Top PDF O gênero notícia como suporte para o ensino de língua inglesa: uma experiência a partir do PIBID

O gênero notícia como suporte para o ensino de língua inglesa: uma experiência a partir do PIBID

O gênero notícia como suporte para o ensino de língua inglesa: uma experiência a partir do PIBID

O vigente trabalho tem por propósito relatar a experiência adquirida no ensino de língua inglesa a partir de oficinas aplicadas com a utilização do gênero textual “notícia” como ferramenta na elaboração e planejamento das práticas pedagógicas. Práticas que foram realizadas através do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) voltadas ao ensino e aprendizagem do inglês como segunda língua, aplicadas em uma Sequência Didática (SD) que foram realizadas em uma escola pública estadual da cidade de Guarabira. Esta pesquisa por se tratar de uma descrição de abordagens e destaque de práticas de ensino de LI, classificamos seus aspectos como qualitativos. Para nos nortear nesta pesquisa, buscamos os contributos de teóricos como OLIVEIRA (2014), estudioso do campo de desenvolvimento de estudos dos métodos de ensino de inglês que nos fundamentam as análises perpetradas ao gênero e método usados, sendo notados aspectos do ensino e aprendizagem de Língua Inglesa, além das contribuições a de BALTAR (2004) e BAKTHIN (1997) a respeito dos gêneros textuais. Na experiência analisada, destacamos os pontos que maximizaram o ensino/aprendizagem da LI dentro do contexto do alunado, a seriedade e facilidade na aquisição de conhecimento sobre o gênero textual trabalhado, além dos desvios e pontos negativos encontrados ao longo da prática pedagógica a qual nos propomos a experimentar.
Mostrar mais

24 Ler mais

O ensino de língua inglesa por meio do gênero notícia

O ensino de língua inglesa por meio do gênero notícia

Sobre as atividades realizadas na escola parceira do projeto, os bolsistas, devidamente orientados pelo coordenador e com suporte do professor supervisor, fornecem aos alunos um amplo e direto contato com a Língua Inglesa. Em primeiro lugar, são realizadas monitorias todos os dias da semana em ambos os turnos, para que os alunos possam procurá-las fora do horário de aula. Em segundo lugar, os bolsistas auxiliam na elaboração de material didático para uso dos professores da escola parceira. Ademais, o PIBID também realiza eventos que trazem parte da cultura de países de Língua Inglesa para a realidade da escola, como por exemplo, a festa de Halloween realizada todo ano, contando com a participação de toda a escola.
Mostrar mais

13 Ler mais

O gênero música como ferramenta no ensino da língua inglesa

O gênero música como ferramenta no ensino da língua inglesa

Com o objetivo de trabalhar a oralidade - sem abandonar o trabalho com as habilidades de leitura e escrita - os acadêmicos responsáveis pelo segundo ano do ensino médio no Colégio Estadual Zulmira Marchesi da Silva (Cornélio Procópio, Paraná), empenharam-se na elaboração de sua sequência didática (SD) pautada nos fundamentos de Dolz e Schneuwly (2004, p.98). Para os autores, “as sequências didáticas servem [...] para dar acesso aos alunos a práticas de linguagem novas ou dificilmente domináveis.” Portanto, a partir das atividades elaboradas pelos acadêmicos PIBID LI para intervenção em sala de aula, o projeto contribui com o processo de ensino/aprendizagem em forma de suporte, na tentativa de atenuar eventuais déficits que ocorrem na rede pública de ensino.
Mostrar mais

5 Ler mais

O ensino da língua inglesa e a equidade de gênero na escola Olavo Bilac em Joinville/SC

O ensino da língua inglesa e a equidade de gênero na escola Olavo Bilac em Joinville/SC

Em alguns momentos durante o recreio pude observar o quanto os alunos (meninos), ainda comentam a forma como uma menina se veste, ou anda, demonstrando preconceito e principalmente no horário de educação física, quando a escalação é só de meninos para a prática esportiva do futebol. A experiência revelada a partir desta minha atuação profissional, como, por exemplo, todas as segundas feiras faço o recreio 4 monitorado, e nesse momento posso observar conversas entre eles(as), sobre as aulas de educação física. Um dia desses um menino falou que uma determinada menina era popular na escola, pois vinha toda “fashion” (roupa da moda) para a escola 5 .
Mostrar mais

50 Ler mais

Avaliando a aprendizagem de língua inglesa em uma escola de ensino médio a partir de contribuições discentes

Avaliando a aprendizagem de língua inglesa em uma escola de ensino médio a partir de contribuições discentes

O estudante cobra uma avaliação contínua que não despreze toda a sua trajetória estudantil no ensino médio, desde o primeiro até o terceiro ano. Se entendermos, conforme os documentos oficiais preconizam, que o ensino médio também é uma etapa preparatória para o trabalho (BRASIL, 2002), não poderemos ter uma carreira interrompida por apenas um método de verificação do desempenho, ignorando o que o discente construiu ao longo de sua passagem pelo ensino médio. Luckesi (2011, p. 407) afirma que “o histórico escolar do estudante garante o registro da informação acerca da qualidade do seu desempenho, em determinado momento da sua vida, na instituição escolar pela qual foi educado”. Além da análise do desempenho discente, a avaliação do histórico escolar ainda pode revelar, por exemplo, aptidões e identificações com determinadas disciplinas, peculiares a cada área do conhecimento, o que a nosso ver facilitaria a escolha da futura profissão por parte dos estudantes.
Mostrar mais

122 Ler mais

A representação do gênero feminino em livros  Didáticos de língua inglesa

A representação do gênero feminino em livros Didáticos de língua inglesa

Temas que podem estar relacionados a questões de gênero, raça e etnia circulam na sala de aula e independem da classe social dos alunos/as e professo- res/as. Em razão disso e das múltiplas possibilidades de tópicos a serem discuti- dos, temos como foco principal de análise a problemática da opressão feminina e como a mulher é representada nas imagens dos livros didáticos. Afinal, o livro didático, por meio das imagens e discursos, em princípio, retrata a sociedade num dado momento histórico. Assim, considerando que a mulher atual vem ocupando o seu espaço cada vez mais, ou seja, mudando de ocupação profissional, este estudo deseja fazer tal constatação. Para tanto, utilizamos o embasamento teóri- co descrito a seguir. Em relação aos documentos oficiais, o Programa Nacional do Livro Didático - PNLD (BRASIL, 2011); em relação à identidade, SILVA, 2000; para relações de gênero, AUAD, (2003); e, LOURO, (2003). Para a análise do livro didático utilizamos a Análise Crítica do Discurso (a partir daqui utilizamos ACD) FAIRLOUGH, (2005). Estas referências nos ajudarão a responder aos se- guintes questionamentos: a) Como o livro didático pode interferir no desempenho do/a professor/a?; b) Como se dá a representação da mulher no livro didático?; e c) Como o/a professor/a pode discutir relações de gênero com os/as alunos/as?.
Mostrar mais

19 Ler mais

O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA: EM BUSCA DO PARAÍSO PERDIDO

O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA: EM BUSCA DO PARAÍSO PERDIDO

Na mesma linha do discurso de Bianca, a pibidiana Rúbia de 34 anos, que participa do Pibid há 6 meses, também destaca a dicotomia existente na graduação que destina o contato do acadêmico com a escola apenas nas disciplinas de estágio supervisionado. Rúbia verbaliza que a estrutura da licenciatura acabou sendo um entrave em sua formação, fazendo-a inclusive pensar em abandonar o curso. O segundo aspecto destacado por Rúbia perpassa a influência do Pibid no reconhecimento da profissão “[...] com o Pibid tenho tido uma visão mais positiva da profissão”. Ao destacar o sentimento de dúvida em relação à profissão, a pibidiana também menciona sua incerteza em atuar na esfera pública, mesmo sendo o Pibid uma possibilidade de conhecer de forma positiva a escola.
Mostrar mais

11 Ler mais

Um estudo sobre o gênero digital HQtrônica em língua inglesa

Um estudo sobre o gênero digital HQtrônica em língua inglesa

A compreensão das representações na narrativa pode ser efetuada pela associação entre o processo verbal (fala das personagens) e a identificação das imagens em forma de balões e recordatórios (KRESS; VAN LEEUWEN, 2006). Na HQtrônica analisada há os dois elementos, ou seja, a fala oral dos personagens e escrita nos balões. O balão, como um dos elementos caracterizadores da linguagem tradicional dos quadrinhos em suporte de papel, é ressemiotizado como forte elemento da linguagem da HQtrônica (IEDEMA, 2003). O tipo de balão recorrente na HQtrônica analisada é o balão-fala: de traçado contínuo, na cor branca, utilizado para que as personagens da narrativa dialoguem por meio dele. Além disso, aparecem os balões retangulares que são os trechos da história narradas pelo narrador autodiegético, os balões são tracejados continuamente, de diferentes tamanhos, e aparecem em diferentes posições da imagem, todos da cor branca e cinza. As Figuras 1 e 2 ilustram os tipos de balões:
Mostrar mais

20 Ler mais

A PESQUISA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS

A PESQUISA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS

Dentre os estudos que enfocam a interação professor/aluno/LE, temos o trabalho de Linguevis (2007) que buscou, através de análises de desenhos realizados por crianças, saber o que elas pensam e acreditam ser aprender uma LE. De acordo com a autora, ao se trabalhar com ensino de LE para criança, é importante saber o que elas pensam sobre a aprendizagem de inglês- LE na Educação Infantil. Em seu estudo, a autora constatou que a professora da turma montou um planejamento para todo o ano letivo antes mesmo de conhecer as crianças de sua turma, do que elas mais gostavam e o que lhes chamava mais atenção. Na opinião de Linguevis (2007) o professor deve fazer sua proposta curricular e construir seu caminho, seu projeto de aula juntamente com seus alunos, com as características que eles apresentam. Para Kumaravadivelu (apud LINGUEVIS, 2007, p.148) “o papel do professor e dos alunos deve ter objetivos comuns”.
Mostrar mais

7 Ler mais

Ambientes virtuais de aprendizagem: uma experiência com o livemocha como facilitador do ensino-apredizagem da língua inglesa

Ambientes virtuais de aprendizagem: uma experiência com o livemocha como facilitador do ensino-apredizagem da língua inglesa

A LDB (Leis das Diretrizes e Bases da Educação no Brasil) apresenta essa visão de que a aprendizagem da língua estrangeira propicia ao estudante sua integração num mundo globalizado e que vem recuperando a sua importância que já fora negada antes. Todavia, o que assistimos na maioria das escolas de rede pública com relação à disciplina de língua inglesa, conforme se observou nas análises das professoras entrevistadas cujas observações serão descritas mais adiante, não comprova tais afirmações. O ensino-aprendizagem da L2 (língua inglesa), na rede pública, não tem sido caracterizado como um dos fatores importantes na formação intelectual do aprendiz. Isto é, ela não ocupa uma posição privilegiada, como as outras disciplinas no currículo escolar. Em muitas unidades escolares, a L2 ainda não é oferecida em todos os ciclos.
Mostrar mais

32 Ler mais

O ensino de língua inglesa através de um conto literário: desafios de um projeto do PIBID com alunos do ensino fundamental de uma escola pública

O ensino de língua inglesa através de um conto literário: desafios de um projeto do PIBID com alunos do ensino fundamental de uma escola pública

de ensino-aprendizagem de LI por meio de gêneros textuais através da SD com Dolz et.al (2004), Fiorin (2006), Pinto (2007), Marchuschi (2008) e Beato-Canato e Cristóvão (2012); (iii) à proposição do ensino de LI através de textos literários na perspectiva de produção de gêneros textuais segundo Aebersold e Field (1997) e Batista (2012) e; (iv) aos fatores que devem ser considerados no processo de ensino- aprendizagem de LI e produção de gêneros textuais para Harmer (1983), Williams e Burden (1997) e Brown (2007). Em conclusão a esta pesquisa, verificamos três fatores que contribuem para dificultar o processo de ensino-aprendizagem da LI com gêneros textuais, quais sejam: faixa etária, motivação e nível linguístico. Devido a esta realidade, apresentamos resultados parcialmente positivos quanto ao ensino e aprendizagem dos conteúdos propostos, uma vez que alcançamos a produção de apenas um dos gêneros textuais objetivados no projeto.
Mostrar mais

85 Ler mais

O uso de blogs como suporte na prática pedagógica do professor de língua inglesa: uma proposta de ensino comunicativo

O uso de blogs como suporte na prática pedagógica do professor de língua inglesa: uma proposta de ensino comunicativo

Vale ressaltar que Noam Chomsky revolucionou a linguística nos anos 60, afirmando que língua não era uma habilidade memorizada, mas criativa. Ao destacar o aspecto criativo das línguas, o linguista nega relevância ao ensino tradicional, baseado no estudo de regras gramaticais prescritivas e ditadas de fora, bem como na metodologia de repetição e memorização. “Assim, o conceito de certo e errado cede lugar ao conceito de aceitável e inaceitável, com base no desempenho de um representante nativo da língua e da cultura” (SCHÜTZ, 2007, acesso em: 15 fev. 2012) 4 . Dessa forma, o aprendizado de idiomas passa a ser visto como competência intuitivamente construída e adquirida. Em seguida, as ideias de Chomsky passaram a inspirar a metodologia de ensino de línguas na direção de uma abordagem baseada na comunicação e intermediação de um facilitador carismático, e com participação ativa da parte do aprendiz no decorrer das atividades.
Mostrar mais

16 Ler mais

Aprendizagem da língua inglesa a partir de imagens cinematográficas

Aprendizagem da língua inglesa a partir de imagens cinematográficas

Trabalho de conclusão (licenciatura - Pedagogia) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro.. Orientador: César Donizetti Pereira Leite.[r]

36 Ler mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE LÍNGUA INGLESA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE LÍNGUA INGLESA

O Certificado da UCAM – Universidade Candido Mendes atende também todas as exigências da Secretaria de Educação do Estado de Minas Gerais que decidiu usar a avaliação da CAPES/MEC, para pontuar, classificar e nomear os candidatos de concurso público. Assim como a Secretaria de Educação de Minas Gerais, várias outras Secretarias Estaduais de Educação estão exigindo que os candidatos a concursos públicos, sejam Certificados em cursos de Pós- Graduação lato sensu/especialização, por instituições de ensino superior que tenham cursos de Mestrado ou Doutorado com nota superior a 03 pontos.
Mostrar mais

5 Ler mais

Histórias em quadrinhos sobre sífilis: uma experiência no ensino médio a partir do PIBID/UEM

Histórias em quadrinhos sobre sífilis: uma experiência no ensino médio a partir do PIBID/UEM

Pesquisas divulgadas pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde em 2013 têm indicado um aumento na incidência de doenças virais, principalmente DSTs, entre adolescentes brasileiros. Frente a esta realidade e conscientes que a orientação sexual, praticada na família e no contexto escolar, pode se constituir numa das medidas de prevenção mais eficazes dessas doenças, foi realizada, no segundo semestre de 2014, por licenciandos integrantes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID, subprojeto Biologia), uma Oficina Temática sobre Sífilis, junto a vinte e um estudantes, de diferentes séries do Ensino Médio, no Colégio Estadual Alberto Jackson Byington Junior, na cidade de Maringá, região noroeste do estado do Paraná.
Mostrar mais

6 Ler mais

PROVAS DO NOVO ENEM (2015-2019) COMO GÊNERO TEXTUAL: possibilidades para o ensino da Língua Inglesa no Ensino Médio

PROVAS DO NOVO ENEM (2015-2019) COMO GÊNERO TEXTUAL: possibilidades para o ensino da Língua Inglesa no Ensino Médio

O Exame Nacional do Ensino Médio (doravante Enem) foi criado em 1998, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, com o intuito de avaliar o desempenho do estudante ao final da Educação Básica. Desde 2009, o Enem passou a ser denominado de Novo Enem e se tornou ainda mais significativo para a Educação Básica, pois as provas abordam acontecimentos atuais de modo interdisciplinar a fim de incentivar o pensamento crítico do estudante, fazendo-o relacionar os conteúdos estudados com a sua realidade. Ademais, a prova se tornou, desde então, a principal porta de entrada para a maioria das instituições de ensino superior do país. A disciplina de Língua Inglesa é um dos oito componentes do Novo Enem e integra as provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, aplicadas no primeiro dia do exame.
Mostrar mais

21 Ler mais

Jogando bingo na oficina sífilis: uma experiência no ensino médio a partir do PIBID/UEM

Jogando bingo na oficina sífilis: uma experiência no ensino médio a partir do PIBID/UEM

Resumo: Este trabalho apresenta o relato de uma experiência com o Jogo Bingo junto a estudantes do Ensino Médio. O jogo foi utilizado numa Oficina Temática relacionada às Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), especificamente, no trabalho conceitual relacionado à Sífilis. A oficina foi elaborada por licenciandos do curso de Ciências Biológicas, integrantes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) da Universidade Estadual de Maringá e desenvolvida junto a vinte e um estudantes de uma escola pública na cidade de Maringá, região noroeste do estado do Paraná. A dinâmica ocorreu como um bingo tradicional, porém não sendo sorteados números e sim termos conceituais relacionados às formas de contaminação, prevenção, diagnóstico e tratamento da Sífilis primária e congênita . Constatou-se que além da ludicidade, a atividade desempenhou caráter educativo ao possibilitar um ensino conceitual mais diversificado, contextualizado e atraente
Mostrar mais

6 Ler mais

A literatura como metodologia no ensino da língua inglesa

A literatura como metodologia no ensino da língua inglesa

Segundo Richards (2001), mundialmente, o ensino da língua inglesa depende basicamente de materiais prontos e comercializados. Estes são considerados subsídios para o aprendizado e o aluno os recebe para colocar em prática o conteúdo aprendido. Também é importante destacar que estes materiais servem para o professor planejar e organizar suas aulas, ou seja, as aulas são planejadas praticamente iguais para todos os alunos numa mesma série dentro de um mesmo estado.

24 Ler mais

Evolução como princípio organizador em cordados: uma experiência no ensino médio a partir do PIBID/UEM

Evolução como princípio organizador em cordados: uma experiência no ensino médio a partir do PIBID/UEM

Marcos Rogério Busso Luz 1 Tania Camila Crivelari 2 Rosangela Araujo Xavier Fujii 3 Maria Júlia Corazza 4 Resumo: Pesquisadores e documentos normativos da Educação Básica de Ensino têm ressaltado a necessidade de se trabalhar a disciplina Biologia em sala de aula tendo como eixo articulador e organizador a Evolução Biológica. Frente a esta premissa, foi elaborada, por licenciandos do curso de Ciências Biológicas, integrantes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) da Universidade Estadual de Maringá, uma Sequência Didática para o ensino do Phylum Chordata, desenvolvida junto a uma turma do segundo ano do Ensino Médio, de uma escola pública de Maringá, região noroeste do Paraná/Brasil. Os resultados evidenciaram que essa forma de organização do ensino favoreceu o entendimento das diferenças e similaridades existentes nos diferentes grupos de cordados como resultado dos complexos mecanismos evolutivos, que atuaram, atuam e atuarão ao longo da história evolutiva, possibilitando tamanha diversidade. Palavras-chave: Ensino de Biologia. Sequência Didática. Organização do ensino.
Mostrar mais

6 Ler mais

Os multiletramentos como instrumento no ensino de geografia: experiência a partir do subprojeto geografia/ PIBID/UEPB

Os multiletramentos como instrumento no ensino de geografia: experiência a partir do subprojeto geografia/ PIBID/UEPB

Os multiletramentos podem ser caracterizados como diversas formas do professor ministrar suas aulas, a partir da utilização de imagens, músicas, jogos, tecnologias de informação, dentre outras ferramentas de ensino que levem os alunos a aprender de forma crítica e com maior facilidade, passando a enxergar a paisagem e o lugar que vivenciam de maneira diferente e com mais significado. Nesta Perspectiva, este Trabalho tem como objetivo central o uso dos multiletramentos para trazer o conteúdo geográfico para a realidade, aproveitando da experiência no âmbito do Subprojeto Geografia, integrante do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência – PIBID/UEPB. As intervenções ocorreram junto às turmas do 7º ano D e do 8º ano C na Escola Estadual de Ensino Fundamental Maria Emília Oliveira de Almeida, localizada no Bairro Presidente Médici, Campina Grande PB. As ações foram mediadas a partir do uso de recursos como imagens, música, vídeo, aula de campo, confecção de mapas e atividades. Os resultados alcançados, num período de 12 meses (agosto 2016 à agosto 2017) foram satisfatórios, mostrando que o método utilizado produz eficácia no ensino de Geografia, pois através dele os alunos demonstraram ter compreendido os temas abordados, apontando elementos da paisagem e reconhecendo o seu espaço vivido no cotidiano.
Mostrar mais

67 Ler mais

Show all 10000 documents...