Teoria dos grupos

Top PDF Teoria dos grupos:

UMA NOTA SOBRE A TEORIA DOS GRUPOS: DA TEORIA DE GALOIS À TEORIA DE GAUGE

UMA NOTA SOBRE A TEORIA DOS GRUPOS: DA TEORIA DE GALOIS À TEORIA DE GAUGE

Após a definição moderna do conceito de grupo a teoria dos grupos se desenvolveu rapidamente, e foi tão influente que sua expansão rompeu os limites da Álgebra. Grupos aparecem em todas as partes da Matemática e são usados nas ciências em geral para determinar a simetria interna de uma estrutura na forma de automorfismos de grupo. Uma simetria interna está normalmente associada com alguma propriedade invariante, e o conjunto de transformações que preserva este invariante forma um grupo, assim chamado grupo de simetria. Na área da Matemática chamada topologia algébrica, grupos são usados para descrever os invariantes de espaços topológicos. Tais grupos incluem o grupo fundamental, o grupo de homologia e o grupo de cohomologia (cf. BREDON, 1997; LIMA, 2006; SPANIER, 1966). A noção de grupo veio a alcançar um grande papel codificador em geometria e em análise combinatória, outro ramo da Matemática. Os conceitos de grupo de permutação e de ação de um grupo são frequentemente utilizados para
Mostrar mais

11 Ler mais

Aplicações da teoria dos grafos à teoria dos grupos

Aplicações da teoria dos grafos à teoria dos grupos

O prop´osito desta disserta¸c˜ao ´e apresentar aplica¸c˜oes da Teoria dos Grafos `a Teoria dos Grupos. De posse do grafo associado a um grupo finito, n´os obtemos v´arios resultados interes- santes sobre a estrutura do grupo analisando tal grafo `a luz de t´ecnicas-padr˜ao da Teoria dos Grafos. Mais precisamente, os n´umeros crom´atico e de independˆencia do grafo de um grupo finito nos permitem estimar a cardinalidade m´axima de um subgrupo abeliano do mesmo, bem como o tamanho m´ınimo poss´ıvel de um subconjunto do grupo formado por elementos que n˜ao comutam dois a dois; no caso de grupos finitos abelianos, n´os tamb´em estudamos seus subconjuntos livres de somas.
Mostrar mais

77 Ler mais

TEORIA DOS GRUPOS ESTRATEGICOS, UMA NOVA VISAO PARA AS INDUSTRIAS ()

TEORIA DOS GRUPOS ESTRATEGICOS, UMA NOVA VISAO PARA AS INDUSTRIAS ()

A rendibilidade potencial de uma empresa e limitada pelas caracterfsticas estruturais da industria e depende do grupo estrategico a que pertence, isto e, as empre[r]

14 Ler mais

UMA INTRODUÇÃO AOS GRUPOS OPERATIVOS: TEORIA E TÉCNICA

UMA INTRODUÇÃO AOS GRUPOS OPERATIVOS: TEORIA E TÉCNICA

No Brasil e no mundo, atualmente são muitos os profissionais que trabalham com pequenos grupos. Ao menos entre nós, o trabalho é muito frequentemente realizado de modo empírico, sem o suporte de uma teoria de grupo. O referencial de Grupos Operativos é muito evocado, porém pouco conhecido de fato. Nos casos em que o profissional busca saber sobre essa abordagem, costuma encontrar dificuldades grandes para integrar à sua prática o conhecimento atualmente disponível nos textos em português. Este artigo representa uma estratégia para uma primeiríssima leitura introdutória sobre os Grupos Operativos. Nele, visamos um recorte sintético e funcional dos conceitos, noções e pressupostos estruturantes da teoria dos Grupos Operativos e da técnica dos Grupos operativos de Aprendizagem. Tais elementos são apresentados em suas relações com outras teorias e em especial com a perspectiva psicanalítica de grupo. Assim, introduzimos o Grupo Operativo comprometidos com seu caráter prático e destacando sua inserção histórica no ramo das teorias psicanalíticas de grupo.
Mostrar mais

14 Ler mais

Avaliação dos impactos do Programa Crediamigo em população de baixa renda de Fortaleza

Avaliação dos impactos do Programa Crediamigo em população de baixa renda de Fortaleza

a concepção moderna de cidadania necessita de uma transformação radical em sua teoria e prática, por causa, entre outras razões, do crescimento da ênfase em grupos específi[r]

190 Ler mais

Psicologia comunitária e técnicas para o trabalho com grupos: contribuições a partir da teoria históricocultural art vfrcolaço

Psicologia comunitária e técnicas para o trabalho com grupos: contribuições a partir da teoria históricocultural art vfrcolaço

Psicología Comunitaria y Técnicas para Trabajar con Grupos: Contribuciones desde la Teoría Histórico-Cultural El artículo analiza las metodologías utilizadas en psicología comunitaria para trabajar con grupos desde la teoría histórico-cultural. Se destacan los puntos de convergencia entre la psicología comunitaria y la teoría histórico-cultural, ya que reconocen la naturaleza socio-histórica del hombre. Son relevantes para el debate los conceptos de mediación simbólica e de zona de desarrollo proximal (ZDP). Se hace hincapié en la noción de diálogo y las técnicas utilizadas para facilitar las interacciones de grupo. Se señala que estas técnicas han demostrado ser fructíferas para la discusión de temas relacionados con la comunidad y para el intercambio de habilidades, conocimientos e ideas que favorezcan la construcción de las acciones dirigido a transformación de las realidades locales. Se dice que las técnicas para trabajar con grupos, a partir de la aparición de las ZDPs, amplíam las posibilidades de la abstracción y de auto-regulación del comportamiento. Se concluye que la comprensión de los efectos psicológicos de estas técnicas es pertinente, incluso para identiicar elementos importantes para la formación del psicólogo de la comunidad.
Mostrar mais

7 Ler mais

Será que a nossa estrutura de personalidade influencia a forma como realizamos julgamentos morais?

Será que a nossa estrutura de personalidade influencia a forma como realizamos julgamentos morais?

Foram avaliados 72 participantes (44 mulheres e 28 homens) com uma média de idades de 21.01 (+ 4.631) anos e uma média de escolaridade de 17.56 (+ 5.315) anos. Todos os participantes foram selecionados ao acaso da população normal. Constituíram fatores de inclusão sujeitos com idades compreendidas entre os 18 e os 35 anos com escolaridade mínima de 12 anos e nacionalidade Portuguesa. Depois da recolha de informação sociodemográfica, cognitiva, de personalidade e de sintomatologia, os participantes foram divididos em dois grupos e os seus resultados foram tratados separadamente. Esta divisão, que não constava dos objetivos iniciais do estudo, deveu- se á obtenção de resultados representativos de sintomatologia moderada apresentados por alguns dos participantes do grupo inicial. Desta forma, optamos por não excluir os sujeitos com sintomatologia clínica organizando-os num outro grupo com análise marginal ao objetivo inicial. Neste sentido, apresentamos o nosso conjunto de participantes distribuídos por duas diferentes análises: Análise 1, a central do nosso trabalho, onde pretendemos observar o grupo sem sintomatologia (N=51) e a Análise 2 dedicada ao estudo do grupo com sintomatologia (N=21). Este ponto de corte foi realizado com recurso ao Millon Clinical Multiaxial Inventory III - instrumento de personalidade e psicopatologia (Millon, 1994).
Mostrar mais

58 Ler mais

Avaliação do nível de serviço logístico de uma empresa distribuidora de autopeças

Avaliação do nível de serviço logístico de uma empresa distribuidora de autopeças

Resumo: As teorias acerca da gestão de estoques têm um viés eminentemente matemático e estatístico, mas pouca atenção é dada à discussão das necessidades inerentes do ambiente competitivo no qual as empresas estão inseridas, como nível de serviço ótimo e respectivos custos de inventário. O objetivo desta pesquisa é avaliar o nível de serviço logístico de uma empresa distribuidora de autopeças. Por meio de um estudo de caso, foi realizada uma análise de regressão nos dados históricos de inventário e vendas mensais entre 2008 e 2012, o que permitiu encontrar a curva real de lucro em função do nível de serviço. O nível serviço ótimo, encontrado por meio da derivação dessa curva, foi comparado com os níveis de serviço praticados pela empresa. Os resultados dessa análise apontam para o fato de que essa teoria não é suficiente para, sozinha, explicar como a empresa estudada define seu nível de serviço.
Mostrar mais

30 Ler mais

Phenotypic accommodation and genetic accommodation: evidence and unresolved issues in macroevolution

Phenotypic accommodation and genetic accommodation: evidence and unresolved issues in macroevolution

O que dizem os fósseis a respeito da possível tro- ca de alelos entre humanos modernos e neandertais? O caso do fóssil de Lagar Velho (Duarte e col., 1999) – um esqueleto quase completo de 24.500 anos de uma criança cuja anatomia se apresenta como um mosaico de caracte- rísticas humanas modernas e neandertais – fortalece, na visão de muitos pesquisadores, a ideia de que humanos modernos e neandertais se intercruzaram. Entretanto, a questão permanece bastante controversa, principalmente por se tratar de apenas um fóssil (apesar de os defensores de que a criança de Lagar Velho é uma prova do intercru- zamento humano moderno-neandertal apresentarem ou- tros fósseis como possíveis híbridos) e porque sua idade indica ter havido cruzamento entre humanos modernos e neandertais há cerca de 24.500 anos, quando não há fós- seis neandertais mais recentes do que 30 mil anos. Outras análises encontraram características osteológicas em am- bos – humanos modernos e neandertais – que sugerem in- tercruzamento das duas espécies (Wolpoff e col., 2001). Se, contudo, aceitamos a teoria da origem africana, segundo a qual humanos modernos substituíram os neandertais na Europa sem intercruzamento dos dois grupos, então essas características podem pertencer a um ancestral comum das duas espécies ou mesmo ser um exemplo de evolução
Mostrar mais

11 Ler mais

Relações entre perfil de valores e perfil de uso da tecnologia: Um estudo com os docentes que atuam na modalidade presencial e/ou no ensino a distância

Relações entre perfil de valores e perfil de uso da tecnologia: Um estudo com os docentes que atuam na modalidade presencial e/ou no ensino a distância

O advento das novas tecnologias e a dinamicidade das mudanças que estas provocam, impactam diretamente em vários aspectos da sociedade, dentre estes, na educação. Novas metodologias e mudanças no processo de ensino-aprendizagem tornam-se práticas cada vez mais frequentes neste campo. O elemento basilar desta nova constituição é o docente, capaz de transformar a utilização desses recursos em ferramentas que favoreçam o processo educativo. Essa readequação do comportamento exigida por essas constantes mudanças é orientada pelos valores pessoais dos sujeitos que vivenciam a situação. Os valores são idealizado s como critérios que interferem diretamente nas atitudes, preferências e até mesmo no comportamento humano, influenciando no modo como o indivíduo interpreta as suas próprias atitudes e as dos outros, inclusive no âmbito profissional. Dessa forma, o objetivo geral da presente pesquisa é analisar as relações entre o perfil de uso da tecnologia e os valores dos docentes da UFRN – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, baseado na escala de valores de Schwartz. Para isso foram utilizados os tipos motivacionais que compõem a teoria de valores de Schwartz, através de questionário aplicado junto aos docentes. Trata-se de uma pesquisa de enfoque analítico quantitativo que utiliza um questionário da escala de valores desenvolvida por Schwartz et al. (2001) conhecida como PVQ (Portrait Values Questionnaire). A pesquisa foi desenvolvida a partir de uma amostra de 200 docentes entre atuantes da modalidade presencial e /ou na modalidade de ensino a distância. A estratégia de análise dos dados utilizou técnicas de estatística descritiva, análise de gráficos, análise das frequências relativas e a técnica estatística MANOVA (Análise Multivariada de Variância). Os resultados apontaram que os docentes utilizam moderadamente os recursos tecnológicos avaliados nesta pesquisa, como ferramenta de apoio pedagógico. Com relação ao perfil de valores, os docentes apresentaram prioridade entre os tipos motivacionais Autodeterminação, Benevolência e Universalismo, enquanto os menos priorizados foram os de Tradição, Realização e Poder, respectivamente. Contudo, não foram identificadas relações significativas entre o perfil de valores e o perfil de uso da tecnologia entre os docentes estudados nesta pesquisa.
Mostrar mais

123 Ler mais

A FORMAÇÃO DE TÉCNICOS EM GESTÃO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: REPERCUSSÃO NO PROCESSO DE TRABALHO E ARTICULAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA

A FORMAÇÃO DE TÉCNICOS EM GESTÃO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: REPERCUSSÃO NO PROCESSO DE TRABALHO E ARTICULAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA

Ao fim, os dados quantitativos e qualitativos foram agrupados em categorias que, segundo Minayo (1994) abrangem elementos relacionados entre si em função de aspectos ou características comuns. O agrupamento de idéias ou temas em torno de conceitos possibilitou a análise das respostas dos entrevistados e das situações observadas nos serviços e na escola. As categorias foram estabelecidas a posteriori, de acordo com os dados encontrados no trabalho de campo. São elas: a articulação entre a teoria e a prática e a repercussão da formação profissional nas mudanças no processo de trabalho; o currículo e seus componentes; a relação estabelecida entre a Escola e os Serviços de Saúde.
Mostrar mais

18 Ler mais

Aplicação de álbum seriado para promoção da autoeficácia materna em amamentar

Aplicação de álbum seriado para promoção da autoeficácia materna em amamentar

Objetivo: avaliar os efeitos do uso do álbum seriado como intervenção educativa na melhoria da autoeficácia materna na amamentação. Métodos: estudo quase experimental com 41 puérperas: Grupo Intervenção (n=20) e Grupo Controle (n=21) de uma maternidade pública. A intervenção consistiu na aplicação do álbum seriado “Eu posso amamentar o meu filho” no pós-parto imediato e contato telefônico após 15 dias. Para ambos os grupos, foi aplicada a Breastfeeding Self-Efficacy Scale-Short Form no momento inicial e após 30 dias. Resultados: antes da intervenção, no grupo intervenção havia 75% com elevada autoeficácia e no grupo controle 71% das mães tinham alta autoeficácia. Constatou-se que, após intervenção educativa, todas as puérperas do grupo intervenção apresentaram autoeficácia elevada, enquanto que o percentual se manteve semelhante ao início no grupo controle (76%). Conclusão: o álbum seriado teve efeito positivo na elevação da autoeficácia das mães em amamentar.
Mostrar mais

8 Ler mais

A U L A

A U L A

Para determinar a tolerância de simetria, tomamos como elemento de referência o plano médio ou eixo da peça.. É o que mostra o próximo desenho.[r]

18 Ler mais

A U L A

A U L A

A superfície inclinada deve estar con- tida entre dois planos paralelos, dis- tantes 0,05 mm, dispostos simetrica- mente em relação à posição teórica especificada do plano considerado, c[r]

10 Ler mais

A U L A

A U L A

Se a peça não puder ser medida entre centros, essa tolerância será difícil de ser verificada, devido à infinita variedade de erros de forma que podem ocorrer em virtude da dificuldade de[r]

10 Ler mais

Repositório Institucional UFC: Teoria de grupos aplicada às propriedades de simetria dos nanotubos de Carbono

Repositório Institucional UFC: Teoria de grupos aplicada às propriedades de simetria dos nanotubos de Carbono

como os átomos de carbono se arranjam para formar a estrutura cilíndrica dos mesmos. Nos nanotubos, sabe-se que esse arranjo ocorre de forma regular, formando, assim, uma estrutura cristalina que pode ser compreendida em termos de uma folha de grafeno enrolada. [1] Essa estrututra regular simétrica é a base de várias das propriedades desses materiais, sendo assim possível utilizar conceitos de simetria para compreender o comportamento dos nanotubos. Para se estudar, então, as propriedades que podem ser identificadas apenas analisando-se a simetria dos materiais, utiliza-se uma teoria matemática amplamente conhecida, exatamente, pelo fato de ela tornar a análise da simetria, matematicamente, consistente e elegante, que é a chamada Teoria de Grupos.
Mostrar mais

87 Ler mais

Sobreposição normativa na Amazônia brasileira e os desafios para o  unisalista em direitos humanos  Rodolfo de Freitas Jacarandá

Sobreposição normativa na Amazônia brasileira e os desafios para o unisalista em direitos humanos Rodolfo de Freitas Jacarandá

Roger Pilon, em “Ordering Rights Consistently – Or What We Do and Do Not Have Right To ”, de 1979, defendeu a teoria do direito de Gewirth alertando para o fato de ser uma característica de seu tempo aquilo que um jornalista da CBS havia chamado de “explosão de direitos”, culminando na prevalência de uma “justiça econômica e direitos humanos”, algo que ele mesmo definiu como sendo uma “tendência para multiplicar direitos sem observar as obrigações correlatas que lhes são logicamente aplicáveis” (1979, p. 1171). O idioma da teoria dos bens ou das virtudes, argumenta Pilon, é inconsistente e não pode ser justificado universalmente. Sob certas condições, é possível se chegar à conclusão de que é necessário perdoar as dívidas de “devedores indigentes”, elidir as “obrigações contratuais dos insensatos” ou prover assistência aos “necessitados” (needy) por meio de redistribuição forçada de bens. Mas isso não deve ocorrer, afirma Pilon, por obrigação jurídica, e sim pela “graça” (grace) governamental, concedida na forma de uma “violação dos direitos” (das outras pessoas). Em nível teórico, a ajuda aos necessitados seria uma violação dos direitos, mas também uma violação do compromisso epistemológico da teoria, já que “benefícios gratuitos não geram obrigações para os beneficiados” (1979, p. 1195).
Mostrar mais

30 Ler mais

Aspectos eletrônicos e estruturais do grafeno e derivados:: um estudo teórico-experimental

Aspectos eletrônicos e estruturais do grafeno e derivados:: um estudo teórico-experimental

Al´em disso, mostramos que c´alculos DFT s˜ao particularmente apropri- ados `a an´alise de experimentos que envolvem deforma¸c˜oes em nanoestru- turas, como aquelas produzidas por sondas de AFM. Isso foi demonstrado no caso do grafeno de uma e poucas camadas submetidos a uma press˜ao local. A partir de ind´ıcios experimentais de comportamentos distintos entre grafeno mono- e multi-camada em relacao a inje¸c˜ao de carga, elaboramos modelos que mostraram quais aspectos estruturais poderiam justificar essa diferen¸ca. Propusemos um mecanismo de rehibridizacao das camadas su- periores do material, mediado por grupos -OH oriundos da hidrata¸c˜ao da amostra, que levou ao aparecimento de uma deple¸c˜ao dos estados eletrˆonicos nas camadas rehibridizadas, al´em da estabiliza¸c˜ao de um estado magn´etico no material. Estudamos ainda as propriedades eletrˆonicas de dispositivos de grafeno de poucas camadas por meios experimentais, utilizando t´ecnicas de transporte el´etrico, e propusemos um experimento combinando transporte e t´ecnicas de SPM capaz de verificar os modelos propostos por teoria.
Mostrar mais

117 Ler mais

Efeito dos Preços dos Alimentos sobre o Estado Nutricional dos Jovens Brasileiros Maria Micheliana da Costa Silva Naercio Aquino Menezes Filho

Efeito dos Preços dos Alimentos sobre o Estado Nutricional dos Jovens Brasileiros Maria Micheliana da Costa Silva Naercio Aquino Menezes Filho

Para tanto, serão estimados três modelos: um modelo que identifica a aquisição individual de calorias, por meio da aquisição agregada domiciliar, seguido por um modelo que relaciona o [r]

47 Ler mais

Estratégia de articulação e estratégia de aliança: possibilidades para a luta política.

Estratégia de articulação e estratégia de aliança: possibilidades para a luta política.

é decorrência da coningência da ariculação de um conjunto de elementos em torno de um signiicante vazio, a parir da exclusão daquilo que o ameaça. O sucesso de um projeto hegemônico democráico radical, ou seja, de um proje- to de reaivação do políico a im de ampliar os valores democráicos para dife- rentes esferas da sociedade – o qual chamaremos ao longo do arigo de projeto contra-hegemônico – depende “de um ponto de equilíbrio entre um avanço má- ximo da revolução democráica num largo campo de esferas, e a capacidade da direção hegemônica e reconstrução posiiva dessas esferas por parte dos grupos subordinados” (LACLAU & MOUFFE, 1985, p. 189, tradução nossa), fundando um novo ‘senso comum’ entre as diferentes demandas sociais, a parir do qual o social será reconstruído. A ariculação entre esses dois momentos é sempre con- ingente pelo fato de não exisir nenhum fundamento antropológico que os una, ou seja, um fundamento subjacente que possibilite a nós airmar previamente que mundo será construído.
Mostrar mais

32 Ler mais

Show all 10000 documents...