caso de uma criança atendida em um serviço escola de psicologia, em que, já na triagem, levantou-se a hipótese de estar ocorrendo um possível processo de medicalização. A criança, na época com 5 anos, havia sido encaminhada por uma neurologista tendo em vista queixas de “problemas de aprendizagem escolar” e tendo recebido diagnóstico de possível Déficit cognitivo e/ou Autismo. Diante deste contexto, foi realizada uma pesquisa qualitativa, caracterizada como um estudo de caso, que teve como objetivo geral compreender o possível processo de medicalização desta criança. A partir dos dados coletados em prontuário e das análises dos registros de sessões realizadas por estagiárias do serviço de psicologia, foi possível compreender que as queixas de “problemas de aprendizagem escolar” e sintomas indicados na criança pela neurologista, escola e responsáveis e que a levaram à psicoterapia não eram decorrentes de um “transtorno”, mas de situações vivenciadas na relação da criança com o mundo, com os outros, a partir de suas experiências concretas.
Mostrar mais

27 Ler mais

O papel do serviço-escola de psicologia no atendimento ao deficiente visual.

O papel do serviço-escola de psicologia no atendimento ao deficiente visual.

O que se pôde verificar neste levantamento é que, de um lado, existem as instituições especializadas, que se organizam de forma a dar conta da demanda dos vários aspectos da vida da pessoa cega ou com baixa visão, assim como de suas famílias. De outro lado, existem os serviço-escola de psicologia, que não recebem esta clientela. O circuito se fecha, ou seja, não há demanda para o serviço-escola de psicologia porque a clientela é atendida em locais especializados. É impor- tante considerar, no entanto, algumas informações colhidas nos depoimentos acima relatados: a instituição A vem diminuindo o número de seus alunos, e na insti- tuição B somente 40% dos atendimentos estão voltados a crianças e jovens. A partir dos programas governa- mentais de inclusão, jovens e crianças deficientes estão sendo absorvidos pela escola comum. As escolas públi- cas são, por tradição, grandes encaminhadoras de clientela para os serviço-escola de psicologia, mas isto não vem ocorrendo no caso das crianças deficientes visuais.
Mostrar mais

11 Ler mais

Serviço-escola do curso de psicologia da UFCSPA: desafios  da implementação

Serviço-escola do curso de psicologia da UFCSPA: desafios da implementação

recebendo usuários deste território, encaminhados pelo clínico geral conforme perfil de sofrimento psiquíco. A partir das acolhidas, conforme avaliação da demanda, é possível iniciar psicoterapia no SE. Além disso, o serviço também contempla práticas disciplinares, como a realização de psicodiagnóstico. Estão em fase de planejamento, a realização de um programa itinerante de saúde materno-infantil e a expansão dos grupos de acolhida em saúde mental para outras UBS. Tem trabalhado para auxiliar na articulação da rede, promovendo a integração entre os serviços. Também tem como foco de atenção a saúde dos trabalhadores. Os resultados indicam a importância da inserção da Psicologia no SUS e da ação intersetorial em saúde. A distância do Serviço- Escola do campus universitário, a precariedade da estrutura física e de recursos administrativos, assim como o pouco conhecimento das ações do SE são algumas das dificuldades enfrentadas, entretanto, percebe-se um gradual reconhecimento do trabalho e contribuições para a saúde da população.
Mostrar mais

6 Ler mais

Similaridades e Diferenças de CriançasCuidadores Atendidos em Serviço-Escola de Psicologia e Psiquiatria

Similaridades e Diferenças de CriançasCuidadores Atendidos em Serviço-Escola de Psicologia e Psiquiatria

Para oferecer o melhor atendimento a crianças e adolescentes encaminhados para serviço-escola de Psicologia e Psiquiatria, buscou-se descrever e comparar o perfil de famílias que buscaram atendimento nesses serviços. Foram avaliadas 40 mães e crianças (20 participantes em cada grupo – lista de espera para atendimento psicológico ou para atendimento psiquiátrico). As mães responderam ao Inventário de Comportamentos para Crianças, Inventário Beck de Depressão, Escala de Ajustamento Conjugal e entrevista semiestruturada. As crianças atendidas na Psiquiatria obtiveram mais escores clínicos para queixas somá- ticas, problemas de pensamento e problemas externalizantes. A comparação do perfil das responsáveis indicou que a escolha da modalidade de tratamento infantil pode estar relacionada às variáveis maternas, sendo que as mães com maior adversidade e depressão optam pelo tratamento medicamentoso. Observa-se a importância de atendimento simultâneo para mãe e criança e de propostas voltadas para garantir a procura e adesão ao tratamento psicológico.
Mostrar mais

18 Ler mais

Expectativas de pacientes acerca do atendimento psicológico em um serviço-escola:...

Expectativas de pacientes acerca do atendimento psicológico em um serviço-escola:...

A partir da experiência com supervisão de alunos de psicologia que atendiam em psicoterapia breve de orientação psicanalítica em uma universidade no interior de São Paulo, observou-se que a escuta clínica e compreensão das expectativas dos pacientes acerca do atendimento psicológico favorecia o engajamento destes ao processo de psicoterapia. Essa experiência consistiu em orientar os estagiários do quinto ano a perguntarem aos seus pacientes, no primeiro atendimento, o que eles esperavam da psicoterapia. Levantar e analisar esse material junto aos estagiários favoreceu uma redução significativa do índice de desistência. A hipótese desta pesquisa é que a escuta e análise das expectativas podem aproximar a técnica da psicoterapia às necessidades dos pacientes, favorecendo adesão ao tratamento psicológico. Objetivou verificar o índice de desistência, identificar as expectativas dos pacientes que procuram um serviço-escola para atendimento psicológico durante o processo de triagem, analisar possível relação entre a intervenção da escuta clínica dessas expectativas na triagem e adesão ao tratamento psicológico. O delineamento da pesquisa é predominantemente clínico-qualitativo. Foi feita pesquisa documental, por meio de consulta ao sistema informatizado da clínica, comparando os anos de 2009 e 2010 quanto ao índice de desistências. Foram realizadas entrevistas semidirigidas em um, dois ou três encontros, de acordo com a necessidade, com 10 participantes que aguardavam na lista de espera para atendimento psicológico, interlocução com os estagiários designados a atenderem os participantes em psicoterapia breve e análise documental dos prontuários dos participantes um ano após a triagem. Os resultados foram tratados segundo a análise de conteúdo considerando-se as categorias queixa manifesta, queixa latente, expectativas e comportamento não-verbal. Verificou-se uma adesão positiva ao encaminhamento proposto indicando que a escuta e compreensão das expectativas dos usuários do serviço-escola de psicologia podem enriquecer o sentido da busca por atendimento psicológico. A compreensão mais próxima dos desejos e necessidades dos participantes pareceu ter possibilitado uma redução do hiato produzido entre o que o paciente expressava necessitar e o que o estagiário ansiava em oferecer, favorecendo assim uma redução no índice de abandono. As implicações que poderão advir desta pesquisa dizem respeito ao estabelecimento de uma escuta mais acurada das necessidades e expectativas dos pacientes na triagem e um maior cuidado por parte dos supervisores e estagiários em relação à essa escuta não só na triagem, mas também no início da psicoterapia, dado que é frequente existir um intervalo muitas vezes maior do que o esperado entre inscrição, triagem e a psicoterapia.
Mostrar mais

83 Ler mais

Análise de um serviço-escola de psicologia de uma instituição federal de ensino superior

Análise de um serviço-escola de psicologia de uma instituição federal de ensino superior

Os Serviços-Escola de Psicologia estão vinculados à criação e regulamentação do curso de Psicologia e têm sido, ao longo dos anos, o principal espaço de práticas no processo de formação do psicólogo, visando cumprir, desde o seu nascimento, um duplo objetivo: subsidiar os alunos e atender a comunidade. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia, os Serviços-Escola são chamados a ampliar sua ação, de modo a atender a uma demanda que cresce continuamente e a se adequar às mudanças na formação. A presente investigação teve como objetivo efetuar uma análise do Serviço de Psicologia Aplicada – SEPA da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, a partir de um estudo descritivo, transversal e comparativo que buscou relacionar dados sobre o funcionamento de Serviços Escola das varias regiões do pais, de modo a identificar lacunas e fundamentar uma discussão quanto à necessidade e possibilidade de mudanças propiciadoras de melhorias. Para a produção de informações, optou-se por uma abordagem mista simultânea ou multimetodos, que utilizou a observação sistemática, a análise documental, a consulta a banco de dados e entrevistas enquanto recursos de investigação. Quanto aos resultados, observa-se que a elevada demanda revelou-se uma dificuldade generalizada em todos os serviços estudados, refletindo um aumento no numero de pessoas buscando atenção psicologia e poucos psicólogos no serviço público que atendam tal demanda. Entretanto, em relação à estrutura física, observa-se uma semelhança de condições, ou seja, um satisfatório atendimento às necessidades. A prevalência de uma forte hegemonia da psicoterapia individual sinaliza que a oferta de serviços não contempla a diversidade de possibilidades do campo psi. Por outro lado, a procura por essa modalidade de atendimento se destaca, o que se deve, em parte, ao imaginário ainda prevalente em relação às atividades do psicólogo, mesmo que inúmeras mudanças tenham exigido uma redefinição das habilidades e competências desenvolvidas ao longo da formação profissional. Pode-se concluir que, de modo geral, há um apego a modelos teóricos cristalizados, não estando clara a abrangência do termo “Serviço de Psicologia”, bem como, certo desconhecimento e/ ou afastamento em relação às diretrizes curriculares do curso de psicologia. Partindo dessas lacunas, percebeu-se uma fragilidade no Serviço Escola, mesmo considerando a sua importância para a formação do futuro psicólogo. Sugere-se, assim, a proposição de espaços de discussão que, sistematicamente, informem e aproximem os que integram os Serviços Escola e, potencialmente, possam subsidiar a ampliação da quantidade e qualidade da oferta de cuidados.
Mostrar mais

81 Ler mais

Serviço-escola : um projecto para o ensino clínico no curso de licenciatura em enfermagem

Serviço-escola : um projecto para o ensino clínico no curso de licenciatura em enfermagem

EUA, considerados inovadores, como o CCM (referido anteriormente por Maguire et al., 2012), o WINNER 5 e o Second Degree BSN 6 . Nestes modelos a predominância é do modelo de educação de precetor/mentor, sendo que uma das principais características é o tipo de parceria estabelecida entre as instituições de ensino e as instituições de saúde. Os resultados da investigação realizada permitiram identificar em todos os modelos quatro temas emergentes: inter-relações de suporte, preparação adequada, flexibilidade e comunicação (Teel et al., 2011, p. 368). O primeiro tema identificado refere-se ao relacionamento estabelecido entre os EE, os professores e os precetores, entre os EE e a escola e a instituição de saúde, e ao relacionamento entre as instituições envolvidas, tendo os autores considerado que foi fundamental para o sucesso da implementação dos modelos e para a inovação. Na preparação adequada os autores referem-se não só à preparação dos EE para a prática clínica, mas também, à preparação dos precetores para a orientação dos EE, assim como, ao reconhecimento da sua função e às estratégias de compensação, podendo ser económicas ou outras. A flexibilidade foi considerada um elemento chave para a inovação, no sentido de que era importante para a adaptação às necessidades de cada uma das organizações e introdução das mudanças respetivas durante o processo de implementação, quando surgiam dificuldades ou barreiras, requerendo abertura e uma cultura organizacional propícia à mudança. A comunicação também foi considerada fulcral, no sentido de que a necessidade de manter todos os intervenientes adequadamente informados era fundamental e exigia um sistema de comunicação forte e regular, consistindo em reuniões entre os responsáveis das instituições envolvidas, em reuniões entre EE, professores e precetores, na aposta no desenvolvimento das competências de comunicação dos EE, e na utilização de variadas estratégias para promover a informação entre todos, como a impressão de documentos, entrevistas (EE, precetores), web sites, correio eletrónico, questionários, entre outras.
Mostrar mais

600 Ler mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO DE PACIENTES ATENDIDOS NO SERVIÇO DE MEDICINA DE UMA CLÍNICA ESCOLA

AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO DE PACIENTES ATENDIDOS NO SERVIÇO DE MEDICINA DE UMA CLÍNICA ESCOLA

Avaliar a satisfação dos pacientes quanto ao serviço recebido na área da saúde tem sido cada vez mais utilizado como um importante parâmetro definidor da qualidade do serviço prestado 1 . Em 1978, Donabedian instituiu três pilares para avaliação da qualidade dos serviços de saúde que, em conjunto, seriam capazes de identificar as falhas, de modo a tornar possível sua correção precoce e melhorar o resultado de saúde final do paciente 2 . Os indicadores de qualidade sugeridos foram: estrutura, processo e resultado. O estudo da estrutura avalia as características dos recursos utilizados pelo serviço, incluindo a organização administrativa, instalações físicas, recursos humanos, materiais e financeiros e capacitação dos profissionais empregados. A avaliação do processo descreve as atividades do serviço de assistência, a competência médica e a adequação à prática rotineira e os aspectos éticos na relação entre profissionais e pacientes. Por fim, a análise do resultado relata o estado de saúde final do doente, sendo a medida mais próxima da avaliação do cuidado total recebido pelo paciente 2,3,4 .
Mostrar mais

13 Ler mais

Perfil dos usuários e da demanda pelo serviço da clínica-escola de fonoaudiologia da UFBA

Perfil dos usuários e da demanda pelo serviço da clínica-escola de fonoaudiologia da UFBA

Quanto ao perfil da clínica-escola, o fato do ano de 2004 ter sido o período em que mais atendimentos foram realizados pode ser justificado em decorrência do fato de os atendimentos terem sido iniciados no ano de 2002, o que proporcionou o conhecimento dos usuários pelo serviço, aumentando a demanda nos dois anos subsequentes. Provavelmente, os atendimentos iniciados nesse ano foram concluídos e, após 2 anos, novos pacientes foram convocados para atendimento. Assim, no ano seguinte, poucos pacientes novos puderam ser absorvidos e somente em 2006 um número maior de pacientes foi convocado novamente. Acrescente-se ainda a interferência na oferta de vagas, relacionada ao número de alunos matriculados no estágio.
Mostrar mais

7 Ler mais

FORMAÇĂO CONTINUADA EM SERVIÇO NUMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL EM CHAPECÓ/SC

FORMAÇĂO CONTINUADA EM SERVIÇO NUMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL EM CHAPECÓ/SC

(2) Visão negativa quanto à família dos alunos que frequentam a escola, pois conforme a fala de um professor: “o tempo que os alunos passam na escola é pouco, visto as 20 h com a família estraga tudo”, porém argumentam que a escola é como um refúgio para as crianças em comparação com a família que têm, além de também definem as crianças por suas famílias: “filho de peixe, peixinho é”. Quanto a esse ponto podemos citar Collares e Moysés (1996) que realizaram uma pesquisa com professores, diretores e profissionais de saúde quanto à prática de encaminhamento de crianças empobrecidas para os serviços médicos, o que se traduz na patologização do processo de ensino-aprendizagem. As autoras destacam que os sujeitos pesquisados apontam vários “culpados” pelo baixo rendimento escolar, dentre eles, a família. Segundo as autoras, há a visão negativa quanto às famílias empobrecidas entendidas como “desestruturadas”, isso inclui, alcoolismo, desemprego, pais analfabetos, falta de interesse e estímulo, falta de responsabilidade dos pais, que não colaboram, entre outros. Apesar de ser uma pesquisa com duas décadas ainda se faz atual nos discursos dos professores da escola onde é realizado o projeto de formação continuada.
Mostrar mais

12 Ler mais

Formação continuada em serviço: a percepção dos docentes em uma escola estadual de Erechim (RS)

Formação continuada em serviço: a percepção dos docentes em uma escola estadual de Erechim (RS)

Esta pesquisa tem como objetivo principal analisar a percepção dos docentes de uma escola estadual no município de Erechim (RS) sobre os programas de formação continuada de professores. Foram realizadas entrevistas semi- estruturadas com quatro professoras, versando de maneira mais específica a respeito da última formação realizada por elas, mas buscando pensamentos mais gerais sobre a formação continuada. Termo complexo, a formação continuada é a área com o papel de estudar e intervir nas formas pelas quais os docentes aprendem e desenvolvem a sua prática educativa, promovendo a reflexão da prática e da ação; é mais do que um momento para obter métodos de ensino, mas sim de refletir sobre a prática, sobre a ação e sobre a própria reflexão previamente realizada. As entrevistas realizadas com as docentes revelaram o papel da formação continuada para a mudança da ação educativa, mas também sinalizaram para o caráter personalista de vários cursos de formação, tornando-o mais um momento de diálogo e conversa do que de reflexão e crítica. Mesmo assim, a formação analisada conseguiu provocar mudanças na ação docente das entrevistas, trazendo mais significado a sua prática, pelo menos relacionando o curso com a reflexão, ainda que de forma muito breve. As conversas com as docentes também revelaram, todavia, a necessidade de mais investimentos na educação de forma geral e especificamente nos cursos e programas de formação continuada ofertados aos professores, melhorando a qualidade desses programas segundo as indicações encontradas na literatura especializada.
Mostrar mais

52 Ler mais

A sinfonia da educação: novas perspectivas para atuação do profissional de Serviço Social na escola

A sinfonia da educação: novas perspectivas para atuação do profissional de Serviço Social na escola

A presente pesquisa teve como objetivo investigar o rebatimento dos problemas sociais presentes na sociedade, refletidos sobre o cenário escolar e suas conseqüências para o aprendizado do estudante, compreendendo tais problemas como objeto de trabalho do profissional de Serviço Social. Apresentamos inicialmente neste estudo uma breve trajetória histórica da educação brasileira para melhor compreensão das mudanças que a educação sofreu até seu momento de abertura a todas as classes sociais. Posteriormente, a interferência de um novo modelo econômico, “o liberalismo”, passa a dividir a educação novamente em status sociais, cabendo à iniciativa privada a educação de “qualidade”. Perante esta situação discutimos sobre a influência do sistema econômico nas mudanças de valores e paradigmas estabelecidos em sociedade, as metamorfoses que a família brasileira vem sofrendo e sua interferência na vida dos filhos e, consequentemente, no seu rendimento escolar. Nessa perspectiva, foi escolhido como universo para realização deste estudo, a escola pública E.E. Profª. Dalva Lellis Garcia do Prado, localizada na cidade de Guaíra - SP, a qual se encontra classificada entre as 100 piores escolas do estado de São Paulo segundo o Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP) de 2007, e como sujeitos da pesquisa representantes de todos os segmentos presentes no cotidiano escolar: estudantes, pais/responsáveis, professores e direção escolar. Este estudo possibilitou a compreensão da realidade social dos sujeitos pesquisados, auxiliando no estabelecimento de estratégias de intervenção operacionalizadas pelo profissional de Serviço Social, frente aos problemas sociais que interferem neste contexto.
Mostrar mais

146 Ler mais

ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL

ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL

Entendemos então que a população inquirida viveu numa sociedade extremamente pobre e atrasada, onde ter aspirações e possibilidades de as concretizar era um privilégio apenas de alguns. Daí que, no que respeita à pergunta 1 da Escala de Satisfação com a vida “Qual é o seu grau de satisfação relativamente aos objectivos que traçou para a sua vida, ou àquilo que tinha idealizado tornar-se?”, dos 45 inquiridos que responderam à escala, apenas 34 responderam a esta pergunta. Os 15 inquiridos que não responderam referiram não ter traçado objectivos de vida, talvez pelo facto das suas condições de vida não lhes terem sido favoráveis à idealização de projectos de vida diferentes dos trajectos de vida dos seus ascendentes ou antepassados, como já atrás realçámos. Daí as dificuldades na aplicação desta escala, principalmente nesta pergunta em que a ausência de idealização de projectos de vida inviabilizou a determinação do grau de satisfação daqueles 15 inquiridos. No respeitante aos 34 respondentes, constatámos que se manifestaram entre algo insatisfeitos (média: 3,64 na instituição 2) e algo satisfeitos (média: 3,94 na instituição 1) relativamente aos objectivos e aos ideais que traçaram para a sua vida, um resultado que poderá ter algum significado num contexto em que as condições eram desfavoráveis à idealização projectos de vida. Para os que imaginaram projectos de vida diferentes das suas reais concretizações, tais projectos reflectem um baixo nível de aspirações (como por exemplo, algumas das aspirações verbalizadas por alguns dos inquiridos passavam simplesmente por “gostar de ter ido à escola”, “ser costureira”, “ser mecânico”, entre outras). Comparando estes resultados com os resultados obtidos pelos autores nos seus dois estudos, verificamos uma realidade um pouco diferente. Os idosos americanos inquiridos apresentam médias de 4,701 e 4,780 respectivamente, manifestando-se moderadamente satisfeitos com a vida.
Mostrar mais

186 Ler mais

Formação em serviço: significado do "Programa Ler e Escrever" numa escola municipal...

Formação em serviço: significado do "Programa Ler e Escrever" numa escola municipal...

Analisamos o Guia de Planejamento do Professor Alfabetizador e percebemos que ele funciona mais como um manual, contendo procedimentos, objetivos a serem atingidos e estratégias para o alcance das metas determinadas. As atividades contidas no Guia correspondem às concepções e à ideologia inerentes aos Parâmetros Curriculares Nacionais – PCNs. O passo-a-passo e o receituário, com um número intenso de atividades para o planejamento do professor, parece refletir a busca da inserção dos PCNs na sala de aula, sob nova maquiagem e sob pretextos mais específicos (alfabetização até o final do primeiro ano). As atividades evidenciam as concepções contidas nos Parâmetros Curriculares Nacionais e vertentes similares apresentando como pano de fundo, teorias do desenvolvimento psicológico, o construtivismo como proposta pedagógica, como critério didático e avaliativo. Dalsan (2007, p. 30) traz Andaló (1995 apud Lara, 2006) que retrata a insistência oficial em combater o insucesso da escola a partir de cursos de aperfeiçoamento que pretendem sanar os problemas da escola pública ensinando aos professores teorias de psicologia do desenvolvimento, como se a psicologia tivesse todas as respostas à educação e pudesse controlar a relação ensino-aprendizagem.
Mostrar mais

280 Ler mais

Comunicação escola-família: gestão de informação e o serviço de orientação educacional

Comunicação escola-família: gestão de informação e o serviço de orientação educacional

6HOHFLRQH D PHQVDJHP TXH TXHU 5HGLUHFLRQDU 6HOHFLRQH 5HGLUHFW GR PHQX 0HVVDJH SDUD DSDUHFHU D MDQHOD GH FRPSRVLomR XGRUD FRPSOHWD RV FDPSRV URP FRP RV HQGHUHoR GR UHPHWHQWH H DV SDODYUD[r]

182 Ler mais

Colégio de Nossa Senhora do Rosário : Uma escola com identidade ao serviço da liberdade de opção educativa

Colégio de Nossa Senhora do Rosário : Uma escola com identidade ao serviço da liberdade de opção educativa

Tal representa que, a par com uma formação académica sólida e a preocu- pação com uma educação que contemple e promova as diferentes dimensões do Ser Pessoa, queremos desenvolver nos nossos alunos o sentido do Outro e, de forma especial, a atenção aos mais carenciados de justiça e aos mais desprotegidos da nossa sociedade. O trabalho que desenvolvemos em torno desta dimensão, concretiza-se em múltiplos projectos e acções, mas consubstan- cia-se sobretudo através do nosso Programa A.J.U.D.A. (A Acção-JJustiça-U União- -D Dádiva-A Amor), que reúne um conjunto de projectos que proporcionam a todos os membros da Comunidade Educativa, especialmente aos alunos, o envolvi- mento quotidiano em projectos de voluntariado e de serviço a grupos mais desfavorecidos. Este é simultaneamente um programa de intervenção social e um programa educativo, pelo forte potencial que tem de desenvolvimento de valores e de competências naqueles que nele participam.
Mostrar mais

6 Ler mais

O saber e o poder da escola a serviço da cidadania do enfermeiro: mentiras que parecem verdades....

O saber e o poder da escola a serviço da cidadania do enfermeiro: mentiras que parecem verdades....

Este trabalho pretendeu provocar a reflexão dos educadores em enfermagem para as incongruências, que vez por outra cometemos ao organizar nosso trabalho pedagógico. Ressaltamos o quão desaceleradoras são estas inconsistências para o futuro de nossa profissão. E, embora tenhamos parcela de culpa neste estado de coisas, pois somos professores igualmente cometedores destes enganos, ousamos compatilhar nossas vulnerabilidades, apostando na nossa capacidade de reveter a lógica da formação, a patir de um diagnóstico concreto de nossas reais possibilidades de enfrentar o poder constituído, fazendo da Escola de Enfermagem um espaço de resistência e de organização dos futuros enfermeiros para conjuntamente resgatarmos a cidadania de nossa profissão.
Mostrar mais

8 Ler mais

Perfil sociodemográfico, clínico e obstétrico de puérperas atendidas em um serviço de saúde escola

Perfil sociodemográfico, clínico e obstétrico de puérperas atendidas em um serviço de saúde escola

Neste contexto, atenção especial se deve ao fato de o local utilizado para a realização deste estudo, caracterizado como serviço de saúde escola e que promove assistência a[r]

57 Ler mais

Telefonoaudiologia na fissura labiopalatina: integração de serviço de alta complexidade e clínica-escola

Telefonoaudiologia na fissura labiopalatina: integração de serviço de alta complexidade e clínica-escola

- Oferecimento de terapias fonoaudiológicas semanais no CEES aos pacientes; orientações aos pacientes e cuidadores sobre os objetivos das terapias propostas e necessidade do envolvimento dos cuidadores no desenvolvimento de atividades diárias; orientações sobre necessidade de avaliações específicas no centro de alta complexidade para definições de conduta e orientações sobre necessidade de adesão aos atendimentos oferecidos pelo serviço de alta complexidade e pela clínica-escola. As orientações são oferecidas por meio de exposições orais (utilizando como apoio manuais educativos, registros de documentação fonaoudiológica) ou por meio de vídeos educativos.
Mostrar mais

6 Ler mais

Show all 10000 documents...