Top PDF Levedura ou monensina na dieta de bovinos e bubalinos sobre a fermentação ruminal e eficiência microbiana.

Levedura ou monensina na dieta de bovinos e bubalinos sobre a fermentação ruminal e eficiência microbiana.

Levedura ou monensina na dieta de bovinos e bubalinos sobre a fermentação ruminal e eficiência microbiana.

curta (AGCC), amônia e pH ruminal, e eficiência microbiana em bubalinos e bovinos, alimentados com dietas com 50% de concentrado. Foram utilizados três búfalos e três bovinos portadores de cânulas no rúmen e no duodeno, distribuídos em dois quadrados Latinos, com arranjo fatorial 3 x 2. As concentrações de AGCC, amônia e o pH ruminal foram determinados a cada 2h. Os fluxos de digesta e proteína microbiana no duodeno foram determinados, respectivamente, por meio dos indicadores cinza insolúvel em ácido e as bases purinas. Não houve efeito dos aditivos e das espécies para a concentração total de AGCC e do ácido acético, propiônico e butírico. Porém, a adição da monensina e da levedura reduziram a razão acetato/propionato, sendo a monensina mais efetiva em ambas as espécies. Os valores de pH e amônia tiveram efeito somente para espécie e foram maiores nos bubalinos. A eficiência síntese microbiana foi maior nos bovinos, e reduzida pela adição de monensina à dieta. A levedura viva e a monensina modificaram a fermentação ruminal de forma positiva e as espécies apresentaram diferenças quanto aos parâmetros estudados. Palavras-chave: ácidos graxos de cadeia curta, amônia, ionóforo, Saccharomyces cerevisiae.
Mostrar mais

8 Ler mais

Monensina sódica e Saccharomyces cerevisiae em dietas para bovinos: fermentação ruminal, digestibilidade dos nutrientes e eficiência de síntese microbiana.

Monensina sódica e Saccharomyces cerevisiae em dietas para bovinos: fermentação ruminal, digestibilidade dos nutrientes e eficiência de síntese microbiana.

RESUMO - Avaliaram-se os efeitos do uso de monensina sódica, Saccharomyces cerevisiae e da mistura de ambos na dieta de bovinos sobre o pH e a concentração de amônia no rúmen, a digestibilidade aparente parcial e total dos nutrientes e a síntese de proteína microbiana no rúmen. Foram utilizados quatro bovinos da raça Holandesa Preto e Branco, castrados, com 320 kg de peso vivo, e canulados no rúmen. O delineamento experimental utilizado foi o quadrado latino 4 × 4, e os tratamentos consistiram de doses diárias de: 200 mg de monensina sódica (100I); 100 mg monensina sódica + 2,5 g Saccharomyces cerevisiae (50IP); 200 mg de monensina sódica + 5 g Saccharomyces cerevisiae (100IP); e 5 g Saccharomyces cerevisiae (100P), fornecidos diariamente pela cânula ruminal. A dieta contendo 100I promoveu menor digestão intestinal e total da matéria seca (MS), maior digestão intestinal da fibra em detergente neutro (FDN) e do extrato etéreo (EE), maior digestão total da proteína bruta (PB) e do EE e maior coeficiente de digestibilidade aparente ruminal (CDAR) e total (CDAT) da PB. A dieta contendo 100P resultou em menor digestão ruminal da PB, maior digestão ruminal da FDN, maior digestão intestinal da matéria orgânica (MO), da PB e dos carboidratos não-fibrosos (CNF), maior digestão total da matéria orgânica e do extrato etéreo, maior CDAR da FDN, maior coeficiente de digestibilidade intestinal (CDAI) da MO e dos CNF e maior CDAT da MO. A dieta 100P promoveu maior fluxo omasal de nitrogênio bacteriano e maior eficiência microbiana aparente e verdadeira. A dieta com 5 g/dia de Saccharomyces cerevisiae apresentou valor de NDT superior ao das outras dietas. As dietas não diferem quanto ao pH e à concentração de amônia no rúmen.
Mostrar mais

8 Ler mais

UTILIZAÇÃO DA MONENSINA E DA PRÓPOLIS PARA MANIPULAÇÃO E FERMENTAÇÃO RUMINAL EM BOVINOS

UTILIZAÇÃO DA MONENSINA E DA PRÓPOLIS PARA MANIPULAÇÃO E FERMENTAÇÃO RUMINAL EM BOVINOS

Foram realizados dois estudos, com o objetivo de comparar os efeitos do extrato de própolis e da monensina sobre os microrganismos hiper produtores de amônia, e verificar os efeitos de níveis crescentes de extrato de própolis na dieta de vacas leiteiras sobre: (1) os parâmetros ruminais (pH, amônia, e atividade especifica de produção de amônia [AEPA]) pela população microbiana, in vitro; e (2) parâmetros ruminais, consumo de matéria seca e produção e composição do leite. No primeiro estudo, utilizou-se líquido de rúmen de um novilho em pastejo, com adição de solução de tripticase, em três tratamentos (controle-C; monensina-M; e própolis-P). Foram feitas transferências diárias de inóculos para novos tubos com os mesmos tratamentos até o 10 o dia (1 a fase) e, no 11 o dia, cada tratamento foi combinado com os mesmos tratamentos da 1 a fase (C, M, P), totalizando nove combinações que continuaram a serem transferidos diariamente, sendo incubados durante mais nove dias (2 a fase). Do 1 o ao 10 o dia de incubação (1 a fase), a adição de ionóforo e da própolis a cultura evitaram o aumento da produção de amônia comparado ao controle. A própolis foi mais eficiente em decrescer a produção de amônia do que a monensina na 1 a fase; e diminui a produção de amônia e a AEPA na 2 a fase independente do tratamento presente na 1 a fase. A monensina foi tão eficiente quanto a própolis, na 2 a fase, quando os inibidores estavam
Mostrar mais

52 Ler mais

Efeito da monensina e do óleo de soja sobre os protozoários ciliados do rúmen e correlação dos protozoários com parâmetros da fermentação ruminal e digestivos.

Efeito da monensina e do óleo de soja sobre os protozoários ciliados do rúmen e correlação dos protozoários com parâmetros da fermentação ruminal e digestivos.

O total de protozoários e os celulolíticos não foram correlacionados ao consumo de matéria seca (CMS), o que está de acordo com o estudo em meta-análise de Eugène et al. (2004), com animais faunados e defaunados. Neste caso, poderia ser esperado maior CMS pelo auxílio dos protozoários na digestão da fração fibrosa dos alimentos e na manutenção do pH ruminal pelo engolfamento de partículas de amido. Embora o CMS tenha sido reduzido nas dietas OL e OM, que apresentaram defaunação, a falta de correlação com a fauna microbiana indica que outros fatores estejam envolvidos. Os fatores que regulam o CMS têm caráter multifatorial, que envolvem, além de aspectos comportamentais, as características das dietas, do ambiente ruminal e do animal. Neste contexto, Eifert et al. (2005) sugeriram que os tratamentos podem ter influenciado o consumo por diferentes mecanismos, que envolvem a atividade microbiana nos processos digestivos no rúmen, a necessidade energética do hospedeiro e a utilização dos nutrientes absorvidos e metabolizados pelo animal. Assim, devido à complexidade dos fatores regulatórios, torna-se difícil isolar a influência dos protozoários sobre o CMS. A literatura tem apresentado os efeitos da fauna ruminal sobre o metabolismo do nitrogênio no rúmen, que envolvem a síntese microbiana, predação e formação de amônia ruminal (Williams & Coleman, 1997). Entretanto, não foram observadas correlações dos protozoários com a digestibilidade da proteína e da matéria orgânica no rúmen ou na síntese e eficiência microbiana. Segundo Doreau & Ferlay (1995), lipídios insaturados têm pouca influência sobre a síntese microbiana, observando-se aumentos na eficiência da síntese microbiana com maior freqüência quando há redução no número de protozoários ou digestibilidade da MO no rúmen. Eifert et al. (2005) relataram que a síntese microbiana foi reduzida por efeito do óleo de soja e da monensina, sem apresentar diferenças para a eficiência de síntese microbiana (em g N/kg MODR), que foi justificada por efeitos inibitórios dos tratamentos sobre o crescimento bacteriano, principalmente na dieta OM. Eifert et al. (2005) observaram interação óleo de soja × monensina sobre a digestibilidade ruminal da FDN (drFDN). Em resumo, as dietas CT, MN e OL apresentaram valores similares (43,68; 45,71 e 45,08%, respectivamente), enquanto
Mostrar mais

8 Ler mais

Influência da monensina no consumo e na fermentação ruminal em bovinos recebendo dietas com teores baixo e alto de proteína.

Influência da monensina no consumo e na fermentação ruminal em bovinos recebendo dietas com teores baixo e alto de proteína.

Verificou-se que houve aumento significativo da proteína microbiana no líquido ruminal dos ani- mais alimentados com a dieta contendo baixo teor protéico mais monensina, aumento que também foi verificado numericamente nos animais que recebe- ram dieta com alto teor protéico. Jalc et al. (1992, 1993) e Jalc & Laukova (2002), utilizando a técnica de simulação ruminal (Rusitec), também verifica- ram que a eficiência de síntese de massa microbiana foi aumentada com a adição de monensina. Analogamente, Lee et al. (1990) também observa- ram, em cabritos nativos da Coréia, alimentados com dietas contendo 80% de concentrado e 20% de feno triturado, que a monensina promoveu um au- mento (P<0,05) na concentração de proteína microbiana. Yang & Russell (1993) verificaram que a monensina acarretou diminuição de, aproxi- madamente, 10 vezes, das bactérias que podem utilizar peptídeos e aminoácidos, mas não carboidratos, como fonte de energia para cresci- mento. Desse modo, a monensina inibiu a atividade das bactérias fermentadoras de aminoácidos, entre outras, e, conseqüentemente, a desaminação e o nível de amônia ruminal, havendo, no entanto, au- mento significativo da concentração de proteína bacteriana no fluido ruminal, aumentando o supri- mento de aminoácidos disponíveis para o animal.
Mostrar mais

12 Ler mais

Avaliação dos efeitos de fontes de fósforo na dieta sobre parâmetros do meio ruminal e eficiência de síntese microbiana, digestibilidade dos nutrientes e fósforo plasmático em bovinos.

Avaliação dos efeitos de fontes de fósforo na dieta sobre parâmetros do meio ruminal e eficiência de síntese microbiana, digestibilidade dos nutrientes e fósforo plasmático em bovinos.

os maiores valores ocorrendo 2 horas após a alimentação e os menores valores imediatamente antes das alimentações. Para todas as fontes de fósforo, os valores médios de concentração de amônia ruminal mantiveram-se em níveis superiores a 5 mg/dL (Sater & Slyter, 1974), considerado mínimo para adequada fermentação ruminal da parede celular. Entretanto, quando considerados os valores de concentração de amônia ruminal preconizados por Leng (1990), ou seja, 20 mg/dL de líquido ruminal, como ideais para aumento do consumo voluntário em condições tropi- cais, verificou-se que, em todos os tratamentos, em alguns horários, as concentrações foram inferiores aos valores sugeridos.
Mostrar mais

10 Ler mais

Efeito do período experimental sobre a fermentação ruminal e eficiência de síntese microbiana em bovinos alimentados com dois níveis de volumosos.

Efeito do período experimental sobre a fermentação ruminal e eficiência de síntese microbiana em bovinos alimentados com dois níveis de volumosos.

A degradabilidade ruminal da proteína dietética leva à conversão da mesma até amônia. Quanto maior for a degradabilidade da proteína da dieta, maior será a produção de amônia ruminal e, provavel- mente, maiores serão as perdas urinárias de compos- tos nitrogenados na forma de uréia (RUSSELL et al., 1991). VALADARES et al. (1997) verificaram que a concentração de amônia no rúmen é uma função das taxas relativas de entrada e remoção de amônia, que entra no rúmen a partir de numerosas fontes, incluindo a fermentação dos alimentos, fragmentos de células lisadas, proteína endógena, compostos nitrogenados solúveis diversos (uréia endógena, ácidos nucléicos, ácido úrico e nitrato) e excreção dos protozoários. O nitrogênio amoniacal é removido do rúmen pela incor- poração à matéria microbiana que sai do rúmen, pela absorção através da parede ruminal e pelo fluido ruminal, passando para outras porções do trato digestivo.
Mostrar mais

8 Ler mais

Influência de Rumensin®, óleo de soja e níveis de concentrado sobre o consumo e os parâmetros fermentativos ruminais em bovinos.

Influência de Rumensin®, óleo de soja e níveis de concentrado sobre o consumo e os parâmetros fermentativos ruminais em bovinos.

No caso de dietas isoprotéicas, era de se esperar o contrário, pois com o aumento do concentrado, haveria decréscimo no pH ruminal, que inibiria a fermentação de aminoácidos no rúmen (LANA et al., 1998) e consequente produção de amônia (CAMERON et al., 1991; GRIGSBY et al., 1993; LANA et al., 1998) e ácidos graxos voláteis de cadeia ramificada. O efeito de redução na concentração de amônia ruminal com o aumento do nível do concentra- do tem sido também justificado pelo aumento na disponibilidade de energia ruminal que possibilita maior utilização da amônia para o crescimento microbiano (ANNISON, 1956). Entretanto, estudos in vitro indicam que a eficiência de síntese de proteína microbiana pode diminuir significativamente, quando o pH é menor que 6 (STROBEL e RUSSELL, 1986). Também, era de se esperar redução de isobutirato, isovalerato e amônia na presença de rumensin, que contém o antibiótico monensina, responsável pela
Mostrar mais

9 Ler mais

Níveis de fibra em detergente neutro na dieta de cordeiros: consumo, digestibilidade e fermentação ruminal.

Níveis de fibra em detergente neutro na dieta de cordeiros: consumo, digestibilidade e fermentação ruminal.

Eight castrated raw lambs (35.0± 6.0kg live weight) were used in a replicated 4 × 4 latin square design to evaluate the effect of four neutral detergent fiber (NDF) levels (25, 31, 37 and 43% of dry matter (DM)) on intake and digestion traits. Nitrogen (N) intake varied quadratically; intake of DM, organic matter (OM) and energy decreased (P<0.05) and that of NDF increased (P<0.01) as fibre level increased. NDF and N digestibility, as well as pH and ruminal concentrations of peptides were similar for all treatments. Apparent digestibility of DM, OM and energy, as well as ruminal concentrations of sugars decreased (P<0.01) and, ruminal microbial protein synthesis and ruminal concentrations of ammonia and amino acids varied in a quadratic way (P<0.05) with increased levels of NDF. The effect of NDF in decreasing intake and digestibillity was more evident only at the highest level (43%). The inclusion of about 30% NDF represents the most adequate level for sorghum silage and concentrate based diets fed to feedlot lambs.
Mostrar mais

8 Ler mais

Eficiência microbiana, fluxo de compostos nitrogenados no abomaso, amônia e pH ruminais, em bovinos recebendo dietas contendo feno de capim-tifton 85 de diferentes idades de rebrota.

Eficiência microbiana, fluxo de compostos nitrogenados no abomaso, amônia e pH ruminais, em bovinos recebendo dietas contendo feno de capim-tifton 85 de diferentes idades de rebrota.

Para avaliação das taxas de passagem, foram infundidos 20 g de óxido crômico, em dose única, no rúmen, via fístula. As coletas de conteúdo ruminal foram realizadas antes e 3; 6; 9; 12; 24; 36; e 48 horas após a infusão do óxido crômico. As amostras foram colocadas sobre uma folha de plástico maleável, em pratos de alumínio, e levadas para secagem a 60-65ºC, por 72 horas, em estufa com ventilação forçada. A seguir, as amostras foram moídas em peneira com 1 mm de porosidade, em moinho Wiley, e acondicionadas em vidros, para posteriores análises de matéria seca definitiva e cromo. Para obtenção das taxas de passagem (k), utilizou-se o modelo Y = a.e -kt , em que "Y" é a concentração do indicador
Mostrar mais

8 Ler mais

Consumo, digestibilidade e parâmetros ruminais em bovinos de corte alimentados com dietas contendo silagem de sorgo e pré-secado de capim-tifton 85.

Consumo, digestibilidade e parâmetros ruminais em bovinos de corte alimentados com dietas contendo silagem de sorgo e pré-secado de capim-tifton 85.

RESUMO - Avaliaram-se o consumo e as digestibilidades total e parcial dos nutrientes, a eficiência microbiana, o balanço de nitrogênio, a taxa de passagem da digesta ruminal, o pH e a concentração de amônia ruminal em bovinos de corte alimentados com dietas contendo como fonte de volumoso pré-secado de capim-tifton 85 e silagem de sorgo nas seguintes proporções: 100:0; 68:32; 34:66 e 0:100, respectivamente, com base na MS. Foram utilizados quatro animais mestiços Holandês × Zebu (H × Z), fistulados no rúmen e abomaso, com peso médio de 364 kg, distribuídos em um quadrado latino 4 × 4. A relação volumoso:concentrado foi de 60:40, na base da MS. Os consumos de MS, MO, PB, carboidratos totais (CT), assim como as digestibilidades totais da PB, EE, CNF e FDN não foram influenciados pelas dietas, registrando-se valores médios de 6,01; 5,69; 0,76 e 4,64 kg/dia e 67,94; 82,42; 84,43 e 53,57%, respectivamente. Os consumos de EE, CNF, FDN e NDT e as digestibilidades aparentes totais da MS, MO e CT aumentaram linearmente com o incremento da proporção de silagem de sorgo no volumoso. As digestibilidades ruminais e intestinais de MS, CT, CNF e FDN não foram influenciadas pelas dietas. O pH não foi alterado pelos tempos de coleta nem pelas dietas. A concentração de amônia foi influenciada pelos tempos de coleta, estimando-se valor máximo de 13,14 mg/100 mL, às 2,90 horas após a alimentação. Para as dietas contendo 0; 32; 66 e 100% de silagem de sorgo no volumoso estimaram-se taxas de passagem da digesta ruminal da ordem de 4,10: 4,22; 4,27 e 5,30%/hora, respectivamente. A eficiência microbiana não foi afetada pelo nível de silagem de sorgo na dieta. O uso de silagem pré-secada de capim tifton 85 associada à silagem de sorgo mostrou-se uma boa alternativa de volumoso para bovinos de corte.
Mostrar mais

9 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA SAMARA FREIRE DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA SAMARA FREIRE DE OLIVEIRA

Ainda, para Lima (1998, 87 p. ), “a formação de professores sempre foi considerada condição básica para o atendimento dos objetivos da escola”, enquanto Marques (2006) e Neves (2008) concordam que levar a sério a formação dos professores é um dos principais fatores para tornar possível a evolução do sistema educacional brasileiro. Historicamente, essa formação passou por várias mudanças, no entanto, a especificidade dos currículos que se vê atualmente, com a formação - em alguns casos - para um único componente curricular limita a atuação do professor. Há que se considerar, ainda, a participação que o professor tem sobre essa formação. Tardif (2014, 238 p.) sugere que:
Mostrar mais

93 Ler mais

Efeitos da enramicina e da monensina sódica no consumo de matéria seca, na fermentação ruminal e no comportamento alimentar em bovinos alimentados com dietas com alto nível de concentrado.

Efeitos da enramicina e da monensina sódica no consumo de matéria seca, na fermentação ruminal e no comportamento alimentar em bovinos alimentados com dietas com alto nível de concentrado.

foram coletadas às 0, 2, 4, 6, 8, 10 e 12 horas após a primeira refeição do dia, em três diferentes locais do rúmen, totalizando aproximadamente 500 mL em cada coleta. Para isso, utilizou-se tubo de cobre perfurado (1,2 m de compri- mento e 1,0 cm de diâmetro) ligado, por meio de mangueiras de silicone e um Kitassato, a uma bomba de vácuo. Em seguida, 50 mL do líquido ruminal foram centrifugados, sem sofrer filtragem, a 2000 FCR (força centrífuga relativa) por 15 minutos e 1 mL do sobrenadante foi adicionado a 0,2 mL de ácido fórmico e congelado para posterior determinação dos AGV. Outros 2 mL do sobrenadante foram adicionados a 1 mL de ácido sulfúrico solução 1N e congelados a -20 o C para determinação do nitrogênio amoniacal. A determina- ção dos AGV foi realizada por meio de cromatografia gasosa (Erwin et al., 1961) no laboratório de Nutrição Animal da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de São Paulo (VNP/FMVZ/USP). Para isso, utilizou-se um cromatógrafo a gás (marca Finnigan, modelo 9001) equipado com coluna Megabore da Ohio Valley, modelo OV-351 de 1 Micron, com 30 m de comprimento e 0,53 mm de diâmetro. O número de repetições por amostra foi o necessário para que a diferença entre as leituras fosse inferior a 5%. A solução padrão foi aplicada a cada dez injeções sucessivas de amostras, de modo a evitar possíveis distorções das leituras decorrentes da contaminação da coluna. A determinação do nitrogênio amoniacal (N-NH 3 ) foi realizada por colorimetria (Foldager, 1977) e o pH do fluido ruminal em potenciômetro digital portátil.
Mostrar mais

8 Ler mais

Dietas contendo silagem de milho (Zea maiz L.) e feno de capim-tifton 85 (Cynodon spp.) em diferentes proporções para bovinos.

Dietas contendo silagem de milho (Zea maiz L.) e feno de capim-tifton 85 (Cynodon spp.) em diferentes proporções para bovinos.

Estudos conduzidos por Ribeiro et al. (2001a) e Athaíde Jr. et al. (2001) com bovinos recebendo dietas contendo fenos de capim-tifton 85, de diferen- tes idades de rebrota, constituindo 60% da dieta, na base da matéria seca, registraram consumo médio de FDN de 0,98% do PV. O consumo médio de 0,7% do PV observado no presente trabalho encontra-se abaixo do observado por esses autores, provavelmente pelo fato de os animais utilizados neste experimento esta- rem mais próximos da condição de mantença, e não de ganho, como os utilizados por Ribeiro et al. (2001a) e Athaíde Jr. et al. (2001). O fato de os animais utilizados estarem fistulados constituem-se num fator de estresse que colabora para o baixo consumo (Ribeiro et al., 2001a). Além disso, animais ruminan- tes podem limitar seu consumo em dietas que conte- nham mais de 66% de DMS (Tabela 3), pois, acima disso o consumo é limitado fisiologicamente pelas variações no peso corporal e nas taxas de produção e excreção fecal (Conrad, 1966). Como os animais estavam fora da faixa de máximo crescimento, pois, estavam pesando em média 523 no início e 561kg no final do experimento, suas exigências foram menores e os mesmos não consumiram o suficiente para demonstrar efeito de tratamento.
Mostrar mais

9 Ler mais

Efeito da suplementação com anticorpos policlonais e/ou monensina sódica sobre a saúde ruminal de bovinos jovens confinados

Efeito da suplementação com anticorpos policlonais e/ou monensina sódica sobre a saúde ruminal de bovinos jovens confinados

ABSTRACT: : The aim of this study was to evaluate the effects of polyclonal antibodies preparation (PAP) or monensin (MON) against rumen bacteria (Streptococcus bovis, Fusobacterium necrophorum, Lactobacillus and endotoxin) on the morphology of the rumen papillae and the incidence of ruminite and liver abscess in feedlot bullocks fed high concentrate diets. Seventy-two 9-mo-old bullocks (261.04 ± 34.73 kg) were assigned to 24 pens (3 bullocks/pen) in a completely randomized design with 2 x 2 factorial arrangement of treatments. All animals received the same diet (ad libitum), type of accommodation and management. The diets treatments were different only about feed additives used: control (no additive), MON, PAP or MON + PAP (MIX). Factors were inclusion or not of PAP or MON, at a dose of 300 mg/kg DM or at 30 mg/ kg DM, respectively. Livers and rumens were classified in accordance with the lesions. The sampling was performed in ruminal mucosa and evaluated using four macroscopic variables. Both the percentage of abscesses and the severity of them were lower (P < 0.01) in animals fed diets with PAP than those fed MON. The inclusion of MON in the diet was only effective in reducing (P < 0.01) the severity of the abscesses in relation to treatment without this additive. There was no effect (P > 0.05) of additives on the incidence of ruminite (IR), with very low values for this variable. Only treatment with monensin had higher (P = 0.07) surface absorption/cm 2 wall of the rumen and greater (P = 0.10) papillary area (% of surface absorption) compared to treatment without this additive. Number of papillae/cm 2 wall and average area of the papillae showed no difference among treatments.
Mostrar mais

103 Ler mais

Consumo, digestibilidade, parâmetros ruminais e desempenho de bovinos de corte suplementados com dietas contendo silagens de diferentes híbridos de sorgo

Consumo, digestibilidade, parâmetros ruminais e desempenho de bovinos de corte suplementados com dietas contendo silagens de diferentes híbridos de sorgo

A discussão de opções de volumosos para bovinos de corte deve envolver aspectos financeiros e agronômicos. Uma característica importante de uma forrageira seria a alta capacidade de produção de matéria seca por área. Dentre as forrageiras que melhor se adequam à prática da ensilagem, encontram-se o milho e o sorgo. Embora a silagem de sorgo seja considerada de valor nutritivo inferior à de milho, sua ensilagem vem ganhando destaque, pois, apresenta as seguintes vantagens: maior tolerância à seca que o milho, devido seu sistema radicular mais abundante e profundo; apresenta rebrotas após os cortes, obtendo-se até 60% da produção do primeiro corte; não concorre com a alimentação humana; e algumas variedades e, ou, híbridos de sorgo apresentam maior produção de matéria seca por unidade de área que o milho (Cândido et al., 2002). No entanto, devido à grande disponibilidade de híbridos no mercado, com características fenotípicas e nutricionais distintas, é importante identificar aqueles que oferecem a melhor resposta animal.
Mostrar mais

62 Ler mais

Levedura viva e levedura inativa autolisada como aditivos para bovinos

Levedura viva e levedura inativa autolisada como aditivos para bovinos

A dieta utilizada, com 80% de concentrado, sendo este composto de cerca de 80% de fubá de milho, finamente moído, foi estrategicamente escolhida a fim de ocasionar maior produção de ácido lático no rúmen, com consequente queda demasiada do pH deste compartimento, o que permitiria o pleno estudo da atividade dos diferentes aditivos/níveis testados. Monnerat (2009) também relatou o mesmo problema, em que a dieta utilizada, mesmo preconizando a grande ingestão de amido, não conduziu a um significativo declínio do pH ruminal. Entretanto, em seu estudo, o uso da levedura na dose de 2,5 g/100 kg PC mostrou-se eficiente em aumentar o pH acima do observado no tratamento controle.
Mostrar mais

50 Ler mais

Protozoários ciliados do rúmen de bovinos e bubalinos alimentados com dietas suplementadas com monensina ou própolis.

Protozoários ciliados do rúmen de bovinos e bubalinos alimentados com dietas suplementadas com monensina ou própolis.

Resumo – O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de dietas suplementadas com monensina ou produtos à base de própolis, nas populações de protozoários ciliados no rúmen de bovinos (Bos taurus) e bubalinos (Bubalus bubalis). Quatro bovinos da raça Holandesa e quatro búfalos da raça Murrah adultos, ! stulados no rúmen, foram distribuídos em delineamento quadrado latino (4x4). A dieta constituiu-se de 50% de silagem de milho e 50% de concentrado à base de milho em grãos e farelo de soja, com adição de monensina sódica ou aditivo à base de própolis LLOSA2 ou LLOSC1. As amostras do conteúdo ruminal foram coletadas duas horas após a alimentação. O gênero Entodinium foi o mais representativo em todos os tratamentos, para ambas as raças de ruminantes. Em búfalos, foi observado o efeito redutor do tratamento LLOSC1 nas populações do gênero Entodinium, além do efeito redutor dos tratamentos monensina e LLOSA2 sobre os gêneros da subfamília Diplodiniinae. A média de ciliados foi maior em bubalinos (56x10 4 mL -1 ) do que em bovinos (26x10 4 mL -1 ).
Mostrar mais

6 Ler mais

Efeitos da monensina sobre a fermentação e sensibilidade de bactérias ruminais de bovinos sob dietas ricas em volumoso ou concentrado.

Efeitos da monensina sobre a fermentação e sensibilidade de bactérias ruminais de bovinos sob dietas ricas em volumoso ou concentrado.

ABSTRACT - The objective of this experiment was to evaluate the effects of monensin on changes of fermentation pattern and resistance to intracellular potassium losses from ruminal bacteria of four cattle receiving high forage or high concentrate diets. The bacteria obtained by differential centrifugation were resuspended in a low potassium media. The intracellular potassium losses were measured after 10 minutes of incubation at increasing levels of monensin. The fermentation products were obtained after 24 hours of culture incubation with grass hay (100 mg/10 mL). Bacteria taken from cattle fed with 90% concentrate diet produced half as much methane and had 2-fold lower acetate to propionate ratio than bacteria from cattle fed forage. More monensin was required to decrease the methane production and the acetate to propionate ratio of bacteria from cattle fed 90% concentrate than bacteria from cattle fed forage. The amount of monensin needed to cause half of the maximal potassium intracellular losses in bacteria from animals fed 90% concentrate was 12- fold greater than the amount needed for bacteria taken from forage-fed cattle. Once those bacteria from forage-fed cattle are inherently more sensitive to monensin than bacteria from concentrate-fed cattle diets, a greater benefit of monensin on animal performance in high forage diets is expected.
Mostrar mais

7 Ler mais

Efeito da inclusão da torta de macaúba na população de protozoários do rúmen de vacas leiteiras.

Efeito da inclusão da torta de macaúba na população de protozoários do rúmen de vacas leiteiras.

The effects of meal macaúba (MM) inclusion on the concentration and profile of the ciliate protozoa of the bovine rumen were evaluated. Eight Holstein cows were used during second lactation, with average 480 kg of body weight, arranged in two 4x4 Latin squares simultaneously and fed four diets with different concentrations of the MM (0, 100, 200 and 300 g kg -1 ). For identification and quantification of protozoa, samples of ruminal fluid from each animal with 1 ml were diluted in 9 mL of 10% formaldehyde. After consecutive decimal dilutions in saline solution, protozoa were assessed in a Sedgewick chamber. The identification was carried out under the optical light microscope using a 40x objective to characterize at least 100 individuals per sample. The concentrations of small (P<0.01), medium (P=0.05), large (P= 0.01), and the total number (P<0.01) of protozoa decreased linearly with the increasing MM inclusion. Morphological characteristics typical of 16 genera of ciliates were found, being the Entodinium spp. and Eodinium spp. the most frequent in the rumen fluid of animals evaluated.  The profile of the population of ciliated protozoa suffer minor changes with the addition of MM, with a change in the percentage share of Charonina spp. (P = 0.03) and Polyplastron spp. (P <0.01). The use of the MM in the cattle diet promotes reduction in the concentration and change in the profile of the population of rumen ciliates protozoa.
Mostrar mais

7 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados