Top PDF Absentéismo-doença na equipe de enfermagem em um hospital público: doença na equipe de enfermagem em um hospital público

Absentéismo-doença na equipe de enfermagem em um hospital público: doença na equipe de enfermagem em um hospital público

Absentéismo-doença na equipe de enfermagem em um hospital público: doença na equipe de enfermagem em um hospital público

Trata-se de um estudo sobre o absenteísmo relacionado às doenças que acometem a equipe de enfermagem em um contexto hospitalar, com o objetivo de analisar os índices de absenteísmo-doença da equipe de enfermagem de um hospital público de Belo Horizonte referente ao ano de 2013. Tem como desdobramentos abordar o absenteísmo-doença por setores assistenciais, tempo de afastamento e principais patologias. Trata-se de uma pesquisa descritiva e analítica, documental contemporânea, com abordagem quantitativa e de caráter transversal. Foi utilizado o estudo de caso único realizado em um hospital público geral, de grande porte, referência em urgência/emergência. A população foi a equipe de enfermagem dos setores assistenciais, abordada por meio de censo, e composta por 1.056 profissionais, sendo 899 de nível fundamental/médio e 157 de nível superior. Os dados foram coletados no banco de dados do hospital e analisados com o auxílio do programa Statistical Package for the Social Science - versão 17 e tratados por meio de estatística descritiva e testes estatísticos (teste Z e Poisson). Os resultados mostram que, dos 1.056 funcionários ativos, 846 apresentaram licenças médicas (80%). A maioria é do sexo feminino (86,4%); entre 31 e 40 anos (41,8%); pertencem ao grupo auxiliar/técnico de enfermagem (84,3%); tem 4 a 5 anos de trabalho no hospital (30,8%) e vínculo estatutário (67,1%). Foram geradas no período 2.848 licenças médicas, totalizando 19.363 dias de trabalho perdidos. Setores que mais apresentaram afastamentos: Clínica Médica (267 licenças e 1.402 dias perdidos), Sala de Emergência (231 licenças e 1.804 dias perdidos) e Cuidado Intermediário Neonatal (215 licenças e 2.196 dias perdidos). Em relação aos meses do ano houve maior número de licenças em Outubro, Maio e Abril e os menores em Dezembro, Fevereiro
Mostrar mais

109 Ler mais

Concepção de estresse entre profissionais da equipe de enfermagem : estudo em um hospital público

Concepção de estresse entre profissionais da equipe de enfermagem : estudo em um hospital público

Este trabalho é fruto de ampla identificação pessoal com a linha de pesquisa voltada para o cuidado do cuidador. Já em 1988, ainda no período da graduação, realizei uma pesquisa direcionada aos profissionais de enfermagem que assistiam às pessoas acometidas pela Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA), baseando-me na concepção de que o processo de cuidar exige um olhar para quem executa o cuidado. Naquele momento, investiguei qual o conhecimento que a equipe possuía sobre a doença e quais as estratégias utilizadas para promover o autocuidado preventivo. Surgiram, assim, as primeiras observações pessoais acerca dos riscos ocupacionais que envolvem a profissão de Enfermagem em seus vários níveis, entre eles, o estresse de lidar com doenças transmissíveis e potencialmente fatais.
Mostrar mais

136 Ler mais

Satisfação no trabalho da equipe de enfermagem em um hospital universitário.

Satisfação no trabalho da equipe de enfermagem em um hospital universitário.

Objetivo: identifi car os determinantes da satisfação no trabalho da equipe de enfermagem de um hospital público universitário. Método: estudo secundário, com abordagem mista dos dados e análise de regressão linear simples e múltipla. Participaram da pesquisa 115 sujeitos, sendo 41 enfermeiros e 74 técnicos e auxiliares de enfermagem. A coleta de dados ocorreu em 2013, mediante a aplicação do questionário QST-Caism. Resultados: escolaridade, cargo e local de trabalho constituem determinantes da satisfação. Já idade, sexo, função e período de trabalho não apresentaram essa relação. Trabalhadores mais escolarizados detinham baixa satisfação no trabalho se exercessem funções de técnico e de auxiliares de enfermagem. Conclusão: trabalhadores graduados desempenhando funções de ensino médio estão mais insatisfeitos do que aqueles com função e formação de ensino médio. Descritores: Satisfação no Trabalho; Recursos Humanos de Enfermagem no Hospital; Condições de Trabalho.
Mostrar mais

9 Ler mais

Modelo de gestão colegiada e descentralizada em hospital público: a ótica da equipe de enfermagem.

Modelo de gestão colegiada e descentralizada em hospital público: a ótica da equipe de enfermagem.

Esta pesquisa objetivou apresentar a implantação do modelo de gestão colegiada e descentralizada, em unidades funcionais, em um hospital público do município de Ribeirão Preto, SP, segundo a visão da equipe de enfermagem e da assistente técnica de saúde. Trata-se de estudo de caso histórico- organizacional, na vertente qualitativa, que se utilizou da análise temática de conteúdo, proposta por Bardin, para a análise dos dados. A instituição adotou a descentralização de sua estrutura administrativa a partir de 1999, mediante a aplicação da gestão compartilhada, o que possibilitou algumas melhorias internas, com repercussão positiva na assistência prestada ao usuário. A implantação verticalizada do processo parece ter prejudicado a adesão dos trabalhadores, embora a gestão colegiada tenha intensificado a comunicação, o compartilhamento do poder e da decisão. O estudo aponta, apesar dos avanços em relação à qualificação da assistência, que muito há que se fazer para se concretizar essa proposta gerencial inovadora.
Mostrar mais

8 Ler mais

Identificação e tratamento da dor no recém-nascido prematuro na Unidade de Terapia Intensiva.

Identificação e tratamento da dor no recém-nascido prematuro na Unidade de Terapia Intensiva.

O estudo objetivou analisar os parâmetros utilizados pela equipe de enfermagem de um hospital público da Bahia para a avaliação da dor no recém-nascido prematuro e descrever as intervenções utilizadas para aliviar a dor. Estudo descritivo e qualitativo, realizado por meio de entrevistas semiestruturadas com dez participantes, no período de dezembro de 2008 a janeiro de 2009, sendo analisados através da Análise de Conteúdo. Os resultados apontaram a utilização do choro e expressão facial como parâmetros indicativos de dor; e que estes profissionais utilizam de forma não sistematizada medidas não farmacológicas para amenizar este processo. Sugere-se a introdução da dor como o quinto sinal vital a ser avaliado e a utilização de escalas, com vistas à excelência e humanização do cuidado.
Mostrar mais

7 Ler mais

Acreditação em hospital público: percepções da equipe multiprofissional.

Acreditação em hospital público: percepções da equipe multiprofissional.

mática no Brasil também é escassa. Tal dado foi constatado em buscas, referentes aos últimos dez anos (2005-2015), nas bases de dados online (Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), Scientific Electronic Library Online (SciELO), Literatura Lati- no-Americana em Ciências da Saúde (LILACS), National Li- brary of Medicine (Pubmed), Base de Dados em Enfermagem (BDENF) e Scopus, utilizando-se apenas o descritor contro- lado “Acreditação hospitalar” e seu respectivo no idioma in- glês. A maior parte das pesquisas originais que versam sobre a Acreditação se utilizam de hospitais privados como campo de estudo. Ademais, não foi encontrada nenhuma investigação de origem brasileira com foco na percepção dos profissionais atuantes em serviço público que versasse a respeito do siste- ma de Acreditação.
Mostrar mais

9 Ler mais

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE O PROTOCOLO RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NO SETOR DE EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL PÚBLICO

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE O PROTOCOLO RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NO SETOR DE EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL PÚBLICO

RESUMO: O estudo teve como objetivo avaliar o conhecimento teórico e prático da equipe de enfermagem atuante na emergência sobre ressuscitação cardiopulmonar (RCP). Trata-se de uma pesquisa de campo com abordagem qualitativa e caráter descritivo. Participaram do estudo 12 profissionais no período de setembro a outubro de 2010, que foram nomeados nos resultados pelos codinomes: Artéria, Sangue, Aorta, Veia, Hemácia, Plaqueta, Átrio e Ventrículo, sendo que 4 não declararam opiniões divergentes. Por meio dos resultados constatou-se que os profissionais conseguiram identificar o paciente em parada cardiorrespiratória (PCR), mas é necessário aprimorar os conhecimentos na área para reversão do quadro clínico no atendimento imediato. Quanto à capacitação no atendimento ao paciente em PCR, 5 dos entrevistados não a possuem pela falta de oferta da instituição. Quando questionados sobre o desempenho individual na efetivação das manobras de ressuscitação, 3 profissionais relataram não se sentirem capazes, alegando necessidade de aperfeiçoamento e treinamento relacionados ao atual protocolo em RCP.
Mostrar mais

13 Ler mais

Gerenciamento em enfermagem: percepção dos enfermeiros de um hospital público

Gerenciamento em enfermagem: percepção dos enfermeiros de um hospital público

O termo administração ao longo do tempo foi recebendo sinônimos como gerenciamento ou gestão e o ato de gerenciar começou a ser discutido mundialmente como recurso estratégico, tendo entre outros significados qualquer posição de direção ou chefia com o objetivo de alcançar as metas previstas, por meios de aglutinação de esforços. O gerenciamento em enfermagem é uma atividade que puncionada a articulação e a integração entre a equipe de saúde com o objetivo de tornar possível o processo do cuidar seja ele individual e coletivo. Para o exercício da gerencia teve como base teórica a ciência da administração e usou-se das funções administrativas para o processo de trabalho de gerencia em enfermagem (NASCIMENTO, 2013).
Mostrar mais

11 Ler mais

Absenteísmo relacionado à doenças entre membros da equipe de enfermagem de um hospital escola.

Absenteísmo relacionado à doenças entre membros da equipe de enfermagem de um hospital escola.

ocorrência de absenteísmo entre trabalhadores. E entre tais estudos, destaca-se uma pesquisa realizada em uma Unidade Básica e Distrital de Saúde do Município de Riberão Preto – São Paulo. Nesse estudo, verificou-se um maior número de atestados médicos e licenças entre os funcionários que trabalhavam também em mais de uma instituição, ou seja, 56% dos trabalhadores que mantinham duplo vínculo empregatício faltavam mais ao trabalho por motivo de doença, o que pode ser justificado pelo cansaço físico, estresse mental e pelo comprometimento do repouso necessário (9) . Nessa
Mostrar mais

7 Ler mais

O enfermeiro e o registro de enfermagem em um hospital público de ensino

O enfermeiro e o registro de enfermagem em um hospital público de ensino

Em relação às informações que devem estar conti- das nos registros, foram observadas cinco características importantes, sendo elas a presença de datas e horas, es- paço em branco e a legibilidade, procedimentos de enfer- magem, saída do paciente por alta ou pelo óbito e assina- tura do profissional. Dos 23 prontuários estudados que tinham registros da equipe de enfermagem, conforme Ta- bela 2, 6 (26%) haviam registro da hora de realização dos procedimentos pela enfermagem, 8 (35%) tinham a data da anotação; 12 (52%) registros não apresentavam espa- ço em branco, mas 4 (17%) com espaço em branco; não havia rasura em nenhum registro. Quanto a legibilidade 7 (30%) registros apresentavam a letra legível, sendo classificado como Bom; 3 (13%) houve dificuldade para ler (Regular) e em 6 (26%) não estava legível (Ruim); as abreviaturas existiam em 7 (30%) registros e eram com- preensíveis.
Mostrar mais

6 Ler mais

Estresse laboral na equipe de enfermagem do setor de emergências de um hospital ...

Estresse laboral na equipe de enfermagem do setor de emergências de um hospital ...

Segundo a literatura os hospitais de emergência sofrem, mais do que outras unidades, os efeitos da falta de investimento no sistema público de saúde e de sua crise de governabilidade. O estresse tem despontado como fator desencadeante de doenças ocupacionais, prejudicando todos os atores envolvidos na assistência à saúde, pensando nisso, decidimos realizar uma pesquisa quantitativa e descritiva, realizada como estudo de caso em um hospital estadual no interior de São Paulo que atende Urgências Clínicas e Psiquiátricas, com o objetivo principal de: identificar possíveis causas do estresse entre trabalhadores de enfermagem das alas de emergência e comparar os estressores da Sala de Urgência (S.U.) e Emergências Psiquiátricas (P.Q.U.). O referencial teórico utilizado é o de Robert Karasek sobre demanda-controle de estresse. Na metodologia utilizamos a observação de campo, e após, aplicamos o instrumento Job Content Questionnaire. Encontramos Alpha de Conbrach negativo para três dimensões: DA (Autoridade decisória), PsD (Demanda psicológica) e JI (Insegurança no trabalho), e relacionamos isso com a inadequação transcultural da tradução da escala para a realidade brasileira, principalmente no que tange a estabilidade empregatícia. Na comparação entre os setores observamos que o setor S.U. apresentou escores mais altos para PsD (Demanda psicológica), PhD (Demanda física), CT (Controle no trabalho) e SD (Uso de habilidade). O Suporte Social foi maior para o setor P.Q.U. Concluímos que são necessários novos estudos com o mesmo objetivo para comparações e ainda sugerimos uma revisão da tradução da escala para o português com adequação a nossa realidade empregatícia.
Mostrar mais

79 Ler mais

CAUSAS DE DESLIGAMENTOS E ROTATIVIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL DE ENSINO

CAUSAS DE DESLIGAMENTOS E ROTATIVIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL DE ENSINO

15. França MGA. Rotatividade dos auxiliares de enfermagem em instituição de longa permanência [monografia]. São Paulo: Fa- culdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. 2010. 16. Gieter S, Hofmans J, Pepermans R. Revisiting the impact of job satisfaction and organizational commitment on nurse turnover intention: an individual differences analysis. Int J Nurs Stud. 2011;48(12):1562-9. doi: 10.1016/j.ijnurstu.2011.06.007. 17. Silva DMPP, Marziale MHP. Condições de trabalho versus absenteísmo-doença no trabalho de enfermagem. Cienc Cuid Saude 2008;5:166-72.
Mostrar mais

6 Ler mais

Absenteísmo - doença na equipe de enfermagem: relação com a taxa de ocupação.

Absenteísmo - doença na equipe de enfermagem: relação com a taxa de ocupação.

Estudo de natureza quantitativa, descriti- va, transversal, elaborado com o objetivo de analisar a quantidade e as causas de afastamentos por doença dos profissionais de enfermagem e sua relação com taxa de ocupação das unidades de internação de um hospital de ensino. A metodologia foi desenvolvida em duas etapas: caracteriza- ção demográfica dos profissionais e identi- ficação e análise das ausências quanto à quantidade e tipos de afastamento por doença, aos diagnósticos médicos e à rela- ção com a taxa de ocupação do Hospital. Os técnicos de enfermagem apresentaram a maior quantidade de licenças por doença. As doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo representaram 4.957 dias (41,5%) de ausências e os transtornos mentais e comportamentais 3.393 dias (28,4%). O percentual mensal de licenças por doença foi inversamente proporcional à taxa de ocupação, sugerindo que os pro- fissionais ausentaram-se por doença após terem sido submetidos a ritmos maiores de trabalho.
Mostrar mais

7 Ler mais

Aplicabilidade da auriculoterapia com agulhas ou sementes para diminuição de estresse em profissionais de enfermagem.

Aplicabilidade da auriculoterapia com agulhas ou sementes para diminuição de estresse em profissionais de enfermagem.

Com base em tais informações, buscou-se neste estu- do avaliar a aplicabilidade da auriculoterapia chinesa para redução de níveis de estresse da equipe de enfermagem de um hospital público de ensino e veriicar a efeividade desta técnica como estratégia terapêuica. A auriculotera- pia tem ido grande aceitabilidade, é segura e eicaz para diferentes condições de desequilíbrio energéico, tendo sido reconhecida por seus efeitos posiivos em distúrbios ísicos, psíquicos e mentais. Tem alto valor prevenivo e terapêuico, pode ser realizada em 10 a 20 minutos ui- lizando-se diferentes materiais de esimulação, invasivos e não-invasivos (15) . Quesiona-se neste estudo se a auri-
Mostrar mais

7 Ler mais

Absenteísmo-doença da equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva.

Absenteísmo-doença da equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva.

Este hospital-escola situa-se na região Noroeste do Estado do Paraná e atende a demanda proveniente do Sistema Único de Saúde (SUS) do município e região, sendo subsidiado por recursos do SUS. A instituição, caracterizada como hospital geral de porte 3, aloca 123 leitos de internamento dos quais 8 são de UTI-A. No que tange aos recursos humanos, em 2006, a instituição possuía no seu quadro funcional 77 enfermeiros (26 temporários), 124 técnicos de enfermagem e 57 auxiliares de enfermagem (43 temporários) que perfaziam 32,2% do total de servidores do hospital (11) .
Mostrar mais

6 Ler mais

O absenteísmo - doença da equipe de enfermagem de um hospital universitário.

O absenteísmo - doença da equipe de enfermagem de um hospital universitário.

O profissional de enfermagem convive constantemente com a dor, o sofrimento e a morte. Essas condições podem levá-lo a desenvolver doenças psiquiátricas. No que diz res- peito à relação entre estresse e trabalho, constata-se que o ser humano se depara com um universo profissional que, frequentemente, faz exigências além da sua capacidade na sociedade contemporânea. Tal fato gera um constante estado de estresse entre os trabalhadores. Trata-se do estresse de ca- ráter ocupacional. As doenças surgem quando a capacidade do indivíduo se esgota para responder ao trabalho de forma saudável. O estresse é reconhecido como um dos riscos mais sérios ao bem-estar psicossocial do indivíduo (14) .
Mostrar mais

7 Ler mais

Palavras-chave: Equipe de enfermagem - Acidentes do trabalho - Emergências

Palavras-chave: Equipe de enfermagem - Acidentes do trabalho - Emergências

El estudio objetivó caracterizar el perfil de los profesionales del equipo de enfermería en la sección de emergencia de un hospital público municipal de Rio de Janeiro, identificando los factores de riesgo a que estaban sujetos los miembros de dicho equipo, el tipo y la naturaleza de los accidentes más comunes y cómo se los registraban. La muestra se constituyó en 122 funcionarios (69% del total de enfermeros y auxiliares de enfermería de la sección). Los resultados mostraron la presencia de factores de riesgo a que ellos están expuestos en el hospital y la falta de registro de esos accidentes, omitiendo informaciones importantes respecto a los riesgos del trabajo hospitalario y sus accidentes.
Mostrar mais

8 Ler mais

Produção científica da equipe de enfermagem de um hospital público de ensino

Produção científica da equipe de enfermagem de um hospital público de ensino

Clinical Hospital of the Federal University of Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, Brazil. This study is one of documentary analysis, of an exploratory nature, of the works that were approved for presentation during the event. Data were processed in the software IRAMUTEQ, organized into groups thematically according to a descending hierarchical classification method. 58 projects were presented, with hospital nurses being the principal authors (94.3%), and lato sensu graduate health students (29.3%). Concerning the nature of the projects presented, reports of experience were most frequent (56.9%), as well as the results of primary studies (25.9%). Thematic groups representative of the intellectual production resultant of the event were: Quality, attention and care; Multiprofessional Residency Program; Hospital as site of intellectual production; and Procedures, methods and implantation of nursing care. The scientific event was introduced as an initiative to integrate teaching, research and care. Further, the event was used as a space for the exchange of knowledge, with potential for inducing the improvement of practices in research settings.
Mostrar mais

8 Ler mais

Problematização do trabalho em equipe em enfermagem: relato de experiência.

Problematização do trabalho em equipe em enfermagem: relato de experiência.

Relato de experiência em relação ao trabalho em equipe, a partir da observação da realidade do estágio curricular em enfermagem. Realizou-se dinâmica de grupo com a equipe de enfermagem da clínica cirúrgica de um hospital público de São Paulo, com participação voluntária de oito auxiliares de enfermagem e utilizou-se, como base teórica, a Metodologia da Problematização, que objetiva a compreensão da realidade para nela intervir e transformá-la. Observou-se defi ciência na autocrítica desses participantes, pois apontaram os problemas em relação ao trabalho em equipe sempre decorrentes da falta de cooperação de outros colegas, em detrimento de atitudes pessoais. Essa estratégia contribuiu de maneira signifi cativa para a refl exão de comportamentos, atitudes, valores e crenças indispensáveis à formação do enfermeiro.
Mostrar mais

4 Ler mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIHORIZONTES Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Marcos Paulo Campos Gonçalves

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIHORIZONTES Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Marcos Paulo Campos Gonçalves

Vinte anos de serviços aqui, e 14 dentro em dois empregos. Trabalhava em duas emergências. Todos dois serviços públicos, um no estado e um na prefeitura. Há cinco anos atrás cheguei no meu limite, quando você chega no ponto em que começa a te dar falta de paciência, vontade de chutar o balde, eu não quero mais isso para mim, tinha duas filhas, divorciada, eu precisava dos empregos, de comprar uma casa, eu comecei a estressar principalmente com um fator, emergência. Nunca parei com o segundo emprego. Eu lembro que uma pessoa chegou e falou pra mim: “Pegou o segundo emprego, não para mais ”. Eu falei que não, que era só por um tempo, que já iria parar. Mentira! Não vai, porque você vai começar a depender do seu salário. (E14) Se eu tivesse um vínculo só, talvez eu trataria o paciente melhor, por estar mais descansado. Isso é por questão da situação financeira, se tivesse uma valorização eu largaria um trabalho. Acho que o ideal é ter um apenas. Melhoraria tudo: saúde melhor, mais tempo para família, atenderia melhor o paciente, melhoraria o entrosamento com a equipe, melhor disposto para trabalhar, mais feliz. (E15)
Mostrar mais

114 Ler mais

Show all 10000 documents...