Top PDF Comparações florísticas e estruturais entre duas comunidades lenhosas de cerrado típico e cerrado rupestre, Mato Grosso, Brasil.

Comparações florísticas e estruturais entre duas comunidades lenhosas de cerrado típico e cerrado rupestre, Mato Grosso, Brasil.

Comparações florísticas e estruturais entre duas comunidades lenhosas de cerrado típico e cerrado rupestre, Mato Grosso, Brasil.

(Comparações fl orísticas e estruturais entre duas comunidades lenhosas de cerrado típico e cerrado rupestre, Mato Grosso, Brasil). Comparou-se a riqueza, a composição fl orística e a estrutura da vegetação lenhosa entre um hectare de cerrado rupestre (CR) e um de cerrado típico (CT) no leste Mato-grossense. A riqueza registrada (CT = 79 e CR = 71) e estimada pelo método de bootstrap (CT = 86,7 ± 2,3 e CR = 75,8 ± 1,8) foi maior no CT, mas o índice de diversidade foi igual entre as duas fi sionomias (3,58 no CT e 3,56 no CR; teste t de Hutcheson = t 2;0,05 = 0,43, p > 0,05). Apesar da elevada similaridade fl orística (Sørensen = 0,75 e Morisita = 0,73), a análise de ordenação (DCA) separou as parcelas do CT e do CR, indicando a seleção de espécies nas duas fi sionomias. Foram registradas altas porcentagens de indivíduos mortos no CT (28,1%) e no CR (17,3%), devido à ocorrência de uma queimada quatro meses antes da amostragem da vegetação. A área basal por parcela foi maior no CR, enquanto as densidades por parcela, as alturas e os diâmetros medianos dos indivíduos, não diferiram entre as duas fi sionomias, sugerindo que o solo raso e o afl oramento rochoso no CR não limitaram o estabelecimento e o desenvolvimento da fl ora lenhosa.
Mostrar mais

11 Ler mais

Estrutura e composição florística da vegetação lenhosa em cerrado rupestre na transição Cerrado-Floresta Amazônica, Mato Grosso, Brasil

Estrutura e composição florística da vegetação lenhosa em cerrado rupestre na transição Cerrado-Floresta Amazônica, Mato Grosso, Brasil

Espécies habitat-especialistas de cerrados rupestres, como Wunderlichia cruelsiana Taub. (Munhoz & Proença 1998, Miranda et al. 2007, Amaral et al. 2006), Wunderlichia mirabilis Riedel ex Baker (Pinto et al. 2009), Tibouchina papyrus (Pohl) Toledo, Swartzia adamantium (Cambess.) Bedell ex Giraldo-Cañas e Clusia burchelli Engl. (Moura et al. 2007, Pinto et al. 2009) não Tabela 2. Comparações florísticas e estruturais entre a comunidade lenhosa com DAS ≥ 3 cm (primeira linha) e DAS ≥ 3 cm (segunda linha) do cerrado rupestre do Parque Municipal do Bacaba, na transição entre os biomas Cerrado e Floresta Amazônica, Mato Grosso, e outros estudos com comunidades lenhosas de cerrado rupestre e típico do bioma Cerrado (DAS ≥ 5 cm). N = número de espécies; H’ = índice de diversidade de espécies de Shannon-Wiener (H’); J = equabilidade de Pielou, D = densidade (ind.ha -1 ); AB = área basal (m 2 .ha -1 ). Dist. = Distância (km) em linha reta do CRPB até as demais áreas analisadas; Alt.= altitude.
Mostrar mais

10 Ler mais

Estrutura e composição florística da vegetação lenhosa em cerrado rupestre na transição Cerrado-Floresta Amazônica, Mato Grosso, Brasil.

Estrutura e composição florística da vegetação lenhosa em cerrado rupestre na transição Cerrado-Floresta Amazônica, Mato Grosso, Brasil.

Espécies habitat-especialistas de cerrados rupestres, como Wunderlichia cruelsiana Taub. (Munhoz & Proença 1998, Miranda et al. 2007, Amaral et al. 2006), Wunderlichia mirabilis Riedel ex Baker (Pinto et al. 2009), Tibouchina papyrus (Pohl) Toledo, Swartzia adamantium (Cambess.) Bedell ex Giraldo-Cañas e Clusia burchelli Engl. (Moura et al. 2007, Pinto et al. 2009) não Tabela 2. Comparações florísticas e estruturais entre a comunidade lenhosa com DAS ≥ 3 cm (primeira linha) e DAS ≥ 3 cm (segunda linha) do cerrado rupestre do Parque Municipal do Bacaba, na transição entre os biomas Cerrado e Floresta Amazônica, Mato Grosso, e outros estudos com comunidades lenhosas de cerrado rupestre e típico do bioma Cerrado (DAS ≥ 5 cm). N = número de espécies; H’ = índice de diversidade de espécies de Shannon-Wiener (H’); J = equabilidade de Pielou, D = densidade (ind.ha -1 ); AB = área basal (m 2 .ha -1 ). Dist. = Distância (km) em linha reta do CRPB até as demais áreas analisadas; Alt.= altitude.
Mostrar mais

9 Ler mais

Influência de agrupamentos de bambu na dinâmica pós-fogo da vegetação lenhosa de um cerrado típico, Mato Grosso, Brasil.

Influência de agrupamentos de bambu na dinâmica pós-fogo da vegetação lenhosa de um cerrado típico, Mato Grosso, Brasil.

Ambas as hipóteses formuladas não devem ser rejeitadas, pois o conjunto dos resultados do presente estudo aponta maiores mudanças estruturais e na composição florística, além de reduções na riqueza e diversidade de espécies lenhosas após o fogo no sítio CB quando comparado ao sítio SB. Ressalta-se a necessidade da condução de estudos avaliando, em longo prazo, os efeitos conjugados das queimadas e dos aumentos nas densidades populacionais de Actinocladum verticillatum sobre a resiliência das comunidades lenhosas de cerrado, incluindo principalmente descrições sobre a sobrevivência e o estabelecimento de novos indivíduos. Tais estudos podem nortear estratégias de monitoramento da expansão populacional do bambu A. verticillatum e de manejo do fogo para a manutenção da composição, estrutura e diversidade florística de áreas nativas.
Mostrar mais

11 Ler mais

Comunidades lenhosas de cerrado sentido restrito na Serra Dourada em dois substratos

Comunidades lenhosas de cerrado sentido restrito na Serra Dourada em dois substratos

total foram encontradas 101 espécies, 54 no cerrado rupestre e 85 no cerrado típico sobre Cambissolo, a diversidade foi 3,13 nats.ind -1 e 3,65 nats.ind -1 , respectivamente. Valores que ficaram dentro da faixa de variação encontrada para o cerrado no Brasil Central e refletem a alta diversidade florística e distribuição eqüitativa dos indivíduos nas duas áreas. No cerrado rupestre a densidade total foi 1.137 ind.ha -1 e a área basal total 7,085 m 2 .ha -1 e no cerrado típico sobre Cambissolo estas estimativas foram 1.036 ind.ha -1 e 9,690 m 2 .ha -1 , respectivamente. De modo geral, as áreas apresentaram pequenas diferenças estruturais, porém quando desconsidera-se os indivíduos mortos em pé o cerrado rupestre mostrou-se mais denso e o cerrado típico sobre Cambissolo com maior área basal. Os índices de Sørensen e Czekanowski mostraram dissimilaridades florísticas e estruturais entre as duas áreas. Os dois cerrados apresentaram solos distróficos, álicos e com baixa capacidade de troca catiônica. As análises multivariadas foram importantes, pois evidenciaram as diferenças florístico-estruturais entre as duas áreas (TWINSPAN e DCA), além disso auxiliaram no entendimento da distribuição de algumas espécies na área de estudo (PCA).
Mostrar mais

104 Ler mais

Estabilidade e adaptabilidade do algodoeiro herbáceo no Cerrado do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Estabilidade e adaptabilidade do algodoeiro herbáceo no Cerrado do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

A porcentagem acumulada explicada pelos dois primei- ros eixos da interação, para a estrutura-padrão, pelo mo- delo AMMI, foi de 79,03% (Tabela 2). A interpretação dos resultados se torna relativamente simples pelo padrão ser reduzido a duas dimensões (Chaves, 2001), em que se considera apenas a variação contida nos dois primeiros eixos da análise de componentes principais, como sufici- ente para avaliar a adaptabilidade e a estabilidade dos genótipos e ambientes (Rocha, 2002).

7 Ler mais

IGOR SIMONI HOMEM DE CARVALHO

IGOR SIMONI HOMEM DE CARVALHO

A maior parte das análises sobre o extrativismo recai sobre produtos de amplo valor comercial, impelindo pesquisadores ao esforço de decifrar as adequações e inadequações da atividade extrativa ao mercado. Homma (1989) chegou a elaborar um “modelo evolucionista” do comportamento econômico da atividade extrativa, definindo quatro fases: expansão, estabilização, declínio e domesticação. Para Schwartzman (1994 apud ALLEGRETTI, 2002), tal modelo não necessariamente captura as tendências do mercado: baseando-se nos exemplos de produtos da Amazônia (castanha, açaí e copaíba), este autor demonstrou que as oportunidades comerciais variam de acordo com a demanda, que não obedece a modelos lineares. Além disso, mesmo em “tempos de crise”, produtos como a borracha e a castanha remuneraram uma extensa rede de pessoas envolvidas em sua exploração econômica, embora os extratores tenham sido injustiçados ao não serem recompensados pelo serviço de manutenção dos seringais e castanhais (ALLEGRETTI, 2002). Rueda (1995) chega a cunhar o termo “neoextrativismo”, remetendo às novas situações impostas a comunidades da Amazônia que, não encontrando mercado ou preços atraentes, passaram a agregar valor aos produtos coletados, buscando ocupar nichos específicos de mercado.
Mostrar mais

313 Ler mais

Fluxo de seiva e condutância estomática de duas espécies lenhosas sempre-verdes no campo sujo e cerradão.

Fluxo de seiva e condutância estomática de duas espécies lenhosas sempre-verdes no campo sujo e cerradão.

lenhosos. Os tipos fisionômicos mais característicos são o campo limpo, campo sujo, cerrado sensu stricto e cerradão. Segundo Coutinho (1978), o campo limpo caracteriza-se pela predominância de plantas herbáceas; o campo sujo, pela presença de árvores e arbustos isolados ao longo da paisagem; o cerrado sensu stricto, pela ocorrência de árvores e arbustos, e o cerradão, pela dominância de espécies lenhosas de dossel alto e fechado. Devido às variações na estrutura da vegetação, as relações hídricas de uma mesma espécie podem mudar entre uma área em que o estrato arbustivo-arbóreo é descontínuo (campo sujo) e uma área em que a vegetação lenhosa apresenta uma maior densidade (cerradão), especialmente na estação seca. No campo sujo, onde predomina estrato herbáceo com sistemas radiculares superficiais, as camadas mais profundas do perfil do solo permaneceriam úmidas e disponíveis para os indivíduos arbóreos esparsos, mesmo durante a estação seca. No cerradão, a vegetação lenhosas sofreria um déficit hídrico acentuado, devido a maior densidade de árvores com sistemas radiculares profundos, ocorrendo uma sobreposição dessas raízes e, conseqüentemente, competição pelo recurso hídrico, devido ao esgotamento das reservas de água do subsolo.
Mostrar mais

16 Ler mais

Revegetação espontânea de voçoroca na região de Cerrado, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Revegetação espontânea de voçoroca na região de Cerrado, Mato Grosso do Sul, Brasil.

A síndrome de dispersão mais frequente foi a autocoria (42 espécies, 60%) (tabela 3); nesta síndrome, os frutos e sementes caem próximo da planta-mãe colaborando com o restabelecimento da vegetação local. A zoocoria foi representada por 15 espécies (cerca de 21,4%), enquanto que a anemocoria por 10 (cerca de 14,3%). De acordo com Seitz (1994), em casos extremos de degradação da vegetação, onde esta é praticamente ausente, as espécies anemocóricas são as primeiras a se estabelecer. Cabe salientar que em síndromes como anemocoria e zoocoria, onde estão envolvidos agentes dispersores como o vento e os animais, respectivamente, a planta-mãe pode se encontrar a maiores distâncias do local de estabelecimento do fruto ou semente. Neste caso, a voçoroca estudada não depende essencialmente das espécies zoocóricas e anemocórias in situ e pode ser favorecida pelos remanescentes de cerradão e cerrado sensu stricto próximos; por outro lado, pode-se supor que as anemocóricas sejam prejudicadas pela plantação de eucalipto próximo à área de estudo, que tende a barrar o vento vindo principalmente do noroeste.
Mostrar mais

18 Ler mais

Alterações na estrutura e funcionamento de florestas transicionais da Amazônia associadas à degradação florestal e transições no uso da terra

Alterações na estrutura e funcionamento de florestas transicionais da Amazônia associadas à degradação florestal e transições no uso da terra

Forest fires, fragmentation and windstorms are factors involved in forest degradation that have become increasingly frequent in the Amazon, and their concomitant occurrence produce feedbacks that may increase the negative effects on forests dynamic and ecosystem services. In this study, we investigated the occurrence of the wind storms in areas impacted by prescribed forest fires and in association with edge effects in a fire experiment in the Tanguro Farm (municipality of Querência, Mato Grosso state). Two census of trees in the areas subjected to prescribed fires and in an unburned forest plot were performed before and after a big wind storm that occurred in October 2012, in order to study the impacts on vegetation structure and aboveground biomass stock. In total, 10% of individual trees were damaged by the wind storm, and those closer to the forest edge or in areas previously burned were more likely to be damaged. Individuals up to 200m from the forest edge were twice as likely to be damaged. The biomass loss in the burned plots was between 3 and 9% higher than in the control plot. The most prevalent damage type was snapped (70%), uprooted (20%) and canopy damage (10%). 73% of damaged trees were directly affected by the windstorm while 22% were damaged by the fall of others. Our data indicate that positive feedbacks between windstorms, forest fragmentation, and forest fires can create a critical threshold, from which Amazon forests might lose resilience.
Mostrar mais

112 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGROECOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL COMPARAÇÃO DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS EM ASSENTAMENTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGROECOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL COMPARAÇÃO DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS EM ASSENTAMENTOS

In an area with high biodiversity of the native vegetation of savannah and Atlantic forest as the studied areas of the state of Mato Grosso do Sul, the systems agroflorestais should present models to propitiate the maintenance of that biodiversity and guarantee the family farmers' alimentary sovereignty. In that expectation, it was aimed at in this study to compare the implantation and transport of systems agroflorestais among two areas with different ecotones, in order to recognize potentialities to promote the recovery of degraded areas. For the collection of data an itinerary half structured was applied containing closed and open subjects. The lifted up information in the units of production refer to items as: i) the farmers' characterization as for the socket of decision as for the handling of SAFs and to the size of the unit of production and of SAF; ii) implantation of the systems: reasons of the implantation and objectives; iii) I handle of the system agroflorestal; iv) commercialization; v) technical support; and I saw) public politics disputed by the farmers that supported the implementation of SAFs of agroecological bases. The obtained data were systematized and analyzed in the Software Statistical Package goes Social the Sciences. SPSS. It was contacted that, the ecorregiões the socket of decision as for the handling of the system it leaves of the masculine gender, that you/they need improvements in relation to the technical support and of support and incentives for investment in infrastructure to process the production originating from of the systems agroflorestais in order to join value to the final product. The insert type to the market and the government's programs like PAA and PNAE influences strongly in those farmers' income, therefore they are necessary public politics that you/they think the production and the commercialization of the products, offering support for the construction of fairer markets.
Mostrar mais

88 Ler mais

Comunidades lenhosas no cerrado sentido restrito em duas posições topográficas na Estação Ecológica do Jardim Botânico de Brasília, DF, Brasil

Comunidades lenhosas no cerrado sentido restrito em duas posições topográficas na Estação Ecológica do Jardim Botânico de Brasília, DF, Brasil

(I) e vale (V), na Estação Ecológica do Jardim Botânico de Brasília-DF e em 18 áreas no Brasil Central. (PNB- Parque Nacional de Brasília, AE- Estação Ecológica de Águas Emendadas, BM- Parque Burle Marx, FAL- Fazenda Água Limpa, IBGE- Reserva Ecológica do IBGE, APA-APA do Paranóa- UnB, PR-Paracatu, PT-Patrocínio, SI- Silvânia, AP- Alto Paraíso, VP- Vila Propício, PNCV- Parque Nacional Chapada dos Veadeiros, SM- Serra da Mesa, SN- Serra Negra, RP- Formosa do Rio Preto, CO- Correntina, SD- São Desidério, PNSV- Parque Nacional Grande Sertão Veredas). Table 4 – Basal area (m 2 .ha -1 ) of the preferential species from the cerrado sensu strictu in the restricted sense
Mostrar mais

18 Ler mais

DÚVIDAS DE ADVOGADAS LOIRAS

DÚVIDAS DE ADVOGADAS LOIRAS

- Testamento cerrado é aquele em que os filhos herdam dos pais fazendas no interior de Goiás e Mato Grosso?. - Bens móveis são os fabricados em marcenarias?[r]

1 Ler mais

Composição, diversidade e estrutura da vegetação lenhosa em fitofisionomias savânicas do cerrado e seus reflexos no estoque de carbono na Serra do Cipó, Minas Gerais, Brasil

Composição, diversidade e estrutura da vegetação lenhosa em fitofisionomias savânicas do cerrado e seus reflexos no estoque de carbono na Serra do Cipó, Minas Gerais, Brasil

É eminente a necessidade de restauração e preservação da biodiversidade e do potencial de sequestro de gás carbônico atmosférico pela vegetação do Bioma Cerrado. O detalhamento dos dados fitofisionômicos, contudo, tem grande importância para a aplicação do conhecimento científico produzido, uma vez que o Bioma exibe grande diversificação em suas formações vegetais. Buscamos no presente estudo revisar as pesquisas sobre estoques de carbono para o bioma Cerrado, bem como refinar as informações em nível fitofisionômico para a estrutura florística, a diversidade, a estrutura horizontal e vertical e o estoque de carbono na vegetação lenhosa do Estado de Minas Gerais. Para tanto: [1] descrevemos florístico e fisionomicamente áreas de Cerrado Denso e Cerrado Rupestre, situadas no Parque Nacional da Serra do Cipó e procuramos identificar o papel dos fatores ambientais e da proximidade espacial nesse cenário; [2] revisamos os estudos sobre o estoque de carbono em distintas fitofisionomias do Bioma Cerrado, abordando as metodologias utilizadas, e inferimos sobre sua aplicabilidade para a mitigação do efeito estufa e a conservação do Bioma; e [3] estimamos o estoque de carbono nas duas fitofisionomias amostradas e discutimos a eficácia das diferentes equações matemáticas disponíveis na literatura para esse tipo de investigação. Encontramos que as duas fitofisionomias diferem entre si quanto a estrutura florística, a diversidade e a estrutura fitossociológica, mas que têm papéis semelhantes no balanço do carbono global. Por isso, merecem igual atenção tanto para a conservação da biodiversidade, quanto para o balanço do gás carbônico na atmosfera. Verificamos uma carência de dados sobre a estocagem de carbono no Bioma além da urgente necessidade de aprimoramento metodológico e da investigação das diferentes fitofisionomias e dos diferentes estratos e formas de crescimento do Bioma.
Mostrar mais

97 Ler mais

Baccharis dracunculifolia D.C: diversidade genética e química de populações

Baccharis dracunculifolia D.C: diversidade genética e química de populações

Martins (2005), estudando populações naturais de Solanum lycocarpum, pode observar que as mesmas eram fundadas por um número elevado de origens diversas. As áreas da pesquisa foram localizadas na região Sudeste do estado de Goiás e apresentavam vegetação de cerrado bem preservado e conexão com outras áreas preservadas próximas ou com matas ciliares e corredores de fauna, pois permitiam o trânsito de animais entre os fragmentos de cerrado em áreas de Reserva Legal e Áreas de Preservação Permanente das fazendas. Os iniciadores que amplificam as regiões de microssatélites para S. lycocarpum foram utilizados do gênero Capsicum, ambos Solanaceae, perfazendo um total de 206 iniciadores. Destes, 17 geraram fragmentos em S. lycocarpum, ou seja, 8,29% de transferência. Dos 17 locus que amplificaram em S. lycocarpum, doze pares foram selecionados para síntese de iniciadores que apresentaram fragmentos mais consistentes e indícios de polimorfismo. Os indivíduos coletados nesse trabalho foram estudados com seis locus de microssatélites nucleares, sendo observados 30 alelos. O polimorfismo foi muito reduzido, para a maioria dos locus, sendo que apenas em um locus apresentou número elevado de alelos (17), como esperado para marcadores microssatélites.
Mostrar mais

106 Ler mais

A Subtribo Oncidiinae Benth. (Orchidaceae Juss.) no Distrito Federal, Brasil

A Subtribo Oncidiinae Benth. (Orchidaceae Juss.) no Distrito Federal, Brasil

Orchids belong to one of the largest and most diverse families of flowering plants in the world. The subtribe Oncidiinae Benth. (Cymbidieae, Epidendroideae) is the second largest orchid subtribe of the Americas. According to the brazilian species link “Flora do Brasil” the representativity of the subtribe in Distrito Federal is of 15 genera and 19 species. The objective of this study was to develop a taxonomic treatment of the subtribe for "Flora do Distrito Federal, Brasil." Field trips were made during the flowering season, and also the cultivation of vegetative plants. The herbaria BHCB, CEN, HEPH, IBGE, and UB were consulted, the latter being the institution chosen for deposit of the new collections. Morphological analysis of all the material (116 samples) was made and it was registered a new occurrence of species and genus to Distrito Federal with Cohniella jonesiana (Rchb.f.) Christenson and Trichopilia brasiliensis Cong. The occurrence of Coppensia bifolia (Sims) Dumort was suppressed due to a misidentified sample. Notylia hemitricha Barb.Rodr. and Rodriguezia brachystachys Rchb.f. & Warm. were also suppressed because there is no sample or collection in herbaria that morphologically fits the description of the species and the herbarium HB citing the sample is closed. With this study, the list of genera and species of Oncidiinae Benth. occurring in Distrito Federal was corrected to 15 genera and 18 species, namely: Alatiglossum fuscopetalum (Hoehne) Baptista, Alatiglossum macropetalum (Lindl.) Baptista, Aspasia variegata Lindl., Cohniella cepula (Hoffmanns.) Carnevali & G. Romero, Cohniella jonesiana (Rchb.f.) Christenson, Comparettia coccinea Lindl., Coppensia hydrophila (Barb.Rodr.) Campacci, Coppensia varicosa (Lindl.) Campacci, Ionopsis utricularoides (Sw.) Lindl., Lockhartia goyazensis Rchb.f., Lophiaris pumila (Lindl.) Braem, Macroclinium wullschlaegelium Focke, Notylia lyrata S.Moore, Plectrophora edwallii Cogn., Rodriguezia decora (Lem.) Rchb.f., Sanderella discolor (Barb.Rodr.) Cogn., Trichocentrum albococcineum Lindl., e Trichopilia brasiliensis Cong. All genera and species have been described, and identification keys and illustrations for the genera and species were elaborated. We conclude that some species of Oncidiinae occurring in Distrito Federal have wide distribution while others show locally rare and require intense effort collection for registration.
Mostrar mais

92 Ler mais

Ecologia do Cerrado Arenícola do Jalapão, Estado de Tocantins

Ecologia do Cerrado Arenícola do Jalapão, Estado de Tocantins

Em solos extremamente pobres, como os encontrados no Jalapão, pequenas diferenças tanto químicas como físicas provocam diferenças na distribuição das espécies individualizando cada área estudada. Esse resultado se alinha a teoria de nichos, segundo o qual as espécies possuem preferências por habitats distintos, favorecendo sua coexistência (HUTCHINSON, 1957). Num outro enfoque a teoria neutra de Hubbell (1979), afirma que as espécies são igualmente competitivas e que a composição florística seria atribuída ao acaso e não a heterogeneidade ambiental. Essas duas teorias podem ser complementares, pois numa mesma área as duas teorias não são aplicáveis para todas as espécies. Algumas espécies, por exemplo, com alto poder de dispersão e elevado número de indivíduos, como Vellozia glauca, que apresentaram um dos maiores valores de importância, ocorreram somente nas encostas. Outro exemplo são as espécies de Mytaceae e Vochysiaceae que só ocorreram nas áreas de topo. Por outro lado Hirtela ciliata possui boa representatividade em todas as áreas.
Mostrar mais

92 Ler mais

Novos registros de moscas ectoparasitas (Diptera, Streblidae e Nycteribiidae) de morcegos (Mammalia, Chiroptera) em áreas de transição cerrado-floresta estacional no Mato Grosso do Sul, Brasil.

Novos registros de moscas ectoparasitas (Diptera, Streblidae e Nycteribiidae) de morcegos (Mammalia, Chiroptera) em áreas de transição cerrado-floresta estacional no Mato Grosso do Sul, Brasil.

No Brasil, atualmente são conhecidas 68 espécies de moscas da família Streblidae e 24 de Nycteribiidae. No entanto, os registros estão concentrados principalmente nas regiões Sudeste e Sul (Graciolli et al., no prelo). Levantamentos de moscas ectoparasitas de morcegos fo- ram realizados em áreas de cerrado do Distrito Federal (Coimbra Jr. et al. 1984, Graciolli & Coelho 2001, Graciolli & Aguiar 2002) e no estado de Minas Gerais (Komeno & Linhares 1999), totalizando 27 espécies de Streblidae e três de Nycteribiidae. Até o presente, não existem informações sobre a ocorrência de moscas ectoparasitas de morcegos e de seus hospedeiros no Mato Grosso do Sul.
Mostrar mais

4 Ler mais

Repositório Institucional da UFPA: A comunidade de Curculionidae (Coleoptera) de inflorescências da palmeira Euterpe longebracteata Barb. Rodr. em uma área de transição Amazônia-Cerrado, Mato Grosso, Brasil

Repositório Institucional da UFPA: A comunidade de Curculionidae (Coleoptera) de inflorescências da palmeira Euterpe longebracteata Barb. Rodr. em uma área de transição Amazônia-Cerrado, Mato Grosso, Brasil

The research was done with the community Curculionidae inflorescences of the palm Euterpe longebracteata in riparian areas (PPAs), degraded and preserved, in Tanguro Farm, Mato Grosso, Brazil, aiming to provide inputs on policy management and recovery areas. The weevils represented the most important component of the fauna associated with the inflorescences of the E. longebracteata, with 23 species richness, frequency of 97% in the samples and abundance of 10,000 (or 90% of total abundance). Species Phyllotrox sp. 18, Phyllotrox sp. 19, Erirhininae gen.n.Asp.1 , Erirhininae gen.n.Esp.1 and Bondariella sp. 3 accounted for more than 98% of abundance, were found to be dominant in the inflorescences of E. longebracteata and therefore specifically related to the palm and can act as effective pollinators species of the E. longebracteata in the area. Despite the differences between PPAs preserved and degraded populations of E. longebracteata and species composition of Curculionidae were not correlated with the level of degradation of PPAs. The wealth of Curculionidae also not correlated with canopy cover, distance to the edge of the sample, size of inflorescences and number of flowers per inflorescence of E. longebracteata. The influence of collection period on the abundance of most dominant species was regarded as indicative of population dynamics and ecological succession. While Phyllotrox sp. 19, seems to present a pattern of aggregate distribution. Species Phyllotrox sp.18 and Erirhininae gen. No The sp. 1 were considered as having plenty more sensitive to degradation of PPAs. The palm E. longebracteata has potential use in the recovery of degraded areas of Tanguro farm because their populations and species of Curculionidae likely pollinators showed tolerance to the observed degradation.
Mostrar mais

98 Ler mais

A cobertura de rochas é boa preditora da variação na riqueza de espécies e na estrutura da vegetação arbustivo-arbórea em áreas de Cerrado Rupestre?

A cobertura de rochas é boa preditora da variação na riqueza de espécies e na estrutura da vegetação arbustivo-arbórea em áreas de Cerrado Rupestre?

RESUMO: (A cobertura de rochas é boa preditora da variação na riqueza de espécies e na estrutura da vegetação arbustivo- arbórea em áreas de Cerrado Rupestre?). Afloramentos rochosos em ambientes rupestres são apontados como limitantes para o estabelecimento de plantas. Neste estudo, testamos se a cobertura de rochas está associada às variações na riqueza de espécies e na densidade, altura e diâmetro das plantas arbustivo-arbóreas em seis sítios de Cerrado Rupestre no Brasil Central. Em cada sítio nós amostramos a vegetação e estimamos visualmente a cobertura de rochas em 10 parcelas de 20×50 m, divididas em subparcelas de 10×10 m. Analisamos a associação entre a cobertura rochosa e os parâmetros da vegetação mediante correlação de Spearman. Número de indivíduos e altura média das plantas foram negativamente associados com a cobertura de rochas, mas essas associações foram fracas (rs ~ -0,1). Riqueza de espécies e diâmetro médio dos indivíduos não foram associados com a cobertura de rochas. Concluímos que a cobertura de rochas não é boa preditora de variações na riqueza de espécies e na estrutura da vegetação arbustivo-arbórea em áreas de Cerrado Rupestre no Brasil Central.
Mostrar mais

5 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados