Top PDF Avaliação de programa de psicoeducação em pacientes com transtorno afetivo bipolar

Avaliação de programa de psicoeducação em pacientes com transtorno afetivo bipolar

Avaliação de programa de psicoeducação em pacientes com transtorno afetivo bipolar

Prezado sr(a)________________________________________________________________ Venho, por meio desta, convidar o Sr.(a) para participar de uma pesquisa para avaliar o efeito de um programa de psicoeducação na qualidade de vida de pacientes com transtorno afetivo bipolar. As informações abaixo servirão para lhe informar sobre o estudo e esclarecer suas dúvidas. Você poderá participar ou não desta pesquisa, como voluntário (a), sem remuneração para os participantes, caso compreenda os seus objetivos e seja do seu interesse. O transtorno afetivo bipolar (TAB) é uma doença crônica e grave, acarretando importantes prejuízos econômicos e sociais para o portador. Embora tenha como seu tratamento de primeira escolha a farmacoterapia, tratamentos não farmacológicos são úteis na maximização da eficácia clínica, facilitando a adesão do paciente ao tratamento. A Psicoeducação, um tipo de tratamento cujo objetivo é fornecer ao paciente e seus familiares orientações gerais sobre o transtorno bem como formas de identificar sintomas indicativos de crises, recaídas e agravamento, é um tratamento que tem se mostrado eficiente na melhoria dos aspectos clínicos globais do transtorno bipolar.
Mostrar mais

100 Ler mais

A eficácia da psicoeducação domiciliar em pacientes com transtorno afetivo bipolar...

A eficácia da psicoeducação domiciliar em pacientes com transtorno afetivo bipolar...

A relação estreita entre o conhecimento que um paciente tem sobre a sua patologia e uma melhoria em seu curso, é um axioma aplicável aos distúrbios psiquiátricos e outras desordens médicas. Em casos de diabetes, por exemplo, é muitas vezes útil, ou praticamente decisivo, que pacientes recentemente diagnosticados participem de oficinas de psicoeducação em que sua doença é explicada a eles – o tipo da dieta e hábitos comportamentais são recomendados, como eles devem verificar o seu nível de açúcar no sangue e como injetar-se a insulina. Algo semelhante ocorre com certas patologias cardiovasculares, bem como com a asma (LINDEN, 2000, OLMSTED, 2002). No caso de perturbações bipolares, uma patologia que é complexa do ponto de vista clínico e conceitual, bem como seu tratamento, é imprescindível para um paciente diagnosticado recentemente ser capaz de adquirir conhecimento suficiente a respeito de seu transtorno, permitindo uma boa gestão de sua doença. Isso torna ainda mais necessário implementar a psicoeducação nos algoritmos de tratamento do paciente bipolar. Além disso, um programa de psicoeducação é essencial no contexto da saúde pública, em que o tempo limitado disponível ao psiquiatra para um exame clínico torna o relacionamento médico–paciente em um breve encontro, na maioria dos casos, sem tempo para o componente educativo. Além do que, a psicoeducação é uma forma eficaz, eficiente e econômica de complementar o tratamento farmacológico e deixar o paciente com o conhecimento necessário para controlar o transtorno (COLOM; VIETA, 2006).
Mostrar mais

147 Ler mais

Eficácia da reabilitação neuropsicológica no transtorno afetivo bipolar: um estudo controlado

Eficácia da reabilitação neuropsicológica no transtorno afetivo bipolar: um estudo controlado

semanais individuais, divididas em três módulos: psicoeducação e estratégias de monitoramento do humor, Reabilitação das Funções Executivas, Reabilitação da Memória e Atenção. Todas as sessões foram estruturadas com técnicas padronizadas para abordagem de cada domínio cognitivo. Como medidas de eficácia, foram utilizadas a Escala de Modos de Enfrentamento de Problems – EMEP (coping), Questionário Disexecutivo Revisado – DEX- R (funções executivas, memória e atenção) e WHOQOL-BREF (qualidade de vida). Foi utilizada a ANOVA para medidas repetidas delineamento misto a fim de comparar o efeito do tratamento nos escores dos grupos (pré, pós e follow-up). Todas as análises foram realizadas no pacote estatístico SPSS 20.0 – Windows e/ou RUMM 2030. Para todas as analises, o nível de significância adotado foi de p<0.05. Resultados: quanto à DEX-R, esta se mostrou ser sensível para a avaliação das funções executivas, memória e atenção no contexto brasileiro, e, portanto, foi adotada como uma das medidas de eficácia para avaliação do protocolo de RN. Os itens se agruparam em três fatores: regulação social e auto-regulação (funções relacionadas ao circuito orbito-frontal), motivação e atenção (funções relacionadas ao circuito cíngulo anteior) e flexibilidade, fluência e memória operacional (funções relacionadas ao circuito dorsolateral). Referente à eficacia da RN, para todas as comparações intergrupos (pré, pós e follow-up) foi encontrada uma diferença significativa entre os escores nas medidas de eficácia (p<0.05) no GRN. Não foram evidenciadas diferenças estatísticas no GC. As magnitudes de efeito das diferenças entre o pré- e o pós-teste foram maiores para o grupo sob tratamento (d > 0.8) para todas as medidas de eficácia. Conclusão: o questionário DEX-R, após sua adaptação e validação, para os pacientes do GRN exibiram uma melhora significativa em todos os domínios avaliados, logo apresentaram um importante incremento nas habilidades funcionais, com ganhos em qualidade de vida, maior emprego de habilidades de coping focadas no problema e melhora nas funções executivas, atenção e memória. Os resultados corroboram achados prévios que apontam que pacientes com TAB podem se beneficiar da RN, como uma importante ferramenta terapêutica promotora de uma melhor performance funcional. Os achados decorrentes deste trabalho de doutorado foram discutidos com base em aspectos psicométricos e neuropsicológicos, organizados em artigos específicos. Para finalizar, foram apresentadas hipóteses sobre limitações metodológicas dos estudos e propostas para aprimoramento em investigações futuras.
Mostrar mais

199 Ler mais

Avaliação de personalidade em transtorno afetivo bipolar por meio do estudo de pares...

Avaliação de personalidade em transtorno afetivo bipolar por meio do estudo de pares...

Os psiquiatras europeus dos séculos XIX e XX descreveram quadros psiquiátricos que hoje em dia são associados às origens do conceito de TP (Guelfi, 1988; Berrios, 1993). Pinel 10 (apud Berrios, 1993), em 1809, descreveu a categoria manie sans délire, que englobava indivíduos que apresentavam ataques constantes de fúria sem, contudo, apresentar lesões do intelecto, ou seja, preservando a sanidade da razão. De acordo com Berrios (1993), análises dos trabalhos de Pinel indicam que ele tinha a intenção de identificar uma nova forma de insanidade cuja definição não seria mais baseada na presença de delírios, mas que ainda preservasse um valor forense. Isto ocorreu pois esses pacientes apresentavam ataques de fúria cujas consequências, algumas vezes, os levavam aos tribunais; porém, os juízes não consideravam a alegação de insanidade caso não fosse identificada a presença de delírio. Isso tem feito com que autores identifiquem a categoria manie sans délire ou manie raissonante com o que atualmente denominamos TP (Guelfi, 1988). Contudo, Berrios (1993) argumenta que as descrições clínicas e a intenção de Pinel pouco têm a ver com o conceito atual de TP. Esquirol (1838), questionando o termo criado por Pinel e argumentando sobre a impossibilidade da concomitância entre insanidade e ausência do exercício da razão, propôs que os quadros clínicos nos quais os pacientes apresentavam ataques de fúria injustificados seriam mais bem denominados monomania, insanidade caracterizada por delírios específicos. Esta é
Mostrar mais

185 Ler mais

Grupo de psicoeducação no transtorno afetivo bipolar: reflexão sobre o modo asilar e o modo psicossocial.

Grupo de psicoeducação no transtorno afetivo bipolar: reflexão sobre o modo asilar e o modo psicossocial.

El Transtorno Afecivo Bipolar (TAB), cono- cido por su cronicidad, complejidad y altos índices de mortalidad y morbilidad, es una de las principales causas de incapacidad en el mundo. Existen evidencias crecientes de que puede modiicarse su curso con abor- dajes psicoterapéuicos, como la psicoedu- cación, que promueve el aumento del fun- cionamiento social y ocupacional, así como de la capacidad de manejar situaciones estresantes. Se trata de un relato de expe- riencia sobre un grupo de psicoeducación para familiares y pacientes de TAB, pauta- do en la relexión de los componentes pa- radigmáicos de las prácicas de salud men- tal. La relexión entre los modelos asilares y psicosociales referidas a las concepciones del objeto y modalidad de trabajo posibili- tó situar el grupo en el modelo psicosocial, pues el conocimiento y la vivencia experi- mentados favorecen la autonomía del suje- to, que iene mayores chances de posicio- narse frente a las diicultades que devienen de su existencia y sufrimiento.
Mostrar mais

6 Ler mais

Psicoterapia em grupo de pacientes com transtorno afetivo bipolar.

Psicoterapia em grupo de pacientes com transtorno afetivo bipolar.

Contexto: Vem crescendo nos últimos anos o número de estudos com abordagens psicoterápicas no tratamento de pacientes com transtorno afetivo bipolar. Contudo, pouco ainda se sabe sobre o efeito que tem estas abordagens nestes pacientes. Objetivo: Avaliar a efetividade da terapia de grupo no tratamento do transtorno afetivo bipolar. Método: Levantamento bibliográfico no Medline, Lilacs, PubMed e ISI de artigos publicados em língua inglesa no período de 1975 a 2005 e busca manual com base na bibliografia dos artigos selecionados. Foram incluídos apenas os estudos que utilizaram grupo controle, randomizados, com casuística superior a 20 pacientes. Resultados: Fo- ram encontrados somente cinco trabalhos, três deles publicados nos últimos cinco anos. Três utilizaram modelos de psicoeducação, encontrando aumento na adesão ao tratamento farmacológico. Um destes verificou redução no número de hospitalizações e recaídas. Dois estudos combinaram psicoeducação e abordagens psicoterápicas variadas. Destes, um mostrou aumento no período de remissão e redução de sintomas para episódios maníacos. Conclusões: O interesse por intervenções psicoterápicas baseadas em evidência, no tratamento do TAB, vem aumentando nos últimos anos. Este fato contrasta com o baixo número de estudos dedicados à modalidade de atendimento em gru- po, que poderia ser muito útil em instituições onde grande número de pacientes é atendido. A complexidade clínica dessa doença, a presença de diversas comorbidades e os diferentes graus de adesão à farmacoterapia demandam a criação de opções terapêuticas variadas que atendam às necessidades de cada indivíduo. Os estudos indicam que a terapia de grupo pode ser uma opção eficaz de tratamento que merece ser mais bem investigado para permitir sua aplicação na prática clínica.
Mostrar mais

6 Ler mais

Melhorando o desfecho do transtorno bipolar usando estratégias não farmacológicas: o papel da psicoeducação.

Melhorando o desfecho do transtorno bipolar usando estratégias não farmacológicas: o papel da psicoeducação.

prestando atenção ao papel específico dos elementos psicoeducativos além da simples - mas indispensável - melhora na adesão ao tratamento. Para isso, realizamos um ensaio clíni- co randomizado utilizando o mesmo programa de 21 sessões, mas incluindo somente 50 pacientes bipolares tipo I que preen- chessem os critérios para serem considerados aderentes ao tra- tamento (sugeridos por entrevistas focadas na adesão ao trata- mento com os pacientes e seus parentes em primeiro grau ou parceiros e nas concentrações plasmáticas dos estabilizadores de humor). O ensaio clínico foi desenhado para clarificar se o efeito da psicoeducação vai além da melhora na adesão ao trata- mento e, certamente, o faz: o tamanho do efeito foi bem similar ao estudo dos Archives e da mesma forma o foram os resultados. O tempo para a recaída foi maior entre os pacientes psicoeducados e, ao final dos dois anos de acompanhamento, 92% dos pacien- tes no grupo controle preencheram os critérios para recorrência, contra 60% no grupo de psicoeducação (p<0,01). O número de recorrências totais e o número de episódios depressivos foram significativamente menores entre os pacientes psicoeducados. 12
Mostrar mais

4 Ler mais

Traços de temperamento associados ao transtorno afetivo bipolar: uma revisão integrativa da literatura.

Traços de temperamento associados ao transtorno afetivo bipolar: uma revisão integrativa da literatura.

Foram encontrados 199 artigos potencialmente re- levantes considerando a deinição das bases de dados e os descritores (etapas 1 e 2). Na etapa 3, após a leitu- ra dos títulos e resumos dos artigos, foram excluídos 153 estudos com base nos critérios apresentados, sendo que: 1) 35 eram estudos com amostras que incluíam partici- pantes com características diversas daquelas delimitadas pela revisão, por exemplo, ausência de grupo controle e pacientes com transtorno desaiante opositor, disfunções neurológicas, entre outros; 2) 79 artigos não avaliaram traços de temperamento ou personalidade propriamente ditos e/ou não utilizaram medidas padronizadas, como, por exemplo, avaliação de estado de humor, criatividade, habi- lidades sociais, autoestima, entre outros; 3) 1 artigo utili- zou método qualitativo para a coleta e análise dos dados; 4) 34 artigos não apresentavam dados originais (revisões narrativas, editoriais, comentários e notas clínicas); e 5) 4 artigos obtidos estavam duplicados em duas bases de dados. Na etapa 4, os 46 artigos selecionados como rele- vantes para o objetivo deste trabalho foram analisados na íntegra. A partir dessa análise, 31 artigos foram excluídos, sendo que: 1) 8 não apresentavam grupo controle formado por indivíduos sem histórico de diagnóstico de transtorno psiquiátrico; 2) 10 artigos não avaliaram traços de tempe- ramento ou personalidade propriamente; 3) 12 artigos não apresentavam o TAB como variável dependente; e 4) 1 ar- tigo não apresentou dados originais. Finalmente, a revisão foi realizada com base em 15 artigos. A Figura 1 apresenta esquematicamente o processo de levantamento bibliográ- ico e a seleção dos artigos dessa revisão.
Mostrar mais

12 Ler mais

Abordagens psicoterápicas no transtorno bipolar.

Abordagens psicoterápicas no transtorno bipolar.

do transtorno bipolar, porém são todos estudos baseados em relatos de caso, com limitações metodológicas e com desfechos clínicos subjetivos. Os estudos em grupo realizados com pacientes bipolares, além das abordagens psicodinâmicas, utilizavam também intervenções ativas que visavam à compreensão da doença e à adesão à medicação. Todos foram estudos abertos e, com exceção de um estudo (Cerbone et al., 1992), não utilizaram avaliadores independentes. Wulsin et al. (1988) avaliaram 28 pacientes que participaram em média de 44 sessões em grupo por um período de 4,5 anos cujo foco era “o efeito da doença nos relacionamentos interpessoais”. Os autores concluíram que a terapia em grupo foi bastante factível e benéfica para os pacientes. No estudo de Cerbone et al. (1992), que foi baseado na revisão de prontuários, foram avaliados 43 pacientes bipolares que participaram de um tratamento em grupo que enfocava a psicoeducação e a resolução de problemas interpessoais. Esse estudo verificou que o tratamento em grupo esteve associado com melhoras no funcionamento social e com menor gravidade e duração dos episódios de humor. Retzer et al. (1991), avaliando 20 pacientes com transtorno bipolar e 10 pacientes esquizofrênicos, demonstraram uma diminuição da recorrência de episódios de humor em um período de seguimento de três anos, comparado ao período de pré-tratamento e uma mudança no ponto de vista sobre a doença nos pacientes e nos familiares. Os outros estudos também demonstraram desfechos positivos subjetivos como “bem-estar” (Hallensleben, 1994) e no aprendizado sobre a doença, assim como conviver com ela. Tais estudos, assim como outras abordagens em grupo, sugerem que essas técnicas podem ter um impacto positivo no curso do transtorno bipolar, porém, deve-se ter cautela na interpretação desses dados já que se tratam de estudos com defi- ciências metodológicas como dados não controlados e avaliação feita por avaliadores não independentes.
Mostrar mais

7 Ler mais

Transtorno afetivo bipolar: perfil farmacoterapêutico e adesão ao medicamento.

Transtorno afetivo bipolar: perfil farmacoterapêutico e adesão ao medicamento.

Este estudo teve como objeivos verii- car a adesão de portadores de transtorno afeivo bipolar (TAB) à terapêuica medica- mentosa e ideniicar possíveis causas de adesão e não adesão ao medicamento de acordo com o peril farmacoterapêuico. Trata-se de estudo transversal, descriivo, realizado em Núcleo de Saúde Mental de um município do interior paulista. Parici- param do estudo 101 pacientes com TAB. Para coleta dos dados, uilizou-se a en- trevista estruturada e o teste de Morisky- -Green e, para a análise dos mesmos, o programa Staisical Package for the Social Science. Os resultados mostraram que a maioria (63%) dos sujeitos invesigados não adere ao medicamento. Apesar de não ter ocorrido diferenças signiicaivas entre o grupo de aderentes e não aderentes, para as variáveis invesigadas, foi possível veriicar a uilização de polifarmacoterapia e regimes terapêuicos complexos no trata- mento do TAB. Permanece como desaio a implementação de estratégias que possam melhorar, na práica, a adesão de pacientes ao tratamento medicamentoso.
Mostrar mais

7 Ler mais

Ajuste social em pacientes com transtorno afetivo bipolar, unipolar, distimia e depressão dupla.

Ajuste social em pacientes com transtorno afetivo bipolar, unipolar, distimia e depressão dupla.

e tratados no programa ambulatorial específico para esse distúr- bio. Todos os pacientes eram moradores de Botucatu com, pelo menos, seis meses de acompanhamento no serviço. Os critérios de exclusão foram: (a) ter tido apenas um episódio de depressão maior; (b) apresentar transtorno orgânico do humor; (c) apresen- tar dependência de álcool e/ou drogas; (d) ter doença física grave e/ou crônica; (e) ter quadros demenciais; (f) apresentar transtor- nos esquizoafetivos; (g) estar a mais de dois anos sem acompa- nhamento no serviço; e (h) apresentar ciclamento rápido.
Mostrar mais

9 Ler mais

Cognição, afeto e relacionamento interpessoal de mulheres com transtorno afetivo bipolar.

Cognição, afeto e relacionamento interpessoal de mulheres com transtorno afetivo bipolar.

O BSI (Beck, Kovacs, & Weissman, 1979; tradução e adaptação de Cunha, 2001). Também é uma escala de auto-avaliação composta por 21 itens que indicam uma extensão de pensamentos ideacionais do sujeito (Cunha, 2001). A escala BSI foi construída para abordar o tema do pensamento suicída em pacientes psiquiátricos ambu- latoriais adultos. Cunha (2001) apresenta recomendações para que o instrumento não sirva como fonte única ou completa de informações sobre o tema, também pelo fato de não identificar simulação, confusão ou mesmo distor- ção ou omissão de fatos importantes por parte do pacien- te – estes dados foram avaliados por meio das demais escalas, da entrevista psiquiátrica prévia e do Rorschach. Deste modo, o BSI serviu como instrumento a ser ava- liado de modo qualitativo, contrapondo seus resultados com achados clínicos. Não há ponto de corte.
Mostrar mais

9 Ler mais

Implicações de um grupo de Psicoeducação no cotidiano de portadores de Transtorno Afetivo Bipolar.

Implicações de um grupo de Psicoeducação no cotidiano de portadores de Transtorno Afetivo Bipolar.

É programada para cada encontro uma palestra, com duração de uma hora, proferida por algum proissional: enfermeiro, médico psiquiatra, psicólogo, nutricionista, professor de educação ísica, advogado, entre outros, de acordo com o tema agendado para o dia e com sua área de conhecimento. Quanto aos temas abordados nas palestras, esses são sugeridos pelos próprios paricipan- tes ao responder um quesionário de avaliação dos en- contros, que é aplicado anualmente. Em geral, os temas incluem a caracterização da doença em suas diferentes fases; fatores causais e desencadeantes; tratamentos farmacológicos e não-farmacológicos; gravidez e aconse- lhamento genéico; detecção precoce dos episódios maní- acos e depressivos; álcool e outras drogas; prejuízos psico- lógicos, sociais e econômicos; técnicas de gerenciamento do estresse; como lidar com um familiar que é portador; estratégias para conviver com as mudanças no esilo de vida no dia-a-dia e melhorar a qualidade de vida (alimen- tação e aividade ísica); direitos do portador e familiar; entre outros. Após a palestra, há um depoimento volun- tário de um familiar ou portador, cujo objeivo é a troca de experiências e o intercâmbio de encorajamento. Além do depoimento, é marcante a paricipação dos presentes em expressar seus pensamentos e/ou dúvidas acerca do tema, sendo estas úlimas esclarecidas pelos proissionais presentes. Os encontros são inalizados com um lanche, momento esse que favorece a aproximação entre fami- liares/portadores e os proissionais, contribuindo, assim, para o fortalecimento do vínculo entre os mesmos.
Mostrar mais

8 Ler mais

Estudo de genes da Via Wnt e sua associacao com o Transtorno Afetivo Bipolar

Estudo de genes da Via Wnt e sua associacao com o Transtorno Afetivo Bipolar

Bipolar Disorder (BD) is a severe and chronic psychiatric illness with progressive increase in the severity of episodes. The prognosis for patients with BD is poor, with high rates of relapse in residual symptoms, cognitive impairment and decreased quality of life. A growing body of research supports the assumption that BD arises from abnormalities in neuronal plasticity. Several lines of evidence suggests that the Wnt family is involved in this pathway since it is related to key developmental processes such as cell growth, migration and cell differentiation. Therefore, the aim of our study was to evaluate whether genes of the Wnt pathway are associated to BD and its comorbidities. Our sample consisted of 546 individuals: 306 patients with BD and 240 healthy controls. We used the genes WNT2B, WNT3A, WNT5A, WNT7A, APC1 and FZD3. We found no correlation between the studied tagSNPs and BD. However, we found a positive association between ACP1 tagSNP, rs7419262, and violent suicide attempt, and between the WNT2B tagSNPs, rs3790606 and rs351372, and generalized anxiety disorder as a comorbidity in patients with BD. We conclude that the Wnt pathway may be associated with susceptibility to BD and suicide.
Mostrar mais

98 Ler mais

Fisiopatologia do transtorno afetivo bipolar: o que mudou nos últimos 10 anos?.

Fisiopatologia do transtorno afetivo bipolar: o que mudou nos últimos 10 anos?.

43. Manji HK, Etcheberrigaray R, Chen G, Olds JL. Lithium decreases membrane-associated protein kinase C in the hippocampus: selectivity for the alpha isozyme. J Neurochem. 1993;61(6):2303-10. 44. Moore GJ, Bebchuk JM, Parrish JK, Faulk MW, Arfken CL, Strahl- Bevacqua J, Manji HK. Temporal dissociation between lithium-induced changes in frontal lobe myo-inositol and clinical response in manic- depressive illness. Am J Psychiatry. 1999;156(12):1902-8. 45. Davanzo P, Thomas MA, Yue K, Oshiro T, Belin T, Strober M, McCrocken J. Decreased anterior cingulate myo-inositol/creatine spectroscopy resonance with lithium treatment in children with bipolar disorder. Neuropsychopharmacology. 2001;24(4):359-69. 46. Chen RW, Chuang DM. Long term lithium treatment suppresses p53 and Bax expression but increases Bcl-2 expression. A prominent role in neuroprotection against excitotoxicity. J Biol Chem. 1999;274(10):6039-42.
Mostrar mais

5 Ler mais

A Influência do exercício físico para tratamento do portador de transtorno afetivo bipolar

A Influência do exercício físico para tratamento do portador de transtorno afetivo bipolar

O presente artigo discute sobre a disfunção psicobiológica do distúrbio afetivo bipolar subjacente ao comportamento social do indivíduo e às manifes- tações de sua vida psíquica. Primeiramente, houve a necessidade de conceituar os termos técnicos. Fo- ram relatadas as estruturas neurológicas e seu funci- onamento bioquímico. Em seguida, relacionamos os benefícios que os exercícios físicos proporcionam ao estado fisiológico dos indivíduos acometidos pelo distúrbio. A característica principal do distúrbio é a oscilação de humor dos portadores, que varia entre a depressão e a euforia, mantida mesmo diante de tragédias na família. Normalmente, aparece logo de- pois da adolescência. O transtorno afetivo bipolar, como pode ser denominado, provoca muito sofri- mento para os pacientes, familiares e amigos, acar- retando uma má qualidade de vida. O quadro depressivo prevalece na maior parte do tempo, mas os pacientes passam por períodos de euforia. A de- pressão pode ser grave. O indivíduo é tomado por pessimismo, tristeza intensa e crises de choro. Seu pensamento é invadido por idéias de inferioridade, culpas por atos do passado e medo de estar doente. O sintoma mais importante da depressão é o medo do futuro, o doente só antevê catástrofes, ele tem sensação de que vai morrer; perde o apetite, o pala- dar e o prazer de viver (Fenichel, 1997).
Mostrar mais

8 Ler mais

Transtorno afetivo bipolar e terapêutica medicamentosa: identificando barreiras.

Transtorno afetivo bipolar e terapêutica medicamentosa: identificando barreiras.

Est e est udo ident ificou as barreiras enfrent adas pela pessoa com Transt orno Afet ivo Bipolar ( TAB) frent e à necessidade de uso cont ínuo de m edicam ent os. Foi ut ilizada a abordagem qualit at iva, t endo com o referencial m et odológico a Teoria Fundam ent ada nos Dados, à luz do I nt eracionism o Sim bólico. Part iciparam do est udo 14 pessoas com TAB que est avam em acom panham ent o em um am bulat ório de t ranst ornos do hum or de um hospit al universit ário e 14 fam iliares indicados pelas m esm as. A ent revist a e observação foram as principais form as de obtenção de dados. Os resultados revelaram duas categorias que descrevem as barreiras enfrentadas pela pessoa com TAB: ter perdas afetivas e cognitivas e ter várias lim itações. Constatou- se que a pessoa com TAB sent e- se am bivalent e em relação à adesão à t erapêut ica m edicam ent osa, pois percebem que, qualquer que sej a a direção adot ada, ela o conduzirá a um cont ext o de preconceit o, de perdas e lim it ações nas várias esferas da vida cot idiana.
Mostrar mais

8 Ler mais

Transtorno afetivo bipolar: carga da doença e custos relacionados.

Transtorno afetivo bipolar: carga da doença e custos relacionados.

61. Calabrese JR, Hirschfeld RM, Frye MA, Reed ML. Impact of depressive symptoms compared with manic symptoms in bipolar disorder: results of a U.S. community-based sample. J Clin Psychiatry. 2004;5:1499-504. 62. Zhang H, Wisniewski SR, Bauer MS, Sachs GS, Thase ME. System- atic Treatment Enhancement Program for Bipolar Disorder (STEP-BD) Investigators. Comparisons of perceived quality of life across clinical states in bipolar disorder: data from the first 2000 Systematic Treatment Enhancement Program for Bipolar Disorder (STEP-BD) participants. Compr Psychiatry. 2006;47:161-8.
Mostrar mais

7 Ler mais

Objetivo: Compreender o transtorno afetivo bipolar (TAB) e suas implicações pela perspec-

Objetivo: Compreender o transtorno afetivo bipolar (TAB) e suas implicações pela perspec-

Objetivo: Compreender o transtorno afetivo bipolar (TAB) e suas implicações pela perspec- tiva dos filhos adultos de mães que receberam o diagnóstico quando eles eram crianças. Métodos: Pesquisa qualitativa, por meio de entrevistas semiestruturadas de questões aber- tas em profundidade com 21 filhos de pacientes do Ambulatório de Psiquiatria Geral de Adultos do HC/Unicamp. A técnica de tratamento de dados foi feita por meio da análise de conteúdo das entrevistas transcritas na íntegra e categorização. Resultados: Os significados psicológicos atribuídos pelos filhos à experiência de ter uma mãe com TAB possibilitaram a elaboração de um esquema da infância, adolescência à vida adulta. Os achados revelam que na infância a instabilidade da mãe, característica do TAB, gera sentimentos de culpa e desamparo nos filhos, pela percepção da introspecção materna nos períodos dos episódios em contraste com os momentos de remissão, nos quais percebem envolvimento emocional e disponibilidade para a maternidade. Na adolescência, os filhos contestam as demandas de suas mães. Demonstram identificação com os sintomas maternos. Na vida adulta, há percep- ção de melhora na relação mãe-filho diante da abdicação das escolhas pessoais para a dedi- cação aos cuidados à mãe. Os achados revelam que a compreensão do TAB feita por meio da experiência dos filhos com suas mães fica apenas na racionabilidade, pois eles não conseguem manejá-la de forma efetiva e sentem-se aprisionados. Conclusões: A equipe de saúde pode auxiliar os filhos desde o manejo de questões cotidianas até o diagnóstico precoce de psico- patologias ao se dedicar ao acolhimento deles quando da vinda de suas mães ao tratamento.
Mostrar mais

6 Ler mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR RELACIONADO AO USO ABUSIVO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA.

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR RELACIONADO AO USO ABUSIVO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA.

Esta revisão bibliográfica apresenta a relação entre o Transtorno Afetivo Bipolar (TAB) e o uso abusivo de substâncias psicoativas, além de prováveis tratamentos e formas que o cérebro encontra para reagir a essas mudanças. Destaca-se que o Transtorno Afetivo Bipolar é um transtorno de humor com forte associação ao uso abusivo de substâncias psicoativas, como os medicamentos, as drogas e outras substâncias químicas que distorcem o funcionamento cerebral – seja causando efeito depressor ou estimulante –, alterando, assim, a cognição e o comporta- mento. Fatores ambientais, químicos e psicológicos podem desencadear tal transtorno e tornar o indivíduo um portador vitalício. Vários pesqui- sadores defendem que se faz necessário um diagnóstico específico, pelo qual se pode reconhecer uma dependência química como comorbidade do transtorno, e eles esclarecem que há casos em que o paciente não consegue lidar com a doença, procurando, então, uma saída secundá- ria: a droga ou algum medicamento com efeitos colaterais relevantes. Assim, para se obter sucesso no tratamento é de extrema importância que o paciente coopere com as orientações da equipe multidisciplinar, dedicando-se na busca por qualidade de vida, apesar de ser portador da doença.
Mostrar mais

11 Ler mais

Show all 10000 documents...