Top PDF Eleocharis ochrostachys Steud. (Cyperaceae), nova ocorrência para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, Brasil.

Eleocharis ochrostachys Steud. (Cyperaceae), nova ocorrência para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, Brasil.

Eleocharis ochrostachys Steud. (Cyperaceae), nova ocorrência para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, Brasil.

RESUMO – (Eleocharis ochrostachys Steud. (Cyperaceae), nova ocorrência para Rio Grande do Sul e Santa Catarina, Brasil). Eleocharis ochrostachys Steud., previamente conhecida para o sudeste Asiático, Ilhas do Pacífico, Sri Lanka, Japão e Brasil (Estado de São Paulo), é citada neste trabalho para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, Brasil. Apresenta-se descrição e ilustração da espécie, assim como chave para separá-la de E. acutangula (Roxb.) Schult., E. elongata Chapm., E. interstincta (Vahl) Roem. & Schult., E. mutata (L.) Roem. & Schult., E. obtusetrigona (Lindl. & Nees) Steud. e Eleocharis sp., espécies do subg. Limnochloa (P. Beauv. ex T. Lestib.) Torr., que ocorrem em ambos os Estados.
Mostrar mais

5 Ler mais

Distribuição de Biomphalaria (Gastropoda, Planorbidae) nos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, Brasil.

Distribuição de Biomphalaria (Gastropoda, Planorbidae) nos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, Brasil.

É apresentada análise dos conhecimentos sobre a biogeografia das espécies de Biomphalaria transmissoras de Schistosoma mansoni, abrangendo os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Cata[r]

3 Ler mais

Detecção da resistência de capim-arroz (Echinochloa sp.) ao herbicida quinclorac em regiões orizícolas do sul do Brasil.

Detecção da resistência de capim-arroz (Echinochloa sp.) ao herbicida quinclorac em regiões orizícolas do sul do Brasil.

Os herbicidas, dentro de um programa de manejo integrado, repr esentam a principal ferramenta de controle das plantas daninhas. Dentre aqueles utilizados na lavoura de arroz est á o quincl ora c, mim eti zad or de aux ina que reún e flex ibilidade na aplicação (pré e pós- emer gência) , efic iênc ia de cont role em Echinochloa crusgalli e Aeschynomene rudis, baixa toxicidade ao homem e aos animais e seletividade à cultura do arroz. Esse princípio ativo começou a ser usado nas regiões orizí- colas dos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina no início da década de 1990, sendo utilizado intensamente até meados de 1999, quand o começaram a surgir queixas sobre falhas de controle de capim-arroz e estudos rea- lizados por instituições do Sul do País confir- maram a ocorrência de resistência (Eberhardt et al., 2000; Menezes & Ramirez, 2000; Merotto Jr. et al., 2000).
Mostrar mais

6 Ler mais

Prevalência de deficiências motoras e sua relação com o gasto federal com próteses, órteses e outros equipamentos nos estados brasileiros em 2010.

Prevalência de deficiências motoras e sua relação com o gasto federal com próteses, órteses e outros equipamentos nos estados brasileiros em 2010.

a respeito do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos estados parecem corroborar essa afirmação, já que, segundo a lista de IDH de 2000, apresentada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), os estados do Acre, Piauí, Paraíba e Maranhão tem os seguintes índices: 0,697; 0,656; 0,661; 0,636, e ocupam a 21ª, 25ª, 24ª e 27ª posições, respectivamente, enquanto o Brasil tem o IDH de 0,76624. Por outro lado, analisando-se os estados que apresentaram correlação negativa, ou seja, nas cidades em que os coeficientes eram maiores e foram registrados menos investimentos, percebe-se que Espírito Santo (IDH: 0,765; 11ª posição), Minas Gerais (IDH: 0,773; 9ª posição), Paraná (IDH: 0,787; 6ª posição), Rio Grande do Sul (IDH: 0,814; 4ª posição), Santa Catarina (IDH: 0,822; 2ª posição) e São Paulo (IDH: 0,820; 3ª posição) estão localizados na extremidade superior do ranking do IDH com os melhores índices, também no ano de 2000 38 , o que pode
Mostrar mais

7 Ler mais

A evolução da agroindústria de laticínios no Brasil com base nos indicadores de estrutura, conduta e desempenho

A evolução da agroindústria de laticínios no Brasil com base nos indicadores de estrutura, conduta e desempenho

O mark-up apresentou uma dinâmica diferente entre os estados, principalmente para o período de 1996 a 2000, podendo ser reflexo dos ajustes do setor na década de 1990 em função das mudanças ocorridas tanto na economia como também no setor de lácteos. A partir de 1999, houve uma tendência de queda até o período de 2004, posteriormente revertido, tanto para a média nacional como o Rio Grande do Sul e Minas Gerais. O estado de Santa Catarina teve ascensão em 2006, mas volta a registrar queda a partir desse ano. Enquanto isso, os estados do RS e Minas Gerais assim como a média nacional recuperam-se, fechando o período de 2010 com mark-up superior ao inicial de 1996. Em relação ao mark-up para as empresas do Brasil. Destaca-se, ainda, que, a partir de 2008, ocorreram grandes fusões no setor de laticínios o que, por sua vez, permite que empresas como a Nestlé, Brasil Foods e LBR – Lácteos atuassem no mercado com um grau maior de diferenciação de produtos e marcas, contribuindo, desta forma, para elevar o mark-up em nível de Brasil.
Mostrar mais

33 Ler mais

Gest. Prod.  vol.15 número3

Gest. Prod. vol.15 número3

A Revista Gestão & Produção tem recebido artigos de autores de praticamente todo o Brasil. Desde a sua inserção em 2000 no Scielo, a Gestão & Produção teve autores dos Estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais, Pernambuco, Santa Catarina, Ceará, Brasília, Mato Grosso do Sul, Espírito Santo, Goiás, Bahia e Sergipe. Além disso, no mesmo período, autores de outros países, como Alemanha, Inglaterra, Itália, Estados Unidos, Espanha, França, Portugal, Canadá, China, Holanda, Dinarmarca e Chile, têm contribuído para a revista. Contribuições estas que demonstram a abrangência e o alcance da revista.
Mostrar mais

1 Ler mais

PARA OS ESTADOS DO RIO GRANDE DO SUL E DE SANTA CATARINA

PARA OS ESTADOS DO RIO GRANDE DO SUL E DE SANTA CATARINA

Os corretivos de acidez têm partículas de vários tamanhos, desde pó até grânulos de 2,0 mm de diâmetro. Alguns materiais, como os resíduos industriais úmidos e/ ou não moídos, podem ter agregados maiores que 2 mm. Quanto maior o diâmetro das partículas do corretivo, tanto maior será o tempo necessário para a reação com os ácidos do solo. O calcário moído que passa em peneira ABNT nº 270 (orifícios de 0,053 mm), a cal virgem e a cal apagada reagem rapidamente e, portanto, corrigem a acidez em poucas semanas, se o solo estiver úmido. Os calcários agrícolas são materiais muito pouco solúveis, portanto devem ser finamente moídos para aumentar a superfície de contato entre as partículas e o solo. Resultados de pesquisa a campo indicam que as partículas menores que 0,053 mm (passam em peneira ABNT nº 270) reagem completamente em menos de um mês, e partículas entre 2,00 e 0,84 mm (ficam retidas na peneira ABNT nº 20, mas passam na peneira ABNT nº 10) necessi- tam de prazo maior que 60 meses para completa reação (Pandolfo & Tedesco, 1996). O efeito do tamanho de partículas na eficiência do corretivo é expresso pelo fator reatividade (RE). Essa se refere à eficiência relativa das frações granulométricas do corretivo. A separação das partículas em frações granulométricas possibilita a esti- mativa da reatividade de um corretivo, conhecendo-se os índices de eficiência de cada fração. Assim, pela legislação atual, os valores de reatividade são: 1,0 para partículas com diâmetro menor que 0,30 mm; 0,6 para partículas entre 0,30 e 0,84 mm; 0,2 para partículas entre 0,84 e 2,00 mm; e zero para partículas maiores que 2,00 mm de diâ- metro (Brasil, 2004c).
Mostrar mais

404 Ler mais

Distribuição geográfica e escoamento da produção de biocombustíveis da região sul do Brasil

Distribuição geográfica e escoamento da produção de biocombustíveis da região sul do Brasil

A agroindústria brasileira se destaca no cenário mundial, o país é o segundo maior produtor de soja e também o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo, sendo estas, as duas principais matérias-primas para a produção de biocombustíveis do país. O objetivo desta pesquisa concentrou-se na análise do escoamento da produção de biocombustíveis da Região Sul do Brasil. Partiu-se da espacialização das usinas cadastradas na Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, sobrepondo as ferrovias e as principais rodovias federais presentes nos três estados. De acordo com a agência, a região possui 48 usinas cadastradas em sua plataforma, das quais, 35 estão localizadas no Paraná, 12 no Rio Grande do Sul e uma em Santa Catarina. Conforme analisado, o modal rodoviário é o mais utilizado na Região Sul para o transporte de biocombustíveis, seguido pelo modal ferroviário.
Mostrar mais

10 Ler mais

Avaliação do sistema de vigilância da peste suína clássica nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul

Avaliação do sistema de vigilância da peste suína clássica nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul

52 (2009), em uma avaliação da biosseguridade das propriedades produtoras de suínos no país, já havia indicado uma semelhança entre a suinocultura do RS e SC. Em 2015, foram amostradas aleatoriamente 188 granjas, entre Unidades Produtoras de Leitões (UPL), Crechários (Cr), Terminações (Tr) e Granjas de Ciclo Completo (CC), das regionais de Estrela, Palmeira das Missões, Erechim e Santa Rosa, conforme subdivisão estadual da SEAPI/RS. Estas regionais originam cerca de 60% da produção de suínos abatidos sob Sistema de Inspeção Federal (SIF) do RS (RS, 2014) e possuem uma boa representatividade em relação às diversas tipologias produtivas existentes, conforme o cadastro de propriedades do órgão oficial (RS, 2014). A partir dos resultados de entrevistas estruturadas aplicadas aos produtores locais criou-se um sistema de pontuação crescente com amplitude total igual a 100 pontos, no qual as granjas com melhores condições de biosseguridade foram relacionadas a um menor valor numérico na escala de vulnerabilidade. Medidas associadas a um maior risco de PSC, como o trânsito animal, a densidade de propriedades na região, o nível de isolamento das instalações e o contato com outros animais, foram ponderadas de forma a contribuírem mais para a diferenciação dos riscos (MAES et al , 2008; FRAILE et al , 2010; MEYNS et al , 2011; BOKLUND et al., 2009; ELBERS et al., 1999; CASAL et al., 2007). Os riscos relativos foram calculados pela razão das pontuações alcançadas por cada tipologia de granja por aquela em média alcançada na mesma escala de vulnerabilidade por uma granja GRSC tipo “A”, padrão de excelência para produção segura segundo a legislação local (BRASIL, 2002). Os valores mínimos, máximos e médios (mais prováveis) obtidos por cada tipologia de granja estudada serviram de base para os parâmetros das distribuições de Pert utilizadas (Tabela 3). Tabela 3. Parâmetros das distribuições de Pert utilizadas para descrever os RR para infecção por PSC de cada tipologia produtiva existente nas suinoculturas dos estados do RS e SC.
Mostrar mais

79 Ler mais

Análise da variabilidade genética de Alphitobius diaperinus utilizando marcadores moleculares de DNA  - doi: 10.5102/ucs.v8i2.1141

Análise da variabilidade genética de Alphitobius diaperinus utilizando marcadores moleculares de DNA - doi: 10.5102/ucs.v8i2.1141

Alphitobius diaperinus (Panzer, 1797) é uma espécie cosmopolita originá- ria do continente africano encontrada em grande quantidade em cama de frango, causando problemas sanitários e econômicos, afetando a saúde e o crescimento das aves e atuando também como transmissor de doenças. Indivíduos adultos de A. diaperinus foram coletados aleatoriamente de camas aviárias em três pro- priedades localizadas nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, analisados molecularmente por meio da técnica de RAPD. Para isso, foi adaptada uma metodologia para extração de DNA e testados os iniciadores decaméricos OPA-03, OPA-04, OPA-10, OPA-11 e OPA-13. O protocolo de extração de DNA que foi adaptado produziu fragmentos de DNA para a análise das populações de cascudinho, originárias da região sul do Brasil por RAPD. Foi encontrada alta va- riabilidade genética entre as populações de cascudinho. Além disso, sugere-se que indivíduos de A. diaperinus ocorrendo no Paraná possam ter se deslocado para os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
Mostrar mais

14 Ler mais

Hippoboscidae (Diptera, Hippoboscoidea) in the State of Paraná, Brazil: keys, hosts and geographic distribution.

Hippoboscidae (Diptera, Hippoboscoidea) in the State of Paraná, Brazil: keys, hosts and geographic distribution.

Distribuição geográfica. Estados Unidos da América, Mé- xico, Guatemala, Honduras, Cuba, Panamá, Colômbia, Vene- zuela, Trinidad e Tobago, Guiana, Suriname, Brasil (Amazonas, Pará, Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), Equador, Peru, Paraguai, Argentina e Uruguai. Hospedeiros. Mazama americana (Erxleben, 1777), Maza- ma guazoupira (G. Fisher, 1814), Odocoileus virginianus (Zimmer- mann, 1780) (Cervidae, Odocoileinae).

8 Ler mais

Aspectos biológicos de Halysidota pearsoni (Lepidoptera: Arctiidae) com folhas de amoreira.

Aspectos biológicos de Halysidota pearsoni (Lepidoptera: Arctiidae) com folhas de amoreira.

Halysidota orientalis Rothschild, 1909 (Lepidoptera: Arctiidae) foi registrada em Morus alba L. em Piracicaba, São Paulo (SOTO-SANCHEZ et al., 2004) e Halysidota interlineata Walker, 1855 (Lepidoptera: Arctiidae) nessa planta no Estado do Rio de Janeiro (SILVA et al., 1968). Halysidota pearsoni Watson, 1980 (Lepidoptera: Arctiidae) foi registrada nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás, Espírito Santo e de Pernambuco, no Brasil, e Villarica, no Paraguai, mas as plantas hospedeiras desse inseto não foram citadas (WATSON, 1980). Embora essas espécies tenham sido registradas em plantas de amoreira no Brasil, a única espécie de Lepidoptera citada como praga dessa cultura no país foi Automeris memusae (Walker, 1855) (Lepidoptera: Saturniidae) (FONSECA e FONSECA, 1986; GALLO et al., 2002).
Mostrar mais

6 Ler mais

Efeitos da precipitação pluvial, da umidade relativa do ar e de excesso e déficit hídrico do solo no peso do hectolitro, no peso de mil grãos e no rendimento de grãos de trigo.

Efeitos da precipitação pluvial, da umidade relativa do ar e de excesso e déficit hídrico do solo no peso do hectolitro, no peso de mil grãos e no rendimento de grãos de trigo.

Cerca de 90% da produção de trigo no Brasil está localizada nos estados do Paraná, do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Nesses estados, a variabilidade climática é muito expressiva, tornando a produção tritícola uma atividade de risco e fazendo com que o decréscimo da produção e da produtividade de trigo seja objeto de questionamento de grande número de investigadores. Este trabalho teve por objetivo verificar a influência da precipitação pluvial, da umidade relativa do ar e de excesso e déficit hídrico do solo no peso do hectolitro, peso de mil grãos e rendimento de grãos. Foram usados dados de experimentos com a cultivar de tri- go Embrapa 16, conduzidos durante os anos de 1990 a 1998, em sete locais do Rio Grande do Sul e em quatro locais de Santa Catarina. A análise estatística realizada foi correlação múltipla. Verificou-se que: a) a precipitação pluvial e o excesso hídrico do so- lo afetaram negativamente o peso do hectolitro, peso de mil grãos e rendimento de grãos, e a umidade relativa do ar influenciou tan- to positiva quanto negativamente essas variáveis; b) o déficit hídrico do solo afetou positivamente o peso do hectolitro, peso de mil grãos e rendimento de grãos após a maturação fisiológica, isto é, nos dez primeiros dias anteriores à colheita, e negativamente nos demais períodos.
Mostrar mais

7 Ler mais

Análise de Cointegração com Threshold nos Mercados Exportadores de Mel Natural no Brasil.

Análise de Cointegração com Threshold nos Mercados Exportadores de Mel Natural no Brasil.

Cabe salientar, ainda, que, com exceção do estado cearense, Santa Catarina e Piauí ratifica- ram a exposição teórica que relaciona distancia- mento geográfico e valor do threshold, uma vez que o território piauiense, mais distante do Rio Grande do Sul, alcançou valor mais elevado, e a região catarinense, geograficamente mais pró- xima do mercado gaúcho, com menor threshold. São Paulo, conforme realidade exposta na mode- lagem TAR, ratificou ambiguidade no modelo M-TAR. Acredita-se que, em decorrência de o estado paulista comprar quantidades de mel em vários estados brasileiros, uma vez que as infor- mações sobre o volume produzido ser inferior ao exportado, os acréscimos de custos envolvidos na transferência deste produto até São Paulo podem ser explicativos da presença de custos de tran- sação em patamares mais elevados no mercado sudestino.
Mostrar mais

16 Ler mais

O gênero Sporobolus (Poaceae: Chloridoideae) no Brasil.

O gênero Sporobolus (Poaceae: Chloridoideae) no Brasil.

Distribuição geográfica: Uruguai (Renvoize 1988). Brasil: Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. Habitat: principalmente em campos de altitude.. adust[r]

66 Ler mais

Anos de vida perdidos por mortalidade: um dos componentes da carga de doenças.

Anos de vida perdidos por mortalidade: um dos componentes da carga de doenças.

Uma limitação que pode ser importante é devida a possíveis vieses de classificação, resultante de erros no atestado e codificação das mortes. A codificação de causas de morte no capítulo XVI da CID-9, “Sintomas, sinais e estados mórbidos maldefinidos”, é vista como o principal problema quanto à confiabilidade dos resultados de estudos baseados nas estatísticas vitais, porque podem al- terar significativamente as taxas por idade em cau- sas específicas 11 , podendo tornar as informações

10 Ler mais

CD 117: nova cultivar de trigo de ampla adaptação.

CD 117: nova cultivar de trigo de ampla adaptação.

A linhagem selecionada foi avaliada em ensaios preliminares em 2000 e 2001, quando apresentou desempenho superior ao das testemunhas. Em 2002, a linhagem foi incluída nos ensaios de valor de cultivo e uso (VCU) sob o nome experimental de CD 200232. Os ensaios de VCU foram conduzidos nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais, e abrangeram todas as regiões tritícolas (Cunha et al., 2008) (Tabela 1).

3 Ler mais

BIBLIOTECA DIGITAL COMO RECURSO INFORMACIONAL NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA (EaD): uma análise das instituições de ensino superior (IESs) credenciadas para programas de EaD na região Sul do país

BIBLIOTECA DIGITAL COMO RECURSO INFORMACIONAL NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA (EaD): uma análise das instituições de ensino superior (IESs) credenciadas para programas de EaD na região Sul do país

Podemos compreender, com base nos dados obtidos e nas discussões abordadas, que a biblioteca digital traz grandes possibilidades para o EaD. Aliados às novas tecnologias de informação e comunicação, os serviços e recursos das bibliotecas tradicionais são disponibilizados na biblioteca digital, o que conferem a essa modalidade de ensino maior qualidade e desenvolvimento de competências a seus usuários. Grande é o nicho de mercado para os profi ssionais bibliotecários que adquirirem novos conhecimentos para atuação em bibliotecas digitais, qualifi cando-se a trabalhar com EaD, e com o mercado que utiliza, cada vez mais, recursos informacionais em ambientes digitais.
Mostrar mais

11 Ler mais

Resultados agronômicos e qualitativos da nova cultivar de trigo 'BRS 296'.

Resultados agronômicos e qualitativos da nova cultivar de trigo 'BRS 296'.

O desempenho agronômico e qualitativo da cultivar ‘BRS 296’ foi avaliado durante seis anos de experimentação, em diferentes ambientes dos Estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, do Paraná, do Mato Grosso do Sul e de São Paulo. Nos anos de 2001, 2002 e 2003, fez parte dos ensaios preliminares, desenvolvidos regionalmente. Em 2002, 2003 e 2004, passou a compor o ensaio VCU (Valor de Cultivo e Uso), conduzido em nível nacional e utilizado para fins de registro junto ao Ministério da Agricultura, sendo avaliado em 47 locais.

4 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

Nas próximas seções, realiza-se uma descrição sucinta da primeira política de avaliação com o objetivo de gratificar gestores, docentes e pessoal de apoio, instituída pela Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro, no ano de 2000: o Programa Nova Escola. Logo após, descreve-se também a nova proposta da SEEDUC/RJ, a partir do ano de 2010, no qual um novo gestor assume a pasta da Secretaria e traz inovações para o sistema de ensino: planejamento Estratégico, implantação do Sistema de Bonificação, nova estrutura das Regionais, entre outras. Finalizando, apresentam-se as Equipes de Acompanhamento e Avaliação da Regional Centro Sul, agrupadas na atual Coordenação Regional de Inspeção Escolar – Centro Sul, o município de Valença e os dados sobre as escolas estaduais objetos da pesquisa.
Mostrar mais

99 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados