Top PDF Novas referências de hepáticas (Marchantiophyta) da Floresta Nacional de Caxiuanã para o Estado do Pará, Brasil.

Novas referências de hepáticas (Marchantiophyta) da Floresta Nacional de Caxiuanã para o Estado do Pará, Brasil.

Novas referências de hepáticas (Marchantiophyta) da Floresta Nacional de Caxiuanã para o Estado do Pará, Brasil.

RESUMO – (Novas referências de hepáticas (Marchantiophyta) da Floresta Nacional de Caxiuanã para o Estado do Pará, Brasil). São apresentadas no presente trabalho oito hepáticas referidas pela primeira vez para o Estado do Pará, sendo cinco delas novas referências também para a região Norte do país. Todas são provenientes da Estação Científica Ferreira Penna (ECFPn) (1°42’30”S e 51°31’45”W), localizada na Floresta Nacional de Caxiuanã (Flona Caxiuanã, Amazônia Oriental). São elas Ceratolejeunea desciscens (Sande-Lac.) Schiffn., Colura greig-smittii Jovet-Ast, Lejeunea raddiana Lindenb. Gottsche, Rectolejeunea emarginuliflora (Gottsche) A. Evans, Arachniopsis monodactyla (Spruce) R.M. Schust., Plagiochila aerea Tayl., Plagiochila gymnocalycina (Lehm. & Lindenb.) Lindenb. e Plagiochila martiana (Nees) Lindenb. São fornecidos comentários taxonômicos relevantes e ilustrações das espécies.
Mostrar mais

8 Ler mais

Diversidade, taxonomia e distribuição por estados brasileiros das famílias Bartramiaceae, Brachytheciaceae, Bryaceae, Calymperaceae, Fissidentaceae, Hypnaceae e Leucobryaceae (Bryophyta) da Estação Científica Ferreira Penna, Caxiuanã, Pará, Brasil.

Diversidade, taxonomia e distribuição por estados brasileiros das famílias Bartramiaceae, Brachytheciaceae, Bryaceae, Calymperaceae, Fissidentaceae, Hypnaceae e Leucobryaceae (Bryophyta) da Estação Científica Ferreira Penna, Caxiuanã, Pará, Brasil.

Foi realizado o inventário das espécies de musgos (Bryophyta) da Estação Científica Ferreira Penna, município de Melgaço, estado do Pará. Esta estação possui 85% de sua área ocupada por mata de terra firme, bem conservada. Sua vegetação de fanerógamas já está relativamente estudada. Porém o estudo dos musgos está avançando agora com este trabalho. Além de inventariar as espécies de musgos ocorrentes na área, outros objetivos são ampliar a distribuição geográfica das espécies ainda não referidas para a região, registrar o tipo de substrato e ecossistema onde elas ocorrem. Foram identificadas 84 espécies, 37 gêneros e 19 famílias. Esse trabalho é parte dos estudos realizados com os musgos da ECFPn, tratando apenas das 47 espécies pertencentes às famílias Bartramiaceae, Brachytheciaceae, Bryaceae, Calymperaceae, Fissidentaceae, Hypnaceae e Leucobryaceae. Para cada táxon foram citados, herbário, referências de descrições, comentários com as características diagnósticas, habitats, distribuição geográfica brasileira e material examinado. São novas referências para Amazônia Brasileira, Fissidens pauperculus M.Howe e Octoblepharum costatum H.A.Crum e para o estado do Pará, Syrrhopodon incompletus Schwägr. var. berteroanus (Brid.) W.D.Reese e Leucobryum crispum Müll.Hal.
Mostrar mais

20 Ler mais

Fungos anamorfos (hyphomycetes) da Floresta Nacional de Caxiuanã, Pará, Brasil: novos registros para o Neotrópico.

Fungos anamorfos (hyphomycetes) da Floresta Nacional de Caxiuanã, Pará, Brasil: novos registros para o Neotrópico.

No Brasil, poucos estudos de caráter taxonômico envol- vendo fungos sobre palmeiras foram realizados, como os de Farr (1980) que descreveu a espécie Cryptophiale minor M.L Farr sobre folhas mortas da palmeira Astrocaryum sp. para o estado do Amazonas; Rodrigues (1994) realizou um estudo sobre fungos endofíticos presentes na palmeira Euterpe oleracea Mart. no estado do Pará; Grandi (1999) estudou os hifomicetos sobre folhedo em decomposição de Euterpe edulis Mart. no Estado de São Paulo; e para a Floresta Nacional de Caxiuanã, Pará, Gutiérrez et al. (2009) forneceram uma lista preliminar de hifomicetos presentes em
Mostrar mais

3 Ler mais

Puccinia caxiuanensis sp. nov. de Uredinales em espécies de Burseraceae no Brasil.

Puccinia caxiuanensis sp. nov. de Uredinales em espécies de Burseraceae no Brasil.

RESUMO - (Puccinia caxiuanensis sp. nov. de Uredinales em espécies de Burseraceae no Brasil). Descreve-se Puccinia caxiuanensis, coletada na Floresta Nacional de Caxiuanã, Estado do Pará, Brasil, como uma nova espécie de Uredinales (ferrugem) sobre Crepidospermum goudotianum (Tul) Triana & Planch. e Tetragastris panamensis (Engl.) Kuntze (Burseraceae).

3 Ler mais

Mixobiota de Floresta Atlântica: novas referências de Physarales para o Estado da Paraíba, Nordeste do Brasil.

Mixobiota de Floresta Atlântica: novas referências de Physarales para o Estado da Paraíba, Nordeste do Brasil.

Agradecimentos – Os autores agradecem ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientiico e Tecnológico (CNPq), pela concessão das bolsas de estudo sobre Myxomycetes no Nordeste do Brasil (processos 133656/2005-5, 140327/2005, 155673/2006-8, 479184/2003-8); a Marlene C. A. Barbosa, curadora do herbário UFP, pelas informações concedidas e material consultado; ao Dr. Leonardo Pessoa Félix, da Universidade Federal da Paraíba, Campus de Areia, pela disponibilidade e apoio para o desenvolvimento desta pesquisa; à DSc Andrea C. Caldas Bezerra, MSc. Alessandra Alencar, Bel. Fabian Tavares, MSc. Glauciane Damasceno, MSc Márcio Ruino, MSc David Lemos e Bel. Leandro Agra, da equipe do Labmix-UFPE, pelo auxílio nos trabalhos de campo e laboratório.
Mostrar mais

10 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

A quarta etapa, elencada no edital como Programa de formação, é constituída de encontros diários por um período não superior a duas semanas, nas quais uma bateria de conteúdos são transmitidos aos candidatos, dentre eles, principalmente o sistema de Gestão Integrada do Desenvolvimento Escolar (GIDE) 10 . Além de conhecimentos gerais sobre a parte administrativa da escola, informações sobre o sistema tecnológico de informação e gestão da escola chamado Conexão Educação. Dessa forma, percebe-se que o Processo Seletivo Interno mostra-se como uma das várias ações e medidas que vêm sendo implementadas pela atual gestão da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, tendo em vista que seus pilares são a meritocracia, o acesso a cargos de maneira transparente e a desvinculação das ações na educação com interesses políticos partidários.
Mostrar mais

123 Ler mais

PROMOVENDO A EQUIDADE EM UMA ESCOLA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PROGRAMA PILOTO PARA O COLÉGIO ESTADUAL LEOPOLDINA DA SILVEIRA – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

PROMOVENDO A EQUIDADE EM UMA ESCOLA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PROGRAMA PILOTO PARA O COLÉGIO ESTADUAL LEOPOLDINA DA SILVEIRA – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Em paralelo a esse levantamento com os alunos ingressantes, foi aplicada a Prova Brasil também aos alunos reprovados na 1ª série do CELS. A finalidade desse levantamento foi investigar se o aluno reprovado conseguiu ao menos absorver parte dos conteúdos oferecidos na 1ª série do ensino médio e, com isso, melhorar suas habilidades esperadas nas disciplinas de Matemática e Língua Portuguesa durante o ensino fundamental. Caso contrário há um indicativo de que não adianta deixar o aluno ingressante cursar a 1ª série sem oferecer um processo de readequação e nivelamento de conteúdos mínimos e obrigatórios do ensino fundamental, pois ele estará fadado ao insucesso acadêmico, sendo reprovado ao final do ano letivo ou abandonando a escola. Essa evidência, se confirmada, reforça a proposição do PAE e o programa piloto para o CELS a ser oferecido aos alunos ingressantes com grande defasagem já no início do período letivo.
Mostrar mais

197 Ler mais

O PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E O RENDIMENTO EDUCACIONAL¹

O PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E O RENDIMENTO EDUCACIONAL¹

O desenvolvimento educacional brasileiro é (corretamente) entendido no PNE como uma produção social. O Plano, em suas estratégias e resultados mensuráveis a serem avaliados, apon- ta também metas intermediárias que estimam o desenvolvimento educacional de forma prog- nóstica. Há o pressuposto de que as redes, e suas respectivas escolas, são capazes de atingir tais resultados nos interstícios previstos. Tais metas para totais e parciais foram estimadas a partir de funções matemáticas contínuas (quasi lineares), com progressões proporcionais ao longo do tem- po. No entanto, não houve teste empírico para tais hipóteses. O PNE projeta metas estimando aproximadamente o desenvolvimento da profici- ência média com ganhos de 17pts a cada edição do PISA (intervalos de três anos) e elevação do IDEB em 0,3 a cada biênio. No entanto, observou- -se no Brasil nos últimos biênios (2005 – 2013) um padrão de desenvolvimento educacional di- verso. A meta estimada para o desenvolvimento do IDEB nos anos iniciais do ensino fundamen- tal das Redes Públicas era de 3,6 em 2007. No en- tanto, atingiu-se 4,0. Nos anos seguintes, o incre- mento esperado era de aproximadamente 0,4 = 3,6 – 4,0 – 4,4 (2011), seguindo por um período de incremento levemente inferior (0,3) = 4,4 – 4,7 (2013) – 5,0 (2015) – 5,5 (2019) – 5,8 (2021). No entanto, observou-se um decréscimo ao lon- go do período: (+0,4) 4,4 – (+0,3) 4,7 – (+0,2) 4,9 (2013). O IDEB cresceu mais do que o esperado no início do período e depois passou a progre- dir num ritmo mais lento, descrevendo uma ten- dência similar a uma função exponencial inversa com grau de concavidade baixo. Tais diferenças
Mostrar mais

15 Ler mais

MÔNICA FIGUEIREDO DE MORAES A INFLUÊNCIA DA INFRAESTRUTURA NO DESEMPENHO ESCOLAR: ESTUDO DE CASO DE TRÊS COLÉGIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

MÔNICA FIGUEIREDO DE MORAES A INFLUÊNCIA DA INFRAESTRUTURA NO DESEMPENHO ESCOLAR: ESTUDO DE CASO DE TRÊS COLÉGIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

O presente trabalho problematiza o modo como a esfera administrativa, especificamente em suas questões relacionadas à gestão da infraestrutura, pode influenciar o desempenho dos alunos. Para tanto, foram selecionados três colégios da Regional Serrana II, pertencentes à rede estadual de ensino do Estado do Rio de Janeiro, com o objetivo de identificar os possíveis problemas na infraestrutura escolar, em seus aspectos físico, material e humano e referenciar as ações que a Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC/RJ)podeagregar às suaspráticas administrativas escolares para oferecer condições mais adequadas ao melhor desempenho educacional. Com este objetivo, descreveu-se e analisou-se a dimensão da gestão da SEEDUC/RJ, e, mais detalhadamente a Regional Serrana II, discorrendo sobre a infraestrutura e desempenho educacional das três unidades escolares selecionadas para análise.Além disso, traçou-se o perfil das comunidades escolares em que estão inseridasestes colégios, com o intuito de diagnosticar o grau de conhecimento, envolvimento e apropriação da gestão de cada unidade escolar. Posteriormente, definiu-se como campo de estudo, três unidades de ensino com a mesma classificação utilizada pela SEEDUC/RJ, no que diz respeito a quantidade de alunos e estabeleceu-se como critério, colégios sediados em municípios diferentes, para comparar o desempenho de cada unidade escolar nas avaliações IDEB e IDERJ com a infraestrutura disponível. A metodologia utilizada foi a pesquisa de campo associada à aplicação de cem questionários entre os gestores, professores, alunos e profissionais terceirizados. Para embasar a pesquisa amparou-se nos instrumentos legais que garantem a educação de qualidade como direito fundamental para proteger a dignidade do indivíduo, tal como a LBD 9394/96, bem como o Parecer CNENo. 08/2009
Mostrar mais

137 Ler mais

SILVANA MARIA CAIXÊTA A FORMAÇÃO DE GESTORES DE ESCOLA E O DESENVOLVIMENTO DO PERFIL DA GESTÃO PEDAGÓGICA: O CASO DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE UNAÍMG

SILVANA MARIA CAIXÊTA A FORMAÇÃO DE GESTORES DE ESCOLA E O DESENVOLVIMENTO DO PERFIL DA GESTÃO PEDAGÓGICA: O CASO DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE UNAÍMG

não se pode esperar mais que os dirigentes enfrentem suas responsabilidades baseados em “ensaio e erro” sobre como planejar e promover a implementação do projeto político – pedagógico da escola, monitorar processos e avaliar resultados, desenvolver trabalho em equipe, promover a integração escola – comunidade, criar novas alternativas de gestão, realizar negociações, mobilizar e manter mobilizados atores na realização das ações educacionais, manterem um processo de comunicação e diálogo aberto, planejar e coordenar reuniões eficazes, atuar de modo a articular interesses diferentes, estabelecer unidade na diversidade, resolver conflitos e atuar convenientemente em situações de tensão (LÜCK, 2009, p. 25).
Mostrar mais

111 Ler mais

O gênero Exserticlava (Fungo Anamorfo - Hyphomycetes) no Brasil.

O gênero Exserticlava (Fungo Anamorfo - Hyphomycetes) no Brasil.

enquanto que os encontrados em Caxiuanã são exclusivamente elípticos. As extensões hialinas das células conidiogênicas mostraram diferenças no comprimento e no número de septos. Em ambos os espécimes aqui descritos observaram-se conídios imaturos (0-2 septados) e não apenas conídios 3-septados, um aspecto não destacado nos espécimes descritos por Hughes (1978), Kuthubutheen & Nawawi (1994), Chang (1995) e Tsui et al. (2001).

5 Ler mais

IRLENE COELHO ELOI DA SILVA O PAPEL DA COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE COARIAM NA IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO

IRLENE COELHO ELOI DA SILVA O PAPEL DA COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE COARIAM NA IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO

De acordo com o Art. 2º, parágrafo 1º da referida portaria, os alunos precisariam demonstrar domínio da norma culta da Língua Portuguesa; fazer uso das linguagens matemática, artística e científica; construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas; selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações- problema; relacionar informações, representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em situações concretas, para construir argumentação consistente; recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural (BRASIL, 1998a).
Mostrar mais

174 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

Orientando-se por esses princípios do planejamento, o Estado do Rio de Janeiro criou metas para cada Unidade Escolar, em função da projeção do IDEB para a rede Estadual, e por ter como objetivo estar entre os cinco primeiros no ranking do IDEB em 2013. Essas metas são monitoradas pelos Agentes de Acompanhamento da Gestão Escolar que subsidiam o trabalho do gestor, dando o apoio necessário. O edital da seleção interna (RIO, 2013a) para AAGE estabelece como uma das atribuições: orientar o Gestor e a comunidade escolar na identificação dos problemas da escola, levando-os à definição de metas e elaboração dos planos de ação para melhoria dos resultados e verificar a execução e eficácia das ações propostas nos planos de ação, com vistas ao alcance das metas estabelecidas.
Mostrar mais

99 Ler mais

JOSIANE CRISTINA DA COSTA SILVA UM ESTUDO SOBRE A POLÍTICA E O MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE

JOSIANE CRISTINA DA COSTA SILVA UM ESTUDO SOBRE A POLÍTICA E O MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE

Com relação ao Saeb/Prova Brasil, especificamente, as atividades desta coordenação têm início bem antes de o processo de disseminação acontecer. O trabalho começa no ano anterior ao da realização da prova, com a participação na elaboração do projeto básico, no qual serão estabelecidas as condições de execução do exame que deverão ser atendidas pela empresa contratada para este fim. Já em abril do ano de realização das provas, a coordenação trabalha com o plano amostral, o qual define, por sorteio, escolas que farão as provas da Aneb, que posteriormente serão contatadas e avisadas sobre o sorteio. Além desse trato com a parte amostral, ocorre a publicação de uma portaria comunicando a participação das escolas na Prova Brasil, de adesão compulsória e censitária. Essa etapa do trabalho termina com o envio à empresa gráfica que imprimirá as provas da base de dados contendo informações sobre o público participante do exame.
Mostrar mais

139 Ler mais

3º ENCONTRO DE PESQUISADORES DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA RELATÓRIO TÉCNICO

3º ENCONTRO DE PESQUISADORES DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA RELATÓRIO TÉCNICO

O 3º Encontro de Pesquisadores do Parque Nacional da Tijuca foi iniciado com um atraso de 30 minutos, tendo seu início às 9h30min. Também em decorrência de certa dificuldade de acesso a locais para alimentação a preços acessíveis ao público participante outro pequeno atraso foi computado ao retorno do almoço.

16 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd – CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd – CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

Para a segunda etapa, a proposta é baseada no estudo da legislação educacional nacional e estadual; do Currículo Básico Comum da rede estadual de ensino do estado de Minas Gerais; do conhecimento e apropriação dos resultados das avaliações do SIMAVE (PROALFA e PROEB), para o ciclo de alfabetização e complementar, a fim de proporcionar aos profissionais um nivelamento de saberes que ancore a ação docente e aprimore sua competência técnica e pedagógica. Essa etapa se concretiza através da oferta, pela SEE/MG, de uma formação à distância para professores efetivos em exercício; professores recém-nomeados no último concurso, prorrogado recentemente 59 e professores designados para a função de professor regente de turma de 1º ao 5º ano de escolaridade, viabilizada através de ambiente virtual e das tecnologias de informação e comunicação (TIC). O objetivo principal desta etapa da formação será dar subsídio ao profissional para atuar consistentemente, de acordo com as diretrizes da SEE/MG para a educação no estado de Minas Gerais. A MAGISTRA, escola de formação da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais e o CAEd, que administra a aplicação das avaliações em larga escala do SIMAVE no estado de Minas Gerais, em parceria, serão os responsáveis por desenvolver e ofertar esta formação inicial.
Mostrar mais

185 Ler mais

ELABORAÇÃO DA PROVA DO ENADE NO MODELO DO BANCO NACIONAL DE ITENS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

ELABORAÇÃO DA PROVA DO ENADE NO MODELO DO BANCO NACIONAL DE ITENS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Após várias discussões e análises das demandas dos últimos dois anos, a Diretoria tem um projeto de criação de uma coordenação específica para elaboração exclusiva dos instrumentos de avaliação dos dois exames que estão sob a responsabilidade da Daes atualmente: o Enade e o Revalida. Esta nova coordenação seria a Coordenação Geral do Banco Nacional de Itens da Educação Superior. Por enquanto, houve apenas uma divisão de trabalhos, na qual foi estipulado um grupo, ao qual pertenço, para ficar responsável por estes instrumentos. A intenção é que esta nova coordenação possa elaborar, no futuro, itens constantemente, independentemente de o curso ser avaliado naquele ano ou não. Nessa perspectiva, este trabalho visa sugerir estratégias de gestão para a construção de um banco de itens sólido possibilitando montar, com mais qualidade, as provas a serem aplicadas todos os anos pelo Enade.
Mostrar mais

90 Ler mais

O PROGRAMA DE BIBLIOTECAS DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE: CAMINHOS PARA UMA POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE LEITORES

O PROGRAMA DE BIBLIOTECAS DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE: CAMINHOS PARA UMA POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE LEITORES

Para incentivar o hábito de leitura também do docente, foi criada a Biblioteca do Professor que tem sede na SMED/BH e tem como objetivo a formação dos profissionais da educação com materiais bibliográficos pertinentes. A bibliotecária desse espaço é responsável também pela coordenação da Reserva Técnica do Livro Didático do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) do MEC. A localização da Biblioteca do Professor dificulta o acesso dos professores ao acervo, uma vez que está situada em um bairro da regional Centro Sul. Como Belo Horizonte é uma grande cidade, com nove regionais, professores que trabalham dois ou três turnos um uma regional distante, tendem a preferir consultar a internet e até mesmo a biblioteca escolar do que se deslocar para a Biblioteca do Professor. Aqui também entra a questão da informatização, ou seja, se todas as bibliotecas fossem informatizadas, e, caso o professor precisasse de um material específico saberia em qual biblioteca tem e assim ficaria mais fácil o acesso à obra.
Mostrar mais

208 Ler mais

O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR: UMA ANÁLISE DE SUA IMPLEMENTAÇÃO NAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE MANAUS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR: UMA ANÁLISE DE SUA IMPLEMENTAÇÃO NAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE MANAUS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

As narrativas dos participantes identificaram que uma alimentação saudável é aquilo que faz bem e corresponde ao consumo de alimentos como frutas, sucos de polpa de fruta, verduras, legumes, carne, peixe, ovos, frango etc., em detrimento ao consumo de alimentos nutricionalmente “vazios” como refrigerantes e salgadinhos, ocasionando uma mudança benéfica aos hábitos alimentares dos escolares. Acerca deste dado da pesquisa em relação à oferta de refeições saudáveis e nutritivas aos alunos, presume-se que a SEDUC/AM vem cumprindo com seu papel em relação à execução do cardápio que tem como premissa a saúde dos escolares, que segundo a normativa PNAE/FNDE, dispõe que a EEx deve garantir o direito do escolar à alimentação adequada por, no mínimo, 200 dias letivos (BRASIL, 2006c).
Mostrar mais

212 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados