Top PDF Formação profissional em serviço social: uma análise junto aos discentes do curso de serviço social da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Formação profissional em serviço social: uma análise junto aos discentes do curso de serviço social da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Formação profissional em serviço social: uma análise junto aos discentes do curso de serviço social da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

O presente estudo é um desdobramento da pesquisa intitulada “O perfil dos/as discentes do curso de Serviço Social da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)” desenvolvida como pesquisa de iniciação científica PIBIC/UEPB realizada através do Núcleo de Pesquisas e Práticas Sociais (NUPEPS) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Tal pesquisa teve como objetivo principal analisar o perfil socioeconômico, político e cultural dos/as discentes do curso de Serviço Social da Universidade Estadual da Paraíba(UEPB) e, como objetivos específicos: identificar os aspectos referentes a gênero, etnia-raça e classe dos/as discentes pesquisados/as ; analisar a relação da participação cívico-política, religiosa e voluntário- assistencial com a opção pelo curso; identificar como os/as discentes vêm subsidiando a sua formação profissional e desvelar a compreensão dos/as discentes acerca da formação teórico- metodológica, ético-política e técnico-operativa presentes no projeto político pedagógico do curso de serviço social. O enfoque adotado no presente estudo privilegiou analisar os principais desafios enfrentados por tais discentes no âmbito da formação profissional. A pesquisa constituiu-se do tipo analítico-descritiva com abordagem quantiqualitativa. Para a coleta de dados, foram utilizadas a pesquisa bibliográfica e documental, como também o questionário contendo questões fechadas e abertas envolvendo 238 discentes dos cursos diurnos e noturnos de serviço social. Todo o processo investigativo compreendeu o período de agosto de 2012 a agosto de 2013. A análise dos dados coletados se deu a partir do tratamento estatístico e da técnica de análise de conteúdo. A partir do estudo podemos identificar que, apesar da formação profissional passar historicamente por um trato teórico- metodológico e ético político, requalificando as respostas profissionais no enfrentamento da questão social, que ainda são muitos os desafios enfrentados no âmbito da formação, principalmente no que se refere às condições objetivas do processo de ensino e aprendizagem.
Mostrar mais

88 Ler mais

Segurança pública e serviço social: um estudo com os discentes do curso de serviço social da Universidade Estadual da Paraíba

Segurança pública e serviço social: um estudo com os discentes do curso de serviço social da Universidade Estadual da Paraíba

O presente trabalho versa sobre a concepção dos discentes concluintes do curso de Serviço Social da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) quanto a política de Segurança Pública. Para tanto, objetivou também traçar o perfil socioeconômico e cultural desses discentes; identificar se eles já tinham conhecimento do tema; verificar como a política de Segurança Pública foi discutida em sala de aula, bem como analisar a relação entre a política de Segurança Pública e o Serviço Social. Trata-se de um estudo explicativo com o enfoque qualitativo, realizado junto a oito discentes do curso de Serviço Social, sendo três da turma da manhã e cinco da turma da noite, por meio de entrevista semi-estruturada (gravada) que respeitou os preceitos do Comitê de Ética da referida universidade. Para análise dos dados, foi utilizada a técnica de análise de conteúdo. A partir dos dados obtidos durante a realização da pesquisa, constatou-se que os entrevistados desconheciam e tinham opiniões baseadas no senso comum quanto ao cotidiano, bem como quanto à análise e sistematização da política de Segurança Pública. Este estudo corroborou com a análise de que, frente a um contexto em que a segurança ganha considerável destaque (nos debates tanto de especialistas como do público de modo geral), constatou-se que há uma discussão muito tímida a respeito da política de Segurança Pública por parte dos componentes curriculares do curso de Serviço Social da UEPB, a não ser quando o debate parte dos próprios discentes em sala, em rodas de conversas informais.
Mostrar mais

97 Ler mais

O estágio supervisionado obrigatório no âmbito da formação profissional em serviço social: uma questão em análise

O estágio supervisionado obrigatório no âmbito da formação profissional em serviço social: uma questão em análise

O presente estudo se caracteriza como um recorte da pesquisa intitulada: “O estágio supervisionado no processo de formação profissional: um estudo junto aos supervisores/as e discentes dos cursos diurno e noturno de serviço social da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)”, que foi desenvolvida junto ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), na cota 2014/2015, e que teve como objetivo principal analisar o caráter político e didático-pedagógico do estágio supervisionado em serviço social na UEPB na formação profissional. O enfoque adotado no presente estudo privilegiou analisar os desafios postos para a consolidação do Estágio Supervisionado em Serviço Social na perspectiva das diretrizes curriculares da ABEPPS. As Diretrizes Curriculares de 1996, a Política Nacional de Estagio da ABEPSS/2008 e a Resolução 533 do CFESS de 2008, representam instrumentos normativos que fortalecem e norteiam o Estagio Supervisionado na perspectiva do projeto Ético-Político profissional. No entanto, ainda são muitos os desafios e dificuldades para se fazer avançar o estágio supervisionado curricular, na perspectiva das diretrizes curriculares da ABEPSS. Tratou-se de um estudo de natureza qualitativa, de caráter bibliográfico e documental, envolvendo parte significativa da produção teórico- crítica do serviço social disponível sobre o tema. A análise dos dados coletados se deu a partir da técnica de análise de conteúdo e revelou que são muitos os desafios para consolidação do estágio supervisionado obrigatório em serviço social a partir das diretrizes da ABEPSS, considerando as condições objetivas e subjetivas nas quais ele ocorre, dentre os quais se destacam: dificuldade de articulação; acompanhamento irregular; sobrecarga de trabalho ambos os/as supervisores/as, dentre outros.
Mostrar mais

27 Ler mais

Uma análise acerca da crescente inserção de homens no curso de serviço social da Universidade Estadual da Paraíba

Uma análise acerca da crescente inserção de homens no curso de serviço social da Universidade Estadual da Paraíba

O crescimento exponencial do contingente profissional, a curto prazo, traz sérias implicações para o exercício profissional e para as relações de trabalho e condições salariais por meio das quais ele se realiza. Pode-se antever um crescimento acelerado do desemprego nessa área, pois dificilmente a oferta de postos de trabalho poderá acompanhar, no mesmo ritmo, o crescimento do contingente profissional, pressionando o piso salarial, a precarização das condições de trabalho e aumentando a insegurança do trabalho. A hipótese que se pode aventar é que o crescimento do contingente profissional, ao tempo em que eleva a lucratividade nos negócios educacionais -, um curso barato, voltado predominantemente ao público feminino -, poderá desdobrar- se na criação de um exército assistencial de reserva (IAMAMOTO, 2008, p. 440).
Mostrar mais

31 Ler mais

Serviço social e questão social no Maranhão: resgate histórico do  Trabalho
junto ao Pescador Artesanal da Ilha de São Luís , no processo de formação
profissional do Curso de Serviço Social da UFMA

Serviço social e questão social no Maranhão: resgate histórico do Trabalho junto ao Pescador Artesanal da Ilha de São Luís , no processo de formação profissional do Curso de Serviço Social da UFMA

Importa destacar, segundo os objetivos desta seção do trabalho, que no período em análise importantes projetos na área de extensão e interiorização foram desenvolvidos pela UFMA, servindo de campo de estágio para alunos dos mais diferentes Cursos desta instituição, contribuindo inclusive com a capacitação dos diversos profissionais inseridos nos mais diferentes espaços ocupacionais em São Luís. Este, portanto, foi um período muito rico em atividades nesta área, marcadas pelo efetivo envolvimento da Universidade com as lutas sociais presentes na sociedade, buscando responder às reais demandas colocadas pelos segmentos das classes subalternas, em que pese, em muitos casos, o caráter assistencialista e amenizador dos conflitos presentes em muitas daquelas propostas. São exemplos, dentre outros, Projetos como o LABOHIDRO e Ações no sentido de melhoramento genético de frutas e hortaliças, desenvolvidos pelo Departamento de Biologia, este último voltado para os agricultores do povoado Maioba; Controle da Malária, do Departamento de patologia, nos povoados Inhaúma e Raposa; Ações Integradas para Melhoria do Ensino de 1º Grau – Projeto AME, implementada no município de São José de Ribamar, sob a responsabilidade direta do Departamento de Educação II, em articulação com os Departamentos de economia, Sociologia, Biblioteconomia, Letras, Comunicação Social, Saúde Pública e Serviço Social, também responsável neste período, pela participação em relevantes projetos como o CRUTAC- MA, e o Centro de Atuação Universitária em Desenvolvimento de Comunidade – CAUDEC, este último sob sua coordenação, através de convênio firmado com a Companhia de Habitação Popular do Maranhão, a partir do ano de 1971. Além desses, destaca-se ainda, para efeito da presente análise, o Projeto de pesquisa e extensão, denominado Trabalho junto ao Pescador Artesanal
Mostrar mais

230 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

j) Iniciação à Informática: É um processo que se inicia com aulas de digitação, estendendo-se ao curso básico e ampliando-se para etapas mais avançadas nesta área. Nas atividades referentes à digitação, o educando tem o seu primeiro contato com o computador, conhecendo o seu manuseio, buscando o domínio de todo o teclado e suas respectivas funções. Posteriormente poderá participar do curso básico que aborda questões referentes ao Windows e a sua operacionalização, bem como conteúdos referentes ao Office e seus aplicativos, finalizando com o uso da internet e suas ferramentas. Salienta-se que atualmente o uso da informática é quase que indispensável como instrumento de complementaridade para o acesso a leitura e auxilia na inclusão das pessoas com deficiência visual no mundo do trabalho, o que faz com que as etapas avançadas constituam-se em cursos profissionalizantes, pois o mercado atual exige grande conhecimento neste aspecto. Ressaltamos que os educandos com baixa visão utilizam como ferramenta para interação com a máquina, o ampliador de tela MAGIC e os cegos interagem através do ledor de tela JAWS, o que poderá modificar-se em virtude do desenvolvimento acelerado que vem ocorrendo neste segmento.
Mostrar mais

94 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONOMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONOMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

O Centro de Referência de Assistência Social (CREAS) se configura como uma unidade pública e estatal, que oferece serviços (atendimento, orientação e apoio) especializados e continuados de assistência social a indivíduos e famílias em situação de ameaça ou violação de direitos (violência sexual, violência física, violência psicológica, negligência, abandono, trabalho infantil, situação de rua, cumprimento de medida sócio educativa em meio aberto [prestação de serviços à comunidade e liberdade assistida], atendimento ao idoso, etc). Logo, o mesmo tem como objetivo promover a integração de esforços, recursos e meios para enfrentar a dispersão dos serviços e potencializar a ação àqueles que sofrem violação de direitos ou que estão sujeitos a risco social, tendo destaque especial crianças e adolescentes, envolvendo assim um conjunto de profissionais e processos de trabalhos que devem oferecer apoio e acompanhamento individualizado e especializado.
Mostrar mais

107 Ler mais

O Estágio Supervisionado no Curso de Serviço Social da UNIGRANRIO: exigências e desafios à formação profissional na contemporaneidade.

O Estágio Supervisionado no Curso de Serviço Social da UNIGRANRIO: exigências e desafios à formação profissional na contemporaneidade.

A análise apresentada, parte do entendimento de que o estágio não se reduz somente a um campo de treinamento da prática, nem tampouco a um espaço de relação teoria e prática, mas como um espaço onde a reflexão possa se realizar (MORANI, 2010). Este se constitui como um instrumento fundamental na formação da análise crítica e da capacidade interventiva, propositiva e investigativa do aluno- estagiário, que precisa apreender os elementos concretos que constituem a realidade social capitalista e suas contradições, de modo a intervir, posteriormente como profissional, nas diferentes expressões da questão social, que vem se agravando diante do movimento mais recente de colapso mundial da economia, em sua fase financeira, e de desregulamentação do trabalho e dos direitos sociais. Processo este que deve se dar a partir da interação entre a unidade acadêmica e a Unidade campo de estágio, visto que ambos fazem parte do processo de formação profissional, do qual a supervisão é inerente. Destacamos também, a importância do princípio da unidade teoria-prática e da interdisciplinaridade, tendo em vista que o estágio supervisionado se configura por meio da inter-relação das diversas áreas de conhecimento trabalhadas ao longo formação profissional com o espaço sócio institucional, compartilhando-a com as diferentes categorias profissionais, ao se inserir nos processos de trabalho das instituições, no qual a prática do Serviço Social irá se configurar.
Mostrar mais

21 Ler mais

O significado do estágio curricular no processo de formação profissional do curso de serviço social - a realidade do Ceará

O significado do estágio curricular no processo de formação profissional do curso de serviço social - a realidade do Ceará

“Por conta de que o Decreto Estadual Nº 26.740 de 12/9/2002, que regulamenta o estágio exige que o.estágio de psicologia, pedagogia etc, seja curricular, então eu só posso colocar estudante dentro das suas especificações de curso, estudante de Serviço Social, numa unidade tenha serviço compatíveis com a sua formação e que tenha técnica de apoio. Quanto à seleção, é muito importante esse critério, eu passei 5 anos fazendo prova e nesses 5 anos o nível de desligamento era de 100%. O estudante tirava ótimo na prova, ia para o São Miguel ia se assustar, se ia pro ADOC excepcional ia se assustar, então eu trabalhava com uma desistência muito alta, e foram feitas muitas reuniões e decidi acabar com a prova. Passei a usar entrevista individual, onde através desse formulário, podia avaliar o nível de interesse da estudante pela unidade.Além da entrevista ela visita o local que ela tenha interesse em ficar. Das vagas, guardo 10% pra aquela estudante que durante a entrevista eu notei que ela vai por diversos motivos ter dificuldades de encontrar um estágio. São pessoas que se dizem “feias”, “gordas” e que por isso não conseguem estágio. Teve um caso de uma que era cega e mesmo com a resistência de alguns diretores ela ficou na unidade por dois anos e teve excelente em todas as notas em relação ao estágio. É tanto que provavelmente ela vai ser contratada. Agora esse nível de interesse, claro que deixa escapar um ou outro, mas com o sistema de entrevista eu consegui eliminar 90% das desistências” (Jorge).
Mostrar mais

138 Ler mais

UMA ANÁLISE DA PROPOSTA CURRICULAR DOS CURSOS DE SERVIÇO SOCIAL DO ESTADO PARANAENSE: OBJETIVOS DO CURSO E CONCEPÇÃO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

UMA ANÁLISE DA PROPOSTA CURRICULAR DOS CURSOS DE SERVIÇO SOCIAL DO ESTADO PARANAENSE: OBJETIVOS DO CURSO E CONCEPÇÃO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Em todos os cursos aparece o compromisso em formar profissionais para construir respostas interventivas, o que supõe um entendimento de que são estas as respostas que, historicamente, têm legitimado a profissão e sua inserção na divisão sócio-técnica do trabalho. Chama a atenção a direção das ações profissionais, pois o exercício profissional precisa ter uma finalidade. Esta direção pode ser identificada nos objetivos de três cursos quando se referem: “contribuir para a viabilização da participação dos usuários nas decisões que lhe são afetas como cidadãos”; “identificando as várias formas de manifestações da questão social e o desrespeito aos direitos sociais para formular, gerenciar e implementar projetos, políticas e programas que enfrentem tais situações”; “como condições indispensáveis para a inserção no mundo do trabalho”. Em dois cursos a finalidade das ações profissionais perpassa o campo dos direitos sociais, e em um o reconhecimento da profissão passa pela sua inserção do mundo do trabalho.
Mostrar mais

10 Ler mais

Assistência Social no Vale do Paraíba MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL

Assistência Social no Vale do Paraíba MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL

, num território de 192 km², classificado pela PNAS, como município de pequeno porte II; diferentemente do outro Município escolhido, não é um pólo industrial, sua economia é baseada no comércio e na produção agrícola e manufatureira. A produção agrícola de maior importância na cidade é o plantio de arroz; a produção de tijolos e a extração de areia configuram a economia local. Sua população em sua maioria é de migrantes, pois pela proximidade das cidades industriais como São José dos Campos, Taubaté e Pindamonhangaba muitos de seus moradores residem na cidade, mas vendem sua força de trabalho nas indústrias instaladas nas cidades vizinhas. A arrecadação do município está alicerçada nos tributos da prestação de serviços. Além das características apresentadas, a escolha deste município se deu justamente pela historicidade da política de assistência social, em que, não é vista nem por seus habitantes e muito menos pelos governantes como uma política e sim como um atendimento assistencialista, focando a caridade e reforçando a idéia de que o atendimento realizado deve se expressar em votos partidários para a próxima eleição.
Mostrar mais

127 Ler mais

A PRECEPTORIA NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE: O SERVIÇO SOCIAL EM QUESTÃO

A PRECEPTORIA NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE: O SERVIÇO SOCIAL EM QUESTÃO

O estudo se propõe a discutir sobre a preceptoria de Serviço Social em Programas de Residência da Universidade Federal de Juiz de Fora. Nossa experiência tem demonstrado a importância dos preceptores, posto que são os que acompanham diretamente o residente. Os dados evidenciam que a preceptoria contribui para a formação posto que fortalece as discussões teórico práticas; promove a articulação ensino, serviço ; contribui para o crescimento e atualização dos profissionais/preceptores. Porém, nós necessitam ser desatados: a carência de capacitação continuada; pouco tempo para a reflexão da prática; descompromisso de residentes, distanciamento da coordenação dos programas; dificuldade para desenvolver trabalhos interdisciplinares.
Mostrar mais

8 Ler mais

ARTE E SERVIÇO SOCIAL: um exercício de intervenção profissional MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL

ARTE E SERVIÇO SOCIAL: um exercício de intervenção profissional MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL

[...] o que apareceu também, né? que além dessa questão que a arte humaniza, ficou presente o conhecimento que essas mulheres tinham em relação àquela expressão [...] Que aí a gente entra naquela discussão de que arte estamos falando, é a arte mercantilizada ou é a arte nesse sentido da práxis, da criação, desse despertar, desse alcance à condição de gênero humano? E isso mexeu muito com ela, porque ela não soube...é claro que ela também não tinha muito preparo, super nova, estava terminando a graduação; isso chocou ela, por quê? Ela utilizou a arte como mediação pra intervenção do Serviço Social, então através desse recurso ela estava discutindo gênero, aí o que aconteceu? A devolutiva que essas mulheres davam pra ela não era aquilo que ela estava preparada pra receber, então isso mexeu com ela, mexeu tanto com ela que ela fugiu, fugia das orientações, ela sumiu, ela entrou em crise, fora os problemas pessoais. Então, e aí eu vou te explicar o que aconteceu, por quê? Porque ela estava trabalhando a questão de gênero então ela... teve um encontro que ela passou um filme, e aí nesse filme mostrava a relação de gênero, a construção dos papeis, e as mulheres depois no debate não concordavam, por quê? Porque a gente vive numa sociedade que é uma sociedade patriarcal, que a mulher é submissa que tem os seus papeis, então é natural que as mulheres não concordem mesmo com aquilo que ela estava tentando criticar na questão dos papéis; só que ela não conseguiu lidar com isso nesse sentido de fazer a leitura da totalidade e ver que sociedade é essa; ela achou que ia passar o filme e que esse filme já ia, né? [atingir a mudança]... Pelo conteúdo, ele não vai conseguir responder, aí eu fui trabalhando com ela, no sentido de que a gente tem que despertar, isso não quer dizer que a gente vai possibilitar uma mudança na concepção dessas mulheres, na visão de mundo dessas mulheres, isso não vai possibilitar uma mudança na opinião delas, não nesse primeiro
Mostrar mais

85 Ler mais

Supervisão na formação em serviço social

Supervisão na formação em serviço social

30 Estado-Providência não completo, em fase de globalização e crise, com crescentes riscos vivenciados por vários grupos sociais, persistência de pobreza e exclusão social 17 . Esta situação manter-se-á em crescendo face ao endividamento e consequente resgate financeiro sustentado pelo processo de imposição dos agentes internacionais a quem Portugal fez recurso para o respetivo empréstimo, vulgarmente designada no seu conjunto por Troika, constituída pelo Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Banco Mundial. Como consequência de todo este processo, tem-se revelado a intensificação de programas e de medidas, nomeadamente a alteração ao Código do Trabalho, crescentes custos na saúde (com taxas mais elevadas e menos comparticipação) e abaixamento no valor pecuniário das reformas e outras prestações sociais (subsídio de desemprego, abono de família, rendimento social de inserção) a par de um crescente aumento de impostos com acumulação de sucessivas desvantagens, designadamente na desvalorização do nível dos salários, com crescente desigualdade e injustiça social, fortemente influenciadas nos orçamentos anuais do Estado, com sequelas no aprofundamento da desigualdade social. Consequentemente, e reforçando a sua anterior tendência, as respostas sociais têm vindo a sair para fora do âmbito estatal, deixando ao setor solidário a sua substituição, o que suscita problemas vários, designadamente de igualdade de acesso aos serviços. Os dados da carta social de 2010, quanto à propriedade dos equipamentos sociais, indicam que dos 7 700 existentes, apenas 261 são propriedade de entidades públicas, correspondente a 4,6% da capacidade instalada de respostas sociais.
Mostrar mais

276 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Desta forma, a presente Seção busca, através de explicitações referentes ao fazer profissional do assistente social e de sua atuação no Projeto Jovem Aprendiz, proporcionar o entendiment[r]

72 Ler mais

FORMAÇÃO CONTINUADA E SERVIÇO SOCIAL

FORMAÇÃO CONTINUADA E SERVIÇO SOCIAL

Embora, na área, ainda a literatura sobre a formação contínua/continuada/permanente não seja de fácil localização, como situam Cartaxo, Manfroi e Santos (2012, p. 244) “na literatura pesquisada na área de Serviço Social não se encontrou produção significativa sobre formação continuada, voltada aos profissionais que se encontram na prática nos diversos espaços sócio-ocupacionais”; compreende-se que isto não confere importância menor a temática na profissão. Trata-se de decifrar de que forma a discussão da formação e sua continuidade aparecem na produção bibliográfica da área, além de incentivar a realização de novos estudos.
Mostrar mais

6 Ler mais

Serviço Social português e brasileiro em diálogo : internacionalização da formação profissional.

Serviço Social português e brasileiro em diálogo : internacionalização da formação profissional.

Três assistentes sociais brasileiras, a partir de 1965, vieram para a docência das disciplinas “Serviço Social de Comunidades”, “Técnicas de Grupo”, “Serviço Social de Família” e “Supervisão”, na perspectiva desen- volvimentista com o apoio financeiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Duas são professoras de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio Grande do Sul e outra da PUC do Rio de Janeiro, com for- mação pós-graduada em Serviço Social em universidades nos Estados Unidos nas áreas da supervisão, planificação e DC e trabalho com grupos. Uma é assessora técnica das Nações Unidas em Organização Social da Comunidade e em Planificação Social, outra é membro do Conselho da UCISS, vice- presidente para a Região Sul da Associação Brasileira de Escolas de Serviço Social (1964) e vice-presidente do Sindicato de Assistentes Sociais de Porto Alegre (1965-67). Esta colaboração mantém-se no ISSSL até 1970, através da participação em cursos: de supervisão para assistentes sociais que cola- boravam na orientação de estagiárias; em cursos pós-graduados e no curso complementar de Serviço Social e na produção de artigos publicados entre 1966 e 1969, no Boletim do Instituto de Serviço Social. Colaboram também com os Institutos de Serviço Social do Porto e de Coimbra. (MARTINS, 2010).
Mostrar mais

24 Ler mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS DO SERVIÇO SOCIAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS DO SERVIÇO SOCIAL

Artigo 1º. O Departamento de Fundamentos do Serviço Social, da Faculdade de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, faz saber que estarão abertas inscrições para processo seletivo de professor para assumir, em caráter emergencial, uma disciplina do Curso de Serviço Social, para substituição de professor afastado por licença.

6 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SOCIOECONÔMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL JOSIANE MORAES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SOCIOECONÔMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL JOSIANE MORAES

Andrade (ibidem, p.47) caracteriza a Escola Clássica a partir de sua unidade ideológica e metodológica, pelas suas promessas e postulados, bem como pela consideração do fato-crime no centro do classicismo. A unidade ideológica decorreu do empreendimento de uma vigorosa racionalização do poder punitivo contratualmente fundado, em nome da necessidade de garantir o indivíduo contra toda a intervenção estatal arbitrária. “Daí por que a denominação de “garantismo” seja talvez a que melho r espelhe o seu projeto racionalizador”. Por sua vez, a unidade metodológica projetou a concepção racionalista 32 de Ciência para o campo penal, orientada por uma concepção mecanicista do universo e pelo método racionalista, lógico-abstrato ou dedutivo de revelação de seu próprio objeto, a saber, a origem natural e predeterminada do Direito Penal. O fundamento de punir encontrou sua legitimidade em uma realidade preexistente, não como produto histórico, mas como em Beccaria, no contrato social, e em Carrara, na lei divina. “Dá-se a ligação entre teoria penal e sistema racional, sendo o Direito Penal concebido como um sistema dogmático, baseado sobre conceitos essencialmente racionalistas” (ANDRADE, 1997, p.48). A promessa efetuada de segurança jurídica, instaurou um regime estrito de legalidade (penal e processual penal) que buscava evitar toda a incerteza do poder punitivo e ao mesmo tempo em que promovesse a sua humanização e instrumentalização utilitária. Os postulados fundamentais referiam-se à responsabilidade penal, fundamentada na responsabilidade moral originária no livre-arbítrio; ao crime, tido como ente jurídico pelo fato de consistir na violação de um direito; ao criminoso, referenciado como aquele que, em posse do livre-arbítrio, viola livre e consciente a norma penal; à pena, baseada nas funções retributiva e utilitária, ou seja, como um justo e proporcional castigo da sociedade sobre o culpado por merecimento e preventiva pelo impedimento do aumento de crimes.
Mostrar mais

133 Ler mais

Promoção da Saúde e Serviço Social: uma análise do debate profissional

Promoção da Saúde e Serviço Social: uma análise do debate profissional

criticism of the NPS is still shy. These data reveal a considerable gap in the theoretical production area, frame linked to a number of factors, including the polysemy of discourses and their promotional appearance concatenation of the main ideas of SUS, and the need for consolidation of the basis of the Collective Health in the Social Work. It is undisputed the indispensability of deepening critical discussion of this topic in Social Work, and the importance of shaping practices in their direction, since this are associated to ideas of RSB 1980s. Guided by critic professional design, social workers can offer important contributions both theoretical and practical for the maturation of this debate. The ideology of PS under the auspices of the RSB, may help to guide the professional practice of (a) social worker in health as field work, beyond the borders of a bureaucratic and relief work, go towards consideration in determining of social health participation and social control, as proposed by the performance Parameters for Social Workers in Health.
Mostrar mais

375 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados