Sorgo - Estabilidade

Top PDF Sorgo - Estabilidade:

SELEÇÃO PARA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS, ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE SORGO GRANÍFERO

SELEÇÃO PARA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS, ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE SORGO GRANÍFERO

Os resultados desse estudo indicam que o uso de um desses métodos em combinação, por exemplo, com o de AMMI, pode fornecer informações adicio- nais e complementares sobre a estabilidade fenotípica em sorgo. A interpretação da estabilidade pelo mode- lo AMMI foi analisada de acordo com a distância dos pontos representativos dos 25 genótipos em relação à produtividade de grãos em oito ambientes. Assim, os pontos que pouco contribuem para a interação repre- sentam menor distância, indicando maior estabilidade. A adaptabilidade dos genótipos em cada local de cultivo é interpretada observando-se os sinais dos escores para genótipos e ambientes, visto que genó- tipos e locais com escores de mesmo sinal interagem positivamente (Duarte & Vencovsky, 1999), indican- do em qual local o genótipo deve ser preferencialmen- te cultivado. Genótipos e ambientes mais estáveis são aqueles cujos pontos se aproximam da origem, ou seja, com escores praticamente nulos para os dois eixos da interação (Duarte & Vencovsky, 1999). Pela análise gráfica de AMMI, pode-se observar que os genótipos classificados estatisticamente como os mais produti- vos pelo teste de Scott-Knott foram os que menos se distanciaram da origem, sendo considerados estáveis. Os ambientes Santo Antônio de Goiás, Rio Verde e Montividiu apresentaram padrão de respostas simila- res e estão localizados na área mais próxima da ori- gem em relação aos demais ambientes, sendo consi- derados com alta estabilidade. Os ambientes que ates- tam baixa estabilidade foram São Gotardo e Sinop. A estabilidade ambiental informa sobre a con- fiabilidade das posições dos genótipos (postos) em cada ambiente em relação à classificação para a média dos ambientes testados. Nesse contexto, as discrepân- cias menores foram verificadas para os locais Santo Antônio de Goiás e Rio Verde, em relação aos outros
Mostrar mais

11 Ler mais

DISSERTAÇÃO_Adaptabilidade e estabilidade de híbridos de sorgo biomassa

DISSERTAÇÃO_Adaptabilidade e estabilidade de híbridos de sorgo biomassa

Na atualidade, existe uma forte demanda mundial de energia pelo aumento da população incrementando o consumo dos mais variados produtos, como é o caso da energia elétrica. O sorgo biomassa [Sorghum bicolor (L.) Moench] apresenta- se como matéria-prima interessante para produção de energia elétrica (cogeração de energia) através da queima em usinas termoelétricas. No presente trabalho objetivou-se avaliar a interação genótipos por locais em sorgo biomassa e identificar híbridos que associem elevada adaptabilidade e estabilidade agronômica. Foram avaliados 33 híbridos simples experimentais de sorgo biomassa com sensibilidade ao fotoperíodo e três testemunhas (BRS 655, Volumax e BRS 716) em 10 locais, no ano agrícola 2014/2015. O delineamento experimental utilizado foi o látice triplo 6 x 6 com parcelas constituídas por quatro sulcos de 5,0 m de comprimento, espaçados em 0,7 m entre si, sendo consideradas apenas as duas linhas centrais como área útil. As características avaliadas foram: Dias para florescimento (FLOR), Altura da planta (ALT), Umidade (UMID), Produção de massa verde total (PMV) e Produção de massa seca total (PMS). Foram realizadas análises de variância individuais e conjunta e a adaptabilidade e estabilidade dos híbridos aos locais de avaliação foram avaliados pelos métodos de Toler (1990) e Annicciarico (1992). Observou-se que os efeitos de genótipos, locais e da interação genótipos por locais (G x L) foram altamente significativos (P < 0,01), sendo o efeito de local o que mais contribuiu para a variação fenotípica na maioria dos caracteres. A variação entre os genótipos foi expressiva para todos os caracteres. A interação G x L foi expressiva principalmente para os caracteres relacionados com a produção de biomassa, tendo sido predominantemente complexa. Os híbridos experimentais 1, 8, 22, 29, 31 e 33 e a testemunha comercial BRS 716 destacam-se como os mais promissores, pois apresentaram elevada adaptabilidade e estabilidade agronômica segundo os resultados obtidos pelos métodos de Toler e Annicchiarico.
Mostrar mais

60 Ler mais

Desempenho agronômico, bromatológico e estabilidade fenotípica de sorgo silageiro em Uberlândia - MG

Desempenho agronômico, bromatológico e estabilidade fenotípica de sorgo silageiro em Uberlândia - MG

Resumo: O sorgo (Sorghum bicolor (L.) MOENCH) é uma boa alternativa para ser usado como silagem, principalmente em lugares com escassez de água e temperaturas elevadas, devido às suas características morfológicas e fisiológicas. O manejo adequado, como a época ideal de semeadura, interfere tanto na produtividade quanto na qualidade da silagem. O trabalho foi conduzido com o objetivo de avaliar o desempenho agronômico e bromatológico de variedades e híbridos de sorgo silageiro e a estabilidade fenotípica destes em duas épocas, safra e safrinha, no município de Uberlândia, Minas Gerais. Os experimentos foram realizados na Fazenda Experimental Capim Branco, da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), localizada no referido município. Na mesma área experimental houve duas épocas de semeadura, safrinha (março a junho de 2014) e safra (novembro de 2014 a março de 2015), e em ambas as situações se avaliaram as variedades e os híbridos. O delineamento foi de blocos casualizados, com 25 tratamentos (híbridos e variedades de sorgo) e três repetições. Submeteram-se os dados agronômicos e bromatológicos à análise de variância; as médias foram agrupadas pelo teste de Scott-Knott, a 5% de probabilidade, por meio do programa computacional Genes; e, para estimar a estabilidade, optou-se pelo método de Annicchiarico. O florescimento das cultivares, a produtividade de matéria seca, a altura de plantas, a Fibra em Detergente Ácido (FDA), a Fibra em Detergente Neutro (FDN) e a Proteína Bruta (PB) são afetados pelo ambiente e pela variedade. Em relação à produtividade e à qualidade da fibra, a variedade SF11 se mostrou superior, independentemente do ambiente avaliado. Quanto à estabilidade de rendimento de produtividade de matéria seca, se destacaram as variedades SF15, SF11, SF25, PROG 134 IPA, 1141572, 1141570 e 1141562. Já para a estabilidade da qualidade das fibras (FDA e FDN), a variedade 1141562 se sobressaiu. O ambiente reduz a expressão dos caracteres “dias de florescimento”, “altura de plantas” e “produtividade de matéria seca dos híbridos”. Dos 25 híbridos analisados para produtividade e estabilidade do rendimento matéria seca, destacam-se sete, independentemente do ambiente avaliado: híbrido comercial Volumax e experimentais 12F39006, 12F39007, 12F37014, 12F39014, 12F38009 e 12F02006.
Mostrar mais

59 Ler mais

ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DE SORGO FORRAGEIRO SEMEADOS EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO

ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DE SORGO FORRAGEIRO SEMEADOS EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO

O método de análise de estabilidade e adaptabilidade de Lin & Binns (1988) foi adota- do, utilizando-se a estatística P i , denominada de MAEC (Medida de Adaptabilidade e Estabilida- de de Comportamento). Para que a recomenda- ção de cultivares de sorgo atenda ao conceito de grupos de ambientes favoráveis e desfavoráveis, que refletem ambientes onde há condições ade- quadas e inadequadas ao desenvolvimento das plantas de sorgo, respectivamente, faz-se neces- sária a decomposição do estimador (P i ) nas par- tes devido a ambientes favoráveis e desfavorá- veis. Neste estudo, foi empregada a metodologia dos trapézios quadráticos ponderados pelo coe- ficiente de variação, proposta por Carneiro (1998), sendo que os meses com maior precisão experimental tiveram maior peso na estimativa da estatística MAEC. Assim, a classificação dos cultivares de sorgo foi feita com base nas esti- mativas dos valores de P i ’s. As análises estatísti- cas foram realizadas empregando-se os recursos computacionais do Programa Genes (Cruz, 2001). Quando se observa o rendimento de ma- téria verde dos cultivares de sorgo nas oito épo- cas de semeadura, verifica-se comportamento diferenciado dos materiais testados em função da resposta ao fotoperíodo e à temperatura, propor- cionando variação no rendimento de forragem. Sendo o sorgo uma cultura que apresenta sensi- bilidade ao fotoperíodo (Karande et al., 1996; Alagarswamy et al., 1998; Craufurd & Qi, 2001), fotoperíodos indutivos ao florescimento
Mostrar mais

14 Ler mais

ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE LINHAGENS DE SORGO EM AMBIENTES COM E SEM RESTRIÇÃO HÍDRICA

ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE LINHAGENS DE SORGO EM AMBIENTES COM E SEM RESTRIÇÃO HÍDRICA

Ao comparar as linhagens mais estáveis pelo método AMMI com as linhagens com adaptabilidade geral pelos métodos de Lin & Binns e Annicchiarico, apenas as linhagens 2 (9503086), 3 (9929020), 12 (CMSXS 230B), 13 (N 95B) e 23 (Tx 2908) foram selecionadas por todos os métodos. As linhagens 4 (9929034) e 11 (BR 008B) foram estáveis pelos mé- todos univariados, e de estabilidade intermediária pelo método multivariado. Por outro lado a linhagem 1 (9409132) apresentou alta estabilidade pelo método AMMI e mostrou-se não estável pelos métodos univa- riados. Os métodos de Lin & Binns e Annicchiarico TABELA 4. Análise de variância conjunta para produtividade (t ha -1 ) com desdobramento da interação genó- tipos x ambientes (GxA) pelo método AMMI, com respectivas proporções da soma de quadrados da interação GxA acumulada nos três primeiros componentes da análise AMMI, de vinte e cinco linhagens de sorgo em ambientes com e sem restrição hídrica. Sete Lagoas, 2014.
Mostrar mais

15 Ler mais

Adaptabilidade e estabilidade de cultivares de sorgo sacarino

Adaptabilidade e estabilidade de cultivares de sorgo sacarino

Os programas de melhoramento de sorgo sacarino no Brasil para produção de genótipos trabalham com intensa avaliação de experimentos em vários ambientes e anos. No entanto, os altos custos das atividades desenvolvidas em pesquisa requerem a racionalização de recursos, como redução do número de ambientes para experimentação e seleção adequada da metodologia na análise de dados. Para maximizar a seleção, existem metodologias que proporcionam melhor interpretação dos efeitos genéticos e ambientais, podendo estes serem separados, e a seleção ser realizada com base nos efeitos genéticos. Nesse contexto, destacam-se a metodologia de Eberhart e Russel e a metodologia proposta por Cruz, Torres e Vencovsky. Praticamente todas buscam quantificar o comportamento dos genótipos quanto a sua adaptabilidade e estabilidade nos diversos ambientes. Além disso, busca-se quantificar as diferenças entre os ambientes e assim selecionar os mais representativos, com melhor potencial para seleção e consequentemente, proporcionando os maiores ganhos genéticos.
Mostrar mais

60 Ler mais

INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ESTANDE NA ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE SORGO BIOMASSA

INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ESTANDE NA ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE SORGO BIOMASSA

a superioridade não genética entre os materiais testados. Objetivou-se, com o presente trabalho, verificar a influência dos métodos de correção de estande na recomendação de cultivares de sorgo biomassa pelo método de adaptabilidade e estabilidade de Annicchiarico. Foram avaliadas 25 cultivares no delineamento de blocos ao acaso, com três repetições, em cinco ambientes. Os métodos utilizados para correção do estande foram regra de três, Zuber, covariância para estande médio, covariância para estande ideal, Cruz, Vencovsky & Cruz e correção estratificada. Os dados sem correção foram utilizados como referência. Apesar de ocorrer mudanças nos rankings de classificação da adaptabilidade e da estabilidade, os genótipos indicados foram os mesmos para a maioria dos métodos de correção do estande. A correção por covariância para estande ideal foi considerada a mais eficiente, por promover redução no coeficiente de variação e na relação entre o maior e o menor quadrados médios do resíduo dos ambientes avaliados. Ao todo, dez híbridos desenvolvidos pelo programa de melhoramento da Embrapa Milho e Sorgo foram considerados adaptados e estáveis pelo método de Annicchiarico e superaram as cultivares comerciais avaliadas.
Mostrar mais

11 Ler mais

Adaptabilidade e estabilidade de linhagens avançadas de sorgo forrageiro no estado de Sergipe.

Adaptabilidade e estabilidade de linhagens avançadas de sorgo forrageiro no estado de Sergipe.

Foram avaliadas vinte linhagens avançadas de sorgo forrageiro em seis ambien- tes do Estado de Sergipe, no período entre 2001 a 2005, em blocos ao acaso com três repetições, visando conhecer a adaptabilidade e a estabilidade desses materiais para fins de exploração comercial. As linhagens mostraram comporta- mento diferenciado entre si, na média dos ambientes, para os caracteres pesos de matéria verde e seca e porcentagem de matéria seca. As linhagens avaliadas diferiram quanto à adaptabilidade e à estabilidade, no tocante às características: rendimentos de matéria verde e matéria seca. São de grande importância para a região as linhagens avançadas de melhor adaptação (b 0 > média geral) e com estimativas de b 1 semelhantes à unidade (adaptabilidade ampla).
Mostrar mais

17 Ler mais

Adaptabilidade e estabilidade em cultivares de sorgo.

Adaptabilidade e estabilidade em cultivares de sorgo.

RESUMO - As informações sobre o comportamento de cultivares obtidas em apenas um local e ano podem não ser suficientes para recomendar uma cultivar, em função da ocorrência de interação genótipo x ambiente. Assim, a indicação de cultivares com base na análise de estabilidade e repetibilidade é mais consistente, pois possibilita prever o comportamento delas em diversos ambientes. Este trabalho estudou a adaptabilidade e estabilidade da produção de matéria seca de sete cultivares de sorgo destinadas à produção de silagem. Foram considerados dados de dois locais (Lavras e Coronel Pacheco, Minas Gerais) obtidos em dois anos agrícolas consecutivos (1997/8 e 1998/9), utilizando-se o delineamento de blocos casualizados com três repetições. A cultivar AG 2002 foi recomendada por apresentar maior rendimento, boa previsibilidade de seu desempenho e maior proximidade do padrão ideal, sendo considerada de máxima produção em qualquer ambiente. Também a cultivar Volumax pode ser recomendada por apresentar bom desempenho, desde que cultivada em ambientes mais favoráveis.
Mostrar mais

7 Ler mais

DESEMPENHO AGRONÔMICO E ESTABILIDADE FENOTÍPICA DE HÍBRIDOS DE SORGO GRANÍFERO

DESEMPENHO AGRONÔMICO E ESTABILIDADE FENOTÍPICA DE HÍBRIDOS DE SORGO GRANÍFERO

A crescente demanda por grãos no mundo, associada ao substancial incremento genético dos híbridos, tem alavancado, a cada ano, a área plantada e a produtividade da cultura do sorgo, no Brasil. Nos últimos três anos, o cereal que apresentou maior incremento médio em produtividade, decorrente da melhoria genética foi, sem dúvida nenhuma, o sorgo granífero que atrai, a cada ano, mais agricultores empresariais buscando a sua boa rentabilidade no sistema produtivo (Figueiredo, 2007).

14 Ler mais

Adaptabilidade e estabilidade de genótipos de sorgo granífero em diferentes ambientes do estado do Ceará.

Adaptabilidade e estabilidade de genótipos de sorgo granífero em diferentes ambientes do estado do Ceará.

O sorgo é uma planta C4, de dia curto e com altas taxas fotossintéticas. A grande maioria dos materiais genéticos de sorgo requerem temperaturas superiores a 21ºC para um bom crescimento e desenvolvimento. (MAGALHÃES, 2003). Tabosa et al. (2002) ressaltam o cultivo de plantas xerófilas no semi-árido nordestino como meta fundamental para o aproveitamento dessa região, tendo em vista as adversidades climáticas da mesma. Considerando-se esse aspecto, e aquele relacionado aos diferentes sistemas de produção, prevalecentes na região, infere-se que é de interesse o desenvolvimento de um programa de avaliação de variedades e híbridos de sorgo, com o objetivo de subsidiar os agricultores na escolha de materiais de melhor adaptação, e que sejam portadores de atributos agronômicos desejáveis.
Mostrar mais

6 Ler mais

Antracnose foliar do sorgo.

Antracnose foliar do sorgo.

sempre maior do que aquela identificada através da virulência. A composição de cluster para estes dois tipos de marcadores indicou uma independência entre eles. A distribuição de padrões de RAPD não revelou nenhuma evidência de diferenciação geográfica, na medida em que os mesmos haplotipos foram obtidos de diferentes e distantes regiões no Brasil e também dos EUA. Marcadores RFLPs foram utilizados para se estudar a estrutura populacional de C. sublineolum em um único ensaio de avaliação de antracnose, por três anos consecutivos, no Estado da Georgia (EUA). Foi identificado um total de nove haplotipos, dos quais um esteve presente em uma frequência de aproximadamente 80% em cada ano. Os dados foram indicativos de estabilidade e de que a reprodução assexual teve um papel preponderante na estrutura genética da população do patógeno presente naquele local.
Mostrar mais

18 Ler mais

Silagem do bagaço de sorgo sacarino

Silagem do bagaço de sorgo sacarino

Entretanto, o progresso deste cereal possui entraves mercadológicos e culturais a superar para que evolua nos padrões das culturas modernas. Por ser considerado uma fonte alimentar alternativa ao cultivo do milho, o sorgo enfrenta resistências no mercado com preço médio abaixo desta cultura e destinada principalmente para a produção animal. Os tabus dizem respeito ao menor valor nutritivo do sorgo se comparados ao milho. Contornado estes paradigmas, o custo produtivo da carne, leite e ovos, podem reduzir, interferindo no preço final ao consumidor e na melhor estabilidade de oferta. Contudo, a produtividade, carece de transferência de informações tecnológicas entre a cadeia produtiva para explorar o seu potencial agrícola nas regiões de melhor adaptação, de acordo com May (2012).
Mostrar mais

85 Ler mais

A Antracnose do Sorgo

A Antracnose do Sorgo

Raças com virulência associada aos genótipos BR008 e BR005 têm ocorrido em menor freqüência em relação a raças com virulência a apenas um, ou avirulentas aos dois genótipos (Casela et al., 2001a). Em misturas de genótipos de sorgo, criadas para se avaliar a diversidade do patógeno nestas condições, observa-se, na maioria das vezes, uma tendência à predominância de raças com grau intermediário de complexidade, ao passo que em populações hospedeiras uniformes e sus- cetíveis, as raças mais simples tendem a predominar em relação às raças mais complexas em relação à virulência. Tais resultados têm servido como base para a avaliação de diferentes estratégias de manejo de genes de resistência e da avaliação da capacidade de resposta do patógeno a estas diferentes situações, na tentativa de se desenvolver uma resistência de maior dura- bilidade e estabilidade, um aspecto de fundamental importância, considerando-se a alta variabilidade apresentada por este patógeno nas condições brasileiras.
Mostrar mais

10 Ler mais

GUIA DE SORGO af DOW Guia de Sementes Sorgo 34x25cm.indd 1

GUIA DE SORGO af DOW Guia de Sementes Sorgo 34x25cm.indd 1

Híbrido com alta sanidade foliar para as principais doenças da cultura. Excelente estabilidade produtiva e responsivo ao incremento de tecnologia. Alta tolerância ao estresse hídrico. Perfeito para escalonamento de plantio e colheita com híbridos de ciclo curto, permitindo uma safrinha com maior segurança.

12 Ler mais

Tratamento de sementes de sorgo com inseticidas.

Tratamento de sementes de sorgo com inseticidas.

Na avaliação do acúmulo da massa seca da parte aérea e raízes das plantas de sorgo, constataram-se signiicância para a interação inseticida x período de armazenamento (Tabela 2). Quando as sementes não foram submetidas ao armazenamento, o maior acúmulo de massa seca na parte aérea foi obtido com a mistura de imidaclorid+thiodicarb, seguido do thiodicarb e thiametoxam+thiodicarb. O menor valor foi observado para o thiametoxam, cujo resultado assemelhou-se ao da testemunha, comprovando desta forma a viabilidade do uso de inseticidas no tratamento de sementes. O mesmo pode ser comprovado no armazenamento por 30 dias, em que as misturas imidacloprid+thiodicarb,imidacloprid+i pronil e thiametoxam+thiodicarb proporcionaram maior acúmulo de massa seca em relação ao imidacloprid.
Mostrar mais

11 Ler mais

Valor nutritivo de silagens de sorgo.

Valor nutritivo de silagens de sorgo.

ELIZALDE, H.F. El valor nutritivo de los ensilages. Revista Argentina Produccion Animal, v.15, n.1, p.103-121, 1995. FORBES, J.M. Voluntary food intake and diet selection in farm animals. Wallington: CAB International, 1995. 532p. GONTIJO NETO, M.M. Rendimento e valor nutritivo de híbridos de sorgo (Sorghum bicolor (L.) Moench) sob níveis crescentes de adubação. Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa, 2000. 55p. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) - Universidade Federal de Viçosa, 2000. HUNT, C.W.; KEZAR, W.; HINMAN, D.D. et al. Effects of

7 Ler mais

Qualidade de silagens de sorgo com aditivos.

Qualidade de silagens de sorgo com aditivos.

lugar secundário, sendo responsável por 10-12% da área total cultivada para esse fim. O sorgo é uma cultura muito versátil, prestando-se à produção de grãos, de feno, de silagem e ao pastejo direto. Apresenta tolerância à seca e às limitações de nutrientes no solo, sendo boa opção em regiões impróprias para o plantio do milho.

9 Ler mais

Higroscopicidade das sementes de sorgo-sacarino.

Higroscopicidade das sementes de sorgo-sacarino.

Para a obtenção dos dados para a modelagem da dessorção das sementes de sorgo-sacarino, utilizou-se do método estático indireto, no qual 12 gramas de produto nos teores de água de 24; 19; 15; 12 e 8 (% b.s.) foram inseridos dentro de câmara isolada, e foi determinada a atividade de água (a w ) por meio do equipamento Hygropalm Model Aw. No método estático indireto, utilizam-se

10 Ler mais

Show all 3908 documents...