Top PDF Organização estrutural da folha de Pimenta pseudocaryophyllus (Gomes) L.R. Landrum, Myrtaceae.

Organização estrutural da folha de Pimenta pseudocaryophyllus (Gomes) L.R. Landrum, Myrtaceae.

Organização estrutural da folha de Pimenta pseudocaryophyllus (Gomes) L.R. Landrum, Myrtaceae.

RESUMO – (Organização estrutural da folha de Pimenta pseudocaryophyllus (Gomes) L.R. Landrum, Myrtaceae). Com grande distribuição no Brasil e ocorrência principalmente no cerrado, caatinga e floresta atlântica, Pimenta pseudocaryophyllus (Gomes) L.R. Landrum, que está inclusa em um dos menores gêneros de Myrtaceae, é popularmente conhecida como craveiro-do-mato, louro-cravo ou chá-de-bugre. Trata-se de uma espécie nativa e suas folhas são usadas na culinária substituindo o cravo-da-índia (Syzygium aromaticum) devido ao aroma semelhante. O estudo tem o objetivo de caracterizar anatomicamente a folha dessa espécie. Para a confecção do laminário, amostras da região mediana da folha e do pecíolo foram seccionadas em micrótomo de rotação e coradas com azul de toluidina a 1%. Em vista frontal, a epiderme é glabra na face adaxial e pilosa na face abaxial, com tricomas unicelulares. A folha é hipoestomática e os complexos estomáticos são anomocíticos. Em secção transversal, a epiderme é uniestratificada revestida por cutícula espessa e camada subepidérmica formada por 1-2 estratos celulares. O mesofilo é dorsiventral e bainha esclerenquimática envolve o feixe vascular bicolateral. Na folha e no pecíolo observam-se colênquima lacunar, flanges cuticulares, canais secretores e idioblastos contendo drusas e monocristais. Conclui- se que a espécie possui características freqüentes para Myrtaceae, com exceção da camada subepidérmica e flanges cuticulares, e que os resultados obtidos contribuem com novas informações que podem subsidiar estudos futuros no que se refere à identificação e delimitação do táxon.
Mostrar mais

9 Ler mais

Estudo farmacognóstico das folhas de Pimenta pseudocaryophyllus (Gomes) L.R. Landrum - Myrtaceae.

Estudo farmacognóstico das folhas de Pimenta pseudocaryophyllus (Gomes) L.R. Landrum - Myrtaceae.

De um modo geral o mesofi lo das espécies de Myrtaceae encontra-se diferenciado em parênquima paliçádico uni ou pluriestratifi cado e parênquima lacunoso. Parênquima paliçádico pluriestratifi cado e compacto como o de Pimenta pseudocaryophyllus é mencionado por Fontenelle et al. (1994) para algumas espécies do gênero Eugenia. Estes autores atribuem esta característica, juntamente com a presença de taninos e o fato das células epidérmicas terem paredes anticlinais retas e espessas, a adaptações morfo-fi siológicas aos fatores ambientais, dentre os quais, a alta luminosidade pode ser o mais importante. Estas características xeromórfi cas também foram registradas nas folhas de Pimenta pseudocaryophyllus, bem como elevada concentração de taninos evidenciada nos ensaios fi toquímicos descritos neste trabalho.
Mostrar mais

14 Ler mais

Gênero Pimenta: aspectos botânicos, composição química e potencial farmacológico.

Gênero Pimenta: aspectos botânicos, composição química e potencial farmacológico.

ABSTRACT: Pimenta genus: botanical aspects, chemical composition and pharmacological potential. The family Myrtaceae has representatives of great medical interest, and the genus Pimenta deserves attention. Most species of this genus are native to the Central America, except Pimenta pseudocaryophyllus (Gomes) L. R. Landrum, which is native to the Central-West and Southeast Brazilian Regions. This study aimed to review botanical, chemical and pharmacological aspects described in the literature for Pimenta genus. Information was obtained from original papers and reviews indexed in the databases “Periódicos Capes”, ISI Web of Knowledge, “Bireme” and SciELO. This genus can present shrubs or trees, which have unicellular hairs, usually coriaceous leaves and dichasium or panicle inflorescence, and are mainly distinguished by the ovary structure. The pharmacological properties are mostly due to essential oils, mainly consisted of phenylpropanoid, monoterpene, monoterpenic aldehyde and alcohol derivatives. Among these properties, antihypertensive, anti-inflammatory, analgesic, antimicrobial and antioxidant ones are highlighted. Of the fifteen known Pimenta species, Pimenta dioica (L.) Merrill and Pimenta racemosa (Miller) J. Moore have the greatest economic importance and consequently have been the most chemically and pharmacologically studied
Mostrar mais

17 Ler mais

Pimenta pseudocaryophyllus (Gomes) Landrum: aspectos botânicos, ecológicos, etnobotânicos e farmacológicos.

Pimenta pseudocaryophyllus (Gomes) Landrum: aspectos botânicos, ecológicos, etnobotânicos e farmacológicos.

Myrtaceae destaca-se também entre os representantes da lora brasileira por apresentar g r a n d e n ú m e r o d e e s p é c i e s d e i n t e r e s s e medicinal, sendo reconhecida por seu grande potencial na produção de óleos voláteis de importância econômica (Lima et al., 2006). Dentre os representantes de interesse farmacológico da família, destacam-se as espécies do gênero P i m e n t a , c o n h e c i d a s e s p e c i a l m e n t e p e l a importância econômica atribuída a duas delas, P. dioica (L.) Merrill (allspice) e P. racemosa (Miller) J. Moore (bay tree). A primeira é utilizada principalmente como condimento ou especiaria, sendo também utilizada no tratamento de doenças pelas populações da América Central e do Caribe. Também é um dos ingredientes básicos de uma bebida denominada Pru muito popular em Cuba, à qual são atribuídas propriedades refrescantes e medicinais. Por sua vez, P. racemosa é utilizada na medicina popular para o tratamento de reumatismo, dor de dente, dores abdominais, febre, pneumonia e gripe (Paula et al., 2010a).
Mostrar mais

11 Ler mais

Variabilidade intra e intergenotípica em uma população de híbridos entre Leucaena leucocephala e L. diversifolia.

Variabilidade intra e intergenotípica em uma população de híbridos entre Leucaena leucocephala e L. diversifolia.

Abstract – This work aimed to estimate the variability of some morphological characteristics in hy- brids of Leucaena. Twenty genotypes, with 30 individuals each, of hybrids between L. leucocephala and L. diversifolia were established in a randomized blocks design with six repetitions. Leaf length, number of pinnae and leaflet pairs, number of extrafloral nectaries, legume length and width and num- ber of seeds per legume were analyzed. Leaf length average values ranged from 8.6 cm to 30.6 cm. Number of leaflets per pinna ranged from 10.7 to 53.4 and the number of pinnae per leaf ranged from 5.6 to 20.3. Most of the individuals presented an average of 1.0 extrafloral nectary per leaf. The highest average value of number of seeds per legume was 24.1 and the lowest 5.0. Five genotypes were the most uniform considering the characteristics analyzed.
Mostrar mais

8 Ler mais

TABELAS DE V O L U M E P A R A A F L O R E S T A D E T E R R A F I R M E D A ESTAÇÃO E X P E R I M E N T A L DE S I L V I C U L T U R A T R O P I C A L ( )

TABELAS DE V O L U M E P A R A A F L O R E S T A D E T E R R A F I R M E D A ESTAÇÃO E X P E R I M E N T A L DE S I L V I C U L T U R A T R O P I C A L ( )

Este trabalho tem como objetivo a elaboração de uma tabela regional que servirá para estimar os volumes comer- ciais de fustes de árvores em pé, para um grupo de espécies madeireiras [r]

9 Ler mais

L E AGRICU L TU RA F AMILIA R

L E AGRICU L TU RA F AMILIA R

A 1ª Oficina de Educação Ambiental e Agricultura Familiar promovida pelo Departamento de Educação Ambiental foi um importante espaço de diálogo dos diversos atores envolvidos com a tem[r]

28 Ler mais

O GÊNERO EUGENIA L. (MYRTACEAE) NOS ESTADOS DE GOIÁS E TOCANTINS, BRASIL

O GÊNERO EUGENIA L. (MYRTACEAE) NOS ESTADOS DE GOIÁS E TOCANTINS, BRASIL

The Myrtaceae include aproximately 132 genera and 5671 species, distributed mainly in the tropical regions of the world, with centers of diversity in Australia, Southeast Asia and South America, both tropical and temperate, with a few species ocorring in Africa. Eugenia L., with c. 1000 species is the largest genus in the family. Eugenia grows from Mexico and the Caribbean to Northern Argentina and estimates are that 350 espécies are native to Brazil. The objective of this study was a floristic investigation of Eugenia L. in the states of Goiás and Tocantins, as a contribution tow ards a flora of these states. The“Flora dos Estados de Goiás e Tocantins” began in 1968 and up until now, 38 volumes have been published. Field work was carried out between September 2008 and June 2010. To complement field observations, herbarium specimens of Eugenia from the CEN, ESA, IAN, IBGE, HEPH, HJ, HTO, HUEG, HUTO, MBM, MG, R, RB, SP, UB, UEC and UFG herbaria, totalizing 1035 specimens, were also examined, most of which were represented in UB. Fifty-one species were recognized amongst which nine are new to science; most of these belong in section Umbellatae. The study was divided in six chapters which are organized in the style of the chosen place of publication. The first chapter contains the taxonomic treatment of the known flora de Goiás e Tocantins and is in the format adopted by the flora. In this chapter 51 species are treated, with identification keys and geographic distribution maps. The second chapter describes a new species from northern Goiás and has already been submitted to Kew Bulletin; it contains description, diagnosis, and a key to distinguish it from similar species. The third chapter includes the description of two new species from the Jalapão region in Tocantins and is formatted for the botanical journal Brittonia. The fourth chapter proposes two new species from northeastern Goiás, and is also formatted for Kew Bulletin. The fifth chapter describes two new species from the state of Tocantins formatted for Brittonia. The sixth chapter proposes two new species for the Cerrado Biome and is formatted for Rodriguesia. All chapters contain comments, illustrations, discussion of the possible infra-generic posistion, and geographic distribution maps.
Mostrar mais

266 Ler mais

O r IG IN A l A r TI Cl E

O r IG IN A l A r TI Cl E

In฀conclusion,฀we฀believe฀that฀the฀decrease฀in฀HBV฀and฀ HCV฀prevalence฀over฀time฀has฀been฀multifactorial฀and฀has฀ been฀ attributed฀ to฀ a฀ higher฀ public฀ awareness฀ compared฀ to฀ previo[r]

6 Ler mais

O r IG IN A l A r TI Cl E

O r IG IN A l A r TI Cl E

The฀ main฀ reason฀ for฀ the฀ predominance฀ of฀ incidence฀ studies฀ rest฀ in฀ the฀ way฀ how฀ the฀ data฀ are฀ collected.฀ The฀ term฀incidence฀refers฀to฀the฀number฀of฀new฀cases฀of฀in- fecti[r]

6 Ler mais

AVALIAÇÃO DA AÇÃO DE EXTRATOS VEGETAIS SOBRE A FORMAÇÃO DE BIOFILMES POR Candida albicans  http://dx.doi.org/10.5892/ruvrv.2011.92.337343

AVALIAÇÃO DA AÇÃO DE EXTRATOS VEGETAIS SOBRE A FORMAÇÃO DE BIOFILMES POR Candida albicans http://dx.doi.org/10.5892/ruvrv.2011.92.337343

Segundo WAKIMOTO, 2004, a inibição do biofilme poderia ser testada utilizando microplacas para cultivo celular juntamente com extratos. Com esta técnica testamos a inibição da formação do biolfime de Candida albicans com extratos vegetais da folha de goiabeira (Psidium Guajava L) e da folha de jabuticabeira (Myrciaria Cauliflora). De acordo com as leituras comparadas com o controle de clorexidina a 0,12% que inibiu a formação de biofilme, verificou-se que esses extratos não inibiram a formação de biofilme por nenhum dos isolados testados. A clorexidina tem sido muito utilizada no controle de formação do biofilme dental, alterando a composição bacteriana do biofilme supragengival produzindo uma redução significante sobre o número de microrganismos por períodos prolongados. Segundo BEIGHTON; DECKER; HOMER (1991) este fato ocorre devido à sua liberação lenta na cavidade bucal (maior substantividade ou adesividade) e consequentemente a sua ação inibidora sobre as enzimas glicosídicas e proteolíticas.
Mostrar mais

7 Ler mais

Antioxidant activity and phenolic content of leaf infusions of Myrtaceae species from Cerrado (Brazilian Savanna)

Antioxidant activity and phenolic content of leaf infusions of Myrtaceae species from Cerrado (Brazilian Savanna)

Phenolics are the most abundant secondary metabolites in plants (Dai and Mumper, 2010). Myrtaceae species have the ability to accumulate phenolics (Salvador et al., 2011 ). These organic compounds are important defense antioxidants (Pietta, 2000), which are more potent than Vitamin C and E and carotenoids (Rice-Evans et al., 1996 ). Some authors reported phenolic contents in leaves of other Myrtaceae species. Coutinho et al. (2008) found a TPC of 7.2-21.2 mg GAE/g extract in Campomanesia adamantium. Salvador et al. (2011) reported high values for Eugenia chlorophylla, Eugenia pyriformis, Myrcia laruotteana, and Myrcia obtecta (343.7-429.3 mg GAE/g extract). In these studies, the extraction methods were different. They used organic solvents such as hexane, chloroform, methanol, and ethanol. However, some of our TPC values were still higher than these results.
Mostrar mais

5 Ler mais

M A R I L U CI A B A R R O S D E O L I V E I R A

M A R I L U CI A B A R R O S D E O L I V E I R A

O presente trabalho toma como base resultados estatísticos para a avaliação da acentuada palatalização de /l/ em Itaituba- PA. Estuda-se a realização variável da lateral prevocálica /l/, diante de /i j/, como em inteligente e família, a partir do fa- lar de Itaituba-PA. A pesquisa seguiu os pressupostos teórico- metodológicos da Sociolinguística. Ao todo, foram coletados 36 relatos de experiência narrados por 36 falantes nativos de Itaituba que são filhos de pessoas nascidas também na mesma localidade. Os dados coletados receberam um enfoque quanti- tativo e qualitativo. Passaram por um tratamento estatístico e foram interpretados à luz da sociolinguística laboviana. Os re- sultados referentes às variáveis sociais consideradas na pesquisa foram interpretados sociolinguisticamente tomando-se, para isso, a análise das atitudes linguísticas, avaliação que os falan- tes de Itaituba manifestam durante seus relatos. Os resultados indicam que a palatalização de /l/, diretamente ligada ao falar belenense, é a tendência no falar itaitubense e que essa tendência está relacionada à história de migração da cidade.
Mostrar mais

17 Ler mais

O USO DA TECNOLOGIA BIM NA INVESTIGAÇÃO DA MODULAÇÃO ESTRUTURAL PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL EM ENCOSTAS

O USO DA TECNOLOGIA BIM NA INVESTIGAÇÃO DA MODULAÇÃO ESTRUTURAL PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL EM ENCOSTAS

O produto é composto por um modelo e três arquivos que contém as três principais tipologias utilizadas na produção de Habitação de Interesse Social: Convencional, Metálico e Alvenaria Estrutural. As principais famílias1 disponibilizadas são: Estrutura (pilares estruturais, blocos de fundação, lajes e escadas) Fechamento e Revestimento (alvenaria comum, forros, tabicas, pisos e soleiras), Guarda corpos e Corrimãos, Telhados (famílias), Sanitários (aparelhos e metais) e Caixilhos (portas e janelas). Analisando-se, porém, os elementos que compõem estas famílias, verifica-se que em seus parâmetros não foram definidos atributos que permitam a extração de muitas informações relevantes para o projeto, como por exemplo as propriedades termofísicas do componente, como se pode ver na figura 2.11 (NARDELLI; OLIVEIRA, 2013).
Mostrar mais

87 Ler mais

Biologia floral e da polinização de quatro espécies de Eugenia L. (Myrtaceae).

Biologia floral e da polinização de quatro espécies de Eugenia L. (Myrtaceae).

ABSTRACT – (Floral and pollination biology of four species of Eugenia L. (Myrtaceae)). Eugenia uniflora, E. punicifolia, E. neonitida and E. rotundifolia are perennial species, usually shrubs, occurring in the restinga of Grumari Natural Municipal Park west of Rio de Janeiro. They have racemose inflorescences with pedicellate flowers inserted in the leaf axils. The flowers are androgynous, polystemonous, of the Papaver type, and generalists. Pollen grains are the only floral resource (classified as pollen-flowers). The stigma is dry, minute and made up of delicate papillae. Anthesis is diurnal. The flowers last only one day and are visited by a wide range of insects, including Hymenoptera, Diptera, Coleoptera and Neuroptera, for a total of 29 species. Bees are the most common visitors, with Apis mellifera L., a species introduced by human activities, the most frequent and abundant. This bee is regarded as the true pollinator of the species studied here. Flowering is yearly and massive. E. uniflora blooms from August to October, and fruits from September to November. E. neonitida blooms from late August to early December, and fruits from October to the first week in January. E. punicifolia bloomed twice in 2003, first in June and July, with fruiting in August, and second, from September to October, fruiting in November and December. In 2004, it bloomed only in August with fruiting from October to December. E. rotundifolia bloomed in March, with fruiting from May to June.
Mostrar mais

13 Ler mais

Avaliação da atividade antibacteriana de folhas de Myrtus communis L. (Myrtaceae)

Avaliação da atividade antibacteriana de folhas de Myrtus communis L. (Myrtaceae)

Espécies vegetais continuam a representar fontes de inúmeras drogas e estudos relacionados à investigação de propriedades terapêuticas exibidas por estas constituem-se em importante ferramenta para esclarecimento científi co. Assim uma espécie pode ser analisada quanto aos seus constituintes químicos obtidos em diferentes situações. Os óleos essenciais são misturas constituídas por um número variado de substâncias orgânicas com estruturas relativamente simples, onde os principais componentes provêm de rotas secundárias do metabolismo de plantas, como os monoterpenos, sesquiterpenos e fenilpropanóides. Essas composições naturais se tornaram um conveniente atrativo devido às suas propriedades biológicas e organolépticas. Entre as espécies reconhecidas como produtoras de óleo essencial anti-séptico destacam-se o Ocimum gratissimum L., conhecido popularmente como alfavacão (Ntezurubanza et al., 1987), o Cymbopogon citratus (DC) Stapf ou capim-limão (Onawunmi & Ogunlana, 1986) e Salvia
Mostrar mais

4 Ler mais

ORIGEM E DISTRIBUIÇÃO DO PLEXO BRAQUIAL NO NUTRIA (Myocastor coypus)GUIMARES, Rodrigo Tomem; B I R C K , A r l e i J o s ; F I L A D E L P H O , A n d r  L u i s; G U I M A R  E S , G r e g  r i o C o r r  a; B A R C E L O S , R o d r i g o P a t e r a.

ORIGEM E DISTRIBUIÇÃO DO PLEXO BRAQUIAL NO NUTRIA (Myocastor coypus)GUIMARES, Rodrigo Tomem; B I R C K , A r l e i J o s ; F I L A D E L P H O , A n d r L u i s; G U I M A R E S , G r e g r i o C o r r a; B A R C E L O S , R o d r i g o P a t e r a.

é formado pelos ramos ventrais do sexto, sétimo e oitavo nervos cervicais (C6, C7 e C8) e pelo primeiro e segundo nervos torácicos (T1 e T2), com uma contribuição inconstante do quinto nervo cervical (C5), (GETTY, R.; SISSON & GROSMAN. 1981). Na chinchila (Chinchilla lanigera) o plexo braquial é constituído pelos ramos ventrais do sexto, sétimo e oitavo nervos cervicais (C6, C7 e C8) e primeiro torácico (T1), (GAMBA et al, 2007). Nos mocós (Kerodon rupestris wied) o plexo braquial é o resultado do estabelecimento de ligações entre os ramos ventrais dos três últimos nervos cervicais (C6, C7 e C8) e dos dois primeiros nervos torácicos (T1 e T2). Sendo que em 35% das dissecações, foi observada a contribuição do quinto nervo cervical (C5) para a formação do plexo. (SANTANA et al; 2003). Em pacas (Agouti paca) ficou evidenciado apenas um padrão de formação do plexo braquial nas pacas, sendo este constituído pelas raízes ventrais de C5 a T2. Não se registrou a presença de troncos ou cordões (SCAVONE et al; 2008). Em lobos marinhos (Arctocephalus australis) o plexo braquial é formado pelos ramos ventrais do sexto, sétimo e oitavo nervos cervicais (C6, C7 e C8) e primeiro nervo torácico (T1), sendo esta descrição compatível à existente para cão e gato (SOUZA et al; 2010).
Mostrar mais

19 Ler mais

Envelhecimento acelerado em sementes de pimenta-malagueta (Capsicum frutescens L.)

Envelhecimento acelerado em sementes de pimenta-malagueta (Capsicum frutescens L.)

This work aimed to study the protocol to evaluate the physiological potential of red pepper seed (Capsicum frutescens L.), including the evaluation of the efficiency of a salt saturated solution to control seed water absorption. Five pools of seeds were submitted to test germination, seedling emergence in green house, and accelerated aging (48, 72 or 96 hours at either 38 or 41ºC) treated and not treated with a solution saturated with NaCl. The accuracy of the accelerated aging test (with the salty solution), carried out within 72 hours at 38 and 41ºC, was shown satisfactory for the evaluation of the physiological potential of red pepper seeds. The use of NaCl saturated solution lessened the roughness of the test without reducing its efficiency.
Mostrar mais

6 Ler mais

Organização estrutural da casca de Persea major Kopp (Lauraceae).

Organização estrutural da casca de Persea major Kopp (Lauraceae).

RESUMO – (Organização estrutural da casca de Persea major Kopp (Lauraceae)). O presente estudo foi desenvolvido com o objetivo de contribuir ao conhecimento da estrutura da casca de Persea major Kopp (Lauraceae), espécie nativa da América do Sul. No Brasil, é conhecida, popularmente, como “pau de andrade” e utilizada na cultura tradicional na cicatrização dos ferimentos. A análise da casca foi feita usando microscopia de óptica. A casca se distingue, principalmente, pelo tipo e distribuição dos tecidos esclerenquimáticos e a presença de células oleíferas e mucilaginosas. As características encontradas na estrutura da casca desta espécie mostram grande importância para a identificação e servem como parâmetros no controle de qualidade. Estas células oleíferas e mucilaginosas com uma distribuição restrita nas dicotiledôneas constituem uma característica taxonômica e diagnóstica particularmente valiosa.
Mostrar mais

7 Ler mais

R o l l i n i a e m a r g i n a t a Schecht

R o l l i n i a e m a r g i n a t a Schecht

Arbol de 5-6 mts. Flores azuladas, pequenas, en espigas. Se usa como hipoglucemico en cocímientos al 20 por mil en tisanas, Ias hojas. de altura, crece entre las ptedras dei rio Para[r]

10 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados