Top PDF Atividade antimicrobiana do óleo de copaifera officinalis sobre bactérias do biofilme oral

Atividade antimicrobiana do óleo de copaifera officinalis sobre bactérias do biofilme oral

Atividade antimicrobiana do óleo de copaifera officinalis sobre bactérias do biofilme oral

ciais dificulta uma comparação direta entre os achados da literatura. Mencionar a padronização da linhagem, a utilização de controle positivo, o uso de emulsificador, o tempo de exposição do microrganismo ao óleo, meio de cultura utilizado, densidade do óleo e do emulsificador são fatores frequentemente negligenciados, contribuin- do tanto para intensificar o obstáculo em confrontar resultados dos estudos, como proporcionar a ocorrência de desvio nos resultados (NASCIMENTO et al., 2007). O presente estudo utilizou-se de técnicas baseadas na literatura, agindo de forma a evitar o surgimento de viés. Oferecer resultados quantitativos além de não ser influenciado pela velocidade de crescimento dos micror- ganismos são vantagens apresentadas pelo método de microdiluição seriada em caldo frente à metodologia de difusão de disco. Em busca de obter resultados mais seguros, utilizou-se a técnica de microdiluição em caldo (orientado pelo NCCLS), oferecendo uma maior confia- bilidade ao estudo em virtude do método apresentar vantagens como sensibilidade e quantidade mínima de reagentes, o que facilita um maior número de réplicas. No método da microdiluição as substâncias são solubili- zadas, ocorrendo um maior contato do óleo com as célu- las bacterianas, o que torna o método mais sensível para a determinação da CIM, minimizando a inconsistência dos resultados (SCORZONI et al., 2007). A utilização do controle positivo (diclugonato de clorexidina), controle de crescimento e de controle de esterilidade colabora para redução do viés metodológico, proporcionando uma maior confiabilidade nos resultados apresentados (CASTRO, LIMA, 2010).
Mostrar mais

5 Ler mais

Efeitos clínicos e microbiológicos do óleo de copaíba (Copaifera officinalis) sobre bactérias formadoras de placa dental em cães.

Efeitos clínicos e microbiológicos do óleo de copaíba (Copaifera officinalis) sobre bactérias formadoras de placa dental em cães.

Como alternativa no combate à placa bacteriana inclui-se, na estratégia terapêutica, o uso de substâncias com atividade antimicrobiana, que podem ser administradas ao paciente por via oral, no caso dos sistêmicos (Clarke, 2001), ou por aplicação direta nos dentes e nas estruturas orais (Hennet, 2002), ou acrescentadas na composição de alimentos e petiscos para animais de estimação (Brown e McGenity, 2005). Na terapêutica da doença periodontal, a clorexidina é a substância que tem sido utilizada em maior escala pelos profissionais, tanto na odontologia veterinária quanto na humana (Gioso, 2003). Porém, seu uso tem sido restrito a poucos dias, devido a efeitos indesejáveis, como perda de paladar, escurecimento do esmalte dos dentes, ardência e até ulcerações da mucosa jugal (Zanini et al., 1995). Dessa forma, seu uso é contraindicado para tratamentos prolongados, o que o inviabiliza como agente quimioterápico preventivo da doença periodontal (Lascala e Moussalli, 1995). Nesse ínterim, têm-se procurado novos produtos para utilização na
Mostrar mais

8 Ler mais

Atividade antimicrobiana e antiaderente in vitro do extrato de Rosmarinus officinalis Linn. sobre bactérias orais planctônicas.

Atividade antimicrobiana e antiaderente in vitro do extrato de Rosmarinus officinalis Linn. sobre bactérias orais planctônicas.

Na região Nordeste do Brasil, as folhas de Rosmarinus offi cinalis Linn. (alecrim) tem sido utilizada popularmente com propriedades anti-hipertensiva e digestiva (Agra et al., 2007). O alecrim é um arbusto aromático de pequeno porte da família Labiatae, cujas folhas abrigam pequenas glândulas contendo óleo aromático (Al-Sereiti et al., 1999). Seu óleo essencial é constituído por hidrocarbonetos monoterpênicos, ésteres terpênicos, linalol, verbinol, terpineol, 3- octanona e acetato de isobornila. Os terpenóides são representados pelo carnosol, ácidos carnosílico, oleânico, ursólico, entre outros. Os fl avonóides incluem diosmetina, diosmina, gencuanina, luteolina, hispidulina e apigenina. Apresenta ainda os ácidos rosmarínico, caféico, clorogênico, neoclorogênico e labiático (Alonso, 1998).
Mostrar mais

5 Ler mais

Estudo da atividade antibacteriana de nanoemulsão à base de óleo de copaíba ( Copaifera officinalis ) e de sua combinação com ácido anacárdico

Estudo da atividade antibacteriana de nanoemulsão à base de óleo de copaíba ( Copaifera officinalis ) e de sua combinação com ácido anacárdico

Diversas são as patologias associadas a agentes etiológicos bacterianos, e para controlar as infecções causadas por bactérias, existem disponíveis no mercado diversas classes de antibióticos. Entretanto, o crescente número de casos de resistência bacteriana aos antibióticos convencionais disponíveis é um cenário que tem alarmado entidades governamentais mundialmente. Dentre as bactérias que apresentam grande versatilidade e capacidade de desenvolver resistência a antimicrobianos encontra-se o ​Staphylococcus aureus​. Esta bactéria, embora seja um comensal do corpo humano, pode se tornar um patógeno oportunista, sendo o agente etiológico de diversas infecções, como osteomielite, endocardite, infecções de cicatrizes, intoxicações alimentares, infecções pleuropulmonares e síndrome do choque tóxico estafilocócico. Cepas de ​Staphylococcus aureus resistente à meticilina (em inglês methicillin-resistant Staphylococcus aureus, MRSA ​) e a outros antibióticos de primeira-linha são uma das principais causas de infecção hospitalar no mundo e estima-se que duas em cada cem pessoas são portadoras de ​MRSA​. Com isso, evidencia-se a urgência no desenvolvimento de novos tratamentos contra infecções. Identificar compostos que são simultaneamente eficazes e de baixa toxicidade é o grande desafio, e neste contexto, a bioprospecção de moléculas encontradas na biodiversidade brasileira pode revelar compostos promissores ao tratamento de infecções, além de agregar valor aos ecossistemas. No presente trabalho, desenvolveu-se e caracterizou-se uma nanoemulsão à base de oleorresina de copaíba ( ​Copaifera officinalis​), e avaliou-se a sua atividade antibacteriana solo e da sua combinação com o ácido anacárdico (C ​ 15:0 ​ ) livre, em cultura de ​Staphylococcus aureus ATCC 25923. Esta nanoemulsão foi caracterizada quanto ao seu diâmetro hidrodinâmico, potencial-Zeta e índice de polidispersão, cujos valores respectivamente foram iguais a 180,4 nm ​± 2,6 nm, -35,1 mV ​± 0,2 mV e 0,295 ​± 0,​024, e permaneceram                 estáveis ao longo do tempo de análise de 60 dias ​. ​A nanoemulsão de oleorresina de   copaíba apresentou atividade antiestafilocócica, assim como o óleo livre. Interessantemente, a quantidade de surfactante utilizado na formulação interferiu na eficácia antimicrobiana, de modo que a formulação com proporção 1:1 (m/m) de surfactante : óleo foi mais eficaz do que a nanoemulsão 2:1 (m/m) (p<0,05). Adicionalmente, ​foi testada a atividade antimicrobiana do ácido anacárdico C​   15:0 ​ solo e
Mostrar mais

100 Ler mais

Atividade antimicrobiana in vitro do extrato hidroalcoólico de alecrim (Rosmarinus officinalis Linn.) sobre bactérias orais planctônicas

Atividade antimicrobiana in vitro do extrato hidroalcoólico de alecrim (Rosmarinus officinalis Linn.) sobre bactérias orais planctônicas

Biofilmes podem ser encontrados em muitos ambientes líquidos ou semilíquidos, sistemas biológicos, industriais e sistemas aquáticos naturais, não ocorrendo exclusivamente na cavidade oral. (BERNIMOULIN, 2003). A microbiota que o constitui passa a exibir maior resistência às condições ambientais adversas e aos agentes antimicrobianos, comparada àquela exibida quando seu crescimento ocorre em meio aquoso (SBORDONE; BORTOLAIA, 2003). O biofilme dental é uma densa massa bacteriana que se forma sobre a superfície do dente, composta por bactérias, macromoléculas provenientes da saliva e do fluido do sulco gengival e por polissacarídeos extracelulares sintetizados pelas bactérias, constituindo a matriz intermicrobiana (UZEDA, 2002).
Mostrar mais

45 Ler mais

ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DO ÓLEO VOLÁTIL DE ROSMARINUS OFFICINALIS L. EM SALAME TIPO ITALIANO
							| Revista Tecnológica

ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DO ÓLEO VOLÁTIL DE ROSMARINUS OFFICINALIS L. EM SALAME TIPO ITALIANO | Revista Tecnológica

O óleo volátil de Rosmarinus officinalis L. foi usado como aditivo natural em salame tipo Italiano, com objetivo de estudar sua influência sobre a flora microbiológica normalmente desenvolvida pelo produto. O óleo volátil foi utilizado em duas concentrações 0,01 e 0,005% sobre o produto final, apresentando ambas as concentrações efeito significativo na inibição de Staphylococcus aureus e bactérias aeróbias mesófilas frente à amostra-controle, aumentando a segurança do produto ao consumidor.

10 Ler mais

Atividade antioxidante e antimicrobiana do óleo essencial de Rosmarinus officinalis L., cultivado em sistema orgânico sob diferentes condições, frente a bactérias causadoras de mastite bovina

Atividade antioxidante e antimicrobiana do óleo essencial de Rosmarinus officinalis L., cultivado em sistema orgânico sob diferentes condições, frente a bactérias causadoras de mastite bovina

Culturas bacterianas com 5 horas de crescimento à 37ºC (1,0 x 109 UFC/mL) foram diluídas 1:100 em solução salina 0,85%. Em seguida, 400µl da solução contendo a cepa bacteriana diluída foi pipetado e espalhado em uma placa com meio de cultura de Mueller Hinton Agar. O espalhamento foi realizado com uma alça de Drigalsky de modo que as colônias ficassem distribuídas homogeneamente, ocupando assim toda a superfície do meio de cultura. As placas de Petri foram incubadas à 37ºC por 30 minutos. Após esse tempo, os discos embebidos com as cinco diferentes amostras de óleo essencial de R. officinalis L. foram depositadas com o auxílio de uma pinça estéril sobre a superfície do meio sólido semeado. As placas foram reincubadas em estufa a temperatura de 37°C por um período de 24 horas.
Mostrar mais

55 Ler mais

Atividade antimicrobiana do extrato aquoso de Copaifera langsdorffii Desf. sobre Staphylococcus aureus

Atividade antimicrobiana do extrato aquoso de Copaifera langsdorffii Desf. sobre Staphylococcus aureus

Resumo: Staphylococcus aureus são bactérias envolvidas em infecções graves com elevada incidência em processos de infecção hospitalar e apresentam elevada capacidade de resistência a antibióticos. A fitoterapia apresenta-se como fonte de recursos para pesquisa de novos antimicrobianos, a exemplo do óleo da Copaifera langsdorffii Desf., que apresenta ação antiinflamatória, cicatrizante e antimicrobiana. O objetivo deste trabalho foi avaliar a sensibilidade de S. aureus ao extrato aquoso de folhas de C. langsdorffii . Foram avaliadas três concentrações do extrato (0,2; 0,1 e 0,05g/mL) pelo método de difusão em disco. A concentração 0,2g/mL foi eficiente em 100% das amostras, e a concen- tração 0,1g/mL em 92,8%. Os resultados encontrados demonstram que o extrato aquoso de folhas de C. Langsdorffii Desf. possui ação antimicrobiana eficaz contra S. aureus .
Mostrar mais

7 Ler mais

A Avaliação Clínica da Atividade do Dentifrício à Base do Extrato de Rosmarinus Officinalis linn. (Alecrim) Sobre o Biofilme Dental- um estudo preliminar

A Avaliação Clínica da Atividade do Dentifrício à Base do Extrato de Rosmarinus Officinalis linn. (Alecrim) Sobre o Biofilme Dental- um estudo preliminar

A atividade antimicrobiana do extrato hidro alcoólico de Alecrim sobre espécies S. mutans, S. sanguis, S. mitis, S. sobrinus (predominantes no biofilme supragengival) foi comprovada utilizando-se as concentrações que variaram de 100 até 6,125% do produto natural (SILVAet al,2008; PINHEIRO et al, 2012; SMULEN et al, 2012 ). Outros estudos indicam ainda uma ação antifúngica (MOGGHTADER e AFZALI, 2009; KAZEMI et at, 2012). Portanto, o extrato de Alecrim apresenta um ótimo potencial antimicrobiano e, segundo Bernades et al em 2010 e Jorda et al em 2012 a atividade antimicrobiana do Alecrim é atribuída, principalmente, aos efeitos do ácido carnósico e carnosol que possuem maior efeito sobre as bactérias gram positivas.
Mostrar mais

47 Ler mais

Atividade antimicrobiana do óleo de copaíba (Copaifera langsdorffii) e seus constituintes, e avaliação do bioproduto obtido na inibição de bactérias da placa dental de cães

Atividade antimicrobiana do óleo de copaíba (Copaifera langsdorffii) e seus constituintes, e avaliação do bioproduto obtido na inibição de bactérias da placa dental de cães

formação de placa dental em cães por solução contendo óleo de copaíba (C. officinallis) a 10%, obtendo médias (±EP) de 22.4±5.3% e 29,2±5,4%, para solução com copaíba a 10% e clorexidina a 0,12% ambas superiores a de controle negativo. Embora o resultado apresentado pelo ensaio “in vitro” tenha apontado para uma superioridade da clorexidina inibindo todos os isolados (Tab. 3), no ensaio com animais, o composto LDBACUFV01 obteve resultados superiores, o que pode ter ocorrido pela interferência na capacidade adesiva das bactérias, pois todos os isolados resistentes foram classificados quanto à capacidade de se aderir em placa de microtitulação, sendo considerados seis com fraca capacidade, dois com moderada e um com forte (dados não publicados) e Pieri et al. (2010) utilizando óleo de C. officinalis obtiveram resultados positivos para inibição de aderência de S. mutans, indicando a possível ação antiaderente do óleo sobre bactérias da placa dental em humanos, o que poderia ocorrer também em cães. Outra possibilidade seria o óleo, e o bioproduto com o composto LDBACUFV08 terem a capacidade de inibir a capacidade co-agregativa das bactérias formadoras da placa dos cães, uma vez que Mussi (2011) identificou esta atividade por um óleo de C. officinalis sobre periodontopatógenos de humanos, Fusobacterium nucleatum e Porphyromonas gingivalis.
Mostrar mais

112 Ler mais

Punica Granatum L. (Romã) e Atividade Antimicrobiana Contra o Biofilme Dental: uma Revisão Bibliográfica

Punica Granatum L. (Romã) e Atividade Antimicrobiana Contra o Biofilme Dental: uma Revisão Bibliográfica

A clorexidina é o principal agente químico com maior eficácia e considerado padrão-ouro para auxiliar no controle dos micro-organismos do biofilme dental, alterando a composição bacteriana do biofilme supragengival, produzindo uma redução significante sobre o número de bactérias bucais por períodos prolongados. Este agente químico possui liberação lenta na mucosa oral, ocasionando ação inibidora sobre as enzimas glicosídicas e proteolíticas, porém pode causar vários efeitos colaterais como gosto metálico na boca, náuseas e vômitos, dores abdominais, hipersalivação e até mesmo genotoxicidade (NELSON FILHO; SILVA; ASSED, 2005).
Mostrar mais

6 Ler mais

Atividade Antimicrobiana da Lectina do Líquen   Cladonia verticillaris (CLAVELL) sobre Bactérias e Fungos   de Importância Médica

Atividade Antimicrobiana da Lectina do Líquen Cladonia verticillaris (CLAVELL) sobre Bactérias e Fungos de Importância Médica

As aplicações biotecnológicas das lectinas são muito amplas. Devido as suas propriedades de ligação a carboidratos, as lectinas têm sido amplamente usadas como ferramentas moleculares para o estudo da arquitetura e da dinâmica de carboidratos na superfície das células. Elas têm sido exploradas para tais aplicações práticas, como nas últimas duas décadas, em que as lectinas de plantas foram utilizadas para diferenciar tumores malignos e benignos e o grau de glicosilação associado à metástase (LIU et al., 2010). Da mesma forma, vários estudos demonstraram atividade antitumoral de lectinas sobre uma grande variedade de células malignas (DE MEJÍA et al., 2005). Uma lectina isolada de sementes de
Mostrar mais

58 Ler mais

Atividade antimicrobiana in vitro do ácido acético e dos vinagres branco e tinto sobre bactérias hospitalares*

Atividade antimicrobiana in vitro do ácido acético e dos vinagres branco e tinto sobre bactérias hospitalares*

O principal componente da estrutura da parede celular é um peptidoglicano (mureína), um polímero misto de açúcares hexose (N- acetilglicosamina e ácido N-acetilmuramínico) e aminoácidos. Nas bactérias Gram-positivas, no caso Staphylococcus sp (cocos Gram- positivo), o peptidoglicano forma uma camada espessa (20-80nm), tornando a parede mais rígida, suportando maior pressão que as bactérias Gram-negativas. O álcool não solubiliza proteína e açúcar. Nas bactérias Gram- negativas, Pseudomonas aeruginosa e E. coli (bacilo Gram-negativo aeróbio o primeiro e anaeróbio o segundo), a camada de peptido- glicano é delgada (5 a 10nm), mas apresenta uma porção externa de lipopolis-sacarídeo e lipoproteínas, proteína, fosfolipídeo e ainda é dotada de porina, canal para transporte de nutriente e subprodutos.
Mostrar mais

6 Ler mais

Avaliação da atividade antidepressiva e ansiolítica do óleo essencial de Rosmarinus officinalis L

Avaliação da atividade antidepressiva e ansiolítica do óleo essencial de Rosmarinus officinalis L

A depressão e as desordens de ansiedade são distúrbios psiquiátricos de alta prevalência, cuja falta ou o tratamento inadequado acarretam um impacto negativo expressivo na vida social, física e mental do individuo. Historicamente, depressão e ansiedade são clinicamente consideradas desordens separadas e distintas, predominantemente devido aos diferentes tratamentos utilizados, usualmente os antidepressivos tricíclicos e os benzodiazepínicos, respectivamente. Entretanto, muitos estudos clínicos têm demonstrado uma grande sobreposição entre esses dois estados e vários antidepressivos são também utilizados no tratamento da ansiedade. Porém, mesmo com o arsenal terapêutico disponível, muitos portadores destes transtornos não respondem ao tratamento, a terapêutica efetiva leva algumas semanas para manifestar seus efeitos e estes são muitas vezes acompanhados por efeitos adversos. Neste contexto, as plantas medicinais desempenham um importante papel na busca de novos compostos, mais eficazes e seguros para o tratamento dessas desordens. O objetivo deste trabalho foi investigar a atividade do óleo essencial obtido da espécie Rosmarinus officinalis L. em modelos experimentais clássicos de depressão (Teste do Nado Forçado),
Mostrar mais

67 Ler mais

Atividade antimicrobiana de óleos essenciais em bactérias patogênicas de origem alimentar.

Atividade antimicrobiana de óleos essenciais em bactérias patogênicas de origem alimentar.

frente a vários patógenos (Cimanga, et al., 2002). O óleo essencial é basicamente constituído de citral (70 a 85% v/v) (Ferreira & Fonteles, 1989), mistura isomérica de neral (citral B ou isômero Z) e geranial (citral A ou isômero E) (ElFattah et al., 1992). Além destes, pode conter mirceno e outros compostos minoritário como, por exemplo, geraniol, cimbopogol, limoneno e dipenteno (Martins et. al., 2003). Óleo essencial de Mentha piperita tem sido também relatado por possuir atividade, antibacteriana, antiviral e antifúngica, sendo esta atividade associada principalmente aos compostos majoritários mentol, mentona, acetato de metila, iso-mentona (Singh, et al., 2011). O óleo essencial de O. majorana é rico em compostos bioativos como terpinen-4-ol, sabineno, acetato de linalol, -terpineno e linalol. Estes compostos exibem atividade antibacteriana elevada e amplo expectro de ação (Sellami, et al., 2009). Em adição o gênero Ocimum basilicum é conhecido por possuir uma gama de atividades biológicas, tais como repelente de insetos, inibidora de nematóides, antibacteriana, antifúngica e atividades antioxidantes (Lee et al., 2005). Compostos como, linalol, metil chavicol, cinamato de metila, metil eugenol e mistura destes são comumente os principais componentes dos óleos essencial das espécies e variedades de Ocimum (Telci et al., 2006).
Mostrar mais

11 Ler mais

ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DE EXTRATOS VEGETAIS FRENTE À BACTÉRIAS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA

ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DE EXTRATOS VEGETAIS FRENTE À BACTÉRIAS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA

O uso indiscriminado de antimicrobianos determina um processo de seleção de micro-organismos patogênicos que apresentam resistência à maioria dos compostos químicos utilizados na agropecuária e na medicina. Uma alternativa eficaz e econômica tem sido o desenvolvimento e o uso de produtos naturais com propriedades antimicrobianas. Este trabalho teve como objetivo avaliar a atividade antimicrobiana de extratos de Punica granatum, Anacardium occidentale e Psidium guajava frente a cepas de Stafhylococcus aureus, Stafhylococcus epidermidis, Escherichia coli e Pseudomonas aeruginosa. A investigação foi conduzida utilizando o método de difusão em ágar e inóculo bacteriano padronizado, com poços perfurados no ágar, nos quais foram adicionados volumes conhecidos das substâncias testadas: gentamicina (controle positivo), DMSO (controle negativo) e extratos vegetais. As placas foram incubadas a 37 º C por 24 horas e mensurado o diâmetro dos halos de inibição. Os extratos diclorometânico e metanólico das cascas de Punica granatum e metanólicos das folhas de Anacardium occidentale e Psidium guajava, na concentração de 1 g/ml, foram mais efetivos contra as cepas de S. aureus, S. epidermidis, E.coli. Posteriormente, esses extratos foram utilizados para o teste de sinergismo em associação a antibióticos padronizados, no qual foi observado efeito sinérgico frente às bactérias testadas, com exceção da P. aeruginosa.
Mostrar mais

13 Ler mais

Atividade antimicrobiana e antibiofilme de antissépticos bucais e óleo de melaleuca...

Atividade antimicrobiana e antibiofilme de antissépticos bucais e óleo de melaleuca...

com candidíase bucal submetidos a uma terapêutica à base de fluconazol, voriconazol; itraconazol; caspofungina, anfotericina B e nistatina, bem como o perfil de sensibilidade dos antissépticos bucais (Listerine®, Colgate Peroxyl®, Corsodyl® e Oraldene®). Isolados (n=34) de C. albicans clínicos e padrão (ATCC 90028). Para a formação de biofilme, inóculos padronizados de 34 C. albicans foram pipetados em poços de placas de microtitulação de 96 poços e incubados a 37°C por 48h. Após a formação do biofilme, o meio foi aspirado e as células não aderentes foram removidas por lavagem (três vezes) com solução salina estéril de tampão fosfato (PBS). Após esta etapa, os enxaguatórios bucais foram adicionados diretamente a cada isolado, incluindo o controle nas placas de 96 poços. Os biofilmes com antissépticos foram tratados à temperatura ambiente de acordo com o tempo recomendado de enxague (30-60s). Após o tratamento definido, os antissépticos foram substituídos com solução de neutralização (1% de tampão fosfato, 0,1% de L - histidina, 0,5% de tiossulfato de sódio, 0,3 de lecitina de soja refinado e 10% de Tween-80) por 5 minutos. Os biofilmes foram então, lavados com PBS estéril, antes da quantificação da atividade metabólica do biofilme. O teste destes isolados foi realizado em triplicata.
Mostrar mais

142 Ler mais

Avaliação da atividade antimicrobiana do óleo essencial Thymus mastichina

Avaliação da atividade antimicrobiana do óleo essencial Thymus mastichina

Os óleos essenciais são misturas complexas de componentes voláteis provenientes de plantas. A sua reconhecida bioatividade tem sustentado o seu uso empírico e tradicional. O aumento exponencial das resistências dos microrganismos aos antimicrobianos correntemente utilizados no tratamento de infeções e a reduzida e lenta indicação de novas moléculas terapêuticas tem impulsionado a pesquisa de possíveis agentes antimicrobianos de origem natural. O objetivo do presente estudo foi avaliar atividade antimicrobiana do óleo essencial Thymus mastichina contra microrganismos genitais. Neste estudo foram incluídos dois OLEOS essenciais, ambos de origem portuguesa: Thymus mastichina (Pinhel) e Thymus mastichina (Vale do Tejo). No que diz respeito aos microganismos, foram incluídas 18 Candida spp., 3 S. aureus, 2 S. agalactea, e 1 S. epidermidis. As concentrações mínimas inibitórias (MIC) e as concentrações mínimas letais (MLC) foram determinadas de acordo com o macrométodo da CLSI e o protocolo descrito por Cantón et al. (2003). O óleo essencial de Thymus mastichina (Pinhel) foi testado em todos os microrganismos incluídos no estudo. Para o óleo essencial de Thymus mastichina (Vale do Tejo) foi avaliado, neste estudo, o seu perfil antibacteriano visto que a sua atividade anti-Candida tinha sido previamente estudada. Os óleos essenciais foram capazes de inibir todos os microrganismos testados, sendo C.albicans a espécie mais suscetível, provavelmente, devido à inibição da formação do tubo germinativo. No entanto, os resultados mostram um perfil antimicrobiano menor de outros quimiotipos descritos na literatura. De acordo com cromatograma do óleo Thymus mastichina (Pinhel), este é constituído maioritariamente por 1,8-cineol sendo pobre noutros constituintes considerados bioativos. Este facto demostra a evidente contribuição da composição química do óleo essencial na sua bioatividade. Deste modo, demonstra-se que a produção de plantas sob condições controladas e de seleção de quimiotipos específicos para a produção de óleos essenciais é vital para garantir a sua bioatividade.
Mostrar mais

112 Ler mais

Atividade antifúngica in vitro do óleo essencial de Melissa officinalis L. (ERVA-CIDREIRA) SOBRE Cladosporium carrionii

Atividade antifúngica in vitro do óleo essencial de Melissa officinalis L. (ERVA-CIDREIRA) SOBRE Cladosporium carrionii

The genus Cladosporium includes many species of opportunistic dematiaceous fungi and contaminants, being related to frames of pathologies in immunocompromised patients. Given the broad biological activity displayed by the natural products, essential oils obtained from plant species have been investigated to determine their antimicrobial activity. In this context, the objective of this study was to evaluate the antifungal activity of essential oils from plant species of the Lamiaceae family of strains of Cladosporium carrionii. The methodology employed was the diffusion technique on solid media. Assays were performed in duplicate and the results considered positive when the arithmetic means of the inhibition halos showed values greater than or equal to 10 mm in diameter. And the results showed that the seven essential oils tested showed antifungal activity against 100% of the strains of C. carrionii. However, the essential oils of Ocimum gratissimum, Pneumus boldus, Origanum vulgare and Melissa officinalis and showed the best antifungal activity with inhibition zones of 49.25 mm, 42.25 mm, 40.25 mm, 29 mm respectively. The data obtained show is promising and may serve as a guide in selecting plants with antifungal activity for future work in anticipation of a possible therapeutic application of these products.
Mostrar mais

124 Ler mais

Eficácia do bochecho de quitosana a 0,4% sobre o biofilme e bactérias orais

Eficácia do bochecho de quitosana a 0,4% sobre o biofilme e bactérias orais

Outros estudos abordaram a ação antimicrobiana da quitosana sobre Streptococcus sanguinis, Streptococcus sobrinus e Lactobacillus casei. Nesse sentido, Decker e colaboradores 10 verificaram que a quitosana apresentou uma ligeira redução das UFCs dos S. sanguinis planctônicos. Corroborando esse estudo, Teixeira 53 observou que a quitosana a 0,4% com alto PM e alto GD inibiu o crescimento desta espécie bacteriana. Esse mesmo autor também verificou que esse biopolímero a 0,8% inibiu o crescimento do S. sobrinus e do L. casei. Dessa forma, foi observado também que quanto maior o PM e o GD maior a ação antimicrobiana da quitosana. A quitosana com baixo PM e baixo GD não foi capaz de inibir nenhuma cepa bacteriana testada. Logo, esse autor verificou que a quitosana com alto PM, alto GD e baixa viscosidade apresentaram efeito bactericida sobre bactérias orais organizadas em biofilme de forma similar a clorexidina 53 .
Mostrar mais

98 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados