Top PDF Cárie dentária em adolescentes em uma região desfavorecida brasileira

Cárie dentária em adolescentes em uma região desfavorecida brasileira

Cárie dentária em adolescentes em uma região desfavorecida brasileira

Esta tese tem como foco a manifestação da cárie dentária em uma região carente brasileira. Um estudo ecológico foi desenvolvido para avaliar a associação entre o percentual de exodontias de dentes permanentes em relação aos procedimentos individuais odontológicos realizados no ano de 2007 e os indicadores socioeconômicos e a oferta de serviços odontológicos nos 52 municípios do Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais, Brasil. Os dados foram analisados no programa SPSS 18.0. Foi realizada uma análise fatorial de dezessete variáveis e o teste T de Student foi utilizado para verificar a relação entre os componentes fatoriais formados e a variável dependente, com significância estabelecida em 5%. Foram extraídos seis fatores que explicaram, no conjunto, 73,5% da variância total. As desigualdades na distribuição de renda (p=0,031) e a cobertura da Estratégia de Saúde da Família (p=0,015) tiveram significativamente maior peso para explicar a diferença na proporção de exodontias realizadas nos municípios estudados. Os fatores sociais e de organização do serviço de saúde bucal explicaram a mutilação dentária na região. Um estudo transversal foi conduzido para avaliar a prevalência, a distribuição da cárie dentária, a associação entre as condições socioeconômicas, o acesso e a utilização dos serviços de saúde bucal em adolescentes de 15 a 19 anos que vivem nessa região. Os índices SiC, CPOD e outros indicadores de morbidade bucal foram utilizados para avaliar a experiência de cárie. Análises bivariadas e modelos de regressão de Poisson com variância robusta foram desenvolvidos considerando o nível de significância de α igual a 0,05. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa envolvendo Seres Humanos da Universidade Federal de Minas Gerais (Parecer no. 908/09). Foram examinados 450 adolescentes entre abril e agosto de 2010. O percentual de livre de cáries foi de 20,9%, o índice CPOD médio encontrado foi igual a 4,50 (± 4,30) e o valor do índice SiC foi de 9,66 (±3,21). A análise multivariada mostrou uma maior prevalência de cárie dentária entre adolescentes que não estudam (p=0,001), entre os que relataram ter visitado o dentista há menos de um ano (p=0,012) e entre os que consideram necessitar de tratamento odontológico (p=0,001). Apesar dos baixos indicadores socioeconômicos, a prevalência de cárie dentária dos adolescentes dessa região é próxima da encontrada para a mesma faixa etária no Brasil em 2010. No entanto, observa-se que a maior carga da doença está concentrada em um grupo dos adolescentes. Podemos concluir que mesmo em uma região empobrecida, com características semelhantes, existem iniquidades na distribuição da cárie dentária.
Mostrar mais

150 Ler mais

Autoestima e cárie dentária em adolescentes: um estudo seccional.

Autoestima e cárie dentária em adolescentes: um estudo seccional.

mostrou que a cárie dentária provocou impacto na vida diária de adolescentes entre 11 e 14 anos de idade. Aproximadamente 52% dos jovens relataram diiculdades para se alimentar e 24% tiveram problemas para falar. Os estados emocionais mais relatados foram irritação e frustração (50%), nervosismo (45%) e preocupação em relação ao que os outros pensam sobre seu estado de saúde bucal (45%). Mais de um terço mencionou estar envergonhado ou embaraçado com a sua condição bucal e 20% dos adolescentes mostraram preocupação com a possibilidade de serem menos atraentes que outras pessoas.
Mostrar mais

7 Ler mais

Higiene Oral e Prevalência de Cárie Dentária em Crianças e Adolescentes

Higiene Oral e Prevalência de Cárie Dentária em Crianças e Adolescentes

Composição química dos dentes: O esmalte é um tecido dentário constituído por 96% de componente cristalino (matéria inorgânica quase inteiramente sob a forma de cristais de hidroxiapatite), 1% de componente orgânico e 3% de água. A composição do esmalte, no caso das crianças e adolescentes, assume particular importância, pois os cristais que o compõem apresentam uma grande quantidade de impurezas mal o dente acaba de erupcionar. Como o esmalte ainda não é muito mineralizado e é mais poroso, torna-se mais susceptível à desmineralização. Após a ingestão de hidratos de carbono (especialmente sacarose), as bactérias com potencial cariogénico vão decompô-los e originar ácidos. Uma difusão do ácido formado na placa (estrutura firmemente aderida a uma superfície dentária, constituída por um elevado número de microrganismos estreitamente agrupados que estão rodeados e misturados com materiais extracelulares abióticos provenientes de outras bactérias, saliva e dieta) para dentro do esmalte e uma difusão do mineral (por dissolução dos cristais) em sentido inverso, para fora do esmalte, constituem condições necessárias para que a cárie dentária possa progredir. A cárie dentária está fundamentalmente relacionada com um processo dinâmico caracterizado por fases cíclicas de desmineralização e de remineralização. A remineralização das lesões de cárie não cavitárias tem sido reconhecida, durante os últimos anos, como um dos benefícios mais importantes da exposição pós-eruptiva dos dentes ao flúor. Os iões flúor penetram facilmente no esmalte e passam a integrar a sua estrutura cristalina. A sua presença confere ao cristal uma maior resistência à dissolução ácida que ocorre quando o pH é inferior a 5,5. Quando as lesões por desmineralização atingem a dentina, uma estrutura que, em relação ao esmalte, é menos mineralizada e com um teor mais alto de proteínas verifica-se uma progressão mais rápida, em profundidade, do processo cariogénico (Pereira, 1993).
Mostrar mais

60 Ler mais

Polarização da cárie dentária em adolescentes, na região sudoeste do Estado de São Paulo, Brasil.

Polarização da cárie dentária em adolescentes, na região sudoeste do Estado de São Paulo, Brasil.

Resumo A saúde bucal na maioria dos municípi- os brasileiros constitui ainda um grande desafio aos princípios doutrinários do SUS. Este estudo objetivou analisar a prevalência de cárie dentária (CPOD) e as diferenças quanto ao gênero e locali- zação geográfica, Significant Caries Index (SiC) e a porcentagem de livres de cárie no município de Itaí, São Paulo, em 2006. Utilizou-se a metodolo- gia da OMS (1997), em uma população constituí- da por 390; destes, 178 adolescentes aos 12 anos de idade e que correspondem a 46% dos adolescentes matriculados nas escolas do município. O exame foi realizado por um único examinador. O teste kappa foi calculado com valor de concordância de 0,95. O índice CPOD foi de 2, 45, o SiC de 5, 08, e 30% dos indivíduos se apresentaram livres de cá- rie. Observou-se que 34% dos adolescentes con- centraram 70% da doença demonstrando a ocor- rência da polarização da cárie dentária. Foram encontradas diferenças estatisticamente significan- tes na comparação do CPOD entre a localização geográfica e o mesmo não aconteceu com o gênero. Concluiu-se que está ocorrendo a polarização da cárie dentária em adolescentes, aos 12 anos, mas esta ocorrência não se apresenta de forma homo- gênea. Os problemas se intensificam em uma pe- quena parcela da população.
Mostrar mais

8 Ler mais

SENSO DE COERÊNCIA E EXPERIÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ADOLESCENTES: UM ESTUDO DE CASO-CONTROLE

SENSO DE COERÊNCIA E EXPERIÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ADOLESCENTES: UM ESTUDO DE CASO-CONTROLE

O estudo foi composto por duas etapas distintas. Na etapa I foi realizado o estudo transversal. O estudo transversal permitiu verificar a associação entre a experiência de cárie dentária e o Senso de Coerência de adolescentes e de suas mães e variáveis explicativas (placa visível, idade, gênero e classe econômica). A partir deste delineamento de estudo, foi possível estimar a prevalência de cárie dentária e presença de placa visível, bem como verificar se há associação entre a experiência de cárie dentária e o SOC dos adolescentes e de suas mães (LAGE et al., 2016). A escolha deste tipo de estudo justificou-se por medir a prevalência da doença e pelo fato das medidas de exposição e efeito serem realizadas ao mesmo tempo. É um estudo relativamente barato e útil na investigação das exposições que são características individuais fixas. Além disso, outra vantagem deste desenho de estudo é que, os dados obtidos são úteis para avaliar as necessidades em saúde da população. Contudo, esse tipo de estudo possui limitações como não ser capaz de estabelecer relação causal e incorrer no viés de prevalência (BONITA et al., 2010).
Mostrar mais

130 Ler mais

Desigualdades na distribuição da cárie dentária em adolescentes de Indaiatuba (SP), 2004.

Desigualdades na distribuição da cárie dentária em adolescentes de Indaiatuba (SP), 2004.

ram valores de CPOD maiores ou iguais a 4. Neste mesmo gráfico, pode-se notar que 38,8% dos adolescentes examinados eram livres de cárie. Pode-se observar nesta população que um gru- po apresenta elevados valores de CPOD; combi- nado ao declínio da cárie dentária, observa-se um aumento da desigualdade na distribuição de cárie dentária, ou seja, maior polarização da do- ença, pois uma maior proporção de lesões de cárie se concentrou em uma menor proporção de escolares. Observan do a curva de Loren z, pode-se notar que o coeficiente de Gini obtido no presente estudo foi de 0,602; quanto mais pró- ximo de 1 o valor encontrado, maior a desigual- dade na distribuição de cárie em uma popula- ção, ou seja, enquanto muitas crianças apresen- tam-se livres de cárie, ainda existem crianças que apresentam elevados valores da doença.
Mostrar mais

8 Ler mais

Cárie dentária em adolescentes de 15 a 19 anos de idade no Estado de São Paulo, Brasil, 2002.

Cárie dentária em adolescentes de 15 a 19 anos de idade no Estado de São Paulo, Brasil, 2002.

A prevalência de cárie dentária no grupo de 15 a 19 anos de idade foi de 90,4%, sendo o índice CPO-D de 6,44, enquanto o SiC Index foi de 11,68, no Estado de São Paulo, 2002, demons- trando que a cárie dentária em adolescentes ainda constitui um problema de saúde pública. A análise das variáveis gênero e etnia demons- trou que o gênero masculino e os não brancos apresentaram piores condições em relação à cárie dentária. Portanto, o conhecimento da distribuição da cárie em adolescentes, identifi- cando o grupo de risco nesta faixa etária, bem como a necessidade de tratamento, pode auxi- liar na priorização de uso dos recursos, que são sempre aquém das necessidades, a fim de ra- cionalizar tempo e recursos financeiros.
Mostrar mais

9 Ler mais

Incidência de cárie dentária em adolescentes em município do Nordeste brasileiro, 2006.

Incidência de cárie dentária em adolescentes em município do Nordeste brasileiro, 2006.

O presente estudo teve como objetivo analisar a inci- dência da cárie dentária em adolescentes associada à condição sócio-econômica, acesso a serviços e au- topercepção. É um estudo longitudinal por meio de levantamento epidemiológico de cárie e questionário estruturado com amostra composta por 688 adoles- centes residentes no Município de Sobral, Ceará, Bra- sil. A incidência aumentou progressivamente com a idade, passando de 1,60 nos adolescentes com 12 anos até 2,28 para os com 15 anos, registrando-se uma inci- dência média de 1,86 dentes cariados por adolescente. Entre as variáveis estudadas, dor de dente nos últimos seis meses [RR = 1,46 (1,22-1,76)], merenda escolar [RR = 1,45 (1,21-1,74)], freqüência de consulta ao den- tista [RR = 1,48 (1,33-1,79)] e acesso à unidade de saú- de [RR = 1,21 (1,01-1,45)], ajustadas por morbidade referida apresentaram relação com a alta incidência de cárie. É fundamental que gestores e profissionais de saúde formulem políticas públicas que não se restrin- jam a aspectos como atendimento clínico e prevenção de doenças, estimulando a população na luta pela conquista por melhores condições de vida, viabilizan- do eqüidade no acesso aos serviços e desenvolvendo uma gestão coletiva das ações de saúde.
Mostrar mais

8 Ler mais

Cárie dentária e necessidades de tratamento em adolescentes do estado de São Paulo, 1998 e 2002.

Cárie dentária e necessidades de tratamento em adolescentes do estado de São Paulo, 1998 e 2002.

MÉTODOS: Os dados foram obtidos a partir de levantamentos epidemiológicos em saúde bucal realizados no Estado de São Paulo em 1998 e 2002, com adolescentes de 12 e 18 anos de idade. A experiência de cárie foi medida pelo índice de dentes permanentes cariados, perdidos e restaurados (CPOD) e a necessidade de tratamento foi avaliada segundo critérios da Organização Mundial de Saúde. O signifi cant caries index foi empregado para defi nir a experiência de cárie de um terço do grupo que apresentou maior experiência da doença. Para a idade de 12 anos, os exames ocorreram em escolas públicas e privadas, em 1998 (N=9.327) e 2002 (N=5.782), enquanto que os adolescentes de 18 anos, em 2002, foram examinados em seus domicílios (N=5195, em 1998 e N=257 em 2002).
Mostrar mais

7 Ler mais

Distúrbios alimentares em adolescentes em Belo Horizonte e sua associação com erosão e cárie dentária

Distúrbios alimentares em adolescentes em Belo Horizonte e sua associação com erosão e cárie dentária

Apesar do aumento na prevalência desses distúrbios, a literatura aponta poucos estudos avaliando a associação entre indivíduos que possuem fatores de risco para distúrbios alimentares e erosão e cárie dentária, sendo a maior parte realizada com pacientes já diagnosticados com o distúrbio (Ximenes et al., 2010; do Vale et al., 2011). É importante destacar que pesquisas de associação com fatores de risco favorecem a análise de sinais e sintomas precoces bem como de condutas preventivas no intuito de evitar o estabelecimento da doença e das consequentes comorbidades, o que no caso dos distúrbios alimentares é crucial, uma vez que o diagnóstico costuma ser tardio devido à difícil detecção dos sinais iniciais e pelo fato do portador tender a negar a condição, o que inviabiliza a avaliação dos sintomas iniciais (Johansson et al., 2012b; Smink et al., 2012).
Mostrar mais

91 Ler mais

Redução da cárie dentária em adolescentes: distribuição temporal e espacial em 36 municípios do Sul do Brasil 2003 e 2011.

Redução da cárie dentária em adolescentes: distribuição temporal e espacial em 36 municípios do Sul do Brasil 2003 e 2011.

sob luz natural e na observância das normas de biossegurança específicas para o estudo. Foram utilizados espelhos bucais, espátulas de madeira e sonda periodontal OMS (ponta terminada em bola), utilizada como apoio diagnóstico e para remoção de depósitos. Para o diagnóstico das lesões de cárie – compreendidas como aquelas em estágio de cavitação –, não foram usadas radiografias e tampouco houve escovação sistemática prévia ao exame. Inicialmente, foi registrada a condição de oclusão, as alterações em tecidos moles e o registro do grau da fluorose. Na sequência, todos os dentes foram examinados para anotação da condição da coroa dentária e da necessidade de tratamento. Foram considerados cariados os dentes codificados como 1 (coroa cariada) e 2 (coroa restaurada e cariada). A necessidade de tratamento foi medida pelos registros dos tratamentos indicados para cada condição de coroa avaliada no ato do exame epidemiológico. Finalizaram-se os exames com o registro das condições periodontais. Os dados so- cioeconômicos, demográficos e de autopercepção foram registrados em questionários semiestru- turados, desenvolvidos para o estudo a partir de adaptações dos instrumentos utilizados pelo Projeto SB Brasil. Os questionários foram enviados aos pais dos escolares na idade de 12 anos e respondidos em entrevista direta pelos adolescentes de 15 a 19 anos, previamente ao exame. No caso de ausência de retorno dos formulários respondidos pelos pais, os questionários foram reenviados até duas vezes e na permanência da não devolução, o aluno foi computado na taxa de não reposta do estudo. Os questionários foram utilizados para obter dados concernentes aos objetivos da pesquisa principal. A reprodutibilidade dos exames clínicos em 2011 foi avaliada durante a pesquisa, com a duplicação dos mesmos em 5% da amostra, obtendo-se valores Kappa ≥0,90 (0,90-0,99). A confiabilidade dos exames, avaliada na calibração entre examinadores para condição dental, apresentou valores Kappa
Mostrar mais

14 Ler mais

ESTUDO RETROSPECTIVO ACERCA DO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTOS DE DENTÍSTICA NUMA CLÍNICA UNIVERSITÁRIA

ESTUDO RETROSPECTIVO ACERCA DO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTOS DE DENTÍSTICA NUMA CLÍNICA UNIVERSITÁRIA

indicado por alguns estudos acerca do grau de risco para a cárie dentária e a sua associação ao género masculino (Johnson, 2004). Os indicadores de risco foram identificados e confirmados em populações mas, a determinação do risco individual continua a ser um problema. História de lesões cáries e mesmo a presença de cáries são os indicadores mais forte do grau de risco para a cárie dentária (Stefanac e Nesbit, 2007, p. 40). Verificou-se, neste estudo, que o grau de risco é dependente da presença de cáries médias e profundas, sendo que os indivíduos com uma maior prevalência de cáries médias e profundas apresentaram um grau de risco elevado para a cárie, de 85,6% e de 61,9% respectivamente (Tabela 18). Segundo Mello et al., num estudo realizado em 2006 na cidade do Porto, sobre a prevalência e gravidade de lesões de cáries dentárias em adolescentes, 18% dos adolescentes escovavam os dentes menos de uma vez por dia e 62% não usava nenhum colutório, sendo que 43% nunca tinham ido a uma consulta de Medicina Dentária. Estas observações indicam que é necessário melhorar hábitos de higiene orais e facilitar o acesso dos adolescentes ao Médico Dentista. O comportamento individual relacionado com os hábitos de higiene oral e a dieta, bem como o risco para a cárie dentária, são largamente influenciados pela família, pela comunidade e pela sociedade (Mello et al., 2005).
Mostrar mais

102 Ler mais

CÁRIE DENTÁRIA E GRAVIDEZ

CÁRIE DENTÁRIA E GRAVIDEZ

Há que percorrer um caminho de análise e de estudo dos múltiplos problemas sociais e culturais que envolvem esta doença. Várias iniciativas têm sido realizados pelas faculdades de Medicina Dentária e por associações civis de solidariedade social. No entanto, estas acções quase não são divulgadas e muitos políticos que exercem cargos directamente relacionados com estas áreas desconhecem a sua existência e o seu valor. Outras acções têm sido desenvolvidas por empresas industriais, geralmente através de marcas de dentífricos. São acções publicitárias que usam as escolas como meio de divulgação dos seus produtos, dado que a motivação de crianças e adolescentes é relativamente mais fácil do que a de adultos, além do efeito mediático que tais acções normalmente provocam.
Mostrar mais

195 Ler mais

Perfil epidemiológico de cárie dentária em crianças de 12 anos de idade, residentes em cidades fluoretadas e não fluoretadas, na Região Centro-Oeste do Estado de São Paulo, Brasil.

Perfil epidemiológico de cárie dentária em crianças de 12 anos de idade, residentes em cidades fluoretadas e não fluoretadas, na Região Centro-Oeste do Estado de São Paulo, Brasil.

grande parte da capacidade de oferta de servi- ços. A região como um todo necessita de assis- tência odontológica, tanto de programas de promoção de saúde bucal, mas também os que ofereçam a tríade educação/prevenção/ res- tauração, haja vista os altos porcentuais de ne- cessidades de tratamento (Figura 4) nos muni- cípios da região. Segundo as respostas a um questionário encaminhado às secretarias dos municípios do estudo, todos eles oferecem pro- gramas educativos e preventivos aos escolares, e as cidades de médio e grande porte também oferecem programas aos pré-escolares, seguin- do as recomendações da DIR-X. Pode-se obser- var que nos municípios de grande porte, Bauru e Jaú, está ocorrendo uma redução considerá- vel no porcentual de crianças livres de cárie en- tre os 5 e 12 anos de idade. Aos cinco anos, apro- ximadamente 55% deles não tiveram experiên- cia de cárie e aos 12, reduz a 22%. Esses resul- tados demonstram que há necessidade da im- plementação de programas específicos nesta faixa etária para que possam atingir os 12 anos sem lesões de cárie. Entre os municípios do es- tudo, em Pederneiras os escolares apresenta- ram a maior necessidade de tratamento, quer no volume ou na gravidade, necessitando de maior número de procedimentos por criança. Sugere-se que um Índice de Severidade da Le- são de cárie dentária (ISL) possa ser elaborado para dimensionar os níveis aceitáveis de cárie dentária para população brasileira. O CPOD médio aos 12 anos, na região centro-oeste, foi 4,82, não atingindo as metas da OMS para o ano 2000. A meta para o ano de 2010, de CPOD menor que 1,0, está distante da realidade da re- gião. Neste início de milênio, frente às inova- doras tecnologias, buscando atingir uma me- lhor qualidade de vida, a saúde bucal está em alerta e é preocupante na região centro-oeste do Estado de São Paulo.
Mostrar mais

8 Ler mais

Cárie dentária em população ribeirinha do Estado de Rondônia, Região Amazônica, Brasil, 2005/2006.

Cárie dentária em população ribeirinha do Estado de Rondônia, Região Amazônica, Brasil, 2005/2006.

Nas faixas etárias de 35-44 anos e 65-74 anos, observa-se uma maior contribuição por parte do componente perdido, indicando que o proble- ma da cárie dentária só é resolvido quando não há mais condição de se recuperar o elemento dentário, sendo a exodontia a principal estraté- gia assistencial na localidade, resultado também observado por pesquisadores em regiões com es- trutura semelhante 13 .

7 Ler mais

Avaliação da presença de lesões de cárie dentária, biofilme bacteriano visível e análise microbiológica de Streptococcus grupo mutans em crianças de 12 a 48 meses de idade, portadoras e não portadoras da Síndrome de Down

Avaliação da presença de lesões de cárie dentária, biofilme bacteriano visível e análise microbiológica de Streptococcus grupo mutans em crianças de 12 a 48 meses de idade, portadoras e não portadoras da Síndrome de Down

Os mecanismos biológicos envolvidos na cárie precoce em crianças de pouca idade são basicamente os mesmos observados em outras idades. No entanto, na primeira infância, fatores de risco adicionais, tais como a contaminação e a colonização precoces por Streptococcus grupo mutans, o aleitamento abusivo e a ingestão de lanches freqüentes, podem existir, propiciando a criação de um meio ambiente que facilita o crescimento e a predominância de microrganismos cariogênicos. Outro fator que também pode predispor o esmalte imaturo e recém-irrompido à cárie dental é a presença de hipoplasias de esmalte, comum na dentadura decídua. 41 A presença de biofilme visível em incisivos também tem sido apontada como um indicador de risco à cárie em idades precoces, uma vez que sua presença possui correlação significativa com os índices de cárie dental em crianças jovens. 39
Mostrar mais

114 Ler mais

GENIVALDO BATISTA RODRIGUES PROJETO DE ESCOLAS EM TEMPO INTEGRAL: DESAFIOS DE IMPLEMENTAÇÃO EM UMA ESCOLA DA REDE ESTADUAL DO AMAZONAS

GENIVALDO BATISTA RODRIGUES PROJETO DE ESCOLAS EM TEMPO INTEGRAL: DESAFIOS DE IMPLEMENTAÇÃO EM UMA ESCOLA DA REDE ESTADUAL DO AMAZONAS

1.1 CONTEXTO NACIONAL DA EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL NO BRASIL As experiências históricas no Brasil em relação à educação integral podem ser consideradas a partir de três movimentos his[r]

170 Ler mais

Avaliação da influência da educação precoce em saúde bucal e do uso de dentifrícios...

Avaliação da influência da educação precoce em saúde bucal e do uso de dentifrícios...

A eficiência do atendimento odontológico precoce na promoção de saúde bucal de 287 crianças na faixa etária de 0 a 5 anos atendidas pela Bebê-Clínica/UEL foi evidenciada no estudo de Garboza & Walter (1997). Antes da primeira consulta as crianças apresentaram alto risco à cárie dentária, considerando que 88.81% dos pacientes tinham o hábito de aleitamento noturno e 81% não realizavam higiene bucal após a alimentação noturna. Após a educação e conscientização dos pais, com as devidas orientações sobre aleitamento noturno, no sentido de eliminar este hábito ou realizar a higiene bucal após a mamada, verificou-se uma baixa prevalência de cárie no grupo avaliado, nenhuma criança apresentava cárie simples e 2% tinham cárie de mamadeira.
Mostrar mais

143 Ler mais

Avaliação da condição bucal em pacientes renais crônicos submetidos à hemodiálise.

Avaliação da condição bucal em pacientes renais crônicos submetidos à hemodiálise.

Considerando que não há consenso quanto à predisposição destes pacientes ao desenvolvimento da cárie dentária, e que a presença de placa sem o efetivo controle pode levar à cárie dentária, justifica-se a realização deste estudo, que teve como objetivo avaliar a prevalência de cárie dentária e o acúmulo de placa bacteriana nos pacientes com insuficiência renal crônica submetidos à hemodiálise. M ÉTODOS

5 Ler mais

Programa preventivo da cárie dentária baseado no controle mecânico da placa bacteriana em crianças, por meio da profilaxia profissional periódica: Resultados após 25 anos de acompanhamento .

Programa preventivo da cárie dentária baseado no controle mecânico da placa bacteriana em crianças, por meio da profilaxia profissional periódica: Resultados após 25 anos de acompanhamento .

O teste de correlação indica que aquelas crian- ças que apresentaram um maior número de cáries antes de ingressar no programa tiveram uma ten- dência maior ao longo do mesmo (r = 0,12; p = 0,00). Isso, provavelmente, deve-se ao fato de que essas crianças encontravam-se diante de um maior desafio cariogênico, devido a seus hábitos alimen- tares, os quais foram mantidos ao longo do progra- ma. Apesar do índice de cáries dessas crianças, com experiência de cárie, ao ingressarem no programa ter sido maior (1,61 superfície cariada por ano), também passou a ser significativamente menor du- rante o programa, que foi de 0,04 (Tab. 2). Pode-se considerar que a experiência de cárie pouco inter- fere nos resultados futuros, pois é o reflexo de in- dividualidades que exigiriam uma estratégia mais rígida, não justificada pela insignificante diferença dos resultados encontrados.
Mostrar mais

8 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados