Top PDF O trabalho em tempos modernos

O trabalho em tempos modernos

O trabalho em tempos modernos

Pensar a preponderância da fábrica como um espaço onde se concentram a energia, os instrumentos, a matéria-prima e os trabalhadores que, juntos, produzem as mercadorias a serem trocadas no mercado, significou o fim de processos produtivos que tinham como característica a dispersão geográfica. Isto significa que antes das fábricas, utilizando como exemplo o início da produção têxtil, onde os fios eram produzidos por fiandeiras, cada qual em sua casa, cada qual proprietária de seus instrumentos de trabalho, mas não da matéria-prima. O proprietário desta matéria-prima ia, então, de casa em casa em determinada região, distribuindo a lã e recolhendo os fios, pagando pelo trabalho realizado.
Mostrar mais

7 Ler mais

ENSINO DE HISTÓRIA E AS NARRATIVAS FÍLMICAS DE A HISTÓRIA DAS COISAS E TEMPOS MODERNOS

ENSINO DE HISTÓRIA E AS NARRATIVAS FÍLMICAS DE A HISTÓRIA DAS COISAS E TEMPOS MODERNOS

Em nossa prática pedagógica, sempre nos preocupamos com as técnicas de ensino, o que se manifesta, por exemplo, pelo gosto de utilizar filmes em nossas aulas e no interesse de aprofundar os conhecimentos teóricos e metodológicos sobre o uso das narrativas fílmicas em sala de aula. Nesta perspectiva, o mestrado em Ensino de História, cursado na Universidade Federal do Tocantins, no Programa de Pós-Graduação ProfHistória, no período de agosto de 2014 a agosto de 2016, se apresenta como uma oportunidade de aprofundar os conhecimentos teóricos e metodológicos que permeiam o uso do filme no ensino- aprendizagem de História. Com este intuito, tomamos como referência para o tratamento do tema a aplicação de uma experiência didática que envolve o uso dos filmes “A História das Coisas”, de Annie Leonard (2007), e “Tempos Modernos”, de Charles Chaplin (1936), como recurso didático-pedagógico no ensino-aprendizagem de História. Aplicamos a proposta didática “Mundo do trabalho”, elaborada segundo pressupostos da Aula Oficina de Isabel Barca (2004), na Escola Municipal Zeca Barros, em Araguaína-TO, numa turma de Educação de Jovens e Adultos – EJA. Como estratégia metodológica, utilizamos os princípios da pesquisa-ação (THIOLLENT, 2011), cuja abordagem é de natureza qualitativa. Para a geração de dados, recorremos à aplicação de questionários. Sobre uso desse aporte teórico e metodológico, os dados apontam para o fato de que o processo ensino-aprendizagem de História pode ocorrer com base em diálogos teóricos que remetem para discussões acerca do uso de imagens em movimento, o que permite abordagens historiográficas que podem nortear a prática docente (BRINGEL, 2016).
Mostrar mais

19 Ler mais

Alphonsus de Guimaraens Filho :: um intelectual em tempos modernos

Alphonsus de Guimaraens Filho :: um intelectual em tempos modernos

Carlos Drummond de Andrade, ao sair de Minas para trabalhar com o ministro Capanema no Rio, começou a atrair para o convívio na Livraria os escritores mineiros João Alphonsus, Emílio Moura, Abgar Renault, Cyro dos Anjos e João Pinheiro Filho. Intelectuais de diversas confrarias se encontravam constantemente em torno da literatura e do amigo José Olympio. Na segunda viagem ao Rio de Janeiro em 1944, Alphonsus esteve em várias livrarias, acompanhado por Manuel Bandeira, conforme relatos em carta. Em 1953, o poeta mineiro visita Bandeira em Petrópolis. Acredita-se que os dois tenham ido à Livraria José Olympio. Em 1960, a obra Poemas Reunidos, de Alphonsus, é publicada por essa editora. Mário de Andrade e Sérgio Milliet escreveram as seguintes palavras na orelha do livro: “Eis um poeta que acredita no trabalho, na reflexão estética, na cultura” (Mário) e “Dentro da grande linha dos poetas mineiros, que se caracteriza pela penetração psicológica e discrição expressiva, seus versos adquirem uma qualidade rara.” (Sérgio Milliet) 151
Mostrar mais

173 Ler mais

Tempos modernos, novos partos e novas parteiras: o parto no Japão de 1868 aos Anos 1930.

Tempos modernos, novos partos e novas parteiras: o parto no Japão de 1868 aos Anos 1930.

o Ministério da Saúde e do Bem-Estar, e no alto de sua lista de prioridades estava o crescimento populacional e, portanto, as políticas de bem-estar de mães e crianças. Agentes de saúde entraram em contato com a Associação das Parteiras do Japão, e a Associação respondeu ao chamado do governo assumindo uma atitude de maior honradez e dignidade profissional. Ao mesmo tempo, o Josan no Shiori levou às últimas conseqüências o discurso político nacionalista, consolidando divisões de trabalho relativas à profissão e de gênero que os sankai modernos vinham propagando por décadas. Mais tarde, em 1941, quando o Ministério estabeleceu um novo esquema de qualificação para enfermeiras de saúde pública autônomas, muitas shin-sanba buscaram outra licença. Com duas licenças (sendo ambas reconhecidas), as shin-sanba eram capazes de expandir suas atribuições, o que lhes deu maiores chances de se estabelecer em suas regiões, como
Mostrar mais

12 Ler mais

Saber fazer : a circulação de informação entre comunidades marítimas no início dos tempos modernos

Saber fazer : a circulação de informação entre comunidades marítimas no início dos tempos modernos

A alfabetização pressupõe um processo de ensino/aprendizagem. Pois bem, no estado actual dos conhecimentos, a custo se pode dizer algo sobre as escolas das nossas cidades. Para o Porto há apenas algumas referências dispersas a mestres-escola pagos, parece que na sua maior parte, pela edilidade, que tinham a seu cargo alunos que, em certas ocasiões, perante os vereadores, “cantavam” as lições aprendidas. Desconhecemos o perfil desses alunos e que tipo de ensino lhes era ministrado. Para já, fiquemo-nos apenas pelo básico: aprendiam a ler e a escrever. Ora, para o tema que nos ocupa, estas competências pouco ou nada significavam. Na confraria de S. Pedro de Miragaia, que agrupava mareantes, carpinteiros, calafates e cordoeiros, em cada um destes grupos havia elementos, em número variável é certo, capazes de ler e escrever, como se comprova dos livros de gestão que mantinham em dia desde o início do século XV. No século XVI, o número de “letrados” aumenta. Porém, esse facto, como dizia, não parece decisivo para a evolução da sua arte. É preciso, neste âmbito, relativizar a alfabetização. A escrita, elemento fundamental na construção do mundo moderno, ainda era afanágio de muito poucos. Dos mercadores, para quem era um imperativo; garantia de civilização. Mesmo considerando que ela se acentua com o decurso do tempo, o processo de aprendizagem profissional resulta, primor- dialmente, do dia-a-dia no trabalho, no navio ou no estaleiro. Para estes homens, imperativo não era ainda a escrita; era a palavra e a observação. Todos os autores são unânimes neste ponto: a relação entre cultura científica e cultura técnica nos finais da Idade Media e primórdios da Época Moderna é totalmente distinta daquela que hoje conhecemos. Ao contrário do que actual- mente sucede, a segunda não é dependente, subalterna ou aplicativa relativamente à primeira 45 .
Mostrar mais

28 Ler mais

VALE QUANTO PESA.  O CONSUMO EM TEMPOS PÓS-MODERNOS.

VALE QUANTO PESA. O CONSUMO EM TEMPOS PÓS-MODERNOS.

Alessandra Leles Rocha 1 RESUMO: Depois de uma Revolução Industrial que estabelece definitivamente os chamados Tempos Modernos, com o homem se constituindo sujeito livre, em busca da sua emancipação das amarras ideológicas e sociais, imerso em lutas a favor de sua autogestão, o fim da Segunda Guerra Mundial acena a transição que resulta na Pós-Modernidade, de modo que a sociedade foi cortada através de diferentes divisões e antagonismos sociais os quais produzem uma variedade de diferentes posições de sujeito para os indivíduos. Este trabalho é, portanto, um ensaio centrado nas Práticas Discursivas da Vida Cotidiana, no sentido de apresentar a manifestação do Consumo no campo da Pós-Modernidade, possibilitando uma análise crítica e reflexiva por meio de diferentes gêneros textuais.
Mostrar mais

10 Ler mais

O ser e o nada de Sartre: uma "descoberta" filosófica dos "tempos modernos".

O ser e o nada de Sartre: uma "descoberta" filosófica dos "tempos modernos".

Do corayao do raciocinio especulativo uma janela abre-se para 0 mundo? Sim, mas 0 que vemos por essa janela nao e 0 mero retrato de "fatos" historicos, sao retratos retocados pelo trabalho de recriayao filosofica (no mesmo sentido que Michelet afira que os retratos das personagens de sua Hist6ia da Revolw;ao Francesa vaG sendo, como os diferentes auto-retratos de Rembrandt, retocados pelo tempo) . Nesse resul­ tado filosofico, nesse retrato retocado, nao se pode mais distinguir 0 que e " real" e 0 que e ficyao - trata-se antes de "ficyoes " necessarias . (Ja 0 personagem central de Na usea , Roquentin, contrapondo-se a historiografia tradicional, afirma que 0 trabalho de construyao , ou de reconstruyao, faz do passado, resgatado pela memoria, um misto de souvenirs e de icions - mas e justamente na ficyao que a realidade po de ser mais ben captada, sugere Roquentin .) t ao longo dessa recriayao ilosoica que e construido
Mostrar mais

8 Ler mais

O direito na arte de Chaplin e Kafka: ensaio de comparação de tempos modernos com na colônia penal

O direito na arte de Chaplin e Kafka: ensaio de comparação de tempos modernos com na colônia penal

Em três episódios, o filme usa o balé, fazendo de Carlitos um artista. Na 1.ª parte, ele perde o juízo na fábrica e se põe a dançar com alegria, provocando e atrapalhando os colegas. Na 3.ª parte, Carlitos e a namorada vivem a fantasia da vida burguesa ao fazerem uma explo- ração noturna da loja de departamentos em que ele se empregou como vigia.Ali, dançam felizes com patins. Carlitos, de olhos vendados, não vê os perigos que corre: de cair para o andar de baixo, pela falta de proteção do mezanino; de o sonho acabar em pesadelo, no outro dia. Na 5.ª e última parte, o balé é profissio- nal: para conseguir um emprego, Carlitos canta e dança comicamente no restaurante em que acaba de fracassar como garçom. Nas duas primeiras cenas, a arte é puro escape, destacando a incapacidade de Carlitos enquadrar-se, de ser produtivo como o exige a socie- dade moderna.A cena do balé no restau- rante parece marcar a aceitação do des- tino torto: somente como artista Carlitos terá sucesso no trabalho. É tam- bém como dançarina que sua garota terá, enfim, uma oportunidade.
Mostrar mais

6 Ler mais

Open O Pagador de Promessas: um drama trágico em tempos modernos

Open O Pagador de Promessas: um drama trágico em tempos modernos

“Admiro as pessoas organizadas, mas eu não sou. Não estabeleço início ou fim para um trabalho que escrevo. Antes de tudo faço a pesquisa e a criação das linhas gerais da trama, estabelecendo o estilo e o ambiente que ela terá. Surge daí uma sinopse. Entretanto, dentro dessas linhas gerais não estão previstos todos os personagens ou o fim da história. Muita coisa pode mudar e tudo pode ser criado. À proporção que escrevo os capítulos, novas idéias vão surgindo e nem mesmo eu sei o que virá depois. Contudo, não se pode parar, não existe a possibilidade de ficar esperando um momento de inspiração para um autor de novelas, pois ele precisa escrever um capítulo por dia. Aliás, é necessário modificar essas condições de trabalho. Se o autor continuar a ter que escrever seis capítulos por semana e esses capítulos continuarem a ser gravados a toque de caixa, todo o esforço de um bom texto esbarrará nessa limitação. Isso não diminui a nossa capacidade de criação mas diminui a qualidade dessa criação. A telenovela devia ser uma forma nova de arte dramática, adaptada ao seu tempo e decorrente de uma evolução tecnológica cada vez mais surpreendente. Uma arte popular, de massas, com uma linguagem acessível a todas as camadas sociais” 71 .
Mostrar mais

120 Ler mais

Educação Médica nos Tempos Modernos.

Educação Médica nos Tempos Modernos.

É nesse trabalho integrado que o aluno irá compreender a importância desse trabalho conjunto, do estudo das condi- ções sociais e econômicas da população, da sua estruturação, do seu arcabouço social– como escolas, grêmios e igrejas –e poderá definir prioridades de ação (sempre em conjunto com a equipe de saúde, gestores e comunidade) e entender o papel de cada qual nessa empresa comum.

6 Ler mais

O PAPEL DA JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL NOS ESTADOS ABERTOS

O PAPEL DA JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL NOS ESTADOS ABERTOS

... os conceitos de liberdade e de subjetividade são os princípios que a modernidade revela, os quais devem regê-la. Do ponto de vista político, as formas sociais que desconhecem a liberdade subjetiva e que se exprime na autonomia do indivíduo, no agir livre na vida moral, nos direitos individuais, na independência pessoal no trabalho, no direito de propriedade, nas aspirações e nos desejos de cada indivíduo, estão ultrapassadas pela evidência histórica dos tempos modernos que erige como verdade o princípio “da livre e consciente vontade do indivíduo”. Essas conquistas já estão presentes na filosofia de Rousseau, Kant e Fichte: na afirmação da liberdade subjetiva, pela qual o indivíduo não age movido pelo respeito ou pelo temor a uma autoridade ou vontade alheia, mas segundo sua própria convicção e adesão voluntária da verdade. 39
Mostrar mais

20 Ler mais

CONTABILIDADE E CAPITALISMO: UM DIÁLOGO TRANSDISCIPLINAR DOUTORADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS

CONTABILIDADE E CAPITALISMO: UM DIÁLOGO TRANSDISCIPLINAR DOUTORADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS

Então é isso que importa, é por isso que o que faço atualmente dá confiança a muitos antropólogos – não somente aos antropólogos. Você não pode analisar um fenômeno social hoje sem a união da antropologia, da história e da economia, por causa de seu peso. Há um triângulo de ouro, talvez: a antropologia, pois há o trabalho de campo; a economia, pois é a integração; a história, porque é o passado que continua no presente – como o xiismo, o sunismo. Há certo triângulo de ouro: a Sociologia, porque a Antropologia é útil, mas a Sociologia também. Bom, e depois há a Geografia humana, o Direito que é tão importante. Mas o Direito em geral é também outro imaginário que estava a serviço do político. Bom, digo que atualmente é uma situação – seja no Brasil ou alhures – extremamente positiva para as Ciências Sociais. Não se trata de jeito nenhum de uma crise... Essa crise já era positiva na condição de se virar com instrumentos mais rigorosos, mais críticos. Hoje, estamos diante de uma situação em que é impossível não ter elementos globais nos locais – local e global. Acabou a singularidade de uma cultura como se fosse uma borboleta particular. Por isso, o contexto nos ajuda a sermos mais abertos intelectualmente, mais complexos em nossas abordagens e mais rigorosos e críticos também, pois nos colocamos em questão. Mas dizer que o Ocidente não produziu conhecimento, que era uma ideologia a serviço do imperialismo colonial... Isso acabou. Não acabou para muitos, pois há os pós-colonialistas nos Estados Unidos, mas quero dizer que não avançamos muito com isso (GODELIER. In: HOLLANDA; RIBEIRO, 2011, p. 14).
Mostrar mais

152 Ler mais

ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E FORMAÇÃO DE PROFESSOR-PESQUISADOR A PARTIR DE FILMES DE	CURTA METRAGEM

ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E FORMAÇÃO DE PROFESSOR-PESQUISADOR A PARTIR DE FILMES DE CURTA METRAGEM

O  objetivo  desse  trabalho  foi  analisar  uma  experiência  de  exibição  de  filmes  cinematográficos   e   documentários   em   uma   escolas   pública   do   município   de   Vitória,   Espírito   Santo,   portanto,   tratou-­‐se  de  uma  análise  do  potencial  de  formação  continuada  de  professores  de  um  projeto   denominado  Cineclube  na  Escola.  O  referencial  teórico  principal  foi  baseado  em  Edgar  Morin,   Attico  Chassot,  Antonio  Cachapuz,  Wildson  Santos  e  Decio  Auler.  Tratou-­‐se  de  uma  pesquisa   qualitativa,   teórica-­‐empírica,   do   tipo   estudo   de   caso.   Após   cada   exibição   de   filme,   o   cineclubistas,  inclusive  os  professores,  eram  convidados  a  participar  de  intenso  debate  sobre   as   questões   da   Ciência,   Tecnologia,   Sociedade   e   Ambiente.   O   projeto   oportunizou   o   envolvimento   de   professores   da   escola,   aluno   de   iniciação   científica   de   graduando   de   Licenciatura   em   Química   e   o   desenvolvimento   de   pesquisa   de   mestrado   em   Educação   em   Ciências,   evidenciando   o   caráter   de   formação   inicial   e   continuada   do   projeto   Cineclube   na   Escola,  na  perspectiva  do  professor-­‐pesquisador.  
Mostrar mais

12 Ler mais

Ciência  Do professor Irineu GuiaLeucemia

Ciência Do professor Irineu GuiaLeucemia

Os tratamentos mais modernos propiciam Os tratamentos mais modernos propiciam Os tratamentos mais modernos propiciam Os tratamentos mais modernos propiciam Os tratamentos mais modernos propiciam uma maior possibilidade de sobrevida para uma maior possibilidade de sobrevida para uma maior possibilidade de sobrevida para uma maior possibilidade de sobrevida para uma maior possibilidade de sobrevida para muitos pacientes.

16 Ler mais

Demonstração da gestão do montado de sobro apoiada em inventário florestal e modelos de crescimento e produção. Projecto AGRO nº 81. Relatório final - Relatório de execução material (volume 1)

Demonstração da gestão do montado de sobro apoiada em inventário florestal e modelos de crescimento e produção. Projecto AGRO nº 81. Relatório final - Relatório de execução material (volume 1)

As tabelas 7, 8 e 9 resumem alguns dos dados mais importantes relativos ao estudo sobre os tempos de trabalho. Como se pode ver, os resultados obtidos mostram que não haverá grande vantagem em utilizar parcelas de amostragem com um raio superior a 15 m, uma vez que os melhores tempos são obtidos quase sempre para 10 ou 15 m. Quanto ao método do número de árvores fixo, os melhores tempos são obtidos frequentemente para números de árvores superiores a 10, o que, do ponto de vista prático, torna a aplicação do método bastante difícil. Dum modo geral, a estimação da área basal ou do peso de cortiça são mais exigentes no que respeita à dimensão da parcela que leva ao melhor tempo de trabalho.
Mostrar mais

63 Ler mais

Gênero e trabalho precário em uma perspectiva histórica — Outubro Revista

Gênero e trabalho precário em uma perspectiva histórica — Outubro Revista

tese que impulsiona esse artigo é a de que o trabalho precário é um fenômeno histórico que tem caracterizado toda a história do capitalismo industrial incluindo, embora não apenas, os últimos trinta anos. Assim, pretende-se desconstruir a ideia defendida por vários cientistas sociais que argumentam que o trabalho precário é um fenômeno novo, um traço distintivo da sociedade pós-industrial começando no fim dos anos 1980, depois do colapso do fordismo. Através da análise de casos de precariedade do trabalho nas últimas seis décadas, algumas dúvidas serão lançadas sobre a rigidez da visão clássica do fordismo e pós-fordismo, a qual representa esses dois períodos como estando em oposição um ao outro – o primeiro caracterizado pela estabilidade do trabalho e o segundo pela flexibilidade e precariedade do emprego (P IORE ; S ABEL , 1984; A RMSTRONG ; H ARRIS , 1984.
Mostrar mais

34 Ler mais

A história das aparições de Fátima contada a crianças surdas

A história das aparições de Fátima contada a crianças surdas

aprendizagem. A criança surda, quando exposta a uma língua visual, desenvolve as suas capacidades de linguagem, literacia e cognição (Golos & Moses, 2013), o que segue na linha de pensamento dos autores mencionados ao longo deste trabalho. A ligação da língua oral com o desenvolvimento da literacia na infância que apresentam esta conexão como uma dupla via de sucesso, e outros estudos ligados à conexão da língua gestual com a literatura que também propicia o desenvolvimento na infância. Esta ideia é também partilhada por Lopes e Agrello (2017), que defendem que a pedagogia visual é importante na educação dos surdos porque, como a aprendizagem é feita através de tudo o que é visual, vai necessitar de novos discursos, não somente verbais ou escritos, mas imagéticos que medeiam o conhecimento. Em consonância com este argumento, Tamayo e Chaume (2017) expõe os produtos audiovisuais como os principais materiais utilizados no acesso e consumo da cultura e da informação, desde a idade precoce, sendo essenciais na aquisição e desenvolvimento de linguagem oral. Estes produtos são construções multi-semióticas que transmitem informação verbal e não-verbal, incindindo sobre os gestos.
Mostrar mais

130 Ler mais

O pensamento complexo e a educação escolar na era planetária

O pensamento complexo e a educação escolar na era planetária

Este artigo aborda a denominada civilização planetária, cuja origem remonta ao início dos tempos modernos e evolui à medida que se desenvolvem os sistemas de comunicação e se integram os continentes pelos intercâmbios mercadológicos acarretando, como consequência, uma profunda miscigenação cultural em todo o planeta Terra. Um dos maiores desafi os da educação escolar atual consiste, sem dúvida, em educar numa e para uma era com características planetárias visando ao despertar de uma sociedade-mundo. A consciência da existência de uma civilização planetária e a aptidão para conviver numa Terra-Pátria comum, no entanto, dependem fundamentalmente de uma reforma paradigmática da estrutura do pensamento. Essa nova matriz cognitiva apoia-se em princípios transdisciplinares da teoria da complexidade para compreender a realidade dos fenômenos bioculturais com características planetárias. As noções de era planetária, de sociedade-mundo, de Terra-Pátria, de cidadania terrestre e de homem planetário constituem o horizonte de sentido da teoria da complexidade. Enfi m, aprender a viver na e para uma era planetária exige que civilizemos o pensamento e vivamos uma pragmática da complexidade.
Mostrar mais

12 Ler mais

Autorização para o exercício de Enfermagem do Trabalho – Normas de Orientação Clínica

Autorização para o exercício de Enfermagem do Trabalho – Normas de Orientação Clínica

A presente Orientação destina-se a dar cumprimento à Lei n.º 102/2009, de 10 de setembro, que estabelece o regime jurídico da promoção da saúde e segurança do trabalho, criando um registo de enfermeiros a prestarem cuidados de enfermagem do trabalho. São estabelecidos os critérios e procedimentos necessários para o reconhecimento de habilitação e para a autorização transitória para o exercício de enfermagem do trabalho.

7 Ler mais

Os trabalhadores e suas vivências cotidianas: dos tempos de trabalho e de não-trabalho.

Os trabalhadores e suas vivências cotidianas: dos tempos de trabalho e de não-trabalho.

Este artigo é um estudo das vivências co- tidianas de trabalhadores em relação aos tempos de trabalho e de não-trabalho. O locus de análise privilegiado é o espaço da fábrica, a Volkswagen do Brasil, em sua unidade de produção do ABC – São Paulo, exemplo emblemático de iniciati- vas e negociações dirigidas a flexibilizar e intensificar a jornada de trabalho. A análise concentra-se no período com- preendido entre 1995 e 2005, quando foram intensas as mudanças com respeito à organização e gestão do tempo de tra- balho. O artigo inicia com uma breve discussão sobre os modos de construção social do tempo de trabalho nas socie- dades contemporâneas, apresentando o debate recente na sociedade brasileira. A seguir, aborda o contexto da Volkswagen do Brasil, analisando as vivências tempo- rais cotidianas dos trabalhadores, dentro e fora do local de trabalho.
Mostrar mais

17 Ler mais

Show all 10000 documents...