Stents - angioplasty

Top PDF Stents - angioplasty:

J. vasc. bras.  vol.9 número2

J. vasc. bras. vol.9 número2

Stents were developed with the purpose of mecha- nically supporting the arterial wall. As compared with balloon angioplasty, stent placement improves short- and midterm outcomes by reducing negative remodeling. he metallic alloys from which stents are manufactured seek a compromise between biofunctionality and biocompatibili- ty; however, the choice of material must focus primarily on biocompatibility. he main aspects to be taken into account in this respect are susceptibility of the alloy to corrosion and the efects of this corrosion on the recipient’s body. 3,7
Mostrar mais

7 Ler mais

Análise de impacto do stent farmacológico no orçamento do sistema único de saúde

Análise de impacto do stent farmacológico no orçamento do sistema único de saúde

The introduction of standard stents in the SUS, in 1999, represented a significant change in the interventional treatment of patients with ischemic cardiomyopathy. Until 1999, myocardial revascularization surgery represented the main type of interventional treatment. In the three subsequent years, the number of coronary angioplasty procedures increased by over 100%, with a significant decrease in the number of myocardial revascularization surgeries during this period. The benefits of treatment with standard stents were important although there were limitations in some subgroups, especially among patients with diabetes, who presented long lesions (>20 mm) and small caliber vessels (<3 mm), in which restenosis is significant in the first six months after the procedure.
Mostrar mais

5 Ler mais

Reestenose clínica de stent coronário: seguimento após tratamento com análise de desfechos clínicos

Reestenose clínica de stent coronário: seguimento após tratamento com análise de desfechos clínicos

O papel do balão farmacológico foi avaliado no estudo PACCOCATH ISR (In-Stent Restenosis by Paclitaxel-Coated Balloon Catheters), 67 que avaliou a ICP com balão farmacológico com paclitaxel para o tratamento da RIS. Este estudo mostrou redução da incidência de RIS com o balão farmacológico e sugeriu que a inibição da reestenose pela liberação local do fármaco pode não necessitar do implante de stent e liberação prolongada do fármaco nesse local. 67 Outro estudo demonstrou que o balão farmacológico com paclitaxel é superior a ICP com balão isolada e não inferior ao implante de SF com paclitaxel para RIS de SNF, e desta forma, evita-se o implante de um novo metal no tratamento da reestenose. 67 No tratamento da RIS de SF, o estudo PEPCAD-DES (Paclitaxel-Coated Balloon Angioplasty With Plain Balloon Angioplasty in Drug-Eluting Stent Restenosis) 68 avaliou o uso do balão farmacológico com paclitaxel comparado com o balão isolado. Conclui-se que a ICP com balão farmacológico é superior a com balão isolado no tratamento da RIS de SF. 68 O estudo ISAR-DESIRE 3 (Intracoronary Stenting and Angiographic Results: Drug Eluting Stents for In-Stent Restenosis: 3 Treatment Approachs) 69 recentemente publicado no Transcatheter Cardiovascular Therapeutics (TCT) 2012 em Miami, comparou a eficácia anti-restenótica do balão farmacológico com paclitaxel versus SF com paclitaxel versus ICP com balão em paciente com reestenose de SF da família “limus”. O estudo concluiu que em pacientes que se apresentam com reestenose de SF da família “limus”, o balão farmacológico com paclitaxel foi não inferior à nova intervenção com SF com paclitaxel e ambos foram superior a ICP com balão. 69 Novos estudos com balão farmacológico estão em andamento e ele tem sido avaliado no contexto da RIS de SF.
Mostrar mais

66 Ler mais

J. vasc. bras.  vol.7 número3

J. vasc. bras. vol.7 número3

Trans-Atlantic Inter-Society Consensus Document on Management of PAD (TASC II) indicates there is increasing evidence to support a recommendation for angioplasty in patients with CLI and BK artery occlu- sion where in-line flow to the foot can be reestablished and where there is medical comorbidity. Furthermore, they summarize that in the case of infrapopliteal percu- taneous transluminal angioplasty (PTA), technical suc- cess may approach 90% with resultant clinical success of approximately 70% in some series of patients with CLI. Salvage rates are reported as being slightly higher. 1 The treatment strategy for BK lesions in CLI- patients is rapidly evolving, but although the use of stents is common in other peripheral vessels, their application in the infrapopliteal bed remains controversial. The fear that early thrombosis and late luminal loss due to inti- mal hyperplasia formation potentially leads to insuffi- cient long-term patency rates can explain the reluctance of implanting stents in these small-diameter vessels. Therefore, infrapopliteal stent implantation is generally reserved for cases with a suboptimal outcome after PTA (i.e. > 50% residual stenosis, flow-limiting dissection).
Mostrar mais

8 Ler mais

Atualização sobre endopróteses vasculares (stents): dos estudos experimentais à prática clínica.

Atualização sobre endopróteses vasculares (stents): dos estudos experimentais à prática clínica.

The treatment of peripheral vascular diseases is one of the most rapidly expanding fields of medicine today. The number of peripheral interventions increased and innovative endovascular techniques are close to the results of traditional vascular surgeries. Although balloon angioplasty alone offers good immediate results, implantation of stents has been proposed to improve the procedural success and extend its application to more patients with peripheral vascular disease. However, stenting is controversial. Use of stents has good results in aortoiliac vessels, but its use in femoropopliteal vessels is still in dispute. Moreover, the rapid development of endovascular stents for peripheral applications and their choice have been a complicated task for endovascular surgeons. Many factors influence choice of stent, therefore, knowledge of available stents is mandatory. Appropriate selection depends on adequate preprocedural evaluation of the lesion, choice of primary vs. selective stent placement, and location and characteristics of the lesion. In this article the history of stent development is reviewed, from studies with experimental models to clinical practice, and its application in the treatment of peripheral vascular diseases is discussed.
Mostrar mais

13 Ler mais

Arq. Bras. Cardiol.  vol.96 número5

Arq. Bras. Cardiol. vol.96 número5

Impact of chronic renal insufficiency on clinical outcomes in patients undergoing percutaneous coronary intervention with sirolimus-eluting stents versus bare metal stents. Nakazawa G,[r]

6 Ler mais

Rev. Bras. Cardiol. Invasiva  vol.20 número1 en a06v20n1

Rev. Bras. Cardiol. Invasiva vol.20 número1 en a06v20n1

Background: Studies on the cost-effectiveness ratio of drug- eluting stents (DES) are rare. This study aimed to evaluate the results and compare the cost (incremental cost-effec- tiveness ratio – ICER) per restenosis prevented between DES and bare-metal stents (BMS) using the propensity score. Methods: Two hundred and twenty consecutive patients were included in the study, 111 of whom were treated with DES and 109 with BMS. The propensity score was used to adjust the effect of the intervention by means of matching, stratifica- tion and weighting. Results: Most patients were male (67.7% vs. 66.9%; P  =  0.53), with a median age of 65.9 years. Patients treated with DES had higher rates of diabetes (54% vs. 17.4%; P < 0.001), three-vessel disease (18.9% vs. 10.1%; P  =  0.029) and poor ventricular function (54.1% vs. 22%; P < 0.0001). The diameter of stents was 2.76 ± 0.35 mm vs. 2.91  ±  0.47  mm (P  =  0.006), and the sum of the lengths of stents was 37.6 ± 23 mm vs. 24.8 ± 15.8 mm (P < 0.0001). Restenosis was observed in 6.3% vs. 12.8% of the patients (P = 0.099) and in 4.1% vs. 9.8% of the lesions (P = 0.048). There was an incremental cost of R$  9,500.00 and an ICER of R$  147,538.00 per restenosis prevented (exceeding the World Health Organization threshold). However, when the propensity score was used, the variables that best classified patients for DES and had a maximum ICER of R$  4,776.96 were age >  72 years, diabetes and lesions <  3.2  mm in diameter and >  18  mm in length. Conclusions: Although DES were not cost-effective in the total population, the propensity score showed that in elderly patients, diabetics, and patients with long lesions or small vessels, the use of DES was cost-effective.
Mostrar mais

8 Ler mais

Implante contemporâneo de stents convencionais: comparação dos stents de hastes finas de aço inoxidável versus cromo-cobalto.

Implante contemporâneo de stents convencionais: comparação dos stents de hastes finas de aço inoxidável versus cromo-cobalto.

ca diária, os pacientes com características clínicas e angiográficas de alto risco de reestenose, como por- tadores de diabetes, lesão proximal da artéria descen- dente anterior, bifurcações, vasos finos, lesões longas e reestenose intra-stent, entre outros, são tratados prefe- rencialmente com stents farmacológicos. Apesar disso, os resultados nesse grupo selecionado são muito favo- ráveis, com redução da necessidade de reintervenção para níveis abaixo de 10%, sem necessidade de uso prolongado de terapia antiplaquetária dupla e com menores custos hospitalares.

5 Ler mais

Braz. J. Cardiovasc. Surg.  vol.21 número4

Braz. J. Cardiovasc. Surg. vol.21 número4

D esnecessário seria insistir no fato de que a doença coronariana tem alta prevalência na população. Tal risco aumenta com a elevação da idade dos pacientes e a diminuição das doenças prevalentes no passado. As operações para revascularização miocárdica foram as mais estudadas ao longo de toda a história da cirurgia, tendo sempre mostrado resultados consistentes. O advento da angioplastia e, logo depois, dos “Stents” convencionais, seguidos daqueles recobertos por drogas, veio mudar conceitos que estavam absolutamente estabelecidos. Ocorreu um verdadeiro “boom” no uso desta tecnologia que, aparentemente, é menos agressiva, acreditando-se que poderia produzir resultados comparáveis àqueles da revascularização cirúrgica.
Mostrar mais

3 Ler mais

Rev. Bras. Cardiol. Invasiva  vol.17 número1

Rev. Bras. Cardiol. Invasiva vol.17 número1

controvérsias para a incorporação dos stents farmaco- lógicos no Brasil em seus aspectos éticos e jurídicos. Complementa o tema análise muito equilibrada e abalizada de Carlos Gottschall, do Instituto de Cardio- logia do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, que faz uso de sua vasta erudição para ressaltar que diversos fatores, como a evidência científica disponível, a expe- riência do profissional e os possíveis riscos e custos, devem ser considerados na escolha dos stents.

2 Ler mais

Arq. Bras. Cardiol.  vol.84 número6 en a13v84n6

Arq. Bras. Cardiol. vol.84 número6 en a13v84n6

hospitals in Denmark were randomized to receive either the “ac- celerated” form of the plasminogen tissue activator or primary angio- plasty, even when requiring transfer to one of the 5 centers of angioplasty, as long as that transfer did not take more than 3 hours. The distance traveled by the ambulances ranged from 3 to 150 km (mean, 50 km), and the time required for the transfer ranged from 50 to 85 minutes (mean, 67 minutes). The patients tolerated well the transfer, and neither death nor serious adverse reactions occurred. The study was precociously interrupted, becau- se, when angioplasty was used, a 40% reduction occurred in the incidence of the primary objective of recurring infarction, stroke, or death within 30 days (8.5% versus 14.2%; P=0.002). The study “Primary Angioplasty in patients transferred from General community hospitals to specialized PTCA Units with or without Emergency thrombolysis” (PRAGUE-1) 9 , carried out in the Czech Republic,
Mostrar mais

5 Ler mais

Tratamento endovascular das obstruções venosas crônicas do segmento iliocaval.

Tratamento endovascular das obstruções venosas crônicas do segmento iliocaval.

pertenciam ao grupo da oclusão crônica total secundária a trombose venosa profunda (TVP). Todos os paciente eram sintomáticos e 32 tinham úlcera ativa. O sucesso técnico inicial foi de 72%, porém, após insistência com novas tenta- tivas (novos procedimentos realizados em dias diferentes), atingiu-se 83% de sucesso técnico. Quase metade dos stents distais foram liberados na veia femoral comum, cruzando o ligamento inguinal (47%), e a grande maioria dos stents proximais foram implantados na veia cava inferior (98%). As perviedades primária, primária assistida e secundária foram, respectivamente, de 31, 57 e 66% em 48 meses, com erro padrão aceitável (Gráfico 1). A melhora clínica foi es- tatisticamente significativa para variáveis analisadas com o Chronic Venous Insufficiency Questionnaire (CVIQ), e não houve melhora ou piora nas variáveis hemodinâmicas ava- liadas no estudo. A melhora da dor manteve-se em, apro- ximadamente, 80% em 4 anos (70% de melhora completa); já o edema manteve melhora parcial e completa em, apro- ximadamente, 60 e 35% dos pacientes em 4 anos. Cerca de 58% dos pacientes tinham suas úlceras cicatrizadas e sem recidiva em 30 meses. Não se observaram fatores preditores de falha do tratamento neste estudo.
Mostrar mais

8 Ler mais

Superior mesenteric artery stent following percutaneous transluminal angioplasty.

Superior mesenteric artery stent following percutaneous transluminal angioplasty.

O objetivo deste trabalho é relatar um caso sintomático de isquemia mesentérica crônica, por estenose no óstio da artéria mesentérica superior, tratada com sucesso mediante angioplastia [r]

3 Ler mais

Efficacy and safety of biodegradable polymer biolimus-eluting stents versus durable polymer drug-eluting stents: a meta-analysis.

Efficacy and safety of biodegradable polymer biolimus-eluting stents versus durable polymer drug-eluting stents: a meta-analysis.

polymer stent were not inferior when compared with the durable polymer stent in terms of late in-stent loss at 6 months [36]. Recently, a pooled analysis of individual patient data from the ISAR-TEST 3, ISAR-TEST 4, and LEADERS trials by Stefanini et al. confirmed that the biodegradable polymer DES (BES or sirolimus-eluting stent) was associated with a significantly reduced risk of stent thrombosis, which was driven by a lower risk of very late stent thrombosis (hazard ratio 0.22, 95% CI 0.08–0.61, P = 0.004) [37]. They also found that the risk of TLR was significantly lower among patients treated with biodegradable polymer DES compared to durable polymer SES (hazard ratio 0.82, 95% CI 0.68–0.98, P = 0.029) [37], while there was no significant difference in TLR in our meta-analysis. The major reasons for this difference are as follows: first, our studies included eight studies involving only biodegradable polymer BES, while Stefanini et al. included three studies with two different types of biodegradable polymer DES (one studies with BES, two with sirolimus-eluting stents). Second, all of three studies had long-term outcomes (4 years), while most of our included studies only had short-term follow-up data available. Thus, whether biodegradable
Mostrar mais

9 Ler mais

Impacto da insuficiência renal crônica na eficácia de stents farmacológicos: estudo de seguimento de longo prazo.

Impacto da insuficiência renal crônica na eficácia de stents farmacológicos: estudo de seguimento de longo prazo.

Impact of chronic renal insufficiency on clinical outcomes in patients undergoing percutaneous coronary intervention with sirolimus-eluting stents versus bare metal stents. Nakazawa G,[r]

7 Ler mais

Revascularização cirúrgica do miocárdio em pacientes com stents coronários.

Revascularização cirúrgica do miocárdio em pacientes com stents coronários.

Apesar da doença isquêmica cardíaca permanecer ainda um grave problema de saúde pública, as opções terapêuticas, tanto clínicas como cirúrgicas, têm melhorado significativamente nas últimas décadas. Grüntzig et al. [12], em 1979, com a utilização do cateter-balão, foram pioneiros nesta terapia. Várias formas adicionais de tratamento percutâneo foram desenvolvidas ao longo dos anos, como as lâminas rotadoras, o laser, a fotoablação, os stents. Apesar de todos os benefícios e progressos alcançados com essa forma não tão invasiva quanto à cirurgia, muitos pacientes não têm uma anatomia favorável ao tratamento percutâneo, de modo que a reestenose ocorre em 30 a 40% das lesões tratadas em seis meses [13,14]. A introdução da tecnologia de stents recobertos por fármacos busca obter um efeito antiproliferativo e, assim, amenizar a reestenose [15,16]. Entretanto, a rapamicina (Sirolimus) tem sido considerada uma agonista das plaquetas, podendo induzir trombose intracoronária [17], fato que está sendo investigado pelo Food and Drug Administration - FDA [18]. Virmani et al. [19] relataram um caso de hipersensibilidade localizada e trombose coronariana tardia secundária ao implante de stent Cypher. Apesar do estudo BARI [20] ter demonstrado que a redução média da mortalidade dos pacientes diabéticos após 5,4 anos de seguimento foi maior nos pacientes operados dos que nos tratados por angioplastia (5,8% contra 20,6%, p=0,0003), 35,7% dos pacientes aqui descritos eram diabéticos. A cirurgia de revascularização tem, por sua vez, uma história de mais de 30 anos. Porém, apesar de muitos progressos técnicos, como cirurgias menos invasivas e a não-utilização da circulação extracorpórea em casos selecionados, da disponibilidade de serem tratadas lesões complexas e extensas, ainda se trata de um procedimento aberto, bem mais invasivo do que os aplicados pela ICP. Esse é um fato que tem favorecido a aceitação por parte do paciente de ser submetido à ICP em condições técnicas desfavoráveis e com menor chance de sucesso a médio e longo prazo. Inicialmente, um dos pontos favoráveis à ICP era o menor custo em relação à cirurgia. Hoje, com a crescente atuação em multivasos e repetidas intervenções em face da ocorrência de reestenoses, pelo Sistema Único de Saúde, o procedimento cirúrgico convencional ficou, em regra, menos dispendioso (custo hospitalar SUS de um stent: R$ 4.843; cirurgia de revascularização completa: R$ 5.694). Sabe-se hoje haver consenso de que a eficiência almejada no tratamento da doença isquêmica do coração passará, necessariamente, pela prevenção, com uma atuação direcionada para a gênese da aterosclerose. Até que este momento surja, métodos como a
Mostrar mais

6 Ler mais

Editorial: Medikamentenbeschichtete Stents - das Ende aller Träume?

Editorial: Medikamentenbeschichtete Stents - das Ende aller Träume?

Was bringt die Zukunft aus wissenschaftlicher Sicht? Nicht nur mehr Zahlen, sondern auch mehr neue Ideen. Zunächst werden weitere Stentsysteme auf den Markt kommen. Die Beschichtungen werden andere Medikamente beinhalten, da die jeweiligen Firmen den Einsatz ihrer Medikamente patent- rechtlich absichern. Da nicht zu erwarten ist, daß jeder Ansatz gleich wirksam sein wird, werden direkte Vergleichsstudien zunehmend wichtig werden. Die ersten Studienergebnisse mit Vergleich der beiden aktuell erhältlichen Stents, Taxus und Cypher, liegen bereits vor. Zunehmend beschäftigt man sich (wieder) mit der Methode der Beschichtung, d. h. mit Träger- substanzen, Veränderung der Stentstrukturoberfläche und spezifischem Design. Die als Trägersubstanz zumeist verwen- deten Polymere verbleiben zumeist dauerhaft auf der Stent- oberfläche, so daß spätere negative Effekte nach vollständiger Elution des aktiven Medikaments zumindest theoretisch mög-
Mostrar mais

5 Ler mais

Os stents farmacológicos são seguros e eficazes em longo prazo?.

Os stents farmacológicos são seguros e eficazes em longo prazo?.

A introdução de stents farmacológicos em 2002 revolucionou a cardiologia invasiva através da redução de reestenoses. No final de 2006 surgiram relatos de aumento da incidência de trombose tardia de stent com esses stents em comparação com os de metal sem revestimento, provavelmente em decorrência do atraso de endotelização. No entanto, esses estudos continham sérias falhas metodológicas. Meta-análises posteriores mostraram de forma clara um risco apenas discretamente aumentado de trombose tardia de stent entre todos os grupos de pacientes. Um achado importante foi o de que os stents farmacológicos proporcionaram benefício significativo e mantido devido à redução de reestenose e, portanto, de revascularização de repetição. Vários registros obtidos na prática clínica confirmaram esses resultados e sugeriram que o uso de stents farmacológicos em situações mais complexas não está associado a resultados desfavoráveis. A trombose de stent é um problema multifatorial no qual o stent é apenas um dos elementos. Novos estudos serão necessários para determinar a técnica para o procedimento e o esquema antiplaquetário ideais. Os stents farmacológicos são seguros e eficazes em longo prazo, embora estudos intensivos continuem sendo realizados com o propósito de reduzir o risco de trombose de stent na próxima geração.
Mostrar mais

8 Ler mais

Stents bioabsorvíveis: já é hora de "absorvermos" esse conceito?.

Stents bioabsorvíveis: já é hora de "absorvermos" esse conceito?.

O desenvolvimento de novas estratégias para o tratamen- to percutâneo da doença coronariana vem sendo redire- cionado para a segurança a longo prazo dos novos instru- mentais, depois da marcante eficácia alcançada pelos stents farmacológicos. Dentre as tecnologias em avalia- ção, os stents bioabsorvíveis têm emergido como uma solução alentadora, ao trazer alguns benefícios possíveis: a) menor reação inflamatória tecidual; b) período mais curto da utilização de regime antiplaquetário duplo; e c) possibilidade futura de tratamento do vaso-alvo com en- xertos venosos ou arteriais quando necessário. Alguns modelos já foram inicialmente estudados em pequenas séries clínicas, enquanto outros estão em fase avançada de investigação pré-clínica. Resultados preliminares demons- tram que a menor força radial dos stents bioabsorvíveis, responsável por parte da perda luminal relacionada à retração do vaso, ainda é uma limitação dessas próteses. Dentre os stents testados, o stent polimérico com eluição de everolimus é o que no momento mostra os resultados mais encorajadores.
Mostrar mais

7 Ler mais

Percutaneous transluminal angioplasty and stenting of carotid arteries: Early results

Percutaneous transluminal angioplasty and stenting of carotid arteries: Early results

CONCLUSION Main indications for PTA and stenting of carotid arteries are: surgically inaccessible lesions (at or above C2; or subclavial); radiation-induced carotid stenosis; prior ispilateral radical neck dissection; prior carotid endarterec- tomy (restenosis), severe cardiac and pulmonary conditions. Limitations and contraindications to carotid angioplasty and stentning include: signficant peripheral occlusive diseases; unfavourable aortic arch anatomy; severe tortuosity of the common and internal carotid artery; severely calcified steno- sis, lesions containing fresh thrombus; stenosis longer than 2 cm; critical (>99%) stenosis; associated carotid artery aneu- rysm; contrast-related issues and severe aortic valve stenosis. Key words: carotid artery stenosis; PTA; stent
Mostrar mais

4 Ler mais

Show all 339 documents...