Top PDF Caracterização morfoanatômica e histoquímica de Cuphea carthagenensis (Jacq.) J.f. Macbr. (Lythraceae).

Caracterização morfoanatômica e histoquímica de Cuphea carthagenensis (Jacq.) J.f. Macbr. (Lythraceae).

Caracterização morfoanatômica e histoquímica de Cuphea carthagenensis (Jacq.) J.f. Macbr. (Lythraceae).

(Caracterização morfoanatômica e histoquímica de Cuphea carthagenensis (Jacq.) J.f. Macbr. (Lythraceae)). Cuphea cartha- genensis (Jacq.) J.F. Macbr. é uma planta herbácea, que ocorre preferivelmente em locais úmidos. Dentre outras espécies do gênero, esta se destaca pelo grande potencial químico e emprego frequente na medicina popular. Neste estudo, descrevem-se aspectos morfológicos, a anatomia e as características histoquímicas dos órgãos vegetativos, na fase de desenvolvimento em que a espécie é comercializada. A partir de plantas adultas, foram coletadas amostras de raiz, caule e folhas. Esse material foi processado para análise anatômica e histoquímica em microscopia de luz e para análise morfológica, em microscopia eletrônica de varredura. Considerações morfoanatômicas importantes foram acrescentadas para C. carthagenensis, tais como: a ocorrência de felema aerenquimatoso com camadas suberifi cadas; a identifi cação dos tipos de tricomas ocorrentes nos órgãos vegetativos; e a caracterização do tricoma secretor, bem como do material secretado. Os grupos de metabólitos secundários presentes nos tecidos da raiz, do caule e da folha de C. carthagenensis que apresentaram reação histoquímica mais intensa foram: proantocianidinas, compostos fenólicos, polissacarídeos ácidos (especialmente mucilagem) e lipídios totais.
Mostrar mais

11 Ler mais

Estruturas secretoras de mucilagem em Hibiscus pernambucensis Arruda (Malvaceae): distribuição, caracterização morfoanatômica e histoquímica.

Estruturas secretoras de mucilagem em Hibiscus pernambucensis Arruda (Malvaceae): distribuição, caracterização morfoanatômica e histoquímica.

(Estruturas secretoras de mucilagem em Hibiscus pernambucensis Arruda (Malvaceae): distribuição, caracterização morfoanatômica e histoquímica). No presente trabalho foram estudadas as estruturas secretoras de mucilagem de Hibiscus pernambucensis aos microscópios de luz e de varredura. Conhecida como guaxima-do-mangue e algodão- do-brejo, é espécie nativa encontrada no litoral brasileiro, vegetando áreas de manguezal e restinga, tendo grande importância ecológica nestes ecossistemas. É importante produtora de fi bras têxteis e celulose, fornece abundante mucilagem suscetível das mesmas aplicações medicinais de outras malváceas, além da presença de tanino. Coléteres, glândulas peroladas, tricomas secretores longo-pedunculados, canais, cavidades e idioblastos foram observados. Os coléteres ocorrem no ápice caulinar, estípulas, primórdios foliares, folhas, sépalas e pétalas jovens. As glândulas pero- ladas são encontradas nas superfícies adaxial e abaxial dos primórdios foliares. Os canais e as cavidades encontram- se distribuídos nos eixos vegetativo aéreo e reprodutivo. Os idioblastos ocorrem nas raízes, em estágios primários e secundários de desenvolvimento e no mesofi lo foliar. A secreção presente nas diferentes estruturas secretoras é constituída predominantemente por polissacarídeos ácidos e neutros, podendo ocorrer proteínas, lipídeos e subs- tâncias fenólicas. A presença de mucilagem, tanto na superfície como no interior dos órgãos, em diferentes fases do ciclo vegetativo e reprodutivo, representa um importante mecanismo adaptativo e de sobrevivência da espécie aos ambientes de restinga e mangue.
Mostrar mais

13 Ler mais

Embriogênese somática em Brachypodium distachyon (L.) Beauv. (Poaceae): caracterização morfoanatômica, histoquímica e expressão de genes SERK

Embriogênese somática em Brachypodium distachyon (L.) Beauv. (Poaceae): caracterização morfoanatômica, histoquímica e expressão de genes SERK

distachyon, the meristematic tissues formed from scutellar epidermal cells expressing the SERK gene are the same which give rise to the nodular callus, indicating [r]

102 Ler mais

Morfonatomia do caule de Cuphea glutinosa Cham. & Schltdl. (Lythraceae).

Morfonatomia do caule de Cuphea glutinosa Cham. & Schltdl. (Lythraceae).

Em geral os tricomas são discutidos como anexos epidérmicos capazes de reduzirem a transpiração ao produzirem uma camada de ar parado que retém vapor (Fahn, 1986; Ricklefs, 1993), além do que, conforme Holmes & Keiller (2002) e Hallahan et al. (2000) os órgãos pubescentes tendem a ser mais efetivos na relexão da radiação solar. Estas considerações vêm ao encontro da ocupação natural de Cuphea glutinosa em locais de campo aberto, ambiente que exige certa proteção em relação a transpiração excessiva e também na relexão da radiação luminosa intensa. Por outro lado, estas estruturas epidérmicas, conforme Hallahan et al. (2000) e Gurevitch et al. (2002) também estão associadas ao papel de defesa das plantas à ação de herbívoros e itopatógenos, pois podem diicultar o sucesso de processos como os de pouso e oviposição. Gruenhagen & Perring (2001), airmam que além da quantidade, mas a presença e a natureza de tricomas nas plantas podem estar diretamente relacionadas com as taxas de parasitismos.
Mostrar mais

7 Ler mais

Anatomia de estípulas e coléteres de Psychotria carthagenensis Jacq. (Rubiaceae).

Anatomia de estípulas e coléteres de Psychotria carthagenensis Jacq. (Rubiaceae).

Duas estípulas revestem e protegem os primórdios fo- liares e o meristema apical caulinar em P. carthagenensis. A partir desse meristema apical desenvolvem-se novas estípulas que irão revestir os primórdios foliares subseqüen- tes. Estípulas jovens podem ser visualizadas internamente às estípulas maduras, quando em secções transversais do ápice caulinar, podendo assim ser observada a seqüência do desenvolvimento dessas estruturas, desde sua região basal até a apical (Fig. 1-5). Na porção basal, as estipulas encontram-se completamente fundidas formando uma estrutura única, porém com uma área mais densa, a qual apresenta uma concavidade no local onde inicia o processo de cisão (Fig. 1). Em sentido acrópeto, a face adaxial de ambas as estípulas, na área de cisão, mostram evidências de intensa atividade mitótica, com células pequenas e orde- nadas, originando um bordo foliar recurvado e direcionado centrifugamente (Fig. 2). A formação histológica observada lembra o processo de abscisão foliar, descrito por Fahn (1974), porém sem suberização das paredes celulares. Na medida em que a face adaxial sofre divisões celulares, os bordos das estípulas voltados para fora se tornam mais distintos; e fi leiras de células adjacentes gradualmente vão desprendendo-se (Fig. 3) até a completa separação das estípulas na porção médio-apical (Fig. 4). Portanto,
Mostrar mais

6 Ler mais

Comportamento de forrageamento de Xylocopa (Neoxylocopa) cearensis Ducke (Hymenoptera: Apidae, Xylocopini) em uma população de Cuphea brachiata Koehne (Lythraceae).

Comportamento de forrageamento de Xylocopa (Neoxylocopa) cearensis Ducke (Hymenoptera: Apidae, Xylocopini) em uma população de Cuphea brachiata Koehne (Lythraceae).

ABSTRACT - An analysis of the foraging behavior of the bee Xylocopa (Neoxylocopa) cearensis Ducke among shrubs of Cuphea brachiata Koehne (Lythraceae), a key component in the Abaeté coastal sand dunes, Salvador, BA, Brazil, suggests that this bee is very important for the maintenance of the plant population, performing the pollination. This dispersal, however, is spatially restricted, so the populations in the area are likely to be highly structured genetically.

5 Ler mais

Caracterização histológica e histoquímica das células suberosas em diferenciação das peridermes do sobreiro e da batata

Caracterização histológica e histoquímica das células suberosas em diferenciação das peridermes do sobreiro e da batata

3.1 Discussão das técnicas e marcadores histoquímicos utilizados 31 3.2 A formação da felogene e da cortiça em caules jovens de sobreiro 33 3.2.1 Estrutura anatómica geral dos caules[r]

76 Ler mais

Caracterização de frutos, histoquímica e qualidade fisiológica de sementes de pimenta durante a maturação

Caracterização de frutos, histoquímica e qualidade fisiológica de sementes de pimenta durante a maturação

As proteínas têm como função armazenar principalmente nitrogênio e enxofre, essenciais para a síntese de novas proteínas, ácidos nucleicos e compostos secundários n[r]

105 Ler mais

Caracterização histopatológica e imuno-histoquímica de neoplasmas mesenquimais da genitália em 43 cadelas.

Caracterização histopatológica e imuno-histoquímica de neoplasmas mesenquimais da genitália em 43 cadelas.

Na coloração de TM, os ϐibromas apresentaram todas as células neoplásicas cora- das em azul (colágeno), os leiomiomas e os leiomiossarco- mas apresentaram menos de 50% de colágeno em me[r]

6 Ler mais

Estaquia de Cuphea calophylla subsp. mesostemon (Koehne) Lourteig (Lythraceae).

Estaquia de Cuphea calophylla subsp. mesostemon (Koehne) Lourteig (Lythraceae).

ABSTRACT: Cutting of Cuphea calophylla subsp. mesostemon (Koehne) Lourteig (Lythraceae). Information about the propagation of Cuphea calophylla subsp. mesostemon (Koehne) Lourteig (Lythraceae) is scarce. Propagation techniques may support its management, providing an alternative for medicinal plant producers and avoiding indiscriminate harvests. This study aimed to investigate the effect of different types, sizes and leaf areas of semi-woody cuttings on their rooting. Cuttings were obtained from weeds harvested at the Canguiri Experimental Station of the Paraná Federal University (UFPR), Pinhais Municipality, Paraná State, Brazil. Experiments were carried out in a greenhouse. Experimental design was completely randomized, with five replicates and 24 cuttings per plot. Cuttings obtained from vegetative branches had higher sprouting percentage and root dry matter per cutting relative to those obtained from reproductive branches, especially cuttings obtained from the basal region of vegetative branches. Cuttings prepared with 10 and 15 cm length had larger number of sprouts and higher root dry matter per cutting relative to those prepared with 5 cm. Cuttings presenting 3 and 4 leaf pairs had greater height, increase in height, and root and sprout dry matter per cutting relative to those presenting 1 and 2 leaf pairs. The results regarding vegetative propagation indicate cutting as a viable technique for the multiplication of this species.
Mostrar mais

6 Ler mais

Anatomia foliar de Rubiaceae ocorrentes em fragmento florestal urbano de Mata Atlântica, PR, Brasil.

Anatomia foliar de Rubiaceae ocorrentes em fragmento florestal urbano de Mata Atlântica, PR, Brasil.

Figuras 13-24. Características anatômicas da lâmina foliar, nervura central. 13-14. Psychotria carthagenensis. 13. Visão geral destacando face adaxial linear, feixe vascular principal colateral em formato de arco e feixes acessórios. 14. Detalhe evidenciando feixe vascular acessório. 15. Manettia cordifolia, feixe vascular colateral. 16. Richardia humistrata, face adaxial levemente sulcada, feixe vascular colateral. 17. Borreria palustris , colênquima anelar, feixe vascular colateral. 18-19. Borreria orientalis. 18. Visão geral com feixe vascular arredondado. 19. Detalhe mostrando colênquima anelar. 20. Galianthe laxa, epiderme papilosa. 21-22. Psychotria suterella. 21. Face adaxial com projeção (côncava), células parenquimáticas e colenquimáticas internamente à epiderme adaxial. 22. Feixe vascular acompanhado de fibras, feixe vascular em formato de arco com invaginações terminais. 23-24. Palicourea australis, colênquima lamelar em ambas as faces, feixe vascular acompanhado por fibras, feixe vascular em formato de arco.
Mostrar mais

10 Ler mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOANATÔMICA, CONTAGEM CROMOSSÔMICA E VIABILIDADE POLÍNICA DE BIÓTIPOS DE AZEVÉM SUSCETÍVEL E RESISTENTES AO HERBICIDA GLYPHOSATE.

CARACTERIZAÇÃO MORFOANATÔMICA, CONTAGEM CROMOSSÔMICA E VIABILIDADE POLÍNICA DE BIÓTIPOS DE AZEVÉM SUSCETÍVEL E RESISTENTES AO HERBICIDA GLYPHOSATE.

RESUMO - O azevém é uma planta daninha de ciclo anual, encontrada em praticamente todas as lavouras de inverno, em pomares e vinhedos da região Sul do Brasil. A espécie é normalmente controlada pelo herbicida glyphosate, no entanto, o uso continuado desse produto selecionou biótipos resistentes. Diferenças na suscetibilidade do azevém a herbicidas têm sido atribuídas a características morfológicas, anatômicas e genéticas das plantas. Os objetivos deste trabalho foram realizar a caracterização morfoanatômica, adequar metodologia para a análise citológica de cromossomos e indicar corantes para testes de viabilidade polínica de biótipos de azevém suscetível e resistentes ao herbicida glyphosate. As sementes dos biótipos de azevém suspeitos de resistência provieram do município de São Valentin, RS (SVA 1 e SVA 4), e Passo Fundo, RS (PFU 5), e as do biótipo conhecidamente suscetível (SVA 2), de São Valentin. Os biótipos de azevém estudados que apresentam resistência ao herbicida glyphosate não podem ser diferenciados do biótipo suscetível através de aspectos morfológicos, não existindo diferenças anatômicas de folha e raiz que evidenciem possibilidade da absorção diferencial do herbicida glyphosate entre os biótipos de azevém. A metodologia para a análise citológica dos biótipos de azevém merece adequações para melhor nitidez dos cromossomos, podendo-se aumentar o tempo de hidrólise e de exposição ao agente antimitótico utilizado neste trabalho, bem como testar outros agentes. Todos os corantes apresentaram bom desempenho na determinação da viabilidade polínica frente aos biótipos avaliados, exceto o azul de tripan, que subestimou os resultados.
Mostrar mais

12 Ler mais

Caracterização imuno-histoquímica de lesão híbrida de ameloblastoma desmoplásico e convencional.

Caracterização imuno-histoquímica de lesão híbrida de ameloblastoma desmoplásico e convencional.

Semelhante à fibronectina, toda a extensão do estroma tumoral da lesão híbrida do ameloblastoma des- moplásico exibiu, também, uma forte imunomarcação para esta proteína da MEC, [r]

5 Ler mais

Caracterização histoquímica das fibras do músculo gastrocnêmio de ratos Wistar submetidos...

Caracterização histoquímica das fibras do músculo gastrocnêmio de ratos Wistar submetidos...

A caracterização dos diferentes tipos de fibras musculares segundo parâmetros metabólicos e funcionais foi realizada utilizando-se a reação histoquímica da NADH-tr (NADH-tr, Sigma, N8129), conforme o protocolo estabelecido por Barnárd et al. (1971) e Silva (1999). Esse método de coloração utiliza as reações de óxido-redução do ciclo de Krebs. Por ação enzimática, o Nitro Blue Tetrazolium (NBT), sal de cor amarela, reduz, fica insolúvel e precipita, originando um composto de cor azul-violeta, a formazana. A enzima responsável por essa reação está presente nas regiões fibrilares internas, nas mitocôndrias e no retículo sarcoplasmático das células musculares. Portanto, as fibras oxidativas, por conterem essas estruturas e organelas em maior concentração, coram-se mais intensamente (SILVA, 1999).
Mostrar mais

115 Ler mais

Caracterização imuno-histoquímica das alterações encefálicas em bovinos com hepatopatia tóxica por Senecio sp.

Caracterização imuno-histoquímica das alterações encefálicas em bovinos com hepatopatia tóxica por Senecio sp.

RESUMO.- Intoxicação por Senecio spp. é causa importan- te de doença e morte em bovinos no Rio Grande do Sul e frequentemente cursa com manifestações clínicas neuroló- gicas e alterações histológicas encefálicas. Foi efetuada ava- liação histológica em fígado e encéfalo de dez bovinos na- turalmente intoxicados por Senecio sp. e foram realizadas as técnicas de histoquímica de ácido periódico de Schiff e de imuno-histoquímica, com emprego dos anticorpos anti- -proteína fibrilar ácida (GFAP), anti-proteína S100 e anti- -vimentina em amostras de telencéfalo, tronco encefálico e cerebelo. Na histologia do SNC observou-se vacuolização discreta a acentuada em substância branca e/ou junção en- tre substância branca e cinzenta, caracterizada como dege- neração esponjosa. Na avaliação histoquímica e imuno-his-
Mostrar mais

7 Ler mais

Avaliação histoquímica, imuno-histoquímica e morfométrica do plexo mioentérico do...

Avaliação histoquímica, imuno-histoquímica e morfométrica do plexo mioentérico do...

As estimativas de densidade numérica pan-neuronal e do número total de neurônios foram obtidas em preparados de membrana corados com azul cuprolínico. Este método foi escolhido por ter sido previamente demonstrado que outros métodos de coloração neuronal não coram todos os neurônios ou coram também o neurópilo, o que dificulta a diferenciação dos neurônios nos preparados de membrana; além do mais, foi comprovado que não cora a glia (KARAOSMANOGLU et al., 1996). O azul cuprolínico cora todos os neurônios, de forma similar à imuno-histoquímica com Anti-Hu (PHILLIPS et al., 2004). O azul cuprolínico se une ao RNA de cadeia simples na presença de íons de Mg 2+ e, desta forma, atua como um corante ribossomal, marcando somente o citoplasma. No plexo mioentérico, os ribossomas estão presentes no citoplasma dos neurônios, em grandes quantidades (HEINICKE; KIERNAN; WIJSMAN, 1987).
Mostrar mais

101 Ler mais

Caracterização anatômica e histoquímica de raízes e folhas de plântulas de Anacardium occidentale L. (Anacardiaceae).

Caracterização anatômica e histoquímica de raízes e folhas de plântulas de Anacardium occidentale L. (Anacardiaceae).

Para a caracterização histoquímica, foram utilizadas amostras frescas da porção mediana da folha e para as amostras radiciais, as zonas de crescimento, pilífera e de ramificação. As amostras foram seccionadas transversalmente em micrótomo de mesa (modelo LPC, Rolemberg e Hering LTDA.). Os testes histoquímicos na folha foram: Sudan III (JOHANSEN, 1940), para lipídios totais; 2,4-Dinitrofenil-hidrazina (GANTER; JOLLÉS, 1969), para terpenoides com grupo carbonila; vanilina clorídrica (MACE; HOWELL, 1974), para taninos; floroglucinol (JOHANSEN, 1940), para lignina; e lugol (JENSEN, 1962), para amido. As secções-controle foram realizadas simultaneamente, de acordo com as recomendações dos respectivos autores. Para o teste histoquímico da raiz, os cortes foram submetidos ao lugol (JENSEN, 1962), para detecção de amido.
Mostrar mais

12 Ler mais

Caracterização histológica e imuno-histoquímica das lesões de tuberculose em bovinos e de linfadenite granulomatosa em suínos.

Caracterização histológica e imuno-histoquímica das lesões de tuberculose em bovinos e de linfadenite granulomatosa em suínos.

ABSTRACT.- Andreazza D., Boos G.S., Boabaid F.M., Wouters A.T.B., Wouters F., Souza S.O., Menegat M.B. & Driemeier D. 2015. [Histological and immunohistochemical characteri- zation of tuberculosis lesions in cattle and of granulomatous lymphadenitis in swine.] Caracterização histológica e imuno-histoquímica das lesões de tuberculose em bovinos e de linfadenite granulomatosa em suínos. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(2):129-136. Setor de Patologia Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: angelica.wouters@ dmv.ufla.br
Mostrar mais

8 Ler mais

Espécies de cactaceae nas Restingas do Nordeste brasileiro: aspectos funcionais

Espécies de cactaceae nas Restingas do Nordeste brasileiro: aspectos funcionais

A partir desses fatos, o objetivo deste trabalho foi listar as espécies de Cactaceae que ocorrem nos ambientes de Restinga e verificar quais características morfoanatômica[r]

9 Ler mais

Caracterização morfoanatômica de espécies de Gentianaceae ocorrentes em áreas de cerrado e de campo rupestre em Minas Gerais

Caracterização morfoanatômica de espécies de Gentianaceae ocorrentes em áreas de cerrado e de campo rupestre em Minas Gerais

DELGADO, Marina Neves, M.Sc., Universidade Federal de Viçosa, fevereiro de 2008. Caracterização morfoanatômica de espécies de Gentianaceae ocorrentes em áreas de cerrado e de campo rupestre em Minas Gerais. Orientadora: Aristéa Alves Azevedo. Co-Orientadores: Luzimar Campos da Silva e Maria Catarina Megumi Kasuya.

5 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados