Sistema de custeio baseado em actividades

Top PDF Sistema de custeio baseado em actividades:

Projecto de implementação do sistema de custeio baseado nas actividades numa empresa da indústria aeronáutica - o caso da Dya'Aero Ibérica, S.A.

Projecto de implementação do sistema de custeio baseado nas actividades numa empresa da indústria aeronáutica - o caso da Dya'Aero Ibérica, S.A.

O estudo de caso materializou-se, inicialmente, no planeamento de todo o processo de investigação, de forma a desenvolver uma sequência metodológica e a clarificar todos os objectivos da investigação. Na fase inicial, o processo de investigação do estudo de caso consistiu no levantamento, análise e revisão da bibliografia adequada nacional e internacional referente à temática, indo ao encontro dos pressupostos delineados por Ryan et al. (2002). Este teve como objectivo a obtenção da literatura sobre a Contabilidade de Gestão, o sistema de Custeio Baseado em Actividades e sua implementação, e ainda o sistema de Custeio Baseado em Actividades e Tempos. De seguida, procedeu-se ao levantamento de informação sobre o objecto de estudo. A este respeito, importa salientar que a opção pela empresa DAI se deveu, principalmente, à facilidade de obtenção da informação, pelo conhecimento de todo o contexto envolvente na empresa e à necessidade, por parte da empresa, de implementar um sistema de controlo de gestão. Deste modo, na sequência da expansão de mercado e da globalização, a DAI encontra-se no âmbito da certificação da qualidade, e consequente projecção de implementação de um sistema de controlo de gestão. Como referido anteriormente, o estudo irá incidir em apenas um produto, mais concretamente o avião MCR 4S nos diferentes tipos de acabamento. Foi escolhido este produto porque a empresa “mãe” está a desenvolver a certificação deste tipo de modelo de avião e no qual se pretende desenvolver um controlo de gestão, no entanto, perspectiva-se futuramente aplicar o controlo de gestão em toda a família de aviões de dois e quatro lugares.
Mostrar mais

163 Ler mais

Avaliação do desempenho nos serviços de saúde: aplicação do sistema de custeio baseado em actividades a uma unidade de cuidados intensivos polivalente

Avaliação do desempenho nos serviços de saúde: aplicação do sistema de custeio baseado em actividades a uma unidade de cuidados intensivos polivalente

É sabido que os custos com a saúde têm aumentado de forma incessante, contribuindo para a insustentabilidade da despesa pública neste sector (Devine et al., 2008). Apesar de se reconhecer que grande parte deste aumento é devido à evolução tecnológica que, como se sabe, contribuiu amplamente para a melhoria dos indicadores de qualidade em termos de ganhos em saúde, é hoje impreterível que se comece a controlar a gestão dos fundos públicos, devendo este objectivo passar inevitavelmente pela incorporação de princípios de consciencialização para o controlo de gestão na classe médica, desde logo porque um dos mais importantes geradores de custos é o tempo de permanência do doente no hospital (Cooke, 2010). Também o sistema de financiamento pouco elástico de origem nos GDHs, bem como outras formas de financiamento rígidas, incorporam a necessidade dos hospitais de expandir ou restringir determinadas linhas de produtos com base nas necessidades dos utentes e na rentabilidade das mesmas (Ramsey, 1994).
Mostrar mais

193 Ler mais

Implementação do sistema de custeio baseado em actividades (CBA) numa Instituição de Ensino Superior em Cabo Verde

Implementação do sistema de custeio baseado em actividades (CBA) numa Instituição de Ensino Superior em Cabo Verde

25 Segundo Malmi (1997) apud Santos (2006) a maioria dos sistemas de custeio por actividades introduzidos nos últimos anos acabou por falhar. O uso do modelo CBA para a supervisão do grupo de administração, sem qualquer acto consequente, leva à falha do modelo na perspectiva do apoio à tomada de decisão. A perspectiva de apoio à tomada de decisão pode ser insuficiente para capturar a dimensão de utilizações do modelo CBA que podem ser colocadas em prática, mas o sucesso do modelo no apoio à tomada de decisão não depende do efeito sobre as acções ou decisões tomadas, mas sim da capacidade de realizar diagnósticos correctos da situação.
Mostrar mais

88 Ler mais

Implementação do custeio baseado nas actividades numa PME

Implementação do custeio baseado nas actividades numa PME

No início da minha integração na empresa era o sistema de custo padrão que vigorava para o apuramento de custos. O objectivo traçado para um melhor controlo de gestão foi a implementação do sistema de custo baseado nas actividades (ABC), pois é o sistema de custeio que oferece melhor nível de informação. Não foi implementado na totalidade, devido à complexidade do processo produtivo e por dúvidas de parte da administração. No entanto, o meu trabalho foi orientado com base no método ABC para obtenção de informações detalhadas dos processos e dos custos existentes em cada secção. Inicialmente, começou-se por dividir todos os centros de custos; todas as secções foram abrangidas embora nem todas estejam a ser devidamente acompanhadas. É fundamental o chefe de cada secção responsabilizar-se pela sua área e transmitir aos restantes os seus desempenhos e vice-versa. Numa segunda parte, foi criada a definição e distribuição dos rateios pelos centros de custo e a elaboração do cálculo das secções principais e auxiliares. Por fim, um dos aspectos que maior destaque teve na empresa foi a análise de desvios sobre os custos pré- estabelecidos, visto que na empresa não era feito este tipo de análise mensal de desvios (com excepção da caneladora). Em todas estas fases o meu envolvimento foi determinante, sempre em colaboração com o Economista/Contabilista.
Mostrar mais

92 Ler mais

Custeio Baseado nas Actividades - Aplicação a uma empresa do sector das tecnologias de informação

Custeio Baseado nas Actividades - Aplicação a uma empresa do sector das tecnologias de informação

Este trabalho visa apresentar o Custeio Baseado nas Actividades - CBA como uma das metodologias fundamentais para gerir os custos mas também, para gerir a eficiência da execução das actividades e respectivos processos operacionais. Para tal, abordámos os seguintes temas: - Apresentação do Custeio Baseado nas Actividades; - A importância da Gestão das Actividades e o seu impacto na Eficiência de Processos; - Aplicação do Custeio Baseado nas Actividades a duas unidades de negócio de uma empresa portuguesa do sector das tecnologias de informação. Como resultado, destaca-se que o CBA é um óptimo veículo para: - Verificar as actividades que necessitam de maiores investimentos bem como, apurar os seus custos unitários, o que permite antecipadamente aos gestores aferirem mais facilmente a rendibilidade real de cada projecto a executar; - Minimizar a utilização de taxas de repartição nos custos indirectos, favorecendo a tomada de decisão sobre as várias actividades realizadas; - Tornar mais justa a definição dos Preços de Transferência Interna pois, permite aos gestores terem uma referência real dos custos das actividades que são desempenhadas; - Envolver os diversos gestores operacionais no Sistema de Controlo de Gestão e na Estratégia Empresarial definida uma vez que, os custos dos serviços internos se tornam mais perceptíveis.
Mostrar mais

16 Ler mais

Viabilidade da implementação do custeio baseado nas actividades (CBA) nos diversos sectores de actividade

Viabilidade da implementação do custeio baseado nas actividades (CBA) nos diversos sectores de actividade

Chan (1993) refere a existência de dois tipos de custos associados com qualquer sistema de custeio: custos de medidas e custo dos erros. Os custos de medidas incluem os custos de obtenção da informação e os custos de computação. Os custos de medidas são mais altos com o CBA do que com o antigo sistema, visto que o CBA necessita de mais indutores de custo, logo é necessário mais esforços na reunião de informação, bem como no seu tratamento. Os custos dos erros incluem o custo de fabricar um produto de má qualidade, um péssimo investimento em capital e incorrectas decisões orçamentais. Os custos dos erros são maiores nos sistemas antigos do que no CBA, porque a informação é menos correcta. O CBA deverá ser somente implementado quando a diminuição do custo dos erros exceder o aumento do custo das medidas. De facto, o CBA fornece maiores benefícios às empresas que enfrentam uma grande concorrência porque neste caso o custo dos erros no sistema antigo é muito grande.
Mostrar mais

21 Ler mais

Proposta de implementação de um sistema baseado nas actividades numa associação

Proposta de implementação de um sistema baseado nas actividades numa associação

O Sistema de Custeio Baseado nas Atividades é um sistema de custos que tem como principal objetivo avaliar com precisão as atividades desenvolvidas numa organização, utilizando indutores de custos para alocar os custos indiretos de uma forma mais realista aos produtos e serviços. Segundo Blocher et al (2007), apropria os custos para os produtos por meio de atividades. Tendo sido considerado de dispendiosa implementação, durante muitos anos e, por isso apenas grandes organizações poderiam suportar os custos inerentes. Fatores como o desenvolvimento tecnológico da informação e dos computadores, no armazenamento e no tratamento dos dados – incluindo os Big Data –, permitiram que os custos de identificação, medição e divulgação dos dados tenha decrescido e vários tipos de organização o passassem a adotar.
Mostrar mais

94 Ler mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA DE CUSTEIO BASEADO NAS ACTIVIDADES PARA O SECTOR DO TRANSPORTE PÚBLICO RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA DE CUSTEIO BASEADO NAS ACTIVIDADES PARA O SECTOR DO TRANSPORTE PÚBLICO RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

Torna-se patente que apesar de o sistema de transportes em Portugal apresentar uma dependência em relação ao modo rodoviário muito maior que a média comunitária, como realçado no Quadro 1, bem como fragilidades ao nível da especialização essencialmente de natureza estrutural, está a ser e será também no futuro atingido pelo mesmo tipo de medidas que se preconizam no Livro Branco. Sequeira (1999b) vai mais longe e considera que perante a dimensão do nosso país “dificilmente se aceita no plano interno o uso da solução intermodal (…) A interoperacionalidade entre modos de transporte é tecnologicamente exigente e dispendiosa, carecendo de distâncias suficientemente longas para se tornar viável”.
Mostrar mais

116 Ler mais

Sistemas de custeio no âmbito da contabilidade de custos : o custeio baseado nas actividades, um modelo e uma metodologia de implementação

Sistemas de custeio no âmbito da contabilidade de custos : o custeio baseado nas actividades, um modelo e uma metodologia de implementação

pretendia apenas que os materiais estivessem disponíveis exactamente na altura necessária, nem antes, nem depois. Porém, este conceito de optimização de recursos rapidamente se alargou, adquirindo contornos de filosofia de produção e de gestão. No JIT, a produção e as compras só se efectuam quando há uma necessidade vinda a juzante do processo produtivo – as actividades ao realizarem-se “puxam” as que lhes estão a montante e só nessa altura estas últimas devem ocorrer (sistema pull). Quanto à estrutura produtiva, esta está baseada em células produtivas e não em departamentos 93 . Cada uma das células está dotada de um conjunto de equipamentos que podem desempenhar diversas tarefas e o pessoal que lhes está afecto também é suficientemente flexível para operar com qualquer uma delas.
Mostrar mais

274 Ler mais

Um modelo de gestão e custeio baseado em actividades (ABC/M) para PME's

Um modelo de gestão e custeio baseado em actividades (ABC/M) para PME's

Neste trabalho de investigação, pretende-se por um lado, explicar o modelo ABC/M conceptualmente através da revisão bibliográfica dos autores que marcaram o aparecimento do ABC (Activity Based Costing, i.e. custeio baseado em actividades) e do ABM (Activity Based Management, i.e. gestão baseada em actividades) nos anos 80 e 90 e por outro lado, demonstrar a validade do modelo ABC/M enquanto ferramenta para a gestão moderna dos custos nas empresas. Neste sentido, serão muitas vezes citados neste projecto, devido a importância que tiveram e continuam a ter com os seus contributos, diversas individualidades que se dedicaram a criação e ao desenvolvimento dos sistemas baseados nas actividades, e.g. Kaplan, Cooper, Johnson, Turney e Cokins. Muitos outros autores e académicos escreveram sobre ABC e ABM mas partindo sempre dos contributos pioneiros destes autores. Importa, também, referir a importância, que a CAM-I e a IMA, associadas às empresas, assumiram no desenvolvimento de novas práticas de gestão de custos nomeadamente através da promoção do ABC. Mais recentemente destaca-se o trabalho de Steve Anderson. Anderson e Kaplan, desenvolveram um modelo de implementação do ABC mais simplificado que denominaram de TDABC (Time Driven ABC). Neste projecto de investigação, estudaram- se pormenorizadamente os elementos básicos dos modelos ABC e ABM, de forma a compreender as potencialidades que a informação gerada pelos sistemas ABC e que as ferramentas do ABM podem assumir para a tomada de decisão nas empresas. Deste trabalho, surgiu um modelo integrador denominado de ABC/M. Recorrendo-se a um caso prático também se apresenta uma implementação do sistema proposto (i.e. ABC/M). Desta forma, este projecto de investigação procurou responder à seguinte questão de investigação:
Mostrar mais

226 Ler mais

Taxas de utilização do Custeio Baseado nas Actividades. Revisão de estudos empíricos

Taxas de utilização do Custeio Baseado nas Actividades. Revisão de estudos empíricos

Clarke e O’ Dea (1994) realizaram entrevistas semi-estruturadas com responsáveis financeiros de dezasseis grandes multinacionais que operam na Irlanda. Um dos objectivos do estudo era a análise do método de apuramento do custo dos produtos, dando particular ênfase à utilização do custeio baseado nas actividades. As conclusões mostraram que apenas duas das empresas o utilizam, mas ainda numa fase inicial, o que faz com que os resultados da sua implementação não sejam ainda significativos. Os entrevistados identificaram algumas causas para a baixa taxa de utilização do custeio baseado nas actividades. Em seis das empresas é referida a impossibilidade de alterar o sistema vigente devido à necessidade de comparação internacional entre as diversas filiais. Outros factores referidos foram o baixo peso de custos indirectos e o facto de produzirem apenas um produto.
Mostrar mais

15 Ler mais

A estrutura de custos das actividades económicas portuguesas e o custeio baseado nas actividades

A estrutura de custos das actividades económicas portuguesas e o custeio baseado nas actividades

Naraynan e Sarkar (1999) defendem que para implementar o CBA numa empresa é necessário realizar várias análises. Além das regras já definidas por Kaplan e Cooper, dizem que é necessário abordar outros aspectos. Como por exemplo, depende do tipo de mercado em que estamos inseridos. Num ambiente de equilíbrio com expectativas racionais, os gastos gerais e a variação da procura de serviços pelos clientes estão reflectidos, eficientemente, nos preços de mercado. Neste caso, os preços servem de substitutos à informação dos sistemas de custos internos. Um outro aspecto é a situação em que os gestores intuitivamente conseguem perceber os padrões de consumo dos recursos sem ser necessário a utilização de um sistema de custos formal.
Mostrar mais

22 Ler mais

Implementação de um sistema de custeio por actividades nos hospitais do SNS

Implementação de um sistema de custeio por actividades nos hospitais do SNS

Mitchell, 1998). O ABC trata de forma diferente os custos indirectos, partindo do princípio de que nem todos se encontram relacionados com o volume. Efectivamente, no actual meio envolvente de negó- cios, os desenvolvimentos tecnológicos e exigências dos clientes conduziram a que actividades mais com- plexas sejam realizadas nas organizações (incluindo os hospitais). Em resultado desta situação, os custos indirectos deixaram de estar primeiramente associa- dos com volumes de produção e vendas para estarem dependentes do número de transacções, as quais cor- respondem a trocas de materiais e informação nas organizações (Miller e Vollmann, 1985). O conceito de actividade na abordagem ABC incorpora a ideia de transacção, e de que aquilo que é causador de custos é a realização de actividades (Major e Vieira, 2008). Em síntese, são as actividades e não o volume da produção que explicam os custos, pois são estas que explicam o maior ou menor consumo de recur- sos. Na selecção dos cost drivers de actividades, há que atender à natureza da actividade e dos custos que lhe foram imputados para seleccionar o melhor driver e atribuir da forma mais adequada os custos aos objectos de custeio. Para que um sistema ABC se encontre tecnicamente bem desenvolvido é funda- mental garantir que os cost drivers de actividades sejam da mesma natureza das actividades, isto é, se a actividade comportar custos que estejam relaciona- dos com volumes de produção, haverá que escolher um cost driver baseado em volumes de output. Ao contrário, e como cada vez mais tende a ocorrer, se os custos incluídos na actividade não se relacionarem com volumes de output, haverá que escolher um cost driver mais complexo, não orientado para o volume de produção e vendas.
Mostrar mais

20 Ler mais

SISTEMAS TRADICIONAIS DE CUSTEIO E SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES: UMA COMPARAÇÃO DOS SISTEMAS ADOTADOS NA GESTÃO HOSPITALAR

SISTEMAS TRADICIONAIS DE CUSTEIO E SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES: UMA COMPARAÇÃO DOS SISTEMAS ADOTADOS NA GESTÃO HOSPITALAR

A apuração e o controle dos custos são ferramentas essenciais para qualquer organização, principalmente para as organizações hospitalares, que enfrentam usualmente limitações em relação aos recursos disponíveis. O presente estudo analisa e compara os diferentes métodos de custeio, entre eles, variável, absorção, RKW e ABC, sendo os três primeiros considerados sistemas tradicionais de custeio. Os métodos Custeio Variável e Custeio por Absorção são os adotados tradicionalmente nas empresas em geral e têm se mostrado inapropriados quando estas atuam em mercados instáveis ou que fornecem produtos inovadores e diversificados, em que os custos dos recursos são de difícil apuração. A diferença entre eles deve-se ao fato de que no custeio variável leva-se diretamente ao resultado os custos fixos, ou seja, são considerados como despesa do período, enquanto que no custeio absorção ficam "estocados" nos produtos não vendidos.
Mostrar mais

27 Ler mais

SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES EM UMA ÁREA PILOTO DE UMA EMPRESA DE AUTOPEÇAS

SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES EM UMA ÁREA PILOTO DE UMA EMPRESA DE AUTOPEÇAS

Inicialmente, o trabalho descreve em linhas gerais como está o ambiente de negócios, depois da abertura do mercado brasileiro, no âmbito internacional. E dentro deste contexto, o mercado de autopeças. É feita uma conceituação breve do que é a Equipamentos Clark Ltda, e como o sistema de custeio atualmente utilizado está estruturado, mostrando seus pontos fortes e fracos. Em seguida, serão apresentados os princípios básicos da teoria do Custeio Baseado em Atividades, seguidos da metodologia que foi usada no projeto-piloto.

18 Ler mais

APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES (ABC) EM INDÚSTRIA DE SUBSTRATO PARA PLANTAS E FERTILIZANTES

APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES (ABC) EM INDÚSTRIA DE SUBSTRATO PARA PLANTAS E FERTILIZANTES

Inserida no ramo industrial de substrato para plantas e fertilizantes, setor que apresentou crescimento considerável nos últimos anos, a indústria estudada neste trabalho produz substrato e se localiza em Prata-MG, cidade pertencente a uma região com grande produção e consumo do produto. Com o objetivo de auxiliar os tomadores de decisão da empresa, aplicou-se nela o sistema de custeio baseado em atividades, ou custeio ABC, cujos resultados podem destacá-la de seus concorrentes. O custeio ABC é uma ferramenta poderosa para se estudar os custos de uma empresa, pois permite mensurar quanto custa cada atividade desenvolvida por ela, bem como o custo de fabricação de seus produtos, levando em consideração o consumo de matéria prima, mão de obra, energia elétrica, depreciação, etc. Constatou-se que a empresa calculava o custo de seus produtos com base somente no consumo de matéria prima, e este estudo verificou que um de seus substratos tem custo de produção 76% superior ao valor considerado pela empresa. Por fim, as próximas seções abordam as definições das ferramentas e dos conceitos utilizados neste trabalho, incluindo fluxograma de processos e custeio ABC, e em seguida aborda a metodologia adotada na aplicação da ferramenta, o estudo de caso, a discussão e análise dos resultados, até chegar, enfim, às considerações finais do estudo.
Mostrar mais

28 Ler mais

Avaliação comparativa do custeio baseado em atividades e do custeio variável: um...

Avaliação comparativa do custeio baseado em atividades e do custeio variável: um...

O IPEN é uma autarquia e não visa lucro. Embora tenha faturamento próprio é mantida por orçamento público federal. As receitas de vendas de produtos são depositadas pelos clientes na conta única do tesouro nacional. Portanto, a finalidade principal de um sistema de gestão de custos é a melhoria na gestão dos recursos e dos processos, de modo que com o mesmo input (recurso) seja possível gerar mais output (resultado). Nesse sentido, a escolha do ABC e do Custeio Variável, justifica-se por ser o ABC, segundo Nakagawa (2001), o mais adequado para apropriar custos indiretos e “introdução de melhorias de produtos e processos como kaisen (aperfeiçoamento contínuo) e eliminação de todas as formas de desperdícios”, e, o Custeio Variável por ser segundo Martins (2008), o mais adequado para tomada de decisões.
Mostrar mais

95 Ler mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES EM UMA ENTIDADE ESTATAL: A FARMÁCIA POPULAR DO BRASIL

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES EM UMA ENTIDADE ESTATAL: A FARMÁCIA POPULAR DO BRASIL

Esta pesquisa objetivou simular a implementação de um sistema de custos baseado em atividades na Farmácia Popular do Brasil do Município de São José – SC. A pesquisa do tipo exploratória foi realizada através de um estudo de caso. Para a coleta de dados usou-se entrevistas semi-estruturadas aplicadas ao responsável pela unidade da farmácia. Os dados foram analisados de forma qualitativa, revelando a importância da interpretação dos dados obtidos. O tema a ser pesquisado mostra-se relevante, pois a aplicação de um sistema de custos na gestão pública torna-se importante com a chegada da Lei de Responsabilidade Fiscal. A fundamentação teórica abordou aspectos sobre sistema de custos, o método de custeio ABC, e também sobre a contabilidade de custos no setor público. Para a descrição do estudo de caso apresentaram-se os aspectos gerais do programa, toda estruturação e documentação necessárias para instalação, com uma evidenciação para a unidade do Município de São José, a qual se desejou aplicar o estudo. Procurou-se ainda, conhecer a estrutura da farmácia, identificar as tarefas desenvolvidas nas atividades, bem como os custos envolvidos. A partir disto, determinaram-se os direcionadores utilizados para a alocação dos recursos às tarefas, para que os custos pudessem ser distribuídos. Após a distribuição dos custos, foi possível observar o custo total, e então, utilizando o volume físico de saída, foram encontrados os custos unitários referentes a cada tarefa desenvolvida nas atividades da farmácia.
Mostrar mais

61 Ler mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE CUSTEIO: UM ENFOQUE À LUZ DO SISTEMA BASEADO NA ATIVIDADE - ABC

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE CUSTEIO: UM ENFOQUE À LUZ DO SISTEMA BASEADO NA ATIVIDADE - ABC

As mudanças no contexto empresarial, oriundas do processo de globalização tem impulsionado o aumento da concorrência entre as empresas. Isso reflete o esforço que as empresas e seus gestores têm feito para buscar alternativas viáveis para se manterem competitivos no mercado. O presente artigo tem como objetivo principal, demonstrar a evolução das ferramentas de custeio, especificamente o sistema de custeio baseado em atividades induzido pelo tempo. O aprofundamento e o aprimoramento na utilização das ferramentas de custos em nível gerencial fez com que elas se tornassem uma importante aliada para o auxílio à tomada de decisões no âmbito empresarial. Conclui-se que o presente estudo atingidiu seu objetivo proposto, à medida que ele contribui para uma retomada histórica entre os sistemas de custeio e traz novas interpretações para as ramificações do sistema de custeio baseado em atividades - ABC.
Mostrar mais

12 Ler mais

Proposta de metodologia para a implantação do sistema de custeio baseado em atividades para organizações hospitalares

Proposta de metodologia para a implantação do sistema de custeio baseado em atividades para organizações hospitalares

O objetivo do presente trabalho é apresentar os resultados de uma pesquisa que visou ao desenvolvimento de uma proposta de metodologia de implantação e de utilização do sistema ABC para organizações hospitalares. Mais especificamente, (i) apresenta-se uma proposta de metodologia definida em 14 etapas que possa ser aplicada em todos os setores de hospitais, (ii) descrevem-se as etapas de implantação (1 a 7) e de utilização (8 a 14) delineadas nessa metodologia, e (iii) apresenta-se os resultados da aplicação das etapas 1 a 7 no setor Central de Materiais Esterilizados (CME). Para a consecução da pesquisa, utilizaram- se informações de estudos realizados em hospitais da cidade de Belo Horizonte/MG ao longo de cinco anos. Por meio da realização de entrevistas semiestruturadas e de participação in loco nas organizações pesquisadas, foi possível obter conhecimento sobre as especificidades, as necessidades e as oportunidades que normalmente devem ser consideradas para a implantação e a efetiva utilização do sistema ABC em organizações prestadoras de serviços de saúde.
Mostrar mais

16 Ler mais

Show all 10000 documents...