Top PDF Morfologia de sementes e desenvolvimento pós-seminal de Physalis angulata L.

Morfologia de sementes e desenvolvimento pós-seminal de Physalis angulata L.

Morfologia de sementes e desenvolvimento pós-seminal de Physalis angulata L.

RESUMO – (Morfologia de sementes e desenvolvimento pós-seminal de Physalis angulata L.) Physalis angulata é conhecida como camapu, mullaca ou juá-de-capote e pertence à família Solanaceae. Esta espécie possui importância medicinal, pela presença dos vitaesteróides conhecidos como fi salinas e, atualmente, na alimentação. Essa espécie se propaga facilmente por sementes, motivo pelo qual ela é tida como infestante de outras culturas. Nesse sentido, a identifi cação da espécie ainda nos estágios iniciais de crescimento confunde com as demais infestantes, tornando difícil a sua caracterização taxonômica. Assim, o objetivo deste trabalho foi caracterizar morfologicamente as sementes e o desenvolvimento pós-seminal de Physalis angulata. Os ensaios foram desenvolvidos no Laboratório de Germinação da Unidade Experimental Horto Florestal, Feira de Santana - BA. Para tanto foram realizadas análises morfométricas das sementes (4 repetições de 25) e analisadas suas características externas e internas com auxilio de microscópico estereoscópico. Para a descrição das plântulas da espécie foram utilizadas placas de petri contendo duas folhas de papel fi ltro (4 repetições de 20 sementes) e umedecidos com água destilada. As sementes foram colocadas em câmara de germinação à 35°C (fotoperíodo de 12 horas) até a emissão dos cotilédones. A metodologia para descrição do desenvolvimento pós-seminal foi realizada em condições de casa de vegetação e consistiu em avaliações realizadas cinco dias após a semeadura (emissão dos cotilédones) e no intervalo de até 15 dias (emissão de eófi los e metáfi los) no qual foram utilizados 2 repetições de 20 vasos. As sementes apresentaram em média 1,55 mm de comprimento, 1,26 mm de largura e 0,43 mm de espessura. O período de análise foi sufi ciente para carac- terizar as sementes e plântulas da espécie, permitindo a adoção de critérios de anormalidade.
Mostrar mais

4 Ler mais

Germinação e morfologia do desenvolvimento pós-seminal de sementes de Nim-indiano (Azadirachta indica A. Juss. - Meliaceae).

Germinação e morfologia do desenvolvimento pós-seminal de sementes de Nim-indiano (Azadirachta indica A. Juss. - Meliaceae).

RESUMO - Azadirachta indica A. Juss. é uma espécie nativa das regiões áridas da Ásia e África, mas que atualmente encontra-se distribuída também nas Américas e outras regiões de clima tropical e sub-tropical. É uma planta muito resistente, que apresenta excelentes propriedades medicinais. O objetivo deste trabalho foi definir o tipo de substrato e a temperatura mais adequada à germinação de sementes de nim-indiano (Azadirachta indica A. Juss.) e conhecer a morfologia de seu desenvolvimento pós-seminal, caracterizando as plântulas normais e o tipo de germinação. As sementes foram semeadas nos substratos vermiculita, areia e rolo de papel germitest e mantidas em germinador nas temperaturas de 25°C, 30°C, 35°C e 20°30°C. O delineamento estatístico utilizado foi o inteiramente casualizado, com quatro repetições de 25 sementes, avaliando-se a porcentagem de germinação. Os melhores resultados da germinação são verificados na temperatura constante de 35°C, nos substratos vermiculita e em rolo de papel com contagens de 15 e 30 dias. As plântulas normais são caracterizadas como de germinação epígea.
Mostrar mais

8 Ler mais

Morfologia de sementes e do desenvolvimento pós-seminal de espécies de Bromeliaceae.

Morfologia de sementes e do desenvolvimento pós-seminal de espécies de Bromeliaceae.

RESUMO – (Morfologia de sementes e do desenvolvimento pós-seminal de espécies de Bromeliaceae). O estudo teve como objetivos caracterizar as sementes, fornecendo informações sobre o tipo e o tempo médio de germinação e de formação de plântulas, além de descrever a morfologia do desenvolvimento pós-seminal de seis espécies de Bromeliaceae. Os resultados mostram germinação do tipo epígea e plântulas criptocotiledonares para todas as espécies. As porcentagens máximas de germinação obtidas, acima de 80%, indicam alta qualidade fisiológica das sementes. O tempo médio de germinação e de formação de plântulas foi de 4-15 e 8-18 dias, respectivamente. As sementes são filiformes a elípticas, lisas ou com apêndices plumosos. Os caracteres morfológicos mais relevantes para a diferenciação entre gêneros e subfamílias de Bromeliaceae referem-se à forma e ao tipo de apêndices das sementes, e na forma e tamanho da bainha cotiledonar, hipocótilo e raiz primária das plântulas, subsidiando estudos taxonômicos, ecológicos e na área de tecnologia de sementes.
Mostrar mais

13 Ler mais

Germinação de sementes de jenipapo: temperatura, substrato e morfologia do desenvolvimento pós-seminal.

Germinação de sementes de jenipapo: temperatura, substrato e morfologia do desenvolvimento pós-seminal.

RESUMO - O presente trabalho teve como objetivos definir o tipo de substrato e a temperatura mais adequados à germinação de sementes de jenipapo (Genipa americana L.), conhecer a morfologia das sementes e seu desenvolvimento pós-seminal, caracterizando as plântulas normais, o tipo de germina- ção e os padrões de anormalidade. Para tanto, realizou-se um experimento colocando-se as sementes sobre os seguintes substratos: papel, vermiculita e solo, nas temperaturas constantes de 20°C, 25°C, 30°C, e 35°C e alternada de 20°C-30°C. O delineamento estatístico empregado foi o inteiramente casualizado (5 x 3), com quatro repetições de 50 sementes. Foram analisados os parâmetros germinação normal (%) e velocidade de germinação. Os melhores resultados foram obtidos nas temperaturas cons- tantes de 25°C, 30°C e 35°C, e nos substratos vermiculita e solo.
Mostrar mais

7 Ler mais

Substrato, temperatura de germinação e desenvolvimento pós-seminal de sementes de Dalbergia nigra.

Substrato, temperatura de germinação e desenvolvimento pós-seminal de sementes de Dalbergia nigra.

Resumo – O objetivo deste trabalho foi definir o tipo de substrato e a temperatura mais adequada à germinação de sementes de Dalbergia nigra (Vell.) Fr. All. Ex Benth (jacarandá-da-bahia), e conhecer a morfologia de seu desenvolvimento pós-seminal e caracterizar as plântulas normais, o tipo de germinação e os padrões de anorma- lidade. As sementes foram semeadas nos substratos sobre papel, rolo de papel e sobre vermiculita, nas tempera- turas constantes de 20, 25, 30 e 35°C e alternadas de 20–30°C e 20–35°C. O delineamento estatístico empregado foi o inteiramente casualizado (6x3), com quatro repetições de 50 sementes. Foram analisados os seguintes parâmetros: porcentagem de germinação normal (plântulas normais) e velocidade de emergência de plântulas. Os melhores resultados foram verificados nas temperaturas de 25°C e 20–30°C, nos substratos sobre vermiculita e rolo de papel. Plântulas normais foram caracterizadas como faneroepígeas em relação ao tipo de germinação. Termos para indexação: morfologia da plântula, sementes florestais nativas, jacarandá-da-bahia.
Mostrar mais

7 Ler mais

Germinação de sementes de Physalis angulata L.: estádio de maturação do cálice e forma de armazenamento.

Germinação de sementes de Physalis angulata L.: estádio de maturação do cálice e forma de armazenamento.

Estudos sobre sementes de Physalis sp. abor- dam vários aspectos, como propriedades farmacoló- gicas com ação antimicrobiana e anticâncer (Lopes et al. 2006, Soares et al. 2006), morfologia de sementes, testes de vigor e osmocondicionamento (Souza et al. 2010, Souza et al. 2011, Oro et al. 2012). No entanto, veriica-se que são escassas pesquisas que indicam o melhor ponto de colheita dos frutos, para a obtenção de sementes, visando a constituir novas semeaduras. Rufato et al. (2008) recomendam a colheita de Physalis sp. para o consumo humano quando o cálice apresenta coloração amarela, por se constituir uma opção para obtenção de frutos de melhor qualidade. Tal fato é importante, pois a sua colheita no momento
Mostrar mais

6 Ler mais

Caracterização morfológica de frutos, de sementes e do desenvolvimento pós-seminal de Licania tomentosa (Benth.) Fritsch.

Caracterização morfológica de frutos, de sementes e do desenvolvimento pós-seminal de Licania tomentosa (Benth.) Fritsch.

O presente trabalho teve por objetivo descrever a morfologia do fruto, da semente e do desenvolvimento pós- seminal de oiti (Licania tom entosa (Benth.) Fritsch.). As sementes e os frutos foram avaliados quanto às dimensões e forma por meio de mensurações com paquímetro digital e observações realizadas em microscópio estereoscópico e microscópio eletrônico de varredura. Os frutos de oiti são drupáceos, elípticos, monospérmicos, carnosos, indeiscentes, com pedúnculos não articulados, epicarpo liso, glabro, de coloração amarela a alaranjada, mesocarpo carnoso, fibroso, coloração amarela a laranja e endocarpo membranáceo, de coloração branca a creme, medindo aproximadamente 6,19cm de comprimento, 3,3cm de largura, 39,5g de massa fresca e 17,3g de massa seca. As sementes são exalbuminosas, de forma elíptica, com tegumento liso, de coloração marrom, de cartáceo a coriáceo, com rafe visível longitudinalmente, micrópila inconspícua e hilo pouco aparente, com cotilédones crassos, elípticos e plano-convexos, de coloração creme a levemente rósea. O embrião é diminuto, reto, central, com eixo embrionário diferenciado em plúmula e eixo hipocótilo- radicular. O comprimento, largura e massa fresca e seca das sementes são cerca de 4,07, 2,18cm, 12,7 e 7,2g, respectivamente. A germinação é criptocotiledonar hipógea, com eófilos alterno-dísticos e lanosos, com estômatos paracíticos e duas glândulas na base do limbo ou, raramente no ápice, na face abaxial da folha.
Mostrar mais

8 Ler mais

Morfologia de frutos, sementes e plântulas e germinação de sementes de Erythrina variegata L..

Morfologia de frutos, sementes e plântulas e germinação de sementes de Erythrina variegata L..

ABSTRACT - Morphological characterization of fruits and seeds provides subsidies for species differentiation and characterization of ecological aspects of plants, such as dispersion, seedling establishment and ecological succession phase . Thereare few studies reported in regard to Erythrina variegata L. and in the literature there is no information about its behavior, especially about its system of propagation in the State of Espírito Santo. The objective of this study was to investigate the morphology of the fruits, seeds and seedlings of this species, characterizing the fruits externally, the seeds internally and externally, and describing the process of development and differentiation of the phases of the seedlings, as well as collecting information regarding the seed germination, using a completely randomized experimental design with the following treatments: intact seeds (control); mechanical scarification with sandpaper number 120, on the opposite side to the embryo; scarification with sandpaper and posterior soaking in water at ambient temperature for 6, 12 and 24 hours; thermal shock; and soaking in water at ambient temperature for 12 and 24 hours. The seeds did not show themselves impermeable to water through their teguments, thus, not requiring pre-germination treatments.
Mostrar mais

10 Ler mais

Bioaccessibility of the bioactive compounds and antimicrobial activity of aqueous extracts of Physalis angulata L.

Bioaccessibility of the bioactive compounds and antimicrobial activity of aqueous extracts of Physalis angulata L.

The technological potential of the aqueous extract (decoction) of Physalis angulata leaves was evaluated by Kusumaningtyas et al. (2015), and that showed contents of phenolic compounds of 49000 mg GAE/100 g of dry extract. Susanti et al. (2015) in their studies with aqueous extracts of P. angulata leaves obtained by subcritical water extraction and conventional methods, maceration and decoction, reported levels of phenolic compounds of 80620 mg GAE/100 g DE (100 °C), 58940 mg GAE/100 g DE and 63320 mg GAE/100 g DE, respectively. These authors observed that the temperature of extraction had a significant effect on the phenolic compound content, corroborating the findings of the present study, since the highest levels of phenolic compounds were obtained using the decoction extraction method. The use of high temperatures can facilitate extraction by promoting the permeability of plant cells, increasing solubility and, consequently, facilitating the diffusion of the substances to be extracted (SILVA; GARCIA; FRANCISCATO, 2016).
Mostrar mais

9 Ler mais

Jorge R. Montenegro Gomez   A ANCORAGEM INSTITUCIONAL DO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL RURAL NA AMÉRICA LATINA

Jorge R. Montenegro Gomez A ANCORAGEM INSTITUCIONAL DO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL RURAL NA AMÉRICA LATINA

Não seria, portanto, um ente personificado (num país, numa instituição, menos ainda, numa pessoa) que atua de forma homogênea e decide autonomamente sobre os rumos da sociedade. Nem só uma estratégia econômica orientada à reprodução do capital. Esse desenvolvimento se refere também a uma urdidura de saberes, práticas e poderes caracterizados por: a) serem instrumentos eficazes de controle social que ganharam o status de verdade incontestada, através de uma propaganda insistente e efetiva promovida por instituições amplamente capazes; b) fortalecerem os princípios econômicos, sociais, políticos e culturais da sociedade capitalista, consolidando-a como única opção possível de articulação social; c) serem funcionais à reprodução e acumulação desigual do capital e, em nenhum caso, melhorarem substancial e generalizadamente a situação econômica ou o bem-estar social da população.
Mostrar mais

17 Ler mais

Caracterização morfológica de frutos e sementes e desenvolvimento pós-seminal de monjoleiro (Acacia polyphylla DC.)

Caracterização morfológica de frutos e sementes e desenvolvimento pós-seminal de monjoleiro (Acacia polyphylla DC.)

postas, bipinadas e pilosas (Figura 8A e 8B). O hipocótilo, longo e cilíndrico, se apresenta engrossado na base, medindo 3,5cm de comprimento (Figura 8B). Nesta fase do desenvol- vimento, os cotilédones apresentam-se sem o tegumento, em expansão e são opostos, sésseis, muito delicados, de consis- tência coriácea, glabros, oblongos, com ápice arredondado levemente ondulado, base sagitada, bordos inteiros e de co- loração verde, estando inseridos nos nós cotiledonares por meio de curtos pecíolos. Este comportamento, segundo Ducke (1965), caracteriza a germinação faneroepígea. Aos sete dias do desenvolvimento das plântulas, constatou-se um alonga- mento dos pecíolos e dos cotilédones, bem como, a presença das primeiras raízes secundárias (Figura 8C) e aos dez dias, observou-se a emissão da primeira gema axilar (Figura 8D) e raízes secundárias mais desenvolvidas. A raiz principal atin- giu, neste estágio do desenvolvimento, comprimento médio de 6,5cm. Com quatorze dias observou-se a presença de dois pares de folíolos contendo, em média, 11 pinas (Figura 8E). Verificou-se, também, o surgimento de novas gemas axilares e sinais de senescência dos cotilédones que, com dezesseis dias, começaram a cair. O hipocótilo e a raiz primária atingi- ram, nesta fase, as médias de 7,0cm e 7,5cm de comprimen- to, respectivamente.
Mostrar mais

9 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE MARIA DE LOURDES VICENTE DA SILVA GRITOS, SILÊNCIOS E SEMENTES:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE MARIA DE LOURDES VICENTE DA SILVA GRITOS, SILÊNCIOS E SEMENTES:

Ao ritmo das lutas históricas dos povos e movimentos sociais, a América Latina iniciou um caminho de mudanças sem precedentes, de desenvolvimento do pensamento crítico, reforçando o projeto socialista, a construção do Bom Viver / Viver Bem, cristalizado em processos de transição que estão comprometidos com a descolonização e por profundas transformações, que levem a sociedades de igualdade, justiça e soberania, bem como a harmonia entre os seres humanos e a natureza. Para as mulheres rurais de nossa América, reunidas na metade do mundo, o reconhecimento dos direitos da Pachamama (Mãe Terra) e de nossos deveres para com ela, a afirmação da diversidade da economia como produtiva, a prioridade da reprodução da vida e não do capital, é uma realização significativa das reivindicações históricas das campesinas rurais, indígenas e afrodescendentes. (…) Nós nos comprometemos a continuar a luta pela soberania alimentar, por nossas formas de vida, pela agricultura camponesa e por modos de distribuição de reciprocidade, que são desenvolvidos em harmonia com a natureza, dentro da qual temos implantado o exercício criativo da agricultura. (…) Nós rejeitamos as visões capitalistas que predominam na agricultura, que privatizaram a terra e a água e que impõem a dinâmica das empresas que destroem a vida rural. Nós nos opomos a transnacionalização da produção de alimentos e à lógica da acumulação de ganhos do capital, que continuam a servir como objetivo a humanidade e nossas vidas, para as subordinar aos seus interesses. A América Latina que queremos construir é uma que se construa de um relacionamento harmonioso e de interdependência entre os seres humanos, constituídos como iguais, que orientem sua ação tendo em conta a sustentabilidade da vida. A América Latina a que aspiramos é uma compilação de convivência e solidariedade entre povos e culturas diversas, descolonizada, sem machismo ou racismo. (…) Queremos uma região e um mundo livre de todas as formas de violência, seja machista, patriarcal, capitalista ou imperialista. (…) Levantamos nossas vozes em uníssono em defesa da Mãe Terra como um todo e por uma reforma agrária integral, que garanta o acesso das mulheres a terra. Nós levantamos nossas vozes em defesa da soberania alimentar, produção e distribuição baseadas em economias solidárias e comunitárias, e não nos esquemas desleais e predatórios do capitalismo.
Mostrar mais

364 Ler mais

Estudo farmacobotânico comparativo entre Nicandra physalodes e Physalis angulata (Solanaceae).

Estudo farmacobotânico comparativo entre Nicandra physalodes e Physalis angulata (Solanaceae).

ABSTRACT: “Comparative pharmacobotanical study on Nicandra physalodes and Physalis angulata (Solanaceae)”. In this work a morphoanatomical comparative characterization was carried out between the leaves of Nicandra physalodes (L.) Gaertn. and Physalis angulata L. (Solanaceae) species used in folk medicine, whose leaves are indicated as diuretic and febrifuge. The botanical identifi cation and macroscopical morphodiagnosis were made after morphological studies. The microscopical morphodiagnosis were carried out by paradermic and transversal cuts of the leaves (blade and petiole), clarifi ed and coloured with safranin and astrablue. Moreover the morphological characters of the fl ower and fruit, of the two species can be distinguished by the following characters: N. physalodes has the bundle vascular of the middle vein in arc format; P. angulata has the vascular bundle of the middle vein in a semi-circle format; druses in the mesophyll of P. angulata; and the presence of trichomes glandular-estipitate with bisseriate head in N. physalodes. The morphology of fl ower and fruit and the anatomy of mesophyll, the vascular bundles of middle vein are the principal distinctive characters between them.
Mostrar mais

8 Ler mais

SILVANA MARIA CAIXÊTA A FORMAÇÃO DE GESTORES DE ESCOLA E O DESENVOLVIMENTO DO PERFIL DA GESTÃO PEDAGÓGICA: O CASO DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE UNAÍMG

SILVANA MARIA CAIXÊTA A FORMAÇÃO DE GESTORES DE ESCOLA E O DESENVOLVIMENTO DO PERFIL DA GESTÃO PEDAGÓGICA: O CASO DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE UNAÍMG

O documento está dividido em quatro unidades. A unidade I demonstra como a relação desenvolvimento-aprendizagem é cotejada pelas principais correntes psicológicas (behaviorismo, construtivismo e sociointeracionismo), além de evidenciar as condições em que ocorre a aprendizagem dos alunos e o que pode favorecê-la no âmbito da escola. Os temas possibilitam à equipe gestora analisar e tomar decisões relativas a questões de ensino e aprendizagem. Já a unidade II analisa o trabalho coletivo na escola, a organização (ensino, o tempo e o espaço), o currículo, a LDB e o trabalho pedagógico. Aborda, ainda, a importância do papel do gestor como articulador do trabalho da equipe escolar na busca coletiva de soluções apropriadas ao contexto da instituição. As condições facilitadoras da aprendizagem dos alunos em sala de aula são abordadas na unidade III, incluindo também a questão da interação entre processo de ensino e aprendizagem - professor e aluno - para se alcançar o conhecimento. Essa unidade ressalta ainda a atuação do gestor na promoção de condições, para que a relação aluno-professor-conhecimento seja proveitosa para todos. Na última unidade, o tema gerador é a avaliação do rendimento escolar, discutindo o papel da avaliação e sua importância para a aprendizagem e abordando esses processos em uma nova dimensão, com vistas a construir uma escola democrática. Ao final de cada unidade do caderno de estudos do Módulo IV, a autora recomenda leituras e, para cada obra, tece uma apresentação. Além do caderno de estudos, faz parte dos materiais instrucionais o caderno de atividades com práticas para discussão, abordando problemas comuns ligados ao ensino e à aprendizagem.
Mostrar mais

111 Ler mais

Flávia Aparecida Factore Trambaioli¹, Renata Dellalibera-Joviliano² (O)

Flávia Aparecida Factore Trambaioli¹, Renata Dellalibera-Joviliano² (O)

O desenvolvimento organizacional está diretamente relacionado ao conceito de mudança e a capacidade da organização em se adaptar a estas mudanças. Vivemos em constante evolução e dentro das organizações isso também acontece com frequência. Objetivos são renovados, criados, necessidades surgem e com elas surgem novas atividades, a tecnologia avança, os produtos sofrem constantes alterações em busca da qualidade, e as pessoas tendem a também desenvolver-se modificando seu comportamento e atitude, gerando novos desejos e criando novos problemas. A missão do desenvolvimento organizacional é dedicar-se à mudança planejada da organização. Sua busca na melhora dos processos e na resolução dos problemas deve ser baseada no aculturamento de uma administração mais colaborativa e efetiva (CHIAVENATO, 2009).
Mostrar mais

12 Ler mais

Desenvolvimento de sementes e de estruturas secretoras de bixina em urucum (Bixa orellana L.): aspectos anatômicos e químicos

Desenvolvimento de sementes e de estruturas secretoras de bixina em urucum (Bixa orellana L.): aspectos anatômicos e químicos

RESUMO – As sementes de urucum (Bixa orellana L.) apresentam dormência e ainda são pouco estudadas anatomicamente, embora a principal forma de propagação da cultura seja a partir de sementes. Este trabalho teve como objetivo caracterizar o desenvolvimento e o acúmulo de material de reserva de sementes de urucum, por meio de análises anatômicas, histoquímicas e bromatológicas. Sementes de urucum foram coletadas em diferentes fases de desenvolvimento, desde a antese até 180 dias após a antese, com intervalos de 5 a 15 dias. O material foi processado de acordo com técnicas usuais em microscopia de luz e submetido à análise bromatológica para detecção de amido, açúcares solúveis, lipídios e proteínas. O óvulo é anátropo, bitegumentado e crassinucelado. O tegumento externo é composto por 3-5 camadas de células e o tegumento interno por 4-6 camadas, que não proliferam durante o desenvolvimento das sementes, apenas dividem-se anticlinalmente. O endosperma é nuclear e a celularização se inicia quando o embrião está passando do estádio globular para cordiforme e as células do nucelo se encontram degradadas. A semente é bitegumentada e tégmica. A testa é parenquimatosa e com predomínio de estruturas secretoras de bixina. A principal camada mecânica é uma camada de células esclerificadas em paliçada que constitui o exotégmen, mas o restante do tégmen também apresenta esclerificação e acumulam compostos fenólicos. O endosperma acumula lipídio, amido e proteínas, enquanto o embrião acumula prioritariamente lipídios e proteínas. Açúcares solúveis também são acumulados nas sementes. O acúmulo de proteínas é mais tardio que o acúmulo de lipídio e amido. As sementes maduras podem ser consideradas sem dormência morfológica, uma vez que o embrião já está completamente desenvolvido e circundado pelo endosperma rico em reservas. A dormência é imposta por características do tegumento, como esclerificação e acúmulo de compostos fenólicos no tégmen e formação de tampão calazal.
Mostrar mais

63 Ler mais

2 O Coaching e seus Tipos mais Comuns

2 O Coaching e seus Tipos mais Comuns

Resumo: Este artigo científico visa a responder, por meio de revisão bibliográfica, se o Coaching é uma ferramenta de desenvolvimento de lideranças que veio para ficar no universo da gestão de pessoas ou se não passa de modismo. A partir de dados de outros países e do Brasil, explicará os tipos de Coaching e sua importância. Com foco especial no Coaching para executivos, abordará suas características, a quem é destinado, formas de fazê-lo, dificuldades que podem atrapalhar o processo e o tipo de resultado que uma empresa pode obter a partir do uso deste tipo instrumento. Tentará, ainda, vislumbrar o futuro do Coaching no mundo da administração de empresas.
Mostrar mais

15 Ler mais

As Etapas do Processo de Treinamento

As Etapas do Processo de Treinamento

Nos dias atuais o treinamento é tido como peça chave no processo de desenvolvimento organizacional e, nesse sentido, torna-se necessário pensar que, em um mundo capitalista, o ser humano constitui-se em uma das maiores riquezas das organizações, mesmo diante de tantas inovações (CHIAVENATO, 2008). As organizações começam a considerar o desenvolvimento dos recursos humanos como um fator de extrema importância para o seu crescimento, passando a planejar e realizar propostas educativas para os seus colaboradores no local de trabalho. Sendo assim, o setor de Gestão de Pessoas de uma empresa deve ter destaque, pois cabe a este setor o papel fundamental dentro da organização de administrar, planejar, recrutar, selecionar pessoas, e principalmente treinar, objetivando o desenvolvimento das competências individuais e coletivas.
Mostrar mais

10 Ler mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE: DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE: DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001

• Definição da Política da Qualidade: Pode-se verificar que o processo de definição da política de qualidade dentro da empresa teve início através da decisão da alta diretoria. A direção estabeleceu uma Política de Qualidade que garantiu a conformidade na condução das atividades da empresa com a norma da ISO 9001, sempre buscando a excelência no desenvolvimento dos processos, a melhoria da satisfação dos clientes, a definição e divisão de responsabilidades. A base do sistema de qualidade esteve focada em melhoria contínua, sendo verificada regularmente com o intuito de atender os avanços do próprio sistema, ficando definido o slogan da política da qualidade da seguinte maneira: “Melhorar continuamente nossos serviços de distribuição de energia, buscando a permanente satisfação de clientes, acionistas, parceiros, colaboradores e poder concedente”;
Mostrar mais

9 Ler mais

Innovation and strategic management for the new competitive scenarios of the 21

Innovation and strategic management for the new competitive scenarios of the 21

Este estudo aborda uma análise contextual e estratégica do tema “inovação”, tendo como objetivo despertar essa temática pouco explorada, sobretudo perante as instituições de ensino superior, o que é essencial, pois os formandos de hoje serão os gestores, colaboradores e empresários de amanhã e, sem dúvida, deverão superar muitas adversidades ambientais, que difi cultarão o cumprimento dos objetivos organizacionais, além da necessidade de uma formação profi ssional mais completa para que, com a sua colaboração em termos macro, possam efetivamente atuar como elementos atuantes do desenvolvimento socioeconômico do país perante os atuais cenários estratégicos. Foi utilizada como método a pesquisa descritiva, com este artigo abordando o conceito de inovação, os seus mandamentos, as três formas de se realizar a mudança nas organizações, o processo de criação das organizações e o case do Cirque du Soleil, com isso abordou-se mais o aspecto da inovação em produtos, mas há de se estudar e analisar futuramente a questão da inovação por processos e a por serviços.
Mostrar mais

8 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados