Soja - Diversidade genética

Top PDF Soja - Diversidade genética:

Desempenho agronômico e diversidade genética de linhagens de soja

Desempenho agronômico e diversidade genética de linhagens de soja

A soja é uma das leguminosas mais cultivadas no Brasil e no mundo, por isso contribui significativamente com a economia mundial. O melhoramento genético da espécie busca desenvolver cultivares com superioridade agronômica que sejam mais produtivas e resistentes aos fatores bióticos e abióticos que prejudicam o seu cultivo. Um dos desafios dos programas de melhoramento é selecionar genitores que apresentem tais características de superioridade, produtividade e resistência, e sejam divergentes entre si. Sendo assim, os objetivos do trabalho foram analisar o desempenho agronômico e a diversidade genética de linhagens de soja a fim de selecionar parentais com alta produtividade de grãos para hibridação. O experimento foi conduzido na Fazenda Capim Branco, pertencente à Universidade Federal de Uberlândia. Foram avaliados 22 genótipos de soja em delineamento de blocos completos casualizados com três repetições para 14 caracteres agronômicos. Os genótipos apresentaram um ciclo total variando entre 102 e 145 dias. Detectou-se a existência de variabilidade genética a nível de 1% pelo teste F para os caracteres agronômicos e H² superior a 70%, com exceção aos relacionados ao número de grãos por vagem e número de vagens. Os caracteres de maior contribuição na divergência genética foram o número de dias para maturidade e o número de vagens com três grãos. As linhagens UFUS L40fl, UFUS L36fl, UFUS L34fl, UFUS L18fl e UFUS L32fl obtiveram altas produtividades de grãos, oscilando entre 3120,66 e 4145,67 kg ha -1 , destacando-se a linhagem UFUS L40fl, que apresentou maior divergência genética em relação aos demais genótipos pelo método de agrupamento vizinho mais distante. Foram sugeridas as seguintes hibridações: UFUS L40fl x UFUS L39fl, UFUS L40fl x UFUS L34fl, UFUS L40fl x UFUS L32fl.
Mostrar mais

42 Ler mais

Diversidade genética, adaptabilidade e estabilidade de genótipos de soja no Mato Grosso

Diversidade genética, adaptabilidade e estabilidade de genótipos de soja no Mato Grosso

Mikel et al. (2010) estudando o desenvolvimento e a diversidade genética das cultivares norte-americanas de soja lançadas entre 1970 e 2008, verificaram que poucas cultivares foram utilizadas como progenitores. As cultivares frequentemente utilizadas foram: Williams, A3127, Essex, Amsoy, Corsoy, Wayne, Forrest, Hutcheson, MO 13404 e Bedford. Entre essas cultivares, A3127 foi a principal progenitora das cultivares desenvolvidas entre 1999 e 2008. Para comparar a diversidade genética entre o germoplasma de soja das regiões norte e sul dos EUA, os autores realizaram análise de agrupamento considerando as principais cultivares. Observaram a formação de dois grupos predominantes, representando o germoplasma das duas regiões. No grupo da região norte predominaram as cultivares Williams, Wayne, Lincoln, A3127 e Harosoy como progenitoras, enquanto no grupo sul apenas as cultivares Lee e D49-2491. Os autores afirmaram que um dos fatores impactantes na diversidade genética foi a consolidação da lei de patentes nos EUA, que restringiu o acesso dos melhoristas às cultivares de outros programas de melhoramento. No entanto, afirmam que a expansão dos programas de melhoramento nas duas regiões pode ampliar a base genética, através da utilização simultânea dos dois conjuntos gênicos.
Mostrar mais

216 Ler mais

Retardamento de colheita e estudo da diversidade genética em soja para seleção de genitores com qualidade de semente

Retardamento de colheita e estudo da diversidade genética em soja para seleção de genitores com qualidade de semente

A soja é uma espécie produtora de grãos de alta demanda internacional e ocupa posição de destaque na economia brasileira. O sucesso dessa cultura no Brasil se deve aos investimos públicos e privados em tecnologias de produção e aos programas de melhoramento genético. É por meio da semente que os avanços genéticos chegam até o produtor. Nesse contexto, o sucesso de uma cultivar e altas produtividades dependem da qualidade da semente. Portanto, estudos que visem a identificação de genótipos superiores e a caracterização de cultivares quanto à qualidade de sementes são importantes para os programas de melhoramento, permitindo também estudar a diversidade genética para fins de seleção. Diante do exposto, os objetivos do trabalho foram avaliar a qualidade fisiológica de sementes de cultivares de soja em diferentes épocas de colheita e estudar a diversidade genética a partir de caracteres relacionados à qualidade fisiológica de sementes de soja, visando a identificação de genitores superiores. O experimento foi conduzido em uma área experimental localizada na Fazenda Capim Branco, pertencente à Universidade Federal de Uberlândia, na safra 2016/2017. Avaliaram-se dez cultivares de soja (CD 2737 RR, UFUS 7415, UFUS 7910, UFUS Milionária, UFUS 7801, NA 5909 RG, UFUS 8301, TMG 7062 IPRO, UFUS Xavante e UFUS 6901) em quatro épocas de colheita (R7, R8, R8+15, R8+30), constituindo um fatorial 10 x 4. Adotou-se o delineamento experimental de blocos completos casualizados com quatro repetições. Os dados agronômicos e de qualidade de semente foram analisados por estatística uni e multivariada. Avaliaram-se doze caracteres agronômicos e para qualidade fisiológica realizados os seguintes testes: germinação, condutividade elétrica e matéria fresca e seca de plântulas. A dissimilaridade genética
Mostrar mais

66 Ler mais

DESEMPENHO AGRONÔMICO, DIVERSIDADE GENÉTICA E RECOMENDAÇÕES DE HIBRIDAÇÕES EM SOJA PARA RESISTÊNCIA À FERRUGEM ASIÁTICA

DESEMPENHO AGRONÔMICO, DIVERSIDADE GENÉTICA E RECOMENDAÇÕES DE HIBRIDAÇÕES EM SOJA PARA RESISTÊNCIA À FERRUGEM ASIÁTICA

O melhoramento pode ser classificado em etapas, se iniciando com o desenvolvimento das populações, seguido dos processos de seleção e se estendendo a avaliação das linhagens. Sendo assim, o principal objetivo é a seleção de genótipos com alelos favoráveis, em que é realizado a fim de conferir rendimento comparativamente maior ou satisfatório as exigidas no mercado (BACAXIXI et al., 2011). A grande importância para o melhoramento está relacionada com a diversidade genética da soja, pois a partir desse estudo é possível identificar combinações híbridas que proporcionarão maior variabilidade genética nas gerações segregantes (FERREIRA JÚNIOR et al., 2015).
Mostrar mais

48 Ler mais

Coeficiente de determinação genotípica e de diversidade genética em topocruzamentos de soja tipo alimento com tipo grão

Coeficiente de determinação genotípica e de diversidade genética em topocruzamentos de soja tipo alimento com tipo grão

RESUMO - As estimativas do coeficiente de herdabilidade são importantes para a escolha de uma estratégia eficaz de seleção. Quando os tratamentos são considerados fixos, a herdabilidade é denomi- nada coeficiente de determinação genotípica. Os objetivos do presente trabalho foram estimar, através de topocruzamentos obtidos entre soja tipo alimento e soja tipo grão, o coeficiente de determinação genotípica e avaliar a diversidade genética de modo a se distinguir diferenças de contribuição dos parentais de soja tipo alimento com sementes grandes e com sementes pequenas usados nos topocruzamentos, assim como avaliar a interação de cada grupo com o ambiente. Os resultados de determinação genotípica obtidos nas médias de topocruzamentos foram: 90,51% com relação ao nú- mero de dias para maturidade (NDM); 93,92% com relação à altura da planta na maturidade (APM); 79,52% com relação ao acamamento (AC); 91,37% ao valor agronômico (VA); 95,55% ao peso de cem sementes (PCS); 57,57% à produtividade de grãos (PG), e 91,18% à largura visual das vagens (LVV), enquadrando-se aos valores encontrados na literatura. Em relação às estimativas de diversidade genética, que representam a disponibilidade de diferenças genéticas para seleção, os caracteres NDM, APM e AC apresentaram valores maiores nos topocruzamentos envolvendo parentais exóticos de sementes pequenas e para VA, PCS, PG e LVV nos topocruzamentos envolvendo parentais exóticos de sementes grandes.
Mostrar mais

6 Ler mais

Diversidade genética em linhagens avançadas de soja oriundas de cruzamentos biparentais, quádruplos e óctuplos

Diversidade genética em linhagens avançadas de soja oriundas de cruzamentos biparentais, quádruplos e óctuplos

Em programas de melhoramento, as informações relacionadas com a diversidade genética são de fundamental importância, pois permitem identificar combinações híbridas que possam proporcionar maior variabilidade genética nas gerações segregantes (CRUZ; CARNEIRO, 2003). A análise multivariada tem sido uma ferramenta muito utilizada em estudos sobre divergência genética, em várias culturas, como milho (DOTTO et al., 2010), girassol (AMORIM et al., 2007; VOGT; BALBINOT JÚNIOR; SOUZA, 2010) e soja (ALMEIDA; PELUZIO; AFFÉRRI, 2011; AZEVEDO et al., 2004; PELUZIO et al., 2010; RIGON et al., 2012; SANTOS et al., 2011).
Mostrar mais

13 Ler mais

Métodos multivariados no estudo da diversidade genética e adaptabilidade e estabilidade em soja convencional

Métodos multivariados no estudo da diversidade genética e adaptabilidade e estabilidade em soja convencional

O estudo da diversidade genética e o conhecimento das relações entre cultivares melhoradas é fundamental para os programas de melhoramento de soja, pois auxiliam na seleção de genitores e recomendação de cultivares. Esta tese está subdividida em três capítulos, sendo que o primeiro traz o referencial teórico relacionado à cultura, à importância econômica e ao melhoramento da soja. O segundo capítulo, por sua vez, foi desenvolvido com os objetivos de: avaliar a diversidade genética a partir de caracteres fenotípicos de genótipos de soja convencional de ciclo precoce em ambientes distintos; determinar a importância de caracteres na divergência genética de soja; e selecionar genitores de ampla diversidade genética para programa de melhoramento, utilizando diferentes métodos de agrupamento multivariados. O experimento foi conduzido em dois locais distintos, Campo Novo dos Parecis - MT, safra 2010/2011 e Urutaí - GO, safra 2012/2013. Foram avaliados dez genótipos de soja convencional de ciclo precoce, em delineamento de blocos completos casualizados, nos quais foram mensurados oito caracteres agronômicos. Por meio de análises uni e multivariadas, foi possível concluir que os agrupamentos formados por todos os métodos multivariados, aliados às médias dos valores fenotípicos dos genótipos, permitiram inferir sobre as combinações promissoras para hibridações artificiais. Ao considerar os dois ambientes de cultivo, o número de dias para a floração, a altura da planta na maturidade e altura de inserção da primeira vagem foram os caracteres que mais contribuíram para a divergência genética em soja. As linhagens UFU 106 e UFU 108 são as mais recomendadas como parte das hibridações com genótipos divergentes, pois são complementares em produtividade de grãos e menor fase vegetativa
Mostrar mais

101 Ler mais

Diversidade genética com base em dados fenotípicos avaliada em diferentes populações e linhagens avançadas de soja

Diversidade genética com base em dados fenotípicos avaliada em diferentes populações e linhagens avançadas de soja

RESUMO - O estudo da divergência genética por meio de processos preditivos permite identificar combinações superiores e promissoras, facilitando a escolha de parentais para hibridações. Objetivo-se no presente trabalho analisar a diversidade genética e o desempenho agronômico de um grupo de linhagens de soja, oriundas de cruzamentos biparentais, quádruplos e óctuplos, além de identificar futuras combinações superiores e promissoras. O experimento foi instalado em delineamento em blocos ao acaso com três repetições, sendo avaliadas 41 linhagens e quatro testemunhas. Os caracteres avaliados foram: número de dias para floração (NDF); altura da planta na floração (APF); número de dias para maturidade (NDM); altura da planta na maturidade (APM); altura de inserção da primeira vagem (AIV); número de ramos (NR); número de vagens por planta (NV); valor agronômico (VA); acamamento (Ac) e produtividade de grãos (PG) em kg. ha -1 . Para o cálculo das distâncias fenotípicas foi utilizada a distância generalizada de Mahalanobis e a contribuição relativa de cada caráter. Dentre os genótipos analisados, 19 linhagens obtiveram altos rendimentos, sendo superiores às testemunhas V-max, CD 216 e Conquista. A maior distância detectada foi entre as linhagens JAB 41 e JAB 17 (279,81), seguidas por JAB 40 e JAB 17 (261,38) e ainda entre JAB 40 e JAB 22 (255,46). Verificou-se a formação de seis grupos utilizando o método de agrupamento de Ward, sendo recomendadas hibridações entre as linhagens do segundo grupo com as do 5º grupo, que apresentaram alta produtividade. As linhagens oriundas de cruzamentos múltiplos ficaram distribuídas em 4 grupos e as de cruzamentos biparentais em 9 grupos, utilizando o método de agrupamento de Tocher.
Mostrar mais

68 Ler mais

Coeficiente de determinação genotípica e de diversidade genética em topocruzamentos de soja tipo alimento com tipo grão.

Coeficiente de determinação genotípica e de diversidade genética em topocruzamentos de soja tipo alimento com tipo grão.

RESUMO - As estimativas do coeficiente de herdabilidade são importantes para a escolha de uma estratégia eficaz de seleção. Quando os tratamentos são considerados fixos, a herdabilidade é denomi- nada coeficiente de determinação genotípica. Os objetivos do presente trabalho foram estimar, através de topocruzamentos obtidos entre soja tipo alimento e soja tipo grão, o coeficiente de determinação genotípica e avaliar a diversidade genética de modo a se distinguir diferenças de contribuição dos parentais de soja tipo alimento com sementes grandes e com sementes pequenas usados nos topocruzamentos, assim como avaliar a interação de cada grupo com o ambiente. Os resultados de determinação genotípica obtidos nas médias de topocruzamentos foram: 90,51% com relação ao nú- mero de dias para maturidade (NDM); 93,92% com relação à altura da planta na maturidade (APM); 79,52% com relação ao acamamento (AC); 91,37% ao valor agronômico (VA); 95,55% ao peso de cem sementes (PCS); 57,57% à produtividade de grãos (PG), e 91,18% à largura visual das vagens (LVV), enquadrando-se aos valores encontrados na literatura. Em relação às estimativas de diversidade genética, que representam a disponibilidade de diferenças genéticas para seleção, os caracteres NDM, APM e AC apresentaram valores maiores nos topocruzamentos envolvendo parentais exóticos de sementes pequenas e para VA, PCS, PG e LVV nos topocruzamentos envolvendo parentais exóticos de sementes grandes.
Mostrar mais

6 Ler mais

DIVERSIDADE GENÉTICA EM CRUZAMENTOS PARA ALTO TEOR DE ÓLEO EM SOJA POR MEIO DE ANÁLISE MULTIVARIADA

DIVERSIDADE GENÉTICA EM CRUZAMENTOS PARA ALTO TEOR DE ÓLEO EM SOJA POR MEIO DE ANÁLISE MULTIVARIADA

Na literatura são encontrados trabalhos que visam estimar a diversidade genética em soja utilizando análises multivariadas baseados nos caracteres agronômicos (REINA et al., 2014; PRIOLLI et al., 2013). Salimi (2013) utilizando a análise de componentes principais para estimar a diversidade genética em soja sob estresse hídrico, concluiu que sete componentes principais explicaram 82% da variação total dos dados em condições de estresse. As características número de dias para o florescimento, número de sementes, produtividade e teor de óleo foram eficientes na discriminação da diversidade genética .
Mostrar mais

5 Ler mais

Seleção assistida e diversidade genética de fontes de resistência ao nematóide de cisto da soja

Seleção assistida e diversidade genética de fontes de resistência ao nematóide de cisto da soja

Diante da dificuldade na realização da seleção fenotípica para a resistência ao nematóide de cisto da soja (NCS), da necessidade da implantação da seleção assistida por marcadores a este patógeno e do pouco conhecimento da diversidade genética das cultivares resistentes desenvolvidas pelos programas de melhoramento do Brasil, este trabalho teve como objetivos: (1) utilizar estratégias de seleção assistida por marcadores para avaliar a eficiência de seleção de microssatélites próximos a QTLs (Quantitative trait loci) dos grupos de ligação (GL) G e A2 em populações originadas do cruzamento entre isolinhas derivadas das cultivares CD201 e Vmax; e (2) avaliar a diversidade genética entre cultivares de soja resistentes ao NCS desenvolvidas por seis programas de melhoramento do Brasil e entre fontes de resistência ao NCS, por meio de marcadores microssatélites próximos a QTLs que conferem resistência ao patógeno. Em relação ao primeiro objetivo, foram selecionadas sete populações F 5 com base no polimorfismo de marcadores microssatélites dos
Mostrar mais

86 Ler mais

Diversidade genética da soja entre períodos e entre programas de melhoramento no Brasil.

Diversidade genética da soja entre períodos e entre programas de melhoramento no Brasil.

Estudos revelam que os métodos e práticas moder- nas de melhoramento podem reduzir a diversidade ge- nética das plantas cultivadas, aumentando a vulnerabilidade ao ataque de pragas, patógenos e estresses ambientais (Vellvé, 1993; Clunies-Ross, 1995). Análises genealógicas em soja cultivada sugeriram que o germoplasma norte-americano foi reduzido em apro- ximadamente um quarto de sua base genética original em 50 anos de melhoramento (Gizlice et al., 1993). Es- tudos com marcadores RAPD apontaram redução na diversidade genética da cultura da beterraba açucareira nos EUA devido ao melhoramento de caracteres de importância agronômica (McGrath et al., 1999). Já em estudos com o trigo cultivado, marcadores AFLP e microssatélites (SSR) não indicaram redução da diver- sidade genética, ao longo do tempo, na Grã-Bretanha (Donini et al., 2000) e na Argentina (Manifesto et al., 2001).
Mostrar mais

9 Ler mais

Diversidade genética em soja com diferentes níveis de resistência ao Sclerotinia sclerotiorum, correlações, análise de trilha e população de plantas

Diversidade genética em soja com diferentes níveis de resistência ao Sclerotinia sclerotiorum, correlações, análise de trilha e população de plantas

O conhecimento da diversidade genética é de grande importância para o melhoramento de plantas, pois auxilia os melhoristas na escolha de genitores para formação de populações segregantes, especialmente na cultura da soja que é de base genética estreita. O objetivo do trabalho foi avaliar o desempenho agronômico e a diversidade genética de linhagens e cultivares de soja com diferentes níveis de resistência ao mofo branco, com potencial de serem utilizados como genitores em programas de melhoramento genético. O primeiro experimento foi conduzido em uma área experimental localizada na Fazenda Capim Branco, pertencente à Universidade Federal de Uberlândia, na safra de 2015/2016. Avaliaram-se 24 genótipos de soja, sendo 22 linhagens e duas cultivares, em delineamento de blocos completos casualizados, nos quais foram avaliados 23 caracteres morfo-agronômicos. Os genótipos foram agrupados pelo teste de Scott-Knott ao nível de 5% de probabilidade. A dissimilaridade genética foi estimada pela distância generalizada de Mahalanobis e os genótipos agrupados pelos métodos UPGMA, Tocher e variáveis canônicas. O segundo experimento, para avaliar a reação dos genótipos ao Sclerotinia sclerotiorum foi conduzido em casa de vegetação utilizando os mesmos genótipos. Após a inoculação do fungo, avaliou-se o tamanho da lesão na haste da planta. Houve variabilidade genética para todos os caracteres agronômicos. Os genótipos UFU B7, UFU B14, UFU B16, Msoy-6101 e UFU B5 foram classificados como genótipos de ciclo precoce, com duração variando de 107,3 a 111 dias. Os genótipos UFU B1, UFU B3, UFU B8 e UFU B16, por sua vez, apresentaram produtividades elevadas em relação aos demais com valores superiores à média nacional, que é de 2870 kg ha -1 . Em função do tamanho da lesão nove dos genótipos avaliados apresentaram resistência ao mofo branco, três foram susceptíveis e os restantes considerados moderadamente resistentes. Os genótipos foram agrupados pelos métodos UPGMA, Tocher e variáveis canônicas. Tanto pelo método UPGMA e Tocher foram formados quatro grupos distintos. O NDF foi o caráter que mais contribuiu com a diversidade genética. Hibridações dos genótipos UFU B3, UFU B8 e UFU B16 com o genótipo UFU B1 são promissoras para obtenção de populações segregantes com variabilidade genética superior. Desse modo, concluiu-se que o uso de caracteres agronômicos permitiu detectar genitores potenciais para o programa de melhoramento de soja da UFU.
Mostrar mais

104 Ler mais

MORFOMETRIA REPRODUTIVA E DIVERSIDADE GENÉTICA EM CULTIVARES DE SOJA

MORFOMETRIA REPRODUTIVA E DIVERSIDADE GENÉTICA EM CULTIVARES DE SOJA

RESUMO: Objetivou-se analisar morfometricamente botões florais e flores de soja com o intuito de identificar variabilidade genética entre cultivares. Utilizou-se sementes de cultivares convencionais de soja e ao florescimento, procedeu-se a coleta de botões florais e flores. Para o botão floral mensurou-se o comprimento (CBF) e largura do botão floral (LBF), comprimento do pistilo (CPBF) e dos estames (CEBF). Para a flor foram obtidas as medidas do comprimento (CF) e largura da flor (LF), comprimento das sépalas (CSF), comprimento do estandarte (CESF) e largura do estandarte (LESF), comprimento do pistilo (CPF) e dos estames (CEM). Considerando o delineamento inteiramente casualizado com 20 repetições e separadamente para botão floral e flor, os dados foram submetidos à análise de variância, teste de Tukey e análise de diversidade genética. Identificou-se efeito significativo para cultivares nas variáveis CBF, LBF, CPBF e CEBF, analisados nos botões florais e a cultivar Conquista destacou-se com maior média. Para a flor, as variáveis CF, LF, CSF, CESF e CPF apresentaram efeito de cultivares significativos, a TMG 801 apresentou-se como a de maior média. As análises de diversidade indicaram a formação de 3 grupos geneticamente distintos. Conclui-se as cultivares de soja diferenciam-se quanto às variáveis do botão floral e da flor e que a variabilidade genética identificada entre as cultivares analisadas por meio de técnicas multivariadas baseadas em morfometria reprodutiva é importante para direcionar futuros trabalhos na área de biologia reprodutiva da soja.
Mostrar mais

9 Ler mais

Diversidade genética e respostas de genótipos de soja sob déficit hídrico induzido por PEG 6000

Diversidade genética e respostas de genótipos de soja sob déficit hídrico induzido por PEG 6000

O estresse hídrico é um dos fatores limitantes para a obtenção da máxima produção na cultura da soja, o que torna a identificação de genótipos tolerantes uma abordagem importante nos programas de melhoramento. Neste sentido, os objetivos deste trabalho foram avaliar genótipos de soja em condição de déficit hídrico; determinar caracteres que permitem a identificação dos genótipos tolerantes ao déficit hidrico e sugerir parentais promissores para hibridação. Dezesseis genótipos de soja foram submetidos a dois potenciais osmóticos (0,0 MPa e -0,2 MPa) induzidos por PEG 6000, e avaliou-se os caracteres comprimento de parte aérea, radicular e total, matéria fresca e seca (parte aérea, radicular e total) e germinação. Verificou-se a existência de interação significativa para comprimento de raiz, matéria fresca de parte aérea e total e matéria seca de raiz. Os genótipos foram divididos em grupos pelos métodos de UPGMA, Tocher e análise de componentes principais, o que permitiu uma análise da dissimilaridade genética entre eles. As cultivares BRS 7270 IPRO, TMG 2158 IPRO, UFUS Tikuna e UFU_P32 apresentaram desempenho superior nas características avaliadas sob condição de estresse e são indicadas como parentais promissores para realização de cruzamentos. O comprimento de raiz permitiu a discriminação de genótipos tolerantes ao déficit hídrico.
Mostrar mais

46 Ler mais

Diversidade genética entre genótipos de soja e estabelecimento de coleções nucleares e de melhoramento para teores de óleo e de proteína

Diversidade genética entre genótipos de soja e estabelecimento de coleções nucleares e de melhoramento para teores de óleo e de proteína

Procurando atender este diversificado mercado da soja, os programas de melhoramento têm concentrado suas pesquisas na obtenção de cultivares com características específicas para o uso, como aumento dos teores de óleo ou proteína, e que sejam produtivas. Contudo, a eficiência de qualquer programa de melhoramento está condicionada, primeiramente, à existência de variabilidade genética na população base (FERRÃO, 2009). Na soja, verifica-se elevada variabilidade para caracteres fisiológicos, morfológicos e agronômicos, entretanto, pouco explorada pelos programas de melhoramento. O que tem sido evidenciado é uso extensivo de cultivares muito próximas geneticamente no desenvolvimento das novas cultivares, resultando no estreitamento da base genética da cultura (ALCÂNTARA NETO, 2001; BERTINI et al., 2006; MIRANDA et al., 2007).
Mostrar mais

61 Ler mais

Adaptabilidade, estabilidade e diversidade genética de cultivares de soja em três épocas de semeadura, em Uberlândia - MG

Adaptabilidade, estabilidade e diversidade genética de cultivares de soja em três épocas de semeadura, em Uberlândia - MG

No melhoramento genético da soja, normalmente, estão envolvidas várias fases, desde o desenvolvimento das populações, processos de avaliação, seleção entre e dentro de famílias e recomendação das linhagens (ALMEIDA; KIIHL, 1998). Primeiramente, são desenvolvidas as populações segregantes, através de hibridações artificiais, para atender aos objetivos gerais e específicos dos programas de melhoramento. Essas populações são conduzidas por várias gerações até que se obtenha homozigose. A partir de populações em gerações mais avançadas, são selecionadas plantas para o estabelecimento de testes de progênies e seleção de linhagens possuindo características agronômicas desejáveis. Posteriormente, avalia- se produtividade e estabilidade de produção em um grande número de linhagens. Na seleção de genótipos superiores, é obrigatório empregar ensaios de avaliação, repetidos em vários ambientes (épocas, locais e anos), para poder identificar a interação dos genótipos com os ambientes e a possível adaptação em função da produtividade e da estabilidade.
Mostrar mais

95 Ler mais

Diversidade genética de linhagens elites de soja quanto a resistência a doenças

Diversidade genética de linhagens elites de soja quanto a resistência a doenças

20 não se alimentarem até a fase adulta devido à ausência ou má formação de estilete (KIMATI et al., 1997; ALMEIDA E SEIXAS, 2010; ROCHA et al., 2008). Nesta etapa, simultaneamente ocorre o desenvolvimento das galhas radiculares pela hipertrofia e hiperplasia de células do parênquima vascular da raiz. O macho adulto, vermiforme, não se alimenta e não é necessário para a reprodução de M. incognita e javanica devido a partenogênese (FERRAZ E MONTEIRO, 1995). Entretanto, sua participação é fundamental para aumentar a variabilidade genética que, no processo citado, é obtida apenas por mutação de alguns indivíduos (EISENBACK,1985). O macho adulto volta a ser móvel, migra para o solo e morre em espécies de reprodução por partenogênese, haja vista que nas populações anfimíticas haverá primeiramente a fertilização antes da migração. A fêmea adulta possui formato de pêra e coloração branco-pérola, facilmente encontradas nas raízes de plantas de soja parasitadas, de onde recomeçam o ciclo com a postura e a matriz gelatinosa.
Mostrar mais

115 Ler mais

Caracterização e diversidade genética de cultivares de morangueiro

Caracterização e diversidade genética de cultivares de morangueiro

No segundo grupo, as cultivares agrupadas foram lançadas pelo progra- ma de melhoramento da Embrapa Cli- ma Temperado, apresentando alta simi- laridade (>96%). A maior similaridade genética foi encontrada entre as culti- vares Santa Clara e Vila Nova (98%), o que se justifica por apresentarem em comum um dos progenitores (‘Konvoy- Cascata’). Embora estas cultivares se- jam geneticamente muito semelhantes, apresentam diferença quanto ao vigor em campo. Com relação à ‘Bürkley’, embora não se tenha informação sobre a sua genealogia, talvez esta cultivar tenha em comum um dos pais ou avós das cultivares Vila Nova e Santa Clara, pois entre estas também foi observada alta similaridade genética (96%).
Mostrar mais

4 Ler mais

DISSERTAÇÃO_Trichoderma  diversidade genética e fusão de protoplastos

DISSERTAÇÃO_Trichoderma diversidade genética e fusão de protoplastos

apenas de ramos mortos do solo. Sete isolados representam seis prováveis novas espécies e serão descritos em um trabalho futuro. Protoplastos foram obtidos dos isolados 427 (T. harzianum) e 691PR (T. asperellum), selecionados com base no diâmetro de crescimento micelial a 10°C e resistência a fungicidas, respectivamente. A maior liberação de protoplastos foi obtida após 20-24 h de crescimento micelial e 2 h de digestão enzimática utilizando MgSO 4 como estabilizador osmótico. Esses resultados contribuem para o aumento do conhecimento sobre a diversidade de Trichoderma em associação com cacao e iniciam o melhoramento de uma formulação comercial por meio da fusão de protoplastos.
Mostrar mais

54 Ler mais

Show all 10000 documents...