Top PDF Florística e síndromes de dispersão de espécies arbustivo-arbóreas no Parque Estadual Mata São Francisco, PR, Brasil.

Florística e síndromes de dispersão de espécies arbustivo-arbóreas no Parque Estadual Mata São Francisco, PR, Brasil.

Florística e síndromes de dispersão de espécies arbustivo-arbóreas no Parque Estadual Mata São Francisco, PR, Brasil.

RESUMO - (Florística e síndromes de dispersão de espécies arbustivo-arbóreas no Parque Estadual Mata São Francisco, PR, Brasil). O presente estudo teve por objetivos descrever a florística e as estratégias de dispersão de propágulos, assim como os tipos de frutos das espécies arbustivo-arbóreas em um fragmento de Floresta Estacional, no Parque Estadual Mata São Francisco, onde ocorreu extração seletiva de madeira até se tornar Unidade de Conservação em 1994. O levantamento florístico foi realizado durante os meses de outubro/2007 a julho/2009, considerando os indivíduos arbustivos e arbóreos com DAP ≥ 5 cm, resultando na identificação de 99 espécies e 77 gêneros, distribuídos em 36 famílias botânicas. A síndrome de dispersão mais frequente foi a zoocoria com 64% das espécies, seguida pela anemocoria (23%), e autocoria (13%); e o fruto mais abundante foi do tipo cápsula. As comparações com estudo anterior desenvolvido na área, ressaltaram o aumento na riqueza, grande substituição de espécies e maior proporção de espécies zoocóricas, sugerindo o avanço sucessional desse fragmento.
Mostrar mais

10 Ler mais

Síndromes de dispersão de espécies arbustivo-arbóreas em cerrado sensu stricto do Brasil Central e savanas amazônicas.

Síndromes de dispersão de espécies arbustivo-arbóreas em cerrado sensu stricto do Brasil Central e savanas amazônicas.

As proporções das síndromes de dispersão encontradas no cerrado, em outros estudos, foram semelhantes às encontradas neste trabalho. Gottsberger Tabela 2. Similaridade florística entre as 14 áreas utilizadas para o levantamento das síndromes de dispersão. Cerrado sensu stricto do Brasil Central: 1-5. Nova Xavantina/Cachimbo (MT1 a MT5); 6. Estação Ecológica de Águas Emendadas/DF (EEAE/DF); 7. Área de Proteção Ambiental Gama-Cabeça do Veado/DF (APA/DF); 8. Parque Nacional de Brasília/DF (PNB/DF) e 9. Parque Nacional de Emas/GO (EMAS/GO). Savanas amazônicas: 10. Alter do Chão 1; 11. Alter do Chão 2; 12. Amapá; 13. Roraima e 14. Humaitá.
Mostrar mais

6 Ler mais

Composição florística e síndromes de polinização e de dispersão da mata do Sítio São Francisco, Campinas, SP, Brasil.

Composição florística e síndromes de polinização e de dispersão da mata do Sítio São Francisco, Campinas, SP, Brasil.

foram as famílias mais ricas (Tab. 1). Essas famílias também foram as mais freqüentemente relatadas em outros fragmentos de floresta estacionais semideciduais na região de Campinas (Bernacci & Leitão Filho 1996, Salis et al. 1996 e Yamamoto et al. 2005). Poaceae, Piperaceae e Rubiaceae estão entre as famílias mais ricas no estrato herbáceo de comunidades de mata Atlântica no sul do país (Citadini-Zanette 1984, Citadini- Zanette & Baptista 1989, Müller & Waechter 2001 e Negrelle 2002). Apesar destas famílias ocorrerem em todos esses fragmentos, poucas são as espécies em comum. Quando as Piperaceae estão representadas por espécies de Piper, como na mata do Sítio São Francisco, predominam no estrato arbustivo. Já na mata Atlântica no sul do país, são mais abundantes as espécies de Peperomia e, neste caso, predominam no estrato herbáceo. As espécies de Piper são consideradas importantes elementos de clareiras e do sub-bosque das florestas tropicais, pois possivelmente auxiliam na manutenção da diversidade de insetos, importantes vetores de pólen de diversas outras plantas, além de serem mutualistas com morcegos frugívoros e constituírem importante recurso alimentar para aves (Figueiredo & Sazima 2004).
Mostrar mais

15 Ler mais

Padrões de interações mutualísticas entre espécies arbóreas e aves frugívoras em uma comunidade de Restinga no Parque Estadual de Itapuã, RS, Brasil.

Padrões de interações mutualísticas entre espécies arbóreas e aves frugívoras em uma comunidade de Restinga no Parque Estadual de Itapuã, RS, Brasil.

Das espécies do componente arbóreo do Mato da Coruja (Scherer et al. 2005) (Tab. 1), 50% participaram das interações observadas, somando-se Erythroxylum argentinum e Guapira opposita, que não pertenciam ao estrato arbóreo adulto da mata, mas sim como plântulas, além de Eugenia hiemalis e Opuntia monacantha que apresentam aspecto arbustivo (Fig. 2). Para o grupo das aves, foram registradas 69 espécies que utilizaram de alguma forma a mata, como abrigo e/ou forrageio (Tab. 2). Dessas, 22 são espécies de aves que apresentam potencial de dispersão de sementes, ou seja, que consumiram frutos, descartando-se aquelas que inviabilizam as sementes consumidas, tais como membros de Columbidae (Tab. 2). Apenas 18 aves foram constatadas interagindo com as espécies arbóreas (Fig. 2). Da rede de interações (Fig. 2), além dessas 18 espécies de aves, fizeram parte 11 espécies vegetais, com uma conectância de 25,3%, ou seja, das 198 interações possíveis de ocorrer, foram registradas apenas 50. As espécies de aves que apresentaram maior número de visitas nas árvores com frutos foram Turdus amaurochalinus e T. rufiventris, totalizando aproximadamente 45% dos registros (Fig. 2). Essas espécies também foram as que interagiram com maior número de espécies arbóreas, totalizando cada uma sete interações, como demonstrado na rede de interação planta-frugívoros (Fig. 2).
Mostrar mais

10 Ler mais

O PADRÃO DE DESENVOLVIMENTO DOS AGRONEGÓCIOS NO BRASIL E A ATUALIDADE HISTÓRICA DA REFORMA AGRÁRIA

O PADRÃO DE DESENVOLVIMENTO DOS AGRONEGÓCIOS NO BRASIL E A ATUALIDADE HISTÓRICA DA REFORMA AGRÁRIA

Desde o final da década de 1980, o Brasil passou por um intenso processo de reestruturação política e produtiva, ingressando na nova divisão internacional do trabalho que resultou da crise estrutural do capital deflagrada a partir da década de 1970. Mais recentemente, com o crescimento exponencial da demanda internacional por commodities agropecuárias e produtos de baixa densidade tecnológica, o País encontrou na especialização produtiva uma “nova” via para seu “desenvolvimento”, convertendo-se, simultaneamente, em importante “plataforma de valorização financeira”. No plano político interno, a captulação e (conseqüente) ascensão do principal (e único) partido político de massas surgido no pós-ditadura civil-militar ao mais alto posto de comando do Estado – o Partido dos Trabalhadores - levou o país a experimentar um extraordinário surto de expansão capitalista - que, a partir de meados dos anos 2000, foi denominado por intelectuais progressistas de toda sorte de neodesenvolvimentismo. Neste contexto, os agronegócios, que vinham se expandindo desde as décadas anteriores, tornaram- se elementos estratégicos da nova economia política brasileira do novo século. Com o PT, o setor experimentou sua belle époque, modificando, de modo decisivo, a questão agrária nacional e, ao mesmo tempo, conferindo um novo significado histórico para a (luta pela) reforma agrária. Com isto, o padrão historicamente “truncado” de acumulação capitalista brasileira evoluiu para um padrão destrutivo de desenvolvimento das forças produtivas do capital, especialmente no campo, intensificando a degradação social do trabalho e dos recursos naturais e ecológicos. Neste trabalho, analiso o padrão econômico e social de desenvolvimento dos agronegócios no Brasil nas últimas décadas e o projeto político que lhe dá forma, sobretudo a partir do impulso recebido pelo Estado, por meio do programa neodesenvolvimentista dos governos do PT. Simultaneamente, discuto a atualidade histórica da reforma agrária, os desafios e as condições necessárias para sua realização.
Mostrar mais

245 Ler mais

Samambaias e licófitas do Parque Estadual do Guartelá, PR, Brasil.

Samambaias e licófitas do Parque Estadual do Guartelá, PR, Brasil.

ABSTRACT - (Ferns and Lycophytes from Parque Estadual do Guartelá, Paraná State, Brazil). This study deals with the survey of ferns and lycophythes from Parque Estadual do Guartelá, Paraná State, Brazil. The area is characterized by a mosaic of distinct vegetational and geological formations. We found 164 species, distributed in 18 families and 59 genera. It was evident that the vegetational/geological configuration is a determining factor on the habitat preference of the species. Cheilanthes goyazensis and Phlegmariurus badinianus are the first records for the Paraná State, while Lindsaea stricta is the second record for the State. Beside those, Anemia ferruginea and Cyathea myriotricha constitute the third record for the State. We also found eight new records for the Segundo Planalto Paranaense. We conclude that the environmental heterogeneity is directly related to the high floristic richness found in the park.
Mostrar mais

14 Ler mais

Florística, estrutura e dispersão de sementes de três trechos de floresta estacional perenifólia ribeirinha na bacia hidrográfica do rio das Pacas, Querência-MT

Florística, estrutura e dispersão de sementes de três trechos de floresta estacional perenifólia ribeirinha na bacia hidrográfica do rio das Pacas, Querência-MT

O presente estudo teve como objetivos descrever a riqueza e a diversidade em espécies e analisar os aspectos fitossociológicos de três trechos (nascente, meio e foz) da floresta de várzea do rio Pacas, localizados nas Fazendas Vale Verde, Dois Americanos e Amoreiras, em Querência-MT, em cada área foram amostradas 14 parcelas de 10x25m, totalizando uma área amostral de 1,05ha. Em cada parcela foram amostrados todos os indivíduos com diâmetro a 1,30m de altura do solo (DAP ≥5 cm), totalizando 1688 ind/ha pertencentes a 69 espécies 51 gêneros e 31 famílias. As famílias com maior número de indivíduos por hectare foram Lauraceae, Melastomataceae, Fabaceae e Burseraceae. Essas quatro famílias juntas representaram 49,8% (N=842) do total de indivíduos amostrados na comunidade, sendo que as demais famílias contribuíram com 50,2% (N=846) dos indivíduos. Ocotea caudata (Nees) Mez, Jacaranda copaia (Auubl.) D. Don, Ocotea guianensis Aubl. Sloanea eichleri K. Schum., Miconia pyrifolia Naudin, Zigia caractae (Kinth) L. Rico, Protium pilosissimum Engl e Myrcia sp. foram as espécies que apresentaram maior Valor de Importância. O índice de diversidade de Shannon (H’) obtido para a floresta de várzea do rio Pacas foi de 3,673 nats/indivíduo e equabilidade (J’) foi de 0,867. A densidade e a área basal estimada foram de 1.688 indivíduos/ha e 22,16m²/ha respectivamente. A riquesa florística da floresta ciliar do rio Pacas é baixa, devido ao regime de inundação e a alta concentração de alumínio no solo, fato de que restringe e muito a distribuição de espécies.
Mostrar mais

93 Ler mais

VIOLÊNCIA ESCOLAR: ESTUDO DE CASO DE UMA ESCOLA PÚBLICA ESTADUAL DA ZONA DA MATA MINEIRA

VIOLÊNCIA ESCOLAR: ESTUDO DE CASO DE UMA ESCOLA PÚBLICA ESTADUAL DA ZONA DA MATA MINEIRA

Em 2016, foi divulgado o resultado de um estudo, realizado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso/Brasil), em parceria com o Ministério da Educação e Cultura (MEC) e a Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI), denominado “Diagnóstico Participativo das Violências nas Escolas: Falam os Jovens”, (ABRAMOVAY et al., 2016). Esse diagnóstico, feito pela Flacso Brasil, é parte integrante do Programa de Prevenção à Violência nas Escolas. Foram entrevistados cerca de 6.700 estudantes de escolas públicas, das séries finais do ensino fundamental, ensino médio, EJA, além de professores, nas seguintes capitais brasileiras: Belém (PA); Belo Horizonte (MG); Fortaleza (CE); Maceió (AL); Salvador (BA); São Luís (MA) e Vitória (ES). Os resultados apontam que quatro em cada dez estudantes brasileiros afirmaram já terem sofrido violência física ou verbal dentro do ambiente escolar, no ano de 2015. Em 65% dos casos, o agressor foi um colega da escola e, em 15% dos relatos, o autor das agressões foi o professor (ABRAMOVAY et al., 2016).
Mostrar mais

174 Ler mais

Hidrossemeadura com espécies arbustivo-arbóreas nativas para preenchimento de áreas...

Hidrossemeadura com espécies arbustivo-arbóreas nativas para preenchimento de áreas...

O uso de espécies arbustivo-arbóreas nativas na hidrossemeadura ainda não está bem estudado, com exceção de poucos trabalhos principalmente de desenvolvimento de equipamentos e escolha de espécies adequadas. Trabalhos com hidrossemeadura, comumente são feitos para recuperação de taludes gerados nas construções de rodovias, utilizando gramíneas ou leguminosas forrageiras. Neste trabalho foi avaliado o estabelecimento inicial de espécies arbustivo-arbóreas nativas, quando utilizada à técnica da hidrossemeadura. Como a área do experimento está inserida em uma matriz ainda com grande cobertura florestal remanescente foi possível utilizar uma baixa diversidade de espécies na hidrossemeadura, uma vez que o enriquecimento ocorreria naturalmente com propágulos oriundos do entorno, se a condição do ambiente permitir a fixação desses propágulos. Foram utilizadas cinco espécies arbustivo-arbóreas nativas: Cecropia pachystachya, Mimosa bimucronata, Peltophorum dubium, Schinus terebinthifolius e Senna multijuga. Nas parcelas controle, onde não foi feita a aplicação de sementes, a regeneração natural não se expressou durante os 18 meses de avaliação do experimento. A porcentagem de germinação encontrada em laboratório não ultrapassou 40% em nenhuma das espécies e no campo Mimosa bimucronata, Schinus terebinthifolius e Senna multijuga iniciaram a germinação nos primeiros 3 meses após a implantação do experimento. A porcentagem de perda de sementes ocorrida no experimento quando utilizada a técnica da hidrossemeadura foi elevada para as cinco espécies chegando a 93% de perda para Cecropia pachystachya. O uso do adubo químico NPK não interferiu na densidade de indivíduos estabelecidos em nenhuma das espécies. Em relação à densidade de indivíduos estabelecidos das cinco espécies estudadas, Mimosa bimucronata apresentou o maior valor de 13,63 indivíduos/m² para o tratamento de 192 g de dose. As alturas medidas após 18 meses de implantação do experimento diferiram para as cinco espécies, Mimosa bimucronata apresentou a maior média de 0,83m de altura e a menor média foi registrada para Peltophorum dubium; última espécie a iniciar a germinação presente apenas a partir da 4ª medição, 12 meses após a implantação do experimento, também apresentando as menores médias para todos os tratamentos: 0,02 indivíduos (12g de sementes) e 1,40 indivíduos( 192g de sementes), encontrados por subparcela de 1m². Nas cinco espécies estudadas com relação as diferentes doses de sementes, os dois tratamentos de maior dose (192g e 96g) e os dois tratamentos de menor dose (24g e 12g) não diferiram entre si.
Mostrar mais

84 Ler mais

Produção de serapilheira e ciclagem de nutrientes de um reflorestamento e de uma floresta estacional semidecidual no sul do Brasil.

Produção de serapilheira e ciclagem de nutrientes de um reflorestamento e de uma floresta estacional semidecidual no sul do Brasil.

O estudo foi desenvolvido na porção norte do Parque Estadual Mata dos Godoy (PEMG), sul do Brasil (23°27’S e 51°15’W), com altitude de 600m, composta por vegetação primária de Floresta Estacional Semidecidual (FES) e por um refl orestamento de espécies nativas adjacente (a leste), com 18 anos na época do início do experimento, realizado com somente 6 espécies. Segundo Köppen, o clima da região é do tipo Cfa – clima subtropical úmido. A temperatura média anual é de 20,9°C e a precipitação cerca de 1.600mm, sendo que a pluviosidade durante o verão é aproximada- mente duas vezes maior que no inverno, caracterizando duas estações bem defi nidas quanto à precipitação (Bianchini et al. 2003).
Mostrar mais

5 Ler mais

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) no Parque Estadual da Cantareira, Estado de São Paulo, Brasil. I. As espécies com máculas efiguradas ou reticulares.

Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) no Parque Estadual da Cantareira, Estado de São Paulo, Brasil. I. As espécies com máculas efiguradas ou reticulares.

Distribuição conhecida: Oceania (Elix 1994b, Galloway 1985, 2007, Louwhoff & Elix 1999, Malcolm & Galloway 1997), Ásia (Awasthi 1976, Divakar & Upreti 2005, Kurokawa & Lai 2001), África (Aptroot 1991, Hale & Fletcher 1990, Krog & Swinscow 1981, Swinscow & Krog 1988), América do Norte (Brodo et al . 2001, Esslinger & Egan 1995, Hale & Fletcher 1990, Nash & Elix 2002), América Central (Feuerer 2008) e América do Sul (Adler 1992, Calvelo & Liberatore 2002, Feuerer et al. 1998, Hale & Fletcher 1990, Lynge 1914, 1925, Osorio 1972, 1976, 1992a, 1995, 2003, Vareschi 1973). No Brasil é citada para os Estados de MG, MT, PE, PR, RJ, RS, SC, e SP (Benatti & Marcelli 2008, Marcelli 1991, 1992, 2004, Osorio 1977a-b, 1997, Spielmann 2006, Spielmann & Marcelli 2009).
Mostrar mais

12 Ler mais

Banco de sementes de espécies arbóreas em floresta estacional no Rio Grande do Sul, Brasil.

Banco de sementes de espécies arbóreas em floresta estacional no Rio Grande do Sul, Brasil.

Quanto à distribuição vertical das sementes no banco, Roizman (1993) também encontrou o maior número de indivíduos e espécies entre a superfície e 5 cm de profundidade e, nas demais profundidades (5 a 10 cm e 10 a 15 cm) houve um decréscimo tanto no número de espécies quanto no de indivíduos. A distribuição vertical do banco de sementes se dá por ação de diferentes mecanismos bióticos e abióticos de incorporação no solo, cujas origens são variadas e, na maioria das vezes, pouco conhecidas, apesar de serem fundamentais para a compreensão da heterogeneidade espacial do banco e da latência das sementes presentes (Garwood 1989). Constatou-se que a metodologia usada diferiu entre trabalhos, como a amostragem na profundidade entre a superfície e 3 cm (Caldato et al. 1996, Grombone-Guaratini & Rodrigues 2002) ou por realizarem duas coletas em profundidades diferentes (superfície a 2,5 cm e 2,5 a 5 cm) (Baider et al. 1999, 2001). O fato de encontrarem-se sementes viáveis nas camadas mais profundas do solo indica a existência de mecanismos que promovem a longevidade de algumas espécies nesta condição. A dormência proporciona maior longevidade e permite que sementes de algumas espécies permaneçam latentes e sobrevivam sob condições adversas para, posteriormente, germinarem e estabelecerem-se (Popinigis 1985).
Mostrar mais

11 Ler mais

Scarabaeidae (Coleoptera) from Mata dos Godoy State Park and pasture, at north of Paraná, Brazil.

Scarabaeidae (Coleoptera) from Mata dos Godoy State Park and pasture, at north of Paraná, Brazil.

Este trabalho teve como objetivos: realizar o levantamento das espécies de Scarabaeidae, atraídas por isca de carne bovina, na floresta primária do Parque Estadual Mata d[r]

7 Ler mais

Agrocombustíveis no Brasil e na América Latina: impactos no campo e na cidade

Agrocombustíveis no Brasil e na América Latina: impactos no campo e na cidade

Argentina y Brasil, principales abastecedoras de harinas se están aliando para convertirse en exportadoras de agrocombustibles, piensos y productos pecuarios. La poderosa industria bio- transformadora de estos países emergentes se esta concentrando y cuenta con inversiones enormes y parece llegar a su fin la época en que eran exportadoras de commodities. La creciente disponibilidad de subproductos de la producción agroenergética aprovechables para piensos no está bajando los precios de estos últimos. Las sobreproducciones no encuentran salida al mercado para mantener los altos márgenes de especulación. Junto al régimen tarifario, las inversiones y los precios internacionales, todo favorece a que las transnacionales retengan valor agregado exportando piensos elaborados cuyos precios crecientes hacen más competitiva la producción pecuaria in loco. La pugna no será fácil pero EU podría salir perdiendo como ya manifiestan crisis los subvencionados sectores pecuarios y de producción de piensos por la suba de precios. Se trata de pugnas entre transnacionales y por lo general las más poderosas apuntan a controlar las producciones en los países más pobres, o sea más competitivos. Países del Sur global tienen mas fuerza contractual que los del norte si están respaldados frente a la OMC por Monsanto y afines. Seria prudente para la UE dejar de invertir en el exterior y retirar cuanto antes nuestras subvenciones a los cultivos energéticos para en su vez garantizar la autosuficiencia alimentaria. Considerando el manejo de Ug99, mas amenazador que el de la gripe aviar, sequías y mercados internacionales renunciar a los objetivos de agrocarburantes e invertir en un modelo
Mostrar mais

69 Ler mais

Carla de Barros Reis Diego Resende Martins Lucas Gomes

Carla de Barros Reis Diego Resende Martins Lucas Gomes

O objetivo principal deste artigo é avaliar a presença de desigualdades socioeconômicas no acesso aos serviços de saúde no Brasil considerando dois anos, 1998 e 2008. Dada a presença de fortes desigualdades regionais e o contexto de um sistema de saúde misto, analisou-se especificamente como essa desigualdade se manifesta entre as grandes regiões brasileiras e segundo a presença de cobertura privada de plano de saúde. Este estudo se diferencia dos demais na medida em que o acesso foi medido considerando duas categorias de variáveis proxies. A primeira compreende uma variável de procura corrigida pela demanda não observada. A demanda foi definida como não observada em situações em que os indivíduos procuraram os serviços e não foram atendidos ou quando mesmo havendo necessidade, os indivíduos não procuraram o cuidado por restrições financeiras, dificuldade de transporte e tempo, entre outros. A segunda compreende um conjunto de medidas usuais de utilização dos serviços de saúde.
Mostrar mais

22 Ler mais

Dinâmica da vegetação arbustivo-arbórea em Cerrado Rupestre no Parque Estadual dos Pireneus, Goiás, em 12 anos

Dinâmica da vegetação arbustivo-arbórea em Cerrado Rupestre no Parque Estadual dos Pireneus, Goiás, em 12 anos

Estudos preditivos indicam que ecossistemas montanhosos serão os primeiros a sofrem os impactos das mudanças climáticas globais (IPCC, 2007). Nesse caso, os impactos negativos sobre a vegetação promovem equilíbrio dinâmico a favor da mortalidade em relação ao recrutamento de novos indivíduos, aumentando os riscos de extinção de espécies raras e endêmicas, bem como maior tempo para o reestabelecimento da vegetação e dos serviços ecológicos desempenhados pela comunidade (STEVENS et al., 2017). Assim, no atual cenário de ameaça ao Cerrado, que o inclui entre os 35 hotspot mundiais de biodiversidade (CARVALHO & FELFILI, 2011), entender a dinâmica da vegetação possibilita fazer inferências sobre as tendências futuras em termos de disponibilidade de recursos naturais e conservação da biodiversidade (STEVENS et al., 2017). Dessa forma, a realização de mais investigações em ambientes rupestres apresenta-se como importante estratégia no sentido de compreender as especificidades dos padrões de dinâmica da vegetação, com vistas à promoção de ações de conservação e manejo direcionadas a essas regiões.
Mostrar mais

86 Ler mais

Estudo de frutos e sementes em área remanescente de cerrado “Sensu lato”, Escola do Meio Ambiente, Botucatu, SP - Brasil

Estudo de frutos e sementes em área remanescente de cerrado “Sensu lato”, Escola do Meio Ambiente, Botucatu, SP - Brasil

Estudos anteriores apontavam que a fauna do Cerrado não possuía uma identidade, que as comunidades de animais do domínio eram compostas essencialmente por espécies generalistas e de ampla distribuição geográfica em formações abertas (Sick 1965, Vanzolini 1963, 1976, 1988), e considerava-se a fauna de lagartos do Cerrado pobre em relação a outras regiões do continente (Vitt 1991). Mais recentemente, com a publicação de revisões taxonômicas, com o emprego de técnicas mais eficientes na amostragem, e com a constante descoberta de novas espécies (Colli et al. 2003b, Ferrarezzi et al. 2005, Nogueira & Rodrigues 2006), têm-se demonstrado que a fauna de répteis do Cerrado é regionalmente e localmente muito rica, e que, ao contrário de interpretações anteriores, há um número subestimado de riqueza e endemismos (Colli et al. 2002, Nogueira et al. 2005, Nogueira 2006).
Mostrar mais

45 Ler mais

Diversidade de formigas arborícolas em três estágios sucessionais de uma floresta estacional decidual no norte de Minas Gerais

Diversidade de formigas arborícolas em três estágios sucessionais de uma floresta estacional decidual no norte de Minas Gerais

Abstract: The objective of this study was to compare the diversity and composition of tree-dwelling ants on different successional stages of a seasonal deciduous forest on northern Minas Gerais State, Brazil. The study was carried out in the Parque Estadual Mata Seca, municipality of Manga. The sampling of the ants was performed on three forest areas: a five-year old regeneration area (early); a fifteen-year old area (intermediate), and a primary forest (late). Through a principal component analysis (PCA), the plots from the early stage were isolated from the other stages, intermediate and late, indicating there is a change on the composition of ant morphospecies as one moves forward the successional stages. The richness of ant morphospecies was not influenced by successional stage, nevertheless, there was a significant difference of ant abundance between successional stages, with the late stage the most abundant. Probably due to the higher resource availability on the late stage, ants can maintain colonies with higher numbers of individuals.
Mostrar mais

10 Ler mais

Composição florística de dois remanescentes de Mata Atlântica do sudeste de Minas Gerais, Brasil.

Composição florística de dois remanescentes de Mata Atlântica do sudeste de Minas Gerais, Brasil.

Melanoxylon brauna (Leguminosae), Brosimum glaziovii, Dorstenia arifolia, D. sucrei (Moraceae), Psychotria ipecacuanha (Rubiaceae), Solanum warmingii (Solanaceae) e Cissus blanchetiana (Vi- taceae) (COPAM 1997). Além destas, são conheci- das de EBC ou PERD espécies com poucas coletas registradas, como Chionanthus subsessilis (P.S. Green, com. pess.), e outras recentemente descober- tas e em processo de descrição, como por exemplo Ephedranthus sp. (Annonaceae, J. Oliveira, com. pess.), Rodospatha sp. (Araceae, T. B. Croat, com. pess.), Macroditassa sp. (Asclepiadaceae, J. Fon- tela-Pereira, com. pess.), Davilla sp., Doliocarpus sp. (Dilleniaceae, G. Aymard, com. pess.), Piptade- nia sp. 2 (Leguminosae, R. Barneby, com. pess.) e Ternstroemia sp. (Theaceae, A. Weitzman, com. pess.).
Mostrar mais

28 Ler mais

PERDA DE ORIGINALIDADE E EXTINÇÕES SIMULADAS DE ESPÉCIES ARBUSTIVO-ARBÓREAS DE CERRADO

PERDA DE ORIGINALIDADE E EXTINÇÕES SIMULADAS DE ESPÉCIES ARBUSTIVO-ARBÓREAS DE CERRADO

A originalidade mede o quanto uma dada espécie é diferente das outras espécies em uma comunidade com relação à sua história filogenética e aos seus traços funcionais, podendo ser usada para atribuir prioridades de conservação. Este trabalho está dividido em dois capítulos. No primeiro capítulo, nosso objetivo foi introduzir as originalidades filogenética e funcional, medidas ainda pouco conhecidas. Justificamos as razões para o uso dessa abordagem e exemplificamos maneiras de utilizá-la para fins conservacionistas. No segundo capítulo, nosso objetivo foi avaliar a relação entre a originalidade filogenética e a originalidade funcional, a relação de ambas com variáveis ambientais, e suas perdas em cenários de extinções baseados na abundância, tolerância ao fogo e preferência por hábitats, uma maneira objetiva para se tomar decisões com fins conservacionistas. Para isso, em uma reserva de cerrado no Brasil Central, lançamos 100 parcelas, amostramos o componente arbustivo- arbóreo e medimos para cada indivíduo 14 traços funcionais. Para cada parcela, coletamos variáveis ambientais de solo, topografia e histórico de fogo. As originalidades filogenética e funcional estiveram correlacionadas, e ambas aumentaram em direção a ambientes mais severos. Entretanto, nas simulações de extinções baseadas na abundância e na tolerância de fogo, a perda de originalidade funcional foi diferente da perda em extinções aleatórias, enquanto que a perda de originalidade filogenética não foi. Originalidade funcional parece ser uma medida mais apropriada para ser utilizada em estratégias de conservação, já que foi sensível a diferença entre as espécies com relação a suas abundâncias e tolerância ao fogo.
Mostrar mais

41 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados