Top PDF Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá Açu, MT, Brasil).

Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá Açu, MT, Brasil).

Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá Açu, MT, Brasil).

RESUMO – (Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá Açu, MT, Brasil)). O presente trabalho tem como objetivo realizar o levantamento etnobotânico de plantas classificadas em diferentes categorias de uso na comunidade de Conceição-Açu, no município de Cuiabá, MT, Brasil e estimar o valor de uso das espécies botânicas em matas de galeria. Entrevistas estruturadas e semi-estruturadas, o uso do questionário foram aplicados em 59 residentes adultos de ambos os sexos. Identificou-se as unidades de paisagem: quintais, roças e matas de galeria e o número total de espécies utilizadas foi de 180. A maioria das plantas foi coletada durante a entrevista e depositadas no Herbário da UFMT. Nos quintais das residências identificou-se 86 espécies, pertencentes a 43 famílias, a maioria cultivada e utilizada como alimento (48,1%) e como remédio (44,5%). Nas roças os principais cultivos são: Manihot esculenta L. (100%), Carica papaya L. (76,2%), Musa paradisiaca L. (71,4%), Saccharum officinarum L. (57,1%). Na mata de galeria destacou-se a categoria medicinal (65%), com as espécies: Copaifera langsdorffii Desf. (2,5), Aspidosperma polyneuron Muell. Arg. (2,5), Hymenaea stignocarpa Mart. (2,33), Diptychandra aurantiaca Tul. (2,0), Cariniana rubra Gardner ex. Miers (20) e as famílias botânicas Mimosaceae, Bignoniaceae, Caesalpiniaceae, Fabaceae e Sapindaceae. Os resultados demonstram que a população possui vasto conhecimento das plantas e de suas propriedades de cura.
Mostrar mais

13 Ler mais

Estudo etnobotânico com crianças e adolescentes na comunidade São Francisco, Cabaceiras (PB)

Estudo etnobotânico com crianças e adolescentes na comunidade São Francisco, Cabaceiras (PB)

Resumo: A pesquisa foi realizada na comunidade São Francisco em Cabaceiras com objetivo de realizar um estudo etnobotânico com crianças e adolescentes. A coleta de dados foi realizada através de entrevistas semiestruturadas e lista livre. Os jovens caracterizaram cada espécie citada de acordo com a sua relação, informação sobre o uso e conhecimento pessoal, mencionando diversas categorias utilitárias. Dentre as plantas mais citadas, destacaram-se, Opuntia ficus indica L. Mill e Prosopis juliflora (SW). DC. Baseando-se na diversidade de plantas que foram mencionadas, a pesquisa foi de grande relevância. Enfatiza-se a necessidade na realização de outras pesquisas dessa natureza, sugerindo a adoção de métodos e perspectivas da educação ambiental, podendo a mesma ser utilizada no desenvolvimento educacional das crianças e adolescentes.
Mostrar mais

18 Ler mais

Estudo Etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pela Comunidade do Sisal no município de Catu, Bahia, Brasil.

Estudo Etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pela Comunidade do Sisal no município de Catu, Bahia, Brasil.

A segunda etapa do trabalho envolveu a aplicação de questionários semiestruturados utilizados como roteiro nas conversas com os informantes-chave, visando obter as informações referentes às espécies e a parte utilizada das plantas, as formas de uso e as enfermidades para as quais eram indicadas. As conversas foram gravadas mediante a autorização do entrevistado. O critério de escolha dos informantes considerou o tempo de residência na comunidade e a idade, entendendo que os mais idosos e os que moram ha mais tempo na comunidade sejam os maiores detentores do conhecimento tradicional, além do critério de ter sido indicado pelo conjunto da população.
Mostrar mais

10 Ler mais

O encontro da ciência e da tradição no Brasil: as plantas medicinais e as rezadeiras

O encontro da ciência e da tradição no Brasil: as plantas medicinais e as rezadeiras

A prática de uso de plantas em processos de cura e tratamento remontam às longínquas memórias da humanidade. O registro de utilização humana de plantas medicinais está relacionado ao próprio surgimento do Homem. No Brasil, o uso de plantas medicinais advém da miscigenação de culturas, curandeiros indígenas, europeus e africanos. E por esta confluência de várias culturas, ela se tornou recurso indispensável no tratamento de diversos males por todo o país. O presente trabalho realiza um estudo etnobotânico sobre o uso e o conhecimento tradicional de plantas medicinais no Brasil, a partir de pesquisa qualitativa de amostragem e coleta de dados dentro da comunidade ligada aos alunos PLI - Programa de Licenciaturas Internacionais - e familiares e ainda apresenta o caso da inserção das rezadeiras no Programa da Saúde da Família – PSF – em Manguarape, Ceará, Brasil. Mediante a pesquisa e com posterior tratamento dos dados estatísticos, foi possível demonstrar que o uso de plantas medicinais está presente no cotidiano destas pessoas. Observando o caráter sociocultural desta pratica terapêutica, foi possível concluir que a comunidade ligada ao PLI utiliza, têm acesso e conhece grande diversidade de plantas medicinais para a cura e prevenção de doenças uma vez que foram citadas 76 plantas com caráter medicinal.
Mostrar mais

11 Ler mais

Estudo etnobotânico na educação básica

Estudo etnobotânico na educação básica

Foram  citadas  21  espécies  de  plantas,  pertencentes  a  12  famílias  botânicas,  agrupadas  em  19  gêneros  e  precisaram  ser  organizadas  a  partir  do  estudo  da  taxonomia  popular.  Com  o  crescimento  da  cidade  e  as  correntes  migratórias,  houve  uma  intensa  diversificação cultural, o que gerou diferentes nomeações para algumas plantas medicinais,  como no caso da Melissa (Melissa officinalis), que é conhecida também como Erva‐cidreira,  assim  como  o  Capim‐limão  (Cymbopogon  citratus).  A  partir  disso  foi  questionada  nas  entrevistas  a  descrição  do  vegetal  (formas,  cores,  aromas  e  sabores)  para  facilitar  a  identificação  destas  espécies  e  também  foram  colhidas  informações  com  a  raizeira  da  comunidade, a Sra. Alzira, para sabermos quais as espécies mais comuns da região. 
Mostrar mais

18 Ler mais

<b>Plantas medicinais: estudo etnobotânico dos distritos de Toledo e produção de material didático para o ensino de ciências</b> - DOI: 10.4025/actascihumansoc.v29i2.920

<b>Plantas medicinais: estudo etnobotânico dos distritos de Toledo e produção de material didático para o ensino de ciências</b> - DOI: 10.4025/actascihumansoc.v29i2.920

O que torna o conhecimento tradicional de interesse para ciência é porque se trata do relato verbal da observação sistemática de fenômenos biológicos feito por pessoas, muitas vezes iletradas, mas certamente algumas tão perspicazes quanto os cientistas. Dentro deste contexto, o projeto Estudo Etnobotânico de Plantas Medicinais da Região de Toledo, Estado do Paraná teve como proposta principal catalogar e identificar plantas medicinais utilizadas pela população construindo um acervo de exemplares da flora regional, resgatando e registrando, dessa forma, a cultura medicinal da população. Também, elaborar um material informativo, na forma de uma cartilha, destinado às crianças do Ensino Fundamental, visando trabalhar alguns conceitos de Ciências Naturais (Química, Biologia e Matemática) e também conscientizá-las a respeito dos perigos causados pelo uso indevido de plantas medicinais. Pretende-se também provocar interação entre a Universidade e a Comunidade, proporcionando trocas recíprocas para ambas.
Mostrar mais

5 Ler mais

Etnobiologia de uma comunidade ribeirinha no Alto da Bacia do Rio Aricá Açu, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Etnobiologia de uma comunidade ribeirinha no Alto da Bacia do Rio Aricá Açu, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

. ..”Por isso que aprendemos a utilizar e a conservar tudo o que estava ao nosso alcance em nossa propriedade, sem destruir e sem esgotar as reservas porque sabia que da natureza sairia tudo que precisava para sobrevive... Muitas vezes a gente adoecia e o único recurso era a própria planta aqui do local. Aprendia a conhece as planta e prepara o chá, ou seja, que fosse por necessidade, onde cada caso era um caso, cada doença se apresentava dum jeito e assim cada planta tinha a sua solução,era remédio bom, curava a gente. Nós buscava as planta no campo e na mata, na barranca do rio”... Aos poucos a lei do trabalho foram dispensando o agregado... ficava muito caro bota tudo os acordos no papel... e na hora de ir embora tinha que paga pro agregado muita coisa que a lei exigia... A gente trabalhava muito, a gente plantava nos capão a batata, o cará, a mandioca, a banana, a cana de açúcar, o feijão, arroz e o milho... Em todas as propriedades dessa região era plantado esses produto... Das matas a gente apanhava semente, fruto, terra preta pra jogá nas hortas e nos quintais e também plantas para tratar das doença do corpo... sempre tinha um remédio pra da solução ...De 1949 a 1958 a região continuava como um sertão, com pouca gente nas fazendas, era quase só a família e alguns empregados... A gente também criava muito boi, sempre tinha carne pra come...” (Sr. B. P. 79 anos. Comunidade de Conceição Açu, Cuiabá, MT, 2002).
Mostrar mais

189 Ler mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UNB- CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL-CDS MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL JUNTO A POVOS E TERRITÓRIOS TRADICIONAIS – MESPT MÁRCIA JUCILENE DO NASCIMENTO

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UNB- CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL-CDS MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL JUNTO A POVOS E TERRITÓRIOS TRADICIONAIS – MESPT MÁRCIA JUCILENE DO NASCIMENTO

GIVÂNIA: Bom Márcia, ééé...eu vou começar contando minha história pra poder chegar nessa história aí, vou tentar ser breve. Mas assim, assim como eu e outras pessoas da minha geração e de geração anteriores, ééé...da comunidade elas não tiveram a oportunidade de estudar. Algumas meninas até mais velhas do que eu, e mais novas do que eu saíram da comunidade com a ideia de que estudariam. Por quê? Porque a comunidade só oferecia de 1ª a 4ª série, então os alunos terminavam a 4ª série e muitos deles ficavam repetindo, repetindo, repetindo... a 4ª série várias vezes pra pelo menos não sair da escola. Eram menos escolas, depois foram ampliadas escolas no território, mas mesmo assim não havia qualquer política pra estimular os alunos, e pra absorver os alunos da comunidade. Ééé... no ano de 88 pra 89 começou um movimento na comunidade de rediscussão que veio por meio da catequese, das CEB‘s, e nós passamos a discutir várias questões. A questão de quem éramos nós, fomos discutir nossa identidade, e também fomos discutir algumas questões: por que era que não tinha energia na comunidade, por que era que não tinha escola, quando nós somos o distrito de Conceição a segunda maior população depois da cidade. E essa por a segunda população depois da cidade entendíamos que deveria ter um tratamento adequado considerando o número de pessoas. Então a agente passou a perceber que uma das ausências que afetava a nossa vida diretamente, era a questão da educação, né. Então, entre as pautas que a partir desse processo de reestruturação, de reconstrução da história da comunidade, nós passamos a discutir educação. Mas naquele momento nós discutíamos a ausência da educação. E fomos avançando, e depois passamos a perceber que não era só a ausência da educação que nos afetava, para além da ausência da educação, a educação que nos era oferecida também não batia com aquilo que a gente tava discutindo no processo de reorganização e de reestruturação da comunidade. Até então era isso. Foi a partir daí que a gente começou a fazer dois movimentos: um, era pra ter a escola, e o outro era pra que essa escola oferecesse uma educação que dialogasse com aquilo que a gente tava discutindo no território sobre a questão da organicidade do território, a luta pela reconstrução do território... Enfim, até esse período realmente são poucas pessoas que conseguiram concluir o Ensino Médio, e mesmo aqueles que concluíram, eles concluíram sem esse componente de saber quem eram, porque eram de Conceição das Crioulas, a história de Conceição das Crioulas. Eu começo por mim. Eu aprendi a história de Conceição na reconstrução da história. Mas, na escola, em qualquer lugar, não foi esse lugar que eu aprendi quem tinha sido e quem são as Crioulas, o que elas significam pra gente.
Mostrar mais

199 Ler mais

Educação para jovens e adultos

Educação para jovens e adultos

Paulo Freire elaborou uma proposta de alfabetização de adul- tos conscientizadora, cujo princípio básico pode ser traduzido numa frase sua que ficou célebre: “A leitura do mundo precede a leitura da palavra”. Prescindindo da utilização de cartilhas, desenvolveu um conjunto de procedimentos pedagógicos que ficou conhecido como método Paulo Freire. E le previa uma etapa preparatória, quando o alfabetizador deveria fazer uma pesquisa sobre a realidade existen- cial do grupo junto ao qual iria atuar. Concomitantemente, faria um levantamento de seu universo vocabular, ou seja, das palavras utili- zadas pelo grupo para expressar essa realidade. Desse universo, o alfabetizador deveria selecionar as palavras com maior densidade de sentido, que expressassem as situações existenciais mais importan- tes. Depois, era necessário selecionar um conjunto que contivesse os diversos padrões silábicos da língua e organizá-lo segundo o grau de complexidade desses padrões. E ssas seriam as palavras gerado- ras, a partir das quais se realizaria tanto o estudo da escrita e leitu- ra como o da realidade.
Mostrar mais

243 Ler mais

Porque se nóis não agir o pudê não sabe se nóis isiste nu mundo: O MEB e o Dia do Senhor em Sobral .

Porque se nóis não agir o pudê não sabe se nóis isiste nu mundo: O MEB e o Dia do Senhor em Sobral .

Nas reuniões, os camponeses recriavam, com as bases, a dinâmica de aprendizado, vivenciada nos cursos. Dessa forma, a linguagem e ações do povo iam agregando novos sentidos. Suas lutas e conquistas assumiam valor coletivo e compromisso com a libertação, nas várias formas como entendiam esse termo. Pela carta de Mirian Aleluia, a libertação era pensada no zelo da água, prevenção de doenças e conquista da dignidade humana. Ao passo que iam se libertando de beber água suja de “sabão e sabunete” iam conquistando dignidade. Miriam conta que reuniu doze famílias para discutirem a importância de beber água limpa. A reunião resultou na criação de um projeto comunitário, em que se criou a lei: “um lugar só pra lavar e outro só pra beber”. Pela sua escrita, percebe-se o compromisso da comunidade de Padre Linhares com o trabalho de base, pois salienta a formação de “grupinhos para planeijar outros trabalhos”:
Mostrar mais

221 Ler mais

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR NA IMPLEMENTAÇÃO DE MODELOS DE GESTÃO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO METROPOLITANA VII DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR NA IMPLEMENTAÇÃO DE MODELOS DE GESTÃO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO METROPOLITANA VII DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

A partir do objetivo geral desta pesquisa que é compreender de que maneira o perfil do gestor escolar pode facilitar a implementaçãodo modelo de Gestão Integrada da Escola(GIDE),tem-se como obetivos específicos: i) descrever o modelo de Gestão Escolar do Rio de Janeiro,tendo como aporte o panorama da Regional Metropolitana VII e das escolas do recorte do estudo de caso;avaliações externasii) analisar o perfil dos gestores das escolas do estudo de caso sob a luz da teoria e com base nos achados coletados através dos instrumentos aplicados no campo; e III) propor um plano de ação para ampliar a formação do gestor escolar,por meio de treinamentos de Gestão e Liderança, de modo a vislumbrar a formação do líder com um perfil capaz de promover melhorias contínuas nas escolas onde atuam como gestores, cujo resultado reflita no maior índice de desenvolvimento escolar dos alunos. Para o melhor entendimento do caso de gestão que aqui se delineia, é necessário dizer que o Plano Estratégico da Secretaria Estadual de Educação, é implementado a partir de 2011 e, em seu bojo, promoveu diversas mudanças estruturais no ensino, no cotidiano da sala de aulaena gestão escolar. Foram elaboradosum novo modelo denominado Gestão Integrada da Escola(GIDE), um currículo mínimo para cada disciplina, o processo seletivo para funções estratégicas da área pedagógica e a criação das carreiras de Gestor e Técnico de Educação. A SEEDUC, devido àpreocupação em garantir uma gestão escolar mais qualificada,buscou implementar um modelo de gestão escolar que utiliza a ferramenta gerencial (GIDE) e, por conseguinte, optou em padronizar esse modelo emtodas as escolas da rede estadual. Sua implementação é acompanhada por dois atores, que compõem os novos cargos estratégicos da Secretaria criados a partir da reestruturação, e atuam in loco na Regional: oDiretor Regional Pedagógico (DRP) e o Agente de Acompanhamento da Gestão Escolar (AAGE).
Mostrar mais

106 Ler mais

Open Dinâmica e transmissão cultural do conhecimento etnobotânico em uma comunidade rural da região semiárida da Paraíba

Open Dinâmica e transmissão cultural do conhecimento etnobotânico em uma comunidade rural da região semiárida da Paraíba

43 (LUCENA et al., 2007); na floresta Atlântica brasileira (HANAZAKI et al., 2000); em Cabo Delgado, Moçambique (MATAVELE E HABIB, 2000) e em Sub-Sahel, Burkina Faso (SOP et al., 2012). Nesse caso, esse padrão pode ter se formado devido à aquisição de recursos, como alimentos e remédios, constituírem práticas cruciais do cotidiano e as atividades básicas para a subsistência do agregado familiar não estão, necessariamente, divididas entre os gêneros. Recursos vegetais obtidos nestas atividades são igualmente valorizados por homens e mulheres, ao passo que as plantas destinadas a satisfazer as necessidades complementares ou mais específicas (por exemplo, fabricação de ferramentas, cercas), ou necessidades importantes que requerem apenas a ação esporádica (por exemplo, construção e reparação da casa) são diferencialmente valorizados por homens e mulheres (CAMOU-GUERRERO et al., 2008). No entanto, um aspecto interessante resultante da anilise de gênero foi a não ocorrência de diferenças de conhecimento de espécies entre homens e mulheres mais velhos (>62 anos). Os estudos de Dovie et al. (2005) na Africa relataram que as mulheres em áreas rurais, muitas vezes mudaram suas opções de vida, em resposta às necessidades domésticas porque os homens passavam longas periodos que trabalham nas cidades. Como resultado, a maiora das mulheres tem asumido responsabilidades masculinas, ganhando maior controle do lar e dependência das culturas e dos recursos vegetais da floresta devido à falta de trabalho formal na região. Para a comunidade de São Francisco, e entrada de novas tecnologias e a satisfação de novos hábitos derivados dos efeitos da modernização tem potencializado a participação da mulher no acréscimo da renda familiar através da sua incorporação no mercado laboral. Isto traz como consequência, o afastamento deste grupo das atividades relacionadas com os recursos vegetais enquanto que os homens continuam a ter atividades de coleta de espécies além das atividades de trabalho.
Mostrar mais

82 Ler mais

EDILVANA MARA DA SILVA LOPES A GESTÃO DE PROCESSOS DO ENSINO DE GRADUAÇÃO: Estudo sobre as demandas de visitas técnicas e trabalhos de Campo na Universidade Federal de Juiz de Fora

EDILVANA MARA DA SILVA LOPES A GESTÃO DE PROCESSOS DO ENSINO DE GRADUAÇÃO: Estudo sobre as demandas de visitas técnicas e trabalhos de Campo na Universidade Federal de Juiz de Fora

A presente dissertação é desenvolvida no âmbito do Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação (PPGP) do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF). O caso de gestão apresentado discute os problemas de gestão acadêmica das demandas por trabalhos de campos e visitas técnicas, entres outras denominações por experiências formativas, realizadas em espaços distintos do campus da UFJF, que chegam à Pró-Reitoria de Graduação por meio de pedidos de custeio. Dessa forma, este estudo tem por objetivo geral analisar os processos de viagens formativas nos eixos pedagógico e administrativo. Especificamente objetiva-se: i) descrever os fatos que caracterizam a falta de sistematização de processos para custeio de trabalho de/em campo dos cursos da graduação, como um problema de gestão da PROGRAD; ii) analisar a dimensão do problema, nas perspectivas pedagógicas e gerenciais; iii) propor um Plano de Ação Educacional, envolvendo ações administrativas e gerenciais, para a resolução do problema. Assumimos como hipóteses que a temática envolve ações administrativas entre diversos setores, não existem processos sistematizados para atendimento às demandas das viagens e não há um sistema eficiente de difusão de informações e conhecimentos sobre o tema. A metodologia utilizada para o desenvolvimento deste trabalho possui natureza aplicada, com abordagem qualitativa e descritiva de estudo de caso, buscando analisar como são constituídos os processos administrativos e pedagógicos para viagens formativas e qual a importância do tema para a formação discente. Para tanto, utilizamos como instrumentos a pesquisa documental, a pesquisa bibliográfica e as entrevistas com coordenadores de sete cursos de graduação do campus de Juiz de Fora. Com base nas evidências trazidas pelas pesquisas, propomos ações administrativas participativas, interativas e transparentes, visando à implementação de processos sistematizados e à difusão da gestão do conhecimento para o atendimento e fomento das viagens formativas nos cursos de graduação da UFJF.
Mostrar mais

142 Ler mais

Gestão dos recursos hídricos e conflito: estudo de caso da comunidade Mãe D’água, na bacia hidrográfica Piranhas-Açu, Paraíba

Gestão dos recursos hídricos e conflito: estudo de caso da comunidade Mãe D’água, na bacia hidrográfica Piranhas-Açu, Paraíba

Essa ação revoltou a população da Comunidade Mãe D’Água que teve seu abastecimento por meio de barriletes suspensos, sendo impossibilitados de captarem água de forma direta do açude e que assistiam a mesma água ser fornecida para outros municípios da Paraíba e do Rio Grande do Norte. Além disso, segundo a líder comunitária, o interesse maior pelas águas era do estado vizinho, já que a obra teria sido realizada pela CAERN, com o principal objetivo de levar a água para grandes agricultores rurais, enquanto os moradores da comunidade estavam obrigados a utilizar uma quantidade limitada de água. Defendendo esse argumento a comunidade se organizou e realizou uma nova manifestação em 11 de novembro de 2016, contra as ações dos gestores hídricos.
Mostrar mais

18 Ler mais

As mulheres, a comunidade de Conceição e suas lutas : histórias escritas no feminismo

As mulheres, a comunidade de Conceição e suas lutas : histórias escritas no feminismo

Nessa substituição, a princípio imposta e depois acatada pela comunidade, a violência de negar uma devoção há tanto tempo compartilhada, de atacar o poder onde ele se apresenta mais visível. Não me parece ser outra intenção a da mudança: dividir, enfraquecer, diluir religiosidades, fragilizar uma tradição com forte poder de aglutinação. Afinal, as novenas de N. S. da Conceição são quase idênticas às de Nossa Senhora da Assunção, embora aquelas sejam bem mais simples e bem mais intimistas que estas, da qual participam apenas os moradores da comunidade com a coordenação de cada atividade diária sob a responsabilidade de uma família. É costume os músicos tocarem na casa do noiteiro/a que abriga a santa durante todo o dia sendo que à noite, todos seguem em procissão para a igreja onde a família responsável coordena a novena. Todas as novenas que presenciei foram coordenadas por mulheres, e no final das orações são distribuídas velas aos participantes, que são acesas enquanto todos se postam ao redor da bandeira, que fica em frente à igreja. Depois disso, o grupo coordenador pega os ramos do altar e sai da igreja junto com a Banda de Pífanos, ficando também ao redor da bandeira. Finalmente, os responsáveis por aquele dia trocam simbolicamente ramalhetes de flores com os organizadores do dia seguinte, a banda de pífano continua tocando durante todo tempo que durarem os fogos, quando esses terminam todos são convidados a dançar o Trancelim.
Mostrar mais

146 Ler mais

Levantamento etnobotânico do jatobá (Hymenaea courbaril L., Fabaceae) no norte do estado de Mato Grosso, Brasil

Levantamento etnobotânico do jatobá (Hymenaea courbaril L., Fabaceae) no norte do estado de Mato Grosso, Brasil

madeireiro, alimentar e medicinal. Este estudo teve por objetivo realizar um levantamento etnobotânico do jatobá (Hymenaea courbaril) na região norte do Estado de Mato Grosso, Brasil. Dados socioeconômicos e etnobotânicos foram obtidos a partir de perguntas fechadas e abertas com os entrevistados. Os resultados foram avaliados quali e quantitativamente. Os entrevistados, em sua maioria, nasceram no Sul do Brasil, mas residem há mais de 20 anos no norte de Mato Grosso, com predominância de agricultores familiares. Os entrevistados relataram conhecer a espécie, principalmente, pelas características das folhas, casca e fruto. A espécie é utilizada nas categorias alimentar, artesanato, ecológica, madeireira, medicinal e tecnológica, totalizando 42 tipos de usos, sendo que destes, 83% foram incluídos na categoria medicinal. As maiores concordâncias de uso entre os entrevistados foram para o tratamento de gripe (CUPc=68), anemia (CUPc=56) e farinha do fruto para alimento (CUPc=48). Os resultados indicam que H. courbaril é uma espécie de uso múltiplo, sendo utilizado, principalmente, como medicinal e que os entrevistados possuem amplo conhecimento sobre a espécie nativa da Amazônia Brasileira.
Mostrar mais

11 Ler mais

LIVRO DE PROGRAMAÇÃO E RESUMOS DO IV CONGEAfro

LIVRO DE PROGRAMAÇÃO E RESUMOS DO IV CONGEAfro

Resumo: O presente texto, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Federal do Piauí (UFPI), tem como objetivo produzir um estudo teórico-reflexivo a cerca da relação entre as perspectivas de cultura, identidade, saúde mental, gênero e políticas públicas, especificamente as que envolvem o uso abusivo e dependência de substâncias psicoativas. Para tal, faz-se necessário um prévio entendimento de cultura, identidade e gênero, dentre outros conceitos. O primeiro, ou seja, a cultura pode ser entendida como estruturas psicológicas, um modo de vida presente em todas as sociedades e como formas de pensar por meio das quais indivíduos/grupos guiam seus comportamentos, que só podem ser considerados dentro do seu próprio contexto cultural diante de seu caráter dinâmico e em permanente construção. O conceito de identidade está pautado em um princípio complexo que nasce como uma auto- representação de si, sendo uma categoria relacional, não fixa, reinventada de acordo com o contexto, que se desenvolveram de acordo com as necessidades e mudanças sociais, ressaltando que as transformações sociais e políticas influenciam na criação e (re) criação de identidades, tendo como ponto de partida a relação com o outro. E o pensamento sobre gênero pode ser pautado nas questões cotidianas, uma vez que esta categoria alcançou uma dimensão analítica, considerando seu processo subjetivo, histórico, “rizomático” e relacional. Tornando-se um valioso instrumento de análise que permite esclarecer alguns aspectos da vida humana. Para tanto, diante destas concepções, este estudo propõe-se contextualizar e refletir a relação entre as temáticas/categorias expostas, bem como problematizar a importância de se compreender a saúde mental diante de um contexto cultural e de um processo de identidade, a fim de que haja uma perspectiva mais abrangente e maior compreensão da saúde mental das cosmovisões de cultura e identidade frente á perspectiva de políticas públicas.
Mostrar mais

63 Ler mais

Atividade in vitro de extratos brutos de duas espécies vegetais do cerrado sobre leveduras do gênero Candida.

Atividade in vitro de extratos brutos de duas espécies vegetais do cerrado sobre leveduras do gênero Candida.

O resgate de uso tradicional de plantas é co- nhecido como estudo etnobotânico e foi empre- gado pela primeira vez em 1895 por Harshberger. Esses estudos representam a área da pesquisa des- tinada à investigação das relações entre povos e plantas, destacando-se dentre essas relações, o estudo das práticas medicinais, envolvendo vege- tais utilizados na medicina popular. Esse tipo de pesquisa muitas vezes tem proporcionado a pro- dução de medicamentos com custos inferiores e, consequentemente, mais acessíveis à população que possam ser utilizados como parte do atendi- mento das necessidades primárias de saúde. Por isso, a etnobotânica trabalha em estreita cumpli- cidade com a etnofarmacologia, que consiste na exploração científica interdisciplinar de agentes biologicamente ativos, Portanto, o resgate e a re- valorização crescente da fitoterapia no Brasil atu- al exigem cuidados para que muitas plantas de importância medicinal não desapareçam das matas, da caatinga e do cerrado, antes mesmo que os cientistas descubram suas propriedades 3,4,6 .
Mostrar mais

8 Ler mais

Avaliação da qualidade da água do Rio Piranhas-Açu/RN utilizando a comunidade de macroinvertebrados bentônicos

Avaliação da qualidade da água do Rio Piranhas-Açu/RN utilizando a comunidade de macroinvertebrados bentônicos

aos requisitos de coletas desses índices, desde modo, houve dois períodos de amostragens, realizados nas estações de seca dos anos de 2006 e 2007. As amostras foram realizadas em pontos do rio nas proximidades das cidades de Açu, Ipanguaçu, Alto do Rodrigues e Pendências. Também foram efetuadas medições físico-químicas; aplicado um protocolo de avaliação rápida de diversidade de habitats em cada local, e determinado, o grau de tolerância de cada táxon para a poluição orgânica. Além disso, foi definida a estrutura da comunidade de macroinvertebrados bentônicos. Foi encontrada uma predominância de organismos tolerantes, sendo a família Chironomidae (Diptera) e a espécie de gastrópode Melanoides tuberculata foram mais abundantes. Estes resultados, somados aos obtidos pela aplicação dos índices bióticos, indicaram uma poluição de origem orgânica considerável nos quatro pontos de coleta e os trechos foram classificados como de alterado a impactado. Deste modo, pode-se inferir que o rio encontra-se com alterações significativas, segundo os índices utilizados, em sua comunidade biótica e qualidade de água quanto à poluição orgânica, e tal fato, ocorre mesmo no trecho mais a montante do rio, onde se esperava uma boa qualidade da água. Diante do exposto, urgem medidas de conservação desse corpo hídrico uma vez que está inserido em um ecossistema fragilizado com o fenômeno seca, sendo as águas desse rio a base da economia local.
Mostrar mais

93 Ler mais

PROPOSTA CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO DE

PROPOSTA CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO DE

que envolve a disciplina. No estudo realizado preliminarmente à elaboração desta proposta (ver Volume 1, Introdução), a Matemática é apontada por professores e alunos como a disciplina mais difícil de ser aprendida. Atribui-se a ela uma grande parte da responsabilidade pelo fracasso escolar de jovens e adultos. O baixo desempenho em Matemática no Ensino Fundamental traduz- se em elevadas taxas de retenção, tornando-se um dos filtros sociais que selecionam os que terão ou não oportunidade de avançar na educação básica. Os que abandonam a escola o fazem por diversos fatores de ordem social e econômica, mas também por se sentirem excluídos da dinâmica de ensino e aprendizagem. Nesse processo de exclusão, o insucesso na aprendizagem matemática tem tido papel destacado e determina a freqüente atitude de distanciamento, temor e rejeição em relação a essa disciplina, que parece aos alunos inacessível e sem sentido.
Mostrar mais

66 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados