sistema plantio direto de hortaliças

Top PDF sistema plantio direto de hortaliças:

Cultivo de brócolos de inflorescência única no verão em plantio direto.

Cultivo de brócolos de inflorescência única no verão em plantio direto.

Em hortaliças, é complexo o esta- belecimento de um SPD a longo prazo, à semelhança do que ocorre em grãos. Tem-se verificado o plantio de culturas sobre a palhada, sem revolvimento do solo (aração e gradagem ou encantei- ramento), porem não permanentes, devido às características intrínsecas à olericultura, quais sejam: mercado mui- to dinâmico, com mudanças na tomada de decisão quanto a “o que plantar” e “quando plantar”; baixa produção de palhada pela grande maioria das hor- tícolas para permanecer com o SPD; adaptabilidade restrita ao plantio sem revolvimento para espécies como, por exemplo, cenoura e batata; muitas uni- dades com área restrita e, consequente- mente, uso intensivo da propriedade. Por outro lado, têm-se alguns facilitadores para efetuar o cultivo de hortaliças em plantio direto, sem revolvimento, ainda que não se atinja o estágio de um sistema de plantio direto em longo prazo, dentre eles: a necessidade de mitigar os proces- sos erosivos causados pelo excessivo revolvimento de solo na época chuvosa nos sistemas convencionais; a oportu- nidade de efetuar rotação de culturas, reduzindo os problemas fitossanitários; a amenização dos picos de temperatura proporcionados pela palhada, conferin- do melhores condições de microclima para algumas espécies hortícolas; a facilidade de produzir palhada na época das chuvas para a produção de hortaliças com irrigação na época seca, prática já utilizada na maioria das unidades produtivas.
Mostrar mais

6 Ler mais

PERDAS DE SOLO, ÁGUA E NUTRIENTES EM ÁREA CULTIVADA COM HORTALIÇAS SOB SISTEMA DE PLANTIO DIRETO

PERDAS DE SOLO, ÁGUA E NUTRIENTES EM ÁREA CULTIVADA COM HORTALIÇAS SOB SISTEMA DE PLANTIO DIRETO

O objetivo deste trabalho foi avaliar as perdas por erosão hídrica, sob chuva natural, de solo, água e nutrientes em um Latossolo Vermelho distrófico cultivado com hortaliças sob diferentes sistemas de manejo. O trabalho realizado no campo experimental da Embrapa Hortaliças, em experimento iniciado em dezembro de 2007. Foi utilizado o delineamento experimental de blocos ao acaso com 3 repetições. Foram avaliados três sistemas de preparo do solo: Plantio Direto – PD; Plantio com Preparo Reduzido – PPR e Preparo Convencional – PC, ambos cultivados com repolho no inverno. Em cada parcela foi instalada uma unidade coletora de água e solo com área de 3m² e uma calha para coleta de sedimentos. As perdas de solo e água foram quantificadas no período de 17 de dezembro de 2011 a 27 de abril de 2012. Ao final, todo o sedimento depositado na calha foi analisado para os teores de nutrientes e matéria orgânica. O PD apresentou menor taxa de perda de água, com redução de 90%, quando comparado ao PC. Os sistemas PD e PPR apresentaram perdas de solo, 11 e 6 vezes menores, respectivamente, que o PC. As taxas de empobrecimento de P e K foram maiores nos sistemas conservacionistas (PD e PPR).
Mostrar mais

13 Ler mais

Plantas de cobertura de inverno em sistema de plantio direto de hortaliças sem herbicidas: efeitos sobre plantas espontâneas e na produção de tomate.

Plantas de cobertura de inverno em sistema de plantio direto de hortaliças sem herbicidas: efeitos sobre plantas espontâneas e na produção de tomate.

O objetivo deste trabalho foi eliminar o uso de herbicidas nas lavouras de tomate, em sistema de plantio direto (PD). Para conhecer a melhor combinação de plantas de cobertura (PC) de inverno para o controle de plantas espontâneas (PE) e a produção do tomate, conduziu-se experimento a campo na Estação Experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (EPAGRI) de Ituporanga, Santa Catarina (SC). Foram testadas a aveia preta (Avena strigosa Schreb), a ervilhaca (Vicia villosa Roth) e o nabo forrageiro (Raphanus sativus L.) em sistemas de cobertura solteiros e consorciados. O tomate, variedade Márcia-EPAGRI, foi tutorado e conduzido sob sistema de fertirrigação. Os melhores tratamentos na produção de matéria seca (MS) de PC foram aveia + ervilhaca e aveia solteira, seguidos de ervilhaca + nabo, aveia + nabo e aveia + ervilhaca + nabo. Entre os cinco melhores resultados na produção de MS, apenas aveia não foi um tratamento consorciado. No controle de plantas espontâneas, destacaram-se os tratamentos aveia + nabo, aveia + ervilhaca e aveia + ervilhaca + nabo, seguidos de aveia. Não ocorreram diferenças estatísticas entre tratamentos no rendimento total do tomate e na produção comercial.
Mostrar mais

3 Ler mais

Demanda energética de semeadora-adubadora em sistema de plantio direto

Demanda energética de semeadora-adubadora em sistema de plantio direto

Por meio dessa figura e das referidas equações, pode-se determinar a velocidade de deslocamento que apresentou o maior volume de solo mobilizado para cada configuração de montagem da linha de plantio. Ao comparar os resultados deste trabalho, observou-se que o incremento no volume de solo mobilizado pela semeadora-adubadora montada na configuração “B” foi maior que o incremento no volume mobilizado pela semeadora-adubadora montada na configuração “A”, para variações iguais na velocidade de deslocamento do conjunto mecanizado. Em decorrência desse fato, constatou-se que, para as velocidades de deslocamento avaliadas, os maiores valores de volume de solo mobilizado foram apresentados pela semeadora-adubadora montada na configuração “B”. Tal resultado pode ser justificado com base nas características construtivas do mecanismo sulcador tipo facão que equipou o sistema de deposição de adubo da semeadora-adubadora montada nessa configuração (“B”), que o torna capaz de atuar em maior profundidade e proporcionar maior mobilização do solo, quando comparado com outros mecanismos sulcadores com características construtivas diferentes, entre os quais se pode citar o disco duplo defasado.
Mostrar mais

175 Ler mais

Coberturas vegetais no sistema de plantio direto orgânico de milho

Coberturas vegetais no sistema de plantio direto orgânico de milho

O controle das plantas daninhas pelas palhadas das plantas de cobertura pode ser atribuído, além do efeito físico proporcionado pela palhada e a sua baixa velocidade de decomposição (elevada relação C/N), ao seu efeito alelopático sobre as plantas daninhas (BALBINOT JR et al., 2007). O efeito alelopático da aveia-preta foi encontrado por Jacobi e Fleck (2000) sobre o azevém, em cultivo de trigo. Sua fitotoxidade é atribuída à exsudação radicular de escopoletina, pois o teor desta substância varia de acordo com o genótipo de aveia-preta utilizado. A escopoletina é um eficiente inibidor do sistema radicular (AVERS e GOODWIN, 1956). Carvalho (2012) relata, fazendo referência a Almeida (1988), que os aleloquímicos são lixiviados pelo solo afetando a germinação das sementes e o crescimento de plântulas. Outro fator interessante a ser observado na alelopatia é que a decomposição da palhada influencia na liberação dos compostos alelopáticos. Normalmente, quando a decomposição é rápida, a liberação desses compostos é alta a curto prazo. No caso das gramíneas que possuem decomposição mais lenta, o efeito alelopático permanece mais a longo prazo.
Mostrar mais

63 Ler mais

Formação de palhada por braquiárias para adoção do sistema plantio direto.

Formação de palhada por braquiárias para adoção do sistema plantio direto.

Com o objetivo de avaliar espécies forrageiras para formação de palhada para adoção do sistema plantio direto, foi pesquisado o potencial de Brachiaria decumbens e B. brizantha, comparadas ao milheto (Pennisetum glaucum). As plantas de cobertura foram semeadas em março e conduzidas até novembro (momento do manejo químico). Aos 50, 110 e 250 dias após a semeadura (DAS) foram avaliadas a composição específica das infestantes na cobertura vegetal, a porcentagem visual de cobertura do solo e o acúmulo de massa vegetal seca das coberturas. As braquiárias foram eficientes na formação de palha (acima de 11 tha -1 ), sendo promissoras para o sistema plantio direto. Também, observou-se densa cobertura
Mostrar mais

6 Ler mais

Ureia na pré-semeadura do milho em sistema de plantio direto

Ureia na pré-semeadura do milho em sistema de plantio direto

1. Características químicas do solo (0-20 cm) para área experimental onde predominavam as plantas espontâneas, trapeoraba e braquiária.................................. 3 2. Tratamentos obtidos pela combinação entre formas de ureia, doses de N aplicadas na pré-semeadura do milho ou em cobertura após o plantio no estádio V4 de desenvolvimento e época de aplicação na pré-semeadura em relação à dessecação das plantas espontâneas, de acordo com a estrutura de uma matriz Baconiana ................ 5 3. Estimativa da quantidade de matéria seca (MS) e de nitrogênio (N) e da relação C/N na biomassa da cobertura vegetal das áreas com que predominância de braquiaria (Brachiaria brizantha cv. Marandú) e trapoeraba (Commelina benghalensis)........... 9 4. Produtividade de grãos (Prod), N acumulado na parte aérea (Nab) e a recuperação
Mostrar mais

40 Ler mais

Redução do inóculo inicial de Sclerotinia sclerotiorum em soja cultivada após uso do sistema Santa Fé.

Redução do inóculo inicial de Sclerotinia sclerotiorum em soja cultivada após uso do sistema Santa Fé.

diferentemente da primeira avaliação, a maior parte dos escleródios encontrados (63,54%) ficou retida na peneira de 18 MPL, com diâmetro menor que 2 mm e comprimento entre 0,5 e 5 mm. A maioria dos 36,46% escleródios restantes ficou retida na peneira de 10 MPL. Conforme Willets & Wong (1980) e Costa & Costa (2006), o tempo para formação, o tamanho e a forma dos escleródios são diferenciados conforme a planta hospedeira, seu estádio fisiológico, condição nutricional, umidade relativa do ar e histórico do solo. O presente trabalho, por sua vez, demonstrou que o cultivo de espécies para a formação de palhada sobre o solo, no SPD, também influencia o tamanho e a proporção entre escleródios maiores e menores no solo. É possível, ainda, que o menor tamanho de escleródios, em soja cultivada após uso do sistema Santa Fé, afete o número de ascósporos produzidos e, como consequência, a severidade da doença, fato não avaliado neste estudo.
Mostrar mais

7 Ler mais

Atributos biológicos em diferentes sistemas de manejo do solo no município de Paragominas, Pará / Biological attributes in different soil management systems in the municipality of Paragominas, Pará

Atributos biológicos em diferentes sistemas de manejo do solo no município de Paragominas, Pará / Biological attributes in different soil management systems in the municipality of Paragominas, Pará

Observa-se, que ocorre o uso indiscriminado dos solos da região Amazônica, o que causa diversos problemas e isso dificulta o seu uso posterior (MELO et al., 2013). Diante disso, optar por sistemas de manejo que preservem o solo faz-se necessário, como exemplo, o sistema de plantio direto (SPD), que segundo Fidelis et al. (2003), é um sistema em que o solo não é revolvido e é protegido por palhada (cobertura morta), constituindo-se um dos sistemas mais eficientes de controle de erosão, e apresenta diversos outros benefícios.

13 Ler mais

Análise conjunta de atributos físicos e biológicos do solo sob sistema de integração lavoura-pecuária.

Análise conjunta de atributos físicos e biológicos do solo sob sistema de integração lavoura-pecuária.

Os tratamentos foram dispostos em faixas sob três sistemas de produção descritos a seguir. O sistema convencional (SC) de preparo do solo consistiu-se de cultivo de soja (Glycine max (L.) Merril) no verão e de aveia (Avena strigosa Schreb) no outono/inverno. O solo foi preparado com grades de disco até 0,2 m de profundidade (uma gradagem pesada e duas gradagens médias) com a utilização de herbicida residual em pré‑emergência numa área de 2,0 ha. Também foi utilizado o sistema integração lavoura-pecuária (ILP) com faixa subdividida em duas partes de 4,0 ha, das quais uma ocupada com lavoura (ILP-L) e outra com pastagem (ILP-P), de forma a conter as duas fases da rotação no mesmo momento. Esse sistema é rotacionado a cada dois anos, quando a área ocupada com lavoura passa a ser ocupada com pastagem de Urochloa decumbens (Stapf) R.D.Webster (Syn. Brachiaria decumbens Stapf) e vice-versa. Na área ocupada com lavoura, a soja é manejada em SPD e, no inverno, é sucedida pela aveia, utilizada como pastagem temporária. Os animais foram manejados (carga de duas unidades animais (UA) de 450 kg por ha) em pastejo rotacionado sem suplementação no período da seca, com todas as recomendações técnicas sanitárias. Além dos dois sistemas descritos, utilizou-se a pastagem contínua (PC), um sistema com pastagem permanente de U. decumbens conduzida via pastejo rotacionado, com 2 UA ha -1 , numa área de cerca de 10 ha. Uma área
Mostrar mais

7 Ler mais

Plantas de cobertura e calagem na implantação do sistema plantio direto .

Plantas de cobertura e calagem na implantação do sistema plantio direto .

Resumo – O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de plantas de cobertura e da calagem sobre a produtividade da soja e as características químicas do perfil do solo, após implantação do plantio direto. O experimento foi realizado em campo por dois anos, em Latossolo Vermelho‑Amarelo. A área era explorada como pastagem há cinco anos. Avaliaram-se três sistemas de cultivo: soja/pousio/soja, soja/Pennisetum glaucum/soja e soja/ Urochloa ruziziensis/soja, com aplicação de calcário à dosagem de 0, 0,5, 1,0 e 2,0 vezes a quantidade necessária para elevar a saturação de bases (V) a 50%, na camada de 0–20 cm. O calcário foi incorporado ao solo, a 20 cm de profundidade, previamente à implantação dos sistemas de cultivo. Aos 490 dias após a calagem, foram coletadas amostras de solo das profundidades de 0– 10, 10– 20, 20– 40 e 40 –60 cm. Avaliaram-se o estado nutricional das plantas, as alterações das características químicas do solo e a produtividade da soja. As plantas de cobertura associadas à calagem promovem melhorias nos parâmetros de acidez do solo – sobretudo quando a dose aplicada é igual ou mais elevada do que a recomendada para V 50% –, e aumentam o teor foliar de P e a produtividade da soja, independentemente da calagem. Quanto maior a dose de calcário, maior é o avanço da frente alcalina no solo e a produtividade de grãos.
Mostrar mais

8 Ler mais

Aplicação tardia de nitrogênio no feijoeiro em sistema de plantio direto.

Aplicação tardia de nitrogênio no feijoeiro em sistema de plantio direto.

O cultivo do feijoeiro em sistema de plantio direto tem aumentado no Brasil, devido a inúmeros benefícios que esse sistema proporciona às características físicas, químicas e biológicas do solo. O sistema de plantio direto, em razão da manutenção dos resíduos vegetais na sua superfície, promove maior proteção contra o impacto direto das gotas de chuva, favorece a infiltração, reduz perda de água por escoamento superficial e perda de solo por erosão (H ERMANI et al., 1999, S TONE e S ILVEIRA , 1999). Nesse

8 Ler mais

Aplicação de enxofre em cobertura no feijoeiro em sistema de plantio direto.

Aplicação de enxofre em cobertura no feijoeiro em sistema de plantio direto.

Em lavouras de feijão, principalmente em cultivos com alta tecnologia, não tem sido dada a devida atenção ao fornecimento adequado de enxofre (S), utilizando doses subestimadas ou não aplicando o elemento via adubação, o que pode estar sendo um fator limitante ao incremento de produtividade. O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência da aplicação de S em cobertura na nutrição, nos componentes da produção e na produtividade de grãos do feijoeiro, em sistema de plantio direto (SPD). O delineamento experimental utilizado foi o de blocos ao acaso, com cinco repetições. Os tratamentos foram constituídos por cinco doses de S (0, 20, 40, 60 e 80 kg ha -1 ) aplicados em cobertura no estádio V
Mostrar mais

7 Ler mais

Sustentabilidade do sistema plantio direto em argissolo no trópico úmido

Sustentabilidade do sistema plantio direto em argissolo no trópico úmido

Quanto à produção total de biomassa, a acácia e o sombreiro foram as leguminosas mais produtivas seguidas da leucena e guandu. Com a alta produtividade da acácia, já a partir do primeiro ano, o tratamento com esta leguminosa na combinação com leucena produziu mais de 33 t/ha na soma dos três anos (Figura 3). Dado o caráter arbustivo e semi-perene do guandu, seu pico de produção ocorre no segundo ano, o que explica as menores adições nos tratamentos em que ele foi combinado com outras leguminosas que não a acácia. Em comparação com a acácia a produção do sombreiro foi sempre mais equilibrada em relação à companheira de resíduo de maior qualidade, o que pode refletir na reciclagem e disponibilidade sincronizada dos nutrientes, no período de maior exigência da cultura. Em 2005 as altas temperaturas de um incêndio em área adjacente ao experimento atingiram as árvores de duas parcelas de sombreiro, o que diminuiu a produtividade desta leguminosa no corte de 2006. No terceiro ano, o crescimento da leucena ensejou um segundo corte das árvores aos 35 dias do plantio das culturas, o que além de evitar o sombreamento, pode ter contribuído para uma maior sincronia do N.
Mostrar mais

64 Ler mais

Plantio direto, adubação verde e suplementação com esterco de aves na produção orgânica de berinjela.

Plantio direto, adubação verde e suplementação com esterco de aves na produção orgânica de berinjela.

Foi realizada nova contagem das ervas espontâneas, 51 dias após o corte das plantas de cobertura e do transplantio da berinjela, estimando-se as taxas de reinfestação. O corte das leguminosas consorciadas foi também efetuado rente ao solo, 50 dias após a semea- dura (5/6/2001), quando ambas as espécies iniciavam o florescimento, sendo toda a biomassa roçada colocada junto às plantas de berinjela. Na determinação do aporte de biomassa ao sistema, foram amostradas três fileiras, de 2 m de comprimento, de crotalária e três fileiras, de 1 m de comprimento, de caupi. As amostras foram co- locadas em estufa (65ºC) até massa constante para cál- culo da massa de matéria seca e posterior análise de nutrientes, conforme referido.
Mostrar mais

8 Ler mais

A cana-de-açúcar em sistema de plantio direto comparado ao sistema convencional com e sem adubação.

A cana-de-açúcar em sistema de plantio direto comparado ao sistema convencional com e sem adubação.

A entrada externa de nutrientes para os sistemas agríco- las é fundamental, ainda que seja conservacionista, uma vez que esses sistemas não são auto-sustentáveis, pois há a ex- portação de elementos pelas partes comercializáveis das cul- turas e são inevitáveis as ocorrências de perdas naturais; assim, a melhoria dos atributos químicos do solo para o cul- tivo da cana dispõe, dentre alternativas, da aplicação de vi- nhaça, torta de filtro e fertilizantes (Silva & Ribeiro, 1995; Canellas et al., 2003), para atender às expectativas de pro- dutividade e à reposição dos nutrientes exportados pela cul- tura do sistema solo.
Mostrar mais

8 Ler mais

Avaliação de hastes sulcadoras na mobilização do solo em semeadura direta do milho

Avaliação de hastes sulcadoras na mobilização do solo em semeadura direta do milho

RESUMO – O Sistema Plantio Direto consiste no conjunto de técnicas que associam preservação dos recursos naturais, aliadas à mínima mobilização do solo. O desempenho da semeadora-adubadora está diretamente ligado aos mecanismos de contato com o solo, mais especificamente, as hastes sulcadoras. O objetivo deste trabalho foi avaliar a mobilização do solo, o desempenho operacional e o desenvolvimento da cultura do milho, quando semeado com dois tipos de hastes sulcadoras em três profundidades de semeadura. O experimento foi conduzido no ano agrícola de 2011/12 em área experimental da Fazenda de Ensino, Pesquisa e Extensão da UNESP/Jaboticabal em LATOSSOLO VERMELHO Eutroférrico típico. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, esquema fatorial 2x3, com quatro repetições. As variáveis analisadas foram: área mobilizada, desempenho operacional e características agronômicas da cultura. A área mobilizada houve significância para os fatores haste e profundidade. O comportamento distinto das hastes é devido a seus parâmetros construtivos, sendo fator limitante para profundidade de trabalho, pois, determina o volume de solo mobilizado. No desempenho operacional do conjunto trator semeadora-adubadora houve diferença tanto para haste como profundidade. Desta forma opta-se pela haste que teve uma maior mobilização do solo e exigiu menor força e potência na barra de tração, trabalhando a menor profundidade desde que o solo esteja em condições adequadas de semeadura, um vez que não houve diferença na produtividade final de grãos.
Mostrar mais

68 Ler mais

MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM BRAQUIRIA SOB PLANTIO DIRETO 
            NO SUDOESTE DA AMAZNIA BRASILEIRA, ANLISE DE EFICINCIA ECONMICA, 
            SAFRA 2017/2018

MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM BRAQUIRIA SOB PLANTIO DIRETO NO SUDOESTE DA AMAZNIA BRASILEIRA, ANLISE DE EFICINCIA ECONMICA, SAFRA 2017/2018

O planejamento e o controle dos custos de produção são fundamentais para que o produtor rural obtenha retornos satisfatórios e o auxilie nas tomadas de decisão. Objetivou-se realizar uma análise econômica da atividade de milho safrinha em sistema plantio direto, consorciado com a braquiária, na região norte no estado de Rondônia, na cidade de Porto Velho, safra 2017/2018. Para a obtenção dos custos, aplicou-se a multiplicação da matriz de coeficientes técnicos pelo vetor de preços dos fatores para a safra 2017/2018. Os valores utilizados para a formação dos custos totais e variáveis de produção e análise de indicadores de eficiência financeira e econômica foram os observados na região de Porto Velho em fevereiro de 2018 (custo) e agosto de 2018 (receita). O custo total foi estimado em R$ 2.377,18 ha -1 . Dentre os insumos, o fertilizante foi o item mais elevado, correspondendo a 35,3% do custo total, seguido das sementes de milho, com 17,9%. O ponto de nivelamento para o milho foi estimado em 70,33 sc ha -1 . A Relação Benefício Custo (B/C) foi favorável de 1,05. A Margem de Contribuição obtida foi positiva com valor de R$ 254,36. Conclui-se que a cultura do milho foi suficiente para pagar a atividade e a formação de pasto para o período de entressafra. O cultivo do milho em sucessão à soja safra em condições de plantio direto, mostrou-se economicamente viável, mesmo com margem mínima de lucratividade.
Mostrar mais

11 Ler mais

Sistema radicular da soja em função da compactação do solo no sistema de plantio direto.

Sistema radicular da soja em função da compactação do solo no sistema de plantio direto.

lação foi o fato de a avaliação pelo penetrômetro ser de caráter bidimensional, ou seja, foi avaliado apenas o plano da parede do perfil e, portanto, não foi considerada a resistência do solo em todas as áreas de abrangência do sistema radicular de uma mesma planta que, dependen- do do diâmetro das raízes, pode explorar os poros do solo mais facilmente, como exemplo, raízes de pequeno diâmetro (Pietola, 2004).

9 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados