Top PDF Distribuição de Panstrongylus megistus (Hemiptera, Reduviidae, Triatominae) no estado do Maranhão, Brasil.

Distribuição de Panstrongylus megistus (Hemiptera, Reduviidae, Triatominae) no estado do Maranhão, Brasil.

Distribuição de Panstrongylus megistus (Hemiptera, Reduviidae, Triatominae) no estado do Maranhão, Brasil.

Enquanto isso, os municípios mais infestados são, justamente, aqueles situados a sudeste do Estado, limítrofes com o Estado do Piauí.. Infelizmente foram poucos os registros de espéc[r]

7 Ler mais

Distribuição das espécies do gênero Anopheles (Diptera, Culicidae) no Estado do Maranhão, Brasil.

Distribuição das espécies do gênero Anopheles (Diptera, Culicidae) no Estado do Maranhão, Brasil.

Estudou-se a distribuição e diversidade de espécies de Anopheles em 123 municípios do Estado do Mara- nhão, Brasil. O método básico foi a captura de fêmeas dentro e nos arredores das habitações humanas, em intervalos compreendidos entre 18h e 6h, no período de janeiro de 1992 a dezembro de 2001. Foram cap- turados 84.467 exemplares distribuídos em 24 espé- cies, com o predomínio de A. triannulatus sensu lato (20.788), A. darlingi (19.083), A. nuneztovari (16.884), A. albitarsis s.l. (14.352), A. aquasalis (8.202) e A. evan- sae (2.885). As outras 18 espécies juntas representaram apenas 2,7%. As espécies encontradas no maior núme- ro de municípios foram: A. albitarsis s.l. (109 muni- cípios), A. triannulatus s.l. (106), A. nuneztovari (93), A. darlingi (87) e A. evansae (64). A riqueza e a ampla distribuição das espécies de anofelinos no Maranhão concordam com a posição geográfica do estado, entre as macrorregiões que caracterizam o Brasil, resultando em uma fauna mista, com elementos representativos dessas regiões.
Mostrar mais

13 Ler mais

Distribuição de Lutzomyia whitmani em fitorregiões do estado do Maranhão, Brasil.

Distribuição de Lutzomyia whitmani em fitorregiões do estado do Maranhão, Brasil.

A fl oresta estacional perenifólia aberta de origem amazô- nica primitivamente estende-se a leste e mistura-se com o cocal e cerrado, nos interfl úvios dos rios Itapecuru e Parnaíba, onde o clima é mais xérico. Antes do intensivo processo de desmatamento, a fl oresta original pode ter servido para formar um corredor para a dispersão de populações do vetor no sentido oeste-leste e, nesse caso, não excluiria a possibilidade de L. (N.) whitmani s.l. transmitir também a L. shawi na região nordestina do estado, fronteiriça com o Piauí. Posteriormente, as populações desse inseto nas áreas abertas (caatinga, cerrado e cocal) tiveram a oportunidade para fazer o percurso inverso, no sentido leste-oeste, favorecidas pelo aumento progressivo do desmatamento da fl oresta amazônica que vem sendo substituída pelo cocal e capoeiras baixas. Esta última possibilidade sustenta a hipótese de Ready et al 5 de que a peridomesticidade do
Mostrar mais

5 Ler mais

Distribuição de Aedes aegypti e do dengue no Estado do Maranhão, Brasil.

Distribuição de Aedes aegypti e do dengue no Estado do Maranhão, Brasil.

d istrib u ição d o m osq u ito e d o d en gu e, n ão só n a Ilh a d e São Lu ís, com o tam b ém n a Am azô- n ia Ma ra n h e n se. Est a ú lt im a re giã o a d q u ire gra n d e im p o rtâ n cia n a d isse m in a çã o d e a m - b o s, p o is se r ve d e co rre d o r p a ra im p o rta n te s vias rod oviárias (São Lu ís-Belém e Belém -Bra- sília ) e fe rroviá r ia s (Ca ra já s e No rt e -Su l), a s q u a is sã o u t iliza d a s t a n t o n o flu xo m igra t ó - r io, q u a n t o p a ra o e sco a m e n t o d e p r o d u t o s en tre os Estad os d o Pará, Maran h ão e aq u eles d o Cen tro-Su l d o Brasil. É p ossível q u e o m os- q u it o d o d e n gu e t e n h a - se d isp e r sa d o a t é o s m u n icíp io s m e rid io n a is d o Est a d o p o r e ssa s ro ta s.
Mostrar mais

10 Ler mais

Distribuição das abelhas Euglossini (Hymenoptera: Apidae) no estado do Maranhão, Brasil.

Distribuição das abelhas Euglossini (Hymenoptera: Apidae) no estado do Maranhão, Brasil.

perenifólia aberta com babaçu e árvores menores que as da mata latifoliada densa amazônica. Estas matas são de difícil caracterização, em virtude das nuances que apresentam. A densidade de babaçu (Orbignya phalerata) pode variar de um lugar para outro, sob influência das atividades agropecuárias (IBGE 1984). É possível que toda a área de agrupamento compacto do babaçu seja secundária, resultante da devastação por processos que incluem as atividades de desflorestamento da área para empreendimentos agropecuários. Os remanescentes de florestas são hoje representados por capoeiras. É a zona que apresenta a maior concentração da palmeira babaçu no Estado. É domínio do clima quente semi-úmido, com precipitação anual de 1600 mm em Bacabal e 1200 mm em D. Pedro. São Bernardo, Brejo e Buriti. Estes três municípios situam-se nas partes baixas da bacia do Rio Parnaíba, na zona do cerradão com intrusão de cerrado e contato cerrado/ caatinga. O cerradão é mais alto e mais denso que o cerrado, porém, mais baixo e menos denso que a mata. O tamanho médio das árvores é de 10 a 15 metros, contra quatro a oito metros no campo cerrado. Além disso, as árvores no cerradão não são ramificadas desde baixo nem retorcidas, como são no campo cerrado, mas crescem normalmente como as árvores das florestas. Há muito mais sombra num cerradão do que num campo cerrado (IBGE 1984). Nesta zona o clima dominante é o quente semi-árido, com precipitação anual de 1600 mm.
Mostrar mais

13 Ler mais

Avaliação do Programa de Controle da Doença de Chagas em relação à presença de Panstrongylus megistus na região centro-oeste do Estado de Minas Gerais, Brasil.

Avaliação do Programa de Controle da Doença de Chagas em relação à presença de Panstrongylus megistus na região centro-oeste do Estado de Minas Gerais, Brasil.

Atualmente o Programa de Controle da Doença de Chagas (PCDCh) brasileiro está na etapa da vigilân- cia epidemiológica, restando como um dos principais desafios à manutenção e ao aprimoramento desta vi- gilância. Com o processo de descentralização das ações de saúde, que promoveu a transferência das responsa- bilidades do controle das endemias para os Estados e municípios, algumas entidades municipais passaram a enfrentar dificuldades na execução do PCDCh visto não terem tradição no controle desta endemia. O pre- sente trabalho objetivou avaliar a situação atual da vigilância epidemiológica da doença de Chagas em 54 municípios da região centro-oeste de Minas Gerais, com vistas à avaliação e ao aprimoramento do pro- cesso. No período de julho de 2003 até junho de 2007, foram realizadas 776 capturas, contabilizando 1.390 triatomíneos, provenientes de 37 municípios. A espé- cie prevalente foi Panstrongylus megistus (99,3% das capturas). A positividade para flagelados semelhantes ao Trypanosoma cruzi atingiu 8,3%. A distribuição das capturas mostrou diferenças entre os municípios, e alguns motivos para as mesmas são discutidos no de- correr deste artigo. No conjunto, os dados recomendam fortemente a continuidade e aprimoramento da vigi- lância epidemiológica na área em questão.
Mostrar mais

11 Ler mais

A ação do Baygon (OMS-33) no combate ao Panstrongylus megistus.

A ação do Baygon (OMS-33) no combate ao Panstrongylus megistus.

E n tre alguns inseticidas q u e tê m sido usa­ dos para c o m b a te r o P a n s t r o n g y l u s m e g is ts , destacam-se o B H C e o M a la th io n 3'4>s- q B aygon (O M S -3 3 ), e m b o ra m u ito u tiliza d o c o m o inseticida d om éstic o c o n tra vários tipos d e insetos, so m ente tin h a sido e x p e ri­ m e n ta d o c o n tra a T . i n f e s t a n s em o utros países sul-am ericanos. Desde que a C o m ­ panhia B a ye r d o Brasil se dispôs a nos fo rn e ­ cer o inseticida necessário, re alizam os testes para c o m b a te r o P . m e g is tu s d a doença de Chagas em um a área endêm ica d o Estado da B ahia. A q u i apresentam os os resultados que
Mostrar mais

10 Ler mais

Nota sobre domiciliação de Panstrongylus megistus no litoral Sul do Estado de São Paulo, Brasil.

Nota sobre domiciliação de Panstrongylus megistus no litoral Sul do Estado de São Paulo, Brasil.

Na mencionada região, a partir de janeiro de 1981, a Superintendência de Controle de Endemias da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SUCEN), deu início a projeto de vigilância ep[r]

5 Ler mais

Aspectos da atividade de "notificação de barbeiros" pela população no controle de Panstrongylus megistus em 12 municípios da região noroeste do Estado de São Paulo, Brasil, 1974 a 1983.

Aspectos da atividade de "notificação de barbeiros" pela população no controle de Panstrongylus megistus em 12 municípios da região noroeste do Estado de São Paulo, Brasil, 1974 a 1983.

Dada a importância da atividade de "notificação de barbeiro" pela po- pulação, no atual quadro epidemiológico do Esta- do de São Paulo, resolveu-se estudar as variações no número[r]

9 Ler mais

Sobre o encontro de Panstrongylus megistus no município de Cambé, Estado de Paraná, Brasil.

Sobre o encontro de Panstrongylus megistus no município de Cambé, Estado de Paraná, Brasil.

RESUMO: Relata-se o encontro de Panstrongylus megistus no sítio Shimada, localizado no município de Cambé, Estado do Paraná.. Caracteriza-se ecologica- mente a área e aborda-se possív[r]

3 Ler mais

EMISSÕES DO SETOR DE AGROPECUÁRIA

EMISSÕES DO SETOR DE AGROPECUÁRIA

Um outro marco histórico relevante dos compromissos climáticos ocorreu na vigésima primeira Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança Cli- mática (COP21), realizada em novembro de 2015 em Paris, e que reuniu 195 países (in- cluindo União Europeia) e culminou na elaboração do Acordo de Paris, que tem objetivo conter o aumento da temperatura média global em menos do que 2°C acima dos níveis pré-industriais e envidar esforços para limitar esse o aumento a 1,5°C, reconhecendo que isso reduziria de maneira significativa os riscos e os impactos da mudança climática. Essa meta deverá ser atingida por meio da soma de esforços dos 195 países signatários, incluindo o Brasil, através de suas NDCs ou Contribuições Nacionalmente Determinadas (termo em português). A NDC é o documento apresentado pelos países ao Secretaria- do da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC). Ele contém as ações pretendidas de cada governo para que as metas de redução das suas emissões de GEE sejam atingidas.
Mostrar mais

92 Ler mais

Panstrongylus megistus em ecótopos artificiais de ilhas do Alto Rio Paraná.

Panstrongylus megistus em ecótopos artificiais de ilhas do Alto Rio Paraná.

Abstract In response to complaints of triatomines on islands of the Alto Paraná River, an investigation to determine the presence of triatomines was conducted in 145 artificial ecotopes and 4 (2.8%) were infested, comprising a residence, a sports and leisure club, a former school and a woodpile. Of the 35 P. megistus collected, 17 were analyzed and 12 (70.6%) were found to be infected with Trypanosoma cruzi. Birds and rodents were the most common food sources. All serologic examinations (56 human, 18 dogs and 10 cats) were negative.

4 Ler mais

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS

A fração orgânica degradável, juntamente com a análise do tipo de disposição final, permitiu a obtenção do potencial de geração de metano de cada região brasileira, o qual diminuiu significativamente para todas as macrorregiões. Nesse sentido, a dimi- nuição observada corrobora com a tendência descrita na proposta do Plano Nacional de Resíduos Sólidos (Planares), onde se indica que, apesar dos RSU brasileiros serem predominantemente formados por matéria orgânica, observou-se um aumento por- centual significativo na geração de recicláveis (Brasil, 2012).

64 Ler mais

EMISSÕES DO SETOR DE MUDANÇA DE USO DA TERRA

EMISSÕES DO SETOR DE MUDANÇA DE USO DA TERRA

Entre os pressupostos adotados, o mais frágil é o desmatamento ilegal zero. Desma- tamento ilegal zero já deveria ser uma realidade, não uma meta, visto a vasta gama de investimentos em comando e controle de desmatamento, principalmente no bioma Amazônia. Desde 2012 a taxa de desmatamento na Amazônia, principal contribuin- te de GEE do setor MUT, está estagnada em torno dos 5.000 quilômetros quadrados por ano. Cerca de um terço desse desmatamento tem se concentrado em áreas de assentamento do Incra e nas regiões próximas de projetos de infraestrutura como no- vas hidrelétricas e pavimentação de rodovias. Além disso, em junho de 2016 o Serviço Florestal Brasileiro anunciou que 95% da área cadastrável brasileira já está no CAR. O problema é que boa parte dessas informações sobre as propriedades são declaratórias e não foram validadas pelos órgãos ambientais, o que leva a uma alta insegurança na qualidade dos dados. Por exemplo, no Pará, 108 mil propriedades (de um total de 150 mil) apresentam sobreposições entre si incompatíveis com as exigências legais (Públi- ca, 2016). A meta correta deveria ser desmatamento zero. A área já aberta no Brasil é suficiente para atender à demanda do agronegócio, portanto, os incentivos devem ser para cessar o desmatamento, seja ele legal ou ilegal.
Mostrar mais

43 Ler mais

EMISSÕES DOS SETORES DE ENERGIA, PROCESSOS INDUSTRIAIS E USO DE PRODUTOS

EMISSÕES DOS SETORES DE ENERGIA, PROCESSOS INDUSTRIAIS E USO DE PRODUTOS

De fato, ao mesmo tempo em que o setor de gás natural apresenta um grande poten- cial ainda a ser explorado, muito em função do gás associado às reservas de petróleo do pré-sal, por outro lado, a infraestrutura da cadeia ainda precisa ser consolidada, com demandas quanto à expansão das etapas de processamento, transporte (dutos) e distribuição. Atrair o investimento privado nesse contexto requer uma sinalização de baixo risco, o que se traduz pela construção, por parte do governo, de um ambiente re- gulatório e de mercado favorável. A termoeletricidade entra nesse jogo como um vetor de demanda de gás que pode cumprir esse papel de alavancar um mercado estável e de baixo risco para o investimento.
Mostrar mais

95 Ler mais

Encontro de Panstrongylus megistus em ecótopo artificial: domiciliação ou mera visitação?.

Encontro de Panstrongylus megistus em ecótopo artificial: domiciliação ou mera visitação?.

dos vetores bem como das cepas de T. cruzi que estes albergam.O P. megistus , espécie que identificamos, poderia ser considerada hoje a mais importante espécie vetora da doença de Ch a ga s n o B ra sil, de vido à sua a mp la distribuição geográfica. Depois de T. infesta ns , esta é a espécie com maior capacidade de domiciliação. É um triatomíneo que apresenta diferentes comportamentos ecológicos nas regiões nordeste e sudeste do país. Essa espécie n ã o é fá c il de c o n tro la r p o r p ro gra ma s convencionais de aplicação de inseticidas. No controle de espécies que se colonizam no peri- domicílio, deve ser esperada menor resposta às ações de inseticidas, na medida em que este
Mostrar mais

4 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd – CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd – CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

teacher’s role conducting its own professional development and the friendlier design rather for prescription than for reflection, form an important triangulation to review this training. Nevertheless, it became clear that the current proposal of PIP has a prescriptive and instructional character, reserving an excessively limited space for reflexive and dialogic action from the teachers to the Program, and to each other. Therefore, this paper worked as subsidy to the proposal of an Educational Intervention Plan as a pilot project of teacher's continuing education, to be implemented in a school belonging to the Superintendência Regional de Ensino de Juiz de Fora, in order to improve the continuing training offered by the PIP/ATC. This project will be presented in two formats, in two stages. In the first, the project will have as purpose to encourage the school to constitute groups of professional development to study, debate, analysis and preparation of practical pedagogical proposals in which the presence and autonomy of the teacher are evidenced, valued and shared among their pairs. In the second stage, anchored in the possibilities of the use of ICTs, aiming to equip the teacher with knowledge of the educational law in the State of Minas Gerais and the curricular proposal from the Secretaria de Estado de Educação.
Mostrar mais

185 Ler mais

O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO NO ESTADO DO CEARÁ: AVALIAR PARA AVANÇAR – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO NO ESTADO DO CEARÁ: AVALIAR PARA AVANÇAR – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Considerar as necessidades materiais dos estudantes, bem como proporcionar condições didático-pedagógicas às escolas e aos professores. Os sistemas e as instituições não podem estar alheios às necessidades materiais para levar adiante um processo educacional dessa natureza. Por exemplo, as necessidades dos alunos para cumprir a jornada de estudos, em termos de locomoção, de alimentação, de renda mínima para se manter e manter-se na escola; segundo, a existência de instalações que ofereçam laboratórios, biblioteca, ateliês, espaços de lazer, oficinas onde aprender a teoria e a prática das disciplinas e dos projetos em curso. (BRASIL, 1997)
Mostrar mais

171 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados