Top PDF Germinação de sementes de azedinha (Oxalis hirsutissima), espécie medicinal de Mato Grosso, Brasil.

Germinação de sementes de azedinha (Oxalis hirsutissima), espécie medicinal de Mato Grosso, Brasil.

Germinação de sementes de azedinha (Oxalis hirsutissima), espécie medicinal de Mato Grosso, Brasil.

RESUMO — Sementes de azedinha ( zyxwvutsrqponmlkjihgfedcbaZYXWVUTSRQPONMLKJIHGFEDCBA Oxalis hirsutissima Mart. & Zuc.) apresentam um baixo percentual de germinação, dificultando a p[r]

6 Ler mais

Dispersão e predação de sementes de araticum no Cerrado de Mato Grosso, Brasil.

Dispersão e predação de sementes de araticum no Cerrado de Mato Grosso, Brasil.

Este estudo objetivou caracterizar plantas e frutos de araticum (Annona crassiflora), avaliar a frequência de consumo, predação e dispersão de suas sementes por animais e seus efeitos na germinação, em área de Cerrado, entre fevereiro de 2007 a junho de 2008. Baseado em armadilhas de pegadas, registrou-se a frequência de visitação (FV) e o consumo de frutos por animais, além da ação de insetos em frutos caídos no solo, sob as plantas. Estrumes de antas, Tapirus terrestris, foram amostrados para verificar a frequência de ocorrência (FO) e os danos causados por elas e por insetos. Para analisar a dispersão por antas, foram inseridas miçangas coloridas em frutos maduros caídos sob plantas-mãe. Posteriormente, foi medida a distância entre o local das fezes com miçanga até a planta-mãe da cor específica da miçanga. Realizou-se teste de germinação com sementes de amostras fecais e de frutos intactos. Dentre os animais que se alimentaram dos frutos, antas contribuíram com maior frequência de visitação e consumo de frutos de araticum, o qual representou 54% de frequência de ocorrência nas amostras fecais e as sementes não foram significativamente danificadas. Besouros (Scarabaeidae) se alimentaram da polpa de frutos e enterraram sementes de araticum próximo da planta-mãe. Insetos curculionídeos e euritomídeos predaram as sementes de araticum nos frutos. Os danos causados nas sementes por esses insetos foram significativamente maiores que aqueles provocados pelas antas. Foram encontradas duas fezes com miçangas distantes 1,7km e 1,8km das plantas-mãe, respectivamente. A germinação das sementes foi baixa neste período de estudo, no entanto, as antas podem proteger as sementes de insetos predadores, defecando-as intactas para longas distâncias. Assim, T. terrestris é um possível dispersor,
Mostrar mais

7 Ler mais

Nó-de-cachorro (Heteropterys tomentosa A. Juss.): espécie de uso medicinal em Mato Grosso, Brasil.

Nó-de-cachorro (Heteropterys tomentosa A. Juss.): espécie de uso medicinal em Mato Grosso, Brasil.

Diversos estudos agronômicos tem sido realizados pela equipe na Universidade Federal de Mato Grosso (Arruda, 2001; Coelho 2006; Coelho et al., 2008; Coelho & Spiller, 2008). A primeira etapa para a produção de mudas é a obtenção de sementes. O amadurecimento dos frutos e a dispersão das sementes de H. tomentosa ocorrem no Mato Grosso nos meses de julho, agosto, setembro e outubro, que são os meses mais secos e quentes do ano (Coelho & Spiller, 2008). A dispersão é anemocórica e para recuperar as sementes desenvolveu-se a técnica do filó, que consiste em envolver com filó e amarrar com barbante a infrutescência com os frutos ainda em processo de maturação (Figura 6). Isto é feito durante todo o período reprodutivo em cada planta, e depois as sementes maduras são retiradas do filó. Aos dois anos as plantas já apresentam boa produção de sementes, sendo possível recuperar até 150 sementes por planta (Arruda, 2001).
Mostrar mais

11 Ler mais

Novos registros de Nitella (Chlorophyta, Characeae) para regiões dos Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Brasil.

Novos registros de Nitella (Chlorophyta, Characeae) para regiões dos Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Brasil.

RESUMO - (Novos registros de Nitella (Chlorophyta, Characeae) para os Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Brasil). As Charophyceae (Chlorophyta) representam uma classe única de algas devido à sua estrutura vegetativa e porte macroscópico dos gametângios. O inventário florístico do gênero Nitella (Characeae, Chlorophyta) nos Estados de Mato Grosso (18º55’05”S e 54º50’39”W) e Mato Grosso do Sul (19º12’03”S e 57º35’32”W), foi realizado a partir da análise espécimes provenientes dos herbários SP, HMS e CPAP e resultou na identificação, descrição e ilustração de sete espécies: Nitella acuminata, N. axillaris, N. flagellifera, N. gollmeriana, N. intermedia, N. mucronata e N. tenuissima.
Mostrar mais

12 Ler mais

A família Cactaceae na Bacia Hidrográfica do Rio Taquari, RS, Brasil.

A família Cactaceae na Bacia Hidrográfica do Rio Taquari, RS, Brasil.

Planta depresso-globosa com base quase cônica de 5-7cm de diâm., ápice ligeiramente imerso. Caule globoso; costelas 6-15, pouco marcadas. Aréolas imersas, distantes 10-15mm entre si, circulares, a trans- versalmente elípticas, com lã branca, curta ou larga; espinhos radiais 8-12, retos ou pouco sinuosos, de 8-15mm compr., marrom-amarelados a avermelhados. Flores amarelas, 2-4 na aréola superior; segmentos do perianto bisseriados, oblongos, com ápice apiculado; estames inclusos, filetes unidos à base dos segmentos interiores do perianto, estigma amarelo, com lobos amarelos a vermelhos. Fruto seco, avermelhado, deiscente. Sementes castanhas, apresentando segundo Scheinvar (1985), cerca de 1,2mm compr. e 0,7mm larg.
Mostrar mais

9 Ler mais

ROSANA MARIA CHRISTOFOLO DA SILVA A AÇÃO GESTORA E A RESPONSABILIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO PÚBLICA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO ESTADO DO MATO GROSSO

ROSANA MARIA CHRISTOFOLO DA SILVA A AÇÃO GESTORA E A RESPONSABILIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO PÚBLICA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO ESTADO DO MATO GROSSO

No próximo capítulo, refletir-se-á sobre algumas das dificuldades ainda presentes na escola, como falta de aprofundamento no trabalho de formação continuada para que os novos integrantes do espaço escolar adquiram as competências necessárias para compartilhar da proposta educacional do estado de Mato Grosso, assumindo-a como projeto educativo; pouca interação no planejamento interdisciplinar do III ciclo, que faz parte do projeto educativo da escola; necessidade da constante busca por práticas educativas atrativas e inovadoras que atendam a todas as faixas etárias dos alunos, bem como de dinamização do CDCE como provedor da gestão democrática, com um maior envolvimento dos pais; busca pela aquisição de novas competências gestoras, dentre elas a utilização da tecnologia da informação e comunicação para uma eficaz distribuição de tarefas, diminuindo o trabalho extrahorário, dentre outros.
Mostrar mais

178 Ler mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE GESTORES DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DE JUIZ DE FORA EM 2011 – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE GESTORES DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DE JUIZ DE FORA EM 2011 – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Pesquisadores como Fernando Abrucio (2009), na pesquisa Práticas Comuns dos Diretores Eficazes, promovida pela Fundação Victor Civita, reconhecem a capacitação profis[r]

93 Ler mais

Contribuição à flora medicinal de Mato Grosso do Sul.

Contribuição à flora medicinal de Mato Grosso do Sul.

kpttòzwta -identificação taxonômica dai, QApeddÁ chtxxdadaÂ, infonma çõa> òobic 00 nomoj> valgasia, c patitc& do vzgztal que òão empucgadaò, i>ea modo de.. psicpaAo ou apl[r]

14 Ler mais

Campanha Nacional de Alfabetização

Campanha Nacional de Alfabetização

Pelo espírito atribulado do sertanejo passou a idéia de abandonar o filho naquele descampado. Pensou nos urubus, nas ossadas, coçou a barba ruiva e suja, irresoluto, examinou os arredores. Sinhá Vitória estirou o beiço indicando vagamente uma direção e afirmou com alguns sons guturais que estavam perto. Fabiano meteu a faca na bainha, guardou-a no cinturão, acocorou-se, pegou no pulso do menino, que se encolhia, os joelhos encostados no estômago, frio, como um defunto. Aí a cólera desapareceu e Fabiano teve pena. Impossível abandonar o anjinho aos bichos do mato. Entregou a espingarda a sinhá Vitória, pôs o filho no cangote, levantou-se, agarrou os bracinhos que lhe caíam sobre o peito, moles, finos como cambitos. Sinhá Vitória aprovou esse arranjo, lançou de novo a interjeição gutural, designou os juazeiros invisíveis. E a viagem prosseguiu, mais lenta, mais arrastada, num silêncio grande.
Mostrar mais

112 Ler mais

Eficiência de métodos para detecção de Didymella bryoniae associado a sementes de híbridos de meloeiros nobres.

Eficiência de métodos para detecção de Didymella bryoniae associado a sementes de híbridos de meloeiros nobres.

2 Instituto Universitário do Norte Matogrossense, Universidade Federal de Mato Grosso, Sinop, Mato Grosso, Brasil.. *Autor para correspondência.[r]

6 Ler mais

“Feixe de Intervenções” de Prevenção de Infeção de Local Cirúrgico – Normas de Orientação Clínica

“Feixe de Intervenções” de Prevenção de Infeção de Local Cirúrgico – Normas de Orientação Clínica

b) Número de doentes submetidos a cirurgia hepatobiliar na unidade de tempo. 5) Taxa de adesão (mensal, trimestral, semestral, anual) à implementação do “feixe de intervenç[r]

12 Ler mais

Identificação de mamíferos silvestres do Pantanal Sul-Mato-Grossense portadores de Leptospira spp..

Identificação de mamíferos silvestres do Pantanal Sul-Mato-Grossense portadores de Leptospira spp..

A leptospirose (Leptospiraceae: Leptospira) é uma doença re-emergente e mundialmente distribuída que afeta animais silvestres, domésticos e o ser humano (SCARCELLI et al., 2003). A doença acarreta elevados prejuízos econômicos para a pecuária do Brasil, causando abortamentos, natimortalidade, mastite, agalaxia e nascimento de bezerros fracos (BARR & ANDERSON, 1994). Um dos maiores desafios do estudo da leptospirose tem sido a caracterização de ambientes e modos de transmissão, condições altamente dependentes dos sorovares. Alguns sorovares são endêmicos de regiões particulares e cada um deles tende a ser mantido por um hospedeiro específico. Embora as pesquisas sobre a leptospirose em animais silvestres já tenham avançado em vários países, no Brasil as informações sobre o tema ainda são escassas, deixando uma lacuna no conhecimento da cadeia epidemiológica da doença e dificultando a elaboração de planos de controle em regiões com grande densidade de animais silvestres e ambientes ecologicamente favoráveis (GIRIO et al., 2003).
Mostrar mais

8 Ler mais

Campos e savanas do subandino boliviano :  flora, diversidade e fitogeografia

Campos e savanas do subandino boliviano : flora, diversidade e fitogeografia

Por outro lado, os campos secos do subandino Centro-Norte (dgsc-n) que ocorrem principalmente como encraves numa matriz de vegetação de Yungas (Navarro & Ferreira 2004; Navarro & Ferreira 2007; Beck 2015) foram classificadas de formas mais complexas que os campos secos do subandino Centro-Sul (dgsc-s) (Tabela 5), já que, autores como Ibisch et al. (2003) chegaram a denominá- las junto ao extremo Norte das savanas do subandino Norte-Sul (wssn-s) como “Cerrado Paceño”, indicando que, devido à sua afinidade florística com o Cerrado, teriam que ser consideradas como parte deste. Embora, pese a existência de certa afinidade florística com o Cerrado (Miranda et al. 2010), a maioria dos autores que descreveram e caracterizaram estes campos secos do subandino Centro-Norte (dgsc-n) e savanas do subandino Norte-Sul (wssn-s) (Navarro 2002; Navarro & Ferreira 2004; Fuentes 2005; Navarro & Ferreira 2007; Beck 2015) as trataram acertadamente como parte da formação de Yungas e não do Cerrado. No entanto, o problema com todas as classificações previas, é que além de não utilizar terminolo gia constante, é que todos unificaram os campos e savanas desta região sob o termo de “savana”, e inclusive as consideraram como se fossem de origem antrópica (Navarro & Ferreira 2004; Navarro & Ferreira 2007). Tal afirmação foi baseada em amostragem e análise escassa, em comparação ao que foi realizado no presente trabalho. Por exemplo, nenhuma das descrições prévias destacaram a presença de Gochnatia rusbyana Cabrera, espécie que possui distribuição restrita a estes campos e que é endêmica da Bolívia (Jørgensen et al. 2015).
Mostrar mais

205 Ler mais

Potencial alelopático de macrófitas aquáticas de um estuário cego.

Potencial alelopático de macrófitas aquáticas de um estuário cego.

(Potencial alelopático de macrófi tas aquáticas de um estuário cego). Macrófi tas aquáticas representam uma das comunidades mais produtivas e através de sua atividade metabólica são capazes de produzir grandes interferências no ambiente. As interações alelopáticas são aparentemente aumentadas sob condições de estresse biótico e abiótico e podem existir em estuários devido à competição, variações de salinidade e outros fatores. O objetivo desse trabalho foi avaliar as propriedades alelopáticas de extratos aquosos foliares de 25 espécies de macrófi tas aquáticas de um estuário cego. Testamos os efeitos dos extratos foliares em quatro concentrações sobre a germinação de alface. Ordenamos e comparamos as espécies doadoras de acordo com a dose reposta sobre a variedade de tratamentos a partir de valores únicos de índices alelopáticos. Onze das 25 espécies diminuíram a porcentagem de germinação, todas diminuíram a velocidade de germinação e aumentaram a entropia informacional de germinação das sementes da espécie alvo em pelo menos uma das concentrações testadas. Crinum americanum L., Sagittaria montevidensis Cham. & Schl. e Ipomoea cairica (L) Sweet apresentaram os maiores valores de índice alelopático. Em geral, as menores porcentagens de germi- nação coincidiram com as menores velocidades e maiores entropias informacionais de germinação das sementes de alface, mostrando um conjunto de alterações ocorrendo simultaneamente com o aumento da concentração dos extratos.
Mostrar mais

7 Ler mais

Registo de Complicações de Interrupção de Gravidez. Definições e modelo de registo – Normas de Orientação Clínica

Registo de Complicações de Interrupção de Gravidez. Definições e modelo de registo – Normas de Orientação Clínica

iii. choque tóxico – quadro inespecífico com uma evolução rápida de falência multiorgânica, podendo culminar em morte materna. O aparecimento de um quadro compatível [r]

8 Ler mais

JOSIANE CRISTINA DA COSTA SILVA UM ESTUDO SOBRE A POLÍTICA E O MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE

JOSIANE CRISTINA DA COSTA SILVA UM ESTUDO SOBRE A POLÍTICA E O MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE

Esta dissertação analisa a política e o material de divulgação dos resultados da Prova Brasil, com o objetivo de propor um aprimoramento nas estratégias e no material elaborado para a disseminação desses resultados. A justificativa é que os mecanismos e o material de disseminação de dados da Prova Brasil ainda não são suficientemente compreendidos e utilizados pelos profissionais da educação. Como metodologia de pesquisa, adotaram-se análise documental, pesquisa bibliográfica, entrevistas de roteiro semiestruturado e questionários. A investigação empreendida evidencia, no primeiro momento, o contexto de surgimento das avaliações em larga escala no Brasil, cujo marco inaugural foi a implantação do Saeb. Na sequência, descreve o funcionamento deste sistema, englobando sua criação e sua reformulação, que resultou na incorporação da Prova Brasil. Expõe elementos como as matrizes de referência, as disciplinas avaliadas, as fases da política e as áreas responsáveis por sua execução. O foco é, sobretudo, a análise do processo e do material utilizado para a disseminação dos dados, trazendo à tona informações sobre esse modelo. Esta análise foi validada mediante um questionário respondido por gestores da área de avaliação educacional de alguns estados brasileiros. Os achados da pesquisa demonstraram que, embora a apreciação do material e do modelo de divulgação pelos gestores tenha sido positiva na maioria dos aspectos, algumas mudanças foram sugeridas e podem ser empreendidas com o intuito de uma eficiência maior no entendimento e no uso dos dados. Ao final, são propostas algumas alterações tanto nas estratégias de disseminação dos resultados da Prova Brasil (modificações no livreto e nos cartazes, instituição de um “Dia D”) quanto no material (criação de um vídeo explicativo e de uma revista) as quais poderão contribuir para facilitar a compreensão e a apropriação destes por parte de profissionais da área educacional.
Mostrar mais

139 Ler mais

Surto de doença transmitida por alimento em evento de massa de populações indígenas em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, no ano de 2013.

Surto de doença transmitida por alimento em evento de massa de populações indígenas em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, no ano de 2013.

Objective: to report the experience of investigating the outbreak of acute diarrhoea (AD) at the XII Indigenous Games in Cuiabá, Mato Grosso, Brazil, 2013. Methods: data were collected from the Advanced Medical Post's service records of the AD cases, which were defined as ‘individual Games participant referring episode of diarrhoea and/or vomiting’; AD attack rates, relative frequencies and measures of the central tendency of sociodemographic and clinical variables, sanitary inspections and results of bromatological samples were calculated. Results: 384 (37%) cases met the definition of AD; the epidemic peaks of the outbreak occurred on the 4th and 7th day of the event and the disease attack rate was 33.5%; sanitary inspection showed evidence of food contamination by coagulase-negative Staphylococci, Bacillus cereus and heat resistant coliforms. Conclusion: there an outbreak of AD caused by food contamination.
Mostrar mais

8 Ler mais

Biomassa microbiana, em um Argissolo Vermelho, em diferentes coberturas vegetais, em área cultivada com mandioca.

Biomassa microbiana, em um Argissolo Vermelho, em diferentes coberturas vegetais, em área cultivada com mandioca.

Grande Dourados, Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil. *Autor para correspondência.[r]

7 Ler mais

CARLOS DA CUNHA SILVA PROPOSTA DE REORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS NA SUPERINTENDÊNCIA DE PESSOAL DA SECRETARIA DE ESTADO DE

CARLOS DA CUNHA SILVA PROPOSTA DE REORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS NA SUPERINTENDÊNCIA DE PESSOAL DA SECRETARIA DE ESTADO DE

Esse mutirão durou aproximadamente cinco meses (agosto a dezembro de 2013), o que possibilitou a redução do volume de processos pendentes. Na ocasião, foram priorizados os processos referentes a acertos financeiros provenientes de vantagens, principalmente a título de férias prêmio, a serem pagas em espécie, de servidores com tal direito e que tiveram as aposentadorias publicadas no Diário Oficial do Estado. Vale ressaltar que tal ação foi eficiente, pois o volume de pendências diminuiu drasticamente. Entretanto, ficou claro que, para dar conta de suas demandas, a SPS precisava contar com a colaboração de servidores das SREs citadas. Como esses servidores se deslocaram para a sede da SEE/MG em Belo Horizonte, houve aumento do custo operacional, com o pagamento de diárias para custear o transporte a Belo Horizonte (ônibus), hospedagem, alimentação e deslocamentos na Capital. O percentual de aumento do custeio não será objeto de análise neste trabalho, mas vale ressaltar que o aumento do custo operacional do setor, está em confronto com as premissas do Choque de Gestão, quais sejam serviço eficiente aliado a redução de custos.
Mostrar mais

146 Ler mais

Manual de Contagem de Hidratos de Carbono na Diabetes Mellitus para profissionais de saúde – Normas de Orientação Clínica

Manual de Contagem de Hidratos de Carbono na Diabetes Mellitus para profissionais de saúde – Normas de Orientação Clínica

Em Portugal são usadas diferentes metodologias de contagem, conforme os centros de tratamento devido à adoção de diferentes pressupostos. Verificou-se alguma disparidade na metodologia [r]

44 Ler mais

Show all 10000 documents...