Top PDF Fogo e dinâmica da comunidade lenhosa em cerrado sentido restrito, Barra do Garças, Mato Grosso.

Fogo e dinâmica da comunidade lenhosa em cerrado sentido restrito, Barra do Garças, Mato Grosso.

Fogo e dinâmica da comunidade lenhosa em cerrado sentido restrito, Barra do Garças, Mato Grosso.

menor o valor mais dinâmica é a comunidade; e estabilidade (E = |t½-t 2 |), que pressupõe maior instabilidade quanto maior a diferença entre meia-vida e tempo de duplicação, ou seja, menores valores de E indicam uma comunidade mais estável, conforme proposto por Korning & Balslev (1994). Para avaliar as tendências de mudanças estruturais na comunidade lenhosa sob diferentes frequências de queima- das, foi utilizado o teste t pareado para comparar a densi- dade, área basal e altura média entre T1 e T3 nas Áreas 1 e 2. Além disso, para verifi car se a distribuição de indivíduos vivos em classes de tamanho (diâmetro e altura) diferiu entre T1 e T3, foi aplicado o teste de Kolmogorov-Smirnov (Zar 2009). Para defi nição dos intervalos, de classes de diâmetro e altura utilizou-se a seguinte fórmula: I = A/K, onde I é o incremento entre classes ou intervalo, A representa a am- plitude dos valores e K indica uma constante defi nida pelo algoritmo de Sturges, que consiste em: 1+3,3 x log 10 n, onde, n é o número total de indivíduos amostrados (Siegel 1975).. Foram utilizados estimadores não paramétricos de riqueza (Jackknife e Chao de segunda ordem) para testar a hipótese de diminuição da riqueza e diversidade com a ocor- rência de queimadas. As estimativas foram feitas o programa EstimateS 7.5 considerando 100 reamostragens aleatórias dos dados (Colwell 2005). O Jackknife2 é um dos estimadores menos infl uenciados pelo tamanho amostral (Colwell & Co- ddington 1994) enquanto o Chao2 é pouco infl uenciado pelo grau de agregação espacial das espécies nas amostras (Chao 1987). Além disso, foram calculados os índices de Shannon- Wiener (H’) e equabilidade de Pielou (J) (Magurram 1988). A diversidade (H’) foi comparada entre os levantamentos (T1 e T3) através do teste t (Hutcheson 1970).
Mostrar mais

15 Ler mais

Dinâmica da comunidade lenhosa de um Cerrado Típico na região Nordeste do Estado de Mato Grosso, Brasil.

Dinâmica da comunidade lenhosa de um Cerrado Típico na região Nordeste do Estado de Mato Grosso, Brasil.

Em resposta ao desbalanceamento positivo entre as taxas anuais médias de mortalidade e recrutamento, o tempo de meia vida superou o tempo de duplicação, tanto para a comunidade quanto para a maioria das espécies avaliadas, constituindo um padrão de mudanças positivas no período. A comunidade estudada apresentou elevada reposição e estabilidade, mantendo a riqueza e a estrutura da comunidade no período de estudo e indicando equilíbrio dinâmico em relação à recomposição, como também sugerido por Aquino et al. (2007b) para um Cerrado sentido restrito. Neste caso, tais padrões podem estar relacionados à ausência de fogo no período estudado, o que estaria ocasionando reduzida mortalidade e elevado estabelecimento de novos indivíduos. Estes resultados sugerem que a comunidade estudada está apresentando boa resiliência aos distúrbios causados pela entrada de fogo em períodos anteriores (2001), pois as mudanças foram positivas no período subsequente (2002 a 2006).
Mostrar mais

10 Ler mais

Fenologia de uma comunidade arbórea em cerrado sentido restrito, Barra do Garças, MT, Brasil.

Fenologia de uma comunidade arbórea em cerrado sentido restrito, Barra do Garças, MT, Brasil.

Este trabalho descreve, pela primeira vez, a fenologia das folhas, fl ores e frutos de uma área de cerrado no estado de Mato Grosso. As seguintes perguntas nortearam esse estudo: 1) Quais são as estratégias fenológicas vegetativas e o padrão de freqüência de fl orescimento e frutifi cação das espécies estudadas? 2) Quais são as variáveis abióticas com maior potencial para desencadear as diferentes fenofases? 3) As diferentes fenofases apresentam ritmos sazonais? Para responder essas perguntas analisamos o comportamen- to fenológico vegetativo e reprodutivo das espécies arbó- reas presentes na comunidade de cerrado sentido restrito no Parque Estadual da Serra Azul, procurando relacionar as variações nas fenofases com variáveis abióticas (preci- pitação pluviométrica, temperatura e fotoperíodo). Como no cerrado há forte sazonalidade climática, esperamos encontrar predomínio de variações fenológicas sazonais na vegetação estudada. Em função das variações hídricas impostas pela sazonalidade no cerrado, esperamos ainda encontrar maiores proporções de espécies com estratégia fenológicas vegetativas decíduas e brevidecíduas do que espécies sempre-verdes. Finalmente esperamos encontrar que espécies com dispersão por vetores abióticos apresen- tem fenologia com maior correlação com variáveis abióti- cas e maior concentração nos períodos mais favoráveis à dispersão. Por outro lado, para as espécies cuja dispersão é realizada por agentes bióticos, esperamos menor relação com variáveis abióticas e um padrão de fl oração e frutifi - cação mais contínuo ao longo do ano, permitindo a oferta constante de recursos para polinizadores e frugívoros.
Mostrar mais

14 Ler mais

Epidemiol. Serv. Saúde  vol.26 número2

Epidemiol. Serv. Saúde vol.26 número2

Objetivo: analisar a tendência da cobertura do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc) no estado de Mato Grosso e suas Regiões de Saúde, no período de 2000 a 2012. Métodos: estudo de séries temporais, a cobertura foi calculada pela razão entre o número de nascidos vivos fornecido pelo sistema e o estimado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); as tendências foram analisadas utilizando-se modelos de regressão polinomial. Resultados: a cobertura do Sinasc em Mato Grosso, no período estudado, apresentou-se crescente, com uma mediana de 94,9%; a região de Araguaia Xingu apresentou cobertura inferior a 90% durante todo o período; a maioria das regiões apresentou tendências de coberturas crescentes, excetuando-se a Baixada Cuiabana, Centro Norte e Vale do Peixoto. Conclusão: a cobertura do Sinasc em Mato Grosso foi satisfatória e crescente na maioria das Regiões de Saúde.
Mostrar mais

10 Ler mais

Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

As informações da Tabela 4.5 detalham o número de espécies da flora e da fauna ameaçadas de extinção por grupos taxonômicos. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o Cerrado apresenta maior baixa nas espécies de aves. A Tabela 4.6 dispõe a área total dos biomas brasileiros por tipo de uso. Segundo o MMA, em 2011 apenas 2,3% da área do cerrado estava protegida integralmente. A Tabela 4.7 apresenta a distribuição da área das unidades de conservação de proteção integral terrestre federal, segundo os biomas. Destaca-se o Cerrado, cuja área corresponde a 46.412 km2.
Mostrar mais

18 Ler mais

FOGO NO MATO, PERIGO DE FATO? PONDERAÇÕES COMUNITÁRIAS SOBRE O USO DO FOGO NO CERRADO MATO-GROSSENSE

FOGO NO MATO, PERIGO DE FATO? PONDERAÇÕES COMUNITÁRIAS SOBRE O USO DO FOGO NO CERRADO MATO-GROSSENSE

Com o falecimento das/os devotas/os mais antigas/os, as tradições das festas acabam se perdendo, como a ausência das danças típicas regionais, a venda de grande parte das refeições, a minimização da importância da reza ao santo padroeiro e outras modificações apontadas como desarticuladoras deste momento coletivo, que muitas vezes sobrepõe o lucro ao comprometimento da promessa herdada no seio familiar. As novas gerações parecem ter perdido o vínculo com a religiosidade que movimenta os rituais festivos e a natureza local, por sua vez também prejudicada pelas ações da devastação ambiental, não mais oferece o mesmo ciclo da vida, que orientava os plantios, as colheitas e as chuvas, responsáveis pelo cultivo natural dos alimentos. Neste sentido, é perceptível que a utilização de algumas festas de santo para arrecadar dinheiro reflete as poucas alternativas de geração de renda deste povo [...] (SOARES, 2018, p. 114-115).
Mostrar mais

14 Ler mais

Diversidade beta na vegetação da bacia do Rio Paracatu - MG

Diversidade beta na vegetação da bacia do Rio Paracatu - MG

Abstract– The Cerrado includes high species richness, endemism and spatial heterogeneity. In order to protect this biome it is necessary to know its floristic and structural peculiarities. Therefore, the aim of this work was to examine richness, alpha and beta diversity of four vegetation communities along the Paracatu river basin (15°30’/19°30’S and 45°10’/47°30’W), in Paracatu-MG, Brazil. The cerrado stricto sensu, cerradão (Savanna Woodland), dry forest and riparian forest were sampled according to the monitoring permanent plots manual for Cerrado and Pantanal Biomes. Alpha diversity was evaluated using Simpson index (Ds') and Shannon & Wiener (H’) diversity index. Beta diversity was assessed using Jaccard and Sørensen similarity index. The cerradão (savanna woodland) included the highest number of species, 106, and the higher alpha diversity, 3.83 nats.ind -1 . The cerrado strictu sensu showed the lowest richness, 54 species, and alpha diversity, 2.65 nats.ind -1 . Comparisons among communities showed low Jaccard and Sørensen similarity indices and pointed out the regional high Beta diversity, except for the cerrado strictu sensu x cerradão (Savanna Woodland) comparison.
Mostrar mais

112 Ler mais

Mudanças florísticas e estruturais no cerrado sensu stricto ao longo de 27 anos (1985-2012) na Fazenda Água Limpa, Brasília, DF.

Mudanças florísticas e estruturais no cerrado sensu stricto ao longo de 27 anos (1985-2012) na Fazenda Água Limpa, Brasília, DF.

No Brasil, estudos com parcelas permanentes buscando este conhecimento vêm sendo conduzidos em áreas de cerrado sensu stricto (Felfili et al. 2000; Aquino et al. 2007; Roitman et al. 2007), matas de galeria (Felfili 1993; Felfili 1995; Schiavini et al. 2001; Lopes & Schiavini 2007) e florestas estacionais (Aquino et al. 1999; Carvalho & Felfili 2011; Werneck & Franceschinelli 2004; Paiva et al. 2007). A compreensão da dinâmica geralmente depende do monitoramento de fatores abióticos, como o clima e distúrbios, que podem direcionar a sucessão das comunidades. O fogo pode alterar a estrutura, a composição florística e o recrutamento de plantas (Woods 1989), causando diminuição na densidade de árvores (Medeiros & Miranda 2005) e podendo levar à extinção local de algumas espécies sensíveis, levando a uma progressiva simplificação da composição florística e da estrutura da comunidade ao longo do tempo (Libano & Felfili 2006). Alguns autores descrevem o cerrado sensu stricto como uma comunidade em não equilíbrio, mantida pelos eventos periódicos de queima. Assim, em longo prazo, a supressão do fogo nessa vegetação poderia conduzir a um clímax de maior biomassa, como o cerradão, com cobertura de dossel variando de 50 a 90% e geralmente com árvores de 8 a 12 metros de altura (Lund 1843). Padrão semelhante foi relatado em savanas africanas úmidas, em que, uma vez estabelecidas, são frequentemente mantidas pelo fogo (Backéus 1992).
Mostrar mais

19 Ler mais

Florística e estrutura da comunidade arbórea de duas áreas de Cerrado Sentido Restrito no norte de Minas Gerais.

Florística e estrutura da comunidade arbórea de duas áreas de Cerrado Sentido Restrito no norte de Minas Gerais.

A área de estudo compreende dois ambientes de Cerrado Sentido Restrito localizadas na Área de Preservação da Usina Hidrelétrica de Santa Marta (S 16º 37’ 44’’ e W 43º 18’ 21’’) da Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG), em Grão Mogol, norte de Minas Gerais (Figura 1). Fisionomicamente, a região está incluída na transição entre os domínios do Cerrado e da Caatinga (RIZZINI, 1997), apresentando como principais fitofisionomias Cerrado Sentido Restrito, mata ciliar e campos rupestres. O clima da região é do tipo semiárido, com estações secas e chuvosas bem definidas. A temperatura média anual varia entre 21º a 24º C e a precipitação média varia de 900 a 1200 mm, com chuvas concentradas principalmente nos meses de novembro a janeiro (Instituto Nacional de Meteorologia - INMET, 2008). Quanto ao tipo de solo, predominam os latossolos, embora também ocorram solos podzólicos com textura média ou arenosa (NAIME, 1994).
Mostrar mais

15 Ler mais

Estrutura e composição florística da vegetação lenhosa em cerrado rupestre na transição Cerrado-Floresta Amazônica, Mato Grosso, Brasil.

Estrutura e composição florística da vegetação lenhosa em cerrado rupestre na transição Cerrado-Floresta Amazônica, Mato Grosso, Brasil.

Os processos de ocupação e exploração do Cerrado em vários estados brasileiros deixaram a cobertura vegetal primitiva reduzida a pequenos remanescentes, comprometendo a integridade da fauna e flora presentes no bioma (Klink & Machado 2005, Silva et al. 2006). Muitas vezes, as áreas de cerrado rupestre não são utilizadas pela agricultura intensiva, por serem normalmente de difícil acesso, pois estão associados a afloramentos rochosos (Ribeiro & Walter 2008). Essas áreas podem, dessa forma, representar importantes refúgios para a flora e a fauna do Cerrado, frente ao acelerado processo de ocupação humana. A área do presente estudo localiza-se na transição entre os biomas Cerrado e Floresta Amazônica na região abrangida pelo “arco do desmatamento”, que tem levado a uma redução drástica de sua área de cobertura vegetal original (Nogueira et al. 2008).
Mostrar mais

9 Ler mais

Estrutura e composição florística da vegetação lenhosa em cerrado rupestre na transição Cerrado-Floresta Amazônica, Mato Grosso, Brasil

Estrutura e composição florística da vegetação lenhosa em cerrado rupestre na transição Cerrado-Floresta Amazônica, Mato Grosso, Brasil

O estudo foi desenvolvido em uma área de cerrado rupestre situada no Parque Municipal do Bacaba (CRPB) (14º 41’ S e 52º 20’ W) no município de Nova Xavantina, leste de Mato Grosso, na região de transição entre os biomas Cerrado e Floresta Amazônica. A região é caracterizada pelo domínio de fisionomias savânicas e florestais típicas do bioma Cerrado e ainda formações florestais pré- amazônicas (Marimon et al. 1998, Felfili et al. 2002, Marimon et al. 2006). Os solos da região foram caracterizados como Latossolo Vermelho-Amarelo Distrófico, de textura média, bem drenado e com relevo plano (Prodeagro 1995). O clima é do tipo Aw, de acordo com a classificação de Köppen (Camargo 1963), sendo o período seco de maio a setembro e o chuvoso de novembro a março. O Parque do Bacaba apresenta uma área de aproximadamente 500 ha, onde a vegetação predominante é de cerrado sentido restrito, apresentando contato com áreas de cerradão e floresta (Marimon Jr. & Haridasan 2005). O cerrado rupestre ocupa cerca de 6% da área do Parque do Bacaba se desenvolvendo entre 340 e 400 m de altitude sobre cristas de serra estreitas e alongadas, de terreno acidentado e com intenso afloramento rochoso de quartzito (Abad & Marimon 2008) ou Neossolo Litólico.
Mostrar mais

10 Ler mais

O CERRADÃO E O CERRADO SENTIDO RESTRITO NO JARDIM BOTÂNICO DE BRASÍLIA

O CERRADÃO E O CERRADO SENTIDO RESTRITO NO JARDIM BOTÂNICO DE BRASÍLIA

The Cerrado in central Brazil stands out for its high diversity in species and ranks among the richest savanna in the world. Wide variety of vegetation coexists and mixes, even in similar edaphic conditions. Brasilia’s Botanic Garden (JBB) is a unit of nature conservation which houses the most diverse vegetation types, being considered an important area for research on the biodiversity of the Cerrado. The purpose of this work was to compare the floristic, the structure of woody vegetation and the chemical and physical properties of the soil of cerradão (Cr) and of dense cerrado strict sensu (Cd), located at the Brasilia Botanic Garden’s visitor center (DF) protected from fire for over twenty years. Ten permanent plots were installed at the Cr and Cd of 20x50 m (1.000 m²). All individuals with base diameter were registered, identified and measured, as for height and diameter, measured at 30 cm of soil, (Db30 cm) e” 5 cm, including standing dead individuals. Composed samples were collected from the surface soil layer (0-20 cm deep) of each plot. Chemical and physical analyzes were performed. PCA and TWISNPAN classification related analysis were carried out in order to establish the relationships among tree species sampled with 5 or more individuals and statistically distinct soil properties. In multivariate analyzes included all species shown. Cr/Cd floristic comparison showed 40/32 families, 14/3 exclusive families, 71/48 genera, 99/68 species. A total of 43 species were shared by the communities, among them only Emmotum nitens and Copaifera langsdorffii are considered forest species, the rest is commonly found in areas of cerrado strictu sensu. This result set the low values found for the similarity indices of Sorensen and Chao-Sorensen respectively varying between 0,06/0,47 and 0,03/0,50. The most representative families were Fabaceae, Vochysiaceae and Myrtaceae in both areas. The species with the highest IVI in Cr/Cd were Emmotum nitens/Dalbergia miscolobium, Siphoneugena densiflora/Miconia burchellii, Nectandra reticulate/Poliouratea hexasperma, Miconia cuspidata/Miconia ferruginata e Xylopia sericea/Qualea parviflora, IVI totaling in 29,9 Cr and 28,3% Cd. The (H’) diversity and (J’) equability were, respectively, for Cr/Cd of 3,55/3,43 and 0,76/0,81. In structure, the Cr/Cd differences were noted with a total estimated density in 2.412/2.193 ind.ha- -1 , basal area of 27,92/15,98 m².ha -1 , 6,6±2,10/3,9±2,7 (m) medium
Mostrar mais

80 Ler mais

EFEITO DO FOGO NA COMUNIDADE BENTÔNICA DE UM CÓRREGO DE CERRADO

EFEITO DO FOGO NA COMUNIDADE BENTÔNICA DE UM CÓRREGO DE CERRADO

Dentre os organismos aquáticos que podem ser influenciados por modificações resultantes do fogo estão os macroinvertebrados bentônicos. Esses organismos habitam o fundo de ecossistemas aquáticos durante pelo menos parte de seu ciclo de vida e estão associados aos mais diversos tipos de substratos, sejam eles orgânicos (folhiço, macrófitas aquáticas) ou inorgânicos (cascalho, areia, rochas, etc.) (ROSENBERG; RESH, 1993; HAUER; RESH 1996). Além disso, participam da ciclagem de nutrientes, reduzindo o tamanho de partículas orgânicas, facilitando a ação de microorganismos decompositores e transportando matéria orgânica ao longo da corrente. Sendo assim, constituem elementos importantes na composição de teias tróficas lênticas (brejos, lagos, rios) e lóticas (rios e riachos) (CALLISTO; ESTEVES, 1995; WHILES; WALLACE, 1997; ESTEVES, 1998).
Mostrar mais

34 Ler mais

COMPOSIÇÃO E DIVERSIDADE NO CERRADO DO LESTE DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL.

COMPOSIÇÃO E DIVERSIDADE NO CERRADO DO LESTE DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL.

A área de estudo pertence à Bacia do Alto Rio Paraná, Municípios de Três Lagoas, Brasilândia e Selvíria, Leste de Mato Grosso do Sul. O clima é Tropical Quente Úmido, e os solos têm baixa disponibilidade de nutrientes e altos teores de alumínio (IBGE, 1997). Predominam os Latossolos Vermelho-Escuros Distróficos, que se desenvolvem sobre a Formação Marília, entre as cotas altitudinais de 270 e 400 m (MERCADANTE, 1994). Dados pluviométricos de um município vizinho (Castilho, SP) indicaram precipitação anual média de 1.240 mm, com estação seca entre junho e agosto. Segundo Ratter et al. (1997; 2003), a vegetação pertence à região florística Centro-Oeste do Cerrado, estando relativamente próxima ao contato com as florestas estacionais do Estado de São Paulo. A paisagem local caracteriza-se por fragmentos pequenos e geralmente alterados em uma paisagem dominada pela agropecuária e plantios de eucalipto (PAGOTTO; SOUZA, 2006).
Mostrar mais

16 Ler mais

Comportamento fenológico de espécies lenhosas em um cerrado sentido restrito de Brasília, DF.

Comportamento fenológico de espécies lenhosas em um cerrado sentido restrito de Brasília, DF.

ABSTRACT – (Phenological behavior of woody species in a “cerrado” sensu stricto of Brasília, DF). In this study we followed the phenology of 19 woody species of a cerrado sensu stricto in the IBGE Ecological Reserve (15º55’06”-15º57’57” S and 47º51’22”-47º54’07” W), in Brasília, Federal District, Brazil. Phenological observations were made every fortnight between August 2000 and October 2003. The vegetation studied is a seasonal semi-deciduous wood savanna, where a hot wet season (from October through to April) is followed by a cool dry season (from May through to September). Vegetation canopy is reduced during the dry season and foliage cover reaches a minimum of 50% at the end of the dry season. Even though new leaves and flowers appear along the year, their production is intensified during the transition between the dry and wet seasons. According to the vegetative phenology, four groups were identified: four evergreen species with continuous growth, five evergreen species with seasonal growth, eight brevideciduous species and two deciduous species. The evergreen species with continuous growth produced leaves along the wet season, while the remaining groups produced leaves more intensely at the end of the dry season. Fruit maturation of autochoric and anemochoric species occurred within the dry season; zoochoric species dispersed seeds mainly during the wet season. Soil water availability seemed not to have restricted leaf production and reproduction of most species since the peak of flushing and blooming was at the end of the dry season. However, endogenous factors such as leaf longevity and internal water balance, as well as exogenous factors such as evaporative demand and irradiation seem to influence the phenological patterns observed in this vegetation.
Mostrar mais

12 Ler mais

Estabilidade e adaptabilidade do algodoeiro herbáceo no Cerrado do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Estabilidade e adaptabilidade do algodoeiro herbáceo no Cerrado do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Resumo – O objetivo deste trabalho foi analisar a estabilidade e a adaptabilidade, e agrupar ambientes de culti- vo, com dados de produtividade de oito genótipos do algodoeiro, avaliados em 16 ambientes localizados no Cerrado de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, na safra 1998/1999. O delineamento utilizado foi em quadrado latino 8x8. As análises individual e conjunta foram realizadas, considerando-se os efeitos de genótipos e ambien- tes fixos. Os parâmetros foram avaliados pelo método da ecovalência e pelo modelo AMMI. A linhagem CNPA 94773 foi a mais estável e adaptada às condições ambientais. Houve adaptabilidade específica e interação positiva de genótipos a grupos de ambientes: ITA 90 (Campo Novo dos Parecis, Chapadão do Sul, Sorriso, Itiquira e Sapezal); ITA 96, FMT Fetagri e FMT Saturno (Rondonópolis e Pedra Preta); BRS 197 (Nova Mutum, Primavera do Leste e Campo Verde); BRS FACUAL (Quatro Marcos e Campo Verde); CNPA 94773 (Ponta Porã, Sapezal, Alto Taquari e Lucas do Rio Verde) e BRS Antares (Ponta Porã, Alto Taquari e Lucas do Rio Verde). Termos para indexação: Gossypium hirsutum, interação GxE, ecovalência, AMMI.
Mostrar mais

7 Ler mais

Fenologia e escalonamento da produção do abacaxizeiro 'Smooth Cayenne' no cerrado de Mato Grosso.

Fenologia e escalonamento da produção do abacaxizeiro 'Smooth Cayenne' no cerrado de Mato Grosso.

Abstract – The objective of this work was to evaluate the effects of planting dates and of floral induction age  on phenology, harvest period, and production scheduling of 'Smooth Cayenne' pineapple, in the Cerrado of the state of Mato Grosso, Brazil. The experiment was carried out at Tangará do Serra, MT, from november 2005 to september 2008. Six planting dates – January, March, May, July, September, November –, and five ages of  floral induction – 8, 10, 12, 14, 16 months after planting –, in addition to natural flowering, were tested. The  analyzed variables were: periods from floral induction to flowering, flowering to harvest, induction to harvest,  and from planting to harvest; mass of fruit with crown and crown mass; and D leaf length. There was no interaction between planting dates and floral induction periods. Floral induction held in May and July, period  with low temperatures and precipitation, promoted the elongation of plant cycle and lowered fruit mass and D leaf length. The induction held in September and November led to the harvest in seasons with favorable prices, regardless of the planting month, with no interference in fruit mass.
Mostrar mais

6 Ler mais

Efeito do capim-gordura (Melinis minutiflora) sobre a dinâmica de nitrogênio em fragmento de Cerrado sentido restrito circundado por matriz agrícola

Efeito do capim-gordura (Melinis minutiflora) sobre a dinâmica de nitrogênio em fragmento de Cerrado sentido restrito circundado por matriz agrícola

O capim-gordura é conhecido como uma das principais espécies invasoras do Cerrado (FILGUEIRAS, 1990; PIVELLO et al., 1999 a; MARTINS et al., 2004) e pode alterar a biomassa da área que invade. Segundo MARTINS et al. (2004) ele é capaz de formar uma grande biomassa quando comparada as espécies nativas de cerrado. Rossi et al. (2009) constataram que em área de cerrado campestre o capim-gordura aumentou a biomassa total do local em até 2,4 vezes e foi responsável por uma redução significativa na biomassa da vegetação campestre nativa. Entretanto ao comparar Melinis minutiflora e Echinolaena inflexa, gramínea nativa de cerrado, em uma unidade de conservação, Souza et al. (2010) encontraram valores semelhantes de biomassa produzida anualmente entre as duas espécies, apresentando diferença apenas na área de borda da reserva, principalmente nos meses de janeiro e julho onde capim-gordura apresentou um pico de produção, o que foi associado a seu comportamento reprodutivo. Ao alterar o teor de biomassa de um ambiente pode-se gerar, em contrapartida, alterações na disponibilidade de nutrientes do local, já que a decomposição da serapilheira da vegetação possui papel fundamental na disponibilidade de nutrientes no solo (SWIFT et al.,1999).
Mostrar mais

82 Ler mais

UM ESTUDO SOBRE A GESTÃO DA HORA ATIVIDADE DO PROFESSOR NAS ESCOLAS TÉCNICAS ESTADUAIS DE MATO GROSSO – SECITEC – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

UM ESTUDO SOBRE A GESTÃO DA HORA ATIVIDADE DO PROFESSOR NAS ESCOLAS TÉCNICAS ESTADUAIS DE MATO GROSSO – SECITEC – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Já a outra matriz a ser preenchida pelo professor é referente ao plano de trabalho docente, que deverá ser elaborado ao início de cada semestre em conjunto com a coordenação pedagógica, com as seguintes informações: dia da semana/horário disponível para atendimento de aluno (1 hora/período que ministra aulas); as possíveis orientações de TCC e estágio; as possíveis atribuições de aulas (curso/competência/habilidade), com a respectiva carga horária; as possíveis visitas/verificações de locais para a realização de aulas de campo, práticas e visitas técnicas; as intenções de capacitação profissional e as necessidades acerca da formação pedagógica para a prática docente; possibilidades de projetos de pesquisa, apresentação de trabalhos científicos e ainda, necessidades de elaboração de planos de curso; envolvimento em um dos eventos fixos da escola (Semana de Mato Grosso, Semana de Meio Ambiente e Semana de Ciência e Tecnologia).
Mostrar mais

153 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados