Top PDF Anatomia do lenho de oito espécies de lianas da família Leguminosae ocorrentes na Floresta Atlântica.

Anatomia do lenho de oito espécies de lianas da família Leguminosae ocorrentes na Floresta Atlântica.

Anatomia do lenho de oito espécies de lianas da família Leguminosae ocorrentes na Floresta Atlântica.

RESUMO – (Anatomia do lenho de oito espécies de lianas da família Leguminosae ocorrentes na Floresta Atlântica). Lianas são importantes componentes estruturais das florestas tropicais, apesar disso a anatomia destes vegetais é pouco estudada. A família Leguminosae é relatada como a segunda maior em número de espécies de lianas, contudo pouco se conhece da diversidade anatômica das lianas desta família. O presente estudo descreveu e analisou a anatomia do lenho de oito espécies de lianas da família Leguminosae, ocorrentes no Parque Nacional do Itatiaia, localizado no Estado do Rio de Janeiro, região Sudeste do Brasil, local inserido no bioma Floresta Atlântica. As espécies apresentaram características comuns ao hábito liana, como: elementos de vaso com diâmetro elevado, com duas categorias de diâmetro; e maior proporção de parênquima axial em comparação às fibras. Quatro espécies do gênero Senegalia apresentaram variações cambiais produzidas por um único câmbio, normal em produto mas anormal em conformação. A anatomia do lenho das espécies estudadas é muito semelhante por compartilharem o mesmo hábito e pertencerem à mesma família. Apesar disso, as oito espécies estudadas puderam ser diferenciadas. As espécies com variações cambiais e Dalbergia frutescens são facilmente diferenciadas das demais. Contudo Senegalia tenuifolia, Piptadenia micracantha e Piptadenia adiantoides necessitam ser examinadas com muita cautela para identificá-las exclusivamente pela anatomia do lenho.
Mostrar mais

16 Ler mais

Variação intraspecífica do lenho de Pseudopiptadenia contorta (DC.) G.P. Lewis & M.P. Lima (Leguminosae - Mimosoideae) de populações ocorrentes em dois remanescentes de Floresta Atlântica.

Variação intraspecífica do lenho de Pseudopiptadenia contorta (DC.) G.P. Lewis & M.P. Lima (Leguminosae - Mimosoideae) de populações ocorrentes em dois remanescentes de Floresta Atlântica.

A diversidade estrutural encontrada no xilema secundário das plantas lenhosas tem uma explicação adaptativa e funcional e pode estar diretamente associada ao hábito da planta assim como a variações das condições atmosféricas e à disponibilidade hídrica. A anatomia ecológica da madeira refere-se ao estudo da correlação entre as preferências florísticas e ecológicas do táxon e aos muitos caracteres relativos à função (Dickison 2000). Trabalhos de variação intraespecífica têm demonstrado que as variações ambientais refletem-se em variações estruturais no lenho, principalmente quanto às dimensões dos elementos celulares, tais como: freqüência, diâmetro e comprimento dos elementos de vaso, espessura da parede e comprimento das fibras, altura e largura dos raios (Carlquist & Hoekman 1985; Barajas-Morales 1985; Wilkins & Papassotiriou 1989; Arnold & Mauseth 1999; Noshiro & Baas 2000). Mesmo considerando que há um número relativamente grande de espécies cujo lenho foi estudado com enfoque ecológico, ainda assim pode-se dizer que este número é pequeno quando se considera a riqueza de espécies da flora brasileira (Marcati et al. 2001).
Mostrar mais

6 Ler mais

Leguminosae em fragmentos de floresta estacional semidecidual, Araponga, MG: árvores e lianas.

Leguminosae em fragmentos de floresta estacional semidecidual, Araponga, MG: árvores e lianas.

Os estudos taxonômicos realizados com Leguminosae em florestas estacionais semideciduais em Minas Gerais, mostraram a grande diversidade da família nesse tipo de vegetação (Bortoluzzi et al. 2003, 2004, Filardi et al. 2007, Lima et al. 2007). Em estudos florísticos do estrato arbóreo, Oliveira-Filho (2006) citou Leguminosae com uma das principais famílias em número de espécies para o estado. Saporetti-Júnior (2005) e Soares et al. (2006) em estudo fitossocio- lógico do estrato arbóreo em áreas no município de Araponga, citaram a família como uma das principais na composição florística e na estrutura da vegetação. Os fragmentos de Floresta Estacional Semidecidual estudados localizam-se no entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro (PESB), Estado de Minas Gerais, sob domínio da Floresta Atlântica, considerado como um dos “hotspots”, devido à alta biodiversidade na região (Myers et al. 2000). Assim, o estudo teve como objetivos identificar as espécies arbóreas e lianas de Leguminosae ocorrentes em dois fragmentos florestais no município de Araponga, Minas Gerais, com a elaboração de chave analítica, descrições e ilustrações dos gêneros e táxons específicos e infra-específicos, período de floração, frutificação e distribuição geográfica.
Mostrar mais

21 Ler mais

DURABILIDADE NATURAL DA MADEIRA DE TRÊS ESPÉCIES FLORESTAIS EM ENSAIOS DE CAMPO

DURABILIDADE NATURAL DA MADEIRA DE TRÊS ESPÉCIES FLORESTAIS EM ENSAIOS DE CAMPO

Com o objetivo de avaliar a durabilidade natural da madeira, amostras de alburno e de cerne de Luehea divaricata (açoita-cavalo), Carya illinoinensis (nogueira-pecã) e Platanus x acerifolia (plátano), medindo 2,5 x 2,5 x 30,0 cm (radial x tangencial x longitudinal), foram submetidas a ensaios experimentais em um povoamento de Pinus e em campo aberto. Durante um ano, as amostras foram periodicamente pesadas e avaliadas pelo critério de notas, para determinar o percentual de perda de massa e índice de deterioração, respectivamente. Os resultados mostraram que, independente da espécie e do tipo de lenho, o ambiente dentro da floresta é mais favorável a deterioração da madeira do que fora dele. Apesar da elevada correlações entre a perda de massa e o índice de deterioração foram observadas variações na avaliação da durabilidade da madeira entre esses critérios. Para todas as espécies, a madeira proveniente do alburno foi a mais atacada. Para perda de massa não foi observada diferença entre as espécies avaliadas, entretanto, o índice de deterioração apontou o plátano como a mais atacada.
Mostrar mais

9 Ler mais

Florística de lianas em um fragmento de floresta estacional semidecidual, Parque Estadual de Vassununga, Santa Rita do Passa Quatro, SP, Brasil.

Florística de lianas em um fragmento de floresta estacional semidecidual, Parque Estadual de Vassununga, Santa Rita do Passa Quatro, SP, Brasil.

ABSTRACT – (Floristic of lianas in a fragment of seasonal semidecidual forest State Park of Vassununga, Santa Rita do Passa Quatro, São Paulo State, Brazil). Although the knowledge about the floristic composition of the fragments of seasonal semidecidual forest had grown in the last few years, little is known about the liana communities (woody vines and herbaceous vines) in those fragments. To collaborate with the knowledgement of the lianas and subsidize future works involving this life form, a floristic survey of the liana species occurring at the fragment Maravilha of the State Park of Vassununga (Santa Rita do Passa Quatro - SP) was carried out. The study area comprised 127.08ha, with average temperature of 22 °C. The whole border of the forest fragment and three tracks inside the forest were surveyed monthly between August 2002 and September 2003. One hundred and twenty species of lianas, belonging to 30 families and 71 genera were identified where 51% of them were twiners, 42% tendrilous and 7% scandents. The most representative families in number of species were: Bignoniaceae (26), Malpighiaceae (14), Sapindaceae (12) and Asteraceae (9). Fragment Maravilha given low similarity with other fragments of semidecidual forest in São Paulo State.
Mostrar mais

8 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA SAMARA FREIRE DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA SAMARA FREIRE DE OLIVEIRA

de professores, contudo, os resultados encontrados dão conta de que este aspecto constitui-se em preocupação para gestores de escola e da sede da SEduc/AM, em re[r]

93 Ler mais

Biologia reprodutiva de Canistrum aurantiacum E. Morren (Bromeliaceae) em remanescente da Floresta Atlântica, Nordeste do Brasil.

Biologia reprodutiva de Canistrum aurantiacum E. Morren (Bromeliaceae) em remanescente da Floresta Atlântica, Nordeste do Brasil.

A hercogamia, evidente nas flores de C. aurantiacum, se constitui na principal barreira física a formação de frutos por autopolinizações. Apesar disso, foi observada a formação de fru- tos sob essas condições, possivelmente provo- cada pelo deslocamento dos ácaros entre as flo- res de uma mesma inflorescência. A ocorrência de geitonogamia em C. aurantiacum pode ser efetivada pelas repetidas visitas dos beija-flo- res às flores de uma mesma inflorescência numa única sessão, a semelhança do que ocorre em outras espécies de Bromeliaceae, seja em inflo- rescências ramificadas como Portea leptantha e Hohenbergia ramageana, ou congestas como Bromelia plumieri e Neoregelia sp. As inflores- cências de C. aurantiacum funcionam, portan- to, como uma unidade de polinização ou forra- geio (Brener 1991).
Mostrar mais

18 Ler mais

Anatomia comparada do lenho e do carvão aplicada na identificação de 76 espécies...

Anatomia comparada do lenho e do carvão aplicada na identificação de 76 espécies...

As amostras do lenho foram coletadas de árvores cortadas em 4 áreas de floresta primária dos municípios de Santarém, Mojú, Paragominas e Tailândia no estado do Pará, no período 2003-2004 (Figura 3). As espécies foram selecionadas pelo potencial de utilização da madeira sólida não representando, desta forma, a totalidade das espécies que ocorrem naturalmente nesse bioma. A seleção e o corte das árvores, coleta das amostras de lenho e material botânico vegetativo/reprodutivo de 100 árvores de 64 espécies do Projeto Dendrogene foram feitas pelos pesquisadores da Embrapa Amazônia Oriental; as amostras do lenho de outras 11 espécies foram coletadas no município de Belterra, em parceria da Universidade Federal do Oeste do Pará e do Instituto de Biodiversidade e Florestas. O projeto “Dendrogene: Conservação Genética em Florestas Manejadas na Amazônia”, desenvolvido através da cooperação bilateral dos governos brasileiro e britânico (ABC e DFID), foi coordenado pela Embrapa Amazônia Oriental. O projeto teve como objetivo a aplicação do conhecimento científico (composição de espécies, capacidade reprodutiva e diversidade genética de populações arbóreas) no manejo florestal sustentado na Amazônia, contando com a participação de instituições nacionais e internacionais (KANASHIRO, 2003). As exsicatas possibilitaram a identificação botânica das árvores, sendo, posteriormente, registradas e depositadas no Herbário “João Murça Pires”, do Departamento de Botânica, da Embrapa Amazônia Oriental.
Mostrar mais

250 Ler mais

Etnobotânica de Leguminosae entre agricultores agroecológicos na Floresta Atlântica, Araponga, Minas Gerais, Brasil

Etnobotânica de Leguminosae entre agricultores agroecológicos na Floresta Atlântica, Araponga, Minas Gerais, Brasil

As espécies mais usadas são oriundas da floresta, destacando-se P. gonoacantha (CUPc 81,8%), C. ferruginea (CUPc 54%), A. leiocarpa (CUPc 18%) e S. macranthera, facilmente encontradas na vegetação nativa e usadas para fazer estacas e moirões de cerca, exceto a última, que é usada apenas para estaca. Esta categoria está bem difundida entre os agricultores porque a pecuária é tão antiga quanto a cafeicultura na região. As primeiras fazendas formadas na Zona da Mata de Minas Gerais para a implantação de pastagens e café a pleno sol datam de meados do século XIX, tendo os caboclos como responsáveis pela derrubada feita com as técnicas aprendidas com os índios (Valverde 1967; Leles 1986). As espécies mencionadas anteriormente são encontradas em SAFs (Souza et al. 2010), portanto, com potencial de substituição para as madeiras oriundas da floresta. Muitos agricultores, mas que não participaram do trabalho aqui apresentado, já utilizam os galhos destas espécies, podados das árvores das pastagens e cafezal, para cercar as propriedades e nascentes.
Mostrar mais

16 Ler mais

DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL NA IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO NA JURISDIÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE PASSOS

DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL NA IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO NA JURISDIÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE PASSOS

Este estudo se dedicou a analisar como ocorreu a implementação da política pública para o Ensino Médio, vigente no Estado de Minas Gerais, em três escolas estaduais[r]

152 Ler mais

OS DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE ARQUIVOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA: O CASO DA CAP/PROGEPE – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

OS DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE ARQUIVOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA: O CASO DA CAP/PROGEPE – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Naturalmente, é preciso conter os desvios significativos que possam ser ditados por comportamentos como resistência às mudanças ou postura comodista em razão das tradições ("aqui [r]

166 Ler mais

Ecofisiologia de espécies ocorrentes em uma floresta de restinga

Ecofisiologia de espécies ocorrentes em uma floresta de restinga

A partir dos dados de abundância de adultos de ambas as espécies na parcela, disponibilizados pelo projeto Parcelas Permanentes, bem como de luz, e médias anuais da umidade do solo, densidade da chuva de sementes e emergência e taxa de mortalidade de plântulas de O. pulchella obtidos no presente trabalho, foram gerados mapas de distribuição utilizando-se da geoestatística. De forma geral, a metodologia geoestatística procura extrair as características estruturais probabilísticas do fenômeno regionalizado, ou seja, uma função de correlação entre os valores situados numa determinada vizinhança e direção no espaço amostrado. O método de estimativa básico utilizado é o da krigagem, que se trata de um processo de estimativa por médias móveis, de valores da variável distribuídos no espaço a partir de valores adjacentes, enquanto considerados como interdependentes por uma função denominada variograma (Landim & Sturaro 2002). No processo básico da krigagem, a estimativa é feita para determinar um valor médio em um local não amostrado.
Mostrar mais

284 Ler mais

Plano anual de outorga Florestal

Plano anual de outorga Florestal

A FLONA do Amana tem previsto, em seu plano de manejo, uma zona para manejo florestal de 210.000 ha. O acesso pode ser terrestre, pela BR-230 (Transamazônica), fluvial (partindo de Itaituba pelo rio Tapajós ou partindo de Maués pelo rio Amana) ou aéreo (partindo de qualquer centro urbano até algumas das 27 pistas de pouso no interior da unidade). A FLONA contém áreas de três sub-bacias: Tapajós, Parauari e Amana. O rio Amana tem nascentes no interior da floresta. A temperatura média varia entre 25°C e 26°C e a precipitação média entre 1.750 e 2.750 mm. O potencial madeireiro identificado foi de 188 espécies com DAP ≥ 10 cm e 98 espécies com DAP ≥ 50 cm, com características apropriadas para o manejo. O volume total apresentado no inventário foi de 198 m³/ha e o volume comercial de 69,5 m³/ha. As espécies de maior valor comercial são: cumaru, maçaranduba, angelim-vermelho, andiroba, sucupira-preta, sucupira e rouxinho. As espécies não madeireiras que foram identificadas com potencial para uso sustentável e geração de renda são: açaí, babaçu, buriti, patauá, tucum, cipó- titica, timbó, andiroba, castanha-do-brasil, copaíba e seringueira. Os principais meios de suprimento da população existente no entorno da FLONA são provenientes da extração de ouro por garimpagem, criação de aves, agricultura de subsistência, pecuária e extração vegetal.
Mostrar mais

116 Ler mais

Anatomia do lenho de Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong (Leguminosae-Mimosoideae) ocorrente em dois ambientes.

Anatomia do lenho de Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong (Leguminosae-Mimosoideae) ocorrente em dois ambientes.

ABSTRACT – (Wood anatomy of Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong (Leguminosae-Mimosoideae) occurring in two environments). This study compares and characterizes the wood from stem of Enterolobium contortisiliquum in different environments. Samples from a total of twenty individuals were collected from plants occurring in a Caatinga area in the municipalities of Campina Grande, PB (7°11’ S and 35°58’ W), and Buíque-PE (8°35’ S and 37°14’ S) and in a Tropical Semidecidual Forest in the municipalities of Taquara-RS (29°44’ S and 50°50’ W), and Santa Maria-RS (29°47’ S and 53°34’ W). The areas present different climatic conditions, where Campina Grande and Buíque present the highest temperatures and lowest rainfall compared to Taquara and Santa Maria. A qualitative analysis was made through light microscopy (LM) and scanning electron microscopy (SEM). The data were submitted to descriptive statistical analysis and analysis of variance (P ≥ 0,05). In general, regardless of the origin the individuals examined, the wood of E. contortisiliquum presented solitary and multiple vessels, intervascular pits and alternate polygonal radiovascular alterns with shapes, vestured pits, presence of vasicentric paratraqueal parenchyma, homogeneous rays, predominantly 3 to 4 cell wide. Gelatinous fibres were observed. All individuals analyzed presented growth layers. A greater quantity of crystals and starch grains was detected in cells of the axial parenchyma of plants from the lower latitudes localities. The parametric analysis of variance confirm the associations between environment and wood anatomic characteristics of E. contortisiliquum, but show differences when data are compared to reports from other species and registered in the literature.
Mostrar mais

14 Ler mais

SIMONE MARIA MELO DA SILVA PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: CASO DA REGIONAL METROPOLITANA V

SIMONE MARIA MELO DA SILVA PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: CASO DA REGIONAL METROPOLITANA V

Com reflexo positivo, já em 2012, o percentual de escolas com situação de inadimplência do ano anterior passou para 40% (SEEDUC, 2012), considerando os gestores que haviam sido de[r]

120 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

Esta pesquisa tem como objetivo analisar os efeitos da política de bonificação, instituída pela Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC/RJ), a partir do ano de 2011, nas ações gestoras de oito escolas estaduais localizadas no município de Valença. As escolas foram selecionadas de acordo com o perfil dos gestores, sendo escolhidos aqueles que estão no cargo há mais de cinco anos. Esses, portanto, já ocupavam o cargo antes da execução da política, sendo possível, deste modo, verificar a mudança nas ações gestoras. As políticas públicas de avaliação e bonificação pelos resultados obtidos começaram a despontar no setor público a partir da década de 1980, modificando também as formas de gestão pública. Na década seguinte, as bases das reformas educacionais tiveram como foco a mensuração de resultados para uma posterior bonificação. O Estado do Rio de Janeiro criou, no ano de 2000, a primeira política de avaliação com objetivo de bonificar os servidores, o Programa Nova Escola. Em 2010, com uma nova gestão frente à Secretaria de Estado de Educação, findou-se o Programa Nova Escola e em 2011 foi criado o sistema de bonificação por resultados, o qual foi um dos enfoques da pesquisa. Os recursos metodológicos utilizados nesta pesquisa foram: entrevista com os gestores, aplicação de questionários aos docentes, pesquisa na internet e análise documental das atas de reuniões das escolas. Depois de realizadas as análises, detectou-se a necessidade de formação continuada para os gestores e modificação no desenho da política de bonificação, diante disso foi elaborado um Plano de Intervenção Educacional, com o objetivo de aperfeiçoar a prática gestora das escolas estaduais localizadas no âmbito da Regional Centro Sul, assim como aprimorar o Sistema de Bonificação no Estado do Rio de Janeiro.
Mostrar mais

99 Ler mais

ANTONIO IDILVAN DE LIMA ALENCAR A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DO ESTADO DO CEARÁ NA PERSPECTIVA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANTONIO IDILVAN DE LIMA ALENCAR A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DO ESTADO DO CEARÁ NA PERSPECTIVA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

O presente questionário se configura em instrumental de pesquisa como parte de um estudo sobre a política de Educação Profissional em andamento no estado do Ceará, sob o [r]

106 Ler mais

Anatomia do lenho secundár

Anatomia do lenho secundár

é ex- tremamente mole, leve esponjosa e seme- lhante a cortiça fisicamente; queimando-se com dificuldade; lenho secundário pobre em vasos, fibras ausentes e rica em[r]

10 Ler mais

OS DESAFIOS DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ISO 9001:2008 NA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E QUALIDADE DO ENSINO DO AMAZONAS: O CASO DA ESCOLA EDUARDO RIBEIRO

OS DESAFIOS DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ISO 9001:2008 NA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E QUALIDADE DO ENSINO DO AMAZONAS: O CASO DA ESCOLA EDUARDO RIBEIRO

- Identificar os fatores dificultadores da Certificação ISO 9001:2008 na Escola Estadual Eduardo Ribeiro, a partir da percepção de funcionários administrativos, professores, [r]

93 Ler mais

A IMPORTÂNCIA DO MONITORAMENTO DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO NA EFETIVAÇÃO DA INCLUSÃO EDUCACIONAL

A IMPORTÂNCIA DO MONITORAMENTO DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO NA EFETIVAÇÃO DA INCLUSÃO EDUCACIONAL

diversos são os fatores que corroboram para que o professor assuma a postura de rejeição ao trabalho com os alunos incluídos: despreparo profissional para trabalhar com e[r]

79 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados