Top PDF Avaliação da religiosidade e variáveis correlatas em pacientes com Epilepsia do lobo temporal

Avaliação da religiosidade e variáveis correlatas em pacientes com Epilepsia do lobo temporal

Avaliação da religiosidade e variáveis correlatas em pacientes com Epilepsia do lobo temporal

Estudos recentes que envolvem epilepsia e experiência religiosa têm apresentado conflitos e contradições. Uma das causas é a pouca distinção entre experiências religiosas relacionadas à epilepsia nos períodos ictal, pós-ictal e interictal. A fenomenologia e neurobiologia de cada uma diferem em importantes aspectos (SAVER e RABIN, 1997). Uma das possíveis explicações da experiência religiosa em pacientes no período ictal são as crises tipo espasmo, que ocorrem de forma inesperada, com perda da consciência. Os pacientes que vivenciam esse tipo de crise podem adquirir culturalmente uma explicação religiosa interpretando-a como um valor religioso. Estudos têm demonstrado que experiências pessoais, importantes, ligadas à saúde, assim como as que ocorrem em muitas crises, são passíveis de serem interpretadas como forma religiosa (SPILKA e SCHMIDT, 1983). Na psicose interictal, a consciência em geral está preservada, nessa fase é comum os pacientes apresentarem delírios (em muitos casos apresentam a religiosidade intensificada, aspectos persecutórios, alucinações, entre outros) (MARCHETTI et al, 2003). Estudos realizados no período interictal por Bear e colaboradores (1982), por meio de uma entrevista observacional, utilizando 14 características importantes relacionadas à síndrome de comportamento interictal presentes na ELT, identificaram que a pontuação da religiosidade foi maior em pacientes com ELT quando comparados com pacientes com distúrbios agressivos, afetivo, e pacientes com epilepsia extra temporal focal ou generalizada (BEAR et al, 1982). Estudo utilizando o inventário NBI de Bear-Fedio demonstrou associação entre a desilusão religiosa no período pós-ictal através de mudança na estrutura do lobo temporal e elevada pontuação no inventário NBI (WUERFEL et al, 2004). Esse período pode iniciar com até uma semana após a crise e pode durar de uma hora a até dois meses. Para muitos autores nessa fase ocorre o predomínio de alterações no humor, presença da hiper-religiosidade, irritabilidade, agressividade, alterações visuais, entre outras (NADKARNI e DEVINSKY, 2007).
Mostrar mais

70 Ler mais

Desempenho cognitivo de pacientes com epilepsia do lobo temporal e epilepsia mioclônica juvenil: avaliação por meio da Escala WAIS-III

Desempenho cognitivo de pacientes com epilepsia do lobo temporal e epilepsia mioclônica juvenil: avaliação por meio da Escala WAIS-III

Objetivos: Comparar os resultados em uma prova cognitiva de pacientes com epilepsia com dois parâmetros: um fornecido pelas normas brasileiras e outro pelas norte-americanas, tendo em vista as diferenças culturais. Método: Quarenta e cinco pacientes adultos com diagnóstico de epilepsia foram submetidos à avaliação de nível intelectual por meio da Escala Wechsler de Inteligência, WAIS-III nos seguintes itens: Quociente de Inteligência Verbal (QI V), Quociente de Inteligência de Execução (QI E) e Quociente de Inteligência Total (QI T). As correções dos protocolos seguiram as normas brasileiras e as norte-americanas. Resultados: Dos 45 pacientes, 30 tinham o diagnóstico de epilepsia do lobo temporal (ELT) por esclerose mesial temporal (EMT), 15 no hemisfério esquerdo e 15 no direito, e 15 de epilepsia mioclônica juvenil (EMJ). Em todos os 45 protocolos do WAIS-III os resultados de QI V, QI E e QI T foram maiores quando empregados os parâmetros brasileiros. Assim, 18 pacientes que alcançaram QI T nas faixas “Média” e “Média Inferior”, segundo as normas brasileiras, obtiveram níveis inferiores quando corrigidos pelas normas norte-americanas, ou seja, o QI T destes mesmos pacientes caiu para as faixas “Limítrofe” e “Muito Rebaixado” respectivamen- te. Nos pacientes com ELT, as diferenças de pontos entre os QI V e QI E não foram concordantes quando cotejados por normas diferentes e em cinco deles o desempenho verbal foi maior do que o motor quando corrigidos pelas normas norte-americanas. Nos pacientes com EMJ, os valores do QI V e QI E foram maiores quando empregadas normas brasileiras. Conclusão: Os resultados da avaliação cognitiva pelo WAIS-III de pacientes com epilepsia mostram que a interpretação do nível intelectual é muito distinta quando corrigida segundo normas brasileiras ou norte-americanas. Há também diferença na análise qualitativa do desempe- nho intelectual, uma vez que o estudo das discrepâncias internas variou conforme a norma populacional utilizada.
Mostrar mais

6 Ler mais

Avaliação eletrofisiológica in vitro de drogas antiepilépticas em fatias hipocampais humanas provenientes de pacientes portadores de epilepsia do lobo temporal refratária ao tratamento medicamentoso

Avaliação eletrofisiológica in vitro de drogas antiepilépticas em fatias hipocampais humanas provenientes de pacientes portadores de epilepsia do lobo temporal refratária ao tratamento medicamentoso

The absence of a satisfactory response to antiepileptic drug (AED) therapy, is an unresolved problem in a significant number of epileptic patients. Mechanisms of intractability are not well understood but may include a combination of poor penetration of AED across a functionally altered blood-brain barrier owing to increased expression of multiple drug resistance transporters. Therefore, the aim of this work was to assess the in vitro efficacy of antiepileptic drugs through human hippocampal slices originating from patients with refractory temporal lobe epilepsy submitted to corticoamygdalohippocampectomy. Slices was prepared from a 1 cm 3
Mostrar mais

2 Ler mais

Papel do 18F-FDG PET/CT na avaliação pré-cirúrgica de pacientes com epilepsia refratária do lobo temporal

Papel do 18F-FDG PET/CT na avaliação pré-cirúrgica de pacientes com epilepsia refratária do lobo temporal

Devido à heterogeneidade da apresentação clínica da epilepsia, diversas iniciativas surgiram com o intuito de classificar a doença e permitir um tratamento e prognóstico mais adequado. A primeira classificação foi proposta em 1969 pela ILAE. Um importante marco dessa classificação era a distinção entre crises parciais e generalizadas, assim como crises inicialmente focais que depois se tornam generalizadas (Dreifuss, Bancaud e Henriksen, 1981). No entanto, com o desenvolvimento de novos métodos diagnósticos e novas terapias farmacológicas, o detalhamento da classificação se tornou necessário. Assim, foi proposta pela ILAE, em 1981, uma revisão da classificação. Nela foram identificadas, por exemplo, crises parciais simples (sem comprometimento de consciência) e complexas (com comprometimento de consciência). Novas modificações foram propostas pela ILAE na classificação de 1989, no momento ainda de grande importância na prática clínica (ILAE, 1989). Nela são distinguidas crises epiléticas parciais versus generalizadas e de causa conhecida (ou sintomáticas) versus crises sem um fator desencadeante identificável, chamadas de idiopáticas ou criptogênicas. Recentemente, em 2010, uma nova classificação foi proposta. Com o avanço da genética, os termos idiopático e sintomático foram em grande parte substituídos por genético e estrutural/metabólico, mas sem a visão dicotômica que prevalecia antes (Berg et al., 2010). Importantes mudanças propostas nessa classificação geraram críticas de vários clínicos e epileptologistas e seu uso ainda está sendo discutido pela comunidade acadêmica (Engel, 2011). Resumidamente, a classificação de 2010 divide as crises epilépticas em três grandes grupos: generalizadas (surgem em algum ponto do cérebro e afetam rapidamente os dois hemisférios), focais (surgem em algum ponto do cérebro e se limitam normalmente à um hemisfério) e desconhecidas (espasmos epiléticos). Os diversos tipos de epilepsia são definidos de acordo com o tipo de crise e características clínicas, como idade de início, causas associadas, comprometimento ou não da consciência, etc (Berg et al., 2010).
Mostrar mais

101 Ler mais

SPECT cerebral interictal em pacientes com epilepsia do lobo temporal de difícil controle

SPECT cerebral interictal em pacientes com epilepsia do lobo temporal de difícil controle

entre SPECT cerebral interictal e PET em 18 pacientes candidatos ao tratamento cirúrgico, nos quais foram implantados eletrodos subdurais como referências, que localizaram o foco epileptogênico em 15 pacien- tes. Os resultados do PET e do SPECT foram compatí- veis com as referências subdurais em 13 e 9 pacien- tes, respectivamente. Os autores concluem que o PET parece ser método mais acurado para localização do córtex epileptogênico do que o SPECT interictal. Po- rém, cabe ressaltar que esses pacientes, apesar de sub- metidos a avaliação clínica, monitorização por vídeo/ EEG, ressonância magnética (RM) e avaliações neuropsicológicas, não tiveram localização previa- mente definida do foco epileptogênico. Nesses casos, cujos critérios clínicos e eletrencefalográficos são in- suficientes na localização do foco epileptogênico, métodos de neuroimagem funcional representam uma esperança para possibilitar localização mais efetiva 2 .
Mostrar mais

9 Ler mais

Avaliação da memória operacional, emocional e espacial, em pacientes com epilepsia temporal mesial e pacientes submetidos a lobectomia temporal

Avaliação da memória operacional, emocional e espacial, em pacientes com epilepsia temporal mesial e pacientes submetidos a lobectomia temporal

Recentemente, reconheceu-se um terceiro sistema de memória: a memória operacional (SARMIENTO et al, 2007), a qual parece situar-se entre a memória de curto prazo e a memória de longo prazo. Esse sistema de memória refere-se àquela que codifica o contexto temporal específico à informação e que pode ser “apagada” depois de utilizada (KELSSELS et al, 2004; SARMIENTO et al, 2007; TOMAZ E COSTA, 2001). Seu papel não é de formar arquivos, mas, sim, de analisar as informações que chegam constantemente ao cérebro, comparando-as com as existentes nas demais memórias declarativas e procedurais, de curta ou de longa duração (KANDEL et al, 2000). É processada pelo córtex pré-frontal e depende da atividade elétrica dos neurônios da região do lobo temporal mesial, pois o córtex pré-frontal recebe axônios procedentes de regiões cerebrais vinculadas à regulação dos estados de ânimo, dos níveis de consciência e das emoções (CAMPO et al, 2005; KANDEL et al, 2000).
Mostrar mais

74 Ler mais

Tratamento cirúrgico da epilepsia do lobo temporal: análise de 43 casos consecutivos.

Tratamento cirúrgico da epilepsia do lobo temporal: análise de 43 casos consecutivos.

de nível intelectual utilizou-se a Escala Weschler de Inte- ligência para adultos (WAIS-R); para avaliação da me- mória verbal empregaram-se a lista de palavras de Rey ( R AV LT) e o sub-teste de memória lógica da Escala We s- chler de Memória. Na avaliação de memória não-verbal utilizaram-se: o teste da figura paterna complexa de Rey-Ostericth e o sub-teste de re p rodução de figuras da Escala Weschler de Memória. Para avaliação de lingua- gem foram escolhidos o teste de nomeação de Boston (BNT), o teste de compreensão Token, o teste de fluência verbal FA R - C O WA, além de testes de leitura escrita “en- t re os exames de funções executivas”. Entre os testes de funções executivas usaram-se o teste de trilhas (A e B), teste de Stroop e o “5-point”. Dos pacientes operados do lado esquerdo, todos apresentavam declínio de me- mória verbal (91%), com exceção de um. Em contrapar- tida, 86% dos pacientes operados do lado não dire i t o a p resentavam declínio de memória não verbal. A capa- cidade de evocação posterior da lista de palavras de Rey é o sub-componente do teste mais afetado (81% dos p a- cientes), juntamente com a evocação tardia de histórias (WMS) (81,8% dos pacientes). Entre estes, um paciente a p resentou deficiência mental grave em todos os as- pectos da cognição avaliados.
Mostrar mais

7 Ler mais

Avaliação antiepiléptica do peptídeo Neuropolybina no modelo crônico de Epilepsia do Lobo Temporal induzido por pilocarpina em camundongos

Avaliação antiepiléptica do peptídeo Neuropolybina no modelo crônico de Epilepsia do Lobo Temporal induzido por pilocarpina em camundongos

A Epilepsia do Lobo Temporal (ELT) é o subtipo mais prevalente de Epilepsia em adultos e sua relevância clínica deve-se à sua gravidade e alta porcentagem de pacientes resistentes aos fármacos antiepilépticos disponíveis atualmente. Há, portanto, uma necessidade pela busca de novas terapias farmacológicas capazes de controlar essa condição patológica de forma eficiente, assim como de compreender melhor as alterações causadas pelo funcionamento anormal das estruturas neuronais durante a Epilepsia. Nesse aspecto, os artrópodes peçonhentos representam uma fonte alternativa de compostos neuroativos selecionados pela evolução dessas espécies. A potencialidade farmacológica dessas moléculas reforça o interesse em compreender sua ação no sistema nervoso central, foco desse trabalho. O Laboratório de Neurofarmacologia isolou o peptídeo Neuropolybina a partir da peçonha da vespa Polybia paulista, e ele apresentou uma interessante atividade antiepiléptica em modelos agudos de crises epilépticas. Além disso, não apresentou efeitos adversos na exploração espontânea e na coordenação motora dos animais testados. Portanto, o objetivo foi avaliar a efetividade antiepiléptica da Neuropolybina em camundongos submetidos ao modelo crônico de Status Epilepticus (SE) induzido por pilocarpina. Esse modelo é amplamente utilizado na literatura e apresenta similaridades com achados histopatológicos e comportamentais observados em pacientes epilépticos em apenas algumas semanas, enquanto as mesmas alterações levam anos para se manifestar nos pacientes. A Comissão de Ética no Uso Animal (CEUA/UnB) aprovou todos os experimentos. Camundongos Swiss receberam a administração i.p. de pilocarpina e após 10 minutos, manifestaram sinais do SE, que durou três horas (período agudo do modelo). No período de 15 dias após o SE (período latente
Mostrar mais

127 Ler mais

J. epilepsy clin. neurophysiol.  vol.11 número3 a04jecnv11n3

J. epilepsy clin. neurophysiol. vol.11 número3 a04jecnv11n3

A avaliação neuropsicológica dos pacientes com epi- lepsia do lobo temporal tem enfatizado o estudo das fun- ções mnésticas. Entretanto, tornam-se claras que as disfunções cognitivas não estão restritas à área lesada, en- volvendo outras regiões como o lobo frontal. A disfunção do lobo frontal pode ser decorrente do possível compro- metimento de vias hipocampais-frontais ou através da pro- pagação de paroxismos epileptiformes que prejudicam o desempenho de testes que avaliam funções frontais em pacientes com epilepsia do lobo temporal, o que perma- nece a ser determinado. As implicações deste acometimen- to estão relacionadas à menor capacidade de execução e planejamento observada nestes pacientes, assim como pode estar relacionada a maior ocorrência de outras comorbidades, como os transtornos psiquiátricos.
Mostrar mais

6 Ler mais

Funções de memória em pacientes com epilepsia refratária do lobo temporal antes e após transplante autólogo de células-tronco da medula óssea

Funções de memória em pacientes com epilepsia refratária do lobo temporal antes e após transplante autólogo de células-tronco da medula óssea

Introdução: A epilepsia, enquanto condição crônica de alta prevalência tem impacto importante no funcionamento psíquico/cognitivo e nas relações familiares e sociais da pessoa acometida. Entre as epilepsias refratárias, a epilepsia do lobo temporal (ELT) é a mais freqüente em adultos. Estudos sobre lesões no hipocampo e seus efeitos, constataram que pacientes com ELT apresentam déficits de memória verbal e visual, dependendo do hemisfério acometido. A refratariedade ao tratamento clínico, leva à indicação cirúrgica, visto que até o momento, não estão disponíveis outras alternativas terapêuticas. Neste contexto, se vislumbra uma nova possibilidade de tratamento para as epilepsias refratárias, utilizando-se células- tronco (CT). Estas apresentam grande capacidade de proliferação e auto-renovação e capacidade de responder a estímulos externos dando origem a diferentes linhagens celulares mais especializadas. Objetivos: Avaliar o efeito do transplante autólogo de células-tronco da medula óssea (CTMO) nas funções de memória de pacientes com epilepsia refratária do lobo temporal mesial. Pacientes e Métodos: A seleção dos pacientes foi realizada no Ambulatório de Pesquisa Clínica em Epilepsia do Hospital São Lucas da PUCRS. Os 13 pacientes que se submeteram à terapia, foram avaliados antes e após o tratamento com células-tronco (3 meses e 6 meses depois). Os testes utilizados para avaliação neuropsicológica: Escala de Memória Wechsler - revisada (WMS-R), Teste de Aprendizado de Memória Verbal de Rey (RAVLT) e Figura Complexa de Taylor. Resultados e Conclusões: Os resultados indicam um aumento significativo nos escores neuropsicológicos ao longo do tempo. Em seis dos sete testes utilizados, o acréscimo no escore médio obtido foi significativo e, em apenas um teste (WMS R visual imediato), o acréscimo apresentou significância estatística limítrofe (entre 5% e 10%). Dada a evolução favorável dos pacientes analisados, o transplante de CTMO mostrou-se factível, seguro e com perspectivas importantes para a reabilitação e reinserção psicossocial e profissional.
Mostrar mais

104 Ler mais

J. epilepsy clin. neurophysiol.  vol.12 número1

J. epilepsy clin. neurophysiol. vol.12 número1

Neste número, Noffs et al. apresentam uma análise a respeito das diferenças culturais no de- sempenho cognitivo de pacientes com epilepsia do lobo temporal e epilepsia mioclônica juvenil através da escala WAIS-III; talvez o conjunto de testes mais utilizado em todo mundo para avalia- ção cognitiva em diferentes condições clínicas e também em indivíduos sadios. Se por um lado a ampla utilização deste teste apresenta vantagens no sentido de uma “padronização” da avaliação entre os diferentes centros em cada país, por outro lado, diferenças socioculturais podem colocar por terra esta tão esperada “padronização”. O trabalho de Noffs et al. mostra “que a interpretação do nível intelectual é muito distinta quando corrigida segundo normas brasileiras ou norte-americanas. Há também diferença na análise qualitativa do desempenho intelectual, uma vez que o estudo das discre- pâncias internas variou conforme a norma populacional utilizada”. Estudos como este devem ser enco- rajados, e se possível, conduzidos de uma forma multicêntrica envolvendo diferentes regiões do país.
Mostrar mais

1 Ler mais

Avaliação neuropsicológica em portadores de epilepsia do lobo temporal.

Avaliação neuropsicológica em portadores de epilepsia do lobo temporal.

RESUMO - Investigamos a cognição de pacientes com epilepsia de lobo temporal que apresentavam ou não lesão mesial segundo exame de ressonância magnética. Utilizamos testes neuropsicológicos clássicos e eco- lógicos com objetivo de identificar possíveis alterações funcionais, e comparar resultados entre instrumen- tos tradicionais e ecológicos. Trinta e quatro pessoas pareadas em idade e escolaridade foram separadas em três grupos: 12 pacientes com lesão mesial; 12 sem lesão e 10 pessoas saudáveis. Para a avaliação fun- cional utilizamos: subtestes da escala de inteligência para adultos e de memória de Wechsler; fluência ver- bal, e o teste comportamental de memória de Rivermead. Os pacientes com lesão apresentaram desempe- nho cognitivo rebaixado em relação aos controles em diversas atividades: span atencional, memória, lin- guagem, resolução de problemas do cotidiano, enquanto os pacientes sem lesão mostraram-se mais com- pensados, apenas com alterações atencionais sutis. Tanto os testes tradicionais de memória, quanto os eco- lógicos foram eficientes para descrever o perfil cognitivo de pacientes com epilepsia.
Mostrar mais

6 Ler mais

Influência da pinealectomia na epileptogênese em ratas submetidas ao modelo de epilepsia induzido por pilocarpina

Influência da pinealectomia na epileptogênese em ratas submetidas ao modelo de epilepsia induzido por pilocarpina

Epilepsy is a disorder that affects Central Nervous System (CNS) and the Temporal Lobe Epilepsy is among the most frequent types of epilepsy representing 40% all cases. Its incidence is 1-2% of the world-wide population, with prominence for the female sex by presenting peculiarities such as menstrual cycle and gestational period. Alterations in the levels of sexual hormones estrogen and progesterone can intervene with the course of the epilepsy. The production and release of these hormones are influenced by melatonin a hormone that synchronize the circadian rhythms and promote the protection of the CNS. In this context alteration in the melatonin levels could intervene with the production of sexual hormones and promote alterations in the excitability of the CNS. '< )! 5 # In order to study the effects of pinealectomy in the development of the pilocarpine model of epilepsy in adult female rats, the behavioral and morphological aspects were analyzed. !/ ": Animals were divided in four groups: * female control (n=5); FG - Pinealectomized animals that received saline (n=5); * Animals that received pilocarpine (n=46); FG - Pinealectomized animals that received pilocarpine (n=47). The animals of PILO and PNTX+PILO groups were video-monitored 24h/day during 60 days in order to observe the latency to the first seizure and seizure frequency. After this period the animals were killed and the brain sections were neo- Timm stained. 1 !1# The pinealectomized animals presented a higher frequency of the proestrus phase in the estrous cycle. The animals of PNTX+PILO group presented a reduced period of latency to occurrence of the first seizure after pilocarpine administration and to occurrence of status epilepticus (SE), as well as, a reduced silent phase when compared with animals of the PILO group. The mortality during SE was increased in PNTX+PILO group, however, the mortality by seizure tonic was increased in the PILO group and this group presented an increase rate of animals that evolved to SE. About seizure frequency and mossy fiber sprouting we do not observe difference between the groups. ) 1 # Our data showed that the pinealectomy promotes alterations in the estrous cycle of the female rats in different aspects when compared with female rats not pinealectomized submitted to the pilocarpine model of epilepsy. On the other hand a less intense epileptogenesis was observed in this rats when compared with castrated and intact females rats or pinealectomized males rats.
Mostrar mais

130 Ler mais

Fatores determinantes da viabilidade neuronal em fatias hipocampais de pacientes com epilepsia do lobo temporal mesial

Fatores determinantes da viabilidade neuronal em fatias hipocampais de pacientes com epilepsia do lobo temporal mesial

A análise estatística não evidenciou diferenças significantes entre os grupos em relação à idade do pa- ciente (p = 0,84), duração da epilepsia (p = 0,71), tempo de ressecção do hipocampo (p = 0,66) e presença de IPI na história clínica (p = 0,42). Por outro lado, foram obser- vadas diferenças estatisticamente significantes em relação ao volume do hipocampo retirado (p = 0,0005), índice de assimetria (p = 0,01) e freqüência de crises (p = 0,008).

3 Ler mais

Memória visual e de localização na epilepsia do lobo temporal mesial

Memória visual e de localização na epilepsia do lobo temporal mesial

pela oportunisase oferecisa, pelo acolhimento, pela orientação, supervisões e, principalmente,.. pelo bom convívio nestes anos se trabalho.[r]

105 Ler mais

J. epilepsy clin. neurophysiol.  vol.17 número1

J. epilepsy clin. neurophysiol. vol.17 número1

Introdução: O citoesqueleto é uma complexa rede de proteínas que determina a forma da célula. Ele é fun- damental para que ocorra a movimentação celular; proporciona o suporte estrutural e mobilidade de organelas intracelulares e a estrutura para movimentação e separação de cromossomos durante a divisão celular. Os componentes principais do citoesqueleto são os microfilamentos, os filamentos intermediários e os microtúbulos. Os microtúbulos são formados por dímeros de a e b tubulina que se associam à proteínas específicas, as proteínas asssociadas aos microtúbulos (MAPs). A associação diferencial entre estas proteínas possibilita ampla variedade na modulação de função dos componentes do citoesqueleto no meio celular. As MAPs expressas no sistema nervoso central (SNC), MAP2 e tau, possuem diferentes isoformas geradas por processamento alternativo. O objetivo da presente revisão é de descrever e discutir as principais funções das proteínas do citoesqueleto em condições normais e patológicas, com destaque na fisiopatologia das epilepsias. Resultados: As MAPs possuem funções essenciais nas células neuronais, agem principalmente na formação estrutural destas células, garantindo sua morfologia e regulando funções específicas. Alterações nos níveis de expressão de proteínas estruturais estão envolvidas em diversas patologias do SNC como a esquizofrenia, a epilepsia do lobo temporal, as displasias corticais e as desordens do desenvolvimento. Estudos com modelos animais de epilepsia e tecido humano proveniente de pacientes epilépticos têm mostrado que as crises epilépticas podem modificar a expressão das proteínas do citoesqueleto. Conclusões: Apesar do significativo conhecimento existente sobre o citoesqueleto e proteínas associadas aos microtúbulos, não se sabe exatamente os mecanismos responsáveis pelas modificações estruturais encontradas em algumas patologias. Além do papel bem estabelecido do citoesqueleto como componente estrutural e citoarquitetônico, sua participação como facilitador do tráfico intracelular de neurotransmissores e outras macromoléculas é função ainda a ser melhor explorada e compreendida.
Mostrar mais

7 Ler mais

Epilepsia do lobo temporal com aura de prazer : relato de caso.

Epilepsia do lobo temporal com aura de prazer : relato de caso.

Manifestações psíquicas e emocionais de prazer como auras epilépticas, são motivo de divergência entre pesquisadores sobre tipos de auras dada a raridade. Neste caso relatado, há evidência de que a sensação de orgasmo, descrita pela paciente, seja uma aura epiléptica, através de avaliação clínica minuciosa (anamnese, exame neuropsíquico, EEG) e remissão dos sintomas com a terapêutica adotada.

3 Ler mais

Memória prospectiva em pacientes com epilepsia no lobo frontal

Memória prospectiva em pacientes com epilepsia no lobo frontal

temporal secundária à esclerose hipocampal. 110 O teste original incluía oito tarefas, quatro delas baseadas em eventos e quatro em tempo. Nessa adaptação, utilizou-se seis tarefas (três baseadas em tempo e três em evento), objetivando não sobrecarregar o indivíduo com muitas tarefas em uma sessão. O conteúdo das tarefas foi modificado, deixando-as mais parecidas com as atividades cotidianas, como lembrar-se de pegar um objeto ou de pagar uma conta. Podemos chamar esse tipo de avaliação de ecológica ou quase-naturalística, já que envolve situações semelhante às vividas no dia-a-dia. 111 As tarefas contemplam vários tempos de evocação, variando de 5 minutos a 90 minutos. Na adaptação utilizada por Adda 110 , foi inserida uma sétima tarefa, a ser realizada numa segunda sessão de avaliação. No presente estudo, a tarefa não foi inserida devido a dificuldade de alguns pacientes de retornarem num outro momento, já que muitos não residiam na cidade. Assim, optou-se por realizar todos os testes em uma única sessão.
Mostrar mais

128 Ler mais

Interferindo com oscilações de alta frequência no hipocampo epiléptico: consequências para as crises espontâneas

Interferindo com oscilações de alta frequência no hipocampo epiléptico: consequências para as crises espontâneas

Epileptic seizures are characterized by paroxysms and abnormal discharges of specific cell assemblies of the central nervous system (CNS), with or without compromising consciousness and with varied clinical symptoms. The epileptic focus in temporal lobe epilepsies are within the limbic system. Clinical and experimental data have shown extensive cell death (hippocampal sclerosis), synaptic reorganization (aberrant mossy fiber sprouting) and reactive gliosis in some these structures. These alterations are considered biological markers of the epileptogenic zone. Together with these anatomical alterations, extracellular recordings have also revealed pathological high frequency oscillations (pHFO) within structures of the epileptogenic zone. pHFO are transient oscillations (50 - 100 ms duration) of low amplitude (200 µV - 1.5 mV) and variable frequencies (150 - 800 Hz). The exact relationship pHFO and the generation of spontaneous seizures is still unknown. The objective of this study was to evaluate the effects of deep brain stimulation (DBS) in the spectral structure of pHFO, and in the frequency of spontaneous recurrent seizures in chronically epileptic animals (experimental model of temporal lobe epilepsy). DBS is currently used as an alternative method in the treatment of movement disorders (i.e., Parkinson's disease), and to some extent, of chronic pain. DBS has also been tested as an alternative method for intractable epilepsies experimentally. The working hypothesis of this thesis is that DBS-induced long-term depression, by reducing neuronal excitability locally, will modulate the spectral structure of pHFO with possible effects on spontaneous seizures frequency. For that, we compared pHFO spectral characteristics and seizures frequency before, during and after 12-hours continuous low frequency stimulation
Mostrar mais

96 Ler mais

Repositório Institucional da UFPA: Ativação microglial, perda neuronal e astrocitose em um modelo experimental de epilepsia do lobo temporal

Repositório Institucional da UFPA: Ativação microglial, perda neuronal e astrocitose em um modelo experimental de epilepsia do lobo temporal

microglial em diversas doenças do SNC (YONG et al., 2004). Após isquemia, o tratamento com minociclina induz neuroproteção, diminuindo em até 65% a área de infarto cortical e 45% a área de infarto estriatal (YRJANHEIKKI et al., 1999). Após epilepsia, poucos estudos investigaram a eficácia da minociclina como bloqueador microglial. Relatou-se que o tratamento com minociclina diminui a ativação microglial no hipocampo após SE induzido por estimulação elétrica, aumentando a neurogênese endógena hipocampal (EKDAHL et al., 2003). O tratamento com minociclina e outras tetraciclinas diminui a perda neuronal no hipocampo após SE induzido por injeção de penicilina (YILMAZ et al., 2006). Além disso, o tratamento com esta tetraciclina diminui a morte celular por vias dependentes e independentes de caspases no hipocampo após a injeção de ácido caínico (HEO et al., 2006) e diminui a neurogênese anômala hipocampal induzida por pilocarpina (YANG et al., 2010).
Mostrar mais

112 Ler mais

Show all 10000 documents...