Top PDF Musgos acrocárpicos das matas de galeria da Reserva Ecológica do IBGE, RECOR, Distrito Federal, Brasil.

Musgos acrocárpicos das matas de galeria da Reserva Ecológica do IBGE, RECOR, Distrito Federal, Brasil.

Musgos acrocárpicos das matas de galeria da Reserva Ecológica do IBGE, RECOR, Distrito Federal, Brasil.

RESUMO – (Musgos acrocárpicos das Matas de Galeria da Reserva Ecológica do IBGE, RECOR, Distrito Federal, Brasil). A Reserva Ecológica do IBGE, localizada a 35 km ao sul do centro da cidade de Brasília é uma das Áreas Núcleo da Reserva da Biosfera do Cerrado, criada pela UNESCO. Neste trabalho são apresentados os musgos acrocárpicos que alí ocorrem e que são representados por 12 famílias e 26 espécies sendo Bryaceae (cinco) a de maior riqueza específica. Foram encontradas quatro novas ocorrências para o Distrito Federal e duas para a região Centro-Oeste. São apresentadas chaves, cometários, distribuição geográfica e diagnoses.
Mostrar mais

9 Ler mais

Musgos pleurocárpicos das matas de galeria da Reserva Ecológica do IBGE, RECOR, Distrito Federal, Brasil.

Musgos pleurocárpicos das matas de galeria da Reserva Ecológica do IBGE, RECOR, Distrito Federal, Brasil.

RESUMO – (Musgos pleurocárpicos das matas de galeria da Reserva Ecológica do IBGE, RECOR, Distrito Federal, Brasil). A Reserva Ecológica do IBGE, localizada a 35 km ao sul do centro da cidade de Brasília é possuidora de área representativa do bioma cerrado sendo uma das Áreas Núcleo da Reserva da Biosfera do Cerrado, criada em 1993, pela UNESCO. Neste trabalho são apresentados os musgos pleurocárpicos que ocorrem na reserva e que estão representados por nove famílias e 15 espécies. A família com maior número de especies encontrada é Sematophyllaceae (quatro). Foram encontradas cinco novas ocorrências para o Distrito Federal e seis para a região Centro-Oeste. São apresentadas chaves e diagnoses.
Mostrar mais

9 Ler mais

Dinâmica metapopulacional e diversidade β de drosofilídeos (Insecta, Diptera) associados a matas de galeria no cerrado do Distrito Federal

Dinâmica metapopulacional e diversidade β de drosofilídeos (Insecta, Diptera) associados a matas de galeria no cerrado do Distrito Federal

Este estudo foi realizado em quatro áreas protegidas (APs) do Cerrado no Distrito Federal: Estação Ecológica de Águas Emendadas (ESECAE), Parque Nacional de Brasília (PNB), Estação Ecológica do Jardim Botânico de Brasília (EEJBB) e Reserva Ecológica do IBGE (RECOR). Essas áreas protegidas são de grande importância para o Cerrado, pois abrigam nascentes de rios que abastecem diferentes bacias hidrográficas e contêm amostras representativas das principais fitofisionomias do Cerrado (campos abertos, savanas arbustivas, cerradões e matas da galeria), sendo por isso consideradas áreas núcleo da Reserva da Biosfera do Cerrado no Distrito Federal, reconhecida pela UNESCO em 1993. A ESECAE, localizada na porção nordeste do Distrito Federal (15º32’S; 47º33’W), a 40 km do centro de Brasília, compreende uma área de cerca de 10.500 ha (Silva & Felfili 1996). O PNB, abrangendo uma área de aproximadamente 42.000 ha, está localizado no norte do Distrito Federal (15°35'S; 47°53'W). É a maior área de proteção integral do Distrito Federal, ocupando 7,31% do seu território (MMA & TNC 2007). A EEJBB ocupa uma área de 4.500 ha e é contigua à RECOR, estando situadas a 35 km ao sul de Brasília (EEJBB-15°55’S; 47°55’W e RECOR-15 o 56'S; 47 o 53'W). A RECOR possui uma área de 1.350 ha e faz limite a nordeste com a EEJBB. Além da matriz urbana (cidade de Brasília), que isola as áreas amostradas, existem também diferentes tipos de matrizes agropastoris que juntas inviabilizam ou reduzem o fluxo de indivíduos entre elas.
Mostrar mais

103 Ler mais

Musgos urbanos do recanto das Emas, Distrito Federal, Brasil.

Musgos urbanos do recanto das Emas, Distrito Federal, Brasil.

Neste contexto, a brioflora do Distrito Federal é particularmente pouco conhecida. Os trabalhos que citam briófitas para a região, o fazem dentro de contexto mais amplo de briófitas do cerrado, ou de revisões de gêneros e teses que incluem material do DF. Os primeiros estudos específicos para a região foram realizados pelo pesquisador científico Daniel Vital, do Instituto de Botânica de São Paulo, em expedição a Brasília em 1984, sem que os resultados fossem devidamente publicados. Após quase uma década deste evento, uma listagem prévia para a região do cerrado foi preparada por Filgueiras e Pereira (1993). Recentemente, foi feito o levantamento das briófitas das matas de galeria da Reserva Ecológica do IBGE, DF (Câmara 2002).
Mostrar mais

7 Ler mais

MUSGOS URBANOS DO RECANTO DAS EMAS, DISTRITO FEDERAL, BRASIL

MUSGOS URBANOS DO RECANTO DAS EMAS, DISTRITO FEDERAL, BRASIL

Neste contexto, a brioflora do Distrito Federal é particularmente pouco conhecida. Os trabalhos que citam briófitas para a região, o fazem dentro de contexto mais amplo de briófitas do cerrado, ou de revisões de gêneros e teses que incluem material do DF. Os primeiros estudos específicos para a região foram realizados pelo pesquisador científico Daniel Vital, do Instituto de Botânica de São Paulo, em expedição a Brasília em 1984, sem que os resultados fossem devidamente publicados. Após quase uma década deste evento, uma listagem prévia para a região do cerrado foi preparada por Filgueiras e Pereira (1993). Recentemente, foi feito o levantamento das briófitas das matas de galeria da Reserva Ecológica do IBGE, DF (Câmara 2002).
Mostrar mais

8 Ler mais

Briófitas de matas de galeria da APA de Cafuringa, Brasília, DF - Brasil

Briófitas de matas de galeria da APA de Cafuringa, Brasília, DF - Brasil

O Bioma Cerrado é um importante corredor ecológico que integra outros grandes Biomas, pois apresenta nascentes de três grandes bacias sul-americanas: a Bacia Amazônica, a Bacia Platina e a Bacia do São Francisco. Dentre as fitofisionomias do Cerrado, as matas de galeria são formações florestais associadas aos cursos de água, como rios de pequeno porte e córregos do planalto brasileiro. Uma das áreas que possui uma grande proporção de matas de galeria, a Área de Proteção Ambiental (APA) de Cafuringa é considerada a última fronteira natural do DF. As matas de galeria são ambientes considerados ótimos para o crescimento de vegetais que dependem de água para fertilização, como as briófitas, devido às características de umidade relativa, temperatura e de substratos dessas áreas. Essas características ainda conformam uma diversidade microclimática, repercutindo numa alta diversidade de espécies de musgos. As briófitas são o segundo maior grupo de plantas terrestres, e estima-se que a maior diversidade desse grupo esteja nas regiões tropicais. Os musgos apresentam três tipos distintos de forma de crescimento, sendo: Acrocárpicos, Cladocárpicos e Pleurocárpicos. No último checklist para o Distrito-Federal foram registradas 60 espécies de musgos clado e pleurocárpicos, estando distribuídas em 37 gêneros e 17 famílias. Diante disso, o objetivo deste trabalho foi realizar o inventário florístico dos musgos clado e pleurocárpicos de matas de galerias da APA de Cafuringa e analisar a diversidade de espécies entre as matas amostradas, bem como compará-las com outras áreas do DF. Foram realizadas coletas de março de 2009 a janeiro de 2010. Além das plantas coletadas foram analisados os materiais provenientes dos Herbários UB, HEPH, IBGE, CEN, SP, NY e MO. Ocorrem 53 espécies de musgos em matas de galeria da APA de Cafuringa. O trabalho foi dividido em 2 capítulos. No primeiro capítulo são tratados tratados 23 taxa de musgos pleuro e cladocárpicos de matas de galeria da APA de Cafuringa, com chaves de identificação, descrições para as espécies e fotos de caracteres diagnósticos. Duas espécies foram determinadas como nova ocorrência para o DF, Cyclodictyon albicans (Hedw.) Kuntze e Eulacophyllum cultelliforme (Sull.) W.R. Buck & Ireland. Será submetido à revista Hoehnea. O segundo capítulo analisa a diversidade de musgos da APA de Cafuringa e sua relação florística com outras áreas do DF e será submetido à revista Acta Botanica Brasilica.
Mostrar mais

97 Ler mais

Diversidade e distribuição de anfíbios anuros associados a matas de galeria dentro e fora de unidades de conservação do Distrito Federal

Diversidade e distribuição de anfíbios anuros associados a matas de galeria dentro e fora de unidades de conservação do Distrito Federal

O Parque Nacional de Brasília e a Reserva Biológica da Contagem sofrem forte pressão antrópica devido ao crescimento rápido e desordenado da cidade de Brasília e os novos bairros. Nos anos 90 este processo foi bastante intensificado, gerando preocupações acerca da efetividade destas reservas na conservação da biodiversidade. Alguns estudos apontam a ocorrência de declínios populacionais e extinção de anfíbios no interior de unidades de conservação e em áreas pouco degradadas, distantes dos centros urbanos (Pounds, 2001; Eterovick et al., 2005; Bank et al., 2006). Muitos destes animais são sensíveis a alterações na estrutura dos ambientes (Gibbs, 1998) e podem ser utilizados como indicadores de qualidade ambiental (Rainio e Niemela, 2003). Assim, se torna relevante conhecer a composição e riqueza de anfíbios anuros no interior de áreas legalmente protegidas, livres de perturbação humana, e verificar quais fatores podem interferir no padrão de distribuição das espécies em áreas impactadas pela ocupação humana, na região de entorno das unidades de conservação.
Mostrar mais

70 Ler mais

EXPANSÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA DE ENSINO SUPERIOR FEDERAL: O CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

EXPANSÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA DE ENSINO SUPERIOR FEDERAL: O CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

A UFJF, segunda universidade federal do interior do país a ser criada, atrás apenas da de Santa Maria (RS), foi criada por meio da Lei nº. 3.858, de 23 de dezembro de 1960, produto de ação desenvolvimentista do então presidente, Juscelino Kubitschek, está localizada no bairro Martelos, Juiz de Fora/MG. Encontra- se estabelecida em local articulado, entre três importantes capitais brasileiras, quais sejam: Belo Horizonte/MG, Rio de Janeiro/RJ e São Paulo/SP. Seu campus sede localiza-se em Juiz de Fora/MG que, com 516.247 habitantes (Censo de 2010) 14 , é uma das metrópoles mais populosas do Estado de Minas Gerais e um centro de referência na Zona da Mata Mineira. A instituição contribui para que Juiz de Fora/MG se constitua em autêntico polo educacional que desperta estudantes das cidades da adjacência bem como de outros estados brasileiros. Dos alunos aprovados pelo Sistema de Seleção Unificada (SiSu), mais de 50% são procedentes de outras cidades (UFJF, 2015b).
Mostrar mais

142 Ler mais

PADRÕES NUTRICIONAIS DE ESPÉCIES LENHOSAS DO CERRADO Janaina Fernandes de Araújo

PADRÕES NUTRICIONAIS DE ESPÉCIES LENHOSAS DO CERRADO Janaina Fernandes de Araújo

Cerrado, no sentido amplo, é o nome que recebe a vegetação característica da região central do Brasil (Eiten, 1982). O Bioma Cerrado ocupa grande extensão do território brasileiro, constituindo-se no segundo maior bioma do Brasil, ocupando aproximadamente dois milhões de quilômetros quadrados. A política de interiorização do território nacional, sobretudo com a implantação da nova capital federal, Brasília, na região Centro-Oeste, nos anos de 1950-60, resultou em um processo crescente de degradação desse bioma. Estima-se que mais da metade da extensão do Cerrado já tenha sido transformada em pastagens plantadas, em áreas de cultivo e usada para outros fins (Klink & Machado, 2005).
Mostrar mais

80 Ler mais

Community ecology of Bethylidae (Hymenoptera, Chrysicloidea) from Reserva Ecológica do Roncador, Brasilia, Distrito Federal, Brazil.

Community ecology of Bethylidae (Hymenoptera, Chrysicloidea) from Reserva Ecológica do Roncador, Brasilia, Distrito Federal, Brazil.

Este trabalho tem como objetivo analisar a estrutura de comunidade e similaridade tàunística entre diferentes áreas da Reserva Ecológica Roncador, Brasília, Distrito[r]

12 Ler mais

Simpatria e dieta de Callithrix penicillata (Hershkovitz) (Callitrichidae) e Cebus libidinosus (Spix) (Cebidae) em matas de galeria do Distrito Federal, Brasil.

Simpatria e dieta de Callithrix penicillata (Hershkovitz) (Callitrichidae) e Cebus libidinosus (Spix) (Cebidae) em matas de galeria do Distrito Federal, Brasil.

1974, C ULLEN J R . & V ALLADARES P ÁDUA 1997), sendo que somente uma espécie de primata foi detectada em cada área estudada. No segundo ano (2001), à medida que os trabalhos foram sen- do desenvolvidos, a simpatria entre Callithrix penicillata e Cebus libidinosus foi detectada em ambas as áreas. O primeiro grupo de primata, seja Cebus ou Callithrix, avistado em cada área foi acompanhado durante três dias por semana, do amanhecer ao pôr do sol, em duas estações, seca (01/VI a 30/VIII) e chuvosa (15/IX a 15/XII), totalizando 18 dias de observação em cada estação para cada espécie de primata. Não se sabe ao certo se eram os mesmos grupos acompanhados todas as semanas, vis- to que os animais não foram capturados e marcados. Cada uma das matas estudadas foi visitada uma semana por mês, três dias seguidos, portanto, a mesma proporção de tempo foi gasta em observações para cada mata e cada espécie de primata.
Mostrar mais

7 Ler mais

Diversidade e distribuição de espécies arbóreas em duas matas de galeria na micro-bacia do Riacho Fundo, Distrito Federal.

Diversidade e distribuição de espécies arbóreas em duas matas de galeria na micro-bacia do Riacho Fundo, Distrito Federal.

indicadas na Tab. Este grupo foi formado pela maioria das parcelas amostradas nas duas ma- tas, combinando parcelas do trecho Final do Açudinho e das três linhas do Riacho [r]

18 Ler mais

Variação Temporal das Assembleias de Drosofilídeos (Diptera, Drosophilidae) na Reserva Ecológica do IBGE

Variação Temporal das Assembleias de Drosofilídeos (Diptera, Drosophilidae) na Reserva Ecológica do IBGE

Para avaliar se o conceito de "suficiência taxonômica" poderia ser utilizado, foi feita uma matriz de grupo/gêneros usando, para os Drosophilidae coletados, os treze grupos de espécies do gênero Drosophila e mais um não agrupado representado por Drosophila flexa, bem como os três outros gêneros, Rhinoleucophenga, Scaptodrosophila, Zaprionus, cada qual representado por apenas uma espécie. Esta matriz de grupos/gêneros foi comparada com a matriz de espécies entre os dois anos de amostragem, para as matas de galeria, para os cerrados sensu stricto e para as duas fitofisionomias conjuntamente (mata + cerrado) utilizando o teste de Mantel feito na plataforma de programação R (R Core Team 2015), usando o pacote vegan (Oksanen et al. 2015). Foram utilizados dados de abundância total, transformados em log + 1, usando o índice de similaridade de Bray-Curtis. Esta análise é um teste por permutação, neste caso 9999, para a correlação entre duas matrizes de similaridade.
Mostrar mais

95 Ler mais

Musgos acrocárpicos (Bryophyta) do Parque Estadual das Sete Passagens, Miguel Calmon, Bahia, Brasil.

Musgos acrocárpicos (Bryophyta) do Parque Estadual das Sete Passagens, Miguel Calmon, Bahia, Brasil.

Os padrões de distribuição geográfi ca mais frequentes estabelecidos foram o pantropical (13) e o neotropical (13), com poucos elementos cosmopolitas (Trichostomum tenuirostre) e endêmicos (Sphagnum vitalii). No Brasil, 28 espécies (90,3%) tiveram ampla distribuição, isto é, ocorreram em três ou mais Estados, duas tiveram distribuição restrita (Sphagnum vitalii, com ocorrência apenas para o Estado da Bahia e Bahia e Orthodontium gracile, com ocorrência para a Bahia). Das sete novas referências para a Bahia, três constituem-se novas para a região Nordeste (Gemmabryum radiculosum, Octoblepharum cocuiense e Philonotis elongata) e uma representa uma redescoberta para o Brasil (Orthodontium gracile). Gemmabryum radiculosum foi reportada anteriormente para as regiões Centro Oeste, Sul e Sudeste e Octoblepharum cocuiense e Philonotis elongata tinham registros apenas para as regiões Norte e Centro Oeste.
Mostrar mais

16 Ler mais

Diversidade de drosofilídeos (Diptera, Drosophilidade) na Reserva Ecológica do IBGE, em áreas afetadas pelo fogo

Diversidade de drosofilídeos (Diptera, Drosophilidade) na Reserva Ecológica do IBGE, em áreas afetadas pelo fogo

Fire has a determinant role in Cerrado since the current mosaic of vegetation types would be different without it. This disturbance has been occurring for a long time, as evidenced by the numerous adaptations and responses of the vegetation biome. With the arrival of men, however, frequency and timing of burning were profoundly changed. Studies on fire effects on invertebrates communities usually focus on controlled burns; few studies investigate sporadic fires, especially with indirect effects in medium to long term. The fire that burned RECOR in 2011 affected almost the entire Reserve and enabled the study of the effects of this disturbance on drosophilid assemblages. The assemblages of these insects were characterized in burned and unburned areas. We investigated the effects of fire, sampling month and vegetation type (and interactions between them) in community structuring. The factors that most altered the structure of the assemblages were the sampling month, vegetation type, the interaction of the month with vegetation type and month with fire. The fire, as an isolated factor was not significant in modifying the structure of the assemblages, although it is possible to identify its active role in different months, depending on the ecological aspect analyzed. Burned areas were more diverse and richer than unburned areas for both vegetation types in a few months and with differences in population behavior among neotropical species and exotic species. Fire changed the structure of the landscape and guided changes in the structure of drosophilids assemblages. The new niches created with the succession in vegetation structure caused the assemblages to take different paths compared to unburned areas. Although the effects are unclear and vary according to the answers of assemblages on climate conditions of the month and vegetation type, the structure of drosophilid assemblages is different between burned and unburned areas.
Mostrar mais

55 Ler mais

ELAINE COSTA TOLEDO OS EFEITOS DA LEGISLAÇÃO NA PRÁTICA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

ELAINE COSTA TOLEDO OS EFEITOS DA LEGISLAÇÃO NA PRÁTICA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE NUTRIÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

Na fala de uma entrevistada no trabalho deste autor, é possível observar que a Lei do Estágio traz mudanças importantes nos estágios da universidade, pois o estágio deixa de ser regulamentado pela legislação educacional e passa a ser regulamentado pela legislação trabalhista, o que faz com que o estagiário tenha direitos e deveres como um trabalhador. E esse fato aumentou a responsabilidade da instituição quanto à garantia desses direitos e deveres, assim como para as partes concedentes de estágio. Essa responsabilidade, segundo os resultados desta pesquisa, levou à universidade a criar mecanismos para controle e operacionalização dos estágios, através da sistemática e dos documentos padronizados apresentados nesta dissertação e que já foram analisados no item 2.3.1. Tais documentos passaram por análise da Procuradoria Federal da universidade para atendimento das exigências legais. A instituição da documentação necessária para o estágio, com termo de compromisso definindo as regras e condições para o estágio e plano de atividades determinando as atividades e a presença de supervisor no local de estágio, visa atender ao que preconiza a legislação, reforçando o estágio como ato educativo supervisionado, no qual a empresa não pode estabelecer contrato visando o estagiário desempenhar funções de um profissional que porventura não exista no local do estágio (PERES, 2013).
Mostrar mais

194 Ler mais

Produção de serapilheira em floresta de galeria e floresta mesofítica na dolina da garapa, Distrito Federal, Brasil.

Produção de serapilheira em floresta de galeria e floresta mesofítica na dolina da garapa, Distrito Federal, Brasil.

Teste estatístico não paramétrico Mann-Whitney foi efetuado para se obter a diferença significativa, através do nível de significância (valor de p < 0,05), entre as variáveis meteorológicas e ecofisiológicas da Floresta Mesofítica e de Galeria. Para se avaliar o grau de relação entre os valores médios mensais dos coletores da massa de vegetação e das variáveis meteorológicas - pluviosidade, temperatura, umidade e radiação, e das variáveis ecofisiológicas: IAF e abertura de dossel – efetuou-se a correlação não paramétrica de Spearman, para se obter o valor do coeficiente e analisar possíveis correlações significativas desse coeficiente (- 0,5 < > 0,5), isso sem fazer suposições sobre a distribuição de frequências das variáveis (SOKAL & ROHLF, 1981). Para simplificar interpretações de significância, o coeficiente de Spearman ( ) foi trabalhado em módulo, não havendo correlações negativas, sendo realizada posteriormente a análise de regressão para ajustar e observar tendências inversas ou diretamente proporcionais, segundo descrito por Sokal & Rohlf (1981).
Mostrar mais

12 Ler mais

Musgos pleurocárpicos dos fragmentos de Mata Atlântica da Reserva Ecológica da Michelin, município de Igrapiúna, BA, Brasil: II - Hypnales (Bryophyta: Bryopsida).

Musgos pleurocárpicos dos fragmentos de Mata Atlântica da Reserva Ecológica da Michelin, município de Igrapiúna, BA, Brasil: II - Hypnales (Bryophyta: Bryopsida).

A classificação adotada é a de Goffinet & Buck (2004) e as espécies estão ordenadas alfabeticamente. Está sendo fornecida uma chave de identificação para os gêneros de Hypnales encontrados na área de estudo, e para cada espécie Opus Princeps, a obra que contém descrição completa e aquela que contém ilustração que represente uma expressão mais típica da espécie, quando necessário, e o material selecionado. Dados de distribuição geográfica no Brasil, padrão de distribuição e comentários para os gêneros e espécies são, também, fornecidos. Para a família Neckeraceae, exclusivamente, está sendo fornecida apenas uma síntese comparativa das diferenças e/ou semelhanças apresentadas entre as espécies, uma vez que as mesmas foram taxonomicamente tratadas por S.B. Vilas Bôas-Bastos & C.J.P. Bastos (2008).
Mostrar mais

14 Ler mais

SISTEMA DE GESTÃO DE CONTRATOS CONTINUADOS: UMA ANÁLISE DAS LIMITAÇÕES ENFRENTADAS NA GESTÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

SISTEMA DE GESTÃO DE CONTRATOS CONTINUADOS: UMA ANÁLISE DAS LIMITAÇÕES ENFRENTADAS NA GESTÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

A LOA será formada pela elaboração de três orçamentos, sendo estes: fiscal, da seguridade social e dos investimentos de empresa com participação direta ou indireta da União. A LOA irá determinar a estimativa de receita e despesa da União, tendo como intuito alcançar os objetivos e metas previstos no PPA, na forma estabelecida pela LDO. Importante ressaltar que é de competência da União a elaboração do orçamento, sob a responsabilidade do MPOG mediante a Secretaria de Orçamento Federal (SOF). Conforme Vieira e Furtado (2015), para a elaboração da proposta orçamentária, a administração deve observar procedimentos como: as Unidades Gestoras (UG) de cada órgão precisam elaborar suas propostas observando as metas estabelecidas no PPA priorizadas pela LDO em que cada tipo de despesa demonstrará a sua memória de cálculo que ficará em poder de cada unidade para fins de comprovação dos valores consolidados se for o caso; após o término da elaboração de suas propostas deve-se enviá-las ao setor de orçamento de cada instituição que consolidará a proposta orçamentária; tal proposta será enviada para o MPOG por ser o órgão central de planejamento e orçamento, que realiza a consolidação geral. Seguindo o processo, será enviada a proposta orçamentária pelo Presidente da República ao Congresso Nacional (CN) mediante projeto de lei até o último dia de agosto.
Mostrar mais

123 Ler mais

Orchidaceae da Reserva Ecológica do Guará, DF, Brasil.

Orchidaceae da Reserva Ecológica do Guará, DF, Brasil.

Dos 105 táxons de Orchidaceae registrados para a Reserva 16 (15%) são indicados para o local somente pelas coletas de E.P. Heringer ou H.S. Irwin (Tab. 1) e não foram mais coletados ou observados no local nos últimos 37 anos. Várias explicações poderiam ser formuladas para esclarecer porque estas espécies não foram mais encontradas. Uma possibilidade é que elas tenham sido coletadas em outros locais ao longo do córrego Guará, fora da área atual da Reserva. Entretanto, embora tenha-se percorrido alguns pontos ao longo do córrego Guará, abaixo da Reserva, fora de sua área, a região encontra-se muito alterada e pouco resta da vegetação nativa original. Outra possibilidade é que estes táxons apresentem naturalmente uma freqüência muito baixa na área da Reserva. De acordo com esta possibilidade, Warming (1892) relatou uma freqüência baixíssima para algumas Orchidaceae na região de Lagoa Santa, só tendo encontrado algumas espécies uma única ocasião nos três anos que passou no local. Este pode ser o caso do Cycnoches pentadactylum e Govenia utriculata, esta última também muito pouco comum no Distrito Federal. Considerando as terrestres, a sazonalidade poderia explicar a situação de algumas espécies: uma grande população, fora de uma determinada época, pode ocorrer em determinado local sem que haja condições favoráveis para o crescimento e floração das plantas, passando assim desapercebida, como acontece com diversas espécies de Habenaria. Outra possibilidade é que algumas destas espécies ocorram em locais da Reserva pouco explorados. Esse pode ser o caso de Epidendrum dendrobioides e Habenaria edwallii, que são espécies de ambiente muito úmido e de difícil acesso. Por fim, não se descarta
Mostrar mais

12 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados