Top PDF A psilocibina e o seu potencial terapêutico em saúde mental

A psilocibina e o seu potencial terapêutico em saúde mental

A psilocibina e o seu potencial terapêutico em saúde mental

A psilocibina é um alcaloide agonista serotoninérgico, princípio ativo dos chamados “cogumelos mágicos”, sendo encontrada predominantemente nos cogumelos do gênero Psilocybe sp., que tem sido utilizado milenarmente em rituais indígenas religiosos. O efeito psicodélico causado pela psilocibina presente no cogumelo faz com que ele, atualmente, seja usado para alcançar experiências místicas e de autoconhecimento. Entretanto, devido a proibição de estudos sobre psicodélicos que ocorreu na década de 1960, ainda existe uma visão negativa associada ao uso desse grupo de substâncias, o qual a psilocibina faz parte. Foi então percebida a necessidade de aprofundar os conhecimentos e entender melhor a psilocibina e os seus efeitos no corpo humano. Assim, objetivou-se analisar a literatura científica sobre a psilocibina e o seu potencial terapêutico em saúde mental. Através de uma revisão integrativa na literatura disponível, foi possível buscar, reunir e sistematizar os resultados dessa pesquisa, que teve como amostra 11 artigos, buscados nas bases de dados SCIELO, MEDLINE/PubMed, BVS, SCOPUS e CINAHL, a partir do cruzamento dos descritores “Psilocybin” e “Mental Health”, com seus respectivos correspondentes nas línguas português e espanhol, utilizando o operador boleano AND, tendo sido encontrados artigos apenas na base de dados MEDLINE/PubMed. A produção científica encontrada e analisada na pesquisa apresentou resultados positivos sobre a psilocibina. O princípio ativo encontrado nos cogumelos mágicos apresenta baixa toxicidade, não tem potencial de causar danos cerebrais, mentais ou físicos, nem de causar adicção, uso compulsivo ou abuso. Além disso, a psilocibina tem um grande potencial para tratamento de pacientes com depressão resistente a tratamentos farmacológicos convencionais, com significativa melhora na sintomatologia depressiva em um menor espaço de tempo e com efeitos prolongados, mesmo em poucas doses. Essa melhora também se manifesta em outros transtornos mentais, como a ansiedade, transtorno obsessivo-compulsivo e abuso de drogas. Essas melhoras não podem ser dissociadas da experiência mística/psicodélica associada ao uso agudo e pós agudo, que causam sensação de paz, plenitude e reflexões sobre o “eu interior”.
Mostrar mais

50 Ler mais

Psilocibina : perspetiva sociopolítica e potencial terapêutico na adição

Psilocibina : perspetiva sociopolítica e potencial terapêutico na adição

Atualmente existem dados preliminares que sugerem que os alucinógenos, designadamente a psilocibina, podem ter potencial terapêutico no tratamento das perturbações de adição e de uso de substâncias. E uma vez que, até à data, outros tratamentos farmacológicos revelam eficácia limitada, tal descoberta reveste-se de maior importância. Neste artigo é fornecida uma revisão da literatura existente relativa à psilocibina, começando por uma contextualização histórica e sociopolítica e analisando em seguida a informação clínica mais recente no que toca ao tratamento de dependências com esta substância. A pesquisa foi realizada usando as plataformas Pubmed, Web of Science e Google Scholar. Dois estudos-piloto sobre o tratamento assistido com psilocibina para a dependência tabágica e alcoólica obtiveram resultados positivos – no entanto, ainda não é possível a extração de conclusões definitivas sobre a eficácia deste tratamento. Dada a nossa compreensão limitada dos efeitos clinicamente relevantes da psilocibina, estes resultados podem ser encarados como uma oportunidade para futuras investigações.
Mostrar mais

38 Ler mais

INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL: Construindo um Ambiente Terapêutico em um Caps Infanto-Juvenil

INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL: Construindo um Ambiente Terapêutico em um Caps Infanto-Juvenil

O projeto PROCONVIVE insere-se, portanto, nesse cenário ao propor que o tempo de ócio das crianças, adolescentes e familiares atendidos no serviço seja explorado como potencial terapêutico. Nessa direção, planejou-se o que chamamos de “im- plantação de um espaço permanente de convivên- cia”, ou seja, a implantação de um espaço terapêu- tico integral que pretende contribuir com o processo terapêutico dos usuários do serviço. As atividades vão ao encontro do que se espera da clínica amplia- da, visto que o ambiente começa a ser pensado como produtor de subjetividade, de modo que o tempo passado no CAPSi seja integralmente terapêutico e, como tal, promotor de saúde.
Mostrar mais

6 Ler mais

A atenção psicossocial em saúde mental: contribuição teórica para o trabalho terapêutico em rede social.

A atenção psicossocial em saúde mental: contribuição teórica para o trabalho terapêutico em rede social.

Os processos conscientes e inconscientes e a ressignificação do sofrimento, passam aqui por um olhar clí- nico que privilegia a dinâmica das relações humanas de um sujeito situado numa sociedade, cultura e história. Por isso o entendimento da rede pessoal significativa do usuário (Sluzki, 1997; Vieira Filho, 1998b) é fundamental, particularmente quan- do se quer perceber as teias de conflito(s), o potencial familiar de apoio ou não em situação de crise, o núcleo relacional a ser ativado para uma melhor inserção social do usuário, etc. Po- rém não se pode confundir sua rede significativa com a rede de apoio que o terapeuta pode construir junto com ele. No primeiro caso, mapeiam-se as pessoas e grupos com os quais ele tem uma relação significativa (por exemplo, confiança, pro- fissional, mais afetiva); no segundo, distingue-se neste mapeamento aquelas pessoas e/ou grupos que podem ser ativados diretamente (intervenção na rede), ou indiretamente (por iniciativa do usuário ou outros implicados no atendimen- to), no sentido de contribuir para seu bem-estar. Em todo caso, a rede de serviços também pode se constituir como rede de apoio na medida em que existam profissionais disponíveis e solidários para ajudar o usuário em cuidados específicos.
Mostrar mais

7 Ler mais

As novas práticas em saúde mental e o trabalho no serviço residencial terapêutico.

As novas práticas em saúde mental e o trabalho no serviço residencial terapêutico.

No entanto, as estratégias de reabilitação encontradas nesta pesquisa ainda se limitam ao espaço do CAPS III, com o desenvolvimento das oficinas terapêuticas (OTs). As OTs auxiliam os usuários a se (re)adaptarem na vida em sociedade, seja por (re)criarem espaços de vínculos sociais ou por permitirem a produção do trabalho manual e/ou expressivo dos usuários. De ambas as formas, as ações desenvolvidas estimulam a autonomia e autoestima, por meio da valorização do potencial criativo, produtivo e expressivo do usuário, podendo ainda atribuir o valor de trabalhador e cidadão, digno de direito e deveres. 13,14
Mostrar mais

8 Ler mais

Auto-organização e saúde mental: investigando a autonomia pessoal no processo terapêutico

Auto-organização e saúde mental: investigando a autonomia pessoal no processo terapêutico

Neste sentido, Cohen e Salgado (2009) consideram que as diferenças e fragilidades são próprias dos seres humanos e que nem mesmo a loucura priva as pessoas de todas suas capacidades adaptativas. O adoecimento psíquico é fator marcante e desagregador na vida das pessoas, implicando em desabilidades, em padrões de comportamento que diferem do esperado pela sociedade, refletindo nestas pessoas, sentimentos de inutilidade, de perda da autonomia e desvantagens de poder nas relações interpessoais (FERREIRA; PEREIRA, 2012). Além disso, a pessoa que passa pela experiência da doença mental carrega consigo herança de conceitos cristalizados pela história, onde encontramos exclusão, enclausuramento e negação de direitos. Nessa prática, as relações de poder e dominação foram construídas por meio da violência física, psicológica e econômica. Desse modo, consideramos que em busca da autonomia e cidadania estas pessoas, além das fragilidades e diferenças próprias dos seres humanos e das limitações impostas pelo adoecimento ou pela vida, enfrentam as dificuldades decorrentes do rompimento com quase duzentos anos dessa prática segregadora, excludente, embasada na tutela e na noção de periculosidade, restringindo a responsabilidade e a autonomia dos pacientes no processo terapêutico.
Mostrar mais

122 Ler mais

Papel do Enfermeiro Especialista em Saúde Mental e Psiquiátrica na Promoção do Ambiente Terapêutico no Internamento do Adolescente em Sofrimento Mental

Papel do Enfermeiro Especialista em Saúde Mental e Psiquiátrica na Promoção do Ambiente Terapêutico no Internamento do Adolescente em Sofrimento Mental

Um dos momentos mais significativos nesta relação, foi o momento da sua alta. Esta ado- lescente não aceitou facilmente que era o momento de ter alta, descrevendo sentimentos como “medo de si própria”, “insegurança em voltar para casa e estar sozinha”, “não confio em mim”, com uma postura muito tensa, labilidade emocional e choro fácil. Como tal, trabalhámos com a jovem a importância deste processo de transição, incentivando a expressão dos seus sentimentos, me- dos e inseguranças e a mobilização de todos os instrumentos desenvolvidos durante o interna- mento, para saber gerir melhor estas dificuldades, promovendo reestruturação cognitiva. Para além disso, também foi trabalhado a importância da adesão ao regime terapêutico e orientada na identificação e no acesso aos recursos de apoio ao seu dispor.
Mostrar mais

79 Ler mais

Apoio matricial, projeto terapêutico singular e produção do cuidado em saúde mental.

Apoio matricial, projeto terapêutico singular e produção do cuidado em saúde mental.

Esses obstáculos incidem na formação do projeto terapêutico dos usuários com transtornos mentais. As narrativas, consoante as observações em campo, revelam que a participação do usuário não se efetiva, isto é, esse processo não possibilita o protagonismo, tampouco promove a autonomia do sujeito. Em um dos momentos da elaboração do PTS, observou-se que o usuário foi convidado a se ausentar do espaço para que os proissionais deinissem entre si o seu tratamento. Ele [usuário] fala muitas vezes uma coisa, mas quer dizer outra, então a gente vê essa necessidade dele, no momento que ele sai, a gente faz essa discussão desse projeto terapêutico, o que é que a gente pode tá encaminhando pra ele, tá até facilitando pra ele (Enfermeiro ESF).
Mostrar mais

9 Ler mais

Potencial terapêutico dos antagonistas da endotelina

Potencial terapêutico dos antagonistas da endotelina

gulação dos níveis de endotelina sendo que os recetores da endotelina contribuem para os efeitos prejudiciais deste péptido. A desregulação dos níveis plasmáticos de endoteli- na contribui para o desenvolvimento de diversas patologias como a hipertensão arterial pulmonar, a insuficiência cardíaca ou a doença renal crónica. O estudo dos recetores da endotelina levou à descoberta de compostos capazes de antagonizar estes recetores com potencial terapêutico. Alguns fármacos já se encontram disponíveis para uso clínico, em particular destacam-se o bosentano o ambrisentano e o macitentano, no entanto muitos outros ainda se encontram em fase de ensaios clínicos. Neste trabalho pretende-se fazer uma revisão bibliográfica de todos os mecanismos fisiopatológicos do sistema da endo- telina, o seu envolvimento nas várias patologias bem como as várias opções terapêuticas disponíveis. Pretende-se, ainda, fazer uma pesquisa relativamente aos vários compostos destinados a modular o sistema da endotelina em fase de ensaios clínicos, avaliando o seu potencial clínico.
Mostrar mais

64 Ler mais

PROJETO TERAPÊUTICO PARA USUÁRIO DE MÚLTIPLAS SUBSTÂNCIAS NA ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROJETO TERAPÊUTICO PARA USUÁRIO DE MÚLTIPLAS SUBSTÂNCIAS NA ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O projeto terapêutico incorpora a noção interdisciplinar que reúne a contribuição de várias especialidades e distintas profissões. Assim, depois da avaliação compartilhada das condições do usuário, são acordados procedimentos a cargo de diversos membros da equipe multiprofissional, denominada equipe de referência. Aqui, nosso objetivo é relatar a experiência de acompanhamento do projeto terapêutico singular de um usuário de múltiplas substâncias da Rede de Atenção Integral à Saúde Mental (RAISM), em Sobral (CE), feito semanalmente durante o segundo semestre de 2014. O período de internação hospitalar foi de 48 dias e o projeto terapêutico construído para o usuário denominado APCS incluiu grupo de acolhimento com assistente social e atendimento individual com psicólogo, psicoterapeuta e psiquiatra. Acompanhar esse processo de cuidado que usa os serviços de uma RAISM foi interessante. A experiência vivenciada durante o desenvolvimento das atividades no Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) “Redes de Atenção Psicossocial” proporcionou aprendizado teórico-prático dos preceitos adotados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A inserção dos estudantes de Enfermagem e de Educação Física no cotidiano da RAISM, além de aproximar a prática clínica da realidade vivida pelos usuários do SUS, multiplica os olhares e amplia a percepção dos problemas.
Mostrar mais

5 Ler mais

Desinstitucionalização em saúde mental e práticas de cuidado no contexto do serviço residencial terapêutico.

Desinstitucionalização em saúde mental e práticas de cuidado no contexto do serviço residencial terapêutico.

Resumo Os serviços residenciais terapêuticos (SRT) no Brasil são considerados estratégicos e imprescindí- veis no processo de desinstitucionalização de egressos de longas internações psiquiátricas que perderam vínculos sociais e familiares. No entanto, muitos são os problemas e desafios que este serviço evidencia no contexto mais amplo da atenção à saúde. Este artigo procura analisar alguns desses problemas e desafios a partir da experiência do SRT de Natal, Rio Grande do Norte, e de contribuições da literatura do campo. Propostos com base na idéia de que os encontros en- tre loucura e cidade são potentes no sentido da des- construção da “lógica manicomial”, os SRT são proble- matizadores do modelo de atenção em saúde vigente, pois exigem a desconstrução das formas rígidas e hege- mônicas de morar e cuidar. Pretende-se problemati- zar essa “lógica manicomial” que atravessa os limi- tes dos manicômios concretos e se atualiza no cotidia- no dos serviços substitutivos em certas práticas e na frágil articulação da rede de saúde mental. A falta de articulação efetiva entre SRT e Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) dá lugar a dispositivos biopolíti- cos no cotidiano através dos quais essa lógica opera. Discutimos, então, os riscos de captura por esta lógi- ca e indicamos algumas das possibilidades de descons- trução, defendendo uma clínica que possibilite encon- tros potentes com a cidade e a construção de “redes de trabalho afetivo” produtoras de vida e liberdade. Palavras-chave Desinstitucionalização, Saúde men- tal, Serviço residencial terapêutico, Práticas em saúde Abstract In Brazil, the home-based care services
Mostrar mais

10 Ler mais

Clínica ampliada em saúde mental: cuidar e suposição de saber no acompanhamento terapêutico.

Clínica ampliada em saúde mental: cuidar e suposição de saber no acompanhamento terapêutico.

O novo paradigma do cuidado intensivo justifi- ca soluções teórico-práticas que deslocam o eixo tradicional da intervenção-identidade: home care, curta permanência, flexibilidade dos atendimentos, práticas de cuidado, integração e integralidade, no- madismo clínico, etc. Articulado com novas deman- das, o AT adquire paulatinamente abertura em sua identidade (ou designação) assim como novas ta- refas por cumprir. Acreditamos que a força e singu- laridade do trabalho do acompanhante provêm, exatamente, de sua identidade precária (profissio- nal ou institucional), porém flexível. O acompa- nhante terapêutico, que abreviaremos como at (am- bas minúsculas), pode desempenhar papéis varia- dos na relação cotidiana com o paciente, desde se- cretário, babá, governanta, “enfermeiro”, “assisten- te social”, “terapeuta ocupacional”, dama de com- panhia, anjo da guarda, indo até onde for possível manter a aliança terapêutica. Esta multiplicidade de máscaras revela-se perfeitamente compatível com as peculiaridades do trabalho habitual do At e com as vicissitudes de sua imagem e identidade.
Mostrar mais

11 Ler mais

Projeto terapêutico em Saúde Mental: práticas e processos nas dimensões constituintes da atenção psicossocial.

Projeto terapêutico em Saúde Mental: práticas e processos nas dimensões constituintes da atenção psicossocial.

descontextualizado pelo qual as equipes de serviços extra-hospitalares referenciam seus projetos terapêuticos, explicitando dificuldade de compreensão, de execução e construção do PT dentro das próprias equipes. Este, conforme idealizado na concepção da reforma psiquiátrica e atenção psicossocial, descaracteriza-se, dando lugar à aplicação de técnicas terapêuticas fragmentadas pela especialização. Informando, ainda, que o PT é resultado dos agenciamentos provocados pelas diversas lógicas que perpassam os serviços de saúde e definem a ação dos trabalhadores nos cenários de produção do cuidado. Decerto, é na tensão do instituído e instituinte, do biomédico, psicossocial e psicoafetivo, que acontecerão as práticas de saúde, os múltiplos modelos tecnoassistenciais e a produção do cuidado. Desse modo, objetivou-se compreender o cuidado psicossocial, tendo como analisador o projeto terapêutico dos usuários acompanhados nos centros de atenção psicossocial, a partir das narrativas de profissionais dos serviços.
Mostrar mais

12 Ler mais

Sentidos de doença mental em um grupo terapêutico e suas implicações.

Sentidos de doença mental em um grupo terapêutico e suas implicações.

No฀ contexto฀ específico฀ das฀ produções฀ em฀ Psicologia,฀ diversas฀descrições฀sobre฀funcionamento฀mental,฀patologia฀ e฀comportamento฀humano฀emergiram฀a฀partir฀disso,฀produ- zindo฀entendimentos฀que,฀disseminados฀pelo฀conhecimento฀ científico,฀ hoje฀ fazem฀ parte฀ do฀ senso฀ comum,฀ presentifi- cando-se฀ nas฀ práticas฀ discursivas฀ cotidianas.฀ Dentre฀ eles,฀ destacam-se:฀ a฀ relação฀ entre฀ doença฀ mental฀ e฀ o฀ retorno฀ a฀ estados฀primitivos;฀a฀noção฀de฀trauma฀e฀a฀importância฀das฀ vivências฀passadas;฀a฀pressuposição฀de฀fases฀e฀estágios฀de฀ desenvolvimento฀normal;฀a฀noção฀de฀mundo฀mental,฀marcado฀ por฀construções฀simbólicas,฀seguida฀da฀noção฀de฀conflitos฀ internos฀e฀ambivalência฀afetiva;฀a฀importância฀das฀relações฀ familiares฀e฀das฀interações฀sociais฀em฀geral,฀considerando฀a฀ influência฀do฀meio฀no฀desenvolvimento฀da฀doença;฀e฀refe- rências฀a฀problemas฀vividos฀nos฀processos฀de฀socialização฀e฀ aprendizagem฀de฀normas฀e฀regras฀sociais.
Mostrar mais

9 Ler mais

Potencial terapêutico da fenitoína na cicatrização de radiodermites.

Potencial terapêutico da fenitoína na cicatrização de radiodermites.

A possível efetividade da ação cicatrizante da fenitoína surgiu como questionamento da práxis de assistir pacientes oncológicos com doença avançada, fora de possibilidades terapêuticas atuais (FPTA), em um ambulatório de curativos de uma instituição pública, a partir da indagação do Serviço de Farmácia daquela instituição. Neste cenário, a prática profissional de enfermagem consistia na execução de curativos em clientes portadores de feridas agudas traumáticas, cirúrgicas e crônicas. O potencial cicatrizante da fenitoína despertou especial interesse tendo em vista a ocorrência das feridas traumáticas, e deu-se início a uma pesquisa bibliográfica que fornecesse evidências desta atuação.
Mostrar mais

7 Ler mais

Carnitina – Metabolismo, funções e potencial terapêutico

Carnitina – Metabolismo, funções e potencial terapêutico

Por fim, apesar de existirem muitas investigações clínicas sobre os efeitos da suplementação com L-carnitina sobre determinadas patologias, como na melhora do desempenho durante exercí[r]

20 Ler mais

Potencial terapêutico de nanopartículas de óxido de ferro

Potencial terapêutico de nanopartículas de óxido de ferro

D. Chang et al. (88) define a hipertermia como a leve elevação da temperatura, de forma controlada, até valores entre os 40 a 43 ᴼC, de forma a provocar a morte celular de células cancerígenas e podendo melhorar os efeitos da radioterapia e quimioterapia (89). Contudo, estes investigadores afirmam que o alcance de todo o potencial das nanopartículas de óxido de ferro como tratamento clínico, tem sido barrado pela incapacidade dos métodos de tratamento atuais de se restringir ao aquecimento das células cancerígenas e somente estas células. Como seria de esperar, sem uma barreira que impeça a energia sob a forma de calor de atingir as células saudáveis adjacentes às células neoplásicas, esta energia atua, da mesma forma que nas células a eliminar, nas células saudáveis, sendo assim necessário pesar os prós e contras da sua utilização em terapêutica anti neoplásica (88).
Mostrar mais

72 Ler mais

Avaliação de toxicidade de psicofármacos com potencial terapêutico

Avaliação de toxicidade de psicofármacos com potencial terapêutico

O canabidiol (CBD) é um composto encontrado na espécie Cannabis sativa que já teve sua eficácia reconhecida para o tratamento de epilepsia grave, além de atualmente ser estudado para o tratamento de diversas doenças do sistema nervoso. Medicamentos à base de canabidiol já são utilizados em diversos países. No Brasil, a liberação tem sido discutida e com importantes avanços desde 2014. A Ayahuasca é um chá psicoativo originário da Amazônia, amplamente utilizado por tribos indígenas e seitas religiosas. A Ayahuasca tem sido recentemente estudada por seu amplo potencial terapêutico para tratar distúrbios psiquiátricos, como ansiedade, depressão, vícios em drogas de abuso e doenças degenerativas. Dentro deste contexto, para garantir a segurança da população que poderá fazer uso dessas substâncias é essencial que estudos de toxicidade sejam realizados. Para avaliar a toxicidade intrínseca das substâncias foram realizados ensaios de neurotoxicidade e teratogenicidade. O organismo-teste utilizado para estes ensaios foi o zebrafish devido a diversas vantagens apresentadas por este organismo, sendo as principais delas, a transparência do córion e da larva que permite a observação das estruturas internas, e a semelhança do código genético com de mamíferos. Desta forma, o presente trabalho visa fornecer subsídios para a avaliação da segurança do CBD, de um derivado sintético de CBD e ayahuasca, por meio da avaliação de toxicidade utilizando abordagens diferentes empregando embriões de zebrafish. A acetilcolinesterase (AChE) é uma enzima envolvida nas vias de neurotransmissão sináptica. Sua atividade tem sido amplamente utilizada como biomarcador em estudos de neurotoxicidade. A AChE é expressa cedo em zebrafish, desde o estágio embrionário. Neste trabalho, a atividade da AChE foi avaliada pelo teste
Mostrar mais

21 Ler mais

O Projeto Terapêutico Singular e as práticas de saúde mental nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) em Guarulhos (SP), Brasil.

O Projeto Terapêutico Singular e as práticas de saúde mental nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) em Guarulhos (SP), Brasil.

Resumo Diversos estudos descrevem o Projeto Terapêutico Singular (PTS) como um instrumento potente de cuidado aos usuários de serviços espe- cializados de saúde mental. Ele também é proposto como ferramenta de organização e sustentação das atividades do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), baseadas nos conceitos de corresponsabi- lização e gestão integrada do cuidado. O objetivo deste artigo é analisar a elaboração de PTS pelas equipes de saúde mental dos NASF e suas articu- lações com serviços da Atenção Primária à Saúde (APS), da Atenção Psicossocial e com outros setores da sociedade. A pesquisa, do tipo qualitativa, foi conduzida no município de Guarulhos (SP), em 2012, mediante realização de entrevistas semies- truturadas, com profissionais de saúde mental de núcleos de apoio e observação sistemática. O método empregado na interpretação foi análise de conteúdo. O PTS nos NASF esbarra em obstáculos relacionados à indefinição de objeto de trabalho (atenção ou gestão?), à precariedade das condições de trabalho e sobreposição de funções em torno desse dispositivo. É necessário analisar a viabilidade tecnológica do PTS a partir das peculiaridades da APS, evitando a mera transposição de ferramentas tecnológicas entre diferentes serviços da rede de atenção psicossocial.
Mostrar mais

11 Ler mais

Potencial terapêutico das células estaminais na regeneração dentária

Potencial terapêutico das células estaminais na regeneração dentária

O rápido progresso feito nos últimos 20 anos na área das células estaminais, materiais e ciências biológicas permitiu o surgimento de novas perspetivas na área da bioengenharia oral. Recentemente, vários profissionais na área da saúde e da engenharia defendem que será possível regenerar a peça dentária por inteiro (Bioteeth). Este procedimento poderia ser uma alternativa à utilização de implantes dentários, uma vez que o dente é implantado e erupciona na cavidade oral do paciente após manipulação experimental in vitro [Tabela 2](7,11,28,32,33). Existem duas abordagens principais na construção de uma peça dentária na íntegra. A primeira seria a implantação in vivo do germe dentário, que previamente seria formado in vitro por várias populações de células estaminais dentárias. A outra abordagem consistiria em implantar na cavidade oral um scaffold em forma de dente, contendo células estaminais. Idealmente, este implante deveria reproduzir a estrutura 3D requerida pelas células estaminais, de forma a suportar a sua sobrevivência, proliferação e diferenciação (23,28,33).
Mostrar mais

33 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados