Top PDF Produção de serapilheira e ciclagem de nutrientes de um reflorestamento e de uma floresta estacional semidecidual no sul do Brasil.

Produção de serapilheira e ciclagem de nutrientes de um reflorestamento e de uma floresta estacional semidecidual no sul do Brasil.

Produção de serapilheira e ciclagem de nutrientes de um reflorestamento e de uma floresta estacional semidecidual no sul do Brasil.

De acordo com a baixa concentração na serapilheira, nas duas áreas o fósforo apresentou a menor transferência (Tab. 1) conforme Piatek et al. (2009) e indica alta efi ciência das plantas na utilização desse elemento, que pode ser facilitada pela sua alta mobilidade (Schumacher et al. 2004). Tanto o refl orestamento quanto a fl oresta apresentaram menor transferência de nutrientes do que os apresentados por Cunha et al. (1993) e Vital et al. (2004). A baixa transferên- cia dos nutrientes pode estar associada à translocação dos mesmos para investimento em outros processos como ati- vação dos meristemas, a produção de novos ramos e folhas e no esforço reprodutivo, o que ocorre preferencialmente no verão e outono (janeiro a junho) (Aidar & Joly 2003).
Mostrar mais

5 Ler mais

Ciclagem de nutrientes em dois trechos de floresta estacional semidecidual na reserva florestal mata do paraíso em Viçosa, MG, Brasil.

Ciclagem de nutrientes em dois trechos de floresta estacional semidecidual na reserva florestal mata do paraíso em Viçosa, MG, Brasil.

Vitousek (1982) ressaltou que a economia no uso dos nutrientes, expressa pela eficiência de utilização destes, indica a possibilidade de limitação na produção primária no ambiente, enquanto a baixa eficiência aponta que o suprimento de nutrientes é mais adequado. A análise da eficiência de utilização dos nutrientes pelas florestas inicial e madura evidencia maior conservação dos nutrientes no ambiente da floresta inicial. Alguns autores ressaltaram que altos valores no índice de utilização dos nutrientes indicam uma ciclagem de nutrientes mais eficiente (GAMA-RODRIGUES e BARROS, 2002). Portanto, os teores mais elevados de nutrientes apresentados pela serapilheira proveniente da floresta madura, além das altas taxas de transferência anual desses nutrientes, refletem as melhores condições edáficas nesse ambiente. Isso mostra que a produção primária na floresta madura não é limitada pela disponibilidade dos elementos estudados (VITOUSEK, 1982).
Mostrar mais

11 Ler mais

Produção de serapilheira e ciclagem de nutrientes de uma floresta estacional semidecidual em zona ripária.

Produção de serapilheira e ciclagem de nutrientes de uma floresta estacional semidecidual em zona ripária.

A acumulação de serapilheira é variável de acor- do com o ecossistema considerado e seu estádio sucessional (DELITTI, 1989). Em se tratando de mata ciliar, essa acumulação está relacionada ao teor de umidade e à fertilidade do solo que a suporta, apresentando resultados diferentes mesmo estando essas matas situadas muito próximas entre si e exibindo as mes- mas condições climáticas (PAGANO e DURIGAN, 2000). As taxas de decomposição da serapilheira são consideradas rápidas, se existe pouco acúmulo na superfície do solo e os coeficientes de decomposição na condição de equilíbrio dinâmico (K) são maiores que 1,0 (WARING e SCHLESINGER, 1985). A conversão dessa matéria orgânica para húmus ocorre a uma taxa de 30 a 50% ao ano (GOLLEY, 1983).
Mostrar mais

8 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

Nesta perspectiva, serão abordados os seguintes aspectos: fundamentação e princípios da educação e da gestão escolar; planejamento e organização do trabalho escolar; monitoramento de processos e avaliação de resultados educacionais; gestão de resultados educacionais; gestão democrática e participativa; gestão de pessoas, gestão pedagógica, gestão administrativa; gestão do clima e cultura escolar, e gestão do cotidiano escolar. Na pesquisa empírica, serão apresentados os procedimentos metodológicos da pesquisa e a análise dos dados da pesquisa. Os dados foram obtidos por meio de entrevista realizada junto aos gestores das Escolas de Referência no Litoral Sul de Pernambuco e, em seguida, analisados os resultados e desempenho destas escolas. Logo, a pesquisa aplicada tem por objetivo analisar a gestão destas escolas na percepção dos seus professores.
Mostrar mais

118 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

O ensino médio chega em 2009 com somente cerca de cinquenta por cento dos jovens brasileiros com idade entre 15 a 17 anos. Concluindo que a oferta desta etapa ficou longe das metas previstas para a primeira década do Plano Nacional de Educação que era a universalização com qualidade (BRANDÃO, 2012). A retomada das DCNEM 7 - Parecer CNE/CEB nº 05/2011, entre tantas outras propostas de inovação curricular para esta última etapa do ensino básico, e não por acaso, vêm ao lado das avaliações de larga escala, em especial o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB) e o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), concebidos como mecanismos de promoção da equidade e eficiência do Ensino Médio que deixam de fora “a educação profissional, historicamente reservada aos desvalidos da sorte” (OLIVEIRA, 2003, p.47). Os pressupostos e orientações daí decorrentes, conforme estabelecido nas DCNEM, revelam a influência exercida pelos organismos de cooperação internacional - em especial a Unesco, o Banco Mundial, o BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento e outros - sobre os países membros da região. Tendo em vista “a estrutura dual e a fragmentação inerente à proposta não favorece, por certo, a integração entre cultura e produção, ciência e técnica, atividade intelectual e atividade manual [...]” (op. cit.: 47).
Mostrar mais

103 Ler mais

Plano anual de outorga Florestal

Plano anual de outorga Florestal

A FLONA do Amana tem previsto, em seu plano de manejo, uma zona para manejo florestal de 210.000 ha. O acesso pode ser terrestre, pela BR-230 (Transamazônica), fluvial (partindo de Itaituba pelo rio Tapajós ou partindo de Maués pelo rio Amana) ou aéreo (partindo de qualquer centro urbano até algumas das 27 pistas de pouso no interior da unidade). A FLONA contém áreas de três sub-bacias: Tapajós, Parauari e Amana. O rio Amana tem nascentes no interior da floresta. A temperatura média varia entre 25°C e 26°C e a precipitação média entre 1.750 e 2.750 mm. O potencial madeireiro identificado foi de 188 espécies com DAP ≥ 10 cm e 98 espécies com DAP ≥ 50 cm, com características apropriadas para o manejo. O volume total apresentado no inventário foi de 198 m³/ha e o volume comercial de 69,5 m³/ha. As espécies de maior valor comercial são: cumaru, maçaranduba, angelim-vermelho, andiroba, sucupira-preta, sucupira e rouxinho. As espécies não madeireiras que foram identificadas com potencial para uso sustentável e geração de renda são: açaí, babaçu, buriti, patauá, tucum, cipó- titica, timbó, andiroba, castanha-do-brasil, copaíba e seringueira. Os principais meios de suprimento da população existente no entorno da FLONA são provenientes da extração de ouro por garimpagem, criação de aves, agricultura de subsistência, pecuária e extração vegetal.
Mostrar mais

116 Ler mais

Reforma agrária no Brasil: a intervenção do MST e a atualidade do programa de transição — Outubro Revista

Reforma agrária no Brasil: a intervenção do MST e a atualidade do programa de transição — Outubro Revista

Especialistas acadêmicos vêm realizando estudos junto a assentados no país inteiro, procurando medir o grau de “particularização”, “cooperativização” e “coletivização” da propriedade e da produção em muitos dos assentamentos dirigidos pelo MST. Zamberlan e Froncheti, por exemplo, perceberam em suas pesquisas que “a viabilização das pequenas propriedades de assentados passa pela necessidade de adoção de novas for- mas de cooperação (cooperar é agir em conjunto, é trabalhar solidariamen- te), seja na produção propriamente dita, seja na transformação, seja na comercialização ou seja na definição das políticas de desenvolvimento”. Este diagnóstico é apoiado pela constatação de que “os agricultores assen- tados têm adotado diversas formas de cooperação: UPFs (Unidades de Pro- dução Familiares organizadas); Parcerias; Condomínios Rurais; Associa- ções de Máquinas e Associações de Produção; CPAs (Cooperativas de Pro- dução Agropecuária)”. 30
Mostrar mais

15 Ler mais

EVASÃO E PERMANÊNCIA NA EJA: POR UM TRABALHO DE QUALIDADE NA GESTÃO DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE

EVASÃO E PERMANÊNCIA NA EJA: POR UM TRABALHO DE QUALIDADE NA GESTÃO DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE

Essas publicações realizadas pela escola representam um caminho percorrido para aproximar o currículo da escola às necessidades dos educandos. O primeiro trabalho, por exemplo, intitulado “Águas, formando vidas”, tentou mapear as minas de água e esgoto a céu aberto encontrados na comunidade. Esse almanaque foi utilizado como instrumento de luta pelo saneamento básico no bairro em que a escola está localizada. O segundo projeto foi “Em busca de nossas origens”, que trabalhou com questões como racismo, história e cultura africanas. O terceiro estudou a trajetória dos movimentos sociais no Brasil e a última, e mais recente publicação, de 2012, intitulada “Ciranda Literária”, trouxe a literatura como tema central e teve como objetivo desenvolver o gosto pela leitura.
Mostrar mais

117 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd- CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd- CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

Ao considerar a notável melhoria nos resultados do Idepe alcançados pelas escolas de Ensino Médio após a implementação do Programa de Educação Integral, situação [r]

121 Ler mais

Risco Moral no Contexto de Perda da Cobertura de Seguro Ana Carolina Maia Monica Viegas Andrade Flavia Lúcia Chein Feres

Risco Moral no Contexto de Perda da Cobertura de Seguro Ana Carolina Maia Monica Viegas Andrade Flavia Lúcia Chein Feres

Em termos de bem-estar econômico e do ponto de vista normativo, o risco moral tende a causar uma externalidade negativa, uma vez que a sobreutilização de cuidados médicos gera um aumento do prêmio do seguro (Zweifel, Manning, 2000). O risco moral pode gerar perdas de bem-estar em função do gasto excessivo, que, se significativa o suficiente, pode chegar a inibir alguns consumidores de obterem o benefício do seguro. O trabalho seminal de Pauly (1968) demonstra ainda que, se os segurados usam um cuidado adicional pelo qual a disposição para pagar na ausência de seguro é menor que o custo de produção, o risco moral implica em má alocação de recursos.
Mostrar mais

20 Ler mais

Abordagem Diagnóstica e Critérios de Referenciação de Doenças Hereditárias do Metabolismo em Idade Pediátrica e no Adulto – Normas de Orientação Clínica

Abordagem Diagnóstica e Critérios de Referenciação de Doenças Hereditárias do Metabolismo em Idade Pediátrica e no Adulto – Normas de Orientação Clínica

b) Grupo II: Doenças do metabolismo energético - geralmente cursam com manifestações clínicas atribuíveis, pelo menos em parte, a defeitos de produção e/ou utilização da energia. Atingem de forma preferencial os órgãos que requerem mais energia como sejam fígado, coração (miocárdio), músculo-esquelético e/ou cérebro. Este grupo inclui as glicogenoses, os defeitos da neoglicogénese, as acidoses lácticas congénitas, os défices da beta-oxidação dos ácidos gordos, os defeitos do ciclo de Krebs e as doenças da cadeia respiratória mitocondrial. Os sintomas mais comuns incluem: má progressão estaturoponderal, hipotonia generalizada grave, miopatia, miocardiopatia, insuficiência cardíaca, sindroma de morte súbita (SIDS) e laboratorialmente hipoglicémia, hiperlactacidémia, entre outras;
Mostrar mais

39 Ler mais

Governo do Peru aprovou um guia para quantificar as emissões de gases de efeito estufa e poluentes climáticos de curta duração no setor de transporte. - Mobilitas

Governo do Peru aprovou um guia para quantificar as emissões de gases de efeito estufa e poluentes climáticos de curta duração no setor de transporte. - Mobilitas

Con el objetivo de apoyar esta labor, el MTC pone a disposición de ellos y del público en general Cambio Climático, Calidad del Aire y Transporte: guía para cuantificar las emisiones [r]

108 Ler mais

GABINETE DO DEPUTADO BETO FARO AQUISIÇÃO DE TERRAS POR ESTRANGEIROS

GABINETE DO DEPUTADO BETO FARO AQUISIÇÃO DE TERRAS POR ESTRANGEIROS

Em princípio, a propriedade do solo é do Estado e concessões urbanas e rurais são possíveis. Concessões perpétuas, a título oneroso ou gratuito, são concedidas apenas a pessoas físicas congolesas. Para as concessões ordinárias (enfiteuse, direito de superfície, direito de uso, direito de usufruto e direito de locação, não há restrições quanto à nacionalidade e o prazo é de 25 anos. Coréia do Sul Sistema de aprovação: estrangeiro interessado em terras nas zonas de interesse militar, cultural e

6 Ler mais

FLORESTAS DE VALOR INCENTIVA NOVA ECONOMIA NA FLORESTA

FLORESTAS DE VALOR INCENTIVA NOVA ECONOMIA NA FLORESTA

O projeto Florestas de Valor incide sobre territórios com grande diversidade social e ambiental e que so- frem diferentes tipos de pressão e ameaças. Calha Norte e Terra do Meio são as áreas com os maiores contínuos de floresta tropical do estado do Pará, en- quanto que São Félix do Xingu é uma região onde atividades econômicas reduziram significativamente as florestas nas últimas décadas. Para cada região, os especialistas do IMAFLORA desenvolvem uma estra- tégia diferenciada, sempre construída com os atores locais.

8 Ler mais

Resumen La interdependencia entre estado y MST en la constitución de un asentamiento de reforma agraria

Resumen La interdependencia entre estado y MST en la constitución de un asentamiento de reforma agraria

Ao conceber uma conclusão, embora não se constituindo algo conclusivo (finalizado) a este respeito, pode-se perceber que a centralidade deste entendimento, está calcada em determinantes nas quais demonstram diversas formas de desenvolvimento social, pois segundo Elias (1994) as relações na formação da sociedade não são homogêneas, em razão da vinculação que estas mantém de interdependência, no tocante as complexidades sociais instadas entre os agentes, que não se mantém circunscritas a formulas ou "modelos" pré-determinados. Essas relações que determinam uma dinâmica configuracional na constituição desse Assentamento e opções de vida dos assentados ocorreram em um entrelaçamento social entre o MST por meio de suas cooperativas, assentados, técnicos, dirigentes e demais espaços e agentes; pelo Estado em suas esferas governamentais a partir de suas instituições (Banco do Brasil, INCRA, EMBRAPA e EMATER); e pelo conjunto de aspectos conjunturais locais como ação de empresas do agronegócio, granjas, grandes produtores e governo municipal que foram evidenciadas e discutidas nesse estudo.
Mostrar mais

16 Ler mais

Agrocombustíveis no Brasil e na América Latina: impactos no campo e na cidade

Agrocombustíveis no Brasil e na América Latina: impactos no campo e na cidade

Quantidade ou qualidade? Aqui está a nossa primeira preocupação: que a oferta de energia renovável, em particular a bioenergia, se resuma a uma estratégia do capital surfando na nova onda ambiental e não mais do que isso. Quando se oferece sob o selo da sustentabilidade carros e caminhos que possam utilizar etanol ou biodiesel, não mudamos nada no modelo de desenvolvimento. Este continuará baseado sobre o modelo de transporte individual e o uso intensivo de recursos naturais. Mesmo poupando combustíveis fosseis, continuamos gastando energia para produzir aço e veículos. Pouca coisa nos distingue do século XIX e do salto que deu, quando o comércio começou a se mundializar. Encontramos mais uma “solução” para evitar enfrentar a questão de fundo: de um lado, a reorientação para o transporte coletivo e as ferrovias, hidrovias e navegação de cabotagem; e do outro, a imperiosa necessidade de reduzir os circuitos de produção e comercialização, extremamente energívoros e destruidores das economias locais e regionais.
Mostrar mais

69 Ler mais

Registo de Complicações de Interrupção de Gravidez. Definições e modelo de registo – Normas de Orientação Clínica

Registo de Complicações de Interrupção de Gravidez. Definições e modelo de registo – Normas de Orientação Clínica

iii. choque tóxico – quadro inespecífico com uma evolução rápida de falência multiorgânica, podendo culminar em morte materna. O aparecimento de um quadro compatível [r]

8 Ler mais

FACULDADE NOVOS HORIZONTES Programa de Pós-graduação em Administração Mestrado

FACULDADE NOVOS HORIZONTES Programa de Pós-graduação em Administração Mestrado

A vida em sociedade não permite o afastamento da lógica do capitalismo. Enriquez (2006), ao escrever sobre o homem do século XXI, afirma que “o que torna o sujeito menos dominado pelo Estado (exceto nas ditaduras) é substituído pela sujeição ao dinheiro”. O mundo empresarial é marcado pela competitividade e por exigências cada dia maiores em relação aos trabalhadores, esses que, para suprirem seus desejos e suas necessidades, submetem-se às demandas organizacionais. A palavra do momento no meio laboral tem sido a empregabilidade. Para Lemos, Rodriguez e Monteiro (2011), o mercado tem feito emergir uma cultura diferenciada quanto ao trabalho, com novas maneiras de situar a postura dos trabalhadores, sendo que o discurso acerca da atratividade do indivíduo, na condição de trabalhador, sujeita-o às exigências constantes das esferas de produção.
Mostrar mais

131 Ler mais

FRANK DO CARMO GUEDES GESTÃO DO CONFLITO E CLIMA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO EM UMA

FRANK DO CARMO GUEDES GESTÃO DO CONFLITO E CLIMA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO EM UMA

ambiente e na repressão de atitudes conturbadas e turbulentas (normalmente classificadas pela escola de indisciplina). No entanto, as atitudes impositivas da escola [r]

142 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados