Top PDF A formação dos professores do ensino fundamental no município de Guarabira e aplicação da lei 10.639/03

A formação dos professores do ensino fundamental no município de Guarabira e aplicação da lei 10.639/03

A formação dos professores do ensino fundamental no município de Guarabira e aplicação da lei 10.639/03

Atualmente no Brasilnos deparamos com situações inaceitáveis de desigualdade racial, a qual é geradora de fortes críticas, porém essa realidade não é um tema apenas do presente, mas, provém de anos anteriores. A educação nesse contexto passa a ser um dos âmbitos onde o preconceito é mascarado; para alguns é usado como forma de alienação, para outros é condutor de fortes criticas, esta por sua vez vem acarretar mobilizações para modificar essa realidade que se faz tão presente em nossas escolas e no nosso meio. Diante disso, fez-se necessário a promoção de ações afirmativas.Neste artigo enfatizamos a lei 10.639/03 que dispõesobre a implementação dos conteúdos de história e cultura afro-brasileira e africana nos currículos escolares, através do qual se busca o reconhecimento e valorização dos povos africanos e seus descendentes. Discutir sobre a educação dos afrodescendentes, sobretudo, como a escola trata esta questão é o nosso principal objetivo. Para isso foi realizada uma pesquisa de campo, na qual utilizamos o questionário como instrumento de coleta de dados aplicada a quatro professores de uma escola pública do município de Guarabira, e bibliográfica, baseadas em autores comoFlorestan Fernandes (1978), Nina Rodrigues (1977), Libâneo (1994), Silva (2010), entre outros. Até pouco tempo, esse não era um tema em discussão nas escolas e muitos professores dizem não estarem aptos para abordá-lo nas salas de aula. Como consequência, persistem o preconceito, discriminação e exclusão social na educação.
Mostrar mais

21 Ler mais

Uma luta do passado historicamente presente: a lei 10.639/2003 na prática docente numa Escola de Ensino Fundamental em Guarabira/PB

Uma luta do passado historicamente presente: a lei 10.639/2003 na prática docente numa Escola de Ensino Fundamental em Guarabira/PB

A presente monografia tem por objetivo refletir sobre a efetivação da Lei 10.639/03 na prática docente e na escola e sua relação direta ou indireta nos currículos dos professores de uma escola pública no município de Guarabira. Para atingir nosso objetivo fizemos uso do instrumento de pesquisa, no caso o questionário estruturado com perguntas abertas. Entendemos que a analise dos dados coletados promoverá um olhar mais próximo desse fazer docente. Para uma melhor compreensão da realidade foi utilizada a pesquisa bibliográfica, onde o material bibliográfico utilizado constou de obras impressas nos formatos de livros e artigos e também fontes virtuais com definições de ensino, prática docente, compreensões de identidade e preconceito. O produto resultante de nossa pesquisa está organizado em três momentos, materializados em capítulos cujos temas versam sobre acesso ao ensino, a implementação da Lei 10.639/2003, o fazer docente na sala de aula e a relação entre a prática docente e a implementação da Lei 10.639/2003.
Mostrar mais

41 Ler mais

FORMAÇÕES DE PROFESSORES E A LEI 10.639/03

FORMAÇÕES DE PROFESSORES E A LEI 10.639/03

Passados 16 anos desde a publicação da Lei 10.639/2003 que inclui em todo o currículo escolar brasileiro a obrigatoriedade do ensino de história e cultura africana e afro-brasileira, ainda pode-se identificar que hoje o desconhecimento por parte dos profissionais da educação - da referida Lei, os dados do Observatório de Discriminação Racial do Estado do Acre (ODR/AC) comprovam isso através dos resultados de sua pesquisa de 2018. O presente estudo tem como foco compreender a importância das formações para professores da Educação Básica da Lei 10.638/2003, em Educação para as Relações Étnico-Raciais (ERER) e, de como têm sido introduzidas e constituídas no processo metodológico de formação como importantes temáticas de enfrentamento no ensino ao preconceito social e institucional, refletindo assim, sobre a resistência - de implementação dessa temática, bem como, sobre a não efetivação da Lei no campo do ensino o que corrobora com a manutenção do status quo de uma educação eurocêntrica, racista e discriminatória. Nesse sentido, o estudo partiu dos pressupostos teóricos de autores como: Gomes (2011), Munanga (2005), Corenza (2018), Quijano (2005). O método qualitativo usado como base para analisar os dados do ODR/AC de 2018-2019, se constitui numa metodologia onde os dados obtidos através da aplicação de questionários nas escolas, registrados e tabulados na plataforma online Google Forms produziram uma riqueza de informações sobre a temática da formação de professores que foram analisadas. Logo, inferimos que diante de tal panorama defende-se a importância da formação inicial e continuada para a ERER, numa perspectiva decolonial. Portanto, a partir de uma (re)leitura dos conteúdos curriculares, bem como, a efetiva implementação da Lei 10.639/2003 no âmbito da formação do profissional escolar é uma maneira de garantir uma educação multicultural, antidiscriminatória e antirracista.
Mostrar mais

19 Ler mais

Os desafios da prática docente na aplicação da Lei 10.639/03

Os desafios da prática docente na aplicação da Lei 10.639/03

Esta pesquisa busca identificar os desafios encontrados pelos professores na aplicação da Lei 10.639/03. Desafios estes que se estendem da formação até o trabalho desenvolvido em sala de aula, para isso, faremos uso da pesquisa bibliográfica sobre a temática. Com a implementação da Lei 10.639/03 o qual torna obrigatório o ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana nas escolas, temos o reconhecimento da população afrodescendente na constituição da cultura brasileira. A argumentação parte de explicitar a importância dessa Lei no resgate e reconhecimento da contribuição do povo negro na formação da cultura brasileira e como forma de combater a discriminação racial. Em seguida, discute sobre os desafios do ensino e da formação dos professores para se cumprir com os conteúdos programáticos, a fim de desconstruir o mito da democracia racial e tratar de forma adequada as questões raciais existentes na escola. Por fim, será discutida a formação continuada, a importância da capacitação docente como forma de conhecer a Lei 10.639/03 e a cultura Africana para que possa fundamentar e executar seu planejamento. A qualificação permite ao docente refletir sobre sua prática a fim de construir uma pedagogia da diversidade que contribua no combate a discriminação nas escolas.
Mostrar mais

15 Ler mais

Ciências e africanidades: implementação da lei 10.639 através da formação de professores/professoras de ciências no ensino fundamental

Ciências e africanidades: implementação da lei 10.639 através da formação de professores/professoras de ciências no ensino fundamental

O desenvolvimento de novos dispositivos pedagógicos contribuirão com as ações e os frutos maturados por intelectuais que já vêm desenvolvendo experiências sistemáticas para a implementação da Lei 10.639/03, somando forças com a disciplina de Ciências Naturais. A perspectiva é a de intensificar estratégias já desenvolvidas durante décadas pelo movimento negro brasileiro, que, no decorrer de todo o período pós-abolição aos dias atuais, exige do Estado brasileiro a reparação às atrocidades realizadas através do escravismo criminoso, na tentativa de corrigi-las através das políticas de ações afirmativas iii . Nesse viés, essas políticas se propõem à divulgação e à produção de conhecimentos antirracistas que sejam capazes de conduzir à (re)educação das relações entre grupos étnicos diferentes, à procura do reconhecimento e da valorização da história, da cultura e das identidades negras, condições essenciais e indispensáveis para uma educação de qualidade para todos e todas.
Mostrar mais

11 Ler mais

A lei 10.639/03 no ensino fundamental de escolas públicas municipais de Campina Grande/ PB

A lei 10.639/03 no ensino fundamental de escolas públicas municipais de Campina Grande/ PB

A Lei não surge do nada, mas sim de uma demandareprimida, não satisfeita. No caso em tela, dizemos que, principalmente do movimento negro, que resultou de anos de luta em prol do combate ao racismo. Entretanto, só a lei não mudará uma situação desigual entre negros e brancos no país e uma história educacional que não privilegiava outro lugar aos negros a não ser o “tronco”, ou seja, o negro como escravo, deixando de lado todo o legado africano que constituiu a formação da nacionalidade e da sociedade brasileira. Portanto, se estabelece a relação que há entre a Lei e a pressão do movimento negro e de setores da sociedade conscientes da importância de sua implementação. É nessa relação que está a importância da Lei, já que ao mesmo tempo em que ela é resultado de luta também chama atenção e levanta questionamentos para um problema que deve ser levado a sério, mesmo que ela não esteja sendo implementada plenamente. Cabe salientar que a recomendação de igualdade entre os sujeitos, independentemente de raça, já existia legalmente, entretanto foi retificada pela lei de 2003 que mantém os mesmos dispositivos, eapenas acrescenta o ensino de história indígena como obrigatório. Esse fato é igualmente importante, pois é um passo a mais na aplicação de um ensino que contemple a diversidade do nosso país.
Mostrar mais

25 Ler mais

Avaliação da aprendizagem de ética em curso de formação de professores de Ensino Fundamental.

Avaliação da aprendizagem de ética em curso de formação de professores de Ensino Fundamental.

Entrando mais profundamente no ob- jetivo da pesquisa, perguntamos aos alu- nos se os professores abriam espaço para falar sobre outros assuntos além dos con- teúdos da disciplina. 33% disse que não, o que não quer dizer que estes professo- res sejam desinteressados, mas talvez porque sintam falta de tempo e/ou este- jam comprometidos no seguimento do programa obrigatório. Os demais, res- ponderam que sim, dizendo que os pro- fessores abriam espaço para temas de política (maioria), cultura e experiências de vida. Os assuntos preferidos que mais se destacaram para discussão em sala de aula foram sobre os próprios professores, conteúdos escolares, sexualidade, profis- são, lazer e cidadania. Esta variação te- mática que ocorre numa mesma propor- ção pode mostrar uma grande diversida- de de observação dos alunos.
Mostrar mais

22 Ler mais

Autoeficácia de professores do ensino fundamental: um estudo a partir dos memoriais de formação

Autoeficácia de professores do ensino fundamental: um estudo a partir dos memoriais de formação

A prática de ensinar é uma atividade complexa, dinâmica e desafiadora. Diversos obstáculos são enfrentados pelos educadores, entre eles, excessiva carga horária de trabalho, salas de aula com grande número de alunos, reduzido suporte da equipe gestora etc. Essas experiências colocam em questão a crença que tais professores possuem em sua própria capacidade de ensinar e motivar seus alunos, inclusive àqueles com maiores dificuldades. Estudos mostram que essa crença, denominada de autoeficácia, é mediadora da ação dos professores e está relacionada com as metas estabelecidas, a persistência e a motivação docente. A autoeficácia docente é constituída pelas experiências diretas, pela observação, persuasão e estados psicofisiológicos. O objetivo do estudo consiste em identificar aspectos ligados à constituição da autoeficácia docente de professores em serviço. Trata-se de um estudo documental que, após busca online utilizando os descritores “memorial de formação” e “ensino fundamental” como palavras-chave foram encontrados oito trabalhos da Universidade Estadual de Campinas, dos quais dois foram descartados da análise em função de não atenderem aos critérios pré- estabelecidos. Os dados foram sistematizados em planilhas de análise especificamente desenhadas para o estudo, considerando o referencial teórico proposto por Bandura (1997) e Tschannen-Moran & Woolfolk Hoy (2001). Resultados indicam que o suporte da família ao longo da escolarização, a atuação de professores como modelos desde a educação básica e as experiências de ensino vivenciadas diretamente como docentes estão amplamente citadas nos memoriais analisados. Esses resultados oferecem, a partir de reflexões mais aprofundadas, indicativos que contribuem para as discussões sobre a formação e atuação de docentes no que tange à capacidade para ensinar, principalmente nos anos iniciais do ensino fundamental.
Mostrar mais

41 Ler mais

Políticas contemporâneas de formação de professores para os anos iniciais do ensino fundamental.

Políticas contemporâneas de formação de professores para os anos iniciais do ensino fundamental.

em que irá atuar; b) um saber pedagógico que conduza a uma reflexão sobre as práticas educativas, acerca do uso das tecnologias educacionais como suporte didático e das amplas questões educacionais. Munido des- se saber, o professor estará preparado para didaticamente reconstruir os conhecimentos que pretende ensinar; c) um saber cultural e político que promova o cultivo de “um patrimônio de conhecimentos e competênci- as, de instituições, de valores e de símbolos, constituído ao longo de ge- rações e característico de uma comunidade humana particular” (Forquin, 1993, p. 12). Esse domínio favorece a visão totalizante das relações en- tre a educação, a sociedade e a cultura, visão peculiar à formação do pro- fessor como um profissional culto e crítico; d) um saber transversal que estimule a multi, a inter e a transdisciplinaridade de conhecimentos, de informações e de metodologias, como estratégia de superação das inflexí- veis fronteiras epistêmicas de cada campo específico, herdadas do mode- lo da racionalidade instrumental.
Mostrar mais

28 Ler mais

AS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A questão permanece: o que deve constar no currículo dos cursos de formação de professores? Que profissional se pretende formar? No caso da Pedagogia, devem-se formar professores para os anos iniciais ou especialistas da educação? Ou ainda, seria possível formar os dois tipos de profissionais? As autoras (2009, p.41) indicam que esses modelos de formação eram questionados e que os ajustes feitos pela legislação foram fragmentados, não proporcionando uma integração entre as disciplinas específicas, nem praticando uma formação educacional geral e didática que considerasse o nível de ensino em que o profissional iria atuar. Com a intenção de centrar-se num novo conceito de profissionalização dos professores, o qual se baseasse na proposta de um continuum de formação, outro fator importante nesse mesmo estudo foi o de ter professores preparados para a formação de outros. Após a promulgação da LDB 9.394/96, conforme indicam Gatti e Barreto (2009, p.41), foi fixado o prazo de dez anos para que os sistemas de ensino fizessem as devidas adequações, uma vez que a maioria dos professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental naquela época possuía apenas formação no magistério em nível médio. Além disso, havia uma grande quantidade de professores leigos. Tais aspectos exigiriam, segundo as autoras, tempo, esforço e financiamento para oferecer uma formação em nível superior para esses professores. No ano de 2002 foram instituídas diretrizes curriculares nacionais que direcionaram princípios, fundamentos a serem considerados na organização institucional e curricular de estabelecimentos de ensino que possuíam cursos em licenciatura plena para a formação de professores da Educação Básica.
Mostrar mais

20 Ler mais

Formação de valores e atitudes: como professores do ensino fundamental enfrentam este desafio

Formação de valores e atitudes: como professores do ensino fundamental enfrentam este desafio

“Então isso me preocupa muito: é o sermão. É o caráter de você ensinar, de achar que vai ensinar atitudes e valores através de sermões”. Ele continua a dizer sobre o tema: “e outra coisa, acabar com essa história de sermão, professor tem que entender, não tem que fazer sermão não. Ficar falando na cabeça do menino não adianta, não passa nada, entra por ali, sai por ali. Você precisa é dar voz ao aluno. A gente fala demais, professor fala demais. Diz um ditado aí que todo professor é um ator frustrado. Eu li isso aí uma vez há muitos anos atrás. Então o que que acontece, a gente não dá voz ao aluno pra ele falar. A gente manda o menino calar a boca, pelo amor de Deus, gente”; “a maioria dos professores acha que realmente ensinar atitudes e valores, é ficar fazendo sermão pros meninos. Isso me irrita, profundamente, porque ele faz um sermão e no outro dia o próprio professor faz coisa pior. O professor reclama do menino: olha não se deve fazer isso, e o menino vê o professor fazendo no dia seguinte”; “se você ficar dando sermão e falando muito, ele desliga o botão e você fica falando sozinho, esse é o problema”; “então enquanto a educação for assim, quem manda aqui sou eu, e você não escuta o estudante, aí fica difícil construir valores e atitudes, se você não escuta o menino. Tem uma frase que diz: ‘quem não sabe escutar, pode passar vergonha’. Essa frase eu nunca mais me esqueci. Se você não sabe ouvir, você pode passar vergonha, e é verdade mesmo [...]. Então eu acho que, se o professor acha que valores e atitudes é sermão, eu desligo o botão e deixo você falando sozinho. E o aluno faz isso, qualquer pessoa faz, então eu sou contra o sermão de professor achando que está ensinando valores e atitudes dando sermão. Passa a aula inteira dando sermão na sala sabe, no menino, que lucro vai haver nisso? Sermão?”.
Mostrar mais

150 Ler mais

639

639

Neste novo contexto social de risco, é fundamental que o Direito repense as suas estruturas, assim como a forma como observa, julga e decide os novos fenômenos que se apresentam. O primeiro capítulo de presente trabalho objetiva analisar, por- tanto, de que forma a sociedade de risco e seus efeitos, como é o caso dos desastres, são assimilados pelo Direito. Assim como, busca perquirir as insuficiências do Direito e a necessidade de interação do Direito com a Ciência, que fornece subsídios - ele- mentos científicos - para o convencimento do julgador que se depara com a ocorrência de eventos cada vez mais complexos, como é o caso dos desastres. O que se pretende demonstrar, neste ponto, portanto, é que as catástrofes ambientais, fenômenos ine- rente à sociedade de risco, trazem à discussão jurídica a neces- sidade de estruturação de uma nova racionalidade jurídica.
Mostrar mais

43 Ler mais

O ensino de química nos anos iniciais do ensino fundamental e a formação de professores de ciências

O ensino de química nos anos iniciais do ensino fundamental e a formação de professores de ciências

A partir de tudo o que foi exposto, podemos perceber que apesar dos cursos de formação de professores habilitarem profissionais para o ensino de Ciências na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental, eles não oferecem um programa de formação suficiente que atenda às necessidades dos futuros professores. As estruturas curriculares mostram que não há prioridade com o estudo das áreas do conhecimento que são fundamentais para ensino de Ciências. Assim, os discentes do curso de Pedagogia, praticamente não têm disciplinas de conteúdo de Ciências Naturais. As Diretrizes Curriculares Nacionais Para Formação de Professores da Educação Básica em Nível Superior (DCN), Curso de Licenciatura, de Graduação Plena (BRASIL, 2001), em seu artigo 5º explicita que o Projeto Político- Pedagógico de cada Curso deve possibilitar a construção de competências necessárias à atuação na Educação Básica, incluindo uma seleção de conceitos que vão além daquilo que os licenciandos irão ensinar futuramente e que os conceitos a serem ensinados na escolaridade básica sejam abordados articuladamente com suas didáticas específicas. Entretanto, fundamentados na análise das ementas/programas detalhados de tais disciplinas, nas IES públicas de Alagoas, não foi possível identificar tal articulação.
Mostrar mais

126 Ler mais

639

639

Ou seja, dos carecimentos e dos interesses, das classes no po- der, dos meios disponíveis para a realização dos mesmos, das transformações técnicas, etc. direitos que foram declarados absolutos no final do século XVIII, como a propriedade sacre et involable, foram submetidos a radicais limitações nas de- clarações contemporâneas; direitos que as declarações do sé- culo XVIII nem sequer mencionavam, como os direitos soci- ais, são agora proclamados com grande ostentação nas recen- tes declarações. Não é difícil prever que, no futuro, poderão emergir novas pretensões que no momento nem sequer pode- mos imaginar, como o direito a não portar armas contra a própria vontade, ou o direito de respeitar a vida também dos animais e não só dos homens. O que prova que não existem direitos fundamentais por natureza. O que parece fundamental numa época histórica e numa determinada civilização não é fundamental em outras épocas e em outras culturas. 15
Mostrar mais

22 Ler mais

639

639

Dentro deste universo, procederemos à taxonomia da sanção no Código Civil, para, ao final, ligarmos a responsabilidade civil em sentido estrito à sua sanção própri[r]

11 Ler mais

A educação (sócio)lingüística no processo de formação de professores do ensino fundamental

A educação (sócio)lingüística no processo de formação de professores do ensino fundamental

SUMÁRIO 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS, 16 1.1 Justificativa para escolha do tema, 16 1.2 Um projeto de pesquisa – Um projeto de vida, 18 1.3 Arquitetura da tese, 25 2 METODOLOGIA DE PESQUISA:[r]

284 Ler mais

Projetos temáticos no ensino fundamental: Reflexões acerca da formação dos professores

Projetos temáticos no ensino fundamental: Reflexões acerca da formação dos professores

O presente trabalho busca refletir acerca da formação dos professores que atuam na Pedagogia de Projetos, visto que este tipo de atividade contribui para a participação do estudante no processo de construção do conhecimento, além de favorecer a interdisciplinaridade, por integrar o conteúdo nas várias áreas do conhecimento. O interesse pelo tema surgiu a partir da busca de compreender principalmente se há uma relação da forma que o professor trabalha com os projetos com a formação que ele teve, se isso foi estudado na graduação. Para o desenvolvimento do trabalho inicialmente houve uma pesquisa bibliográfica, e depois um estudo de caso, realizado em uma escola municipal de Maracanaú-Ce. Buscou-se pesquisar o entendimento de Fazenda (2003) acerca da Interdisciplinaridade, a fim de compreender qual o sentido da sua aplicabilidade na escola. Hernandez (1998) propõe os projetos de trabalho na escola como uma mudança para a educação. Moraes (2005) vem desenvolvendo projetos temáticos com seus alunos das licenciaturas para que eles tenham uma idéia de como funciona a metodologia desde a graduação. No estudo de caso foram feitas entrevistas com professoras e observação de um projeto que envolveu toda a escola. Foi verificado que acontece de o professor não ter estudado acerca da Pedagogia de Projetos, conhecendo a metodologia através da prática na escola e que seu conhecimento se dá a partir da prática. Os alunos têm uma maior participação nas atividades e a melhor capacitação do professor é uma das sugestões para a prática na educação. Uma das dificuldades encontradas que foi citada é a distribuição do tempo. Verificou-se que há resistência dos professores em utilizar a metodologia e em trabalhar em conjunto com os demais professores. Compreende-se, portanto, que este tipo de atividade requer intenso trabalho conjunto dos professores, para que o projeto temático alcance a sua finalidade, contribuindo para a aprendizagem significativa e participação dos estudantes no processo de ensino. Além da formação do professor, o currículo escolar também deve ser pensado, para dar abertura ao desenvolvimento dos projetos.
Mostrar mais

51 Ler mais

A Lei 10.639/03 e a Cultura Afro-Brasileira sob a ótica das crianças dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental

A Lei 10.639/03 e a Cultura Afro-Brasileira sob a ótica das crianças dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental

Diante do que está sendo analisado, a Lei 10.639/03 ainda não está sendo contemplada pelas crianças como deveria, percebemos frágeis avanços com relação à diversidade cultural e as relações étnicos-raciais, mas infelizmente não estamos visualizando, através das falas das crianças, a cultura destes povos, seus costumes, suas religiões, a história do seu continente, como também a escravidão na perspectiva do escravizado. E assim, evidencia-se que o processo de construção de uma identidade negra mais fortalecida, encontra-se muito incipiente.
Mostrar mais

16 Ler mais

Educação ambiental no ensino fundamental: um estudo de caso da Escola Estadual de Ensino Fundamental John Kennedy em Guarabira

Educação ambiental no ensino fundamental: um estudo de caso da Escola Estadual de Ensino Fundamental John Kennedy em Guarabira

O território que hoje denominamos de Guarabira, foi inicialmente ocupado pelos franceses que, através de uma aliança com os índios potiguares, passaram a explorar a região em busca de metais preciosos, especificamente o ouro, que supunham existir na serra da Capaoba, hoje serra da Raiz. Para a ocupação desse território, ocorreram combates sangrentos, pois o desbravamento encontrou obstáculos nos combates entre os índios aliados aos franceses de um lado, e do outro, os portugueses colonizadores da capitania, levando o governador Feliciano Coelho de Carvalho, em 1592, a expulsá-los. Os holandeses também fizeram suas incurssoões na área, por volta de 1641.Estes também acreditavam que poderiam encontrar ouro para abastecer a economia da Holanda. Ali estiveram à busca do ouro durante curto período, mas por não encontarem o metal precioso retornaram ao local de onde haviam partido.
Mostrar mais

66 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados