Top PDF Chave para identificação de mamíferos da região amazônica brasileira com exceção dos quirópteros e primatas.

Chave para identificação de mamíferos da região amazônica brasileira com exceção dos quirópteros e primatas.

Chave para identificação de mamíferos da região amazônica brasileira com exceção dos quirópteros e primatas.

Pe lagem normalmente desde marrom até preta, com a cabeça mais clara. mas alguns exemplares aprese ntam pelagem uniformemente clara ..[r]

18 Ler mais

Chave para identificação de mamíferos da região amazônica brasileira com exceção dos quirópteros e primatas 0)

Chave para identificação de mamíferos da região amazônica brasileira com exceção dos quirópteros e primatas 0)

Pelagem normalmente desde marrom até preta, com a cabeça mais clara, mas alguns exemplares apresentam pelagem uniformemente clara. Eira barbara.[r]

18 Ler mais

Chave para identificação de mamíferos da região amazônica brasileira com exceção dos quirópteros e primatas

Chave para identificação de mamíferos da região amazônica brasileira com exceção dos quirópteros e primatas

Pelagem normalmente desde marrom até preta, com a cabeça mais clara, mas alguns exemplares apresentam pelagem uniformemente clara. Eira barbara.[r]

19 Ler mais

PARA O DIÁLOGO COM O GOVERNO ESTADUAL

PARA O DIÁLOGO COM O GOVERNO ESTADUAL

escolaridade, etc. O Brasil apresenta dados preocupantes no que diz respeito à violência com sua juventude. Tais dados revelam que, ao se cruzar raça, gênero, classe e geração, são os jovens homens- negros- pobres que, acumulando discriminações interseccionadas, se tornam os mais vulneráveis à essa violência. A Comissão de Justiça e Paz, realizou uma pesquisa sobre crimes de homicídios na Bahia, noticiados nos jornais da capital entre os anos de 1996 e 1999, na qual constatou: foram noticiados 4.248 homicídios na Região Metropolitana de Salvador sendo que desse universo, 3.369 assassinatos se deram na capital; o perfil da vítima é - homem, negro, idade entre 15 e 35 anos, trabalhador, morador de bairro pobre e sem antecedentes criminais. Numa comparação com os conflitos da Iugoslávia, que durou 78 dias, utilizou poderosos artefatos bélicos e provocou 2.067 mortes, a Bahia sai ganhando em número de assassinatos em situação de “paz”. A pesquisa ainda revela que o perfil dos acusados dos crimes de homicídios: foram 3.717 acusados sendo que 55,6% deles trabalhavam na época do crime como membros do Sistema de Justiça/Segurança - 46% nas polícias e 9,6% na Segurança Pública 24 (Comissão de Justiça e Paz, Salvador, 2000).
Mostrar mais

113 Ler mais

Chave de identificação para os táxons

Chave de identificação para os táxons

(Flora do Parque Nacional do Itatiaia – Brasil: Peperomia (Piperaceae)) O Parque Nacional do Itatiaia tem sido objeto de estudo mesmo antes de ser designado como parque em junho de 1937. Localizado em terras fluminenses e mineiras, protege atualmente cerca de 30.000 hectares de patrimônio biótico e geomorfológico da Serra da Mantiqueira. A pesquisa teve como objetivo conhecer e descrever os táxons de Peperomia ocorrentes na região, averiguando suas preferências ambientais, além de ampliar o conhecimento sobre espécies raras e endêmicas e gerar subsídios para o conhecimento da flora do estado. Peperomia, o segundo maior gênero das Piperaceae, apresenta cerca de 1.500 espécies, das quais aproximadamente 200 ocorrem no Brasil, habitando preferencialmente locais úmidos e sombreados. O levantamento realizado levou ao reconhecimento de 34 taxa, dos quais seis constituíram novas ocorrências para a região. Estes táxons, que ocorrem no interior da floresta e nos campos de altitude, são encontrados em gradientes altitudinais de 600 a 2.700 m, como epífitos, saxícolos ou terrestres e são diferenciados principalmente pela filotaxia, forma, tamanho e nervação foliares, pilosidade, comprimento do pecíolo e pedúnculo e forma dos frutos. Palavras-chave: campos de altitude, florística, floresta atlântica, taxonomia, Unidade de Conservação. A BSTRACT
Mostrar mais

35 Ler mais

Chave para identificação das espécies

Chave para identificação das espécies

(Annonaceae da Reserva Biológica da Represa do Grama, Descoberto, Minas Gerais, Brasil, com uma nova espécie, Unonopsis bauxitae) São apresentadas as espécies de Annonaceae da Reserva Biológica da Represa do Grama. A Reserva está localizada em Descoberto, Minas Gerais, e abrange uma área de 263,8 hectares de floresta estacional semidecidual. São encontrados cinco gêneros e sete espécies: Annona cacans, Guatteria nigrescens, G. sellowiana, Rollinia dolabripetala, Unonopsis bauxitae, Xylopia brasiliensis, X. sericea e a nova espécie Unonopsis bauxitae, aqui descrita. São apresentadas chave de identificação das espécies, descrições, ilustrações, e informações sobre floração, frutificação, distribuição geográfica e hábitats. Palavras-chave: Annona, Guatteria, Rollinia, Unonopsis bauxitae, Xylopia, floresta atlântica, Reserva do Grama. A BSTRACT
Mostrar mais

12 Ler mais

Chave para identificação das espécies

Chave para identificação das espécies

(Piperaceae na Reserva Biológica de Poço das Antas, Silva Jardim, Rio de Janeiro, Brasil) O estudo taxonômico das Piperaceae da Reserva Biológica de Poço das Antas foi realizado com base em material herborizado, observações de campo e compreende chave para identificação, descrições e distribuição geográfica dos táxons. Comentários sobre a importância medicinal, dados fitoquímicos e uso são atribuídos a algumas espécies. Foram assinalados para esta Reserva 27 táxons, alguns pouco coletados para o estado do Rio de Janeiro, como Piper translucens, somente conhecido até então pelo material tipo. De um modo geral, os táxons nesta área preferem locais úmidos e sombrios, podendo também ser encontrados em áreas degradadas em pleno sol.
Mostrar mais

21 Ler mais

ANÁLISE DE TORÇÃO DE SAINT-VENANT EM BARRAS COM SEÇÃO ARBITRÁRIA VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS DE CONTORNO (M.E.C.)

ANÁLISE DE TORÇÃO DE SAINT-VENANT EM BARRAS COM SEÇÃO ARBITRÁRIA VIA MÉTODO DOS ELEMENTOS DE CONTORNO (M.E.C.)

Para avaliar a eficiência da formulação utilizada para determinação das grandezas de interesse, foram analisados cinco exemplos. Uma vez que a integração analítica limita-se ao element[r]

85 Ler mais

Daniel Vale Barros Respostas termográficas em touros bubalinos submetidos à coleta de sêmen e avaliados sob condições agrometeorológicas no trópico úmido

Daniel Vale Barros Respostas termográficas em touros bubalinos submetidos à coleta de sêmen e avaliados sob condições agrometeorológicas no trópico úmido

diferença entre turnos e variação decrescente nos meses, com menor valor em agosto (37,8±0,7ºC). O hematócrito, volume corpuscular médio, hemoglobina corpuscular média, concentração de hemoglobina corpuscular média, turbilhonamento e vigor espermático apresentaram diferença significativa (P<0,05) ao longo dos meses. Correlações significativas foram encontradas entre ICB e FR (0,97; P<0,0001), ICB e FC (0,89; P<0,0001), FC e FR (0,87; P<0,0001), ITU e integridade de membrana plasmática dos espermatozoides (-0,17; P<0,05). Estes resultados indicam que touros bubalinos mantidos em região de clima tropical úmido podem apresentar variações no conforto térmico durante os períodos mais quentes, porém são capazes de acionar eficientemente seus mecanismos termorregulatórios nos períodos mais críticos e conservar sua homeotermia, sem sofrer estresse térmico, e preservar seus parâmetros fisiológicos, hematológicos e seminais em níveis considerados normais.
Mostrar mais

120 Ler mais

ARTIGO PARA REVISTA SEMINARIO A Igreja Católica e a mediação nos movimentos sociais agrários da região norte do RS – 1980-1989 Valdemar da Silva Goes Mestrando em História UPF Cleber Pagliochi Bolsista PibicUPF Introdução

ARTIGO PARA REVISTA SEMINARIO A Igreja Católica e a mediação nos movimentos sociais agrários da região norte do RS – 1980-1989 Valdemar da Silva Goes Mestrando em História UPF Cleber Pagliochi Bolsista PibicUPF Introdução

Retratando esse assentamento na Nova Ronda Alta nota-se uma grande experiência e prática das igrejas, de modo geral todas as dioceses do Rio Grande do Sul e também até outras dioceses de Santa Catarina através de doações e assistências de pessoas como foi a CPT, que mobilizavam muitas outras pessoas fazendo com que se formasse uma grande multidão em busca da terra prometida. O fim do assentamento da Nova Ronda Alta culminou por volta do final de 1983. Neste momento percebemos que os colonos estão bem organizados e buscam agora a mobilizar outros sem-terra da região para ocupar a Annoni.
Mostrar mais

11 Ler mais

Diversidade Patogênica e Molecular de Ralstonia solanacearum da Região Amazônica Brasileira

Diversidade Patogênica e Molecular de Ralstonia solanacearum da Região Amazônica Brasileira

Os quatro isolados da biovar N2 mostraram-se separados nas três classes de virulência em tomateiro (Tabela 1, Fig.1). Embora pouca informação exista sobre esta variante, segundo Elphinstone (1992), um isolado da biovar N2 foi mais agressivo a uma cultivar de tomateiro resistente às biovares 1 e 3. Assim, é necessário um maior entendimento sobre a virulência e a agressividade da biovar N2 e a disponibilidade de fontes de resistência a ela, embora aparentemente não represente uma ameaça para o cultivo de tomate na região por não ser muito freqüente e porque apresenta menor sobrevivência no solo que as biovares 1 e 3 (Pereira et al., 2001).
Mostrar mais

10 Ler mais

Chave para identificação das espécies

Chave para identificação das espécies

Lâminas foliares 8-13 x 3-5 cm, cartáceas, elípticas, verdes discolores, cobertas por tricomas na face abaxial; base aguda a levemente decurrente; ápice agudo a acuminado, a[r]

13 Ler mais

MARIA ÂNGELA CAVALCANTI DE ANDRADE A IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DA EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO E SUA APLICAÇÃO PARA A MELHORIA DA GESTÃO

MARIA ÂNGELA CAVALCANTI DE ANDRADE A IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DA EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO E SUA APLICAÇÃO PARA A MELHORIA DA GESTÃO

Então são coisas que a gente vai fazendo, mas vai conversando também, sobre a importância, a gente sempre tem conversas com o grupo, quando a gente sempre faz um[r]

216 Ler mais

SISTEMA ANUAL DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

SISTEMA ANUAL DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

As FAPs recebem denominações específicas de acordo com o estado: FAPEMIG, FAPESP, FAPERJ, etc.[r]

114 Ler mais

UM SISTEMA DE QUALIDADE PARA A GESTÃO COMPARTILHADA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UFJF COM A EBSERH – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

UM SISTEMA DE QUALIDADE PARA A GESTÃO COMPARTILHADA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UFJF COM A EBSERH – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

231. Nesse contexto, com intuito de modernizar a gestão dos recursos financeiros e humanos dos hospitais federais universitários, o governo federal criou, por meio da Lei 12.550, de 15/12/2011, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) com sede e foro em Brasília, integralmente subordinada à União e vinculada ao Ministério da Educação. 232. Essa empresa, ainda em fase de implantação, deverá ter um papel primordial na alteração do atual quadro de miscigenação de empregados, servidores e terceirizados constatado por meio das auditorias realizadas. Apesar de haver poucas informações sobre a forma como a Ebserh irá atingir seu ambicioso objetivo, é razoável prever, diante do quadro que se apresenta, que haverá grandes alterações nas estruturas organizacionais dos hospitais universitários.
Mostrar mais

161 Ler mais

POLÍTICA DE ALFABETIZAÇÃO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE JUAZEIRO – BA: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROGRAMA PACTO COM OS MUNICÍPIOS - TODOS PELA ESCOLA

POLÍTICA DE ALFABETIZAÇÃO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE JUAZEIRO – BA: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROGRAMA PACTO COM OS MUNICÍPIOS - TODOS PELA ESCOLA

Entendemos ser de fato este um dos grandes problemas da educação brasileira: a maioria dos estudantes dos cursos de Licenciatura acaba fazendo a opção pela docência, não porque gostam ou queiram ser professores, mas porque apresentam dificuldade nas disciplinas da área de exatas, como ciências e matemática, exigidas fortemente nos cursos tradicionais de engenharia, medicina e outros, mais valorizados social e financeiramente no Brasil. Os estudantes, quando entram nos cursos de formação docente, passam quatro anos estudando uma dose excessiva de teorias da educação e ideologias, dissociada da prática e pouco (ou quase nada) se estuda sobre o ofício de ser professor, sobre as habilidades e competências, sobre os aspectos instrumentais da profissão, de como ensinar, como alfabetizar, como trabalhar o currículo nacional, estadual ou municipal e como verificar se a criança está aprendendo efetivamente e dar o suporte necessário para que ele avance. Sabe-se muita teoria, mas pouca prática. Seria inadmissível que um médico saísse de um curso de medicina sem fazer alguns procedimentos básicos da sua profissão. Muitos cursos de licenciatura estão formando professores que não sabem ensinar o currículo básico nacional e não sabem porque não dominam o assunto (CARNOY, 2009).
Mostrar mais

109 Ler mais

AS LÍNGUAS INDÍGENAS E A IDENTIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS DA AMAZÔNIA

AS LÍNGUAS INDÍGENAS E A IDENTIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS DA AMAZÔNIA

Limitando-nos à classe dos mamíferos da Amazônia brasileira, peruana e boliviana, mostramos que, como existem etnias indígenas que ocupam a área fronteiriça do Brasil e da Bolívia ou do Brasil e do Peru, é natural que essas etnias sejam formadas por pessoas bilíngües na língua materna e naquela falada no país em que essas pessoas residem. Um exemplo é o do povo Kaxinawá que possui aldeias na fronteira do Peru com o Brasil. No lado peruano, esses índios falam Kaxinawa e Espanhol; no lado brasileiro, Kaxinawa e Português. Devido à proximidade geográfica entre as aldeias do Peru e do Brasil, os falantes Kaxinawa costumam freqüentar reciprocamente as comunidades dos dois países compartilhando, dessa maneira, o mesmo léxico. Ademais, do ponto de vista lingüístico, é praticamente impossível se falar que seus “falares” se transformaram em dialetos.
Mostrar mais

18 Ler mais

PROPOSTA PARA O MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

PROPOSTA PARA O MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Este trabalho tem como objetivo analisar a Política de Apoio Estudantil da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), objeto desta pesquisa, através da averigua[r]

114 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAED - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA WILLIANS KAIZER DOS SANTOS MACIEL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAED - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA WILLIANS KAIZER DOS SANTOS MACIEL

Deve-se ressaltar, que o baixo número de observações (4) é um item limitador, mas não é impeditivo para a conclusão de que mais recursos financeiros para a edu[r]

191 Ler mais

Fibrohistiocitoma conjuntival simulando pterígio atípico na região amazônica: relato de caso.

Fibrohistiocitoma conjuntival simulando pterígio atípico na região amazônica: relato de caso.

Relatamos um caso inédito na literatura brasileira de fibrohistiocitoma conjun- tival descoberto durante projeto comunitário de larga escala realizado pela equipe do Centro de Referência em Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás na região amazônica. Paciente do sexo feminino, leucoderma, de 38 anos de idade, apresentava lesão vascularizada no olho direito no canto medial da conjuntiva bulbar e carúncula com extensão para o limbo e invadindo cerca de 2 mm da córnea medial com configuração se- melhante a um pterígio. O exame histopatológico revelou lesão constituída por células fusiformes, com arranjo estoriforme e células histiocitárias gigantes. A imunohistoquímica revelou forte positividade para vimentina e as células neoplásicas foram negativas para AE1/ AE3, HMB 45, proteína S 100. O diagnós- tico histopatológico foi de fibrohistiocitoma. A evolução poderá demonstrar o crescimento tumoral e a possibilidade de lesão maligna.
Mostrar mais

3 Ler mais

Show all 10000 documents...