Top PDF Chytridiales (Chytridiomycota) do Parque Estadual da Serra da Cantareira, SP, Brasil.

Chytridiales (Chytridiomycota) do Parque Estadual da Serra da Cantareira, SP, Brasil.

Chytridiales (Chytridiomycota) do Parque Estadual da Serra da Cantareira, SP, Brasil.

RESUMO – (Chytridiales (Chytridiomycota) do Parque Estadual da Serra da Cantareira, SP, Brasil). Para o estudo da diversidade de Chytridiales, coletas mensais de água e solo foram realizadas, de junho/2005 a junho/2006, no Parque Estadual da Serra da Cantareira, Estado de São Paulo. O isolamento destes fungos foi realizado por meio do método de iscagem múltipla de amostras de água e solo, em laboratório, com substratos celulósicos, quitinosos e queratinosos. Dezenove espécies foram identificadas, sendo quatro novas ocorrências para o Brasil, Cladochytrium setigerum Karling, Diplophlyctis intestina (Schenk) J. Schröt, Rhizophydium macroporosum Karling e Solutoparies pythii Whiffen ex W.H. Blackw. & Powell, e Septochytrium willoughbyi Dogma primeira citação para o Estado de São Paulo.
Mostrar mais

15 Ler mais

Pequenas espécies de Parmeliaceae ciliadas no Parque Estadual da Cantareira, São Paulo, SP, Brasil: gêneros Bulbothrix, Parmelinella e Parmelinopsis (Parmeliaceae, Ascomycota).

Pequenas espécies de Parmeliaceae ciliadas no Parque Estadual da Cantareira, São Paulo, SP, Brasil: gêneros Bulbothrix, Parmelinella e Parmelinopsis (Parmeliaceae, Ascomycota).

de Mairiporã, Serra da Cantareira, construção de condomínio, 11-III-1989, leg. M.P. Marcelli 6049, 6074, 6076 (SP); idem, Município de São Paulo, Serra da Cantareira, Sítio da Cachoeira, 20-VII-1990, leg. M.P. Marcelli, O. Yano & A. Rezende & R.C. Lourenço 9807 ; idem, Parque Estadual da Cantareira, 9-I-1991, leg. M.P. Marcelli, A. Rezende & I. Riquelme 10923, 10926, 10948 p. min. p., 10949 (SP); idem, nas proximidades do Lago das Carpas, 9-I-1991, leg. M.P. Marcelli, A. Rezende & I. Riquelme 10975, 10976, (SP); idem, Núcleo da Pedra Grande, 18-V-1992, leg. M.P. Marcelli, A. Rezende & O. Yano 13607 (SP); idem, Parque Estadual da Cantareira, próximo ao Lago das Carpas, 25-VI-1991, leg. M.P. Marcelli, O. Yano, A. Rezende & F.M.M. Coppolla, 11434 (SP); idem, à beira da estrada do Pé de Galinha para Mairiporã, 25-VI-1991, leg. M.P. Marcelli, O. Yano, A. Rezende & F.M.M. Coppolla, 11581 (SP); VI-2000, leg. M.N. Benatti 1017, 1267, 1302 (SP); idem, Parque Estadual da Cantareira, V-2000, leg. M.M. Benatti 9 (SP). Comentários: As principais características de Parmelinopsis minarum são as lacínias estreitas e ciliadas, a formação de isídios eciliados e o ácido girofórico como principal constituinte medular. Além desses aspectos, que a distinguem de P. horrescens, P. minarum foi encontrada fértil na localidade, contudo, apenas um espécime foi encontrado contendo apotécios, todavia com himênios não desenvolvidos e sem ascos. É uma das espécies de pequenas parmélias mais facilmente encontradas no Parque Estadual da Cantareira. Cresce comumente sobre troncos e ramos, mas é frequentemente encontrada também crescendo entrelaçada com diversas espécies de musgos na localidade de estudo.
Mostrar mais

12 Ler mais

Oomicetos do Parque Estadual da Serra da Cantareira, São Paulo, SP, Brasil.

Oomicetos do Parque Estadual da Serra da Cantareira, São Paulo, SP, Brasil.

Os estudos até agora realizados com os oomicetos no Brasil permitiram o conhecimento de aproximadamente 10% dos táxons registrados para o mundo, percentual considerado ainda muito baixo para um país tropical, rico em biodiversidade. Para o Parque Estadual da Serra da Cantareira relatamos a ocorrência e distribuição do gênero Pythium, o qual agrupa muitas espécies de importância fi topatológica (Miranda & Pires-Zottarelli 2008). Com o objetivo de contribuir para o conhecimento da diversidade dos oomicetos, apresentamos neste artigo, descrição, comentários e fotomicrografias de espécies de Leptomitales e Saprolegniales.
Mostrar mais

20 Ler mais

Levantamento de Gesneriaceae Rich. & Juss. no Núcleo Curucutu, Parque Estadual da Serra do Mar, São Paulo, SP, Brasil.

Levantamento de Gesneriaceae Rich. & Juss. no Núcleo Curucutu, Parque Estadual da Serra do Mar, São Paulo, SP, Brasil.

RESUMO - (Levantamento de Gesneriaceae Rich. & Juss. no Núcleo Curucutu, Parque Estadual da Serra do Mar, São Paulo, SP, Brasil). Este estudo consistiu no levantamento florístico e estudo taxonômico de Gesneriaceae Rich. & Juss. no Núcleo Curucutu, Parque Estadual da Serra do Mar, São Paulo, SP, Brasil. O trabalho consta de chaves de identificação, descrições morfológicas, ilustrações, dados de distribuição geográfica e de fenologia. A família está representada na área por quatro gêneros e sete espécies: Besleria selloana Klotzsch & Hanst., Codonanthe gracilis (Mart.) Hanst., Nematanthus bradei (Handro) Chautems, N. gregarius D.L. Denham, N. maculatus (Fritsch) Wiehler, N. wettsteinii (Fritsch) H.E. Moore e Sinningia elatior (Kunth) Chautems. Nematanthus wettsteinii e N. maculatus foram registradas pela primeira vez na área de estudo.
Mostrar mais

10 Ler mais

Cianoliquens dos gêneros Coccocarpia, Collema e Leptogium do Parque Estadual da Cantareira, SP, Brasil, depositados no herbário SP.

Cianoliquens dos gêneros Coccocarpia, Collema e Leptogium do Parque Estadual da Cantareira, SP, Brasil, depositados no herbário SP.

RESUMO - (Cianoliquens dos gêneros Coccocarpia, Collema e Leptogium do Parque Estadual da Cantareira, SP, Brasil, depositadas no herbário SP). O levantamento de espécimes de liquens foliosos do Parque Estadual da Cantareira e arredores depositados no herbário SP inclui 14 espécimes de cianoliquens, pertencentes à sete espécies dos gêneros Coccocarpia, Collema e Leptogium . Este é o primeiro registro dessas espécies para a área, sendo apresentadas uma chave de identificação, descrições, comentários e ilustrações. Collema fuscovirens é citado pela primeira vez para a América do Sul, Leptogium coralloideum pela primeira vez para o Estado de São Paulo e o lectótipo de L. austroamericanum é designado.
Mostrar mais

12 Ler mais

Blastocladiales e Spizellomycetales do Parque Estadual da Serra da Cantareira, São Paulo, Brasil.

Blastocladiales e Spizellomycetales do Parque Estadual da Serra da Cantareira, São Paulo, Brasil.

Diante das dimensões territoriais do Brasil, os estudos sobre fungos zoospóricos existentes até o momento ainda são escassos, sendo conduzidos por poucos especialistas e concentram-se em áreas de Mata Atlântica no Estado de São Paulo (Rogers et al. 1970, Lyra & Milanez, 1974, Booth 1979, Milanez & Trufem 1981, 1984, Schoenlein-Crusius et al. 1990, 1992, Schoenlein-Crusius & Milanez 1989, 1998a, b, c, Pires-Zottarelli et al. 1996, Rocha & Pires-Zottarelli 2002, Schoenlein-Crusius et al. 2006, Pires-Zottarelli & Rocha 2007, Pires-Zottarelli & Gomes 2007, Nascimento & Pires-Zottarelli, 2009, dentre outros). A presente contribuição se refere ao levantamento desses organismos do Parque Estadual da Serra da Cantareira, importante fragmento de Mata Atlântica localizado no Estado de São Paulo, área até então inexplorada para levantamento de representantes de Blastocladiales e Spizellomycetales, ampliando assim o conhecimento da micota zoospórica no país.
Mostrar mais

12 Ler mais

Estudo taxonômico e ecológico dos Ichneumonidae (Hymenoptera, Ichneumonoidea) em área de mata atlântica em diferentes estágios sucessionais, no Parque Estadual da Serra Do Mar, São Luiz do Paraitinga, SP, Brasil

Estudo taxonômico e ecológico dos Ichneumonidae (Hymenoptera, Ichneumonoidea) em área de mata atlântica em diferentes estágios sucessionais, no Parque Estadual da Serra Do Mar, São Luiz do Paraitinga, SP, Brasil

corresponde à região amostrada que representa os ambientes estudados mais conservados se comparados aos demais pontos amostrais (Fig. 10). Porém, não se trata de uma área de mata nativa, mais sim uma floresta secundária que ocupa cerca de 70% da área do Parque. As áreas de floresta nativa são de difícil acesso, a maior parte não possui estradas ou trilhas. Assim sendo, esta região se encontra em estágio avançado de regeneração, apresentando uma fisionomia florestal fechada, com distribuição contínua de copas e presença de algumas árvores emergentes. O diâmetro à altura do peito (DAP) das espécies é superior a 20 centímetros e a altura das árvores ultrapassa os 10 metros. São formadas por um grande número de estratos, com árvores, arbustos, ervas terrícolas, trepadeiras, epífitas, o que proporciona uma ampla diversidade de espécies, decorrente da complexidade estrutural. Foram observadas epífitas e trepadeiras abundantes, sendo as lianas geralmente lenhosas e pertencentes às famílias Leguminosae, Bignoniceae, Malpighiaceae, Sapindaceae. Os estratos arbustivos e herbáceos são formados predominantemente por Bromeliaceae, Araceae, Marantaceae e Heliconiaceae, além disso, observamos a presença constante de Bambus em todos os pontos amostrados. Serrapilheira presente em grande quantidade, com diversos agentes decompositores como insetos, fungos e bactérias.
Mostrar mais

212 Ler mais

O gênero Pythium no Parque Estadual da Serra da Cantareira, estado de São Paulo, Brasil.

O gênero Pythium no Parque Estadual da Serra da Cantareira, estado de São Paulo, Brasil.

Segundo Kirk et al. (2001), o gênero Pythium Pringsheim possui 127 espécies conhecidas, de distribuição cosmopolita, sapróbias em ecossistemas terrestres e aquáticos e/ou parasitas, muitas fitopatogênicas, as quais causam sérios problemas em plantas de interesse econômico, como a podridão de frutos, raízes e caules, tombamento de mudas e podridão de sementes em pré e pós-emergência (“damping off”). Pythium insidiosum de Cock, Mendoza, Padhye, Ajello & Kaufman se destaca por ser uma espécie extremamente patogênica em eqüinos, bovinos, caprinos, cães, gatos e para o homem (Alexopoulos et al. 1996), cuja ocorrência também é registrada no Brasil (Santurio et al. 1998, Leal et al. 2001, Sallis et al. 2003, Rech et al. 2004, Bosco et al. 2005). Por outro lado, Pythium oligandrum Drechsler atua como hiperparasita de outros fungos, possuindo um importante papel no controle biológico (Alexopoulos et al. 1996).
Mostrar mais

8 Ler mais

Buscando condições naturais da água: Ephemeroptera, Plecoptera e Trichoptera em riachos de baixa ordem do Parque Estadual da Cantareira (SP)

Buscando condições naturais da água: Ephemeroptera, Plecoptera e Trichoptera em riachos de baixa ordem do Parque Estadual da Cantareira (SP)

BRASIL, CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução número 357/2005. Dispõem sobre a classificação dos corpos d’água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamentos de efluentes, e dá outras providências. Resolução nº 347 de 17 de Março de 2005. Diário Oficial de União, Brasília, D. F.,18 Mar 2005

16 Ler mais

Croton L. (Euphorbiaceae) no Parque Estadual da Serra Dourada, Goiás, Brasil.

Croton L. (Euphorbiaceae) no Parque Estadual da Serra Dourada, Goiás, Brasil.

Serra Dourada State Park is one of the most preserved montane areas in the state of Goiás, but the flora is poorly known. As part of a survey of Euphorbiaceae diversity in Cerrado, a taxonomic study of the genus Croton was carried out in this park. We recognized 10 species: Croton antisyphiliticus, C. campestris, C. chaetocalyx, C. didrichsenii, C. glandulosus, C. gracilescens, C. heliotropiifolius, C. sclerocalyx, C. urucurana and Croton sp. The last species is probably a new taxon, while C. gracilescens and C. sclerocalyx are illustrated for the first time. A species key, descriptions, illustrations, as well as phenological and geographic distribution data are provided.
Mostrar mais

14 Ler mais

Identification key for lycophytes and ferns from the Picinguaba and Santa Virgínia Nuclei, Parque Estadual da Serra do Mar, Ubatuba, SP, Brazil

Identification key for lycophytes and ferns from the Picinguaba and Santa Virgínia Nuclei, Parque Estadual da Serra do Mar, Ubatuba, SP, Brazil

Resumo: Este trabalho visa contribuir para o conhecimento da diversidade de licófitas e samambaias ocorrentes nos núcleos Picinguaba e Santa Virgínia do Parque Estadual da Serra do Mar (PESM), Ubatuba, SP, Brasil, bem como fornecer subsídios para a identificação dos táxons encontrados nestas áreas. Ao todo, foram realizadas 30 expedições de coleta e o material botânico encontra-se depositado no Herbário UEC. Foram identificadas 135 espécies, 19 famílias e 53 gêneros para as duas áreas. As famílias mais representativas foram Polypodiaceae (28 espécies) e Dryopteridaceae (19 espécies), enquanto Asplenium (12 espécies), Blechnum e Elaphoglossum (8 espécies cada) foram os gêneros melhor representados. As espécies epífitas predominaram (62 ao todo), provavelmente devido à presença de hábitats favoráveis. Dos táxons encontrados, 41 são considerados endêmicos do Brasil, sendo 35 deles endêmicos da Mata Atlântica brasileira; cinco espécies são classificadas como vulneráveis, conforme a “Lista oficial de espécies ameaçadas de extinção no Estado de São Paulo”: Elaphoglossum macahense (Fée) Rosenst., Anetium citrifolium (L.) Splitg., Asplenium muellerianum Rosenst., Cyathea glaziovii (Fée) Domin e Thelypteris angustifolia (Willd.) Proctor, o que ressalta a importância de áreas de preservação como o Parque Estadual da Serra do Mar, no contexto conservacionista. Uma chave de identificação foi elaborada para contribuir no reconhecimento destes grupos nos núcleos Picinguaba e Santa Virgínia.
Mostrar mais

15 Ler mais

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) no Parque Estadual da Cantareira, Estado de São Paulo, Brasil. I. As espécies com máculas efiguradas ou reticulares.

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) no Parque Estadual da Cantareira, Estado de São Paulo, Brasil. I. As espécies com máculas efiguradas ou reticulares.

subrugoso, zona marginal marrom, atenuada, lustrosa, de lisa a papilada, parcialmente rizinada. Rizinas 0,2-2,3 × 0,05-0,15 mm, negras, dimórficas, as menores raramente ultrapassando ca. 0,5 × 0,05 mm, as maiores normalmente 1,0-2,3 × 0,1-0,15 mm, de simples a furcadas ou de ramificação irregular, as menores homogeneamente distribuídas, as maiores distribuídas aleatoriamente entre si, porém mais comuns em partes velhas, abundantes quase como um tomento. Apotécios e picnídios não encontrados. Substâncias de importância taxonômica: córtex superior K+ amarelo, UV− (atranorina); medula K−, C−, KC−, P−, UV− (nenhuma substância detectada). Distribuição conhecida: Oceania (Elix 1994a), África (Hale 1976, Krog & Swisncow 1981, Swinscow & Krog 1988) e América do Sul (Adler 1992, Hale 1976, Osorio 1975,1995, 2003). No Brasil é citada para os Estados de MG, PR e RS (Eliasaro & Donha 2003, Osorio 1989, Spielmann 2006). Embora apenas mencionada em uma lista para o Estado de SP (Marcelli 1998b), está sendo descrita aqui pela primeira vez.
Mostrar mais

12 Ler mais

Pequenas espécies de Parmeliaceae (Ascomycota) eciliadas no Parque Estadual da Cantareira, estado de São Paulo, Brasil: gêneros Canoparmelia e Crespoa.

Pequenas espécies de Parmeliaceae (Ascomycota) eciliadas no Parque Estadual da Cantareira, estado de São Paulo, Brasil: gêneros Canoparmelia e Crespoa.

simples a raramente furcadas ou ±esquarosas, frequentes a abundantes, homogeneamente distribuídas. Apotécios e Picnídios não encontrados. Substâncias de importância taxonômica: atranorina (córtex superior, K+ amarelo, UV-), ácidos estíctico, conestíctico, outras substâncias do grupo químico do ácido estíctico (vide Jungbluth 2006), e traços variáveis de ácido menegaziaico (medula, K+amarelo, C-, KC-, P+ salmão, UV-). Material estudado: São Paulo, Parque Estadual da Cantareira, Bairro Cachoeira, próximo à Rodovia Fernão Dias, 20.VII.1990, leg. M.P. Marcelli et al. 9753 (SP); próximo ao Lago das Carpas, 25.VI.1991, leg. M.P. Marcelli et al. 11425, 11426, 11427, 11575 (SP); Núcleo da Pedra Grande, 18.V.1992, leg. M.P. Marcelli et al. 13536 (SP); Parque Estadual da Cantareira, VI.2000, leg. M.N. Benatti 1004 (SP).
Mostrar mais

11 Ler mais

Pteridófitas do Parque Estadual do Jacupiranga, SP, Brasil.

Pteridófitas do Parque Estadual do Jacupiranga, SP, Brasil.

Área de estudo – O Parque Estadual do Jacupiranga (PEJ) é um dos mais extensos remanescentes de Mata Atlântica, tendo aproximadamente 150.000 ha. Está localizado nos municípios de Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Eldorado, Iporanga e Jacupiranga, na região do Vale do Ribeira, sul do Estado de São Paulo. Apresenta uma grande amplitude altitudinal, de 10 a 1.310 metros. Entretanto, a maior parte da área do Parque está localizada na faixa altitudinal entre 700 e 900 metros, com poucas áreas abaixo dos 100 metros e apenas alguns picos isolados chegando a altitudes mais elevadas na Serra do Cadeado (Mário J. Nunes de Souza, comunicação pessoal). O PEJ foi criado em 1969 pelo decreto-lei Estadual nº 145 de 8 de agosto de 1969. Localiza-se na Província Espeleológica do Vale do Ribeira, onde se encontra grande densidade de cavernas de médio porte. Há registro de seis grutas na área do Parque e possivelmente existe mais de uma dezena de outras pequenas cavidades com potencial turístico. A maior parte da superfície do Parque está localizada na Bacia do Rio Ribeira de Iguape. Pela importância na preservação do patrimônio natural, histórico e cultural, a região do Vale do Ribeira e a região litorânea sul do Estado de São Paulo foram reconhecidas como Reserva da Biosfera da Mata Atlântica e Sítio do Patrimônio Mundial Natural.
Mostrar mais

9 Ler mais

Diapriidae e Ismaridae (Hymenoptera, Diaprioidea) de áreas de Mata Atlântica do estado de São Paulo

Diapriidae e Ismaridae (Hymenoptera, Diaprioidea) de áreas de Mata Atlântica do estado de São Paulo

RESUMO – Diapriidae (Hymenoptera, Diaprioidea) é cosmopolita, com três subfamílias, 194 gêneros e 2080 espécies descritas. Diapriinae, Belytinae e Ambositrinae ocorrem no Neotrópico. Belytinae e Ambositrinae parasitam imaturos de Mycetophilidae e Sciaridae (Diptera) e os Diapriinae parasitam principalmente Diptera, com algumas espécies associadas a formigas. Ismaridae é cosmopolita, com apenas um gênero, Ismarus Haliday, com 32 espécies, das quais 12 relatadas para o Neotrópico e duas delas para o Brasil; são parasitoides secundários de larvas de Dryinidae (Hymenoptera). Esta pesquisa teve por objetivo estudar os Diapriidae e Ismaridae de cinco áreas de preservação da Mata Atlântica do Estado de São Paulo. As coletas foram realizadas mensalmente entre outubro de 2009 e março de 2011 no Parque Estadual Intervales (PEI), em Ribeirão Grande e na Estação Ecológica Juréia-Itatins (EEJI), em Iguape; entre novembro de 2009 e dezembro de 2010 no Parque Estadual da Serra do Mar-Núcleo Picinguaba (PESM-NP), em Ubatuba; entre novembro de 2009 e agosto de 2011 no Núcleo Santa Virgínia (PESM-NSV), em São Luiz do Paraitinga e entre dezembro de 2009 e fevereiro de 2011 no Parque Estadual Morro do Diabo (PEMD), em Teodoro Sampaio. Em cada área foram instaladas cinco armadilhas Malaise distantes 50 m entre si, ativas durante todo o período. O material biológico foi encaminhado ao Laboratório de Sistemática e Bioecologia de Parasitoides e Predadores da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), em Ribeirão Preto, SP, onde os Diapriidae foram triados e identificados em subfamílias e gêneros. Exemplares de Szelenyiopria Fabritius, Ismarus e de Propsilomma (Ashmead) foram identificados em espécies. Exemplares de Szelenyiopria e Ismarus pertencentes à Coleção de Hymenoptera da Universidade Federal do Espírito Santo
Mostrar mais

62 Ler mais

A educação ambiental no ecoturismo: um estudo de caso no Parque Estadual da Serra...

A educação ambiental no ecoturismo: um estudo de caso no Parque Estadual da Serra...

A educação ambiental no ecoturismo: um estudo de caso no Parque Estadual da Serra do Mar, Núcleo Santa Virgínia, São Paulo – SP O ecoturismo surgiu no Brasil como uma proposta de contemplação e conservação da natureza, sendo atualmente uma atividade econômica em grande expansão. Para que o ecoturismo traga os benefícios esperados é necessário que sejam seguidas suas premissas, entre elas a educação ambiental. No entanto, o avanço da atividade não vem sendo acompanhado pelo desenvolvimento da prática educativa, mostrando-se necessários mais estudos que analisem situações locais da educação ambiental no ecoturismo. Assim, o presente trabalho foi realizado no Parque Estadual da Serra do Mar, Núcleo Santa Virgínia – SP, local de grandes atrativos ecoturísticos, sendo sua visitação voltada para as trilhas e o rafting, prática que ocorre no Rio Paraibuna com o uso de botes. Todos os visitantes são acompanhados por monitores, mostrando assim um ambiente propício para a realização de um estudo de caso que busca analisar quanti-qualitativamente a educação ambiental no ecoturismo. O estudo baseou-se em questionários aplicados aos turistas, entrevistas semiestruturadas com os monitores ambientais, com a operadora de rafting que atua no local e com o gestor da unidade de conservação, além de observação participante nas trilhas e na descida de bote. Verificou-se que a grande maioria dos visitantes está aberta à educação ambiental nos passeios realizados, bem como são motivados a praticar o ecoturismo para ter contato com a natureza e aprender algo novo. Percebeu- se que existe um esforço da gestão do Núcleo Santa Virgínia, e dos monitores para realizar a prática educativa durante os passeios, porém ainda não há uma definição clara por parte destes do que seria a educação ambiental. A falta de discussão sobre o tema e a não percepção dos potenciais e limitações da educação ambiental no ecoturismo local pode levar a esforços que não gerem as transformações desejadas, apesar do potencial intrínseco do ambiente natural em proporcionar mudanças de visão e atitudes individuais.
Mostrar mais

151 Ler mais

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) no Parque Estadual da Cantareira, Estado de São Paulo, Brasil, II: as espécies emaculadas ou com máculas irregulares.

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) no Parque Estadual da Cantareira, Estado de São Paulo, Brasil, II: as espécies emaculadas ou com máculas irregulares.

ramificação irregular, 1,5-11,5 mm larg., adnatos a sutilmente elevados, pouco aderidos, contíguos a sobrepostos lateralmente, de ápices arredondados a subarredondados, a margem sinuosa a crenada sem linha negra distinta, as axilas ovais, a superfície contínua e lisa com raras quebras irregulares em partes velhas. lacínulas ou lóbulos adventícios ausentes a ocasionais, simples, curtos . Cílios negros, simples, 0,30-1,50 × ca. 0,03 mm, frequentes, surgindo nas crenas, espaçados e intercalares aos sorais. Máculas ausentes. Sorédios farinhosos a subgranulares, originados de sorais marginais labriformes a lineares interrompidos, surgindo ocasionalmente nos ápices de lacínulas ou capitados laminais, frequentemente escurecidos. Pústulas e Isídios ausentes. Medula branca, sem manchas de pigmentos K+ púrpura. Lado de baixo negro, lustroso, rugoso a venado, zona marginal marrom clara, atenuada, ebúrnea ou variegada em lobos sorediados, nítida, lustrosa, lisa a subrugosa ou pouco venada, pouco papilada, tornando-se rizinada na transição para o centro. Rizinas 0,10-1,20 × ca. 0,05 mm, negras, simples, irregularmente agrupadas, poucas ou frequentes a abundantes. Apotécios e picnídios não encontrados. Substâncias de importância taxonômica: atranorina, cloroatranorina (córtex superior, K+ amarelo, UV−), ácido liquesterínico (presente em todas as amostras), protoliquesterínico, turingiona, e algumas substâncias desconhecidas, com possível concentração de pequenas quantidades de atranorina em trechos aleatórios (medula K−, C−, KC−, P−, sendo K+ amarelo e P+ amarelo, em sorais e lobos jovens, UV−). Distribuição: América do Sul. No Brasil é citada para o Estado de SP (Benatti et al. 2013b).
Mostrar mais

22 Ler mais

Criptógamos do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Algas, 41: Chlorophyceae (Oocystaceae).

Criptógamos do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Algas, 41: Chlorophyceae (Oocystaceae).

ABSTRACT - (Cryptogams of the Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, São Paulo State, Brazil. Algae, 41: Chlorophyceae (Oocystaceae)). Taxonomic survey of the Oocystaceae (Chlorophyceae, Chlorococcales) present in the PEFI, Parque Estadual das Fontes do Ipiranga lacustrine systems. Material examined included periphyton and plankton from different aquatic systems within the PEFI, and revision of all material cited for the Parque area and deposited in the Herbário Científico do Estado “Maria Eneyda P. Kauffmann Fidalgo” (SP). Fifteen species were identified, which are distributed in 7 genera (Franceia, Granulocystis, Lagerheimia, Nephrochlamys, Nephrocytium, Oocystis, and Rhombocystis). Citations of Lagerheimia longiseta (Lemmermann) Printz, L. citriformis (Snow) Collins, and Oocystis marssonii Lemmermann are pioneer for the PEFI. Garças Pond was the system presenting the highest species richness (nine taxa) probably due to the greater sampling effort devoted to that system.
Mostrar mais

12 Ler mais

ROSÂNGELO FERNANDES DE ASSIS ESTRATÉGIAS DA GESTÃO ESCOLAR DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA: UMA ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROERD EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DO AMAZONAS

ROSÂNGELO FERNANDES DE ASSIS ESTRATÉGIAS DA GESTÃO ESCOLAR DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA: UMA ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROERD EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DO AMAZONAS

De fato, na escola estudada, o projeto foi desenvolvido nos moldes da presença policial na escola quando necessária e palestras para os alunos durante o bimestre, quando sol[r]

78 Ler mais

A ATUAÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA EM TRÊS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO AMAZONAS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

A ATUAÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA EM TRÊS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO AMAZONAS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Frente à gama de atribuições de cunho pedagógico conferidas ao coordenador pedagógico, é interessante que ele cumpra um planejamento previamente estabelecido, para que cumprir sua rotina de forma eficaz. Entretanto, a minha percepção inicial como supervisora pedagógica das escolas da CDE-03 era a de que esses profissionais desenvolviam suas ações de acordo com as necessidades imediatas da escola, muitas vezes em funções que não seriam propriamente as suas. Dentre elas destacam-se: análise dos resultados das avaliações internas e externas junto aos professores; monitoramento dos registros das fichas de acompanhamento da Hora de Trabalho Pedagógico (HTP), trabalho que requer um atendimento individualizado aos professores; acompanhamento dos registros dos professores no Diário Digital, implantado no ano de 2014 nas escolas da rede pública estadual do Amazonas; e atualização ou reformulação do Projeto Político Pedagógico
Mostrar mais

109 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados