Top PDF A ginástica rítmica escolar nos anos iniciais do Ensino Fundamental

A ginástica rítmica escolar nos anos iniciais do Ensino Fundamental

A ginástica rítmica escolar nos anos iniciais do Ensino Fundamental

Objetiva-se neste trabalho relatar uma experiência vivenciada com a ginástica rítmica escolar, realizada na Unidade Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental Professora Zélia Braz, Sumé – PB, com a turma do 4º ano dos Anos Inicias do Ensino Fundamental, turno manhã. Foram discutidos e desenvolvidos o conteúdo da Ginástica Rítmica com estudantes, na faixa etária de nove (09) e dez (10) anos de idade, não conheciam como sendo um conteúdo pertencente ao Ensino de Educação Física. A sistematização e a organização das aulas foram pensadas a partir da observação dos vários movimentos corporais, gestos, saltos e pulos realizados livremente pelos alunos nos corredores da escola e na sala de aula. Atrelando, portanto, esses movimentos diversos (re)criados pelos discentes aos princípios gerais da Ginástica Rítmica Escolar foram pensadas, no geral, as ações seguindo estas diretrizes: a) sistematização dos fundamentos da ginástica de forma individual e coletiva como: o salto, o rolamento, a ponte, o avião, a parada de dois e três apoios e b) adequação e sincronização dos movimentos ginásticos à música, juntamente aos elementos adequados. Após ensaios, a apresentação foi feita em praça pública em um evento em comemoração ao dia 7 de setembro. O trabalho com a Ginástica Rítmica Escolar é gratificante e está no âmbito da construção do conhecimento em que o próprio estudante é quem constrói, quem articula as formas de seu aprendizado.
Mostrar mais

21 Ler mais

Ensino de Ciências nos anos iniciais do ensino fundamental: o que dizem os professores

Ensino de Ciências nos anos iniciais do ensino fundamental: o que dizem os professores

A Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” campus de Bauru, foi escolhida como instituição participante deste trabalho, por tratar-se da única universidade pública da cidade de Bauru que ministra o curso de Licenciatura em Pedagogia presencial. Além disso, tal instituição figura entre as maiores e melhores universidades públicas do Estado de São Paulo, sendo referência na questão de ensino, pesquisa e extensão. Devido à pesquisadora ser egressa dessa instituição, o que ofereceu maior facilidade para aquisição de dados e informações tanto do curso como, e principalmente, contato com seus egressos. Cabe ressaltar ainda, que havia uma perspectiva inicial na pesquisa de abordagem da formação inicial desses sujeitos em relação ao ensino de Ciência, que não se consolidou uma vez que se optou por centrar a investigação na discussão do Ensino de Ciências desenvolvido por esses profissionais na sua atuação docente nos anos iniciais do Ensino Fundamental.
Mostrar mais

180 Ler mais

O livro didático e o ensino de Geografia nos anos iniciais do ensino fundamental

O livro didático e o ensino de Geografia nos anos iniciais do ensino fundamental

Tendo em vista que o livro didático é um manual de grande uso e que contribui na prática educativa de professores e na aprendizagem dos alunos nos ambientes escolares, busca-se conhecer os conteúdos propostos para a disciplina de Geografia contida neste recurso didático, e especificamente os voltados para os anos iniciais do ensino fundamental. Para tanto se tornou necessário conhecer a história do livro didático a partir de sua institucionalização aqui no Brasil, a Geografia constituída em disciplina escolar e a formação acadêmica de professores com base nos estudos de autores pesquisadores de cada área. Para consolidar essa pesquisa, é feita a análise da coleção Girassol – Saberes e fazeres do campo, aprovado pelo programa PNLD Campo de 2013, em consonância com os Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino de Geografia. Pôde ser averiguado que a coleção ganhou em vários aspectos, como por exemplo, em relação à contextualização e valorização da vida no campo; no entanto mostrou pouca profundidade nas abordagens dos conteúdos e conceitos geográficos.
Mostrar mais

34 Ler mais

Horta escolar: ampliando o contexto das questões sociocientíficas nos anos iniciais do ensino fundamental

Horta escolar: ampliando o contexto das questões sociocientíficas nos anos iniciais do ensino fundamental

Mudanças começam a ser percebidas no ensino de ensino de ciências quando novas pesquisas investigam os processos de ensino-aprendizagem e propõe abordagens que valorizam os conhecimentos prévios dos alunos (TRIVELATO; SILVA, 2011) investigando possibilidades que permitam ao professor outros olhares para o ensino de ciências para crianças, simultaneamente ao processo de construção da leitura e escrita. A intencionalidade estabelecida considera que a compreensão leitora é essencial nas práticas sociais letradas, por consequência acrescentamos que a ampliação do repertório oral do aluno o conduz a práticas de escrita consolidadas. Deste modo, o ensino de conhecimentos científicos e tecnológicos carregam em si as dimensões do ensino de leitura, escrita e oralidade nos anos iniciais do Ensino Fundamental.
Mostrar mais

32 Ler mais

Narrativas de ensino de arte nos anos iniciais do ensino fundamental

Narrativas de ensino de arte nos anos iniciais do ensino fundamental

É [pausa longa] eu [pausa], e agora eu tava lembrando a questão da faculdade de Moda, né? A faculdade de Moda é.… me deixou ainda mais querendo ser artista, né? Essa questão do, dessa história do desenho, dessa história de como surgiu, de como surgiu, de como surgiu a, a questão de, de, das tinturas, sabe? Desse, dessa criação. Que eu não, que eu nem me vejo como uma pessoa em que eu trabalharia numa área de criação, sabe? [...] então, o trabalho de arte, o trabalho de, o trabalho na moda, me ajudou muito nessa questão com as crianças, de conhecimentos que eu não tinha. [Ampliou] a minha visão sobre uma arte que eu não, que eu não tinha pensado, ainda, enquanto arte, sabe? Até as questões, a questão de você assistir um filme e você perceber coisas que você não percebia antes, uma produção, a produção artística de como que foi feito, de como que aquele figurino foi produzido, o porquê que aquele personagem tá usando aquele tipo, aquela cor [...]. Então, assim, isso eu trouxe para os meus meninos. Então, eles começam a fazer essas, essas articulações mentais assim, né? E, hoje, eu percebo que eles estão muito melhores, muito, muito, muito de quando foi o início do ano. E é visível no, nas produções deles que são expostas na escola. Então eu, eu tenho salas de até quinto ano na escola, e você coloca uma atividade dos meus de, de segundo ano com uma do quinto ano, você acha que a do quinto é o meu, sabe? De, desse cuidado, esse cuidado com, com esse trabalho (Madona, entrevista, p. 11-12). Madona tem 12 anos de trabalho na área de Educação e leciona na Rede Municipal de Ensino do Recife há três anos. Antes do seu trabalho como docente na Escola Pública ensinou em uma creche; foi professora no Serviço Social do Comércio (SESC), ensinando a turmas dos Anos Iniciais e, na Rede Particular, na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental – primeiro ano – além de ter sido coordenadora do Programa Nacional de Inclusão de Jovens (PROJOVEM) do governo federal no município de Paulista. Relata que a Arte estava presente em sua vida antes mesmo de ser pedagoga.
Mostrar mais

235 Ler mais

Reflexões sobre o ensino de História nos anos iniciais do Ensino Fundamental

Reflexões sobre o ensino de História nos anos iniciais do Ensino Fundamental

RESUMO: Este trabalho tem como objetivo apresentar discussões a respeito do ensino de História nos anos iniciais, com base na reflexão acerca de uma prática pedagógica tematizando a história do município de Campo Mourão, desenvolvida junto a crianças do 4º ano do Ensino Fundamental. No presente texto, busca-se questionar algumas práticas “tradicionais” do ensino de História, analisando as contribuições que a Nova História trouxe para o ensino da disciplina. A prática pedagógica realizada junto aos alunos evidencia a importância da utilização de diversas fontes históricas no ensino, possibilitando a compreensão das mudanças e permanências ao longo do tempo, bem como da importância do sujeito e das ações cotidianas na construção da História.
Mostrar mais

17 Ler mais

A importância do ensino de ciências nos anos iniciais do ensino fundamental

A importância do ensino de ciências nos anos iniciais do ensino fundamental

O presente trabalho tem por finalidade analisar a importância do Ensino de Ciências nos anos iniciais do Ensino Fundamental, além de averiguar a relevância que os professores regentes atribuem às atividades práticas para abordar conteúdos de Ciências Naturais. A pesquisa foi desenvolvida em um colégio da Rede particular de ensino da cidade de Assis, Estado de São Paulo. O trabalho envolveu as turmas do 1°ano ao 5°ano do Ensino Fundamental, totalizando 155 alunos e seis professores regentes. A coleta de dados foi realizada através de questionários destinados aos alunos e professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Através deles, pôde- se observar que o ensino de Ciências desperta o interesse e prazer do estudo na maioria dos alunos dos anos iniciais do ensino fundamental. As professoras regentes que ensinam conteúdos de Ciências em suas aulas, sabem da importância desta matéria para o desenvolvimento das crianças atribuindo maior significado às aulas práticas.
Mostrar mais

54 Ler mais

Ensino de Física nos anos iniciais do ensino fundamental: um estado do conhecimento

Ensino de Física nos anos iniciais do ensino fundamental: um estado do conhecimento

Resumo: Este artigo apresenta o mapeamento da relação entre o ensino de Física e os anos iniciais do ensino fundamental realizado no Catálogo de teses e dissertações CAPES. Foram identificadas 12 dissertações e uma tese, indicando a ausência de trabalhos específicos sobre a formação inicial de professores de Física e o ensino dessa ciência para os primeiros anos do ensino fundamental, provavelmente pelos conteúdos não fazerem parte do currículo escolar oficial. Espera-se que este mapeamento motive novas pesquisas sobre o tema, ressaltando a importância da Física desde o começo da escola, pois essa ciência investiga os fenômenos da vida.
Mostrar mais

16 Ler mais

O trabalho com gramática nos anos iniciais do ensino fundamental

O trabalho com gramática nos anos iniciais do ensino fundamental

A partir do exposto, observamos que o processo de formação continuada de professores pode constituir-se num significativo momento para se devolver a palavra aos sujeitos, a fim de que, num processo dialógico, se tornem responsáveis por sua formação, enfatizando o seu contexto de trabalho. O conhecimento da língua materna é fundamental para o docente dos anos iniciais do ensino fundamental exercer com proficiência a sua função de ensinar as crianças a ler e a produzir textos. Dessa maneira, é possível ir se transformando em professor ao longo do caminho, ou seja, ele desempenha a sua profissão com o que aprendeu nos processos de formação inicial e continuada e vai se construindo, ao incorporar e refletir sobre a pluralidade de saberes, atitudes e metodologias de ensino.
Mostrar mais

10 Ler mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA O ENSINO DA COMBINATÓRIA

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA O ENSINO DA COMBINATÓRIA

Apesar da professora inicialmente acreditar não ser possível trabalhar este conteúdo com estudantes do 1º ano do Ensino Fundamental, Pessoa e Borba (2009) defendem ser possível o trabalho com a Combinatória desde os Anos Iniciais e Matias, Santos e Pessoa (2011) e Pessoa e Borba (2012) mostram que estudantes da Educação Infantil já são capazes de perceber alguns dos invariantes de problemas combinatórios. Após o processo vivenciado, a professora também passou a pensar nessa possibilidade de trabalho e foi possível verificar que há um reconhecimento por parte da mesma da evolução do raciocínio combinatório de estudantes, reconhecendo a sistematização como um avanço dos mesmos.
Mostrar mais

23 Ler mais

A motivação no processo de ensino e aprendizagem nos anos iniciais do ensino fundamental

A motivação no processo de ensino e aprendizagem nos anos iniciais do ensino fundamental

Nesta monografia, discutimos a importância da motivação no processo de ensino e aprendizagem nos anos iniciais do ensino fundamental. A importância de ser trabalhado em sala de aula a motivação do aluno, a auto-estima, a confiança e a auto-imagem de maneira a influenciar a capacidade do aluno na jornada educativa e na vida, tornando-o capaz e seguro, constitui pontos fortes da pesquisa. Considerando que a educação é um processo de desenvolvimento e remodelação da personalidade do individuo, o professor precisa estimular sua própria escuta, ter tempo para o aluno, ouvir e reconhecer em suas falas o que lhe serve como motivação, trabalhar a confiança do aluno e o seu conhecimento. O estudo está baseado nas teorias da motivação, da auto-estima, auto-imagem e auto-eficácia. Nota-se que para a melhoria no processo de ensino/aprendizagem na formação do aluno e da sua personalidade, como alguém confiante, seguro e vencedor, devem-se trabalhar essas teorias em sala de aula. Assim, nesse trabalho, o foco principal é mostrar que o papel do professor é fundamental na vida e no desenvolvimento intelectual do aluno, para que o mesmo se torne capaz, otimista e vencedor. O professor é a base da educação na formação de adultos determinados, capazes, confiantes, motivador do aluno a reconhecer o seu próprio valor para educação.
Mostrar mais

32 Ler mais

Compartilhar literatura nos anos iniciais do ensino fundamental

Compartilhar literatura nos anos iniciais do ensino fundamental

Resumo: Neste artigo, buscamos desenvolver uma reflexão acerca das possíveis contribuições na perspectiva de compartilhar literatura no cotidiano das escolas de ensino fundamental nos anos iniciais. Com base em referenciais teóricos, que defendem uma concepção ampla de literatura como fruição e alimento, e em dados de entrevistas realizadas com dois professores desse nível de ensino, sobre sua formação literária e prática com o ensino da literatura em suas aulas, evidenciamos que os professores reconhecem o valor da literatura na formação do sujeito, no entanto, não realizam uma prática coerente com essa concepção. A formação inicial do professor, no curso de Pedagogia, bem como a formação continuada para atuar nos anos iniciais do Ensino Fundamental é um aspecto apontado como essencial para que escola possa compartilhar literatura e não promover a inadequada escolarização da literatura como tradicionalmente vem sendo feito na escola.
Mostrar mais

15 Ler mais

Os desafios do ensino da cartografia escolar nos anos iniciais do ensino fundamental: um estudo de caso no município de Erechim/RS

Os desafios do ensino da cartografia escolar nos anos iniciais do ensino fundamental: um estudo de caso no município de Erechim/RS

Tanto os PCNS, quanto a BNCC (embora menos especificado) sugerem a necessidade do trabalho com noções cartográficas desde os anos iniciais do Ensino Fundamental. Os PCNS permitem visualizar no primeiro ciclo, a ideia central de trabalhar a paisagem local e o espaço vivido. Sugere-se que o docente trabalhe com imagens e proposição de desenhos, para os alunos começarem a utilizar mais objetivamente as noções de proporção, distância e direção, fundamentais para a compreensão e uso da linguagem cartográfica. Além disso, o professor pode utilizar os conhecimentos prévios dos alunos em relação a localização e orientação no espaço (como o espaço escolar, o caminho da escola até a casa) e realizar a mediação para que este conhecimento seja constantemente ampliado. Neste ciclo, a construção da linguagem cartográfica começa com a leitura e construção de mapas com roteiros simples, considerando características da linguagem cotidiana dos alunos. Já para o segundo ciclo, as noções de representação do espaço permanecem, mas há um aprofundamento em relação as noções de proporção e escala. Neste ciclo destaca-se a importância da Linguagem Cartográfica como meio de comunicação, esta deve ser usada para representar e interpretar informações, analisando questões de direção, distância, orientação e proporção para garantir a legitimidade da informação (BRASIL, 1997a).
Mostrar mais

67 Ler mais

Aprender a classificar nos anos iniciais do Ensino Fundamental

Aprender a classificar nos anos iniciais do Ensino Fundamental

A aprendizagem da Estatística vem sendo proposta desde o Ensino Fundamental como reflexo da sociedade atual que passa a lidar cada vez mais com uma grande quantidade de dados. Assim, é fundamental compreender essas informações sistematizadas e, principalmente, saber realizar pesquisas e sistematizar as informações a partir de seus interesses. Para tal, é importante inserir a criança no universo da pesquisa. Na realização de uma pesquisa é preciso compreender a importância de cada uma de suas fases e suas interpelações, considerando todas as etapas de um ciclo investigativo. Nesse estudo estamos interessados em uma dessas etapas: a classificação dos dados. Para organizar as informações, sejam elas em tabelas ou gráficos, é necessário saber classificar. Dessa forma, é de extrema importância levar aos alunos a criarem ou descobrirem critérios de classificação e não somente que eles conheçam determinadas classificações prontas. Nesse sentido, essa pesquisa teve como objetivo investigar a aprendizagem de alunos do 4º ano do Ensino Fundamental sobre a habilidade de classificar, considerando diferentes tipos de habilidades relacionadas à classificação. Participaram do estudo 103 alunos de três escolas públicas da Região Metropolitana do Recife organizados em três grupos: G1 – participava de uma sequência de atividades que envolvia a compreensão do descritor/critério; G2 – participava de uma sequência de atividades que envolvia a reflexão sobre elemento, classe e descritor/critério; G3 – não participava de sequencias de atividades, se constituindo como grupo controle. Foi realizado um pré-teste, uma sequência de atividades de ensino (grupos G1 e G2) e dois pós-testes com cada grupo. A sequência de atividades realizada em cada turma ocorreu em três dias, com aproximadamente duas horas de duração cada uma. Os resultados revelaram que os alunos dos três grupos apresentaram um fraco desempenho no pré-teste, demonstrando dificuldades em criar critérios para classificar livremente. Entretanto, após as vivencias das crianças nas sequencias de atividades foram observados avanços significativos na aprendizagem dos grupos G1 e G2 e não no G3. Dessa forma, fica evidente a possibilidade de aprendizagem dos alunos em criar critérios de classificação, independente do tipo de intervenção. Assim, podemos afirmar que alunos dos anos iniciais quando levados a refletir sobre como classificar demonstram capacidade e facilidade para aprender e compreender que há uma diversidade de critérios que podem ser utilizados desde que atenda as propriedades de exclusividade e exaustividade.
Mostrar mais

143 Ler mais

A construção do conhecimento histórico escolar nos anos iniciais do ensino fundamental: algumas implicações metodológicas

A construção do conhecimento histórico escolar nos anos iniciais do ensino fundamental: algumas implicações metodológicas

Este artigo propõe uma reflexão a respei- to de questões sobre a construção do co- nhecimento histórico escolar nos anos iniciais do ensino fundamental. Aborda- mos o ensino de História nesta etapa da aprendizagem, considerando sua rele- vância para a formação de uma consciên- cia crítica e descoberta de si como agente de transformação social. Para tanto ana- lisamos a aplicabilidade, em uma escola da rede pública do município da Serra- -ES, de uma metodologia de ensino cha- mada “Imaginando”, que consiste na uti- lização de imagens produzidas por alunos para representar conceitos traba- lhados em sala de aula, com intuito de produzir um conhecimento individual e a compreensão do conteúdo proposto. Tendo como metodologia de trabalho a pesquisa participante, abordamos o con- ceito de tempo, reconhecido como obje- to de estudo da História e de importância fundamental na construção do conheci-
Mostrar mais

22 Ler mais

Notação matemática nos anos iniciais do ensino fundamental

Notação matemática nos anos iniciais do ensino fundamental

Este trabalho permite a reflexão de que a notação matemática está presente em toda a nossa existência, e, por isso buscou-se aprofundar os conhecimentos relativos ao processo de letramento em Matemática – processo de ensino e aprendizagem da linguagem matemática, nas séries iniciais do ensino fundamental, debatendo acerca de como proporcionar um ambiente propício para o desabrochar do raciocínio matemático, e, introduzir a notação matemática de forma gradativa. Para tanto, além de definir notação matemática, delineou-se o perfil das crianças de seis a dez anos e as expectativas de aprendizagens, de conceitos matemáticos, propostos para esta faixa etária na base nacional comum curricular (BNCC), assim como, do EMAI (educação matemática nos anos iniciais) – material didático utilizado nas unidades escolares do Estado de São Paulo. Também houve a preocupação em visualizar investimentos em cursos de capacitação de professores alfabetizadores, surgindo, desta forma, uma breve análise do PNAIC (plano nacional de alfabetização na idade certa). Também apresentou-se uma discussão acerca de metodologia em Matemática capaz de desenvolver competências referentes a resolução de problemas de situações de vida cotidiana, apresentando alguns recursos didáticos que auxiliam as crianças exercerem aspectos da cidadania crítica e participativa, tais como jogos e materiais pedagógicos de cunho lúdico. Por fim, ponderou-se na relevância da promoção de pesquisas psicogenéticas acerca do desenvolvimento da notação matemática em crianças de seis a dez anos de idade.
Mostrar mais

46 Ler mais

Educação física escolar em Brasília : análise comparativa de currículos dos anos iniciais do ensino fundamental

Educação física escolar em Brasília : análise comparativa de currículos dos anos iniciais do ensino fundamental

O Projeto operacionaliza a atuação do professor de Educação Física, pois organiza administrativa e pedagogicamente sua prática, inserindo-se entre o currículo e o projeto político pedagógico da escola. Assim sendo, o texto é estruturado em: apresentação; objetivos; inserção da Educação Física na Educação Infantil e anos iniciais do ensino fundamental; fundamentos do currículo que norteiam o trabalho pedagógico do professor de Educação Física; a base curricular orientadora para a educação infantil e para os anos iniciais do ensino fundamental; organização do trabalho pedagógico do professor; princípios de atendimento, metodologia; critérios de expansão e avaliação. Ademais, apresenta a estrutura para a elaboração do portfólio do projeto (Anexo D); avaliação do projeto pelos estudantes (Anexo E); avaliação do projeto pelos professores de atividades (Anexo F); avaliação do projeto pelos gestores (Anexo G); critérios de avaliação qualitativa (Anexo H). Esses documentos foram elaborados de modo participativo, a partir de demandas dos professores e dos gestores como instrumento para fundamentar a permanência e ampliação do Projeto e são entregues apenas uma vez ao ano à Gerência de Educação Física e Desporto Escolar, responsável pela gestão na SEDF.
Mostrar mais

131 Ler mais

A “cultura do brincar” nos anos iniciais do ensino fundamental de nove anos

A “cultura do brincar” nos anos iniciais do ensino fundamental de nove anos

Em razão disso, apresentamos nossas contribuições com humildade e respeito, de modo que dadas às singularidades e os desafios que circunscrevem esta temática, tenhamos sempre em vista a criança real e não uma criança idealizada, inserida em uma escola, que precisar ser constantemente repensada. Destacamos outrossim, que o exercício analítico realizado em prol da ativação do brincar como atitude investigativa, em prol das turmas de alfabetização e demais turmas dos anos iniciais, vem nos mostrando o quão perverso foi/é o cerceamento do brincar para a criança dos anos iniciais do Ensino Fundamental, o que, por si só, nos credencia a continuar problematizando: Por que as crianças são pouco ouvidas, em relação às suas participações nos processos educativos, curricularmente dirigidos? Temos reiterado que a criança, junto com suas expectativas e necessidades, é a razão do currículo. No entanto, aonde as crianças entram e permanecem? Por que ao “nascer” o aluno, no processo de escolarização, temos tido constantemente a dificuldade de enxergar a criança que ali está? Qual a lógica do processo de alfabetização ser vivido às pressas esquecendo-se do encantamento, da magia, dos sentidos que emergem do brincar e das demais linguagens presentes na vida para além da escola?
Mostrar mais

59 Ler mais

O pensamento computacional nos anos iniciais do ensino fundamental

O pensamento computacional nos anos iniciais do ensino fundamental

Caro (a) professor (a), este caderno pedagógico visa socializar os encaminhamentos para que vocês educadores possam introduzir o ensino do pensamento computacional nos anos iniciais do ensino fundamental. O material apresenta o resultado de um estudo realizado por meio do Mestrado Profissional em Ensino de Ciência e Tecnologia, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Câmpus Ponta Grossa.

35 Ler mais

O Ensino de história nos anos iniciais do ensino fundamental

O Ensino de história nos anos iniciais do ensino fundamental

Resumo: A pesquisa desenvolvida visa identificar como o Ensino de História nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental está sendo desenvolvido na Escola Municipal “Santa Luzia” do Macurany – Parintins-AM, a partir dos dados coletados na pesquisa de campo sobre as práticas de ensino de História que os professores dessa unidade escolar têm como referencial de trabalho. Assim considerando que é a partir dos Anos Iniciais que a criança começa a despertar o pensamento crítico e reflexivo e, nessa etapa de ensino, o papel do professor torna- se ainda mais relevante, visto que a criança identifica o professor como um referencial de conhecimento. O referido ensino se trabalhado corretamente a partir dos pressupostos básicos previstos nos Parâmetros Curriculares Nacionais para os Anos Iniciais e debatidos por vários autores do ensino História, faz com que estes passem de meros receptores para construtores de suas próprias opiniões, com isso dando-lhes a possibilidade de pensar historicamente.
Mostrar mais

16 Ler mais

Show all 10000 documents...