Top PDF Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) do litoral centro-sul do estado de São Paulo III: Grupos químicos equinocárpico e stíctico.

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) do litoral centro-sul do estado de São Paulo III: Grupos químicos equinocárpico e stíctico.

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) do litoral centro-sul do estado de São Paulo III: Grupos químicos equinocárpico e stíctico.

pouco adnatos nas partes distais tornando-se mais elevados em direção ao centro às vezes formando dobras pregueadas e subcanaliculadas, adpressos a parcialmente soltos, de ápices arredondados a subarredondados, de subplanos quando mais largos à subcôncavos ou côncavos quando mais estreitos (< 8,0 mm larg.), parcialmente elevados, revolutos ou in- volutos quando sorediados, as margens lisas próximas aos ápices tornando-se subcrenadas ou crenadas, subonduladas, tornando-se mais sinuosas e às vezes involutas ou revolutas quando mais sorediadas, de planas a ascendentes, inteiras a incisas, às vezes revolutas, curto lacinuladas. Superfície contínua nas partes distais a irregularmente quebrada no centro, as quebras mais acentuadas e quase reticulares em partes mais velhas, lisa a pouco rugosa tornando-se muito rugosa no centro de alguns talos. Lacínulas marginais re- gulares, curtas, planas, truncadas, 0,3−2,6 x 0,2–2,1 mm, simples ou às vezes furcadas ou irregulares, de lado de baixo concolorido à margem inferior, creme, branco ou negro, às vezes misturadas a lóbulos adventícios jovens arredonda- dos. Máculas ausentes ou às vezes escassas e muito fracas, lineares, laminais, surgindo pela perda de algas em quebras. Cílios normalmente ausentes, às vezes raros e restritos às axilas dos lobos ou bem esparsos pela margem, tipicamente em áreas danifi cadas regeneradas, 0,2–0,7 (−1,5) x ca. 0,05 mm, negros, simples ou ainda mais raro furcados. Sorais capitados a labriformes dispostos nos ápices das lacínulas a lineares interrompidos marginais, tornando-se eventualmen- te mais coalescentes e irregulares em partes centrais do talo encobrindo parcialmente as lacínulas e aparentando serem lineares contínuos fi cando ocasionalmente mais soerguidos (arbusculares?), também ocasionalmente surgindo subcapi- tados submarginais. Sorédios de farinhosos a subgranulares ou granulares, às vezes grosseiros ou escurecidos. Pústulas e isídios ausentes. Medula branca
Mostrar mais

18 Ler mais

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) do litoral centro-sul do Estado de São Paulo: II. Grupos químicos norstíctico e salazínico.

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) do litoral centro-sul do Estado de São Paulo: II. Grupos químicos norstíctico e salazínico.

Talo lobado a sublobado, cinza esverdeado, cinza pardo quando em herbário, até 10,5 cm diâm., subcoriáceo, saxí- cola. Lobos de ramifi cação irregular, 3,5−12,0 mm larg., de contíguos a pouco imbricados, pouco elevados e pouco adpressos, os ápices arredondados a subarredondados, de subcôncavos às vezes côncavos, as margens crenadas, de subplanas a subonduladas, de subascendentes a ascenden- tes e involutas, de inteiras a parcialmente sublacinuladas. Superfície contínua, com quebras acentuando gradualmente nas partes velhas, de lisa a pouco rugosa. Lacínulas irre- gulares e adventícias quase inexistentes, apenas poucos lóbulos jovens aparecendo em partes velhas, simples, subarredondados, de subplanos a subcôncavos, 0,4−2,0 x 0,3−2,0 mm, lado de baixo concolorido à margem in- ferior. Máculas fracas a distintas, puntiformes, às vezes agregando-se parecendo lineares, laminais. Cílios 0,1−0,8 mm comp., de simples a ocasionalmente ramifi cados na base ou cespitosos, abundantes por toda a margem mesmo nos ápices dos lobos, ainda mais comuns em crenas. So- rais lineares, de submarginais a marginais interrompidos em lobos mais sinuosos, às vezes surgindo subcapitados submarginais em dobras do talo ou nos ápices das poucas lacínulas, aparentando ser originários de pequenas pústulas, em parte tornando-se coalescentes e aglutinados. Sorédios originados de sorais capitados de aspecto pustular, de sub- granulares a granulares. Pústulas (?) efêmeras, formadas a partir de pequenas verrucosidades nas áreas marginais e submarginais dos lobos, que logo se dissolvem em sorais. Isídios ausentes. Medula branca, sem pigmentações, às vezes manchada pela oxidação do ácido salazínico. Lado de baixo negro, lustroso, de liso a pouco venado ou pouco rugoso. Margem de marrom escura a avermelhada, lustrosa, 0,5–3,0 mm larg., atenuada, lisa, pouco papilada na área de transição para o centro, nua. Rizinas negras, de simples a irregulares, 0,20−2,30 x ca. 0,05 (−0,10) mm, abundan- tes, homogêneas. Apotécios não encontrados. Picnídios submarginais, de ostíolo negro. Conídios não encontrados.
Mostrar mais

16 Ler mais

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) do litoral centro-sul do Estado de São Paulo, Brasil: I. Grupos químicos girofórico e lecanórico.

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) do litoral centro-sul do Estado de São Paulo, Brasil: I. Grupos químicos girofórico e lecanórico.

Talo lobado a sublobado, cinza esverdeado a pardo quando em herbário, até 11,0 cm diam., subcoriáceo, corti- cícola. Lobos de ramifi cação irregular, (2,0–) 3,0−14,0 mm, contíguos a sobrepostos lateralmente, pouco amontoados no centro, adnatos a pouco elevados, às vezes involutos ou revolutos quando sorediados, adpressos a pouco adpressos, os ápices subarredondados, de subplanos à subcôncavos, as margens lisas a subcrenadas, levemente onduladas a mais sinuosas quando sorediadas, inteiras ou em parte pouco incisas, sublacinuladas. Superfície lisa e contínua nas partes distais tornando-se irregularmente quebrada e um pouco en- rugada nas partes velhas. Lacínulas curtas, planas, truncadas, 0,2–1,1 (−1,8) x 0,2–0,9 (−1,1) mm, simples, de superfície contínua nas partes distais tornando-se irregularmente quebrada nas partes velhas, lisa, pouco enrugada nas partes velhas, espalhadas por quase toda a margem porém mais freqüentes no centro do talo do que nos lobos mais jovens, lado de baixo geralmente creme. Máculas ausentes. Cílios negros, simples, 0,1−2,5 (−3,0) x ca. 0,05 mm, de poucos a freqüentes, distribuídos por toda a margem. Sorais subcapi- tados nos ápices das lacínulas marginais e às vezes capitados em áreas submarginais, menos freqüentemente lineares interrompidos surgindo em lobos jovens pouco sinuosos, parcialmente coalescentes e aglutinados de aspecto irregular, sorédios farinhosos, às vezes enegrecidos. Pústulas e isídios ausentes. Medula com camadas de cores diferentes, branca na parte superior, salmão, ocre e amarelada na parte inferior. Lado de baixo negro, lustroso, liso a rugoso, em parte venado ou pouco papilado. Margem marrom, tornando-se creme ou variegada quando em lobos lacinulados e sorediados, lustrosa, 2,0-8,0 mm, nua, atenuada quando marrom a nítida quando creme, lisa a pouco rugosa, às vezes venada ou em parte pouco papilada na área de transição para o centro. Rizinas concoloridas, na maioria simples, em parte furcadas ou irregulares, 0,20−2,10 x 0,05−0,10 (−0,15) mm, poucas a freqüentes, raramente abundantes em alguns pontos, em parte aglutinadas, agrupadas. Apotécios ausentes. Picnídios submarginais, às vezes escassos, de ostíolo negro, conídios baciliformes a curto fi liformes, 6,0−10,0 x ca. 1,0 µm.
Mostrar mais

14 Ler mais

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycetes liquenizados) com máculas reticulares do litoral centro-sul do Estado de São Paulo, Brasil.

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycetes liquenizados) com máculas reticulares do litoral centro-sul do Estado de São Paulo, Brasil.

Esta espécie é descrita com várias morfologias na literatura. Destas, o único grupo morfológico encontrado é o de formato sublaciniado muito lacinulado parecido com o material-tipo. Fleig (1997) estudou as variedades encontradas no Estado do Rio Grande do Sul e as dividiu em três grupos distintos, nos quais observou grande variabilidade morfológica, apontando a existência de vários intermediários entre eles. Ao que tudo indica, os espécimes encontrados no litoral paulista assemelham-se mais ao seu “grupo B” (“forma laciniada, lacínias mais desenvolvidas, às vezes zona central subpulviniforme, superfície inferior com rizinas simples e esquarrosas, apotécios nas lacínias”). O que Fleig (1997) considerou como lacínias em sua tese está sendo, neste trabalho, chamado de lacínulas, pois tratam-se de estruturas de crescimento vegetativo secundárias, enquanto que a definição botânica de lacínia é de uma estrutura primária.
Mostrar mais

16 Ler mais

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycetes liquenizados) com ácidos graxos ou atranorina medulares do litoral centro-sul do Estado de São Paulo.

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycetes liquenizados) com ácidos graxos ou atranorina medulares do litoral centro-sul do Estado de São Paulo.

Bairro Cibratel, costão rochoso entre a Praia dos Sonhos e a Praia de itanhaém, 10-i-1989, M.P. Marcelli 4185A (SP); idem, 3-iV-1989, M.P. Marcelli et al. 6227(SP). Peruíbe, Reserva Ecológica Juréia-Itatins, Núcleo Guarauzinho, no sopé da Serra do Mar, costão rochoso no lado N, 29-Vii-1993, M.P. Marcelli & O. Yano 23796. São Sebastião, Centro de Biologia Marinha (CEBiMAR) da USP, muro de pedra (arenito) no morro próximo à escada para o auditório, 18-iii-1988, M.P. Marcelli 2060 (SP); idem, Ponta do Baleeiro, lado sul do costão rochoso, 19-iii-1988, M.P. Marcelli 2234 (SP); idem, 19-iii- 1988, M.P. Marcelli 2238 (SP); idem, 19-iii-1988, M.P. Marcelli 2239 (SP). Ubatuba, ilha Anchieta, Praia das Palmas, costão rochoso do Saco Grande, 23-Xi-2003, A.A. Spielmann et al. 587b (SP); idem, sobre rocha granítica exposta ao sol, 23-Xi-2003, L.S. Canêz & A.A. Spielmann 603 (SP); idem, 23-Xi- 2003, I.S. Canêz & A.A. Spielmann 610 (SP).
Mostrar mais

13 Ler mais

Research Design in Education: Guidelines for Literature Review

Research Design in Education: Guidelines for Literature Review

b) Investigación desarrollada por investigadores, consultores, asesores, expertos en el tema de forma independiente: Estos trabajos se encuentran generalmente en bibliotecas privadas o de acceso limitado y que pueden ser facilitadas por la persona que las desarrolló, siempre bajo el resguardo de los derechos de autoría correspondiente. Aquí se puede a su vez recurrir al conocimiento de estas personas por medio de entrevistas (generalmente semi-estructuradas), donde si bien se puede dificultar que le suministren por diferentes razones los estudios elaborados, puedan asesorarle sobre las interrogantes que tenga en ese momento. Valga citar lo siguiente: “La calidad de la ayuda que obtenga dependerá de la calidad de las preguntas que formule […] Siempre puede volver a un libro, pero las personas no son fuentes a las que pueda volver repetidamente porque no se preparó lo suficientemente bien para obtener lo que necesitaba la primera e) Tesis de licenciatura: La tesis es un género académico que se caracteriza por la identificación de un problema de conocimiento que se resuelve a través de la investigación y la argumentación lógica. En otras palabras, la tesis es algo más que un mero reporte de información o un conjunto de opiniones personales. La tesis es un análisis crítico de la información, con el fin de explicar, de manera objetiva, rigurosa y documentada, un fenómeno determinado. En este sentido es un trabajo original que reinterpreta, innova o genera conocimiento. Se trata, entonces, de una aportación a la disciplina correspondiente. Por eso mismo, su elaboración constituye el nivel más sofisticado de aprendizaje al que puede aspirar un estudiante de licenciatura (Centro de Cultura Casa Lamm, 2010).
Mostrar mais

23 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd- CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd- CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

A presente dissertação objetivou a elaboração de uma proposta de intervenção para minimizar a defasagem de aprendizagem de Matemática em uma Escola Estadual de Educação Profissional (EEEP) no estado do Ceará. A partir de um caso de gestão, foram investigadas as condições de trabalho com a disciplina na instituição educacional para a proposição de alternativas à superação do problema encontrado. Esse recorte se justificou pelo fato de a autora deste trabalho, no início da pesquisa, ter sido gestora da EEEP em análise e, por isso, verificado que a defasagem de aprendizagem, especialmente em Matemática, pode se configurar como um dos principais entraves à implementação dos cursos profissionalizantes na escola. A fim de obter informações para descrever e analisar o caso, a investigação teve como metodologia o uso de entrevistas com roteiros semiestruturados e pesquisa documental. Ao final da descrição do caso no capítulo 1, levantou-se como hipóteses dois os elementos centrais que influenciam na existência do problema: a organização e as responsabilidades do trabalho da equipe gestora e o papel da gestão escolar na formação e no auxílio à atuação docente. No capítulo 2, o problema foi analisado levando-se em consideração esses dois elementos. A análise dos dados foi feita a partir da perspectiva de alguns autores: Heloísa Lück, Henry Mintzberg, Thelma Polon, José Carlos Libâneo, Márcia Lima, Ana Maria Falsarella, Sérgio Lorenzato, Plínio Moreira e Fernando Almeida. Desse modo, no capítulo 3, apresentou-se uma proposta de intervenção que consiste em ações para redefinir as atribuições da equipe gestora e organizar o seu trabalho, a fim de que a gestão possa atuar na formação e no auxílio à atuação docente, com foco no professor de Matemática. Dessa forma, nos limites desta investigação, proposições foram consideradas como uma tentativa de contribuir para superar a defasagem de aprendizagem em Matemática na escola pesquisada.
Mostrar mais

110 Ler mais

Caracterização da fertilidade do solo da composição mineral de espécies arbóreas de restinga do litoral paulista

Caracterização da fertilidade do solo da composição mineral de espécies arbóreas de restinga do litoral paulista

This work was carried out in the São Paulo State coast, since northern coast of Ubatuba until the south coast of Cananéia. The aim of this research was to correlate different physiognomies of the sand coastal plain vegetation - restinga forest - with the soil characteristics (texture, nutritional contents and salinity) and foliage analysis of native tree species. The soil samples were collected from low and high restinga forest physiognomies until 0,6m depth in each 20cm layers and until 0,2m depth in each 5cm layers. For each layer it was analyzed the organic matter, pH, P, Na, K, Ca, Mg, S, H + Al, Al, B, Cu, Fe, Mn, Zn, aluminum contents, base saturation, cation exchange capacity, electrical conductivity, sodium adsorption ratio, exchangeable sodium percentage and pH of the saturation extracts. For the foliage analyses (N, P, K, Ca, Mg, S, B, Cu, Fe, Mn, Zn e Al), the species elected were Pera glabrata, Andira fraxinifolia, Ilex theezans and Psidium cattleyanum. It was collected eight leaves from five trees of the each specie, in each site.
Mostrar mais

112 Ler mais

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) no Parque Estadual da Cantareira, Estado de São Paulo, Brasil. I. As espécies com máculas efiguradas ou reticulares.

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) no Parque Estadual da Cantareira, Estado de São Paulo, Brasil. I. As espécies com máculas efiguradas ou reticulares.

1,5-5(-11) mm larg., adnatos a pouco elevados, pouco aderidos, de contíguos a sobrepostos lateralmente, de ápices (subarredondados a) subtruncados ou irregulares, a margem crenada a irregular, incisa, sem linha negra distinta, sublacinulada a lacinulada, axilas ovais, superfície contínua ou com quebras iniciais nas partes distais tornando-se reticulado- rimosa no centro, lisa a pouco rugosa. Lacínulas marginais de distribuição irregular, mais acentuadas no centro, planas, 0,7-3,0 (3,0-5,0 no espécime M.P. Marcelli 11437 ) × 0,2-1,2 mm, simples a furcadas, ocasionalmente dicotômicas ou raramente irregulares, truncadas ou às vezes agudas, lado de baixo concolorido à margem inferior do talo ou negra, lóbulos adventícios irregulares raros e ocasionais. Cílios negros, simples a raramente furcados ou esquarrosos, 0,1-0,8 × 0,03-0,05 mm, poucos a frequentes por toda a margem. Máculas distintas, reticulares, laminais, originando quebras desde próximo às margens. Sorédios subgranulares a granulares, originados de sorais pustulares capitados a labriformes, subapicais estendendo-se a submarginais, surgindo principalmente nas lacínulas e ocasionalmente nos lobos ou nos anfitécios dos apotécios. Pústulas e isídios ausentes. Medula branca, sem manchas de pigmentos K+ púrpura. Lado de baixo negro, lustroso, liso a rugoso, pouco papilado, zona marginal marrom escura, atenuada, lustrosa, lisa a parcialmente venada, pouco papilada, parcialmente rizinada. Rizinas 0,2-1,3 × ca. 0,05 mm, negras, simples a furcadas, esquarrosas ou de ramificação irregular, homogeneamente distribuídas, abundantes. Apotécios côncavos, 0,5-1,3 mm diâm., submarginais, raramente laminais, subpedicelados, margem e anfitécio lisos densamente sorediados desde jovens; disco marrom, côncavo, não pruinoso, perfurado ou imperfurado, ascósporos não encontrados (himênios sem ascos). Picnídios não encontrados.
Mostrar mais

12 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

As entrevistas com os diretores sugerem que, se houve uma apropriação dos resultados do SAERS, ela se deu de forma superficial, sem atingir mais profundamente a estrutura da escola ou que desencadeasse ações efetivas no exercício de sua autonomia. Entre essas ações efetivas, estaria identificar habilidades e competências a serem trabalhadas mais efetivamente com os alunos e revisão de planos de estudo. Ainda que o Colégio A adote uma prática há anos de ter reuniões pedagógicas semanais por área. Essa prática parece ter uma contribuição importante para a escola obter resultados melhores que as demais nos testes do SAERS e Prova Brasil. Por ser iniciativa da própria escola, não seria prática comum na realidade local. Na impossibilidade de reunir seus professores, a estratégia de reuniões em grupos menores facilita organizá-las com frequência semanal e também ampliar as trocas entre os colegas, mais difíceis de serem feitas com todo o grupo ao mesmo tempo. Com a proximidade maior entre os pares, tais reuniões também poderiam ajudar a integrar os novos professores. Efeitos positivos de reuniões pedagógicas envolvendo um trabalho cooperativo pela melhoria da aprendizagem dos alunos foi encontrado em um grupo de escolas em trabalho organizado por Neubauer, observando que as escolas pesquisadas
Mostrar mais

86 Ler mais

O PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - PIP

O PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - PIP

A equipe da Sedu/ES presta suporte às onze regionais de ensino, por meio de oficinas de divulgação do Guia para Intervenção Pedagógica, que é base estruturan- te da intervenção. O acompanhamento dos trabalhos quanto à execução do Plano de intervenção feito pelos professores e atores da comunidade escolar é executado pela própria direção, com assessoramento da Sedu. Vê-se a diferença em relação ao PIP, constituído de uma equipe central, na qual os técnicos, em duplas (no total de 100) para atender as 47 superintendências regionais de ensino, foram contrata- dos pela SEE apenas para assessorar as escolas no desenvolvimento do plano de intervenção, prestando assistência in loco, assistindo às aulas e verificando o plano de aula do professor. Quanto ao material didático a equipe do PIP não participou da elaboração de sua elaboração, enquanto que no Estado do Espírito Santo os pró- prios professores foram os elaboradores do material didático a ser trabalhado na sa- la de aula. Esta experiência foi positiva, pois proporcionou maior interação com a re- alidade da escola. De acordo com o Relatório da SEE/MG, 36 para alcançar os pa- tamares almejados pelos programas é muito importante a estruturação de um pro- cesso de comunicação que permita o gerenciamento e a coordenação dos progra- mas com enfoque no mapeamento dos comunicadores, partes interessadas, canais de comunicação, mecanismos de feedback, cronogramas, criação de ações de compartilhamento, disseminação e distribuição das informações.
Mostrar mais

107 Ler mais

AS AÇÕES DO AGROHIDRONEGÓCIO, O PAPEL DO ESTADO E AS FORMAS DE CONTROLE DO TRABALHO NO MATO GROSSO DO SUL

AS AÇÕES DO AGROHIDRONEGÓCIO, O PAPEL DO ESTADO E AS FORMAS DE CONTROLE DO TRABALHO NO MATO GROSSO DO SUL

We present in this paper the results of research conducted between 2010 and 2013 in the state of Mato Grosso do Sul in relation to the ongoing process of domination of the sugarcane agro- industrial capital that has awarded exploration striking the hand labor involved, which consists of migrant workers, indigenous, still added to the ranks of local workers, drawn- southern municipalities of Mato Grosso do Sul. It is a process marked advance in the country's capital directed to areas where the agricultural frontier is denoted close alliance with the state. Thus, we have converging interests of landowners concerned with ownership, legitimacy and consequent profit guarantee through the expansion of cane sugar’s own domestic and foreign businessmen, with or without tradition in sugarcane agribusiness, endogamous turn by the action concurrent entities representing agribusiness. Thus, we observe the structure of power relations that express directly ills in the territory.
Mostrar mais

320 Ler mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE GOIÁS (SAEGO): INTERPRETAÇÃO ESTATÍSTICA E PEDAGÓGICA DOS ITENS DE MATEMÁTICA

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE GOIÁS (SAEGO): INTERPRETAÇÃO ESTATÍSTICA E PEDAGÓGICA DOS ITENS DE MATEMÁTICA

De acordo com a concepção de quem escreve os boletins, o motivo pelos quais se avalia um sistema fundamentam-se na proposta de que os dados oriundos dos testes respondidos pelos estudantes formam um painel que ilustra o que está sendo ensinado e o que os estudantes estão aprendendo (CAEd, 2015, p.12). Com relação a essa concepção, discordamos em parte, já que não há como saber por meio dos resultados o que está sendo ensinado, e sim o que está sendo aprendido. A dimensão que envolve a elaboração de um item se relaciona à aprendizagem dos estudantes, e não ao que e como o professor ensina. Ainda na mesma página, há uma afirmativa, no nosso entendimento, um tanto quanto equivocada, segundo a qual “as unidades escolares têm possibilidades de observar se o currículo contempla as habilidades consideradas mínimas para que os estudantes prossigam em seu processo de escolarização”. Defendemos que neste caso a relação deveria ser inversa: de fato, vemos que seria importante que as instituições escolares avaliadas verificassem se o que está sendo avaliado condiz com o currículo e a forma como os profissionais da educação pensam a Educação Matemática em seu estado. Neste caso, é preciso verificar se a matriz está alinhada ao currículo, pois a função do teste, que é elaborado a partir da matriz, é apontar o que os alunos estão
Mostrar mais

161 Ler mais

OS DESAFIOS DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ISO 9001:2008 NA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E QUALIDADE DO ENSINO DO AMAZONAS: O CASO DA ESCOLA EDUARDO RIBEIRO

OS DESAFIOS DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ISO 9001:2008 NA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E QUALIDADE DO ENSINO DO AMAZONAS: O CASO DA ESCOLA EDUARDO RIBEIRO

A presente dissertação foi desenvolvida como parte integrante do Programa de Pós- graduação Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública (PPGP), da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). O objetivo principal foi analisar o processo de certificação com a Norma ISO 9001:2008, na Escola Estadual Eduardo Ribeiro, no município de Tefé, Estado do Amazonas, para identificar quais as principais dificuldades a partir da percepção dos atores envolvidos. A busca pela qualidade da educação oferecida nas escolas brasileiras tem despertado interesse de estudiosos, especialistas e, em alguns casos, do poder público. A Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (SEDUC/AM), na procura por novas formas de ver e pensar a educação, adotou em algumas escolas amazonenses essa ferramenta como mecanismo gerenciador. A relevância do presente estudo se situa, especialmente, na implementação da referida certificação em escolas estaduais do Amazonas, já que o processo apresenta algumas dificuldades. As impressões desta análise, confirmadas ao longo da pesquisa, são relativas à necessidade de se propor melhorias no processo de certificação das escolas da rede estadual de ensino do Amazonas. A metodologia utilizada foi o estudo de caso de caráter qualitativo. Os dados foram coletados, inicialmente, por meio de pesquisa documental e bibliográfica, caracterizada por um levantamento de dados exploratório em materiais literários disponíveis. Posteriormente, foi utilizada a entrevista semiestruturada, aplicada junto a uma representante do órgão central, neste caso a SEDUC/AM, e à atual diretora da escola, além de um questionário com perguntas estruturadas aplicado junto aos servidores da escola. Para o desenvolvimento do referencial teórico da pesquisa, recorreu-se a autores e pesquisadores com uma reconhecida contribuição no campo da Qualidade e da Qualidade da Educação, associando-os à Certificação ISO 9001:2008. Dentre eles, destacamos: Assunção (2012), Campos (1994), Carvalho (2012), Carpinetti (2010), Chiavenato (2010), Crosby (1979), Deming (1997), Demo (1994), Gil (2008), Juran (1991), Mello (2009), Paladini (2009), Ramos (2005), Wittmann (2004) e Xavier (1997). A pesquisa revelou ainda que o processo de certificação com a norma adotada é passível de falhas e carente de aperfeiçoamento. Os dados obtidos na pesquisa mostraram que o modelo seguido pela instituição para orientar a certificação das escolas pode ocasionar uma implementação incerta e, consequentemente, impedir que elas possam superar as inconformidades necessárias para que sejam certificadas.
Mostrar mais

93 Ler mais

Nota sobre caso autóctone de tripanossomíase americana no litoral sul do Estado de São Paulo, Brasil.

Nota sobre caso autóctone de tripanossomíase americana no litoral sul do Estado de São Paulo, Brasil.

Nota sobre caso autóctone de tripanossomíase americana no litoral sul do Estado de São Paulo, Brasil.. Paulo,.[r]

7 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd- CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd- CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

O trabalho que ora se apresenta analisa os resultados da Regional Serrana II, localizada no município de Nova Friburgo, no Programa de Educação do Rio de Janeiro e as possíveis causas que contribuíram para o não alcance, por parte de quatro escolas, das metas estabelecidas pela Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro em 2011 e 2012. O Programa de Educação apresenta um planejamento estratégico estruturado em quatro eixos, incluindo políticas de ensino, políticas de gestão de pessoas, políticas de infraestrutura e gestão da comunicação, com estratégias de valorização de servidores através de meritocracia e bonificação por resultados, além de metas estabelecidas por meio de resultados anteriores de cada unidade escolar. A pesquisa realizou-se por meio de entrevistas semiestruturadas, questionários em escala de Likert e análise de resultados de avaliações externas realizadas com os gestores das quatro unidades escolares e com amostras de professores. Os resultados dos estudos foram submetidos a autores escolhidos para subsidiarem o referencial teórico da pesquisa. A Regional Serrana II, nos anos de 2011 e 2012, destacou-se no ranking do estado entre as primeiras colocadas e a maioria das escolas que a compõe alcançou as metas propostas. A partir dos resultados da pesquisa, propõe-se um Plano de Ação Educacional (PAE), sugerindo a criação de um Grupo de Líderes (GL) que se destaca por ser formado por gestores que conseguiram resultados satisfatórios, por meio de uma gestão participativa e focada em resultados pedagógicos.
Mostrar mais

104 Ler mais

A IMPLEMENTAÇAO DA POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE GESTORES ESCOLARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA ANÁLISE A PARTIR DA REGIONAL METROPOLITANA II

A IMPLEMENTAÇAO DA POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE GESTORES ESCOLARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA ANÁLISE A PARTIR DA REGIONAL METROPOLITANA II

Esta dissertação, desebvolvida no âmbito do Programa de Pós-graduação Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública da Universidade Federal de Juiz de Fora, teve como objetivo identificar e analisar as demandas de formação dos gestores de escola na SEEDUC/RJ, de modo a contribuir com a proposição de ações que possam suprir os gaps existentes. Para tanto, foi necessário analisar a política de formação e desenvolvimento de pessoas da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, executada a partir de 2010, sob a perspectiva das ações empreendidas para os diretores escolares, levando em consideração, também, a percepção desses gestores, acerca dessa política. A pesquisa teve como recorte de análise três dos cursos ofertados para gestores escolares entre os anos de 2011 a 2013; são eles: Curso de Formação do Processo Seletivo Interno (PSI), MBA em Gestão Empreendedora em Educação e o Fórum de Gestão e Liderança Escolar. Os dados foram coletados por meio de pesquisa documental e bibliográfica, observação participante e pesquisa de campo com aplicação de questionário. O questionário foi aplicado nos diretores escolares da Regional Metropolitana II. Na análise, foram investigados os seguintes elementos: perfil de formação do gestor, análise dos três cursos e sugestões de formatos e assuntos para a elaboração de novas propostas de formação. Esse estudo foi desenvolvido, a partir da contribuição de autores como: Fleury (2001), Freitas (2009), Lück (2000, 2009, 2010), Pacheco at al. (2009), Mintzberg (2010), Machado (2010, 2012), Kuenzer (2013), Polon (2013), dentre outros. A pesquisa mostrou os pontos relevantes e os limites dos três cursos analisados, revelando lacunas que necessitam ser trabalhadas. O diagnóstico realizado foi fundamental para a elaboração de um Plano de Ação Educacional direcionado ao enriquecimento da política de formação e desenvolvimento para gestores escolares, implementada no estado.
Mostrar mais

212 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd – CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd – CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

Destaca-se, na Figura 1 e no cronograma disposto no Quadro 1, a realização do III Congresso Estadual de Alfabetização, em maio de 2007, em Belo Horizonte, onde foram apresentadas as propostas de dois dias em que a escola deveria parar e analisar seus resultados, perscrutando suas práticas e propondo mudanças de rumos, caso fossem constatados retrocessos ou estagnação. O primeiro deles foi denominado “Toda Escola pode fazer a diferença”, dia de estudo e análise dos resultados de cada escola nas avaliações externas e planejamento das ações de intervenção para enfrentamento dos problemas levantados neste dia, com estabelecimento de responsáveis por estas ações. O s egundo, chamado de “Todos devem particip ar”, foi pensado como o momento de dar conhecimento à comunidade atendida pela escola destas propostas, com a intenção de congregar esforços e colher sugestões para a consecução do Plano. Esses dois dias de análise e planejamento foram mantidos nas Resoluções que estabelecem, anualmente, para a Rede Pública Estadual de Educação Básica, o Calendário Escolar, como ações fixas anuais das escolas da rede estadual de ensino, nos anos posteriores, modificando- se não a estrutura dos mesmos, mas a denominação 12 para Dia D “Toda Escola
Mostrar mais

185 Ler mais

VANDERLEA BARRETO DO AMARAL OS LIMITES DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO REFORÇO ESCOLAR NAS ESCOLAS DE ENSINO MÉDIO DA REGIONAL METROPOLITANA VII DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

VANDERLEA BARRETO DO AMARAL OS LIMITES DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO REFORÇO ESCOLAR NAS ESCOLAS DE ENSINO MÉDIO DA REGIONAL METROPOLITANA VII DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Esta pesquisa buscou avaliar os limites da implementação do Programa Reforço Escolar, criado pela Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, em junho de 2012, nas escolas da Regional Metropolitana VII. O objetivo deste trabalho é identificar e analisar a existência de problemas na sua implementação, além de verificar as causas da falta de adesão ou da adesão parcial das escolas que não o desenvolveram. Tal Projeto visa à diminuição dos índices de reprovação em Matemática e Língua Portuguesa no ensino médio e à elevação dos resultados nas avaliações em larga escala como SAERJ, SAERJINHO, SAEB e PROVA BRASIL. Para a coleta de dados, foi aplicado um questionário a professores e gestores em duas escolas da Regional em estudo: uma que aderiu ao projeto e outra que não desenvolveu nenhuma de suas ações. Na sua análise, foram investigados os fatores extraescolares e intraescolares que dificultaram a adesão das escolas. A partir deles, apresentou-se um Plano de Ação Educacional (PAE) que propõe estratégias de divulgação do Projeto, além de reforçar a ideia de participação efetiva dos pais na vida escolar dos educandos. Ele sugere, ainda, o aprimoramento da metodologia do Projeto e levanta questões a respeito da estrutura das escolas envolvidas no processo.
Mostrar mais

129 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados