Top PDF Gestão do regime próprio de Previdência Social: uma investigação no município de Taperoá - PB

Gestão do regime próprio de Previdência Social: uma investigação no município de Taperoá - PB

Gestão do regime próprio de Previdência Social: uma investigação no município de Taperoá - PB

Em um contexto em que as formas de transparência têm evoluído e a previdência tem tomado posição de destaque no quadro da execução orçamentária, faz-se necessário que o servidor detenha conhecimento dos regimes previdenciários nos quais está compulsoriamente inserido, bem como de sua gestão. Nesse sentido o presente estudo tem como objetivo geral realizar uma investigação sobre o acesso e a compreensão dos servidores, frente às informações gerenciais do município de TaperoáPB, quanto às informações gerenciais geradas pelo seu instituto de previdência municipal. Para tanto foi realizada uma pesquisa de natureza indutiva e exploratória, bibliográfica, descritiva, por amostragem probabilística, restringindo-se apenas aos servidores estatutários efetivos da Prefeitura Municipal de Taperoá-PB. A pesquisa revelou que os servidores de Taperoá possuem certo conhecimento, com potencial de melhoria, sobre o sistema previdenciário de seu município, mas não sabem como obter o acesso às demonstrações e às prestações de contas, o que impossibilita o acompanhamento e a avaliação da gestão do fundo previdenciário por parte do seu usuário mais interessado, o próprio servidor.
Mostrar mais

19 Ler mais

Regime Próprio de Previdência Social: uma investigação no município de Campina Grande - PB

Regime Próprio de Previdência Social: uma investigação no município de Campina Grande - PB

No atual cenário, considerando o progresso do exercício da transparência no setor público e a relevância que a previdência social vem tomando no atual panorama da execução orçamentária, é de grande valia o servidor possuir um considerável grau de informação do regime previdenciário o qual está inserido. Dessa forma, o objetivo dessa pesquisa é evidenciar o nível de conhecimento que os segurados do Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Campina Grande-PB (IPSEM) possuem no que se refere ao acesso e a compreensão acerca do mesmo. Para tanto, foi realizada uma pesquisa com aplicação do método indutivo e exploratório, bibliográfica, de caráter descritivo, por amostragem probabilística, restringindo-se apenas aos servidores efetivos da Prefeitura Municipal de Campina Grande-PB. Os resultados obtidos pela aplicação de questionário a 384 servidores revelaram que os servidores públicos não conhecem o IPSEM ao qual estão vinculados, pois o servidor é capaz de identificar quem é responsável pela sua aposentadoria futura, mas não sabem como ter acesso aos demonstrativos contábeis e as prestações de contas, o que dificulta o acompanhamento da eficiência e eficácia da gestão de seus recursos. E, ainda, nos resultados observou-se que o servidor segurado do IPSEM, demonstra um baixo interesse em obter informações sobre o referido órgão, principalmente financeiro e contábil, assim permitindo que o gestor decida os rumos que devem ser tomados na instituição previdenciária, sem levar em consideração o conhecimento que seus segurados possuem acerca do mesmo.
Mostrar mais

19 Ler mais

Análise da sustentabilidade do regime próprio de previdência social do município de Cajazeiras - PB

Análise da sustentabilidade do regime próprio de previdência social do município de Cajazeiras - PB

A partir da década de 90, ampliou-se no Brasil o debate sobre a sustentabilidade do sistema de Previdência Social no país, o que ocasionou algumas reformas nas regras de concessão do benefício em favor da manutenção do equilíbrio financeiro dos sistemas. A presente pesquisa tem como objetivo analisar a sustentabilidade do Instituto de Previdência e Assistência Social do Município de Cajazeiras-PB (IPAM), do tipo qualitativa e documental e os dados foram obtidos por meio da Avaliação Atuarial 2018, dos Portais da Transparência do Instituto e do Tribunal de Contas do Estado, e da aplicação de um roteiro de entrevista estruturado ao gestor do IPAM, com questões fechadas, buscando-se obter um diagnóstico da situação financeira e atuarial experimentada pelo Instituto. Os resultados demonstraram que a sustentabilidade do Regime Próprio de Previdência Social da cidade de Cajazeiras-PB encontra-se ameaçada, tendo em vista que os atuais contribuintes diminuem ao passo que a população de segurados aumenta cada vez mais, tornando-a deficitária. Portanto, a situação tende a se agravar e a curto prazo poderá entrar em colapso, caso sejam mantidos os atuais parâmetros legais e formas de gestão adotado pelos últimos administradores municipais.
Mostrar mais

37 Ler mais

O processo de gestão pública dos resíduos sólidos urbanos e seus impactos no município de Taperoá-PB

O processo de gestão pública dos resíduos sólidos urbanos e seus impactos no município de Taperoá-PB

A problemática da gestão de resíduos sólidos, no Município de Taperoá-PB, conota-se ao acondicionamento nas portas, coleta convencional, transporte e a disposição final, além do sistema de limpeza urbana (varrição, capinagem, pintura de meio fio, poda de árvores entre outros) já que o município não possui uma coleta seletiva ou usina de triagem para os resíduos sólidos urbanos fazerem parte do processo de reciclagem. A destinação final é realizada no lixão do município, não precedida de uma engenharia que evite seu impacto ambiental, agindo negativamente no meio ambiente, provocando emissão de gás, mau odor, degradação da água do Rio Taperoá e do solo. Sendo que o município possui um aterro sanitário desativo, que deveria funcionar com base na Política Nacional de Resíduos Sólidos – Lei Nº 12.305/2010. Este trabalho teve como objetivo geral analisar o processo de gestão pública dos resíduos sólidos urbanos e seus impactos no Município de Taperoá-PB, por meio de uma investigação quali-quantitativa. A metodologia empregada foi a quali-quantitativa. Para obter as informações foi elaborado um questionário estruturado (Informações Sobre a Limpeza Pública Urbana, Coleta, Tratamento e o Destino Final do Lixo por Parte da Administração Pública de Taperoá-PB), no qual fizeram parte para responder os questionamentos os Secretários de Infraestrutura e Agropecuária e Meio Ambiente da administração pública de Taperoá, os quais respondem pela pasta do sistema de limpeza urbana. Também foi realizada uma entrevista com os moradores da cidade num universo de 20 pessoas, cuja temática investigativa versou-se sobre as Informações da População Quanto ao Sistema de Limpeza Urbana. A entrevista foi do tipo aleatório, na qual fez parte a população do centro e dos Bairros Terra Nova, São José, Alto Alto da Conceição, Do Alto e Maria Alice. Os resultados e a discussões demonstram com clareza o panorama da coleta, transporte e destinação final dos resíduos sólidos no município são bastante preocupantes, devido à inexistência de uma lei municipal que regulamente, de forma mais efetiva, as normas de gerenciamento, monitoramento e controle dos resíduos sólidos, tanto no âmbito da cidade como no lixão, já que o aterro sanitário encontra-se desativado, que poderia contribuir para mitigar os problemas ocasionados pelo lixo, principalmente, concernente ao Rio Taperoá. Conclui-se que é por meio das políticas públicas eficientes e objetivas com metas traçadas que o Município pode exercer seu papel gestor/regulador/monitorador em relação aos impactos ambientais provocados pelos resíduos sólidos.
Mostrar mais

64 Ler mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO DE 2013 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO VOLTA REDONDA/RJ

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO DE 2013 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO VOLTA REDONDA/RJ

1.7 As funções de gestão, administração, custódia e auditoria são segregadas, atendendo aos princípios de "chinese wall"? Quais as instituições responsáveis por cada uma delas? Caso as atividades de gestão, administração e compliance sejam efetuadas pela própria instituição, descrever como funciona cada uma delas, quais suas atribuições, qual o nível de independência e como se interagem. Faça uma síntese de como funciona tal política de segregação dentro da Instituição.

14 Ler mais

Renúncia de contribuição previdenciária no regime próprio de previdência social do município do Rio de Janeiro

Renúncia de contribuição previdenciária no regime próprio de previdência social do município do Rio de Janeiro

Trata-se de um caso inédito (não se tem notícia de outro ente da federação que tenha procedido de igual maneira), contemporâneo, ocorrido no âmbito do Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro, gestor do FUNPREVI, caracterizado por questões aparentemente controversas, no qual temos de um lado um “benefício” concedido a aposentados e pensionistas e de outro um déficit nas contas do Fundo de Previdência. Desta forma, o estudo se reveste de grande relevância na medida em se propõe primeiramente a evidenciar o montante de recursos financeiros que deixaram de ingressar nos cofres do fundo de previdência municipal. Esta decisão de renúncia do então Prefeito César Maia, mantida pelos seus sucessores Eduardo Paes e Marcelo Crivella, sob a ótica da gestão pública, pode ter contribuído para o desequilíbrio financeiro do Regime Próprio de Previdência Social do Município do Rio de Janeiro, podendo vir a comprometer a saúde financeira do fundo e, consequentemente, os pagamentos futuros de aposentadorias e pensões.
Mostrar mais

115 Ler mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL:          UMA VISÃO NO MUNICÍPIO DE CORONEL FABRICIANO - MG

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL: UMA VISÃO NO MUNICÍPIO DE CORONEL FABRICIANO - MG

V - cobertura exclusiva a servidores públicos titulares de cargos efetivos e a militares, e a seus respectivos dependentes, de cada ente estatal, vedado o pagamento de benefícios, mediante convênios ou consórcios entre Estados, entre Estados e Municípios e entre Municípios; VI - pleno acesso dos segurados às informações relativas à gestão do regime e participação de representantes dos servidores públicos e dos militares, ativos e inativos, nos colegiados e instâncias de decisão em que os seus interesses sejam objeto de discussão e deliberação; VII - registro contábil individualizado das contribuições de cada servidor e dos entes estatais, conforme diretrizes gerais; VIII - identificação e consolidação em demonstrativos financeiros e orçamentários de todas as despesas fixas e variáveis com pessoal inativo civil, militar e pensionistas, bem como dos encargos incidentes sobre os proventos e pensões pagos;
Mostrar mais

19 Ler mais

O BENEFÍCIO DO PROFESSOR NO REGIME DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

O BENEFÍCIO DO PROFESSOR NO REGIME DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

Sendo assim, será que, dentro do cenário previdenciário atual do Brasil, manter o privilégio de redução de cinco anos para a aposentadoria por tempo de contribuição do professor ainda é a melhor opção? Prestigiar com benefícios melhores os professores que continuem exercendo sua função por mais tempo, por exemplo, possivelmente traria mais equilíbrio financeiro e atuarial para a previdência do Brasil, uma vez que resultaria também em maior tempo de contribuição. Portanto, aquém da discussão sobre o mérito da redução de cinco anos no tempo de contribuição, é fato que outras alternativas deveriam ser estudadas como plano de previdência para a classe.
Mostrar mais

13 Ler mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA APÓS O ADVENTO DA EMENDA CONSTITUCIONAL N° 4103

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA APÓS O ADVENTO DA EMENDA CONSTITUCIONAL N° 4103

De dois modos pelo menos a Emenda Constitucional n º 41/03 infringe a autonomia estadual e municipal, quando torna obrigatória a instituição do regime previdenciário e quando impõe, a título de contribuição previdenciária, alíquota não inferior à estabelecida para os servidores federais. As duas exigências constam do artigo 149, § 1º, na redação dada por aquela Emenda. [...] Por essa razão, a primeira observação, no que diz respeito à inconstitucionalidade da norma, decorre da nova redação dada ao art. 149, § 1º, tirando o caráter facultativo do regime contributivo e até estabelecendo que a alíquota não será inferior à contribuição dos servidores titulares de cargos efetivos da União. O dispositivo – revelando a forte tendência centralizadora da reforma previdenciária – atinge cláusula pétrea prevista no art. 60, § 4º, I, da Constituição, à medida que, afetando a autonomia de Estados e Municípios, tende a afetar o próprio regime federativo 8
Mostrar mais

60 Ler mais

O SISTEMA NACIONAL E O "REGIME MINEIRO" DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

O SISTEMA NACIONAL E O "REGIME MINEIRO" DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

O Estado de Minas Gerais, através da Lei nn 6.746/75 assume diretamente obrigações previdenciais, pois seu artigo 4? atribuiu ao Estado, como empregador, o ônus da aposenta­ doria, do salário-família e das licenças para tratamento de saúde, gestação e por acidente do trabalho, ressalvando entre­ tanto a possibilidade de transferí-las ao IPSEMG, mediante convênio. Na hipótese de concretizar-se esta transferência, evidentemente, não estaria o Estado de Minas Gerais isento de contribuição, já que essa transferência de obrigação de pagar não seria aceita pelo Instituto, a título gratuito. Por outro lado, o IPSEMG é mantido, também, pela contribuição de ser­ vidores sujeitos ao regime estatutário, aos quais não compete patrocinar a previdência, que beneficiaria a terceiros.
Mostrar mais

25 Ler mais

O AUXÍLIO-DOENÇA NO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

O AUXÍLIO-DOENÇA NO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

Dissertação acerca do tema benefício previdenciário de Auxílio- Doença no ordenamento jurídico brasileiro. Introduz-se o tema passando pelo histórico trazendo a discussão aos dias atuais e ao enquadramento legislativo atual. Após a análise cronológica dos fatos relacionados à proteção social, são abordados princípios que regem a relação em comento, já direcionando o enfoque para o benefício título do trabalho. Em sequência há análise da norma jurídica previdenciária abstrata e geral, trazendo a lume conceitos iniciais da regra matriz de incidência e seus elementos, ou melhor dizendo, critérios de composição. Por fim, o tema é abordado em seu aspecto central, adequando-se a norma geral ao caso específico do Auxílio-doença, onde são tratados pormenorizadamente a Hipótese e o Consequente da norma, seus critérios Material, Espacial e Temporal e também os critérios Pessoal e Quantitativo, respectivamente. O trabalho é todo permeado, por questionamentos e problematizações que incitam a discussão. Conclui-se pela ampla, irrestrita e aberta discussão acerca do tema, tendo em vista seu caráter eminentemente social, que vela pela proteção social da população trabalhadora e produtiva do país.
Mostrar mais

147 Ler mais

Os salários indiretos e o regime geral da previdência social

Os salários indiretos e o regime geral da previdência social

Para avaliar empiricamente o efeito dos salários indiretos nas contas da previdência usamos estimativas dos salários indiretos obtidas em pesquisas domiciliares, como a Pesquisa nacional por Amostra de Domicílios (PnAD) e a Pesquisa de Orçamento Familiar (POF). Pretendemos avaliar as alterações quanto ao recebimento destes benefícios indiretos e mensurar estas variações para os contribuintes RGPS. A estratégia adotada é a seguinte: em primeiro lugar, usamos as PnAD’s de diversos anos para captar a evolução dos salários indiretos para diferentes subgrupos da população. Alem disso, serão discutidas as possíveis causas das mudanças observadas. Por seguinte, uma tentativa de estimar a perda da receita da previdência social decorrente do uso dos salários indiretos no Brasil será organizada a partir dos rendimentos obtidos na POF, com a finalidade de acrescentar novos fatores salientes às discussões sobre a necessidade de reformulação de políticas na área de seguridade social que objetivem desacelerar ou até mesmo diminuir o déficit previdenciário alcançado pelo país nos últimos anos.
Mostrar mais

24 Ler mais

Análise da institucionalização da unidade gestora do regime próprio de previdência social sob a perspectiva do ciclo de políticas públicas

Análise da institucionalização da unidade gestora do regime próprio de previdência social sob a perspectiva do ciclo de políticas públicas

Ao aprofundar sobre o Regime Próprio de Previdência Social, segundo Nogueira (2012), este pode ser apresentado em três períodos históricos. O primeiro período, da origem do regime até 1988, mostra que o RPPS no Brasil era tratado como um apêndice da política de pessoal dos entes federados, em que a relação pró-labore facto, como comenta Ferraro (2010), era considerada suficiente para a aposentadoria, ou seja, este benefício era decorrente da vinculação como servidor público e não da contribuição ao sistema, o que provocou aumento das despesas públicas e consequentemente contribuiu para o desequilíbrio financeiro e atuarial do regime. O segundo período, de 1988 a 1998, é marcado pela expansão do RPPS, com criação por diversos municípios e ampliação do número de segurados, mas sem abandonar os traços originais. Já o terceiro período ou período de reformas, após 1998, é marcado por uma forte onda de déficit do RPPS provocado a princípio pelo próprio histórico do regime, por fatores demográficos e de gestão, exigindo que o RPPS passasse por um processo de consolidação, com um novo marco institucional, abandonando os traços anteriores e formando um novo paradigma.
Mostrar mais

134 Ler mais

O PAPEL DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NO CRESCIMENTO DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

O PAPEL DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NO CRESCIMENTO DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD 2014 apontam que o pagamento de benefícios pela Previdência Social foi responsável pela retirada de 26 milhões de pessoas da pobreza. Em 1992 o percentual de pobres em relação à população de referência era de 67,8% sem as transferências previdenciárias e 61,8% com os repasses da Previdência Social. No ano de 2014, esses percentuais passaram, respectivamente, para 37,6% e 24,2%, de acordo com o boletim INSS em Números – Dezembro/2017. De acordo com a publicação, a distância entre essas duas linhas é que evidencia o impacto da Previdência sobre a pobreza nesse período. Caso as transferências previdenciárias deixassem de ser realizadas, haveria um ponto a partir do qual a pobreza voltaria a aumentar, chegando a quase 70% para a população com idade acima de 70 anos.
Mostrar mais

37 Ler mais

Recadastramento-mecanismo de controle de óbitos dos servidores públicos-regime próprio da previdência social-lei 9.527 de 1997 e o regime geral de previdência social, que não são servidores públicos-lei 9.528 de 1997

Recadastramento-mecanismo de controle de óbitos dos servidores públicos-regime próprio da previdência social-lei 9.527 de 1997 e o regime geral de previdência social, que não são servidores públicos-lei 9.528 de 1997

O Registo Civil de Pessoas Naturais-RCPN, instituído pela Lei 6015/73, de 31 de dezembro, reconduzida pelo artigo 236 da Constituição Federal de 1988, delineada e regulamentada pela Lei 8.870/94, de 15 de abril, foi criado, especificamente, para proceder ao registo de casamentos, nascimentos e óbitos. O seu artigo 68º, nos parágrafos 1º e 2º, obriga os cartórios, o Registo Civil de Pessoas Naturais e o Instituto Nacional de Seguro Social a comunicar aos órgãos competentes do Governo, dentro de prazos estipulados, o número de óbitos. Neste acervo, ao referir-se os direitos e deveres dos funcionários, estabelecem-se as bases e normas para uma melhor comunicabilidade entre o Registro Civil de Pessoas Naturais e os gestores públicos. Também neste domínio, foi criada a Secretaria de Fiscalização da Tecnologia da Informação. Leis, serviços e encargos dão visibilidade a uma constelação de agenciamentos do Estado moderno para controlar e fiscalizar os beneficiários da política pública como expressão do que disciplinarmente se denomina por Administração Pública: Estado regulador da sociedade civil, gestor dos dispositivos disciplinares que, por via da emissão de certidões, conferem legitimidade aos nascimentos, casamentos e óbitos.
Mostrar mais

21 Ler mais

A INCONSTITUCIONALIDADE DO REGIME DE PREVIDÊNCIA PRÓPRIO DOS PARLAMENTARES FEDERAIS: Esta antinomia ainda se justifica?

A INCONSTITUCIONALIDADE DO REGIME DE PREVIDÊNCIA PRÓPRIO DOS PARLAMENTARES FEDERAIS: Esta antinomia ainda se justifica?

Este trabalho trata do conflito aparente de duas normas válidas, sendo uma norma constitucional e a outra infraconstitucional. O texto do dispositivo específico contido na Carta Magna trata da forma de contribuição previdenciária do servidor investido em cargo público, afastado para cumprimento de mandato eletivo, e a norma ordinária trata também da contribuição previdenciária, mas de modo contraditório, causando a antinomia jurídica entre as duas normas. A pesquisa visa à solução do presente conflito por meio da identificação do tipo de antinomia para estabelecer o critério de resolução, sendo este o critério hierárquico. A incompatibilidade se dá por vício material em razão da inconstitucionalidade estar contida no texto da lei, e a referida antinomia poderá ser possivelmente solucionada mediante declaração de inconstitucionalidade através do mecanismo chamado Controle de Constitucionalidade, que tem por finalidade parar a eficácia da norma ordinária existente no ordenamento jurídico brasileiro. Além da identificação do tipo de antinomia descrita para se chegar a uma possível solução referente ao conflito entre as normas, verificou-se também uma possível inconstitucionalidade na totalidade do Plano de Seguridade Social dos Congressistas – Lei 9.506/97 através de entendimento doutrinário e posicionamento jurisprudencial do Supremo Tribunal Federal. A importância do tema se deve a carência de estudos a respeito da presente antinomia e a falta de conhecimento generalizado da população quanto a este Plano de Previdência Parlamentar, que acaba impactando nos valores gastos pelos parlamentares. Palavras-chave: Previdência social, servidores públicos, agentes políticos, antinomia jurídica, conflito de normas, PSSC.
Mostrar mais

27 Ler mais

MÔNICA SILVA MIRANDA REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO ESTADO DO CEARÁ: UM MODELO DE PREVISÃO PARA MUDANÇAS NA ALÍQUOTA DE CONTRIBUIÇÃO

MÔNICA SILVA MIRANDA REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO ESTADO DO CEARÁ: UM MODELO DE PREVISÃO PARA MUDANÇAS NA ALÍQUOTA DE CONTRIBUIÇÃO

restrição orçamentária intertemporal, do equilíbrio financeiro dos RPPS dos estados e do Distrito Federal e da análise de um cenário futuro de equilíbrio. Os dados utilizados foram dados reais das Avaliações Atuariais e dos Demonstrativos Previdenciários fornecidos pelos RPPS ao Ministério da Previdência Social no período 2005 – 2011. Deste modo, ele conclui que o equilíbrio financeiro é mais viável através do acréscimo nas receitas, cuja política de curto prazo poderia ser direcionada, por exemplo, para o aumento das alíquotas de contribuição previdenciária dos entes patrocinadores e dos segurados. Ressalta-se, ainda, a necessidade de se implementar novas reformas previdenciárias no sentido de viabilizar o equilíbrio financeiro dos RPPS no longo prazo.
Mostrar mais

39 Ler mais

Regime próprio de previdência do servidor público – Os princípios da segurança jurídica e proteção da confiança e os direitos em formação

Regime próprio de previdência do servidor público – Os princípios da segurança jurídica e proteção da confiança e os direitos em formação

O assento de uma tal proposta está no feixe principiológico que caracteriza o ordenamento constitucional brasileiro, na densidade norma- tiva que garanta a previdência social digna ao servidor público, capaz de albergar as expectativas de direito em formação , a partir da efetividade dos princípios constitucionais (com especial destaque para a regra principio- lógica insculpida no art. 5º, §1º, CF, de maximização de eficácia das normas constitucionais veiculadoras de direitos fundamentais), em especial da estabilidade das relações jurídicas, enquanto corolário da norma-princípio do Estado Democrático de Direito plasmado constitucionalmente, enseja- dores, inclusive, da edição de regras de transição, que garantam a eficácia do mega-princípio da dignidade da pessoa humana, plasmado como fundamento da república democrática brasileira, in casu, traduzido como previdência digna do servidor público. 44
Mostrar mais

22 Ler mais

Auxílio-reclusão no regime geral de previdência social-RGPS

Auxílio-reclusão no regime geral de previdência social-RGPS

A redução do alcance do benefício, contemplando, após 16.12.1998, apenas as famílias dos segurados “de baixa renda”, constitui discrímen não razoável, padecendo a regra de vício de inconstitucionalidade, por afetar o tratamento isonômico. Cumpre lembrar o precedente do salário-maternidade, que foi estabelecido na Constituição originalmente como sendo benefício previdenciário a ser concedido “sem prejuízo do emprego e do salário”, razão pela qual o STF considerou a alteração promovida pela EC 20/98 (limitação ao teto do RGPS) inconstitucional. Aqui, a situação é idêntica, pois o escopo da proteção social é a proteção universal a quaisquer pessoas que se encontrem em condição de risco de subsistência, e não é razoável se admitir que a renda familiar no valor de R$ 360,00 (à época da EC 20/98) indique ter a família condições de manter-se sem o benefício auxílio- reclusão, ainda mais quando não se leva em conta o número de pessoas a ser mantida. No mesmo sentido, sustenta a inconstitucionalidade da regra a Procuradora da República Zélia Pierdoná (Baixa Renda e Auxílio-reclusão, 2007). 84
Mostrar mais

54 Ler mais

A PROTEÇÃO DOS DEPENDENTES DO PRESO NO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

A PROTEÇÃO DOS DEPENDENTES DO PRESO NO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

O princípio da proibição do retrocesso impede, em tema de direitos fundamentais de caráter social, que sejam desconstituídas as conquistas já alcançadas pelo cidadão ou pela formação social em que ele vive. - A cláusula que veda o retrocesso em matéria de direitos a prestações positivas do Estado (como o direito à educação, o direito à saúde ou o direito à segurança pública, v.g.) traduz, no processo de efetivação desses direitos fundamentais individuais ou coletivos, obstáculo a que os níveis de concretização de tais prerrogativas, uma vez atingidos, venham a ser ulteriormente reduzidos ou suprimidos pelo Estado. Doutrina. Em conseqüência desse princípio, o Estado, após haver reconhecido os direitos prestacionais, assume o dever não só de torná-los efetivos, mas, também, se obriga, sob pena de transgressão ao texto constitucional, a preservá-los, abstendo-se de frustrar - mediante supressão total ou parcial - os direitos sociais já concretizados. (STF, Agravo Regimental no Recurso Extraordinário nº 639337, rel. Min. Celso de Mello, Segunda Turma, j. em 23.08.2011). (BRASIL, 2011b).
Mostrar mais

75 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados