Top PDF Pólo responsável: jornal sobre responsabilidade social das empresas do pólo industrial de Camaçari

Pólo responsável: jornal sobre responsabilidade social das empresas do pólo industrial de Camaçari

Pólo responsável: jornal sobre responsabilidade social das empresas do pólo industrial de Camaçari

matéria, foram ouvidos os artistas vencedores, membros da comissão julgadora, o secretário de cultura do Estado e a fonte da empresa responsável pelo programa. Os artistas foram unânimes em ressaltar a importância do prêmio para a classe teatral e lembraram que é o único incentivo que existe na Bahia em termo de premiação e reconhecimento. Enquanto a empresa afirmou que o Prêmio Braskem de Teatro é o carro-chefe entre os programas de promoção cultural que possui. Por esses motivos, esta foi a principal reportagem do jornal. A terceira reportagem produzida está situada na área educacional: “Clube de Leitura transporta crianças de Areias ao mundo dos livros”. Esta matéria mostra como uma iniciativa conseguiu despertar o prazer da leitura em crianças e pré-adolescentes, tarefa que muitas vezes os pais e as escolas não conseguem. O Clube de Leitura é um dos programas de relacionamento com a comunidade da empresa Millennium, industria que produz um pigmento usado para dar cor, brilho e opacidade a uma enorme gama de produtos. A dupla de repórteres ficou impressionada ao ver crianças tão entusiasmadas com o mundo dos livros. No Clube, um coordenador desenvolve atividades em várias linguagens. As crianças escrevem sobre o que leem, recontam a estória, desenham, às vezes pintam, trabalham com massa de modelar e representam. Apesar de não ter conhecido as crianças antes de ingressarem no Clube, deu para perceber a desenvoltura dos pequeninos.
Mostrar mais

28 Ler mais

Responsabilidade social corporativa do pólo industrial de Camaçari: a influência do conselho comunitário consultivo

Responsabilidade social corporativa do pólo industrial de Camaçari: a influência do conselho comunitário consultivo

O Pólo conseguiu, através do Cofic, estabelecer uma interface entre o empresariado e as comunidades, quanto às questões de segurança, meio ambiente e saúde do trabalho. Essa relação tem avançado bastante através do Conselho. Antes as comunidades não tinham informação, estavam completamente alijadas do processo. Hoje não só têm as informações, como também estão preparadas para eventuais anormalidades, através dos Núcleos de Defesa Comunitária (NUDECs). Este conselho é extremamente equilibrado e muito respeitado, desde a sua criação. O Conselho tem uma filosofia: nenhuma empresa é obrigada a ir às reuniões justificar eventuais problemas, mas se for, deve falar a verdade. Não admitimos técnicos que usem a linguagem técnica para ocultar a verdade. Nós estamos amadurecendo, a convivência entre empresas e conselheiros está avançando de forma gradual. E temos conquistas, como a realização de auditorias nas clínicas de Camaçari que fazem exames pré-admissionais e demissionais nos empregados das empresas que prestam serviços ao Pólo e a sensibilização do Governo do Estado para recuperar as vias internas”. JERONIMO FEREIRA COUTO, ex- operador do Pólo, presidente da Câmara Municipal de Dias D'Ávila (COFIC, 2003 a, p. 5).
Mostrar mais

150 Ler mais

A Educação Ambiental no processo de Gestão Ambiental em indústria petroquímica do Pólo Industrial de Camaçari - Ba

A Educação Ambiental no processo de Gestão Ambiental em indústria petroquímica do Pólo Industrial de Camaçari - Ba

À certificação constituiu um dos temas trabalhados no programa de educação ambiental, através de treinamentos e palestras dirigidas aos empregados do grupo experimental, que apresentaram as seguintes afirmativas: “certificação voltada para o meio ambiente” e “sistema de certificação ambiental”. Observa-se, portanto, uma confusão conceitual, visto que a ISO 14001 é compreendida como uma certificação e não como uma norma que oferece diretrizes e bases para implantação do sistema de gestão ambiental podendo ou não originar uma certificação. A ênfase na certificação evidencia a sua importância para empresa, a qual tenta responder às pressões comerciais e da sociedade através da obtenção desse certificado sem, muitas vezes, atentar para a devida responsabilidade ambiental. Ao grupo controle não foi oportunizado esse aprendizado por parte da indústria; mesmo assim, 9% da população amostrada tinham conhecimento sobre o tema conforme demonstrado a seguir: “certificação para cuidar do meio ambiente com credibilidade” e “certificação adquirida pelas empresas”.
Mostrar mais

126 Ler mais

Responsabilidade social empresarial nas empresas do pólo industrial de Camaçari

Responsabilidade social empresarial nas empresas do pólo industrial de Camaçari

Os dados e informações levantados na pesquisa podem, portanto, podem refletir uma realidade predominante das ações sociais das empresas do pólo de Camaçari, podendo servir de base para a[r]

119 Ler mais

UMA ANÁLISE DO ARRANJO PRODUTIVO DO PÓLO  INDUSTRIAL DE CALÇADOS DE CAMPINA GRANDE - PB

UMA ANÁLISE DO ARRANJO PRODUTIVO DO PÓLO INDUSTRIAL DE CALÇADOS DE CAMPINA GRANDE - PB

Para se ter uma noção do peso da produção do pólo industrial de Campina Grande, será importante fazer referência ao desempenho das exportações da Paraíba. No ano de 1992, as exportações de calçados da Paraíba eram inferiores a três milhões de dólares; em 1999, ultrapassavam os US$ 16 milhões. O produto exportado é, em maior número, o calçado de couro natural e, em menor volume, de calçados impermeáveis de borracha (Sebrae. 2001). Até julho deste ano, o valor exportado atingiu a US$ 16,70; equivalente a 54.509 mil pares de calçados. (Abicalçados,2003). Quando observada a evolução das vendas do setor, verifica-se um desempenho crescente. Esse crescimento está associado à instalação de empresas do Sul e Sudeste, atraídas para o Estado em decorrência dos incentivos fiscais; e menos ao desempenho das empresas locais. No momento, as empresas do arranjo estão praticamente se iniciando na fase de exportações. Apenas duas empresas locais realizam valores consideráveis de exportações. Uma delas exporta cerca de 15% de sua produção para países da América do Sul (Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai), o que pode representar, em dados estimados, cerca de 100 mil pares anuais, ou R$ 1,0 milhão. Já a Alpargatas informou que exporta cerca de 5% de sua produção, estimando-se o total exportado em cerca de cinco milhões de pares de sandálias havaianas (aproximadamente R$ 16 milhões), para países como Bolívia, Colômbia, Hawai e Japão., (Lemos & Palhano, 2000).
Mostrar mais

91 Ler mais

Desenvolvimento de um sistema de custeio em uma pequena empresa náutica do Pólo Industrial de Manaus

Desenvolvimento de um sistema de custeio em uma pequena empresa náutica do Pólo Industrial de Manaus

Dada a importância de planejar, o processo de concepção de orçamentos demanda muitos recursos, uma vez que fornecerá um meio de coordenação do negócio como um todo, o que torna imprescindível a colaboração dos gestores de todos os setores, inclusive no acompanhamento durante o período orçamentado. Busca-se, dessa forma, desenvolver um planejamento colaborativo, onde todos têm a possibilidade de aplicar seus próprios orçamentos na prática, refletindo na melhoria da qualidade da base para planejamento, já que são analisados diversos pontos de vista; alto nível motivacional, pois, a participação cria um maior compromisso e responsabilidade com os planos acordados; e resultados superiores, visto que possuem maior conhecimento de causa e conseguem realizar um controle com maior eficiência (Berry, 1987; Horngren et. al., 2010; Walker, 2008).
Mostrar mais

87 Ler mais

Disciplina jurídica sobre a proteção dos corpos de água e a disposição final de efluentes: o tratamento dos efluentes industriais no pólo integrado de Camaçari/Bahia

Disciplina jurídica sobre a proteção dos corpos de água e a disposição final de efluentes: o tratamento dos efluentes industriais no pólo integrado de Camaçari/Bahia

Mesmo porque, um fator primordial para a qualidade da água é justamente uma menor concentração dos compostos químicos do efluente por metro cúbico, motivo pelo qual a Resolução N.º 430/2011 açambarca a mencionada capacidade de suporte, preconizada justamente pela CECR (Concentração do Efluente no Corpo Receptor). O corpo receptor é o corpo hídrico superficial onde serão lançados os efluentes. Assinalando que a zona de mistura variará de acordo com cada parâmetro previamente regulamentado no caso concreto (por exemplo, dependerá do segmento industrial, dos tipos de substâncias químicas contidas nos efluentes, da extensão do respectivo corpo de água, do processo escolhido para o tratamento dos efluentes, da capacidade de produção, e, consequentemente, do volume de efluente industrial produzido, sendo que o empreendedor interessado obrigatoriamente deve informar às autoridades competentes o rol de componentes químicos que possivelmente estarão presentes em seus efluentes), contudo, é mister salientar que esta Resolução do CONAMA conceitua a zona de mistura como sendo “a região do corpo receptor, estimada com base em modelos teóricos aceitos pelo órgão ambiental competente, que se estende do ponto de lançamento do efluente, e delimitada pela superfície em que é atingido o equilíbrio de mistura entre os parâmetros físicos e químicos, bem como o equilíbrio biológico do efluente e os do corpo receptor” (BRASIL, 2011).
Mostrar mais

238 Ler mais

Análise da maturidade da gestão socioambiental praticada pelo Grupo Dutovia RLAM do Pólo Camaçari – Aratu: suas contribuições e desafios

Análise da maturidade da gestão socioambiental praticada pelo Grupo Dutovia RLAM do Pólo Camaçari – Aratu: suas contribuições e desafios

pelas organizações, suas contribuições e desafios. O Grupo de Gestão Compartilhada da DUTOVIA RLAM do Pólo Camaçari – Aratu foi formado com o propósito de promover a integração entre as empresas proprietárias dos dutos que constituem a DUTOVIA no gerenciamento de suas ações socioambientais. Esta pesquisa objetivou analisar a gestão socioambiental praticada pelo referido Grupo, identificando o estágio de maturidade desta gestão, as contribuições para as suas partes interessadas, suas fragilidades e possibilidades, visando contribuir para o seu aprimoramento. Para atingir esse objetivo foi realizada uma pesquisa de natureza qualitativa, aplicada, descritiva e exploratória. A revisão de literatura permitiu a delimitação do arcabouço teórico- conceitual sobre a gestão socioambiental e a elaboração de um modelo propositivo, o Modelo de Maturidade Socioambiental – MMS, para avaliação da maturidade dessa gestão. Foi utilizada como estratégia de validação a triangulação de dados e das técnicas: analise documental, observação participante e entrevistas. As entrevistas permitiram compreender a percepção de representantes do grupo DUTOVIA e de suas partes interessadas. Complementarmente e também como estratégia de validação, foi também utilizado o grupo focal. Os resultados desta pesquisa revelam que o grupo DUTOVIA cresceu ao longo dos anos de sua atuação de forma desordenada e com fragilidades na gestão praticada e que a atual formação deste grupo tem buscado melhorias. Com base no modelo proposto, pode-se avaliar que o grupo DUTOVIA encontra-se no estágio de maturidade 2, estando suas ações concentradas no atendimento de requisitos legais, no gerenciamento de riscos conhecidos e no desenvolvimento dos interesses das organizações participantes. Os resultados indicaram, no entanto, que o Grupo percebe sua prática como de cooperação e compartilhamento na cadeia produtiva. Através dos dados da pesquisa observou-se que esse compartilhamento da gestão se dá entre as empresas integrantes, mas ainda está distante de se perpetuar na cadeia de atores sociais, já que o poder de decisão está centralizado nas mesmas. As contribuições para as partes interessadas são voltadas para às comunidade residenciais, cuja participação neste relacionamento se dá de forma passiva, não se constituindo num estágio avançado de participação. Os desafios para gestão socioambiental do Grupo estão concentrados no melhor relacionamento com as partes interessadas e na analise das ameaças e fraquezas da gestão. Como caminhos de aprimoramento são apresentadas algumas sugestões e o próprio MMS, como ferramenta para avaliar as práticas de processo dos estágios sucessivos, que podem conduzir ao aperfeiçoamento do grupo.
Mostrar mais

194 Ler mais

Avaliação de impactos ambientais da atividade industrial no Pólo Moveleiro de Ubá MG

Avaliação de impactos ambientais da atividade industrial no Pólo Moveleiro de Ubá MG

As empresas do setor moveleiro de Ubá e região apresentam diversificação em sua linha de produtos. Entre os móveis fabricados destacam-se as linhas de “camas”, “guarda-roupas”, “cômodas e criados”. Além desses, destacam-se “sala de jantar” e “estofados”. A diversificação da linha de produção proporciona alguns benefícios, tais como maior aproveitamento da matéria-prima, ampliação do campo de trabalho para profissionais especializados em “design” e maior capacidade para atender diferentes demandas de mercado. No entanto, observa-se que a maioria das empresas fabrica uma mesma linha de produtos, competindo entre si, principalmente através dos preços. Dessa forma, beneficiam-se pouco ou quase nada das economias de escala externa, derivadas da especialização. O setor moveleiro da região apresenta economias de escala internas, obtidas através da verticalização de suas atividades (IEL-MG/INTERSIND/SEBRAE-MG, 2003).
Mostrar mais

177 Ler mais

Pólo industrial exportador: desafios para o novo papel da zona franca de Manaus

Pólo industrial exportador: desafios para o novo papel da zona franca de Manaus

É muito importante o aprimoramento da mentalidade brasileira no sentido da eficiência da exportação. O governo não tem condições de atender às necessidades do empresariado, em matéria de estratégia e tática de exportação, por serem essas atividades da competência da livre-iniciativa, no campo da micropolítica de comércio exterior. A função do governo numa economia não estatizada e moderna é desenvolver a macropolítica de comércio exterior, propiciando infra-estrutura, a fim das empresas comerciais poderem operar com eficiência, implantando ou melhorando corredores de exportação e importação, parques de armazenamentos, instalações portuárias, rodoviárias, ferroviárias e aéreas, estabelecendo um sistema de financiamento de exportação com juros no nível do mercado internacional etc, facilitando assim o fluxo das mercadorias. É necessário então que a iniciativa privada se pronuncie, abra caminhos, seja engenhosa e atinja sua finalidade. (Labatut, 1 994; p. 23 1).
Mostrar mais

152 Ler mais

Experiências em desenvolvimento de produtos em empresas pioneiras do Pólo Tecnológico de São Carlos.

Experiências em desenvolvimento de produtos em empresas pioneiras do Pólo Tecnológico de São Carlos.

Existe ainda o problema relativo ao tempo de desenvolvimento. Nevens, Summe e Uttal (1990) mostraram que as novas gerações de produtos de base tecnológica têm sido substituídas cada vez com maior rapidez. Conciliar essa velocidade com a capacidade de investimento e os recursos de empresas de porte pequeno e médio é uma questão difícil de ser resolvida, principal- mente agora, quando não existe uma política tecnológica e industrial que possa ser considerada consistente, e há dificuldade de acesso às linhas de financiamento. Algumas empresas relataram dificuldades decorrente dotempo de desenvolvimento que seus produtos exigem. A maioria das empresas não contou com nenhum tipo de apoio financeiro, tendo utilizado somente recursos próprios e financiamentos bancários, nas condições de mercado. Apenas duas empresas contaram com financiamentos de órgãos governamentais.
Mostrar mais

14 Ler mais

Um estudo sobre os atributos técnicos e humanos para consolidação da carreira de executivo do pólo industrial de Manaus - PIM

Um estudo sobre os atributos técnicos e humanos para consolidação da carreira de executivo do pólo industrial de Manaus - PIM

Este trabalho é o resultado de uma pesquisa realizada no Pólo Industrial de Manaus – PIM, direcionada aos executivos que ocupam cargo de diretores de empresas associadas ao Centro da Industria do Estado do Amazonas – CIEAM, cujo principal objetivo foi o de investigar os atributos técnicos e humanos relevantes na trajetória de carreira de profissionais consagrados como bem-sucedidos. Na intenção de contribuir com as instituições de ensino, ao se comprovar por meio de dados, a necessidade de apresentar uma nova grade curricular; ainda com as organizações, na garantia de se manterem competitivas no mercado, também, com os profissionais, visando salientar um conjunto de competências gerenciais, as quais poderão servir como orientação global para se construir um novo modelo mental, para atuar em empresas contemporâneas. Foi feito um levantamento e identificação destes atributos, técnicos e humanos, considerados na percepção dos respondentes os de maior contribuição na construção de carreira. O embasamento teórico contou com autores clássicos como: Taylor, Fayol, Mintzberg, Barnard, Levy-Leboyer, Lubinski, McCall, entre outros, fazendo uma retrospectiva no tempo enfatizando as abordagens clássicas correspondentes aos autores citados. Este estudo obteve como resultado, na percepção dos pesquisados, a análise das variáveis: humildade, flexibilidade, visão holística, entre outras, as de maior importância na trajetória de carreira, conduzindo assim, ao reconhecimento de que a subjetividade humana é um dos construtos imprescindível no conjunto de características que qualificam um executivo de sucesso. Devido à importância do assunto, recomenda-se a ampliação deste estudo a outros tipos de profissionais e de organizações.
Mostrar mais

132 Ler mais

Assinaturas geoelétricas em área contaminada por hidrocarboneto no pólo industrial de Cubatão - SP

Assinaturas geoelétricas em área contaminada por hidrocarboneto no pólo industrial de Cubatão - SP

Os valores de resistividade entre 50 e 300 ohm.m, obtidos no imageamento 2D-L3, representam as fácies arenosas na zona não saturada, enquanto os demais valores correspondem às fácies a[r]

103 Ler mais

Os processos de formulação de estratégias: caso das maiores empresas do pólo eletrônico de Manaus

Os processos de formulação de estratégias: caso das maiores empresas do pólo eletrônico de Manaus

bolsas brasileiras, o que acabaria se agravando com a crise da Rússia. O cenário mudou rapidamente com a desvalorização do Real e o aumento da taxa de juros básica e dois fatores principais concorreram para a configuração de uma grave crise no setor: o Dólar, reajustado em tomo de 30%, aumentou quase na mesma proporção os custos de produção e a elevação da taxa de juros básica, que provocou a queda no consumo. O varejo foi o primeiro setor a sentir os efeitos da crise, perdeu liquidez rapidamente e passou a exigir maiores prazos às industrias, que também estavam em situação financeira precária, em função da queda no faturamento, aumento de custos e desembolsos referentes a investimentos. O resultado foi quebras por um lado e empresas endividadas, por outro, excetuando-se grandes corporações multinacionais que direcionaram capacidades ociosas de suas fábricas, no Brasil, para outras operações internacionais através da exportação.
Mostrar mais

156 Ler mais

A Responsabilidade Social das Empresas.

A Responsabilidade Social das Empresas.

ao seu conteúdo jurídico, aliás conforme se comprova pelos artigos publicados quanto a esta temática: O novo Direito das Sociedades: para uma governação socialmente responsável (disponível em http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/iuris/article /view/7655/6749); A Responsabilidade Social das Empresas através do Direito (e o Direito à luz da Responsabilidade Social das Empresas), in Responsabilidade Social – Uma visão Ibero-Americana, Almedina, Coimbra, 2011, 599-632; Entre Corporate Governance e Corporate Responsibility: deveres fiduciários e “interesse social iluminado”, in I Congresso DSR, 2011, Almedina, Coimbra, 211-258; A Responsabilidade Social das Empresas — Sinais de um instituto jurídico iminente?, in AAVV Estudos em homenagem ao Prof. Doutor Manuel Henrique Mesquita, vol. II, Coimbra Editora, Coimbra, 2009, 835-867. Também Manuel Carneiro da Frada, A business judgment rule no quadro dos deveres gerais dos administradores, in ROA, Ano 68, nº 1, Lisboa, 2007, 159-205., pp. 177-178, revela a necessidade de se atender aos interesses subjacentes à RSE, por força do art. 64.º n.º1 al. b) do CSC. Paulo Câmara, Código das sociedades comerciais e a reforma ao código das sociedades comerciais, Almedina, Coimbra, 2008, p. 40, faz apenas uma referência ao facto de parte do preceito 64.º do CSC abrir a porta a um relançamento da RSE. J.M. Coutinho de Abreu, Deveres de Cuidado e de Lealdade dos Administradores e Interesse Social in Reformas do Código das Sociedades, IDET, colóquios n.º 3, Almedina, Coimbra, 2007, 15- 47, pp. 46- 47, menciona a temática da RSE, no entanto, revela-se muito cético quanto ao caráter jurídico da mesma. Posição bem visível na sua afirmação: “tema (mais) jurídico afim do da responsabilidade social das empresas é o da função ou vinculação social da propriedade e iniciativa económica privadas”, p. 47, nota 98.
Mostrar mais

71 Ler mais

Abordagem dos profissionais de saúde frente ao Programa de Prevenção de Perda Auditiva no Pólo Industrial de Manaus.

Abordagem dos profissionais de saúde frente ao Programa de Prevenção de Perda Auditiva no Pólo Industrial de Manaus.

Objetivo: avaliar a abordagem dos proissionais que atuam na saúde do trabalhador em empresas do Pólo Industrial de Manaus no desempenho de práticas previstas no Programa de Prevenção de Perda Auditiva no trabalho. Métodos: a partir de uma abordagem qualitativa, aplicou-se uma entrevista semiestruturada com 20 médicos do trabalho e 20 fonoaudiólogos. Resultados: seguindo o método de análise de conteúdo foram identiicadas três categorias num contínuo evolutivo que expressam o conhecimento dos proissionais sobre o Programa de Prevenção de Perda Auditiva: visão pragmática, visão disciplinar e visão sistêmica. Categorias estas que retratam a atuação proissional e evidenciam limitações e avanços de cuidado que as empresas têm em relação à saúde do trabalhador em parti- cular, da audição. Conclusões: este estudo mostra que ainda há uma grande distância entre o que é proposto e o que se faz. Com base nos dados obtidos conclui-se que os proissionais de saúde, que atuam em empresas do Pólo Industrial de Manaus, abordam aspectos relevantes do PPPA, entre- tanto, implementam ações de maneira desarticulada, ainda centradas nas exigências legais mínimas, limitando assim, a implantação de um programa preventivo eicaz. Os motivos que retratam esse cenário indicam a necessidade de estudos mais aprofundados, de modo a inserir todos os atores sociais e assim evidenciar o contexto nas mais diversas dimensões.
Mostrar mais

9 Ler mais

Educação Ambiental: instrumento para a redução de acidentes laborais no pólo industrial de Manaus e sustentabilidade da Amazônia

Educação Ambiental: instrumento para a redução de acidentes laborais no pólo industrial de Manaus e sustentabilidade da Amazônia

As informações relativas ao ano de 2017 precisam ser analisadas com muito cuidado pelo Ministério do Trabalho. Observou-se acentuada queda no número de Comunicações de Acidente de Trabalho (CAT), consequentemente, também houve substancial queda nos afastamentos por seguro-doença, e registro de mortes por acidentes de trabalho. É claro que são dados positivos que precisam ser comemorados. De qualquer forma, é preciso chegar às razões para esses resultados: ou as empresas se tornaram bem mais seguras de um ano para o outro, ou a queda na atividade econômica em todos os setores favoreceu a redução no volume de ocorrências, ou, por algum motivo, as empresas estão deixando de fazer a CAT.
Mostrar mais

20 Ler mais

Considerações sobre a criação do pólo ecológico de Brasília e a conservação da biodiversidade

Considerações sobre a criação do pólo ecológico de Brasília e a conservação da biodiversidade

O outro setor criado, Triagem e Registro Animal, atendia à necessidade de se profissionalizar os registros de animais em todos os níveis – veterinário, trato, ocupação de recintos – introduzindo de forma definitiva os novos recursos eletrônicos disponíveis como os programas ARKS e SPARKS. Essa atividade é o coração dos zoológicos modernos sendo responsável por grande contribuição ao conhecimento científico e à solução de problemas específicos (SHOEMAKER & NATHAN, 1996). Especificamente no caso dos registros do JZB, todas a fichas de animais desde sua fundação estavam dispostas como arquivo morto em uma sala no Teatro de Arena em 1998 e por muito pouco não viraram papel reciclado. Mesmo com a informatização dos processos de registro estas fichas são, em última análise, parte da história da cidade e zelar por sua conservação é uma responsabilidade do zoológico. Como exemplos da importância desses registros, a constatação de que o primeiro animal do JZB foi uma fêmea de guariba e não a elefanta Nely, por mais irrelevante que possa parecer, foi resultado do exame dessas fichas. Mais importantes são os dados sobre comportamento de ariranhas que por anos foram anotados no verso das fichas individuais e que não constam de seus registros eletrônicos. Ainda, o limite norte da distribuição geográfica de gato-palheiro (Oncifelis colocolo) no Brasil baseia-se em dados originais tirados das fichas do JZB, sendo este, o único registro até aqui conhecido destes animais no Piauí (SILVEIRA, 1995; MacFADEN & LOUZADA-SILVA, 1998).
Mostrar mais

129 Ler mais

Regras Pólo - Aquático FINALEN 20132017

Regras Pólo - Aquático FINALEN 20132017

6. Quando conceder um lançamento livre, de baliza ou canto, o árbitro responsável pela decisão deverá apitar e ambos os árbitros deverão mostrar a direcção do ataque, para possibilitar que os jogadores nas diferentes partes da piscina vejam rapidamente a que equipa foi atribuída a falta. O árbitro responsável pela decisão apontará para o local onde o lançamento deve ser feito, se a bola se encontrar noutro local. Os árbitros deverão usar a sinalética estipulada no Apêndice “B”, para indicar a natureza das faltas que assinalaram.

34 Ler mais

Os determinantes de performance da cadeia de abastecimento do setor eletroeletrônico do Pólo Industrial de Manaus - PIM

Os determinantes de performance da cadeia de abastecimento do setor eletroeletrônico do Pólo Industrial de Manaus - PIM

O PIM é um dos maiores pólos industriais do país, com cerca de 400 indústrias que empregam cerca de 50 mil trabalhadores diretos e mais de 250 mil em todo o país, tendo faturado no total, em 2000, US$ 10,3 bilhões, com destaque para dez pólos (eletroeletrônico; bens de informática; relojoeiro; duas rodas, termoplástico; canetas; isqueiros e similares; brinquedos; ótico; metalúrgico e químico) cada um com faturamento superior a US$ 180 milhões. O aumento ou manutenção do volume destes negócios dependerá da qualidade, da produtividade e do sistema logístico destas empresas. Foram criados incentivos fiscais, com redução tributária de até 40% visando atrair empresas como: Coca-Cola, Honda, Gillette, Philips, Xerox, Panasonic, Toshiba, Sony, Kodak, Sanyo, LG, dentre outras. Essas empresas já estão implantadas em Manaus há décadas, promovendo o desenvolvimento econômico da região, representando a garantia de competitividade a longo prazo para as empresas do PIM.
Mostrar mais

243 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados