Top PDF Etnobotânica na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo, RJ, Brasil.

Etnobotânica na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo, RJ, Brasil.

Etnobotânica na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo, RJ, Brasil.

RESUMO – (Etnobotânica na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo, RJ, Brasil). A Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo (RESEX) localiza-se no município de Arraial do Cabo, região de Cabo Frio. É uma unidade de conservação de interesse ecológico-social e visa proteger o sustento dos pescadores artesanais, a flora e a fauna locais. O clima da região é tropical seco e a vegetação é de restinga. Este estudo objetivou inventariar as espécies vegetais usadas na faixa terrestre da RESEX, associando este conhecimento às tradições locais. As informações etnobotânicas foram obtidas através de observação participante e entrevistas estruturadas com pescadores artesanais. Das 444 citações de uso, catalogou-se 68 espécies, 61 gêneros e 42 famílias. As categorias de uso foram: alimentar (45,6%), medicinal (39,7%), tecnológica (29,4%), lenha (10,2%), construção (8,8%) e ornamental (2,9%). Utilizou-se o Índice de Shannon para análise da diversidade de espécies resultando: 1,78 (base 10) e 4,10 (base e), denotando que os pescadores possuem bom conhecimento da biodiversidade local, quando comparado a outros estudos da costa brasileira. Os dados obtidos nesta pesquisa possibilitarão a formulação de estratégias de uso sustentável dos recursos naturais, considerando a percepção ambiental da população, baseado nos sistemas cognitivos desenvolvidos ao longo do convívio do homem com a natureza.
Mostrar mais

14 Ler mais

O Turismo e a sua Contribuição na Manutenção e na Preservação da Pesca Artesanal e da Cultura Tradicional na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo - RJ

O Turismo e a sua Contribuição na Manutenção e na Preservação da Pesca Artesanal e da Cultura Tradicional na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo - RJ

As transformações ocorridas no ambiente da Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo, desde a sua implantação, bem como os conflitos entre nativos e prestadores de serviços turísticos, entre estes e pescadores artesanais, entre ambos e órgãos públicos, e entre órgãos públicos e usuários desse território, põem em risco a manutenção do ambiente natural e dos valores culturais da comunidade. Por outro lado, o turismo, como atividade capaz de promover o resgate cultural, a valorização das tradições locais e a manutenção dos recursos para as gerações futuras, não está cumprindo seu papel, sendo mais um instrumento de conflito, pondo em risco a manutenção da própria atividade; afinal, o turismo não acontece onde há desordem, conflitos e lutas de classes. O município de Arraial do Cabo, com pouco mais de 158 km 2 de território, é composto por áreas de relevante valor natural, histórico, arqueológico e geológico, sendo dotado de exuberante vegetação endêmica local de influência deste particular microclima. Nesse contexto, percebe-se a importância estratégica do mar e da sua utilização como vetor do desenvolvimento do turismo na localidade. O mar, simultaneamente, é fonte de vida para uma comunidade tradicional pesqueira reconhecida e beneficiada pela criação de uma unidade de conservação de uso sustentável. Na literatura científica do turismo, existem diversos estudos que enfatizam os impactos negativos advindos da prática dessa atividade. Acredita-se que isso ocorra quando o turismo não está alinhado às diretrizes traçadas pelas políticas públicas ambientais. Partindo-se do entendimento do turismo como fenômeno gerador de uma atividade econômica que obedece a regras de mercado capitalistas, impõe-se à sociedade o enorme desafio de criar condições favoráveis para o crescimento dessa atividade e para, ao mesmo tempo, produzir melhorias sociais e ambientais. Necessita-se apontar novos caminhos em direção a um turismo inclusivo, conforme preconiza o Plano Nacional de Turismo 2007/2010. Nesse sentido, as políticas públicas de desenvolvimento do turismo local farão a diferença se forem capazes de determinar e de controlar as ações da iniciativa privada e suas práticas na localidade.
Mostrar mais

153 Ler mais

Composição de espécies de Bromeliaceae e sua distribuição na restinga de Massambaba, Arraial do Cabo, RJ, Brasil

Composição de espécies de Bromeliaceae e sua distribuição na restinga de Massambaba, Arraial do Cabo, RJ, Brasil

The Massambaba restinga, located in the municipal- ity of Arraial do Cabo on the northeastern coast of Rio de Janeiro state, used to be contiguous with the restingas of Praia Seca and Saquarema, and this whole system occu- pied an area that extended to the margins of the Araruama Lagoon (Araujo, 2000). The high rate of exploitation and the irregular soil occupation around the Área de Proteção Ambiental de Massambaba (Enviromental pro- tection area of Massambaba) interrupted its connection with the adjacent restinga areas and with the Araruama lagoon (Leme, 1985; Rocha et al., 2003). Nowadays, the Massambaba restinga is restricted to the Área de Proteção Ambiental de Massambaba and a few preserved vegeta- tion fragments near the locality of Figueiras. Thus, the knowledge about the species composition, richness and distribution of Bromeliaceae at the Massambaba restinga could be an additional element in behalf of the conserva- tion of this restinga remnant.
Mostrar mais

7 Ler mais

Proposição do Sistema de Coleta em Tempo Seco em Arraial do Cabo (RJ) para Melhoria da Qualidade Ambiental

Proposição do Sistema de Coleta em Tempo Seco em Arraial do Cabo (RJ) para Melhoria da Qualidade Ambiental

A finales del siglo XIX, Brasil adoptó el sistema de alcantarillado separado, en el cual se independiza la evacuación de aguas residuales sanitarias del agua de lluvia, destinándose al tratamiento. Sin embargo, es común (aunque no deseado) que la red de aguas residuales termine evacuada, sin el debido tratamiento, a cuerpos de agua, o que existan contribuciones (debido a una deficiencia en la red) entre ella y la red de drenaje. En estos casos, el sistema pierde su funcionalidad y el medio ambiente se degrada, sin ninguna protección. Una posible corrección, más inmediata, de estas disfunciones es la interceptación de la red de drenaje en los periodos sin lluvia por medio de estructuras que capten las aguas residuales irregulares y las transporten para tratamiento, con un nivel de defensa para el cuerpo de agua receptor semejante al proyectado para un sistema de alcantarillado combinado. Este trabajo propone discutir el concepto de estas captaciones de aguas residuales en el sistema de drenaje durante el clima seco, y su aplicabilidad, en el municipio de Arraial do Cabo, RJ, con la propuesta de un proyecto preliminar para el sistema; y calcular y comparar la carga de DBO lanzada en el cuerpo de agua en los escenarios actuales y de proposición. Los resultados presentados indican que el proyecto genera reducciones de contaminación, causada por aguas residuales no tratadas, garantizando servicios con calidad aceptable, equidad y continuidad, en un proceso de transición hacia una posterior solución definitiva.
Mostrar mais

19 Ler mais

Plantas nativas úteis na Vila dos Pescadores da Reserva Extrativista Marinha Caeté-Taperaçu, Pará, Brasil.

Plantas nativas úteis na Vila dos Pescadores da Reserva Extrativista Marinha Caeté-Taperaçu, Pará, Brasil.

O número de espécies nativas úteis encontrado neste es- tudo (20 espécies) é baixo, se comparado com Fonseca-Kruel & Peixoto (2004) que registraram 55 espécies nativas úteis na RESEX de Cabo Frio (RJ), Miranda & Hanazaki (2008) que registraram 111 espécies nativas utilizadas na Ilha do Cardoso e na Ilha de Santa Catarina e Bastos (1995) com 29 espécies nativas de uso medicinal. Mesmo assim, o índice de diversidade de Shannon (H’=2,3) é alto quando comparado com outros estudos da costa brasileira (Tab. 2). Este valor é atingido graças a variada utilização das espécies de mangue, especialmente R. mangle, que é a espécie com maior varie- dade de usos apontados pelos informantes. É possível que as diferentes metodologias utilizadas para a coleta de dados dos trabalhos comparados podem ter infl uenciado nos valores dos índices calculados. Mesmo assim, pode-se inferir que apesar de poucas espécies terem sido citadas no presente estudo, estas são de grande utilidade para os informantes.
Mostrar mais

7 Ler mais

Erosão e acresção costeira na Enseada dos Anjos, Arraial do Cabo, RJ.

Erosão e acresção costeira na Enseada dos Anjos, Arraial do Cabo, RJ.

RESUMO. O presente trabalho estuda a eros˜ao costeira enquanto implicac¸˜ao morfodinˆamica causada pela construc¸˜ao de um quebra-mar para a protec¸˜ao das embarcac¸˜oes no Porto do Forno, Enseada dos Anjos, Arraial do Cabo, RJ, Brasil. Para o entendimento da eros˜ao e acresc¸˜ao ocasionadas pelo quebra-mar foram analisados dados anteriores e posteriores a sua construc¸˜ao como fotos, cartas n´auticas e outras informac¸˜oes. Corroborando este material inicial foram realizados v´arios estudos como: perfis de praia, an´alise da variac¸˜ao da linha de costa em diferentes ´epocas, estudo do modelo de equil´ıbrio em planta para praias de enseada e an´alise de refrac¸˜ao de ondas. Os resultados indicaram que o quebra-mar alterou v´arios processos naturais. Eles incluem a distribuic¸˜ao da energia de ondas atrav´es do MIKE-21, a dinˆamica da sedimentac¸˜ao pelos perfis de praia e principalmente os efeitos localizados de eros˜ao e acresc¸˜ao costeira, perfeitamente visualizados na comparac¸˜ao temporal de fotos, cartas e imagem.
Mostrar mais

9 Ler mais

Influência de fatores ambientais sobre o crescimento in vitro de Hypnea musciformis (Wulfen) Lamouroux (Rhodophyta).

Influência de fatores ambientais sobre o crescimento in vitro de Hypnea musciformis (Wulfen) Lamouroux (Rhodophyta).

that cultivation of apical fragments of H. musciformis produces good results that can provide a basis for future applications. RESUMO – (Influência de fatores ambientais sobre o crescimento in vitro de Hypnea musciformis (Wulfen) Lamouroux (Rhodophyta)). Hypnea musciformis (Wulfen) Lamourox (Hypneaceae, Gigartinales) é uma fonte importante para o Brasil de um agente ficocolóide geleificante (carragenano) usado na indústria. O objetivo deste estudo foi o de investigar a influência da temperatura (20 e 25 ºC), do enriquecimento água do mar com a solução de Provasoli e aeração sobre o desenvolvimento desta espécie in vitro. Os talos de H. musciformis foram coletados na Prainha, Arraial do Cabo (RJ) em duas diferentes épocas do ano de 2000 (abril e julho). No laboratório, fragmentos apicais pesando 0,2 g (15 mm de comprimento) foram excisados do talo e preparados para as incubações em diferentes combinações de fatores. Em ordem decrescente, a análise de variância multifatorial mostrou que os fatores de maior influência sobre o crescimento dos fragmentos apicais dos talos de H. musciformis foram: enriquecimento, aeração, a temperatura e o período do ano. Todos os fragmentos tiveram aumento de biomassa mostrando plasticidade fenotípica durante o período experimental. Os melhores resultados foram obtidos em culturas com meio de enriquecimento, com aeração e a 25 ºC (biomassa de 17 g e taxa específica de crescimento de 20,79 %.dia -1 ). Por outro lado,
Mostrar mais

6 Ler mais

Anuros da Reserva Rio das Pedras, Mangaratiba, RJ, Brasil.

Anuros da Reserva Rio das Pedras, Mangaratiba, RJ, Brasil.

morfoclimático da Mata Atlântica (Ab’Saber 1977), sendo sua sede localizada entre as coordenadas 22° 59’29” S e 44° 06’01” W. Abrange uma área de 1361 hectares, sendo entrec ortada por dois rios principais, o Rio Grande e o Rio Borboleta, e seus afluentes. Apresenta variação altitudinal de 20 m a 1150 m e índice pluviométrico anual médio de 1900 mm, segundo dados da estação meteorológica do Clube Medi- terrané. Os ambientes visitados dentro da reserva, em sua maioria, são florestados (Figura 2), sendo os de altitude mais baixa cobertos por mata secundária rala e acima de 200 m, por mata mais densa.
Mostrar mais

11 Ler mais

Marcelo da Costa Souza2

Marcelo da Costa Souza2

The vegetation of Ilha do Cabo Frio (Arraial do Cabo, RJ) presented 45 insect gall morphotypes. In other inventories in the Southeastern region of Brazil, the number of morphotypes varies a lot, being 132 the highest value and 36 the lowest (Table 5). As the frequency of the field works and the extension of the surveyed areas differed in these inventories, these values cannot be adequately compared. In spite of the methodological differences, the medium of gall morphotypes per host plant varied little (from 2.0 to 1.6). This result suggests that host plant species have a supporting capacity for galls (Table 5).
Mostrar mais

11 Ler mais

ETNOECOLOGIA DA PESCA NA RESERVA EXTRATIVISTA RIOZINHO DO ANFRÍSIO – TERRA DO MEIO, AMAZÔNIA, BRASIL

ETNOECOLOGIA DA PESCA NA RESERVA EXTRATIVISTA RIOZINHO DO ANFRÍSIO – TERRA DO MEIO, AMAZÔNIA, BRASIL

Gostaria de iniciar este texto falando da minha primeira experiência com o povo da Reserva Extrativista (ResEx) Riozinho do Anfrísio. Na época em que começou o burburinho acerca da possível criação da Reserva Extra- tivista Riozinho do Anfrísio, entre o final dos anos 1990 e início dos anos 2000, quando a invasão (ou melhor, a grilagem) pela C. R. Almeida e outros atores indesejados estava se intensifi- cando na Terra do Meio, o Ministé- rio do Meio Ambiente, na altura sob a responsabilidade da Ministra Marina Silva, encomendou diversos estudos sobre o território. Um desses estudos, dirigido ao Riozinho do Anfrísio, foi feito por um conjunto de organizações parceiras, dentre elas o então Laboratório Agroecológico da Transamazônica (LAET/NCADR-UFPA). Os estudos tinham como finalidade entender ini- cialmente algumas características so- cioeconômicas da localidade e as prin- cipais necessidades da população nos campos da segurança, saúde, educação, documentação, condições de moradia, dentre outras. Infelizmente, por razões diversas, não pude participar da ex- pedição (naquela altura eu fazia parte da equipe do LAET). À época, entre
Mostrar mais

25 Ler mais

Herpetofauna da área do Igarapé Esperança na Reserva Extrativista Riozinho da Liberdade, Acre - Brasil.

Herpetofauna da área do Igarapé Esperança na Reserva Extrativista Riozinho da Liberdade, Acre - Brasil.

A região do Alto Juruá localiza-se no estado do Acre e é uma das regiões consideradas prioritárias para inventariamentos e conservação da herpetofauna (Azevedo-Ramos & Gallati 2001, Vogt et al. 2001), devido a sua alta diversidade, poucos estudos desenvolvidos e sua localização no extremo ocidental da Amazônia brasileira. Dentre os estudos desenvolvidos no Alto Juruá destaca-se o trabalho de Souza (2009) que registrou na Serra do Divisor (Parque Nacional da Serra do Divisor e Reserva Extrativista do Alto Juruá) a maior riqueza de anfíbios (126 espécies) conhecida para uma região no Planeta. Apesar dessa riqueza, foram poucos os estudos desenvolvidos sobre os anfíbios e répteis no Alto Juruá. Dentre eles, algumas novas espécies foram descritas de anfíbios (Martins & Cardoso 1987, Caldwell 2005) e de lagarto (Avila-Pires & Vitt 1998). Souza & Haddad (2003) redescreveram Leptodactylus dantasi e incluíram essa espécie no gênero Hydrolaetare baseados em espécimes coletados na Serra do Divisor. Cardoso & Vielliard (1990) estudaram a atividade de vocalização de anuros em área aberta em Cruzeiro do Sul. Em Porto Walter, Vitt et al. (1998) estudaram o impacto da formação de clareiras devido a retirada de madeira sobre a fauna de lagartos. Nessa mesma localidade a fauna de répteis Squamata foi inventariada por Avila-Pires et al. (2009), onde a composição de lagartos foi comparada com outras três localidades amazônicas. Turci et al. (2009) estudaram a atividade e uso do habitat por duas serpentes Viperidae (Bothriopsis bilineata e Bothrops atrox) na floresta do Rio Môa, em Cruzeiro do Sul. Bernarde et al. (2010) registraram pela segunda vez para o Brasil o anfíbio anuro Hemiphractus helioi.
Mostrar mais

28 Ler mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA RESERVA EXTRATIVISTA MARINHA DE SÃO JOÃO DA PONTA: SUBSÍDIOS PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA RESERVA EXTRATIVISTA MARINHA DE SÃO JOÃO DA PONTA: SUBSÍDIOS PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL

No final do século XIX, o meio era visto e discutido sob o ponto de vista simplista onde a idéia de preservação era vista em primeiro plano e havia a necessidade de salvaguardar a natureza de forma intocada. Foram nos anos de 1930, que a preocupação com os recursos hídricos foi novamente o principal motivo para levar os estudiosos a criar os primeiros planejamentos. Ainda na década de 1930, foram implementados no Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, os planejamentos dos recursos hídricos e gestão de bacias hidrográficas. A partir desse período constituíram-se então, o Código das Águas (1934), o Código Florestal (1965) e a Lei de Proteção à Fauna (1967). Foi em 1970 que o Brasil passou a se inserir nas discussões sobre o gerenciamento ambiental, planejamento e avaliação dos impactos ambientais provocados pelo processo de industrialização, contudo, foi em 1981, com a Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA, que à conservação do meio tornou-se efetiva, mas ainda voltada a proteção dos recursos hídricos.
Mostrar mais

154 Ler mais

Os trabalhadores das praias de Arraial do Cabo, RJ: um olhar a partir do território turístico

Os trabalhadores das praias de Arraial do Cabo, RJ: um olhar a partir do território turístico

Em 1974, com a construção da ponte Rio-Niterói, o deslocamento dos moradores da região metropolitana do Rio de Janeiro para o litoral norte do estado foi estimulado (MENDONÇA, MORAES e COSTA, 2013), e foi nesse momento que, em Arraial do Cabo, o turismo de veraneio foi impulsionado no território. Além da proximidade com importantes cidades turísticas do entorno, Cabo Frio (10km) e Armação de Búzios (29km), o que faz receber muitos excursionistas (FERNANDES, 2013), as características naturais de Arraial do Cabo são um dos fatores mais representativos para essa atratividade. As temperaturas são estáveis, graças ao clima tropical litorâneo com muito vento. A fauna marinha é abundante, decorrente da ressurgência, fenômeno oceanográfico que consiste na subida de águas profundas, muitas vezes ricas em nutrientes, para regiões menos profundas dos oceanos, fertilizando as águas superficiais e criando uma rica cadeia alimentar (CARNEIRO et al., 2012 apud MENDONÇA, MORAES e COSTA, 2013), o que torna as águas mais atraentes para a prática do mergulho, transformando o local na capital do mergulho do estado do Rio de Janeiro, com base na Lei Estadual do Rio de Janeiro n.º 6.754 de 15 de abril de 2014.
Mostrar mais

21 Ler mais

Anfíbios anuros da Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio (Pará, Brasil)

Anfíbios anuros da Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio (Pará, Brasil)

Estudamos a composição da anurofauna, sua distribuição no espaço e no tempo e alguns aspectos da conservação das espécies. O estudo, o primeiro na localidade em termos de anfíbios, foi desenvolvido na Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio, Altamira, Pará, Amazônia brasileira. O método utilizado foi a procura ativa limitada por tempo. A fauna de anuros é composta de 57 espécies, de 22 gêneros e 13 famílias, sendo Hylidae (n = 28) e Leptodactylidae (n = 9) as maiores famílias. A maioria das espécies (80%) ocorreu nos ecossistemas florestais e uma maior riqueza foi observada no inverno, quando houve maiores índices de precipitação e temperaturas mais baixas. A área protegida, dessa forma, é de extrema importância para a conservação dos anuros na Amazônia.
Mostrar mais

18 Ler mais

Cartografia social: instrumento de luta e resistência no enfrentamento dos problemas  na reserva extrativista Marinha da Prainha do Canto de, Beberibe  Ceará

Cartografia social: instrumento de luta e resistência no enfrentamento dos problemas na reserva extrativista Marinha da Prainha do Canto de, Beberibe Ceará

sítios reprodutivos na maioria destas AMP. Tal fato justifica-se pela localização de grande parte das reservas em áreas estuarinas com presença de manguezais (SAN- TOS, 2013). Porém, faz-se necessário enfatizar que um fator que propicia a proteção destes locais e da continuidade da utilização dos recursos dentro das RESEX-Mar diz respeito à área de exclusão de pesca, ausente na maioria das AMP (SANTOS, 2013). Nos dias atuais tem-se verificado a elevação dos números de pedidos para a criação de Reserva Extrativistas Marinhas no Brasil. Tal pode ser compreendido como um indício de fortalecimento e amadurecimento das estruturas de organização e mo- bilização social de uma parcela populacional na defesa de seus direitos tradicionais (CHAMY, 2008).
Mostrar mais

159 Ler mais

A ATUAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DOS USUÁRIOS DA RESERVA EXTRATIVISTA MARINHA DE TRACUATEUA (PA) DIANTE DE CONFLITOS SOCIAIS RELACIONADOS AO USO DOS RECURSOS NATURAIS

A ATUAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DOS USUÁRIOS DA RESERVA EXTRATIVISTA MARINHA DE TRACUATEUA (PA) DIANTE DE CONFLITOS SOCIAIS RELACIONADOS AO USO DOS RECURSOS NATURAIS

As Reservas Extrativistas (Resex) são territórios de uso comum, destinadas a conservação dos recursos naturais, cultura e meio de vida dos povos tradicionais. A regulação do uso dessas áreas é feita por meio da gestão compartilhada entre a administração pública e administração dos povos tradicionais com princípios participativos. Para a implementação do novo modelo de gestão (cogestão), são criadas as Associações de Usuários, como representantes do povo tradicional. A presente pesquisa foi elaborada com a proposta de contribuir para a construção do conhecimento cientifico sociológico, referente à atuação da Associação de Usuários da Reserva Extrativista Marinha de Tracuateua (Auremat) diante de conflitos sociais relacionados a gestão dos recursos naturais. Como conflitos recorrentes e específicos em Reservas Extrativistas Marinhas (REM) optei por desenvolver o estudo do conflito causado pelas práticas: “pesca de marrecas”, criação de búfalos soltos e utilização de “malha fina” para pesca. Tais conflitos ocorrem entre grupos de usuários, os que as praticam e os que se sentem prejudicados por essas atividades, moradores e proprietários de fazendas. Os conflitos pesquisados ocorrem principalmente em áreas de campos alagados e no entorno dos rios, inseridos na área circundante da Resex. A coleta de dados foi realizada, utilizando-se a abordagem qualitativa, em três comunidades (Cocal, Santa Maria e Santa Tereza), escolhidas a partir do zoneamento feito pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e indicações de membros da diretoria da Auremat como conflituosas. A pesquisa foi dividida em duas etapas, sendo realizadas 5 incursões em campo. Foram feitos: levantamento de dados secundários, consulta a literaturas referentes à temática pesquisada, observações e 41 entrevistas (39 com os agroextrativistas usuários da Resex e 2 com Analistas ambientais do ICMBio
Mostrar mais

140 Ler mais

EXPERIÊNCIAS EM RIOS E MANGUES: LUGAR, PAISAGEM, E PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS USUÁRIOS DA RESERVA EXTRATIVISTA MARINHA DE MOCAPAJUBA (PA)

EXPERIÊNCIAS EM RIOS E MANGUES: LUGAR, PAISAGEM, E PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS USUÁRIOS DA RESERVA EXTRATIVISTA MARINHA DE MOCAPAJUBA (PA)

O Presidente da Associação de Usuários de Mocapajuba, senhor Walter, afirma que lógica do trabalho da pesca é seguida em uma das modalidades de trabalho de extração de caranguejos. O aviamento é aplicado para a “tiração” de caranguejo, principalmente nas comunidades de Alto Camapu, km 10, km 8 e Itapepoca. Os marreteiros 4 que fazem aviamento fretam barcos locais e mantêm até oito caranguejeiros, os quais permanecem por até quinze dias nas áreas de coleta. Esta pode se estender até a região do Marajó e outras mais próximas, como a região da ilha de Romana, situada no município de Curuçá. Desta forma, o frete do barco é pago pelo marreteiro que atua localmente, a partir da quantidade de caranguejos avaliados pelo tamanho, que cada extrativista captura.
Mostrar mais

121 Ler mais

Sistema de espaços livres e águas pluviais: propostas para a redução de riscos associados às cheias em Arraial do Cabo, RJ

Sistema de espaços livres e águas pluviais: propostas para a redução de riscos associados às cheias em Arraial do Cabo, RJ

O processo de substituição da cobertura vegetal para a obtenção de áreas para urbanização, junto com a intensificação da impermeabilização do solo e a ocupação de áreas potencialmente alagáveis, implica em diversos efeitos no ciclo hidrológico urbano. Em Arraial do Cabo, é possível verificar esses impactos tanto no que se refere à ocupação de áreas de declividade acentuada quanto na supressão de áreas naturalmente alagáveis com aterros e excessiva impermeabilização. A figura 3 se refere ao “Morro da Cabocla” – como é popularmente conhecido –, no bairro da Prainha, no período de ocorrência de chuvas entre 16 a 18 de maio de 2019, em que fica evidente o processo erosivo do solo exposto, reflexo, entre outros, do escoamento superficial das águas pluviais. Ao encontrar-se nas áreas com menor declividade, em maior volume e menor intervalo de tempo, os escoamentos geram acumulação hídrica e de sedimentos – conforme podemos observar na interseção da Av. Governador Leonel de Moura Brizola com a Rua Benjamin Constant (figura 4).
Mostrar mais

19 Ler mais

Biodiversidade, uso de recursos naturais e etnoconservação na Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio (Amazônia, Brasil)

Biodiversidade, uso de recursos naturais e etnoconservação na Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio (Amazônia, Brasil)

Gostaria de iniciar os meus agradecimentos dizendo que apesar do aparecimento do meu nome como autor desta tese de doutoramento, na verdade esta produção é muito mais o resultado de uma profunda troca de experiências em que eu aprendi muito (ou pouco!) sobre um universo até então desconhecido para mim: o universo ribeirinho e a natureza amazônica. Boa parte daquilo que está aqui escrito é fruto dos ensinamentos e contribuições de homens, mulheres e crianças que vivem num pedaço da imensa Floresta Amazônica do Brasil: o Riozinho do Anfrísio. E por mais que tente expressar esse estado de espírito através de palavras, que muitas vezes me parecem ainda limitadas, não conseguiria mesmo assim traduzir toda a grandeza da experiência vivida ao lado daquele povo. As palavras e mesmo esta tese de doutoramento, nunca substituirão a experiência, mas confesso que tentei desvelar por meio das linhas aqui apresentadas, um pouco da trajetória. Até mesmo o canto mais peculiar e inédito (do ponto de vista científico!) de um “sapo” só foi possível conhecer por causa primeiro da sabedoria deles, quando me falavam: Flávio, eu conheço uma lagoa muito bonita e acho que lá deve ter sapos diferentes! Sou grato ainda pela hospitalidade, pela comida, pelos cuidados (principalmente quando adoeci durante a 5ª viagem de campo e precisei ser resgatado de avião da Reserva), pela acolhida carinhosa em cada casa...Então, o que me resta é dizer: muito obrigado por terem aceitado participar dessa aventura comigo. Serei eternamente grato à cada um de vocês!;
Mostrar mais

223 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados