Top PDF Bibliotecas Digitais: modelo metodológico para avaliação de usabilidade

Bibliotecas Digitais: modelo metodológico para avaliação de usabilidade

Bibliotecas Digitais: modelo metodológico para avaliação de usabilidade

• Exaustividade - “uma vez definido o corpus sobre determinado assunto, é preciso considerar todos os elementos desse corpus” (FRANCO, 2007, p. 53). Mesmo diante da impossibilidade de acesso às fontes fundamentais de informação, o pesquisador deverá lutar até o último momento para conseguir. No caso desta pesquisa, no total de 67 textos selecionados não foi possível ter acesso aos textos não conhecidos como artigos de periódicos, excluindo-se os capítulos de livros, teses e dissertações. Contudo, essa eventualidade não invalida a pesquisa, uma vez que do total de textos selecionados apenas 5 não foram possíveis de analisar. • Representatividade - “A análise pode efetuar-se em uma amostra, desde que o material a ser analisado seja demasiadamente volumoso” (FRANCO, 2007, p. 53). A nossa pesquisa analisou o universo dos textos apresentados pelas bibliografias estudadas, escolhendo para o corpus apenas as que tratavam de avaliação e/ou usabilidade de bibliotecas digitais, que é o foco do estudo. A amostra apresenta-se na forma qualitativa do tipo intencional pelos motivos explicitados nos critérios dos textos escolhidos.
Mostrar mais

245 Ler mais

Avaliação de usabilidade em bibliotecas digitais: um estudo de caso

Avaliação de usabilidade em bibliotecas digitais: um estudo de caso

As bibliotecas digitais têm por objetivo disponibilizar informações para seus usuários com maior rapidez e facilidade de busca e acesso. Nessas bibliotecas, a interação dos usuários com o acervo realiza-se por meio de suas interfaces. Tendo em vista a importância do papel desempenhado pelas interfaces, ou seja, de ligação entre usuário e sistema, esse trabalho propõe um estudo de caso sobre a usabilidade da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações, mantida pelo Instituto Brasileiro de Ciência e Tecnologia, BDTD-IBICT. Portanto, o objetivo principal dessa pesquisa foi estudar a usabilidade da interface dessa biblioteca. Os objetivos específicos são: evidenciar a contribuição dos princípios de usabilidade para melhoria das interfaces de bibliotecas digitais; mapear os problemas de usabilidade da interface escolhida para o estudo; e propor soluções para os problemas encontrados. O problema abordado foi como as avaliações de usabilidade podem ser aplicadas na avaliação de bibliotecas digitais com vistas a melhorar a interação humano- computador, possibilitando aos usuários uma recuperação mais eficiente da informação. A interface foi avaliada por meio de um método analítico (avaliação heurística) e um método empírico (teste com usuários). Na avaliação heurística, os dados foram coletados por meio de três formulários próprios para cada uma das três etapas da avaliação. O uso desses documentos orientou os avaliadores e evitou perdas de informações durante a avaliação. Para a avaliação empírica, foram utilizados questionários e anotações das observações feitas durante a avaliação. Trata-se de uma pesquisa qualitativa em que os dados colhidos foram analisados indutivamente pelos avaliadores. Para atender aos objetivos e ao problema proposto, foi feita uma fundamentação teórica metodológica abordando os temas: bibliotecas digitais, usabilidade e interfaces. Após a conclusão do trabalho, chegou-se a uma lista de problemas relacionados à usabilidade que interferem diretamente na interação do usuário com a BDTD-IBICT. Além de enumerar os problemas encontrados sob o ponto de vista de avaliadores e usuários apontou-se uma sugestão de solução para cada um deles. Por fim, o estudo revela a importância de se observar os requisitos de usabilidade visando garantir a qualidade e a satisfação de uso nas interfaces das bibliotecas digitais.
Mostrar mais

123 Ler mais

Metodologia para avaliação do nível de usabilidade de bibliotecas digitais: um estudo na Biblioteca Virtual de Saúde.

Metodologia para avaliação do nível de usabilidade de bibliotecas digitais: um estudo na Biblioteca Virtual de Saúde.

Este artigo aborda aspectos relativos à aplicação de metodologia para avaliação de usabilidade em bibliotecas digitais, para isso, adota-se uma metodologia que trata da sistematização de um instrumento de avaliação de usabilidade de bibliotecas digitais. O objetivo é investigar o nível de usabilidade da Biblioteca Virtual em Saúde, aplicando uma metodologia que mensura eficácia, eficiência e satisfação dos usuários ao usarem a biblioteca digital. Metodologicamente, caracteriza-se como um teste formal de usabilidade. O teste foi composto por uma lista de dez tarefas a serem realizadas com uma escala de Likert para conhecer a satisfação dos usuários, utilizando-se para isso o site da Biblioteca Virtual em Saúde. Adotou-se uma abordagem quantitativa, baseada na estatística descritiva, para análise dos resultados. O teste foi aplicado entre os dias 5 e 21 de dezembro de 2011, no laboratório de informática do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Paraíba. Os resultados do teste de usabilidade possibilitam mensurar o nível de usabilidade da Biblioteca Virtual em Saúde, avaliada como uma biblioteca que apresenta um ótimo nível de usabilidade.
Mostrar mais

9 Ler mais

Uma proposta metodológica para avaliação de bibliotecas digitais: usabilidade e comportamento de busca por informação na Biblioteca Digital da PUC-Minas

Uma proposta metodológica para avaliação de bibliotecas digitais: usabilidade e comportamento de busca por informação na Biblioteca Digital da PUC-Minas

A escolha do método para se avaliar a usabilidade da BDP se deu após a análise de vários tipos de teste. A participação de representantes dos usuários fi nais foi o primeiro ponto que se julgou obrigatório, pois o objetivo proposto é justamente a avaliação de sua interação com a BDP. Como também seria importante entender a causa destes problemas, escolheu-se aplicar o teste de usabilidade em laboratório com a técnica do “pensar em voz alta”. Além disso, foram consultados alguns artigos sobre estudos de usabilidade realizados em bibliotecas digitais de universidades que utilizaram o teste em laboratório com a técnica do “pensar em voz alta”. São eles: Cockrell e Jayne (2002), Battleson, Booth e Weintrop (2001), Dickstein e Mills (2000), Bishop et alii (2000), Veldof, Prasse e Mills (1999) e Payette e Rieger (1998). Estas pesquisas nortearam o desenvolvimento do teste de usabilidade da BDP.
Mostrar mais

9 Ler mais

Uma proposta metodológica para avaliação de bibliotecas digitais: usabilidade e comportamento de busca por informação na biblioteca digital da Puc-Minas

Uma proposta metodológica para avaliação de bibliotecas digitais: usabilidade e comportamento de busca por informação na biblioteca digital da Puc-Minas

NIELSEN (2000b) afirma que são necessários pelo menos 15 usuários para se descobrir todos os problemas relacionados à usabilidade de um site, o que parece pouco diante da quantidade e diversidade de possíveis usuários. Ele demonstra que o primeiro usuário observado já revela praticamente um terço dos problemas de usabilidade que devem ser encontrados. Quando se observa o segundo usuário, novas descobertas são feitas, mas muitas observações se sobrepõem àquelas já feitas com o primeiro usuário. O mesmo ocorre com o terceiro usuário e os próximos participantes do teste, o que mostra que se aprende menos com cada usuário acrescentado, pois serão observadas cada vez mais características que já haviam sido vistas antes. Desta forma, NIELSEN (2000b) coloca que após o 15 O participante do teste, o examinador estará desperdiçando o seu tempo, já que muito pouco aprendizado será acrescido ao que foi observado anteriormente.
Mostrar mais

175 Ler mais

As bibliotecas digitais e o acesso a informação multilingue

As bibliotecas digitais e o acesso a informação multilingue

a falta de propostas de avaliação especificamente adaptados à análise de funções multilingues no âmbito das bibliotecas digitais. A avaliação destas funcionalidades é essencial, pois permite uma melhoria benéfica para toda a biblioteca digital, especialmente no que diz respeita a usabilidade. O desenvolvimento de critérios de análise específicos, avaliando minuciosamente todos os aspetos, da visualização à tradução, seria benéfico não só para os criadores de tais plataformas mas, principalmente, para os utilizadores.
Mostrar mais

13 Ler mais

Avaliação da arquitetura da informação de bibliotecas digitais de teses e dissertações: o caso da BDTD do IBICT

Avaliação da arquitetura da informação de bibliotecas digitais de teses e dissertações: o caso da BDTD do IBICT

Dissertações, face às contribuições preconizadas da Arquitetura da Informação e das abordagens provenientes da Biblioteconomia e Ciência da Informação. A revisão bibliográfica foi pautada em trabalhos sobre Arquitetura da Informação e bibliotecas digitais. Abordou também, a aplicação da indexação, da usabilidade e da recuperação da informação na Arquitetura da Informação. O tipo de pesquisa é exploratório e aplicado. Utilizou-se a revisão bibliográfica e a observação não-participante como percurso metodológico. O universo da pesquisa foi o website da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), mantida pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT). O website foi avaliado a partir de uma abordagem qualitativa, de acordo com os pressupostos da Arquitetura da Informação. Para coleta de dados foi utilizado o modelo de Arquitetura da Informação para bibliotecas digitais construído por Camargo (2004) e adaptado para fins desta pesquisa. O modelo ajudou a eleger os elementos essenciais para avaliar a arquitetura da informação da BDTD. Para estruturar a observação, facilitar e documentar a coleta de dados foi construída uma ficha de observação. A análise crítica dos elementos da Arquitetura da Informação encontrados na coleta de dados foi realizada do ponto de vista se o uso desses elementos aproxima-se ou afasta-se das orientações teórico-metodológicas. A avaliação também verificou ausências dos elementos da Arquitetura da Informação e o impacto que isso provoca para o website, de acordo com as orientações teórico- metodológicas. Os resultados demonstraram que a Arquitetura da Informação é essencial para construção/remodelação de bibliotecas digitais de teses e dissertações, para garantir um ambiente rico em representatividade e com níveis de usabilidade que possam ajudar o usuário a navegar e desempenhar suas tarefas com facilidade. Constatou-se ainda que a Arquitetura da Informação apoia-se nas metodologias construídas pela Biblioteconomia e Ciência da Informação para execução de seus processos.
Mostrar mais

151 Ler mais

A usabilidade das bibliotecas digitais: a perspectiva dos leitores/utilizadores

A usabilidade das bibliotecas digitais: a perspectiva dos leitores/utilizadores

que está a pesquisar para aceder àquela que efectivamente necessita ou procura. Como forma de melhor adaptar os sistemas hipertextuais aos seus utilizadores, o utilizador deve ter a possibilidade de navegar no hiperespaço de forma intuitiva, sem grande carga cognitiva (VÄÄNÄNEN 1995). Para isso é necessário que se concretizem sistemáticas avaliações a sistemas em funcionamento. Por exemplo, a avaliação de um sistema real (PITKOW & KEHOE 1996) permitiu o levantamento dos seguintes problemas com a utilização da Web:

9 Ler mais

XVIII ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO – ENANCIB 2017 GT8 - Informação e Tecnologia CONTRIBUIÇÕES METODOLÓGICAS PARA A AVALIAÇÃO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO PERVASIVA EM REPOSITÓRIOS DIGITAIS INSTITUCIONAIS Henry Poncio Cruz de Oliv

XVIII ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO – ENANCIB 2017 GT8 - Informação e Tecnologia CONTRIBUIÇÕES METODOLÓGICAS PARA A AVALIAÇÃO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO PERVASIVA EM REPOSITÓRIOS DIGITAIS INSTITUCIONAIS Henry Poncio Cruz de Oliv

Resumo: Argumenta que a Arquitetura da Informação Pervasiva surge devido à compreensão de que os trabalhos teóricos e práticos em Arquitetura da Informação tradicional passaram a não responder integralmente aos problemas informacionais e tecnológicos da atualidade. Estabelece como questão de pesquisa: Como a Arquitetura da Informação Pervasiva pode subsidiar, metodologicamente, a avaliação de Repositórios Digitais Institucionais? Objetiva construir um aparato metodológico para avaliação da Arquitetura da Informação Pervasiva em Repositórios Digitais Institucionais. O percurso metodológico adotado foi embasado no método quadripolar, considerando-o como adequado para investigação global em Ciência da Informação. Como resultado traz um modelo adaptado do ensaio metodológico generalista de Oliveira (2014) para avaliação da Arquitetura da Informação Pervasiva no contexto específico dos Repositórios Institucionais e destaca que o presente modelo adaptado está sendo validado numa pesquisa interinstitucional complementar que toma como campos empíricos os Repositórios Institucionais da UFPB e da UFRN.
Mostrar mais

10 Ler mais

Critérios de avaliação para sistemas de bibliotecas digitais: uma proposta de novas dimensões analíticas :: Brapci ::

Critérios de avaliação para sistemas de bibliotecas digitais: uma proposta de novas dimensões analíticas :: Brapci ::

É em torno do esforço de dar essa visibilidade que esse trabalho de pesquisa se orientou e constrói um modelo de requisitos que pode ser utilizado de forma adaptativa, ou seja, não esperamos que todos critérios estejam presentes em todos os sistemas e tampouco imaginamos que os profissionais de informação deveriam considerar todos esses critérios para a escolha de suas ferramentas. O que esperamos é que os profissionais possam ter acesso e, uma vez conhecendo o todo, tenham condições de escolher os critérios que atendam melhor suas necessidades e avaliar sistemas de informação que tenham melhor desempenho nesses critérios, fazendo escolhas e tomando decisões melhor informados e amparados em um repertório analítico mais consistente. Entendemos que a arquitetura da informação forneceu importante vocabulário para a categorização dessas dimensões, sendo uma área importante e reconhecida por profissionais da informação, facilitando em potencial o entendimento e a relevância dessas categorias.
Mostrar mais

22 Ler mais

Open Ferramentas web para construção de uma biblioteca pública digital livre

Open Ferramentas web para construção de uma biblioteca pública digital livre

Podemos assim dizer que o advento e a intensificação do uso das bibliotecas digitais se tornam cada vez mais uma realidade presente no cotidiano dos usuários/leitores. Concretizando, assim, o sonho de Jorge Luis Borges da biblioteca sem paredes, a biblioteca universal. Para ele, a biblioteca é o paraíso sonhado por muitos, onde o autor chama, em seu artigo “A Biblioteca de Babel”, escrito em 1941, um sonho que hoje é realidade, não há dúvidas que aquele universo descrito por Borges é a Biblioteca Digital. Um exemplo dessa realidade é a Biblioteca Digital Mundial, desenvolvida pela equipe da Biblioteca do Congresso dos EUA, com o apoio da Unesco, que reúne obras de 177 parceiros de diversos países. Para o autor Virgil (2007), a Biblioteca de Babel representa um retrato da sociedade da informação, visível nas bibliotecas digitais espalhadas pelo mundo.
Mostrar mais

164 Ler mais

Repositórios Digitais: identificando fatores de sucesso para as Bibliotecas Digitais e Repositórios

Repositórios Digitais: identificando fatores de sucesso para as Bibliotecas Digitais e Repositórios

As bibliotecas digitais - BDs, por sua vez, são anteriores aos repositórios institucionais e ao movimento do acesso aberto, no entanto são consideradas um ambiente que reúne acervos, serviços e pessoas no apoio à disseminação, preservação e uso do conhecimento. Muitas terminologias são atribuídas às bibliotecas digitais, como: bibliotecas eletrônicas, bibliotecas virtuais, mas na verdade as BDs se referem a um sistema de informação gerenciador de arquivos digitais, que ao se tratar de uma coleção específica pode ser definido como um repositório digital, como as bibliotecas digitais de teses e dissertações – BDTD, que armazena arquivos digitais de teses e dissertações, disponibilizando o acesso à produção científica dos institutos de pesquisas e universidades, mas que se desenvolvem em ambiente virtual. As bibliotecas virtuais por sua vez se caracterizam por seu acesso remoto ao conteúdo e serviços da biblioteca e outras fontes de informação, na possibilidade de reproduzir, emular e ampliar os serviços das bibliotecas tradicionais. Já o termo biblioteca eletrônica se distingue pelas características do suporte dos documentos que disponibiliza, ou seja, documentos electrónicos, que por sua vez se refere a tipos de materiais que requerem o uso de periféricos.
Mostrar mais

116 Ler mais

Registo de Complicações de Interrupção de Gravidez. Definições e modelo de registo – Normas de Orientação Clínica

Registo de Complicações de Interrupção de Gravidez. Definições e modelo de registo – Normas de Orientação Clínica

a. estabelece um novo modelo para recolha e registo das complicações da interrupção de gravidez (IG) em mulheres internadas nos serviços de ginecologia-obstetrícia, independentemente do motivo da interrupção ou do cumprimento do disposto no artigo 142.º do Código Penal”

8 Ler mais

Acesso aberto no Brasil : aspetos históricos, ações institucionais e panorama atual

Acesso aberto no Brasil : aspetos históricos, ações institucionais e panorama atual

A figura 4 ilustra essa afirmação, na medida em que a teoria embutida no mo- delo estabelece que repositórios digitais de Acesso Aberto, como ferramenta essencial de gestão da informação científica, desempenham papel chave no processo de produção de conhecimento e de comunicação de conhecimen- to novo de dois modos principais. O primeiro é por meio da disseminação ampla da produção científica, juntamente com a publicação formal de no- vos conhecimentos em periódicos, livros ou outras fontes de informação. O segundo é o registro e veiculação de conteúdos que visam a atividades de ensino por meio de serviços apropriados, permitindo, assim, melhorar a socialização do conhecimento em salas de aula e em salas de trabalho (escri- tórios) de docentes.
Mostrar mais

18 Ler mais

Um modelo para avaliação dos efeitos do impacto ambiental no valor imobiliário e...

Um modelo para avaliação dos efeitos do impacto ambiental no valor imobiliário e...

Em uma segunda fase, a partir do perfil metodológico encontrado neste painel de trabalhos, propõe-se um modelo para avaliação do impacto ambiental nos valores das propriedades imobiliári[r]

132 Ler mais

Bibliotecas digitais: divulgação e preservação

Bibliotecas digitais: divulgação e preservação

Os equipamentos utilizados para a aquisição de uma imagem digital bidimensional e fixa agru- pam-se em duas grandes categorias: digitaliza- dores e câmaras digitais. A distinção entre ambos consiste na distância de focagem. Enquanto numa câmara digital a luz chega ao sensor de captação de imagem CCD através de um conjunto de len- tes, permitindo a captação de imagens de objetos que se encontrem a diferentes distâncias, nos digi- talizadores a distância do motivo a captar ao sen- sor é fixa, permitido apenas pequenas variações na profundidade de campo. A escolha do equipa- mento de digitalização para cada projeto depende dos seguintes fatores:
Mostrar mais

8 Ler mais

METODOLOGIAS PARA O ENSINO DE BIBLIOTECAS DIGITAIS

METODOLOGIAS PARA O ENSINO DE BIBLIOTECAS DIGITAIS

Os cursos tiveram como objetivos identificar, usar e avaliar as principais características das bibliotecas digitais, bem como a elaboração de projetos para estimular os profissionais que desejam trabalhar com bibliotecas digitais a conhecer as tecnologias apropriadas e as iniciativas existentes na área. A bibliografia indicada para leitura anterior ao curso continha 50 artigos, dos quais cinco foram escolhidos para discussão em sala de aula. O conteúdo do curso estava dividido em quatro tópicos: o propósito das bibliotecas digitais, conteúdos e padrões, tecnologias e gerenciamento de bibliotecas digitais.
Mostrar mais

8 Ler mais

Ci. Inf.  vol.37 número3

Ci. Inf. vol.37 número3

Nas últimas décadas, diversos modelos têm sido desenvolvidos com o intuito de mensurar a qualidade de serviços, considerando o cliente como foco principal destas avaliações, dentre os quais se destacam o modelo dos 5 Gaps (PARASURAMAN et alii, 1985), o modelo Servqual (PARASURAMAN et alii, 1988) e o modelo Servperf (Cronin; Taylor, 1992). Apesar da existência de tais modelos, estes geralmente apresentam uma abordagem genérica, sendo essencialmente necessário adaptá-los para a natureza do serviço a ser avaliado. Desejando contribuir para o tratamento do problema de avaliação da qualidade de serviços prestados por bibliotecas, este artigo busca avaliar a qualidade dos ser viços prestados por uma biblioteca de uma universidade utilizando o modelo Servqual adaptado para a avaliação de serviços desta natureza. Mais especificamente, em um estudo de caso, pretende-se identificar, dentre outros aspectos, (i) os itens mais críticos nos serviços prestados pela biblioteca em questão, segundo a percepção de alunos dos cursos de graduação (cursos diurnos) e dos cursos de licenciatura (cursos noturnos), e (ii) oportunidades de melhorias e ações que possam contribuir para tal, com a participação do administrador da biblioteca.
Mostrar mais

15 Ler mais

Planejamento de bibliotecas digitais: definições e decisões

Planejamento de bibliotecas digitais: definições e decisões

Minha própria definição básica é que uma biblioteca digital é uma interface com curadoria agrupada, recursos de conteúdos completos indexados e interoperáveis, e que esses recursos estão diretamente ligados aos serviços digitais, incluindo a entrega, ferramentas para o uso e acesso a consulta online. Mas isso deixa de fora muitos ângulos! Complementando abordagem conceitual de Calhoun, vou oferecer algumas orientações sobre a forma de pensar concretamente sobre a definição e criação de serviços robustos de biblioteca digital para uma instituição particular. Nesta área de discussão, não é sempre especificada no início: todo o serviço de biblioteca (para a instituição ou projeto) vai ser entregue digitalmente, ou os materiais digitais são uma extensão de, ou complementar para, um conjunto de serviços existentes de mais tipos tradicionais? Refiro-me ao último como coleções digitais, e eu uso o termo "bibliotecas tradicionais" para me referir as grandes coleções de materiais físicos, mesmo que possam ser apoiadas através de serviços digitais, tais como aquisições, catalogação e circulação.
Mostrar mais

15 Ler mais

BIBLIOTECAS DIGITAIS E REPOSITÓRIOS DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM

BIBLIOTECAS DIGITAIS E REPOSITÓRIOS DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM

as bibliotecas físicas e virtuais/digitais, os repositórios institucionais e outros sistemas de informação à ferramentas tecnológicas e de criação de materiais interativos. Tais ambientes passam a oferecer aos docentes- investigadores, alunos e comunidade, uma estrutura para a resolução de problemas técnicos, metodológicos ou de conhecimento, que acompanhem as mudanças nos métodos de ensino-aprendizagem. (CASTRO FILHO, VERGUEIRO, 2011). Nestes espaços estão presentes equipes multidisciplinares de profi ssionais (bibliotecários, informáticos, técnicos de audiovisual, pedagogos, advogados e outros) que atuam como capacitadores frente a demandas informativas, de domínio tecnológico e de aspectos legais, facilitando o consumo e a produção de informação em distintos formatos, com diferentes objetivos e para públicos variados.
Mostrar mais

10 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados