Top PDF Regeneração de espécies nativas lenhosas sob plantio de Eucalyptus em área de Cerrado na Floresta Nacional de Paraopeba, MG, Brasil.

Regeneração de espécies nativas lenhosas sob plantio de Eucalyptus em área de Cerrado na Floresta Nacional de Paraopeba, MG, Brasil.

Regeneração de espécies nativas lenhosas sob plantio de Eucalyptus em área de Cerrado na Floresta Nacional de Paraopeba, MG, Brasil.

RESUMO – (Regeneração de espécies nativas lenhosas sob plantio de Eucalyptus em área de Cerrado na Floresta Nacional de Paraopeba, MG, Brasil). A regeneração de sub-bosques em plantios homogêneos tem estreita dependência de florestas vizinhas. Outros fatores exercem influência, como a ecologia da dispersão da espécie, os efeitos de borda e clareiras. Diante disto, procurou-se conhecer a florística e a estrutura da vegetação lenhosa de espécies nativas sob plantio de Eucalyptus em área de Cerrado na Floresta Nacional de Paraopeba, MG, e verificar a variação da riqueza, da densidade e de indivíduos zoocóricos e anemocóricos da borda para o interior do talhão. Para tal, foram alocadas cinco parcelas de 5×40 m, subdivididas em parcelas 5×10 m. Foram encontradas 47 espécies e destas as que se destacaram foram Magonia pubescens A. St.-Hil.e Miconia albicans (Sw.) Triana, principalmente quanto à alta densidade. Das espécies amostradas 53% possuem dispersão zoocórica e 43% anemocórica. Verificou-se também a diminuição da riqueza, da densidade e da percentagem de indivíduos anemocóricos da borda para interior. Porém a percentagem de indivíduos zoocóricos aumentou no interior do talhão. A maior riqueza e densidade na borda dá-se pela dificuldade da dispersão de diásporos no interior do fragmento. O índice de diversidade (H’= 2,49) encontrado para este estudo foi próximo aos valores observados em estudos em regeneração sob Eucalyptus em áreas de Cerrado.
Mostrar mais

8 Ler mais

Fitossociologia de sub-bosque de cerrado em talhão de Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden no município de Bom Despacho-MG.

Fitossociologia de sub-bosque de cerrado em talhão de Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden no município de Bom Despacho-MG.

O Cerrado em Minas Gerais tem sido objeto de discussão de grupos temáticos que estudam a conservação da biodiversidade no Estado. Dentre as áreas que possuem vegetação de Cerrado a denominada Bom Despacho, que engloba os municípios de Bom Despacho, Martinho Campos e Dores do Indaiá, foi definida como Área de Alta Importância Biológica. Como resultado, foram estabelecidas recomendações para conservação de sua biodiversidade. Essas recomendações são, pela ordem, criação de unidades de conservação, inves- tigação científica e recuperação de áreas degrada- das (BIODIVERSIDADE ..., 1998). A região de Bom Despacho possui uma extensa área com povoamentos de Eucalyptus spp. para produção de madeira e carvão. Camargo (1998) salientou que em muitas plantações de Eucalyptus spp., em todo o Brasil, tem sido observada e considerada comum a formação de um denso sub-bosque de espécies nativas a partir de regeneração natural. O estabelecimento dessas espécies pode partir de diásporos advindos de vegetação autóctone vizinha aos plantios, do banco de sementes presentes no solo local ou da brotação de órgãos subterrâneos gemíferos, fato comum após a implantação de povoamentos florestais em áreas de Cerrado (Aubert & Oliveira Filho, 1994).
Mostrar mais

6 Ler mais

Regeneração natural de cerrado sob plantio de Eucalyptus camaldulensis Dehn. no norte de Minas Gerais, Brasil.

Regeneração natural de cerrado sob plantio de Eucalyptus camaldulensis Dehn. no norte de Minas Gerais, Brasil.

A formação de paisagens homogêneas tornou-se um problema na biologia da conservação, já que essas plantações interferem diretamente na dinâmica das comunidades. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi determinar a compo- sição florística e a estrutura da regeneração natural de cerrado, no sub-bosque de um plantio de Eucalyptus camaldulensis, e verificar se essa regeneração se diferencia, dependendo da distância em relação às bordas do talhão. O estudo foi realizado no município de Montes Claros, MG. Para o levantamento, foram demarcados dois blocos, cada um subdividido em nove parcelas de 10 m x 10 m, utilizando-se, como critério de inclusão, a altura ≥ 0,30 m. Foram registrados 2.413 indivíduos. No bloco 1, foram amostrados 914 indivíduos, pertencentes a 63 espécies e 26 famílias, sendo Eugenia dysenterica, Hymenaea stigonogocarpa, Calliandra sp. e Duguetia furfuracea as espécies mais importantes, segundo o Valor de Importância (VI). No bloco 2, foram registrados 1.499 indivíduos, distribuídos em 71 espécies e 30 famílias, sendo os maiores VIs alcançados por Cupania vernalis, Chamaecrista desvauxii, Pouteria ramiflora e Senna rugosa. A distribuição em classes de altura e de diâmetro mostrou a maioria dos indivíduos nas menores classes, demonstrando que a área ainda reflete um evento de regeneração recente. Entretanto, os resultados deste estudo indicam que existem comunidades distintas no local, estando o bloco 2 em estádio mais avançado de regeneração do que o primeiro. Esse fato foi confirmado pela análise de agrupamento entre as parcelas e as diferenças de diversidade e desenvolvimento estrutural da vegetação de cada bloco.
Mostrar mais

10 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA MARÍLIA ROMEIRO VITT

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA MARÍLIA ROMEIRO VITT

Dentro da nova estrutura organizacional das SREs, foi criada a DIPE que é responsável dentro da sua jurisdição, por ações relacionadas ao planejamento, monitoramento, coordenação dos Recursos Humanos e da Gestão de Pessoas da SEE-MG do ingresso através de contratações (designações) e nomeações, avaliação de desempenho, levantamento de vagas, quadro de pessoal das escolas, pagamento, autorizações para lecionar, colegiado escolar, vida funcional (contagem de tempo, concessão, publicação dos direitos e vantagens, aposentadoria). Além das funções de gestão de socialização dos conhecimentos; eficiência no trabalho para cumprimento das demandas nos prazos estipulados.
Mostrar mais

126 Ler mais

CARLOS DA CUNHA SILVA PROPOSTA DE REORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS NA SUPERINTENDÊNCIA DE PESSOAL DA SECRETARIA DE ESTADO DE

CARLOS DA CUNHA SILVA PROPOSTA DE REORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS NA SUPERINTENDÊNCIA DE PESSOAL DA SECRETARIA DE ESTADO DE

Esse mutirão durou aproximadamente cinco meses (agosto a dezembro de 2013), o que possibilitou a redução do volume de processos pendentes. Na ocasião, foram priorizados os processos referentes a acertos financeiros provenientes de vantagens, principalmente a título de férias prêmio, a serem pagas em espécie, de servidores com tal direito e que tiveram as aposentadorias publicadas no Diário Oficial do Estado. Vale ressaltar que tal ação foi eficiente, pois o volume de pendências diminuiu drasticamente. Entretanto, ficou claro que, para dar conta de suas demandas, a SPS precisava contar com a colaboração de servidores das SREs citadas. Como esses servidores se deslocaram para a sede da SEE/MG em Belo Horizonte, houve aumento do custo operacional, com o pagamento de diárias para custear o transporte a Belo Horizonte (ônibus), hospedagem, alimentação e deslocamentos na Capital. O percentual de aumento do custeio não será objeto de análise neste trabalho, mas vale ressaltar que o aumento do custo operacional do setor, está em confronto com as premissas do Choque de Gestão, quais sejam serviço eficiente aliado a redução de custos.
Mostrar mais

146 Ler mais

TABELA NACIONAL DE FUNCIONALIDADE – Normas de Orientação Clínica

TABELA NACIONAL DE FUNCIONALIDADE – Normas de Orientação Clínica

Serviços e programas de nível local, comunitário, regional ou nacional que têm por finalidade proporcionarem intervenções junto dos indivíduos para o seu bem-estar físico, psicológico e social, tais como, serviços de promoção da saúde e de prevenção de doenças, serviços de cuidados primários, cuidados em situações agudas, serviços de reabilitação e de cuidados prolongados; serviços financiados com recursos públicos ou privados, cuidados prestados a curto ou longo prazo, por períodos ou de uma só vez, numa diversidade de ambientes, tais como, comunidade, domicílio, escola e local de trabalho, hospitais gerais, hospitais especializados, clínicas.
Mostrar mais

56 Ler mais

O CURSO DE PEDAGOGIA DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA (Parfor) NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO DE OLIVENÇA (AM)

O CURSO DE PEDAGOGIA DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA (Parfor) NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO DE OLIVENÇA (AM)

A participação das Instituições de Ensino Superior (IES) se dá por meio de Termo de Adesão ao Acordo de Cooperação Técnica. As IES que aderirem ao Parfor Presencial são responsáveis por todos os atos relativos aos procedimentos acadêmicos e regulatórios dos cursos e turmas especiais do Parfor Presencial na IES e nos órgãos competentes, e terão as seguintes atribuições: participar do Fórum Estadual em que for sediada; participar da elaboração e revisão do Planejamento Estratégico do estado; apresentar ao Fórum Estadual sua capacidade de oferta de cursos e vagas, com a finalidade de compatibilização da oferta com a demanda; implementar as turmas especiais conforme deliberação do Fórum, e homologação da Capes; garantir todos os procedimentos necessários à certificação de todos os alunos das turmas especiais do Parfor Presencial; articular-se com os estados e municípios para definir o calendário escolar e alternativas quando necessário, que possam viabilizar a participação e permanência dos docentes nos cursos sem prejuízo de suas atividades profissionais; selecionar, acompanhar e certificar o pagamento dos bolsistas do Parfor Presencial no Sistema de Gestão de Bolsas (SGB), de acordo com as normas expedidas pela Capes; encaminhar à Capes as informações e documentos que forem solicitados para a formalização do instrumento para a transferência dos recursos, nos prazos estabelecidos; efetivar a matrícula do aluno selecionado na IES e, em seguida, registrar o número de matrícula na Plataforma Freire (BRASIL, 2009b).
Mostrar mais

170 Ler mais

Modelagem do Comportamento Inelástico de Estruturas de Aço: Membros sob Flexão em Torno do Eixo de Menor Inércia

Modelagem do Comportamento Inelástico de Estruturas de Aço: Membros sob Flexão em Torno do Eixo de Menor Inércia

Relacionado às superfícies de interação, Orbison et al. (1982) desenvolveram uma expressão para a curva de resistência de perfis padrão americano de peso leve a médio sob ação combinada da carga axial e flexão nos dois eixos principais. Zubydan (2011) apresentou novas superfícies de resistência para perfis I e H submetidos à carga axial e momento fletor em torno do eixo de menor inércia. Além disso, esse autor desenvolveu fórmulas empíricas para o cálculo do módulo tangente desses perfis. Aktas e Earls (2006) estudaram perfis tipo I com flexão no eixo mais fraco e propuseram modificações nas equações de interação fornecidas pela norma americana. Esses perfis também foram estudados por Bambach et al. (2007) que sugeriram novas equações de projeto para as normas americana, australiana e europeia sobre perfis formados a frio.
Mostrar mais

102 Ler mais

PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO

PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO

Pela ausência de grandes incêndios no Brasil até início dos anos 70 do século passado, a segurança contra incêndio era relegada a segundo plano. A regulamen- tação relativa ao tema era esparsa, contida nos códigos de obras dos municípios, sem quaisquer incorporações do aprendizado dos incêndios ocorridos no exterior, salvo quanto ao dimensionamento da largura das saídas e escadas e da incom- bustibilidade de escadas e estruturas de prédios elevados. O corpo de bombeiros possuía alguma regulamentação, advinda da área de seguros, indicando em geral a obrigatoriedade de medidas de combate a incêndio, como a provisão de hidrantes e extintores, além da sinalização desses equipamentos.
Mostrar mais

20 Ler mais

Ecossistema em restauração versus ecossistema de referência: estudo de caso da comunidade vegetal de mata ciliar em região de Cerrado, Assis, SP, Brasil.

Ecossistema em restauração versus ecossistema de referência: estudo de caso da comunidade vegetal de mata ciliar em região de Cerrado, Assis, SP, Brasil.

Até que ponto a estrutura e a composição dos ecossistemas naturais são válidas como metas para a restauração é assunto controverso. Enquanto alguns autores defendem a ideia (Aronson et al. 1995, White & Walker 1997, Engel & Parrotta 2008), um outro grupo de autores considera que o ecossistema natural intocado é uma meta pouco provável de ser atingida (Ehrenfeld 2000, Choi 2007, Hobbs 2007, Rey Benayas et al. 2009, Suding 2011, Maron et al. 2012). Alguns estudos recentes, analisando resultados de diversos projetos de restauração (Rey Benayas et al. 2009, Maron et al. 2012), têm chegado à conclusão de que recuperar os serviços ecossistêmicos geralmente é possível, mas reproduzir o ecossistema que foi destruído é praticamente impossível. Para esses autores, fatores diversos podem conduzir a sucessão por rumos diferentes, chegando a um resultado final distinto do ecossistema natural previamente existente. A possibilidade de um ecossistema restaurado igualar ou pelo menos aproximar-se de um ecossistema de referência só pode ser avaliada mediante monitoramento por meio de indicadores ecológicos. A escolha de indicadores para avaliar ecossistemas em restauração tem sido também objeto de controvérsias. Em ampla revisão sobre o assunto, Ruiz-Jaén & Aide (2005) constataram que a diversidade de plantas e a estrutura da comunidade vegetal estão entre os indicadores mais utilizados, especialmente porque representam também uma série de processos ecológicos. Durigan (2011) considerou restaurado um ecossistema que tiver atingido o nível esperado de biodiversidade e funcionamento, e a autossustentabilidade, representados por alguns atributos mensuráveis. A autossustentabilidade de ecossistemas florestais depende da manutenção dos processos de regeneração natural das espécies vegetais, especialmente arbóreas, que formam a estrutura que abriga todas as outras espécies e cria
Mostrar mais

14 Ler mais

PARA UMA POLÍTICA DE AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA NA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA DE MATO GROSSO – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

PARA UMA POLÍTICA DE AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA NA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA DE MATO GROSSO – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Com 903,3 km² de extensão territorial, o estado do Mato Grosso é considerado, hoje, o terceiro maior estado do Brasil. Em função de sua grande diversidade populacional, foi preciso adotar modelos diferenciados de ensino para atender às mais diferentes localidades dessa região do país. Como citado no capítulo anterior, nos grandes centros urbanos as escolas da rede estadual são basicamente localizadas nas cidades, enquanto que, no referido estado, a economia é centrada na agricultura e as famílias têm por tradição concentrar suas moradias no campo. Por isso novos modelos de educação precisaram ser pensados. Ainda hoje, temos em Mato Grosso, muitas regiões habitadas por aldeias indígenas, o que requer um modelo diferenciado de ensino, levando em conta suas peculiaridades. As escolas que se encontram no contexto urbano, dadas as distâncias territoriais, também trazem suas características específicas. Além dos três modelos citados, ainda temos o ensino voltado ao público da EJA, que também difere dos demais.
Mostrar mais

88 Ler mais

EMISSÕES DO SETOR DE AGROPECUÁRIA

EMISSÕES DO SETOR DE AGROPECUÁRIA

É interessante notar que durante os últimos 40 anos os focos de emissão de GEE ao longo do território brasileiro acompanharam a expansão agrícola nacional. Nos anos 70, por exemplo, 60% das emissões de GEE brasileiras estavam concentradas nos esta- dos do Sul e Sudeste, dominados pelas produções de carne e leite nos estados do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e São Paulo. À medida que o Brasil expandiu sua fronteira agrícola, aproximadamente 30% das emissões nacionais foram deslocadas para a re- gião Centro-Oeste, especialmente para o estado do Mato Grosso, como mostram os mapas da Figura 10. Atualmente, esse estado é uma das principais fronteiras agrícolas do mundo, concentrando o maior rebanho bovino e a maior produção de soja nacional, produtos que são exportados principalmente para a Europa e Ásia.
Mostrar mais

92 Ler mais

O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR: UMA ANÁLISE DE SUA IMPLEMENTAÇÃO NAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE MANAUS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR: UMA ANÁLISE DE SUA IMPLEMENTAÇÃO NAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE MANAUS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Através da resenha exposta pelo CAE, sobre o suporte disponibilizado pela Secretaria, é possível outorgar que a SEDUC/AM vem cumprindo o seu papel em relação ao apoio concedido ao desenvolvimento do trabalho do CAE. Atendendo à regulamentação do PNAE, a qual determina que é obrigação dos estados, Distrito Federal e dos municípios garantir ao CAE a infraestrutura necessária para a plena execução das atividades de sua competência. Tais como local apropriado em condições adequadas para as reuniões do conselho, disponibilidade para a utilização de equipamento de informática, transporte para o deslocamento dos membros aos locais relativos ao exercício de sua competência (por exemplo, estabelecimentos de ensino, armazéns, locais de preparo de alimentos), incluindo as reuniões ordinárias e extraordinárias do CAE. Disponibilidade de recursos humanos e financeiros, previstos no Plano de Ação do CAE, necessários às atividades inerentes às suas competências e atribuições (BRASIL, 2014a).
Mostrar mais

212 Ler mais

Referências técnicas para atuação de psicólogas(os) em Programas de Atenção à Mulher em situação de Violência [2013] - CREPOP CREPOP

Referências técnicas para atuação de psicólogas(os) em Programas de Atenção à Mulher em situação de Violência [2013] - CREPOP CREPOP

mulheres e às campanhas publicitárias, à atuação de organizações não governamentais de defesa de direitos e à organização política das mulheres, passaram a caracterizar como agressão situações que na vida íntima não eram consideradas como tal. Uma vez mais instruídas, as mulheres passaram a denunciar os autores da violência e a buscar ajuda nos serviços especializados públicos e privados. De acordo com os dados sobre as características socioeconômicas das mulheres brasileiras divulgado em 2011 nos Resultados do Censo 2010 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as mulheres no Brasil representam 51% da população. Já a publicação do IBGE, baseada na Pesquisa Mensal de Emprego (PME), MULHER NO MERCADO DE TRABALHO: PERGUNTAS E RESPOSTAS de março de 2012 aponta que, em 2011, as mulheres eram maioria na população de 10 anos ou mais de idade (População em idade Ativa - PIA), cerca de (53,7%). Contudo, eram minoria (45,4%) na população ocupada (PO). Essa estrutura distributiva reflete-se no nível de ocupação, relação que mostra o contingente de ocupados em relação ao total da PIA. Para as mulheres, esse indicador foi de 40,5% em 2003 passando para 45,3% em 2011.
Mostrar mais

120 Ler mais

Regras de Prescrição de Dispositivos Médicos na Retenção/Incontinência em Idade Pediátrica e no Adulto – Normas de Orientação Clínica

Regras de Prescrição de Dispositivos Médicos na Retenção/Incontinência em Idade Pediátrica e no Adulto – Normas de Orientação Clínica

familiar, social e laboral 3. Os dispositivos médicos dispensados em farmácia da comunidade estão restritos aos produtos cuja utilização foi determinada pelo fabricante [r]

7 Ler mais

EDILVANA MARA DA SILVA LOPES A GESTÃO DE PROCESSOS DO ENSINO DE GRADUAÇÃO: Estudo sobre as demandas de visitas técnicas e trabalhos de Campo na Universidade Federal de Juiz de Fora

EDILVANA MARA DA SILVA LOPES A GESTÃO DE PROCESSOS DO ENSINO DE GRADUAÇÃO: Estudo sobre as demandas de visitas técnicas e trabalhos de Campo na Universidade Federal de Juiz de Fora

Embora tenha havido total controle do Estado no âmbito das instituições de ensino superior, o MEC diagnostica como positiva a reforma universitária de 1968, caracterizando-a como "a grande LDB da educação superior, ao assegurar autonomia didático-científica, disciplinar, administrativa e financeira às universidades." (MEC, s/d). Entretanto, o Ministério não explica como de fato essa autonomia se efetivou, perante o controle e a dependência financeira que o governo federal exercia sobre as universidades. Observa-se, também, que a reforma não propiciou na prática as reivindicações dos estudantes quanto à gestão participativa e quanto à adequação dos currículos à realidade brasileira, dando continuidade ao ensino superior excludente, formador de mão de obra para o mercado de trabalho e mantenedor da educação como instrumento de poder. Cabe destacar, também, que embora o documento da Reforma traga em seu art. 1º a determinação de que o “ensino superior tem por objetivo a pesquisa, o desenvolvimento das ciências, letras e artes e a formação de profissionais de nível universitário” (BRASIL, 1968), percebe-se na prática o preterimento da formação científica perante a formação profissionalizante.
Mostrar mais

142 Ler mais

Assessing the biodiversity impacts of policies related to REDD+

Assessing the biodiversity impacts of policies related to REDD+

Command and control policies for achieving REDD+ objectives depend on the national context but include both the laws and regulations that specify restrictions on deforestation and also the ability to enforce or incentivize those restrictions. For example, as discussed previously, in Brazil the main law for restricting deforestation is the Forest Code and a key element for reducing deforestation has been enforcing the code through the PPCDAm. It is likely that a great part of REDD+ implementation in Brazil will be through investment of REDD+ funds in intensification of these efforts, which could include extending the programme of surveillance and control into the Cerrado biome through the PPCerado policy. Developing and understanding the impact of policy options can be complicated by complexity in the law. For example, in Brazil, the law designates the APPs based on the characteristics of the location (such as slope, elevation and proximity to rivers). Mapping these areas is not a simple process, especially in delineating restrictions along river margins, where the preserved land area depends on the river width. Additionally, there are specific requirements, in terms of forest recovery, for small properties and the definition of small properties varies according to the municipality where the property is located (from 5 to 110 ha).
Mostrar mais

40 Ler mais

No Brasil, a Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) acaba de lançar o Guia Básico de Gestão Operacional para Melhoria do Serviço de Ônibus, em português, com versão virtual gratuita - Mobilitas

No Brasil, a Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) acaba de lançar o Guia Básico de Gestão Operacional para Melhoria do Serviço de Ônibus, em português, com versão virtual gratuita - Mobilitas

capacidade efetiva e outras qualidades da oferta de mobilidade urbana por ônibus não dependem apenas das caracterís- ticas das linhas, dos potenciais dos veículos e da capacitação operacional dos operadores. No entanto, esta parece ser a imagem pre- sente entre as populações urbanas no Brasil, e, pior, também entre os gestores públicos e funcionários dos órgãos de fiscalização dos gestores. Ela se mostra incompleta quando se constatam as condições do ambiente em que se realiza a prestação do serviço e que interfe- rem no pleno aproveitamento de seu potencial. Diferentemente de outros meios, o trans- porte por ônibus depende tanto do quinhão do espaço público que lhe for dedicado, quanto de equipamentos especiais para facilitar seu caminho, aspectos esses que são minimizados nos BRTs. Depende também da qualidade de manutenção da via, que é de responsabilidade da cidade, e finalmente da fiscalização e da ação do gestor público na indução do com- portamento correto dos demais veículos que utilizam o mesmo espaço.
Mostrar mais

188 Ler mais

Manual de Boas Práticas de Enfermagem em Tuberculose – Normas de Orientação Clínica

Manual de Boas Práticas de Enfermagem em Tuberculose – Normas de Orientação Clínica

Para desempenhar este papel com eficácia, estes profissionais devem conhecer os sinais e sintomas da doença, a abordagem da pessoa com suspeita e com diagnóstico de tuberculose, avalia[r]

50 Ler mais

PRÁTICAS DE GESTÃO ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM MAURÍCIO DE AZEVEDO DE JANAÚBAMG

PRÁTICAS DE GESTÃO ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM MAURÍCIO DE AZEVEDO DE JANAÚBAMG

O CONSED, para estabelecer seus princípios, buscou parcerias com organizações como a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Ministério da Educação (MEC), União Nacional dos Dirigentes Municipais (UNDIME), Fundação Roberto Marinho, Instituto Unibanco, Instituto Natura, Fundação Itaú Social, Fundação Victor Civita, Gerdau, Fundação SM e Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Esperava-se, com tais parcerias, contribuir para a melhoria da qualidade da escola pública brasileira, para que as premiações fossem possíveis. A Embaixada dos Estados Unidos no Brasil é um dos parceiros do CONSED desde o início e oferece como prêmio, uma viagem de 15 dias de duração, aos diretores das escolas selecionadas na fase nacional do Prêmio de Gestão Escolar. Essa iniciativa tem como intuito proporcionar visita técnica a estabelecimentos de ensino americanos para que tenham contato com outras experiências de gestão escolar.
Mostrar mais

153 Ler mais

Show all 10000 documents...